• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Cyberbullying
 

Cyberbullying

on

  • 1,461 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,461
Views on SlideShare
1,461
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Cyberbullying Cyberbullying Presentation Transcript

    • Cyberbullying Liliana RodriguesMestrado em Supervisão Pedagógica e Formação de Professores
    • BullyingEsta expressão, de origem inglesa, designa todos os actosde violência e atitudes agressivas desde que intencionais erepetitivas (Abrapia, 2006; McCarthy, Sheehan, Wilkie eWilkie, 1996:50), tendo sido adoptada pela língua portuguesadada a sua complexa tradução.
    • Foi na década de 80 do século XX, que o suicídio detrês rapazes, na Noruega, com idades compreendidas entre os 10 e os 14 anos levou as instituições a interessar-se sobre este problema. A partir daí, teminício uma longa luta pela descoberta, identificação e combate ao bullying.A primeira campanha anti-bullying foi levada a cabo, precisamente, na Noruega, em 1993: a Campanha Nacional Anti-Bullying (Abrapia, 2006).
    • Tipos de Bullying• Escolar: é aquele que, tal como o próprio nome indica, ocorre nas escolas;• Laboral: também conhecido como mobbing, é aquele que acontece no local de trabalho.
    • Cyberbullying• As primeiras referências ao cyberbullying surgem em 2002, mas a suas primeiras definições aparecem somente em 2003 pela advogada norte americana, Nancy Willard (2003) e pelo canadiano Bill Belsey (2005).• Assume-se como uma variante do tradicional bullying.
    • Bullying - tipo de violência que secaracteriza por ser intencional, continua ede carácter físico, verbal e /ou psicológicosobre um ou mais indivíduos.Cyberbullying - recurso às tecnologias dacomunicação e informação para denegrir,humilhar e/ou difamar uma ou maispessoas.
    • O cyberbullying envolve o uso detecnologias de informação e comunicação(e-mail, telemóvel, redes sociais, etc) pararepetida e deliberadamente promover ocomportamento hostil de um indivíduo ou deum grupo para prejudicar outros (Anderson,& Sturm, 2007). Podemos afirmar que estefenómeno implica violência psicológicaintencional, envolvendo comportamentosnegativos como: a mentira, a ameaça, oinsulto, a difamação, a intimidação, o rumor,a provocação, a exclusão, entre outros(Aricak et al., 2008).
    • Tipos e formas de CyberbullyingProvocar - uso de linguagem vulgar e ofensiva para com avítima;Perseguir ou assediar - envio repetido de mensagensdesagradáveis;Denegrir - divulgação de mexericos ou mentiras sobre a vítimacom o objectivo de denegrir a sua imagem e reputação;Personificar – fazer-se passar pela vítima no ciberespaço ou usaro seu telemóvel para degradar o relacionamento com os seusamigos;Violar a intimidade - partilhar online com terceiros os segredos,informações ou imagens embaraçosas da vítima, excluir a vítimade um grupo online de forma deliberada e cruel;Intimidar - enviar mensagens insultuosas, desagradáveis quepretendem incutir medo ou intimidação na vítima. Willard (2006)
    • A agressão e a perseguição psicológica trazem consequências muito desastrosas para os indivíduos. Stress, depressão,tensão, desconfiança, insegurança e auto-estima baixa são os sintomas mais frequentemente apresentados pelas vítimas (Anderson, & Sturm, 2007).
    • O cyberbullying traz consequências trágicas para a saúde mental dos indivíduos, danificando os seusrelacionamentos e reputação social ediminuindo, portanto, a sua qualidade de vida e saúde. O cyberbullying é, deste modo, um problema de saúde pública. (Juvonen & Gross, 2008)
    • Os problemas das vítimas de bullying são estáveis ao longo do tempo. Ser vítima debullying pode durar muito tempo, por vezes,vários anos. Deste modo, os alunos, vítimas de bullying na escola, continuam a ser vítimas de bullying em adultos. Asconsequências da vitimização são nefastaspara os indivíduos, persistindo ao longo dos anos. Olweus (1993)
    • Estudos em PortugalAlmeida et al. (2008) interessaram-se poridentificar em que medida o recurso apráticas de bullying através das novastecnologias estão relacionados com padrõesde empatia e descomprometimento moralem agressores, vítimas e observadores. Oestudo reúne participantes de duas cidadesdo Norte e Sul do país, que frequentavam o7º, 8º e 9º ano de escolaridade.
    • Resultados do Estudo:Via telefone - 6% das raparigas e 3% dos rapazesrelataram terem sido vítima de bullying, e 3% das raparigase 5% dos rapazes afirmaram terem cometido actos debullying;Via internet - 6% das raparigas e 4% dos rapazes referiramque estiveram envolvidos em episódios de cyberbullyingenquanto vítimas, e 2% e 4%, respectivamente, enquantobullies.Deste modo, os autores concluem que o cyberbullying éefectivamente um fenómeno emergente, no entanto osjovens parecem não estar informados e conscientes do seuimpacto.
    • Estudos em PortugalOs resultados do estudo “Cyberbulliyng –um diagnóstico da situação em Portugal”foram apresentados, em Coimbra, no dia 3de Abril de 2012, durante a ConferênciaInternacional sobre o desenvolvimentoprofissional dos formadores de professores,que decorreu na Faculdade de Psicologia ede Ciências da Educação da Universidadede Coimbra.
    • O estudo abrangeu, numa primeira fase, 339 alunos dos 6.º, 8.º e 11.º anos de escolas das regiões de Lisboa e Coimbra. Segundo estes primeiros dados, 15,7% dos inquiridos dizem já ter sido vítimas de cyberbullying e 9,4% admitiram ter sidoagressores, usando tecnologias de informação e comunicação para agredir os colegas. Os meios mais utilizados foram a mensagem instantânea, o SMS (através de telemóvel eInternet) e as redes sociais (com destaque para o Hi5 e Facebook).
    • O projecto, envolvendo as universidades de Coimbra (UC) e Lisboa e contando com o apoio da Fundação para a Ciência eTecnologia, abrangeu também uma amostrade 261 alunos das faculdades de Psicologia das duas instituições.13% dos estudantes universitários inquiridosdizem que foram vítimas, um por cento foram agressores e 88% foram testemunhas de cyberbullying.
    • Sinais de alerta1 - Angústia durante e após o uso da Internet.2 - Afastamento dos amigos e da família.3 - Evita o encontro com grupo de amigos ou colegas.4 - Resultados escolares mais baixos.5 - Reacções impulsivas, sem razão aparente.6 - Alterações no humor, no comportamento, no sono e no apetite.7 - Desejo de deixar de usar o telemóvel e o computador.8 - Aparência agitada ou nervosa ao receber um sms ou e-mail.9 - Recusa em participar em discussões sobre as actividades docomputador ou telemóvel.
    • O que fazer?• Actue Imediatamente. O seu filho precisa de saber que pode e vai ajudá-lo. Não espere para ver se o abuso pára. Se acha que o seu filho está fisicamente em risco, contacte a polícia de imediato.• Todos os esforços devem ser feitos para encontrar o cyberbully e responsabilizá- lo. Se o bully é um aluno, considere denunciá-lo à escola. Denuncie o bullying ao website em que ocorre o bullying. Muitos serviços têm moderadores e locais para denunciar abusos - por exemplo, abuse@microsoft.com. Peça às operadoras telefónicas para localizarem as chamadas e tome medidas.• Diga ao seu filho para não responder ao cyberbully ou retaliar pois os bullies procuram reacção. Não atenda telefonemas ou responda (ou leia) mensagens de texto ou comentários.• Bloqueie os cyberbullies. A maior parte dos serviços Web permitem bloquear qualquer indivíduo cujo comportamento é inapropriado ou ameaçador de qualquer forma. Consulte o serviço – rede social, IM, telemóvel – para saber como.• Guarde as provas. Guarde mensagens de texto, e-mails e outras provas de cyberbullying caso as autoridades precisem destas.
    • Referências Bibliográficas. ALMEIDA, A., et al(2008). Espaços virtuais para maus tratos reais: as práticas de cyberbullying numaamostra de adolescentes portugueses. In R. Astor, E. Debardieux, & C. Neto (Eds). 4th WorldConference on Violence in School and Public Policies (pp. 134). Lisboa: Edições FMH.. ABRANTES, J. C. (org.) (2006). Ecrãs em mudança. Lisboa: Livros horizonte/CIMJ. CARVALHOSA, S., LIMA, L., MATOS, M. (2001). Bullying - a provocação/vitimação entre pares nocontexto escolar português [online].Disponível:http://www.scielo.oces.mtces.pt/pdf/asp/v19n4/v19n4a04.pdf [08 de Março de 2007]. CORTELLAZZI, L. (2006). Bullying: humilhar, intimidar, ofender, agredir [online].Disponível: http://www.eep.br/noticias/docs/bullying.pdf [26 de Março de 2007].. MACEDO, E. (2007). Cyber-bullying não conhece fronteiras [online].Disponível: http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Tecnologia/Interior.aspx?content_id=34514 [15de Maio de 2007].. OLWEUS, D. (1991). Bully/victim problems among schoolchildren: basicfacts and effects of school based intervention program. In D. Pether e K. Rubin(eds.). the development and treatment of childhood aggression. Hillsdale, N.J.:Erlbaum.. WIKIPEDIA (2007). Bullying [online]. Disponível: http://pt.wikipedia.org/wiki/bullying [2007, Fevereiro19].WILLARD, N. (2006). Flame Retardant. School Library Journal, 54-56