Your SlideShare is downloading. ×
0
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

HipertensãO Arterial

31,478

Published on

Farmacologia

Farmacologia

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
31,478
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
702
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. HIPERTENSÃO ARTERIAL
  • 2. <ul><li>For ça com a qual o coração bombeia o sangue através dos vasos. </li></ul><ul><li>Determinada pelo volume de sangue que sai do coração e pela resistência que o sangue encontra para circular no corpo. </li></ul><ul><li>Pode ser modificada pela variação do volume do sangue ou viscosidade, freqüência cardíaca e elasticidade dos vasos. </li></ul><ul><li>Reguladas por estímulos hormonais e nervosos. </li></ul>PRESSÃO ARTERIAL
  • 3. HIPERTENSÃO ARTERIAL <ul><li>Definição e Fisiopatologia: Elevação persistente da pressão sanguínea sistólica acima de 140mmHg e diastólica acima de 90mmHg. </li></ul><ul><li>A pressão sanguínea arterial é o produto do débito cardíaco pela resistência periférica total. Assim: </li></ul><ul><ul><li>O débito cardíaco é determinado pela freqüência cardíaca e pelo volume sistólico. </li></ul></ul><ul><ul><li>O controle da resistência vascular periférica é exercido pelo SNAutônomo e por hormônios circulantes. </li></ul></ul><ul><li>Qualquer fator que altere a resistência periférica, o débito cardíaco ou o volume sistólico afeta a pressão arterial. </li></ul>
  • 4. PA = DC x RVP VS x FC TÔNUS VASCULAR INO CRONO (força) (ritmo) NEURAIS (SNSimp) HUMORAIS LOCAIS Contratilidade Cardíaca x Frequência Cardíaca
  • 5. Controle da pressão arterial <ul><li>regulação a cada momento do DC e da RVP em 4 locais anatômicos </li></ul><ul><li>arteríolas - resistência </li></ul><ul><li>vênulas - capacitância </li></ul><ul><li>coração - débito (fluxo) </li></ul><ul><li>rins - volume </li></ul>SN Simpático
  • 6. Mecanismos que exercem papel no controle e manutenção da PA: <ul><li>Sistema barorreceptor hormonal : no seio carotídeo, aorta e VE, reagem contra elevações da PA através da desaceleração cardíaca e vasodilatação. </li></ul><ul><li>Regulação do volume hídrico : se excesso de sódio e água, volume total sanguíneo aumenta e, conseqüentemente, aumenta a PA. </li></ul><ul><li>Sistema renina-angiotensina : responsável pela vasoconstrição periférica, que aumenta a resistência vascular e, conseqüentemente, aumenta a PA. </li></ul><ul><li>Auto-regulação vascular : qualquer anormalidade como a deficiência de vasodilatadores e anormalidades congênitas, provocam aumento da PA. </li></ul>
  • 7. Agentes reguladores <ul><li>PGI2: Relaxamento do músculo liso e inibe a agregação plaquetária; </li></ul><ul><li>PGE2: Vasodilatação renal; </li></ul><ul><li>NO: Vasodilatação, inibe a proliferação de células musculares lisas vasculares, inibe a adesão plaquetária e migração de monócitos (defesa contra ateroma e trombose); </li></ul><ul><li>Peptídeos: Angiotensina II, Endotelina </li></ul><ul><li>Noradrenalina e adrenalina; </li></ul>
  • 8. Risco <ul><li>acidentes vasculares cerebrais </li></ul><ul><li>coronariopatias </li></ul><ul><li>insuficiência renal </li></ul><ul><ul><li>Maior causa de mortes </li></ul></ul>
  • 9. Classificação da Hipertensão <ul><li>Existem 2 principais tipos de hipertensão: </li></ul><ul><ul><li>A hipertensão primária constitui 90 a 95% dos casos e pode ter início gradual e curso prolongado (hipertensão benigna) ou um início repentino e curso breve (hipertensão maligna). </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quando NÃO tem causas específicas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Fatores genéticos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Estresse psicológico </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Hábitos e costumes (dieta, álcool, tabagismo) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>A hipertensão secundária decorre de uma causa identificável, primárias, como: doenças renais, hipo e hipertireoidismo, hiperplasia adrenal congênita, anormalidades e defeitos congênitos vasculares, síndrome de Cushing, alterações hormonais (estrogênio, glicocorticóides), gravidez, distúrbios neurológicos (Tumor cerebral, aumenta da pressão intracraniana), uso de drogas injetáveis e abuso de álcool. </li></ul></ul><ul><li>Geralmente assintomática até a lesão de órgão-alvo </li></ul>
  • 10. Fatores de Risco <ul><li>Existem ainda diversos fatores de risco para o desenvolvimento da hipertensão: estresse, obesidade, dieta rica em sódio (induz liberação do hormônio natriurético, que aumenta PA), dieta rica em gorduras (aterosclerose), sedentarismo, envelhecimento. </li></ul><ul><li>Manifestações Clínicas: Não há manifestações nos estágios iniciais, as quais são relatadas a partir do avanço da doença: cefaléia, ruborização, fadiga, embaçamento visual, epistaxe ( Sangramento do nariz ). </li></ul>
  • 11. ABORDAGEM TERAPÊUTICA <ul><li>Tratamento não farmacológico: </li></ul><ul><ul><li>Redução dos fatores predisponentes </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Evitar o tabagismo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Evitar o álcool </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fazer exercícios físicos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reduzir o peso corporal </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dieta (redução do sal) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Diminuir o estresse </li></ul></ul></ul>
  • 12. ABORDAGEM TERAPÊUTICA <ul><li>Tratamento farmacológico: </li></ul><ul><ul><li>Fármacos com ação sobre 1 ou mais dos 4 locais anatômicos de controle da PA </li></ul></ul><ul><ul><li>Classificação pelo mecanismo de ação: </li></ul></ul><ul><li>FÁRMACOS SIMPATOLÍTICOS </li></ul><ul><li>INIBIDORES DA ECA </li></ul><ul><li>FÁRMACOS VASODILATADORES </li></ul><ul><li>BLOQUEADORES DE CANAIS DE Ca 2+ </li></ul><ul><li>DIURÉTICOS </li></ul>
  • 13. ANTI-HIPERTENSIVOS <ul><li>SIMPATOLÍTICOS: </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ação central – Agonistas  2 (clonidina e metildopa) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Antagonistas  (prazosin, doxazosin) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Antagonistas  (propranolol e congêneres) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>BLOQUEADORES DOS CANAIS DE CÁLCIO </li></ul><ul><li>INIBIDORES DA ECA </li></ul><ul><li>ANTAGONISTAS DOS RECEPTORES DA ANGIOTENSINA II </li></ul><ul><li>DIURÉTICOS </li></ul><ul><li>VASODILATADORES (NITROPRUSSIATO) </li></ul><ul><li>CARDIOTÔNICOS </li></ul><ul><li>ANTIARRÍTMICOS </li></ul>
  • 14. FÁRMACOS SIMPATOLÍTICOS <ul><li>Dividem-se em: </li></ul><ul><ul><li>Ação Central: Redução direta ou indireta da atividade simpática de ação central: clonidina e metildopa </li></ul></ul><ul><ul><li>Ação central de 2ª geração - rilmenidina, monoxidina </li></ul></ul><ul><ul><li>Bloqueadores ganglionares (Antagonistas de receptores nicotínicos) - mecamilamina, trimetafan </li></ul></ul><ul><ul><li>Bloqueadores adrenérgicos – reserpina ( aminas biógenas em vesículas) </li></ul></ul><ul><ul><li>Antagonistas de receptores adrenérgicos alfa – prazosina, beta – propranolol, alfa/beta - labetalol </li></ul></ul><ul><li>Pode reduzir a incidência de efeitos colaterais e aumentar a adesão ao tratamento. A aceitação é limitada devido à ocorrência de erupção cutânea. </li></ul>
  • 15. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>METILDOPA </li></ul><ul><ul><li>sintetizada como análogo da DOPA – inibição da DOPA-descarboxilase </li></ul></ul><ul><ul><li>“ falso neurotransmissor”: metabolizada a metilnoradrenalina </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeito hipotensor bloq </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>por inibidores centrais DOPA-descarboxilase </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>por afinidade aos receptores  -2 de ação central </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Estimula receptores  2 - tronco cerebral </li></ul></ul><ul><ul><li>Diminui o fluxo simpático do SNC </li></ul></ul><ul><ul><li>Metabolizada SNC a metilnoradrenalina </li></ul></ul>
  • 16. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>METILDOPA </li></ul><ul><ul><li>Ações : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reduz a PA por reduzir a RVP </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pouco efeito sobre DC e FC </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Inibe a secreção de renina (sem importância p/  PA) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Causa redução da resistência vascular renal </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>pacientes com insuficiência renal </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pouca hipotensão postural </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ Pseudotolerância” – retenção de sais e líquidos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>associação com um diurético </li></ul></ul></ul></ul>
  • 17. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>METILDOPA </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Boa absorção por VO – transporte ativo no intestino </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Concentração plasmática máxima em 2-3 h e ½ vida:  2h </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Efeito máximo em 6-8 h persistindo por até 24 h </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Acesso ao SNC por transporte ativo também </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Excretada pelo rim (conjugado) – insuf. renal x ½ vida e Eficácia máxima reduzida (dose x efeito) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sedação, depressão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Redução da acuidade mental / esquecimento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Distúrbios do sono e Cefaléia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Impotência, diarréia, visão embaçada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bradicardia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hipersensibilidade do seio carotídeo e Anemia hemolítica (raro) </li></ul></ul></ul>
  • 18. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>CLONIDINA </li></ul><ul><ul><li>causava sedação, hipotensão e bradicardia </li></ul></ul><ul><ul><li>é um agonista parcial  2 </li></ul></ul><ul><ul><li>vasoconstrição decorrente da ativação de R.  2 do MLV </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeito hipotensor: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ativação central de receptores  2 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>reduz o tônus simpático e aumenta o parassimpático </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>ação sobre: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li> 2 pré-sináptico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li> 2 pós-sináptico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>outro receptor </li></ul></ul></ul>
  • 19. 1. agonistas seletivos  2  anti-hipertensivos de ação central MAO EFEITOS BIOLÓGICOS  Clonidina Difusão Captação neuronal Captação tecidual extra-neuronal  +  - NA  
  • 20. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>CLONIDINA </li></ul><ul><ul><li>Redução da PA decorre de: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li> FC </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relaxamento de vasos de capacitância </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li> RVP principalmente na posição ereta </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Fluxo sanguíneo renal é mantido </li></ul></ul><ul><ul><li>Há retenção de sais e líquidos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>associar com um diurético </li></ul></ul></ul>
  • 21. 1. AGENTES DE AÇÃO CENTRAL <ul><li>CLONIDINA </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Boa absorção VO – altamente lipossolúvel </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conc. plasmática e efeito hipotensor máx. 1-3 h (VO) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>½ vida:  12 h </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Doses iniciais baixas com elevação gradual </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Emplastros de liberação transdérmica </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sedação, depressão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Disfunção sexual </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bradicardia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dermatite de contato </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Interação com antidepressivos tricíclicos (bloq.  ) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Crise hipertensiva na suspensão abrupta </li></ul></ul></ul>
  • 22. 2. ANTI-HIPERTENSIVOS DE AÇÃO CENTRAL DE 2 a GERAÇÃO <ul><li>Ex: Monoxidina, Rilmenidina => modificações estruturais da clonidina </li></ul><ul><li>menos efeitos sedativos </li></ul><ul><li>baixa afinidade por  2 </li></ul>
  • 23. 3. BLOQUEADORES GANGLIONARES <ul><li>TRIMETAFAM </li></ul><ul><ul><li>Inibição de reflexos vasomotores simpáticos => Taquicardia leve </li></ul></ul><ul><ul><li>pode ocorrer retorno venoso -  DC -  PA </li></ul></ul><ul><ul><li>Acúmulo venoso (vasos de capacitância) é necessário infusão IV lenta - duração 15 min </li></ul></ul><ul><ul><li>Usos : crise hipertensiva, hipotensão controlada, ensaios </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Simpáticos: hipotensão, disfunção sexual,  transpiração </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parassimpáticos: constipação, retenção urinária, visão turva, boca seca </li></ul></ul></ul>
  • 24. <ul><li>Usos terapêuticos </li></ul><ul><li>- Hipertens ão </li></ul><ul><li>- Controle da PA em pacientes com aneurismas dissecantes agudos da aorta </li></ul><ul><li>Reduzem a PA e inibem reflexos simpáticos, diminuindo a vel. da elevação da pressão no local da laceração </li></ul><ul><li>- Hipotensão controlada durante cirurgias </li></ul><ul><li>Trimetafan- IV, 0,3-3mg/min, com monitorização da PA, início da ação: 10 min </li></ul><ul><li>Manter PA menor que a normalidade </li></ul><ul><li>Medicamento pode liberar histamina, cautela pacientes alérgicos </li></ul><ul><li>Tolerância 48h terapia, retenção de líquidos </li></ul>3. BLOQUEADORES GANGLIONARES Antagonistas de receptores nicotínicos-
  • 25. A dissecção aórtica ocorre quando o sangue penetra na parede da artéria a partir da camada íntima do vaso, criando um falso trajeto. Este trajeto tem uma extensão variável de sua circunferência e ao longo da artéria. Esta doença tem alta mortalidade, cêrca de 21% nas primeiras 24 horas, 50% nos quatro primeiros dias; e 90% nos três primeiros meses. Tratamento - O tratamento inicial se faz pela redução da pressão arterial, normalmente elevada, e reparo cirúrgico com reestabelecimento do trajeto sangüíneo para a luz verdadeira da aorta.
  • 26. 3. BLOQUEADORES GANGLIONARES <ul><li>TRIMETAFAM </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>infusão IV lenta </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Efeito em 5 min, duração de 10 a 15 min </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>posição do paciente – controle da hipotensão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Uso na crise hipertensiva, hipotensão controlada e em ensaios biológicos </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Simpáticos: hipotensão, disfunção sexual,  transpiração </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parassimpáticos:constipação, retenção urinária, glaucoma, visão turva, boca seca </li></ul></ul></ul>
  • 27. 4. BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS <ul><li>RESERPINA </li></ul><ul><ul><li>Efeit anti-hipertensivo e anti-psicótico (tranquilizantes); </li></ul></ul><ul><ul><li>Depleta estoque de NOR por inibição de sua captação vesicular </li></ul></ul><ul><ul><li>Efeitos irreversíveis sobre as vesículas </li></ul></ul><ul><ul><li>Doses baixas mantém os reflexos simpáticos </li></ul></ul><ul><ul><li> RVP e DC -  PA </li></ul></ul><ul><ul><li> FC e secreção de renina </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipotensão postural leve </li></ul></ul><ul><ul><li>Sedação,  concentração, distúrbios do sono, depressão </li></ul></ul><ul><ul><li>Diarréia </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da secreção ácida gástrica </li></ul></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pouco conhecida - conc. plasmática cai rapidamente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Efeitos persistentes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>É totalmente metabolizada </li></ul></ul></ul>
  • 28. 4. BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS <ul><li>GUANETIDINA </li></ul><ul><ul><li>Dilatação venosa e inibição simpática cardíaca -  DC </li></ul></ul><ul><ul><li>inibição da resposta arterial reflexa </li></ul></ul><ul><ul><li>sem efeito sobre a secreção de renina </li></ul></ul><ul><ul><li>retenção de sais e líquidos </li></ul></ul><ul><ul><li>efeito periférico </li></ul></ul><ul><ul><li>pouco uso clínico, maior uso em laboratório </li></ul></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>baixa biodisponibilidade (3-50% por VO) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>rápida absorção / ½ vida: 5 dias </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>hipotensão - não há compensação simpática </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ejaculação retardada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>diarréia (predominância parassimpática) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>interação com antidepressivos tricíclicos e similares </li></ul></ul></ul>
  • 29. 5. ANTAGONISTAS ADRENÉRGICOS <ul><li>Competem com as catecolaminas pelo sítio de ligação nos receptores  -1 nos vasos musculares, promovendo vasodilatação e redução da PA. </li></ul><ul><li>Não seletivos : Fentolamina e Fenoxibenzamina (uso em declínio pela grande ocorrência de hipotensão postural). Além disso o bloqueio de  -2 tende a aumentar a liberação de norepinefrina, levando à taquicardia reflexa. </li></ul><ul><li>Seletivos: São altamente seletivos, permitem a redução da PA com menos taquicardia do que com os antagonistas  -não seletivos (não aumentam a liberação de noradrenalina). </li></ul><ul><ul><li>Doxazosin (Cardura®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Prazosin (Minipress®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Terazosin (Hytrin®) </li></ul></ul>
  • 30. Efeitos Cardiovasculares Antagonistas  -adrenérgicos  1  2 Vasodilatação arterial -  RVP Vasodilatação venosa -  RV  PA  Liberação pré-sináptica de NE  atividade simpática reflexa Taquicardia reflexa  DC
  • 31. FENTOLAMINA 5-HT Liberação de Histamina (mastócitos) Agonista muscarínico  RVP  RV  PA  FC  DC Arritmias <ul><li>Símpático </li></ul><ul><li>Reflexo </li></ul>(+) Músculo liso TGI (Dor abdominal, náuseas, úlceras) INDICAÇÕES : Hipertensão – Feocromocitoma Prevenção de necrose induzida por estravazamento de agonistas  -adrenérgicos Tratamento da disfunção sexual ATROPINA  1  2
  • 32. N A N C FENTOLAMINA: Disfunção Sexual ESTÍMULO SEXUAL Parassimpático Simpático ACh VIP Endotélio NO Endotelina  EREÇÃO PENIANA  M. Liso cavernoso NA Fentolamina
  • 33. FENOXIBENZAMINA “ IRREVERSÍVEL”  RVP  RV  PA  Lib. NE  FC  DC Arritmias <ul><li>* LONGA Duração </li></ul><ul><li>INDICAÇÃO TERAPÊUTICA : </li></ul><ul><li>Hipertensão associada ao Feocromocitoma. </li></ul><ul><li>EFEITOS ADVERSOS : </li></ul><ul><li>Hipotensão postural </li></ul><ul><li>Taquicardia reflexa – Arritmias </li></ul><ul><li>Inibição da ejaculação </li></ul> 1  2
  • 34. Antagonistas seletivos  1  2 Vasodilatação: Arteriolar -  RVP Venosa -  RV Ausência de Taquicardia Reflexa  PA  1 - 5-10 >60 Tamsulosin - 3-5 64 Alfuzosin ~36 20 > 90 Doxazosin ~18 12 > 90 Terasozin 7-10 2-3 50- 70 Prazosin Duração (h) T 1/2 (h) Biodisponibilidade oral (%) Fármacos
  • 35. Indicações clínicas <ul><li>Hipertensão arterial sistêmica – antagonista  1 seletivos </li></ul><ul><li>Hipertensão –Feocromocitoma (Fenoxibenzamina + Bloq.  ) </li></ul><ul><li>Disfunção sexual – Fentolamina + Papaverina </li></ul><ul><li>Hiperplasia Benigna Prostática ( HBP ) </li></ul><ul><li>Bloq.  1 principalmente a Tamsulozin </li></ul>
  • 36. Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) <ul><li>Resistência </li></ul><ul><li>Efluxo </li></ul><ul><li>“ Obstrução urinária” </li></ul>Detrusor Próstata M. do assoalho pélvico Esfíncter uretral Cápsula prostática M. L. Trígono HBP Antagonista  1 Melhora Fluxo urinário Prazosin Terazosin Doxasozin Alfuzosin TAMSULOSIN BEXIGA Relaxamento do: M.L. Bexiga Cápsula prostática Uretra prostática
  • 37. TANSULOSIN  1A  1B * Eficaz no tratamento da HBP com pouco efeito na PA (Wilde & Mctauishi, 1999) “ próstata” “ vascular”
  • 38. Efeitos adversos dos Bloqueadores  SINTOMAS FREQUÊNCIA Tontura – Hipotensão ortostática ........................ 4 – 12% Fraqueza, sonolência e cefaléia .................................. 6% Palpitação ......................................................... 3 – 10% Congestão nasal e ejaculação retrógrada .................... 5% Hipotensão e síncope*........................................... <0,5% *fenômeno de 1a dose com prazosin
  • 39. PRAZOSINA, TERAZOSINA, DOXAZOSINA ...... Antagonismo reversível  seletividade  1 >>>  2 MAO EFEITOS BIOLÓGICOS  Prazosina Difusão Captação neuronal Captação tecidual extra-neuronal  +  - NA 
  • 40. 5.1. ANTAGONISTAS  - ADRENÉRGICOS <ul><li>Farmacocinética : </li></ul><ul><ul><li>boa absorção VO </li></ul></ul><ul><ul><li>metabolismo razoável de 1 a passagem </li></ul></ul><ul><ul><li>½ vida: 3-4 h </li></ul></ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul><ul><ul><li>seletividade / efeito de 1 a dose / tontura, cefaléia, lassidão </li></ul></ul><ul><ul><li>hipotensão postural </li></ul></ul><ul><ul><li>taquicardia  reflexa  bloqueio alfa 2 pré-sináptico </li></ul></ul><ul><ul><li>retenção líquido   volemia </li></ul></ul><ul><ul><li>impotência sexual (bloqueia ejaculação) </li></ul></ul><ul><ul><li>obstrução nasal </li></ul></ul><ul><ul><li>diarréia  efeito direto,  liberação ACH </li></ul></ul>
  • 41. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS <ul><li>Promovem redução da PA à longo prazo (não há efeito de primeira dose – maior segurança), porém os mecanismos pelos quais ocorre tal efeito não estão totalmente elucidados: </li></ul><ul><ul><li>Redução do débito cardíaco </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução da liberação de renina pelas células justaglomerulares renais </li></ul></ul><ul><ul><li>Ação central, reduzindo a atividade simpática </li></ul></ul><ul><ul><li>Vasodilatação após o uso prolongado </li></ul></ul><ul><li>MOA: </li></ul><ul><ul><li>antagonismo puro ou agonismo parcial </li></ul></ul><ul><ul><li>diferença de afinidade por  1 ou  2 </li></ul></ul><ul><ul><li>efeitos anestésicos locais </li></ul></ul><ul><li>Uso: </li></ul><ul><ul><li>Análise de fichas médicas de pacientes com angina </li></ul></ul><ul><ul><li>uso do propranolol tinha efeito colateral -  PA </li></ul></ul>
  • 42. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS  G S ATP AMP C AC Proteína Quinases MLV 5’-AMP FOSFODIESTERASES PROPRANOLOL CONTRATILIDADE E FREQÜÊNCIA CARDÍACA     Adrenalina
  • 43.  -bloq.: Efeito antihipertensivo Bloqueadores dos receptores  1  FC  DC  Renina  Ang II  Aldosterona <ul><li>Retenção </li></ul><ul><li>Água / sódio </li></ul>Volume Sanguíneo  PA  RVP  Labetolol, Carvedilol (bloq.  1 )  Vadolilatação  Celiprolol (antag.  1 e agonista  2 )  Vadolilatação  ? Ação central que reduz a atividade simpática
  • 44. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS <ul><li>fichas médicas pacientes angina: PROPRANOLOL  PA </li></ul><ul><li>vasodilatadores podem causar taquicardia </li></ul><ul><li> DC/bradicardia -  PA (inicialmente) </li></ul><ul><li>bloqueio  2 nos rins </li></ul><ul><ul><li> sistema renina-angiotensina-aldosterona </li></ul></ul><ul><li>boa absorção VO, 1-3 hs, metabolização hepática </li></ul><ul><li>baixa biodisponibilidade (1 a passagem) </li></ul><ul><li>gde volume de distribuição, ½ vida: 3-6 hs </li></ul><ul><li> 2 musculatura lisa brônquica -  resistência (asmáticos) </li></ul><ul><li>síndrome de abstinência: nervosismo, taquicardia, angina,  PA </li></ul><ul><li>outros efeitos: diarréia, constipação, náuseas, vômitos, distúrbios do sono, lassidão, depressão </li></ul><ul><li>terapia individualizada: jovens, alto estresse </li></ul>
  • 45.  
  • 46. 5.2. ANTAGONISTAS β - ADRENÉRGICOS <ul><li>PROPRANOLOL </li></ul><ul><ul><li>Farmacocinética : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>boa absorção VO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>conc. plasmática máx. 1-3 hs </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>baixa biodisponibilidade (1 a passagem) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>absorção x extração hepática x indivíduo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>gde volume de distribuição </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>½ vida: 3-6 hs </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>metabolização hepática x duração efeito </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Toxicidade e efeitos colaterais : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li> 2 musculatura lisa brônquica -  resistência (asmáticos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>síndrome de abstinência </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>nervosismo, taquicardia, angina,  PA </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>outros efeitos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>diarréia, constipação, náuseas, vômito </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>distúrbios do sono, lassidão, depressão </li></ul></ul></ul>
  • 47. FÁRMACO POT T1/2 CARDIO ASI ANEST (h) SELETIV AGON LOCAL (  1) PARC (QUIN) -------------------------------------------------------------------------------- PROPRANOLOL 1 3-5 0 0 ++ PINDOLOL 5-10 3-4 0 ++ ++ PRACTOLOL 0,3 5-10 + ++ 0 METOPROLOL 0,5-2 3-4 + 0 ± ATENOLOL 1 6-8 + ± 0 TOLAMOLOL 0,3-1 3-6 + 0 ± NADOLOL 0,5 14-18 0 0 0 TIMOLOL 5-10 4 0 ± 0 ESMOLOL 0,13 (8 min) BUTOXAMINA  2 PENBUTOLOL 26 BUNOLOL 50 6 0 0 0
  • 48. INIBIDORES DO SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA <ul><li>Todos os IECA são igualmente eficazes. </li></ul><ul><li>A dose inicial deve ser reduzida em 50% se o paciente estiver em uso de diurético ou apresentar insuficiência cardíaca. </li></ul><ul><li>Apenas o Captopril e o Lisinopril são ativos na forma de droga original. Os fármacos restantes são pró-drogas, isto é, são metabolizados pelo fígado a metabólitos ativos, que são eliminados primariamente por via renal. </li></ul><ul><li>O Benazepril está também disponível na forma de associação com Anlodipina (Lotrel®). </li></ul>
  • 49. MECANISMO HUMORAL / LOCAL fígado fígado   Angiotensinogênio Cininogênio rim  Renina Calicreína  pâncreas Angiotensina I Bradicinina  PGs pulmão  ECA Inibidores Cininase da ECA Angiotensina II Produtos Inativos   vasoconstr adrenal  aldosterona  rim  retenção NaCl/H2O
  • 50. Inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) + LIBERAÇÃO DE RENINA Angiotensinogênio Angiotensina I Angiotensina II ECA Receptores AT1 <ul><li>Crescimento vascular: </li></ul><ul><li>Hiperplasia </li></ul><ul><li>Hipertrofia </li></ul><ul><li>Vasoconstrição: </li></ul><ul><li>Direta </li></ul><ul><li> Liberação de noradrenalina </li></ul><ul><li>Retenção de NaCl: </li></ul><ul><li> Aldosterona </li></ul><ul><li>Reabosrção tubular de sódio </li></ul>Atividade nervosa simpática renal Peptídio natriurético atrial Pressão de perfusão renal Filtração glomerular Agonistas  PGI 2 + + + + - - Inibidores da ECA Antagonistas de AT1
  • 51.  
  • 52. Efeitos adversos (para todos os IECA): <ul><li>Inócuos, porém algumas vezes incômodos </li></ul><ul><ul><li>Tontura </li></ul></ul><ul><ul><li>Palpitações </li></ul></ul><ul><ul><li>Alterações do paladar (gosto metálico) </li></ul></ul><ul><ul><li>Tosse (Inibição da Cininase II – abundante no pulmão – acúmulo de BK) </li></ul></ul><ul><li>Prejudiciais ou potencialmente prejudiciais: </li></ul><ul><ul><li>Hipotensão (mais freqüente no idoso) </li></ul></ul><ul><ul><li>Erupções cutâneas (desaparecem com a interrupção) </li></ul></ul><ul><ul><li>Proteinúria (pode indicar lesão renal) </li></ul></ul><ul><ul><li>Leucopenia (pode causar mal-estar, febre, fraqueza e náuseas: muitas vezes é melhor suspender o uso) </li></ul></ul><ul><ul><li>Obs: As erupções cutâneas, a proteinúria, leucopenia e a alteração do paladar são minimizadas com o uso de baixas doses. </li></ul></ul>
  • 53. Vantagens dos IECA: <ul><li>Mantém os reflexos barorreceptores (não alteram a volemia bruscamente </li></ul><ul><li>Raramente produzem hipotensão postural </li></ul><ul><li>Podem ser indicados para diabéticos (efeito protetor renal: vasodilatação renal, o sangue flui mais lentamente. Não alteram o RFG e nem a pressão hidrostática no glomérulo) </li></ul><ul><li>São, na maioria das vezes, bem tolerados </li></ul><ul><li>Não produzem letargia, fraqueza ou disfunção sexual (diferindo da metildopa) </li></ul><ul><li>Não produzem hipercalemia, hiperuricemia, hiperglicemia e hiperlipidemia (diferindo de alguns diuréticos). </li></ul>
  • 54. Antagonistas dos receptores AT1 da angiotensina II:
  • 55. Antagonistas dos receptores AT1 da angiotensina II: <ul><li>São mais onerosos </li></ul><ul><li>Não são tão eficazes quanto os IECA na redução da pressão arterial. São indicados para pacientes com hipertensão não-grave. </li></ul><ul><li>Não induzem à tosse, permitindo a substituição de IECA por antagonistas dos receptores da angiotensina II. </li></ul><ul><li>Os efeitos colaterais causados pelos antagonistas dos receptores AT1 são os mesmos causados pelos IECA, com exceção da tosse. </li></ul>
  • 56. VASODILATADORES /ANTIANGINOSOS <ul><li>VASODILATADORES </li></ul><ul><ul><li>efeito diretamente no vaso * </li></ul></ul><ul><ul><li>uso: em condições de isquemia tissular </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>geral  hipertensão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>local  angina pectoris </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>exemplos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>NITROVASODILATADORES </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>NITRATOS ORGÂNICOS: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>nitrito de amila </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>trinitrato de glicerila (nitroglicerina, NTG) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>dinitrato de isossorbida </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>NITROPRUSSIATO DE SÓDIO </li></ul></ul></ul>
  • 57. VASODILATADORES /ANTIANGINOSOS <ul><li>BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO </li></ul><ul><ul><li>verapamil </li></ul></ul><ul><ul><li>Nifedipina </li></ul></ul><ul><ul><li>Anlodipina </li></ul></ul><ul><li>ABRIDORES DE CANAIS DE POTÁSSIO </li></ul><ul><ul><li>minoxidil </li></ul></ul><ul><ul><li>diazóxido </li></ul></ul><ul><ul><li>cromacalina </li></ul></ul>
  • 58. VASODILATADORES <ul><li>Hidralazina (Apresoline®) </li></ul><ul><li>Mecanismo de ação: Promove relaxamento direto do músculo liso arteriolar. Mecanismo bioquímico não é conhecido. </li></ul><ul><li>Não atua como vasodilatador dos vasos de capacitância (ex. artérias coronárias epicárdicas) e nem do músculos liso venoso. </li></ul><ul><li>Outros efeitos: estimulação poderosa do sistema nervosos simpático, que resulta em aumento da freqüência e contratilidade cardíacas, aumento da atividade da renina e retenção de líquidos (neutralização do efeito anti-hipertensivo): Barorreceptores e estímulo da liberação de noradrenalina. </li></ul>
  • 59. VASODILATADORES <ul><li>Minoxidil (Loniten®) </li></ul><ul><li>Pró-fármaco: sofre biotransformação hepática para formação de metabólito ativo. </li></ul><ul><li>Promove relaxamento da musculatura lisa vascular sem nenhum efeito sobre os vasos de capacitância. Aumenta o fluxo sanguíneo mais para a pele, músculos, TGI e coração do que para o SNC. </li></ul><ul><li>Aumenta o débito cardíaco (  contratilidade e  retorno venoso) e estimula a liberação de renina </li></ul><ul><li>Efeitos adversos: </li></ul><ul><ul><li>Retenção de líquido e sal (  reabsorção tubular proximal por redução da pressão de perfusão – atividade  -simpática reflexa) </li></ul></ul><ul><ul><li>Conseqüências cardíacas semelhantes à hidralazina (estimulação simpática) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipertricose com o uso prolongado (uso tópico para calvície) </li></ul></ul>
  • 60. VASODILATADORES <ul><li>Nitroprussiato de sódio (Nipride®) </li></ul><ul><li>É metabolizado a NO  ativação da guanilato ciclase   cGMP  Vasodilatação </li></ul><ul><li>Ativação (formação de NO) diferente da nitroglicerina (não há tolerância) </li></ul><ul><li>Ocorre dilatação das arteríolas e vênulas </li></ul><ul><li>Só ocorre moderado aumento da freqüência cardíaca e redução global da demanda de oxigênio pelo miocárdio. </li></ul><ul><li>Efeitos colaterais: </li></ul><ul><ul><li>Vasodilatação e suas conseqüências: hipotensão </li></ul></ul><ul><ul><li>Formação de cianeto </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilidade: emergências hipertensivas (assim como todos os vasodilatadores, exceto hidralazina em combinação) </li></ul></ul>
  • 61. VASODILATADORES <ul><li>Diazóxido (Tensuril®) </li></ul><ul><li>Hiperpolariza as células do músculo liso arterial ao ativar canais de K sensíveis ao ATP. </li></ul><ul><li>Praticamente não promove alterações sobre os vasos de capacitância. </li></ul><ul><li>O DC pode duplicar devido à estimulação da freqüência e da força de contração </li></ul><ul><li>Ocorre aumento da secreção de renina que, junto com o aumento do DC, retenção de líquido e sal, promove neutralização do efeito anti-hipertensivo. </li></ul><ul><li>Principal indicação: emergências hipertensivas. A injeção IV de um ¨bolo¨ promove redução da PA em 30s, sendo o efeito máximo obtido em 3-5 min. </li></ul><ul><li>Efeitos colaterais: </li></ul><ul><ul><li>Isquemia miocárdica (estimulação adrenérgica reflexa) </li></ul></ul><ul><ul><li>Retenção hídrica </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiperglicemia (Inibem a secreção de insulina pelas células  -pancreáticas: estimulação dos canais de K sensíveis ao ATP): problema para diabéticos </li></ul></ul><ul><ul><li>Relaxamento do músculo liso uterino, podendo interromper o trabalho de parto se utilizado no tratamento de crise hipertensiva da eclâmpsia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Outros do TGI, rubor, alterações do paladar e olfato, (raros): distúrbios salivação excessiva e dispnéia. </li></ul></ul>
  • 62. DIURÉTICOS
  • 63. DIURÉTICOS: “drogas que aumentam a formação de urina” FUNÇÃO RENAL “ manutenção do volume e composição dos líquidos corporais” Art. aferente Art. eferente Caps de Bowman + Glomérulo TCP AH TC TD
  • 64. DIURÉTICOS <ul><li>importância, usos, indicações </li></ul><ul><ul><li>1 - hipertensão arterial </li></ul></ul><ul><ul><li>2 - reduzir edema </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ICC </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>doenças renais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>doenças hepáticas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>dismenorréia </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>3 - glaucoma </li></ul></ul><ul><ul><li>4 - diurese forçada </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>overdose </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>edema cerebral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>cirurgias (manutenção diurese) </li></ul></ul></ul>
  • 65. <ul><li>Diuréticos </li></ul><ul><li>Balanço de Na positivo </li></ul><ul><li>Aumento na concentração plasmática de Na </li></ul><ul><li>Sede (  ingestão de água) Secreção de ADH pela hipófise </li></ul><ul><li>Volume circulante e volume extracelular total: </li></ul><ul><li>Pressão de filtração no segmento venoso: edema de membros inferiores </li></ul><ul><li>Pressão de filtração nos pulmões: edema pulmonar </li></ul><ul><li>Pressão de filtração na cavidade peritoneal: ascite </li></ul>
  • 66. DIURÉTICOS Reabsorção de Na PA PA Volume circulante <ul><li>Excreção de Na   ADH   sede   Volemia   Edema e PA </li></ul><ul><li>Podem ser vasodilatadores diretos atuando sobre receptores nos vasos </li></ul>
  • 67. DIURÉTICOS - MOA <ul><li>Diuréticos que atuam sobre o túbulo proximal </li></ul><ul><li>Diuréticos de alça </li></ul><ul><li>Diuréticos que atuam sobre o túbulo distal </li></ul><ul><li>Espironololactona (Antagonista da aldosterona) </li></ul><ul><li>Amilorida e Triantereno </li></ul><ul><li>Diuréticos osmóticos </li></ul>
  • 68. 1. Diuréticos que atuam sobre o túbulo proximal <ul><li>O epitélio é permeável a íons e água: não há desenvolvimento de gradientes osmóticos significativos </li></ul><ul><li>Cerca de 60-70% do sódio e água são absorvidos no túbulo proximal: Melhor local para alvo de fármacos </li></ul><ul><li>A água é reabsorvida, em sua grande parte, pela zonula ocludens. </li></ul><ul><li>O bicarbonato retorna ao sangue indiretamente via anidrase carbônica </li></ul><ul><li>Após a passagem pelo túbulo proximal, 30-40% do filtrado (isosmótico), passam para a Alça de Henle. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><ul><li>Acetazolamida – Inibidora da anidrase carbônica: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Causam aumento na excreção de bicarbonato, acompanhado de sódio e água, resultando em fluxo aumentado de urina. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pequeno poder diurético, que se declina ainda mais com a redução dos níveis plasmáticos de bicarbonato. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Inibição do antiporte: alvo promissor </li></ul></ul>
  • 69. Célula Luz <ul><li>Diuréticos que atuam sobre o túbulo proximal </li></ul>Sangue NaHCO 3 Na HCO 3 H H 2 CO 3 H 2 O + CO 2 Anidrase Carbônica H HCO 3 H 2 CO 3 CO 2 + H 2 O Anidrase Carbônica K K Na Na Antiporte Bomba Na/K HCO 3 Inibidores da anidrase carbônica
  • 70. 2. Diuréticos de Alça <ul><li>Ramo descendente: permeável à água (hipertonicidade do líquido intersticial medular). O líquido torna-se hiperosmótico. </li></ul><ul><li>Ramo ascendente (porção diluidora): baixa permeabilidade à água, reabsorção ativa de 30-40% do sódio filtrado (que não é acompanhado de água), reduzindo a osmolaridade do líquido tubular e produzindo um líquido intersticial hipotônico. </li></ul><ul><li>Simporte: Na/ K/ 2Cl: Alvo dos diuréticos de alça (sítio de ligação do Cl). </li></ul><ul><ul><li>Furosemida (Lasix®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Torasemida (Demalex®) – ação mais longa (adm. 1x/dia) </li></ul></ul><ul><ul><li>Bumetanida (Bumex®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Ácido etacrínico (Edecrin®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Piretanida (Arelix®) </li></ul></ul><ul><ul><li>Torsemida </li></ul></ul><ul><ul><li>Tripamida </li></ul></ul>
  • 71. 2. Diuréticos de Alça <ul><li>Chegam ao local de ação por secreção tubular </li></ul><ul><li>Diuréticos de alto limiar: promovem ¨fluxo torrencial de urina¨ </li></ul><ul><li>O líquido tubular não é diluído e maior concentração de soluto chegarão às porções distais do néfron, reduzindo ainda mais a reabsorção de água (  osmolaridade intersticial): cerca de 25% do filtrado glomerular podem ser excretados. </li></ul><ul><li>Ocorre tolerância para o efeito diurético </li></ul><ul><li>Absorção VO rápida e podem ser administrados via parenteral/ Ligam-se fortemente às PP </li></ul><ul><li>Efeitos adversos </li></ul><ul><ul><li>Perda de K (hipocalemia) </li></ul></ul><ul><ul><li>Perda de H (alcalose) </li></ul></ul><ul><ul><li>Diurese profusa (hipovolemia e hipotensão, principalmente em idosos: colapso em decorrência da súbita perda de líquido extracelular) </li></ul></ul><ul><ul><li>Atenção: prejudica o sono se administrado à noite </li></ul></ul>
  • 72. 2. Diuréticos de Alça Ramo ascendente Célula Luz Sangue Na Na Na 2 Cl 2 Cl K K K K Cl Cl Bomba Na/K Simporte Simporte
  • 73. 3. Diuréticos que atuam no túbulo distal - Tiazídicos <ul><li>Reabsorção de NaCl, contínua diluição do filtrado, que se torna hiposmolar. </li></ul><ul><li>K e H são adicionados ao filtrado </li></ul><ul><li>Mecanismo de ação: inibem o simporte Na/ Cl (sítio de ligação do Cl) </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Hidroclorotiazida (Clorana®) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Clortalidona (Hygroton®) – ação mais longa (pode ser administrada em dias alternados) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Indapamida (Lozol®) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Metolazona (Zaroxolyn®) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Possuem ação diurética moderadamente poderosa </li></ul><ul><li>Não exercem qualquer efeito sobre a alça de Henle </li></ul><ul><li>Exercem ações extra-renais: A redução inicial da PA decorre de redução da volemia, todavia a fase tardia parece ser decorrente de ação direta sobre os vasos </li></ul><ul><li>A Indapamida reduz a PA em doses subdiuréticas (menores distúrbios metabólicos) </li></ul>
  • 74. 3. Diuréticos que atuam no túbulo distal - Tiazídicos <ul><li>Efeitos adversos </li></ul><ul><ul><li>Depleção de K </li></ul></ul><ul><ul><li>Alcalose metabólica </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da concentração de ácido úrico (risco de gota) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiperglicemia (perigo para diabéticos) – inibição da secreção de insulina pelo pâncreas (inibição dos canais de K sensíveis ao ATP) </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento do colesterol plasmático com o uso prolongado </li></ul></ul><ul><ul><li>Disfunção erétil (reversível com a retirada do medicamento) </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipersensibilidades (raras): erupções cutâneas, pancreatite e edema pulmonar agudo. </li></ul></ul>
  • 75. Célula Luz Sangue Na Na Na Cl Cl K K Bomba Na/K 3. Diuréticos que atuam no túbulo distal Simporte K K Simporte Cl Cl
  • 76. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor <ul><li>Túbulos coletores: células principais (reabsorção de Na e secreção de K) </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>células intercaladas (excreção de H) </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><li>Células principais: não possuem co-transportadores </li></ul><ul><li>Aldosterona: Aumenta reabsorção de Na e excreção de K (ativa canais de Na, aumenta o número de bombas Na/K) </li></ul><ul><li>Redução da concentração de NaCl no filtrado: liberação de renina   angiotensina II e aldosterona (córtex da supra renal) </li></ul><ul><li>ADH: Liga-se a receptores presentes na membrana basolateral e aumenta o número de aquaporinas </li></ul><ul><li>Túbulo coletor: promove concentração da urina devido à alta reabsorção de água (promovida pela alta osmolaridade do líquido intersticial) </li></ul>
  • 77. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor ( poupadores de K) <ul><li>Diuréticos que atuam no túbulo coletor (poupadores de K) </li></ul><ul><li>Espironolactona (Aldactone®): </li></ul><ul><li>Possui ação diurética limitada </li></ul><ul><li>Antagonista da aldosterona (competição pelos receptores intracelulares, inibição dos efeitos de retenção de Na e excreção de K. Reduz a excreção de H e de ácido úrico </li></ul><ul><li>Tempo de meia vida curto (10 min), gera metabólito ativo (T1/2: 16h), lento início da ação </li></ul><ul><li>Efeitos indesejáveis: </li></ul><ul><ul><ul><li>Desconforto TGI </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hipercalemia, acidose metabólica </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ações em outros receptores esteróides: ginecomastia, distúrbios menstruais e atrofia testicular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Há relatos de ulceração péptica </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Contra-indicado na insuficiência renal </li></ul></ul>
  • 78. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor ( poupadores de K) <ul><li>Triantereno (Dyrenium®) e amilorida (Midamor®) </li></ul><ul><li>Também possuem eficácia diurética limitada </li></ul><ul><li>Inibem a reabsorção de Na (e a perda de K) por bloqueio dos canais luminais de Na, por meio dos quais a aldosterona produz seu principal efeito </li></ul><ul><li>Importância: capacidade de poupar K </li></ul><ul><li>Amilorida possui início de ação mais lento (6h) </li></ul><ul><li>Efeitos indesejáveis: </li></ul><ul><li>Hipercalemia </li></ul><ul><li>Distúrbios TGI </li></ul><ul><li>Erupções cutâneas </li></ul>
  • 79. 4. Diuréticos que atuam no túbulo coletor Célula Luz Sangue Na Na K K Na K H 2 O H 2 O K Bomba Na/K
  • 80. Associações de Diuréticos <ul><li>Triantereno/ amilorida (Maxide®, Dyazide®) </li></ul><ul><li>Espironolactona/ HCTZ (Aldactazide®) </li></ul><ul><li>Amilorida/ HCTZ (Moduretic®) </li></ul><ul><li>Diuréticos osmóticos (ex.: manitol) </li></ul><ul><li>Farmacologicamente inertes, administração IV (geralmente) </li></ul><ul><li>São filtrados no glomérulo, sofrem reabsorção incompleta ou não são reabsorvidos de forma alguma   osmolaridade do líquido tubular   reduz a absorção de Na (a [ ] estará menor, mais diluído)   volume de urina </li></ul><ul><li>Aumento da pressão intracraniana ou intraocular, prevenção de insuficiência renal aguda </li></ul><ul><li>Efeitos adversos: Náuseas, vômitos, cefaléia,  volume extracelular. </li></ul>
  • 81.  

×