Fernando Pessoa tinha apenas cinco anos quando seu
pai, Joaquim Seabra Pessoa, crítico musical num jornal da
capital, fale...
É em Durban que Fernando Pessoa faz o ensino primário
num colégio de freiras, ingressando depois na Durban High
School. Ao...
Em 1905, com 17 anos, Fernando Pessoa regressa
definitivamente a Lisboa para frequentar o curso superior
de letras que aba...
Em 1912 começa a publicar na revista A Águia e dois anos“ ”
mais tarde, em 1914, cria os seus heterónimos Alberto Caeiro,
...
Habitante solidário de uma Lisboa que, com a ascensão
do fascismo, é cada vez mais cinzenta, é atravessado
frequentemente ...
Morreu aos 47 anos, no dia 30 de Novembro de
1935, na sequência de uma crise hepática.
Deixou milhares de textos inéditos ...
É talvez o último dia da
minha vida.
Saudei o Sol, levantando
a mão direita,
Mas não o saudei,
dizendo-lhe adeus,
Fiz sina...
Para ser grande, sê
inteiro: nada Teu exagera
ou exclui. Sê todo em cada
coisa. Põe quanto és No
mínimo que fazes. Assim
e...
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
F pessoa l..
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

F pessoa l..

1,701 views
1,552 views

Published on

Published in: Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,701
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
114
Actions
Shares
0
Downloads
55
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

F pessoa l..

  1. 1. Fernando Pessoa tinha apenas cinco anos quando seu pai, Joaquim Seabra Pessoa, crítico musical num jornal da capital, faleceu de tuberculose. Um ano depois morreu o seu irmão e é precisamente nesse ano que o escritor inventa o primeiro amigo imaginário, cujo nome era Chevalier de Pas .“ ” No ano seguinte, a sua mãe casa de novo com o cônsul de Portugal em Durban (África do Sul), onde a sua nova família passava a residir. Deste casamento nascerão cinco filhos mas só três sobreviveram. Fernando Pessoa viverá com a nova família apenas cerca de nove anos.
  2. 2. É em Durban que Fernando Pessoa faz o ensino primário num colégio de freiras, ingressando depois na Durban High School. Aos treze anos obtém o First Class School Higher“ Certificate da Universidade do Cabo da Boa Esperança,” depois de ter feito quatro anos lectivos em apenas dois. É nesse ano que começa a escrever poemas em Inglês e que regressa pela primeira vez a Lisboa, onde ficou durante um ano. Volta depois para Durban, onde faz o seu primeiro ano de estudos universitários e obtém o prémio Rainha Vitória para o melhor ensaio em Inglês, um exame no qual participaram 899 candidatos. A sólida educação inglesa que recebeu em Durban será fundamental na formação do futuro escritor.
  3. 3. Em 1905, com 17 anos, Fernando Pessoa regressa definitivamente a Lisboa para frequentar o curso superior de letras que abandona dois anos depois. Vive em casas diversas, durante vários anos em ambientes marcadamente femininos, povoados de tias e uma avó Dionísia que enlouqueceu e cuja herança lhe permitiu o negócio que acabou em fracasso, a compra de máquinas para montar uma tipografia e editora, a Empresa Íbis que nunca“ ” chegará a funcionar. Começa então uma vida de modesto correspondente comercial de Inglês e Francês, trabalhando para vários escritórios da baixa Lisboeta. Entretanto escreve compulsivamente poesia e prosa.
  4. 4. Em 1912 começa a publicar na revista A Águia e dois anos“ ” mais tarde, em 1914, cria os seus heterónimos Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis que assinarão, cada um deles, uma obra singular. No ano seguinte, com o seu amigo Mário de Sá Carneiro, lidera o grupo fundador da revista Orpheu que– “ ” introduz o modernismo em Portugal, e em 1917 pública, com Almada Negreiros, Amadeu de Souza Cardoso e Santa Rita o Portugal“ Futurista .” Na verdade, escreve muito, mas publicou pouco e quase exclusivamente em revistas literárias. Em 1921 cria a editora “ Olissipo que publica dois pequenos livros com os seus pequenos” poemas ingleses e em 1924 funda a revista Athena . Em 1934“ ” publica a Mensagem, o seu único livro de poesia em português editado em vida.
  5. 5. Habitante solidário de uma Lisboa que, com a ascensão do fascismo, é cada vez mais cinzenta, é atravessado frequentemente por estados depressivos e de melancolia e apenas se lhe conhece uma namorada, Ofélia Queiroz, secretária de um dos escritórios onde trabalhou e com a qual manteve, por dois períodos, uma correspondência de namoro, pelos cafés mantém pequenas tertúlias e amizades construídas sobretudo em torno da literatura. Em 1932 concorre a um lugar de conservador bibliotecário, em Cascais, mas não é aceite.
  6. 6. Morreu aos 47 anos, no dia 30 de Novembro de 1935, na sequência de uma crise hepática. Deixou milhares de textos inéditos que têm vindo a ser publicados postumamente. Nesse labirinto infindável de papéis e palavras, muito especialistas têm mergulhado, para desvendar o mistério do poeta criador de poetas.
  7. 7. É talvez o último dia da minha vida. Saudei o Sol, levantando a mão direita, Mas não o saudei, dizendo-lhe adeus, Fiz sinal de gostar de o ver antes: mais nada. Alberto Caeiro Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma nao é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Fernando Pessoa
  8. 8. Para ser grande, sê inteiro: nada Teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és No mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta vive Ricardo Reis Não, não é cansaço... Não, não é cansaço... É uma quantidade de desilusão Que se me entranha na espécie de pensar. É um domingo às avessas Do sentimento, Um feriado passado no abismo... Não, cansaço não é... É eu estar existindo E também o mundo, Com tudo aquilo que contém, Como tudo aquilo que nele se desdobra E afinal é a mesma coisa variada em cópias iguais. Álvaro de Campos

×