A política agrícola comum
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A política agrícola comum

on

  • 756 views

 

Statistics

Views

Total Views
756
Views on SlideShare
756
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A política agrícola comum A política agrícola comum Presentation Transcript

  • A POLÍTICA AGRÍCOLACOMUMP.A.C.
  • A FORMAÇÃO DA C.E.E. Procurar construir a paz na Europa; Unir forças por um projecto comum de desenvolvimento – um mercado único; Voltar a conseguir protagonismo no cenário político e económico a nível mundial...
  • Com o trado de Roma: Em Janeiro de 1958, uma Europa a seis: França; Alemanha; Itália; Bélgica; Luxemburgo; Holanda View slide
  • A CRIAÇÃO DA PAC EM 1962, NO GRUPO DOS 6 PAÍSES DA CEE; Porque: Havia graves carências alimentares; Não eram auto-suficientes e dependiam de terceiros, no fornecimento de recursos alimentares; No mundo rural vivia-se mal e estava a verificar-se o abandono para as cidades. View slide
  • PRINCIPAIS OBJECTIVOS: INCENTIVO À PRODUÇÃO; MELHORAR OS RENDIMENTOS DOS AGRICULTORES; CRIAR UM MERCADO COMUM; TORNAR OS PAÍSES AUTOSUFICIENTES; MELHORAR OS PREÇOS AO CONSUMIDOR.
  • A CRIAÇÃO DO MERCADOAGRÍCOLA COMUM - OCMPrincípios ou fundamentos deste mercado:- Um mercado único nos seis países;- A preferência dos produtos comunitários;- Solidariedade financeira e unicidade dos preços
  • Medidas levadas a cabo: O incentivo à produção através do desenvolvimento de técnicas agrícolas e da investigação científica; Incentivo aos agricultores com ajudas directas à produção (subsídios à produção) Garantias no escoamento dos produtos; Financiamento para a exportação; Protecção aduaneira.
  • Criação de um instrumentofinanceiro FEOGA – Fundo Europeu de Orientação e Garantia Agrícola: Subdividido em: Feoga GARANTIA – financia a orgânica das OCM; Feoga ORIENTAÇÃO – financia as reformas estruturais da agricultura e desenvolvimento rural.
  • Objectivos alcançados esuperados No decorrer dos anos 70 os objectivos são atingidos. A continuação das políticas e a superação dos objectivos desemboca em problemas:- Produção excedentária em vários produtos;- Mercados desiquilibrados e desajustados da realidade mundial;- Problemas ambientais;- Problemas ao nível da segurança e qualidade dos alimentos...
  • Os alargamentos da C.E.E.Em 1973:- Reino Unido; Irlanda e Dinamarca Em 1981 – A GréciaEm 1986 – Espanha e Portugal A C.E.E a 12
  • As reformas da PAC A primeira reforma em 1992 sob o lema: REDUZIR... A reforma de 1999 - integra as recomendações da agenda 2000 e as alterações necessárias ao pós Uruguai – round. A reforma de 2003 – A NOVA PAC
  • A Reforma da PAC 1992 REDUZIR: a produção excedentária; Os encargos com a PAC; os preços dos produtos ao consumidor; as assimetrias entre estados membros; a agricultura fortemente intensiva;
  • Do GATT à OMCPouco depois da Segunda Guerra Mundial, as Nações Unidas definiram um programa onde seincluía, entre outras medidas, a criação de uma organização de âmbito comercial, cujo objectivoseria o de regular o comércio internacional. Em 1947, iniciaram-se as negociações sobre barreirasaduaneiras, tendo resultado um Acordo Geral sobre Pautas Aduaneiras e Comércio – GATT(General Agreement on Tariffs and Trade), com o objectivo de assegurar a previsibilidadenas relações comerciais internacionais e um processo contínuo de liberalização do comércio.Após a entrada em vigor do GATT, desenvolveram-se vários ciclos de negociações comerciais(Genebra, Annecy, Torquay, Genebra, Dillon, Kennedy, Tóquio) onde foram reduzidas asbarreiras pautais e criados vários acordos disciplinadores do comércio internacional, como éexemplo o Código Anti-dumping. O último ciclo de negociações do GATT, denominado«Uruguay Round», iniciado em 1986 em Punta Del Este eformalmente concluído em 1994 emMarraquexe, foi o mais ambicioso de sempre. Os seus resultados incidiram não apenas sobre oclássico comércio de mercadorias, mas levaram à adopção de regras e disciplinas aplicáveis aocomércio de serviços (Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços – GATS) e aos aspectos dodireito de propriedade relacionados com o comércio (Acordo sobre os Direitos de PropriedadeIntelectual ligados ao Comércio – TRIPS). Criou ainda um Órgão de Resolução de Litígios(incluindo uma instância de apelo), bem como um mecanismo de exame regular das políticascomerciais nacionais dos seus membros, que permite acompanhar a evolução e fazerrecomendações.Um dos principais resultados desta negociação foi a criação da Organização Mundial deComércio – OMC – que se substitui ao GATT na gestão e administração dos acordosmultilaterais sobre comércio internacional resultantes do Uruguai Round.Adaptado de A Organização Mundial de Comércio e a Dimensão do Desenvolvimento,Direcção-Geral das Relações Económicas Internacionais, 2002.
  • Do GATT à OMC O GATT é criado após a 2ª Guerra Mundial. Os mercados mundiais evoluem e necessitam de desenvolver novos acordos que facilitem as trocas comerciais. Com o Uruguai Round, desenvolvem-se longas negociações ao longo de quase 10 anos, entre mais de 100 países. Em Janeiro de 1995, entra em funcionamento a OMC – Organização do Comércio Mundial, hoje já conta com 153 membros.
  • Novo alargamento da C.E. Suécia Finlândia Austria Europa a 15
  • A AGENDA 2000 Em 26 de Março de 1999, no final do Conselho Europeu de Berlim, os Chefes de Estado e de Governo concluíram um acordo político sobre a Agenda 2000. Agenda 2000 designa um programa de acção cujos principais objectivos consistem em reforçar as políticas comunitárias e dotar a União Europeia de um novo quadro financeiro para o período de 2000- 2006, tendo em conta a perspectiva do alargamento. Este programa de acção foi concretizado em 1999
  • A AGENDA 2000 e a PAC a prossecução das reformas agrícolas na via traçada pelas mudanças de 1988 e 1992, com vista a estimular a competitividade europeia, integrar mais as considerações de ordem ambiental, garantir rendimentos equitativos aos agricultores, simplificar a legislação e descentralizar a respectiva aplicação
  • 1999 – SEGUNDA REFORMA DA PAC integra as recomendações da agenda 2000 e as alterações necessárias ao pós Uruguai – round. promover uma agricultura sustentável e a qualidade ambiental; melhorar a segurança e qualidade dos produtos; aumentar a competitividade dos produtos; reforçar a posição da U.E. no âmbito da OMC.
  • Reforma de 2003 – A NOVA PAC reforço das medidas que visam melhorar a qualidade dos alimentos; reforço das medidas ambientais; redução nos subsídios (preparação para o alargamento); mais apoios ao desenvolvimento rural. Aperfeiçoamento dos mercados
  • Desenvolvimento rural – o 2º Pilar da PAC Pretende:- O decréscimo do êxodo rural;- O combate à pobreza;- A criação de emprego;- A igualdade de oportunidades e a melhoria do bem estar da população.