Romantismo em Portugal  -  Romanticism in Portugal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal

  • 7,694 views
Uploaded on

Sobre o Romantismo em Portugal. ...

Sobre o Romantismo em Portugal.

About the Romanticism in Portugal. ************** P.S: It's/is in portuguese.**************

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
7,694
On Slideshare
7,694
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
220
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Romantismo em Portugal
  • 2. • O Romantismo em Portugal surgiu no século XIX. Nas artes plásticas o romantismo é normalmente encarado como um movimento oposto ao Neoclassicismo, por ser uma reação à excessiva racionalidade clássica, negando os princípios de harmonia, ordem e proporção.• O romantismo surge nas artes quase naturalmente quando os artistas se apercebem da impossibilidade de negar certos aspectos da criatividade humana. Pode, então, ser caracterizado como um apelo ao individualismo, exaltando o sentimento, a emoção e a genialidade.
  • 3. Zé Povinho - Pintura de Rafael Bordalo Pinheiro, Artista do Romantismo em Portugal
  • 4. • O Romantismo foi encarado como uma nova maneira de se expressar, enfrentar os problemas da vida e do pensamento.• O escritor romântico projetava-se para dentro de si, tendo como fonte o eu-lírico, do qual fluía um diverso conteúdo sentimentalista e, muitas vezes, melancólico da vida, do amor e, às vezes, exageradamente, da própria morte. A introversão era característica essencialmente romântica.• A natureza, assim como a mulher são importantes pontos desse momento.
  • 5. Retrato de senhora vestida de preto - António Ramalho
  • 6. • Cultivou a oratória parlamentar, o pensamento pedagógico e doutrinário, o jornalismo, a poesia, a prosa de ficção e o teatro.• Escreveu Camões (1825), Dona Branca (1826), Folhas Caídas (1853), Viagens na minha terra (1846), dentre outras.
  • 7. • Herculano, exilou-se na Inglaterra e na França, criando polêmica com o clero, por participar da lutas liberais. Junto com Garrett, foi um intelectual que atuou bastante nos programas de reformas da vida portuguesa.• Sua obras principais são: A harpa do crente (1838), Eurico, o presbítero (1844), dentre outras.
  • 8. • Foi um artista português, de obra vasta dispersa por largas dezenas de livros e publicações, em Portugal, desenhador, ilustrador, decorador, caricaturista, jornali sta, ceramista e professor. É o autor da representação popular do Zé Povinho, (símbolo do povo português).
  • 9. I-Política: A Grande Porca II- A Finança: o Grande Cão
  • 10. • Foi um pintor português da época romântica. Considerada a sua obra mais famosa, O cego rabequista, pintada em 1855, foi exibida na Exposição Universal de Paris em 1855 e na Exposição Internacional do Porto em 1865, conquistando o segundo lugar.
  • 11. Alegoria de Lisboa e do Tejo
  • 12. O Cego Rabequista Dom Pedro V
  • 13. • Foi um pintor português e viveu intensamente as convulsões políticas da época, exilando-se em França com a contrarrevolução absolutista da Vila- Francada, onde expôs, no Salão do Louvre, A Morte de Camões (quadro desaparecido no Brasil).
  • 14. Conde de Farrobo A Morte de Camões