Your SlideShare is downloading. ×

Mm Brusque

1,287

Published on

Participatory Appraisal of Competitive Advantage Metodhology

Participatory Appraisal of Competitive Advantage Metodhology

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,287
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Criar uma vantagem competitiva em Brusque Parceria: Associação Comercial e Industrial, Câmara de Dirigentes Lojistas e Prefeitura Municipal de Brusque Apoio técnico: Fundação Empreender Projeto Marketing Municipal
  • 2. 1. O que significa vantagem competitiva no nivel local e regional?
  • 3. Por que criar uma vantagem competitiva?
    • Num mundo globalizado e competitivo, desenvolvimento econômico é cada vez menos baseado em vantagens estáticas
    • Desenvolvimento econômico deve ser baseado em vantagens dinâmicas - através da criação de vantagens competitivas
  • 4. Quais são vantagens estáticas e dinâmicas?
    • Vantagens estáticas
    • Disponibilidade de matéria-prima
    • Disponibilidade de mão-de-obra barata
    • Disponibilidade de terrenos, localização
    • Cultura local
    • Vantagens dinâmicas
    • Matéria-prima criada (p.ex. legumes biológicos)
    • Mão-de-obra qualificada e especializada
    • Infra-estrutura física e institucional muito eficiente
  • 5. Como criar uma vantagem competitiva?
    • Desenvolver um perfil específico - especialização regional
    • Investir em qualificação de mão-de-obra em todos os níveis
    • Criar entidades de apoio para o setor privado
      • metrologia e ensaios, apoio tecnológico
      • formação profissional
      • novos empreendimentos
      • financiamento
      • informação sobre mercados, design, etc.
  • 6. Criar uma vantagem competitiva: A visão do Michael Porter (o “diamante”) Empresas chaves Concorrência local Demanda sofisticada Instituições de suporte Entidades de classe Empresas de suporte (fornecimento, prestação de serviços)
  • 7. Criar uma vantagem competitiva: A visão da competitividade sistêmica
    • Nível Meta
    • Nível Macro
    • Nível Meso
    • Nível Micro
    • visão, capacidade estratégica,
    • espírito de cooperação
    • condições macroeconômicas
    • política orçamentária municipal
    • instituições de suporte (formação, tecnologia, apoio, financiamento)
    • capacidade gerencial e tecnológica
    • cooperação e aprendizagem juntas
  • 8. Vantagens competitivas dinâmicas ...
    • têm como resultado um perfil de especialização que dificilmente é replicado por uma outra região
    • são a base de um processo sustentado de crescimento e criação de emprego e renda
  • 9. 2. O diagnóstico de Brusque
  • 10. A estrutura econômica de Brusque
  • 11. Brusque não possui 3, mas 5 setores principais
    • Setor têxtil tradicional (tecido plano, cama, mesa e banho)
    • Setor têxtil de malha (tecelagem e confecção)
    • Indústria metalmecânica
    • Comércio de pronta entrega
    • Comércio do centro da cidade
  • 12. Duas visões das empresas têxteis e de confecções
    • Distinção por tipo de ramo :
    • Setor têxtil tradicional (tecido plano, cama, mesa e banho)
    • Setor têxtil de malha (tecelagem e confecção)
    • Distinção por tipo de empresa:
    • Empresas tradicionais, hierarquizadas, gestão não participativa
    • Empresas modernas, com gestão atualizada, com participação dos funcionários
  • 13. Setor Têxtil e Confecção: pontos fortes
    • atualização tecnológica
    • mão-de-obra preparada
    • boa participação no mercado nacional
    • dinamismo do setor
    • empreendedorismo forte
    • sindicatos laborais bem estruturados
    • recuperação de médias e grandes empresas
    • o setor está bem
  • 14. Setor Têxtil e Confecção: pontos fracos
    • pouca união entre as empresas
    • sindicato patronal fraco
    • antagonismo entre empresas e sindicatos laborais
    • “ faccionistas” do comércio exterior
    • sem visão clara do futuro
      • quanto à organização do setor
      • quanto à comercialização
  • 15. Estrutura do comércio de confecção
  • 16. Tendências no comércio de confecção
    • Tipo de loja
    • Cadeias (p.ex. C&A)
    • Lojas em shopping centers
    • Supermercados
    • Lojas de departmento
    • Venda de fábrica
    • Lojas mendentes
    • Sacoleira
    • Feira
    • Tendência mundial
    • crescer
    • crescer
    • crescer
    • crescer
    • crescer
    • diminuir
    • diminuir
    • diminuir
  • 17. A competitividade do setor têxtil tradicional (tecido plano, cama, mesa e banho) Forte : Empresas chaves Concorrência local Forte : Demanda sofisticada Forte : Instituições de suporte Fraco : Entidades de classe Forte : Empresas de suporte (fornecimento, prestação de serviços)
  • 18. A competitividade do setor têxtil de malha (tecelagem e confecção) Forte : Empresas chaves Concorrência local Fraco : Demanda sofisticada Fraco : Instituições de suporte Entidades de classe Forte : Empresas de suporte (fornecimento, prestação de serviços)
  • 19. Setor Metalmecânico
    • Pontos Fortes
    • crescimento do setor
    • empresas líderes muito bem preparadas (em tecnologia e gestão)
    • forte investimento em capacitação de mão-de-obra
    • união entre o setor
    • Pontos Fracos
    • insuficiente qualificação dos terceirizados
    • dificuldade de acesso a mão-de-obra qualificada (para pequenas)
  • 20. A competitividade do setor metalmecânico Forte : Empresas chaves Concorrência local Forte : Demanda sofisticada Forte : Instituições de suporte Entidades da classe Forte : Empresas de suporte (fornecimento, prestação de serviços)
  • 21. Setor de Comércio de pronta entrega: pontos fortes
    • Setor dinâmico
    • Diferencial da cidade
    • Variedade de produtos
    • Preço baixo
    • Certa preocupação com futuro
    • Brusque = marca reconhecida no sul do Brasil
  • 22. Setor de Comércio Pronta entrega: pontos fracos
    • Falta de conhecimento analítico da situação atual
    • Falta de análise de comportamento do cliente
    • Pouco conhecimento das tendências do comércio de confecção
    • Visão pouco clara de futuro
    • Falta de união
  • 23. Considerações sobre o comércio de pronta entrega baseadas em “Achismo”
    • Brusque é “final da rota”? E, se for assim, o que significa isto?
    • Há uma tendência de transferência de comércio de atacado para comércio de varejo? Em que proporção?
    • Qual a verdadeira importância do guia?
    • Quantos ônibus vêm diariamente a Brusque? E com que tipo de comprador?
  • 24. Entidades de Suporte: Pontos fortes
    • Espírito de parceria
    • Ação conjunta entre as entidades
    • Pré-disposição para atender a demanda
    • Instalações adequadas para prestação de serviços
    • Reestruturação do SEBRAE
    • Atendimento razoável à demanda das médias e grandes empresas
    • FEBE iniciando processo de abertura e integração com a comunidade
    • Estação comunitária de tratamento de efluentes
  • 25. Entidades de Suporte: pontos fracos
    • Pouco atendimento da demanda das empresas de menor porte (SENAI)
    • Atuação pouco expressiva do SEBRAE
    • FEBE entidade tradicionalmente fechada
    • Formação profissional não atende a demanda das empresas
  • 26. Brusque: pouco avanço na educação (escolaridade média 1970 x 1991)
  • 27. Prefeitura
    • Pontos fortes :
    • Campanha para atração de empresas
    • Projeto para criação de distrito industrial
    • Estilo administrativo
    • Goza de credibilidade
    • Estreito contato com setor privado (visitas)
    • Pontos fracos
    • Capacidade financeira
    • Pavimentação das ruas
    • Transporte coletivo
    • Rede de esgoto inexistente
  • 28. A capacidade financeira da prefeitura é limitada
  • 29. Observações gerais
    • Empresários e funcionários em geral com pouca propensão à capacitação
    • A informalidade da economia é expressiva, reconhecida e aceita como tal
    • Falta política de incentivo à agricultura minifundiária (Ex.:substituição lenha/gás)
    • Câmara de vereadores está mais voltada a indicações
    • Comunidade passiva em relação às ações dos políticos
    • Falta um espírito regional (microregião, Vale do Itajaí)
  • 30. Conclusões do diagnóstico
    • A economia anda bem e superou crises. Isso gera uma despreocupação com o futuro.
    • Há uma série de deficiências estruturais (capacitação empresarial, educação e formação). Mas não é previsível quando haverá uma crise estrutural.
    • Atualmente as condições para uma ação para geração de emprego e renda não são favoráveis.
    • Não há a cultura necessária para ações preventivas.
  • 31. Criar uma vantagem competitiva: A visão da competitividade sistêmica
    • Nível Meta
    • Nível Macro
    • Nível Meso
    • Nível Micro
    • + Espírito de união entre entidades
    • - Pouca visão de futuro
    • + Atuação séria da prefeitura
    • - Pouca capacidade de investimento
    • + Boa estrutura de instituições de suporte
    • - Atendimento insuficiente à demanda
    • + Competitividade das empresas líderes
    • - Pouca união entre empresas
  • 32. 3. Propostas para o Marketing Municipal de Brusque: Como criar uma vantagem competitiva?
  • 33. Divulgar Brusque
    • União entre empresas para marketing conjunto - vender Brusque e não só a empresa individual
    • Criar um logotipo de Brusque
    • Fomentar através de campanhas publicitárias o “Turismo de Compras”
    • ACIBr - CDL - AMPE
  • 34. Estudar tendências mercadológicas e populacionais
    • Projeto além do Achismo: formar grupo de trabalho para analisar as tendências do comércio de confecção (ACIBr - AMPE)
    • Pesquisa anual tipo “Cliente Feliz” (ACIBr -CDL - SEBRAE)
    • Pesquisa sobre grau de educação e formação da população (SENAC - SENAI -FEBE)
  • 35. Alavancar a boa vontade das Entidades de Suporte
    • Divulgar ofertas de cursos profissionalizantes da região através de palestras (SENAI -SENAC - SEBRAE...)
    • Entidades participarem das reuniões dos núcleos setoriais para definição da demanda (SENAI - SENAC - SEBRAE...)
    • Série de palestras por empresários locais sobre gestão participativa (ACIBr - CDL)
  • 36. Geração de emprego, trabalho e renda
    • Reengenharia do Projeto “Brusque em Ação” (Entidades - Conselho Municipal de Trabalho e Emprego)
    • Criar política de geração de emprego para os setores em extinção (Produção de lenha) (Conselho Municipal de Trabalho e Emprego)
    • Programa trabalho com formação - Ex.: recuperação de ruas municipais - (Prefeitura Municipal)
  • 37. Promover do Desenvolvimento Micro-regional
    • Estimular ações de desenvolvimento que congreguem municípios vizinhos através de entidades de suporte (ACI´s - SENAI - SEBRAE - SENAC...)
      • Marketing
      • Turismo
      • Ecologia
      • Educação e Formação Profissional
  • 38. Ação sobre Políticos
    • Pressão sobre a Câmara de Vereadores para aprovação de Projetos
    • Cobrança e acompanhamento de ações do Poder Executivo.
    • Cobrança e acompanhamento de ações e posicionamentos dos Deputados da Cidade e Região
  • 39. Os próximos passos
    • articulação com empresas e entidades para definir prioridades e atividades (definição de responsabilidades)
    • definir responsáveis pelo monitoramento do processo
  • 40. Agradecemos o apoio de todos que participaram na pesquisa!
  • 41. Fundação Empreender
    • Uma fundação de Associações Comerciais e Industriais (ACIs) em Santa Catarina, Brasil, para apoiar o desenvolvimento de associações empresarias
    • Em parceria com a Câmara de Artes e Ofícios de Munique e Alta Baviera (HWK), Munique, Alemanha
    • Apoio: SEQUA, Bonn, e Ministério de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, Bonn, Alemanha
    • O objetivo do Projeto de Parceria em implantação desde 02/91 é entre outros a divulgação e difusão das experiências sobre o desenvolvimento organizacional de associações empresariais e a abertura destas para integração de médias e pequenas empresas. Nós oferecemos o nosso know how através de treinamentos, consultoria, e publicações.
    • Este arquivo faz parte do nosso material de apresentação e orientação para dirigentes e executivos de associações empresariais, para colaboradores de projetos de cooperação técnica e outros interessados. Estamos permanentemente empenhados em desenvolver, complementar e aprimorar este material e também procuramos adaptá-lo para grupos alvo específicos (no nome do arquivo, o penúltimo algorismo refere-se ao ano da edição e o ultimo indica a versão). Atualmente dispomos de versões em português, espanhol, alemão e inglês.
    • Este arquivo poderá, conforme desejo dos interessados, ser aplicado, reproduzido ou modificado (não cobramos direitos autorais).
    • Temos entretanto um grande pedido: enviem-nos, por favor, exemplares (na forma de arquivo ou impressos) e outras informações, quando utilizarem o referido arquivo o algum dos seus elementos. Nós precisamos deste retorno e feed back para comprovar os efeitos do nosso trabalho perante todas as instituições que apoiam / financiam a Fundação Empreender. Nossas agradecimentos!
    • A Equipe da Fundação Empreender Fundação Empreender a/c Associação Comercial e Industrial de Joinville Rua do Príncipe, 330 - 10. andar - C.P. 137 89201-901 Joinville, Santa Catarina, Brasil Tel. 0055-(0)47-461-3367 / Fax 0055-(0)47-461-3334 E-mail: acihwk@netville.com.br E-mail: mueglo@dialup.internet.de
  • 42.
    • Este documento foi elaborado por
    • Jairo Aldo da Silva (Fundação Empreender)
    • Jörg Meyer-Stamer (Fundação Empreender
    • Maurício Lessa dos Reis (Fundação Empreender)
    • Colaboração:
    • Marlise Imhof, Valter Stoltenberg (ACIBr)

×