HipertensãO Arterial

33,976 views

Published on

Farmacologia

0 Comments
16 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
33,976
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
94
Actions
Shares
0
Downloads
815
Comments
0
Likes
16
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

HipertensãO Arterial

  1. 1. HIPERTENSÃO ARTERIAL
  2. 2. <ul><li>For ça com a qual o coração bombeia o sangue através dos vasos. </li></ul><ul><li>Determinada pelo volume de sangue que sai do coração e pela resistência que o sangue encontra para circular no corpo. </li></ul><ul><li>Pode ser modificada pela variação do volume do sangue ou viscosidade, freqüência cardíaca e elasticidade dos vasos. </li></ul><ul><li>Reguladas por estímulos hormonais e nervosos. </li></ul>PRESSÃO ARTERIAL
  3. 3. HIPERTENSÃO ARTERIAL <ul><li>Definição e Fisiopatologia: Elevação persistente da pressão sanguínea sistólica acima de 140mmHg e diastólica acima de 90mmHg. </li></ul><ul><li>A pressão sanguínea arterial é o produto do débito cardíaco pela resistência periférica total. Assim: </li></ul><ul><ul><li>O débito cardíaco é determinado pela freqüência cardíaca e pelo volume sistólico. </li></ul></ul><ul><ul><li>O controle da resistência vascular periférica é exercido pelo SNAutônomo e por hormônios circulantes. </li></ul></ul><ul><li>Qualquer fator que altere a resistência periférica, o débito cardíaco ou o volume sistólico afeta a pressão arterial. </li></ul>
  4. 4. PA = DC x RVP VS x FC TÔNUS VASCULAR INO CRONO (força) (ritmo) NEURAIS (SNSimp) HUMORAIS LOCAIS Contratilidade Cardíaca x Frequência Cardíaca
  5. 5. Controle da pressão arterial <ul><li>regulação a cada momento do DC e da RVP em 4 locais anatômicos </li></ul><ul><li>arteríolas - resistência </li></ul><ul><li>vênulas - capacitância </li></ul><ul><li>coração - débito (fluxo) </li></ul><ul><li>rins - volume </li></ul>SN Simpático
  6. 6. Mecanismos que exercem papel no controle e manutenção da PA: <ul><li>Sistema barorreceptor hormonal : no seio carotídeo, aorta e VE, reagem contra elevações da PA através da desaceleração cardíaca e vasodilatação. </li></ul><ul><li>Regulação do volume hídrico : se excesso de sódio e água, volume total sanguíneo aumenta e, conseqüentemente, aumenta a PA. </li></ul><ul><li>Sistema renina-angiotensina : responsável pela vasoconstrição periférica, que aumenta a resistência vascular e, conseqüentemente, aumenta a PA. </li></ul><ul><li>Auto-regulação vascular : qualquer anormalidade como a deficiência de vasodilatadores e anormalidades congênitas, provocam aumento da PA. </li></ul>
  7. 7. Agentes reguladores <ul><li>PGI2: Relaxamento do músculo liso e inibe a agregação plaquetária; </li></ul><ul><li>PGE2: Vasodilatação renal; </li></ul><ul><li>NO: Vasodilatação, inibe a proliferação de células musculares lisas vasculares, inibe a adesão plaquetária e migração de monócitos (defesa contra ateroma e trombose); </li></ul><ul><li>Peptídeos: Angiotensina II, Endotelina </li></ul><ul><li>Noradrenalina e adrenalina; </li></ul>
  8. 8. Risco <ul><li>acidentes vasculares cerebrais </li></ul><ul><li>coronariopatias </li></ul><ul><li>insuficiência renal </li></ul><ul><ul><li>Maior causa de mortes </li></ul></ul>
  9. 9. Classificação da Hipertensão <ul><li>Existem 2 principais tipos de hipertensão: </li></ul><ul><ul><li>A hipertensão primária constitui 90 a 95% dos casos e pode ter início gradual e curso prolongado (hipertensão benigna) ou um início repentino e curso breve (hipertensão maligna). </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quando NÃO tem causas específicas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Fatores genéticos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Estresse psicológico </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Hábitos e costumes (dieta, álcool, tabagismo) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>A hipertensão secundária decorre de uma causa identificável, primárias, como: doenças renais, hipo e hipertireoidismo, hiperplasia adrenal congênita, anormalidades e defeitos congênitos vasculares, síndrome de Cushing, alterações hormonais (estrogênio, glicocorticóides), gravidez, distúrbios neurológicos (Tumor cerebral, aumenta da pressão intracraniana), uso de drogas injetáveis e abuso de álcool. </li></ul></ul><ul><li>Geralmente assintomática até a lesão de órgão-alvo </li></ul>
  10. 10. Fatores de Risco <ul><li>Existem ainda diversos fatores de risco para o desenvolvimento da hipertensão: estresse, obesidade, dieta rica em sódio (induz liberação do hormônio natriurético, que aumenta PA), dieta rica em gorduras (aterosclerose), sedentarismo, envelhecimento. </li></ul><ul><li>Manifestações Clínicas: Não há manifestações nos estágios iniciais, as quais são relatadas a partir do avanço da doença: cefaléia, ruborização, fadiga, embaçamento visual, epistaxe ( Sangramento do nariz ). </li></ul>
  11. 11. ABORDAGEM TERAPÊUTICA <ul><li>Tratamento não farmacológico: </li></ul><ul><ul><li>Redução dos fatores predisponentes </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Evitar o tabagismo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Evitar o álcool </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fazer exercícios físicos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reduzir o peso corporal </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dieta (redução do sal) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Diminuir o estresse </li></ul></ul></ul>
  12. 12. ABORDAGEM TERAPÊUTICA <ul><li>Tratamento farmacológico: </li></ul><ul><ul><li>Fármacos com ação sobre 1 ou mais dos 4 locais anatômicos de controle da PA </li></ul></ul><ul><ul><li>Classificação pelo mecanismo de ação: </li></ul></ul><ul><li>FÁRMACOS SIMPATOLÍTICOS </li></ul><ul><li>INIBIDORES DA ECA </li></ul><ul><li>FÁRMACOS VASODILATADORES </li></ul><ul><li>BLOQUEADORES DE CANAIS DE Ca 2+ </li></ul><ul><li>DIURÉTICOS </li></ul>
  13. 13. ANTI-HIPERTENSIVOS <ul><li>SIMPATOLÍTICOS: </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ação central – Agonistas  2 (clonidina e metildopa) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Antagonistas  (prazosin, doxazosin) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Antagonistas  (propranolol e congêneres) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>BLOQUEADORES DOS CANAIS DE CÁLCIO </li></ul><ul><li>INIBIDORES DA ECA </li></ul><ul><li>ANTAGONISTAS DOS RECEPTORES DA ANGIOTENSINA II </li></ul><ul><li>DIURÉTICOS </li></ul><ul><li>VASODILATADORES (NITROPRUSSIATO) </li></ul><ul><li>CARDIOTÔNICOS </li></ul><ul><li>ANTIARRÍTMICOS </li></ul>
  14. 14. FÁRMACOS SIMPATOLÍTICOS <ul><li>Dividem-se em: </li></ul><ul><ul><li>Ação Central: Redução direta ou indireta da atividade simpática de ação central: clonidina e metildopa </li></ul></ul><ul><ul><li>Ação central de 2ª geração - rilmenidina, monoxidina </li></ul></ul><ul><ul><li>Bloqueadores ganglionares (Antagonistas de receptores nicotínicos) - mecamilamina, trimetafan </li></ul></ul><ul><ul><li>Bloqueadores adrenérgicos – reserpina ( aminas biógenas em vesículas) </li></ul></ul><ul><ul><li>Antagonistas de receptores adrenérgicos alfa – prazosina, beta – propranolol, alfa/beta - labetalol </li></ul></ul><ul><li>Pode reduzir a incidência de efeitos colaterais e aumentar a adesão ao tratamento. A aceitação é limitada devido à ocorrência de erupção cutânea. </li></ul>
  15. 15. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>METILDOPA </li></ul><ul><ul><li>sintetizada como análogo da DOPA – inibição da DOPA-descarboxilase </li></ul></ul><ul><ul><li>“ falso neurotransmissor”: metabolizada a metilnoradrenalina </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeito hipotensor bloq </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>por inibidores centrais DOPA-descarboxilase </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>por afinidade aos receptores  -2 de ação central </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Estimula receptores  2 - tronco cerebral </li></ul></ul><ul><ul><li>Diminui o fluxo simpático do SNC </li></ul></ul><ul><ul><li>Metabolizada SNC a metilnoradrenalina </li></ul></ul>
  16. 16. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>METILDOPA </li></ul><ul><ul><li>Ações : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reduz a PA por reduzir a RVP </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pouco efeito sobre DC e FC </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Inibe a secreção de renina (sem importância p/  PA) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Causa redução da resistência vascular renal </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>pacientes com insuficiência renal </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pouca hipotensão postural </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Pseudotolerância” – retenção de sais e líquidos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>associação com um diurético </li></ul></ul></ul></ul>
  17. 17. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>METILDOPA </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Boa absorção por VO – transporte ativo no intestino </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Concentração plasmática máxima em 2-3 h e ½ vida:  2h </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Efeito máximo em 6-8 h persistindo por até 24 h </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Acesso ao SNC por transporte ativo também </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Excretada pelo rim (conjugado) – insuf. renal x ½ vida e Eficácia máxima reduzida (dose x efeito) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sedação, depressão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Redução da acuidade mental / esquecimento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Distúrbios do sono e Cefaléia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Impotência, diarréia, visão embaçada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bradicardia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hipersensibilidade do seio carotídeo e Anemia hemolítica (raro) </li></ul></ul></ul>
  18. 18. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>CLONIDINA </li></ul><ul><ul><li>causava sedação, hipotensão e bradicardia </li></ul></ul><ul><ul><li>é um agonista parcial  2 </li></ul></ul><ul><ul><li>vasoconstrição decorrente da ativação de R.  2 do MLV </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeito hipotensor: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ativação central de receptores  2 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>reduz o tônus simpático e aumenta o parassimpático </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>ação sobre: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li> 2 pré-sináptico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li> 2 pós-sináptico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>outro receptor </li></ul></ul></ul>
  19. 19. 1. agonistas seletivos  2  anti-hipertensivos de ação central MAO EFEITOS BIOLÓGICOS  Clonidina Difusão Captação neuronal Captação tecidual extra-neuronal  +  - NA  
  20. 20. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>CLONIDINA </li></ul><ul><ul><li>Redução da PA decorre de: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li> FC </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relaxamento de vasos de capacitância </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li> RVP principalmente na posição ereta </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Fluxo sanguíneo renal é mantido </li></ul></ul><ul><ul><li>Há retenção de sais e líquidos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>associar com um diurético </li></ul></ul></ul>
  21. 21. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>CLONIDINA </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Boa absorção VO – altamente lipossolúvel </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conc. plasmática e efeito hipotensor máx. 1-3 h (VO) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>½ vida:  12 h </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Doses iniciais baixas com elevação gradual </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Emplastros de liberação transdérmica </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sedação, depressão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Disfunção sexual </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bradicardia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dermatite de contato </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Interação com antidepressivos tricíclicos (bloq.  ) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Crise hipertensiva na suspensão abrupta </li></ul></ul></ul>
  22. 22. 2. ANTI-HIPERTENSIVOS DE AÇÃO CENTRAL DE 2 a GERAÇÃO <ul><li>Ex: Monoxidina, Rilmenidina => modificações estruturais da clonidina </li></ul><ul><li>menos efeitos sedativos </li></ul><ul><li>baixa afinidade por  2 </li></ul>
  23. 23. 3. BLOQUEADORES GANGLIONARES <ul><li>TRIMETAFAM </li></ul><ul><ul><li>Inibição de reflexos vasomotores simpáticos => Taquicardia leve </li></ul></ul><ul><ul><li>pode ocorrer retorno venoso -  DC -  PA </li></ul></ul><ul><ul><li>Acúmulo venoso (vasos de capacitância) é necessário infusão IV lenta - duração 15 min </li></ul></ul><ul><ul><li>Usos : crise hipertensiva, hipotensão controlada, ensaios </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Simpáticos: hipotensão, disfunção sexual,  transpiração </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parassimpáticos: constipação, retenção urinária, visão turva, boca seca </li></ul></ul></ul>
  24. 24. <ul><li>Usos terapêuticos </li></ul><ul><li>- Hipertens ão </li></ul><ul><li>- Controle da PA em pacientes com aneurismas dissecantes agudos da aorta </li></ul><ul><li>Reduzem a PA e inibem reflexos simpáticos, diminuindo a vel. da elevação da pressão no local da laceração </li></ul><ul><li>- Hipotensão controlada durante cirurgias </li></ul><ul><li>Trimetafan- IV, 0,3-3mg/min, com monitorização da PA, início da ação: 10 min </li></ul><ul><li>Manter PA menor que a normalidade </li></ul><ul><li>Medicamento pode liberar histamina, cautela pacientes alérgicos </li></ul><ul><li>Tolerância 48h terapia, retenção de líquidos </li></ul>3. BLOQUEADORES GANGLIONARES Antagonistas de receptores nicotínicos-
  25. 25. A dissecção aórtica ocorre quando o sangue penetra na parede da artéria a partir da camada íntima do vaso, criando um falso trajeto. Este trajeto tem uma extensão variável de sua circunferência e ao longo da artéria. Esta doença tem alta mortalidade, cêrca de 21% nas primeiras 24 horas, 50% nos quatro primeiros dias; e 90% nos três primeiros meses. Tratamento - O tratamento inicial se faz pela redução da pressão arterial, normalmente elevada, e reparo cirúrgico com reestabelecimento do trajeto sangüíneo para a luz verdadeira da aorta.
  26. 26. 3. BLOQUEADORES GANGLIONARES <ul><li>TRIMETAFAM </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>infusão IV lenta </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Efeito em 5 min, duração de 10 a 15 min </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>posição do paciente – controle da hipotensão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Uso na crise hipertensiva, hipotensão controlada e em ensaios biológicos </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Simpáticos: hipotensão, disfunção sexual,  transpiração </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parassimpáticos:constipação, retenção urinária, glaucoma, visão turva, boca seca </li></ul></ul></ul>
  27. 27. 4. BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS <ul><li>RESERPINA </li></ul><ul><ul><li>Efeit anti-hipertensivo e anti-psicótico (tranquilizantes); </li></ul></ul><ul><ul><li>Depleta estoque de NOR por inibição de sua captação vesicular </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeitos irreversíveis sobre as vesículas </li></ul></ul><ul><ul><li>Doses baixas mantém os reflexos simpáticos </li></ul></ul><ul><ul><li> RVP e DC -  PA </li></ul></ul><ul><ul><li> FC e secreção de renina </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipotensão postural leve </li></ul></ul><ul><ul><li>Sedação,  concentração, distúrbios do sono, depressão </li></ul></ul><ul><ul><li>Diarréia </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da secreção ácida gástrica </li></ul></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pouco conhecida - conc. plasmática cai rapidamente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Efeitos persistentes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>É totalmente metabolizada </li></ul></ul></ul>
  28. 28. 4. BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS <ul><li>GUANETIDINA </li></ul><ul><ul><li>Dilatação venosa e inibição simpática cardíaca -  DC </li></ul></ul><ul><ul><li>inibição da resposta arterial reflexa </li></ul></ul><ul><ul><li>sem efeito sobre a secreção de renina </li></ul></ul><ul><ul><li>retenção de sais e líquidos </li></ul></ul><ul><ul><li>efeito periférico </li></ul></ul><ul><ul><li>pouco uso clínico, maior uso em laboratório </li></ul></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>baixa biodisponibilidade (3-50% por VO) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>rápida absorção / ½ vida: 5 dias </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>hipotensão - não há compensação simpática </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ejaculação retardada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>diarréia (predominância parassimpática) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>interação com antidepressivos tricíclicos e similares </li></ul></ul></ul>
  29. 29. 5. ANTAGONISTAS ADRENÉRGICOS <ul><li>Competem com as catecolaminas pelo sítio de ligação nos receptores  -1 nos vasos musculares, promovendo vasodilatação e redução da PA. </li></ul><ul><li>Não seletivos : Fentolamina e Fenoxibenzamina (uso em declínio pela grande ocorrência de hipotensão postural). Além disso o bloqueio de  -2 tende a aumentar a liberação de norepinefrina, levando à taquicardia reflexa. </li></ul><ul><li>Seletivos: São altamente seletivos, permitem a redução da PA com menos taquicardia do que com os antagonistas  -não seletivos (não aumentam a liberação de noradrenalina). </li></ul><ul><ul><li>Doxazosin (Cardura®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Prazosin (Minipress®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Terazosin (Hytrin®) </li></ul></ul>
  30. 30. Efeitos Cardiovasculares Antagonistas  -adrenérgicos  1  2 Vasodilatação arterial -  RVP Vasodilatação venosa -  RV  PA  Liberação pré-sináptica de NE  atividade simpática reflexa Taquicardia reflexa  DC
  31. 31. FENTOLAMINA 5-HT Liberação de Histamina (mastócitos) Agonista muscarínico  RVP  RV  PA  FC  DC Arritmias <ul><li>Símpático </li></ul><ul><li>Reflexo </li></ul>(+) Músculo liso TGI (Dor abdominal, náuseas, úlceras) INDICAÇÕES : Hipertensão – Feocromocitoma Prevenção de necrose induzida por estravazamento de agonistas  -adrenérgicos Tratamento da disfunção sexual ATROPINA  1  2
  32. 32. N A N C FENTOLAMINA: Disfunção Sexual ESTÍMULO SEXUAL Parassimpático Simpático ACh VIP Endotélio NO Endotelina  EREÇÃO PENIANA  M. Liso cavernoso NA Fentolamina
  33. 33. FENOXIBENZAMINA “ IRREVERSÍVEL”  RVP  RV  PA  Lib. NE  FC  DC Arritmias <ul><li>* LONGA Duração </li></ul><ul><li>INDICAÇÃO TERAPÊUTICA : </li></ul><ul><li>Hipertensão associada ao Feocromocitoma. </li></ul><ul><li>EFEITOS ADVERSOS : </li></ul><ul><li>Hipotensão postural </li></ul><ul><li>Taquicardia reflexa – Arritmias </li></ul><ul><li>Inibição da ejaculação </li></ul> 1  2
  34. 34. Antagonistas seletivos  1  2 Vasodilatação: Arteriolar -  RVP Venosa -  RV Ausência de Taquicardia Reflexa  PA  1 - 5-10 >60 Tamsulosin - 3-5 64 Alfuzosin ~36 20 > 90 Doxazosin ~18 12 > 90 Terasozin 7-10 2-3 50- 70 Prazosin Duração (h) T 1/2 (h) Biodisponibilidade oral (%) Fármacos
  35. 35. Indicações clínicas <ul><li>Hipertensão arterial sistêmica – antagonista  1 seletivos </li></ul><ul><li>Hipertensão –Feocromocitoma (Fenoxibenzamina + Bloq.  ) </li></ul><ul><li>Disfunção sexual – Fentolamina + Papaverina </li></ul><ul><li>Hiperplasia Benigna Prostática ( HBP ) </li></ul><ul><li>Bloq.  1 principalmente a Tamsulozin </li></ul>
  36. 36. Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) <ul><li>Resistência </li></ul><ul><li>Efluxo </li></ul><ul><li>“ Obstrução urinária” </li></ul>Detrusor Próstata M. do assoalho pélvico Esfíncter uretral Cápsula prostática M. L. Trígono HBP Antagonista  1 Melhora Fluxo urinário Prazosin Terazosin Doxasozin Alfuzosin TAMSULOSIN BEXIGA Relaxamento do: M.L. Bexiga Cápsula prostática Uretra prostática
  37. 37. TANSULOSIN  1A  1B * Eficaz no tratamento da HBP com pouco efeito na PA (Wilde & Mctauishi, 1999) “ próstata” “ vascular”
  38. 38. Efeitos adversos dos Bloqueadores  SINTOMAS FREQUÊNCIA Tontura – Hipotensão ortostática ........................ 4 – 12% Fraqueza, sonolência e cefaléia .................................. 6% Palpitação ......................................................... 3 – 10% Congestão nasal e ejaculação retrógrada .................... 5% Hipotensão e síncope*........................................... <0,5% *fenômeno de 1a dose com prazosin
  39. 39. PRAZOSINA, TERAZOSINA, DOXAZOSINA ...... Antagonismo reversível  seletividade  1 >>>  2 MAO EFEITOS BIOLÓGICOS  Prazosina Difusão Captação neuronal Captação tecidual extra-neuronal  +  - NA 
  40. 40. 5.1. ANTAGONISTAS  - ADRENÉRGICOS <ul><li>Farmacocinética : </li></ul><ul><ul><li>boa absorção VO </li></ul></ul><ul><ul><li>metabolismo razoável de 1 a passagem </li></ul></ul><ul><ul><li>½ vida: 3-4 h </li></ul></ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul><ul><ul><li>seletividade / efeito de 1 a dose / tontura, cefaléia, lassidão </li></ul></ul><ul><ul><li>hipotensão postural </li></ul></ul><ul><ul><li>taquicardia  reflexa  bloqueio alfa 2 pré-sináptico </li></ul></ul><ul><ul><li>retenção líquido   volemia </li></ul></ul><ul><ul><li>impotência sexual (bloqueia ejaculação) </li></ul></ul><ul><ul><li>obstrução nasal </li></ul></ul><ul><ul><li>diarréia  efeito direto,  liberação ACH </li></ul></ul>
  41. 41. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS <ul><li>Promovem redução da PA à longo prazo (não há efeito de primeira dose – maior segurança), porém os mecanismos pelos quais ocorre tal efeito não estão totalmente elucidados: </li></ul><ul><ul><li>Redução do débito cardíaco </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução da liberação de renina pelas células justaglomerulares renais </li></ul></ul><ul><ul><li>Ação central, reduzindo a atividade simpática </li></ul></ul><ul><ul><li>Vasodilatação após o uso prolongado </li></ul></ul><ul><li>MOA: </li></ul><ul><ul><li>antagonismo puro ou agonismo parcial </li></ul></ul><ul><ul><li>diferença de afinidade por  1 ou  2 </li></ul></ul><ul><ul><li>efeitos anestésicos locais </li></ul></ul><ul><li>Uso: </li></ul><ul><ul><li>Análise de fichas médicas de pacientes com angina </li></ul></ul><ul><ul><li>uso do propranolol tinha efeito colateral -  PA </li></ul></ul>
  42. 42. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS  G S ATP AMP C AC Proteína Quinases MLV 5’-AMP FOSFODIESTERASES PROPRANOLOL CONTRATILIDADE E FREQÜÊNCIA CARDÍACA     Adrenalina
  43. 43.  -bloq.: Efeito antihipertensivo Bloqueadores dos receptores  1  FC  DC  Renina  Ang II  Aldosterona <ul><li>Retenção </li></ul><ul><li>Água / sódio </li></ul>Volume Sanguíneo  PA  RVP  Labetolol, Carvedilol (bloq.  1 )  Vadolilatação  Celiprolol (antag.  1 e agonista  2 )  Vadolilatação  ? Ação central que reduz a atividade simpática
  44. 44. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS <ul><li>fichas médicas pacientes angina: PROPRANOLOL  PA </li></ul><ul><li>vasodilatadores podem causar taquicardia </li></ul><ul><li> DC/bradicardia -  PA (inicialmente) </li></ul><ul><li>bloqueio  2 nos rins </li></ul><ul><ul><li> sistema renina-angiotensina-aldosterona </li></ul></ul><ul><li>boa absorção VO, 1-3 hs, metabolização hepática </li></ul><ul><li>baixa biodisponibilidade (1 a passagem) </li></ul><ul><li>gde volume de distribuição, ½ vida: 3-6 hs </li></ul><ul><li> 2 musculatura lisa brônquica -  resistência (asmáticos) </li></ul><ul><li>síndrome de abstinência: nervosismo, taquicardia, angina,  PA </li></ul><ul><li>outros efeitos: diarréia, constipação, náuseas, vômitos, distúrbios do sono, lassidão, depressão </li></ul><ul><li>terapia individualizada: jovens, alto estresse </li></ul>
  45. 46. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS <ul><li>PROPRANOLOL </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>boa absorção VO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>conc. plasmática máx. 1-3 hs </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>baixa biodisponibilidade (1 a passagem) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>absorção x extração hepática x indivíduo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>gde volume de distribuição </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>½ vida: 3-6 hs </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>metabolização hepática x duração efeito </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li> 2 musculatura lisa brônquica -  resistência (asmáticos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>síndrome de abstinência </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>nervosismo, taquicardia, angina,  PA </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>outros efeitos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>diarréia, constipação, náuseas, vômito </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>distúrbios do sono, lassidão, depressão </li></ul></ul></ul>
  46. 47. FÁRMACO POT T1/2 CARDIO ASI ANEST (h) SELETIV AGON LOCAL (  1) PARC (QUIN) -------------------------------------------------------------------------------- PROPRANOLOL 1 3-5 0 0 ++ PINDOLOL 5-10 3-4 0 ++ ++ PRACTOLOL 0,3 5-10 + ++ 0 METOPROLOL 0,5-2 3-4 + 0 ± ATENOLOL 1 6-8 + ± 0 TOLAMOLOL 0,3-1 3-6 + 0 ± NADOLOL 0,5 14-18 0 0 0 TIMOLOL 5-10 4 0 ± 0 ESMOLOL 0,13 (8 min) BUTOXAMINA  2 PENBUTOLOL 26 BUNOLOL 50 6 0 0 0
  47. 48. INIBIDORES DO SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA <ul><li>Todos os IECA são igualmente eficazes. </li></ul><ul><li>A dose inicial deve ser reduzida em 50% se o paciente estiver em uso de diurético ou apresentar insuficiência cardíaca. </li></ul><ul><li>Apenas o Captopril e o Lisinopril são ativos na forma de droga original. Os fármacos restantes são pró-drogas, isto é, são metabolizados pelo fígado a metabólitos ativos, que são eliminados primariamente por via renal. </li></ul><ul><li>O Benazepril está também disponível na forma de associação com Anlodipina (Lotrel®). </li></ul>
  48. 49. MECANISMO HUMORAL / LOCAL fígado fígado   Angiotensinogênio Cininogênio rim  Renina Calicreína  pâncreas Angiotensina I Bradicinina  PGs pulmão  ECA Inibidores Cininase da ECA Angiotensina II Produtos Inativos   vasoconstr adrenal  aldosterona  rim  retenção NaCl/H2O
  49. 50. Inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) + LIBERAÇÃO DE RENINA Angiotensinogênio Angiotensina I Angiotensina II ECA Receptores AT1 <ul><li>Crescimento vascular: </li></ul><ul><li>Hiperplasia </li></ul><ul><li>Hipertrofia </li></ul><ul><li>Vasoconstrição: </li></ul><ul><li>Direta </li></ul><ul><li> Liberação de noradrenalina </li></ul><ul><li>Retenção de NaCl: </li></ul><ul><li> Aldosterona </li></ul><ul><li>Reabosrção tubular de sódio </li></ul>Atividade nervosa simpática renal Peptídio natriurético atrial Pressão de perfusão renal Filtração glomerular Agonistas  PGI 2 + + + + - - Inibidores da ECA Antagonistas de AT1
  50. 52. Efeitos adversos (para todos os IECA): <ul><li>Inócuos, porém algumas vezes incômodos </li></ul><ul><ul><li>Tontura </li></ul></ul><ul><ul><li>Palpitações </li></ul></ul><ul><ul><li>Alterações do paladar (gosto metálico) </li></ul></ul><ul><ul><li>Tosse (Inibição da Cininase II – abundante no pulmão – acúmulo de BK) </li></ul></ul><ul><li>Prejudiciais ou potencialmente prejudiciais: </li></ul><ul><ul><li>Hipotensão (mais freqüente no idoso) </li></ul></ul><ul><ul><li>Erupções cutâneas (desaparecem com a interrupção) </li></ul></ul><ul><ul><li>Proteinúria (pode indicar lesão renal) </li></ul></ul><ul><ul><li>Leucopenia (pode causar mal-estar, febre, fraqueza e náuseas: muitas vezes é melhor suspender o uso) </li></ul></ul><ul><ul><li>Obs: As erupções cutâneas, a proteinúria, leucopenia e a alteração do paladar são minimizadas com o uso de baixas doses. </li></ul></ul>
  51. 53. Vantagens dos IECA: <ul><li>Mantém os reflexos barorreceptores (não alteram a volemia bruscamente </li></ul><ul><li>Raramente produzem hipotensão postural </li></ul><ul><li>Podem ser indicados para diabéticos (efeito protetor renal: vasodilatação renal, o sangue flui mais lentamente. Não alteram o RFG e nem a pressão hidrostática no glomérulo) </li></ul><ul><li>São, na maioria das vezes, bem tolerados </li></ul><ul><li>Não produzem letargia, fraqueza ou disfunção sexual (diferindo da metildopa) </li></ul><ul><li>Não produzem hipercalemia, hiperuricemia, hiperglicemia e hiperlipidemia (diferindo de alguns diuréticos). </li></ul>
  52. 54. Antagonistas dos receptores AT1 da angiotensina II:
  53. 55. Antagonistas dos receptores AT1 da angiotensina II: <ul><li>São mais onerosos </li></ul><ul><li>Não são tão eficazes quanto os IECA na redução da pressão arterial. São indicados para pacientes com hipertensão não-grave. </li></ul><ul><li>Não induzem à tosse, permitindo a substituição de IECA por antagonistas dos receptores da angiotensina II. </li></ul><ul><li>Os efeitos colaterais causados pelos antagonistas dos receptores AT1 são os mesmos causados pelos IECA, com exceção da tosse. </li></ul>
  54. 56. VASODILATADORES /ANTIANGINOSOS <ul><li>VASODILATADORES </li></ul><ul><ul><li>efeito diretamente no vaso * </li></ul></ul><ul><ul><li>uso: em condições de isquemia tissular </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>geral  hipertensão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>local  angina pectoris </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>exemplos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>NITROVASODILATADORES </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>NITRATOS ORGÂNICOS: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>nitrito de amila </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>trinitrato de glicerila (nitroglicerina, NTG) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>dinitrato de isossorbida </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>NITROPRUSSIATO DE SÓDIO </li></ul></ul></ul>
  55. 57. VASODILATADORES /ANTIANGINOSOS <ul><li>BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO </li></ul><ul><ul><li>verapamil </li></ul></ul><ul><ul><li>Nifedipina </li></ul></ul><ul><ul><li>Anlodipina </li></ul></ul><ul><li>ABRIDORES DE CANAIS DE POTÁSSIO </li></ul><ul><ul><li>minoxidil </li></ul></ul><ul><ul><li>diazóxido </li></ul></ul><ul><ul><li>cromacalina </li></ul></ul>
  56. 58. VASODILATADORES <ul><li>Hidralazina (Apresoline®) </li></ul><ul><li>Mecanismo de ação: Promove relaxamento direto do músculo liso arteriolar. Mecanismo bioquímico não é conhecido. </li></ul><ul><li>Não atua como vasodilatador dos vasos de capacitância (ex. artérias coronárias epicárdicas) e nem do músculos liso venoso. </li></ul><ul><li>Outros efeitos: estimulação poderosa do sistema nervosos simpático, que resulta em aumento da freqüência e contratilidade cardíacas, aumento da atividade da renina e retenção de líquidos (neutralização do efeito anti-hipertensivo): Barorreceptores e estímulo da liberação de noradrenalina. </li></ul>
  57. 59. VASODILATADORES <ul><li>Minoxidil (Loniten®) </li></ul><ul><li>Pró-fármaco: sofre biotransformação hepática para formação de metabólito ativo. </li></ul><ul><li>Promove relaxamento da musculatura lisa vascular sem nenhum efeito sobre os vasos de capacitância. Aumenta o fluxo sanguíneo mais para a pele, músculos, TGI e coração do que para o SNC. </li></ul><ul><li>Aumenta o débito cardíaco (  contratilidade e  retorno venoso) e estimula a liberação de renina </li></ul><ul><li>Efeitos adversos: </li></ul><ul><ul><li>Retenção de líquido e sal (  reabsorção tubular proximal por redução da pressão de perfusão – atividade  -simpática reflexa) </li></ul></ul><ul><ul><li>Conseqüências cardíacas semelhantes à hidralazina (estimulação simpática) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipertricose com o uso prolongado (uso tópico para calvície) </li></ul></ul>
  58. 60. VASODILATADORES <ul><li>Nitroprussiato de sódio (Nipride®) </li></ul><ul><li>É metabolizado a NO  ativação da guanilato ciclase   cGMP  Vasodilatação </li></ul><ul><li>Ativação (formação de NO) diferente da nitroglicerina (não há tolerância) </li></ul><ul><li>Ocorre dilatação das arteríolas e vênulas </li></ul><ul><li>Só ocorre moderado aumento da freqüência cardíaca e redução global da demanda de oxigênio pelo miocárdio. </li></ul><ul><li>Efeitos colaterais: </li></ul><ul><ul><li>Vasodilatação e suas conseqüências: hipotensão </li></ul></ul><ul><ul><li>Formação de cianeto </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilidade: emergências hipertensivas (assim como todos os vasodilatadores, exceto hidralazina em combinação) </li></ul></ul>
  59. 61. VASODILATADORES <ul><li>Diazóxido (Tensuril®) </li></ul><ul><li>Hiperpolariza as células do músculo liso arterial ao ativar canais de K sensíveis ao ATP. </li></ul><ul><li>Praticamente não promove alterações sobre os vasos de capacitância. </li></ul><ul><li>O DC pode duplicar devido à estimulação da freqüência e da força de contração </li></ul><ul><li>Ocorre aumento da secreção de renina que, junto com o aumento do DC, retenção de líquido e sal, promove neutralização do efeito anti-hipertensivo. </li></ul><ul><li>Principal indicação: emergências hipertensivas. A injeção IV de um ¨bolo¨ promove redução da PA em 30s, sendo o efeito máximo obtido em 3-5 min. </li></ul><ul><li>Efeitos colaterais: </li></ul><ul><ul><li>Isquemia miocárdica (estimulação adrenérgica reflexa) </li></ul></ul><ul><ul><li>Retenção hídrica </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiperglicemia (Inibem a secreção de insulina pelas células  -pancreáticas: estimulação dos canais de K sensíveis ao ATP): problema para diabéticos </li></ul></ul><ul><ul><li>Relaxamento do músculo liso uterino, podendo interromper o trabalho de parto se utilizado no tratamento de crise hipertensiva da eclâmpsia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Outros do TGI, rubor, alterações do paladar e olfato, (raros): distúrbios salivação excessiva e dispnéia. </li></ul></ul>
  60. 62. DIURÉTICOS
  61. 63. DIURÉTICOS: “drogas que aumentam a formação de urina” FUNÇÃO RENAL “ manutenção do volume e composição dos líquidos corporais” Art. aferente Art. eferente Caps de Bowman + Glomérulo TCP AH TC TD
  62. 64. DIURÉTICOS <ul><li>importância, usos, indicações </li></ul><ul><ul><li>1 - hipertensão arterial </li></ul></ul><ul><ul><li>2 - reduzir edema </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ICC </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>doenças renais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>doenças hepáticas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>dismenorréia </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>3 - glaucoma </li></ul></ul><ul><ul><li>4 - diurese forçada </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>overdose </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>edema cerebral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>cirurgias (manutenção diurese) </li></ul></ul></ul>
  63. 65. <ul><li>Diuréticos </li></ul><ul><li>Balanço de Na positivo </li></ul><ul><li>Aumento na concentração plasmática de Na </li></ul><ul><li>Sede (  ingestão de água) Secreção de ADH pela hipófise </li></ul><ul><li>Volume circulante e volume extracelular total: </li></ul><ul><li>Pressão de filtração no segmento venoso: edema de membros inferiores </li></ul><ul><li>Pressão de filtração nos pulmões: edema pulmonar </li></ul><ul><li>Pressão de filtração na cavidade peritoneal: ascite </li></ul>
  64. 66. DIURÉTICOS Reabsorção de Na PA PA Volume circulante <ul><li>Excreção de Na   ADH   sede   Volemia   Edema e PA </li></ul><ul><li>Podem ser vasodilatadores diretos atuando sobre receptores nos vasos </li></ul>
  65. 67. DIURÉTICOS - MOA <ul><li>Diuréticos que atuam sobre o túbulo proximal </li></ul><ul><li>Diuréticos de alça </li></ul><ul><li>Diuréticos que atuam sobre o túbulo distal </li></ul><ul><li>Espironololactona (Antagonista da aldosterona) </li></ul><ul><li>Amilorida e Triantereno </li></ul><ul><li>Diuréticos osmóticos </li></ul>
  66. 68. 1. Diuréticos que atuam sobre o túbulo proximal <ul><li>O epitélio é permeável a íons e água: não há desenvolvimento de gradientes osmóticos significativos </li></ul><ul><li>Cerca de 60-70% do sódio e água são absorvidos no túbulo proximal: Melhor local para alvo de fármacos </li></ul><ul><li>A água é reabsorvida, em sua grande parte, pela zonula ocludens. </li></ul><ul><li>O bicarbonato retorna ao sangue indiretamente via anidrase carbônica </li></ul><ul><li>Após a passagem pelo túbulo proximal, 30-40% do filtrado (isosmótico), passam para a Alça de Henle. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><ul><li>Acetazolamida – Inibidora da anidrase carbônica: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Causam aumento na excreção de bicarbonato, acompanhado de sódio e água, resultando em fluxo aumentado de urina. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pequeno poder diurético, que se declina ainda mais com a redução dos níveis plasmáticos de bicarbonato. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Inibição do antiporte: alvo promissor </li></ul></ul>
  67. 69. Célula Luz <ul><li>Diuréticos que atuam sobre o túbulo proximal </li></ul>Sangue NaHCO 3 Na HCO 3 H H 2 CO 3 H 2 O + CO 2 Anidrase Carbônica H HCO 3 H 2 CO 3 CO 2 + H 2 O Anidrase Carbônica K K Na Na Antiporte Bomba Na/K HCO 3 Inibidores da anidrase carbônica
  68. 70. 2. Diuréticos de Alça <ul><li>Ramo descendente: permeável à água (hipertonicidade do líquido intersticial medular). O líquido torna-se hiperosmótico. </li></ul><ul><li>Ramo ascendente (porção diluidora): baixa permeabilidade à água, reabsorção ativa de 30-40% do sódio filtrado (que não é acompanhado de água), reduzindo a osmolaridade do líquido tubular e produzindo um líquido intersticial hipotônico. </li></ul><ul><li>Simporte: Na/ K/ 2Cl: Alvo dos diuréticos de alça (sítio de ligação do Cl). </li></ul><ul><ul><li>Furosemida (Lasix®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Torasemida (Demalex®) – ação mais longa (adm. 1x/dia) </li></ul></ul><ul><ul><li>Bumetanida (Bumex®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Ácido etacrínico (Edecrin®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Piretanida (Arelix®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Torsemida </li></ul></ul><ul><ul><li>Tripamida </li></ul></ul>
  69. 71. 2. Diuréticos de Alça <ul><li>Chegam ao local de ação por secreção tubular </li></ul><ul><li>Diuréticos de alto limiar: promovem ¨fluxo torrencial de urina¨ </li></ul><ul><li>O líquido tubular não é diluído e maior concentração de soluto chegarão às porções distais do néfron, reduzindo ainda mais a reabsorção de água (  osmolaridade intersticial): cerca de 25% do filtrado glomerular podem ser excretados. </li></ul><ul><li>Ocorre tolerância para o efeito diurético </li></ul><ul><li>Absorção VO rápida e podem ser administrados via parenteral/ Ligam-se fortemente às PP </li></ul><ul><li>Efeitos adversos </li></ul><ul><ul><li>Perda de K (hipocalemia) </li></ul></ul><ul><ul><li>Perda de H (alcalose) </li></ul></ul><ul><ul><li>Diurese profusa (hipovolemia e hipotensão, principalmente em idosos: colapso em decorrência da súbita perda de líquido extracelular) </li></ul></ul><ul><ul><li>Atenção: prejudica o sono se administrado à noite </li></ul></ul>
  70. 72. 2. Diuréticos de Alça Ramo ascendente Célula Luz Sangue Na Na Na 2 Cl 2 Cl K K K K Cl Cl Bomba Na/K Simporte Simporte
  71. 73. 3. Diuréticos que atuam no túbulo distal - Tiazídicos <ul><li>Reabsorção de NaCl, contínua diluição do filtrado, que se torna hiposmolar. </li></ul><ul><li>K e H são adicionados ao filtrado </li></ul><ul><li>Mecanismo de ação: inibem o simporte Na/ Cl (sítio de ligação do Cl) </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Hidroclorotiazida (Clorana®) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Clortalidona (Hygroton®) – ação mais longa (pode ser administrada em dias alternados) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Indapamida (Lozol®) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Metolazona (Zaroxolyn®) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Possuem ação diurética moderadamente poderosa </li></ul><ul><li>Não exercem qualquer efeito sobre a alça de Henle </li></ul><ul><li>Exercem ações extra-renais: A redução inicial da PA decorre de redução da volemia, todavia a fase tardia parece ser decorrente de ação direta sobre os vasos </li></ul><ul><li>A Indapamida reduz a PA em doses subdiuréticas (menores distúrbios metabólicos) </li></ul>
  72. 74. 3. Diuréticos que atuam no túbulo distal - Tiazídicos <ul><li>Efeitos adversos </li></ul><ul><ul><li>Depleção de K </li></ul></ul><ul><ul><li>Alcalose metabólica </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da concentração de ácido úrico (risco de gota) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiperglicemia (perigo para diabéticos) – inibição da secreção de insulina pelo pâncreas (inibição dos canais de K sensíveis ao ATP) </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento do colesterol plasmático com o uso prolongado </li></ul></ul><ul><ul><li>Disfunção erétil (reversível com a retirada do medicamento) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipersensibilidades (raras): erupções cutâneas, pancreatite e edema pulmonar agudo. </li></ul></ul>
  73. 75. Célula Luz Sangue Na Na Na Cl Cl K K Bomba Na/K 3. Diuréticos que atuam no túbulo distal Simporte K K Simporte Cl Cl
  74. 76. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor <ul><li>Túbulos coletores: células principais (reabsorção de Na e secreção de K) </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>células intercaladas (excreção de H) </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>Células principais: não possuem co-transportadores </li></ul><ul><li>Aldosterona: Aumenta reabsorção de Na e excreção de K (ativa canais de Na, aumenta o número de bombas Na/K) </li></ul><ul><li>Redução da concentração de NaCl no filtrado: liberação de renina   angiotensina II e aldosterona (córtex da supra renal) </li></ul><ul><li>ADH: Liga-se a receptores presentes na membrana basolateral e aumenta o número de aquaporinas </li></ul><ul><li>Túbulo coletor: promove concentração da urina devido à alta reabsorção de água (promovida pela alta osmolaridade do líquido intersticial) </li></ul>
  75. 77. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor ( poupadores de K) <ul><li>Diuréticos que atuam no túbulo coletor (poupadores de K) </li></ul><ul><li>Espironolactona (Aldactone®): </li></ul><ul><li>Possui ação diurética limitada </li></ul><ul><li>Antagonista da aldosterona (competição pelos receptores intracelulares, inibição dos efeitos de retenção de Na e excreção de K. Reduz a excreção de H e de ácido úrico </li></ul><ul><li>Tempo de meia vida curto (10 min), gera metabólito ativo (T1/2: 16h), lento início da ação </li></ul><ul><li>Efeitos indesejáveis: </li></ul><ul><ul><ul><li>Desconforto TGI </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hipercalemia, acidose metabólica </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ações em outros receptores esteróides: ginecomastia, distúrbios menstruais e atrofia testicular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Há relatos de ulceração péptica </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Contra-indicado na insuficiência renal </li></ul></ul>
  76. 78. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor ( poupadores de K) <ul><li>Triantereno (Dyrenium®) e amilorida (Midamor®) </li></ul><ul><li>Também possuem eficácia diurética limitada </li></ul><ul><li>Inibem a reabsorção de Na (e a perda de K) por bloqueio dos canais luminais de Na, por meio dos quais a aldosterona produz seu principal efeito </li></ul><ul><li>Importância: capacidade de poupar K </li></ul><ul><li>Amilorida possui início de ação mais lento (6h) </li></ul><ul><li>Efeitos indesejáveis: </li></ul><ul><li>Hipercalemia </li></ul><ul><li>Distúrbios TGI </li></ul><ul><li>Erupções cutâneas </li></ul>
  77. 79. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor Célula Luz Sangue Na Na K K Na K H 2 O H 2 O K Bomba Na/K
  78. 80. Associações de Diuréticos <ul><li>Triantereno/ amilorida (Maxide®, Dyazide®) </li></ul><ul><li>Espironolactona/ HCTZ (Aldactazide®) </li></ul><ul><li>Amilorida/ HCTZ (Moduretic®) </li></ul><ul><li>Diuréticos osmóticos (ex.: manitol) </li></ul><ul><li>Farmacologicamente inertes, administração IV (geralmente) </li></ul><ul><li>São filtrados no glomérulo, sofrem reabsorção incompleta ou não são reabsorvidos de forma alguma   osmolaridade do líquido tubular   reduz a absorção de Na (a [ ] estará menor, mais diluído)   volume de urina </li></ul><ul><li>Aumento da pressão intracraniana ou intraocular, prevenção de insuficiência renal aguda </li></ul><ul><li>Efeitos adversos: Náuseas, vômitos, cefaléia,  volume extracelular. </li></ul>

×