• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Principios da aps 2010
 

Principios da aps 2010

on

  • 11,468 views

Aula ministrada no Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde do Centro de Pesquisas René Rachou, Mestrado e Doutorado Acadêmicos. Disciplina Seminários em Saúde Pública. Coordenadora ...

Aula ministrada no Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde do Centro de Pesquisas René Rachou, Mestrado e Doutorado Acadêmicos. Disciplina Seminários em Saúde Pública. Coordenadora Zélia Profeta

Statistics

Views

Total Views
11,468
Views on SlideShare
9,092
Embed Views
2,376

Actions

Likes
4
Downloads
16
Comments
0

14 Embeds 2,376

http://medicinadefamiliabr.blogspot.com 1205
http://medicinadefamiliabr.blogspot.com.br 555
http://jujo00obo2o234ungd3t8qjfcjrs3o6k-a-sites-opensocial.googleusercontent.com 293
https://jujo00obo2o234ungd3t8qjfcjrs3o6k-a-sites-opensocial.googleusercontent.com 226
http://medicinadefamiliabr.blogspot.pt 41
http://www.slideshare.net 39
http://www.acemfc.org.br 7
http://www.planetasaude.org 3
http://medicinadefamiliabr.blogspot.ca 2
https://www.google.com.br 1
http://www.google.pt 1
url_unknown 1
http://www.health.medicbd.com 1
http://medicinadefamiliabr.blogspot.in 1
More...

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Principios da aps 2010 Principios da aps 2010 Presentation Transcript

    • Atenção Primária evolução história e contexto mundial Leonardo Cançado Monteiro Savassi Coordenador da Residência em Medicina de Família e Comunidade de Betim Diretor de Publicações da SBMFC Médico de Família e Comunidade [email_address]
    • A falta de limite claro para os gastos em saúde no contexto da Medicina Científica pode torná-la inviável se a esses gastos não corresponderem melhorias na saúde de uma determinada população. (Aguiar, 2005)
    • Definição de alguns termos (OU: vamos deixar claro do que estamos falando aqui…)
    • Definição de alguns termos APS : Atenção Primária a Saúde: “Atenção de primeiro contato. Continua, global e coordenada que se proporciona à população sem distinção de gênero, ou enfermidade, ou sistema orgânico” (B. Starfield). “Cuidados que propiciam a manutenção básica de saúde, serviços terapêuticos e a coordenação das necessidades e serviços comunitários” (DeCS) Atenção Básica : “ A Atenção Básica é um conjunto de ações, de caráter individual e coletivo, situadas no primeiro nível de atenção dos sistemas de saúde, voltadas para a promoção da saúde, a prevenção de agravos, o tratamento e a reabilitação.” (MS) “interpretação oficial (brasileira) da APS, baseada no Programa Saúde da Família” (Aguiar)
    • Definição de alguns termos PSF: Estratégia que visa a reestruturação da APS do SUS. Equipes com no mínimo médico/ enfermeiro/ auxiliar de enfermagem/ 4 ACS que devem atender de forma integral a no máximo 800 famílias ou 4.000 pessoas. (MS). “ (...) reorganizar a prática da atenção à saúde e substituir o modelo tradicional . (...) ações de prevenção, promoção e recuperação da saúde, de forma integral e contínua. (...)atendimento na unidade básica de saúde ou no domicílio. (...) Assim, esses profissionais e a população acompanhada criam vínculos de co-responsabilidade (DeCS)
    • Definição de alguns termos Médico de Família e Comunidade: “ Especialista Clínico da Integralidade” (SBMFC). “ Médico para a vida toda” (SBMFC). “ Especialidade médica reconhecida pelo CNRM desde 2001 (desde 1981 como MGC)” (CNRM) “ Médicos pessoais, responsáveis pela prestação de cuidados abrangentes e continuados a indivíduos independente da idade, sexo ou afecção. Prestam cuidados a indivíduos no contexto das respectivas famílias, comunidades e culturas, respeitando sua autonomia”. (WONCA)
    • Definição de alguns termos Médico Generalista: “O profissional médico que não se especializa em nenhuma área particular da medicina, não é sujeito à certificação de especialista e geralmente provê cuidados primários” (Gusso) Clínico Geral: Especialidade médica reconhecida pelo CNRM que trata de adultos e ocupa a maior parte do tempo em atividades intrahospitalares. É também conhecida como medicina interna” (CNRM) “ Especialidade médica voltada para o diagnóstico e tratamento das doenças dos sistemas de órgãos internos dos adultos” (sinônimo de clinica geral e medicina interna) (DeCS)
    • Médico de Família e Comunidade X APS X MFC APS = atenção primária à saúde - “LUGAR” MFC = Medicina de Família e Comunidade - Especialidade PSF = Programa Saúde da Família – Estratégia/política de Estado ( Gusso 2005)
    • Evolução e consolidação da APS
      • Evolução Histórica da APS
      • 1910 “Relatório Flexner”,
      • Luta pelo ideário científico
      • Medicina como ciência embasada.
      • Define padrões de entrada, amplia para 4 anos
      • a duração dos cursos de medicina; introdução
      • do ensino laboratorial; estímulo à docência em
      • tempo integral; expansão do ensino clínico, especialmente em hospitais ; vinculação das escolas médicas às universidades; ênfase na pesquisa biológica; vinculação da pesquisa ao ensino; estímulo à especialização médica ; controle do exercício profissional pela profissão organizada.
      ( Aguiar 2005) Abraham Flexner http://www.nndb.com/people/241/000115893
    • Evolução Histórica da APS 1910 “Relatório Flexner”, O paradigma flexneriano proporcionou todo o avanço científico e tecnológico da Medicina com evolução de métodos terapêuticos, propedêuticos, somando pesquisa à prática. Importante valorizar o ambiente sociocultural e de trabalho no qual e para o qual as diretrizes flexnerianas foram elaboradas ( Aguiar 2005) Abraham Flexner http://www.nndb.com/people/241/000115893
      • Alma-Ata (1977) vem de movimentos de valori-
      • zação da APS em vários países, dentre eles:
      • Alemanha 1847
      • “ A medicina é uma ciência social e a política nada
      • mais é do que a medicina em grande escala.”
      • Conceito da Medicina Social:
      • Investigando epidemia de F. Tifóide em área rural da Prússia não recomendou soluções médicas, mas investimento na qualidade de vida através de “radical” reforma econômica, política e social;
      • Delineamento inicial do conceito ampliado de saúde, de uma seara médica para um objeto da esfera política
      Rudolf Virchow http://clendening.kumc.edu/dc/pc/v.html
      • Evolução Histórica da APS
      • Rússia 1864 - Projeto “Zemstvo” (distrito)
      • Assembléias distritais deliberativas compostas por nobres, donos de terra e trabalhadores rurais.
      • Rede de centros de saúde em áreas rurais, criação de cargos e organizações sanitárias nas províncias
      • Em 1872, o Zemstvo de Perm criou o cargo de médico sanitário, responsável por estudos para evitar surtos em suas áreas.
      • Em 1885, o Zemstvo de Moscou criou o primeiro Instituto de Médicos Sanitários.
      • A experiência sanitária dos Zemstvo foi ainda aperfeiçoada e levada adiante pelos bolcheviques na revolução de 1917
      • Evolução Histórica da APS
      • Inglaterra 1920
      • Regionalização dos serviços de
      • saúde com “Primary health centers” com
      • serviços de medicina curativa e preventiva
      • através de médicos generalistas.
      • Hierarquização dos serviços: PHCs como
      • porta de entrada para o restante do sistema
      • = centros de saúde secundários, unidades de serviços suplementares e um hospital universitário (teaching hospital)
      • A APS inglesa beneficia-se da relação simbiótica entre uma emergente camada de “general practitioners” e o NHS.
      Bertrand Dawson http://www.time.com/time/magazine/0,9263,7601300901,00.html
    • Evolução Histórica da APS Inglaterra 1920
      • Evolução Histórica da APS
      • China – 1965
      • Comitês Comunais Chineses promoviam campanhas de saúde, saúde ambiental, a realização de cuidados preventivos e tratamento.
      • “ Médicos de pés descalços”, treinados a participar das atividades agrícolas, por proventos, e estreitar laços com a comunidade na qual viviam e trabalhavam.
      • OMS queria divulgar essa experiência, mas não teve autorização do governo chinês que não a considerou suficientemente madura para ser divulgada. Isto não impediu a influência das idéias chinesas no delineamento da proposta de APS em Alma-Ata.
      • Evolução Histórica da APS
      • EEUU 1961
      • NEJM, “The Ecology of Medical Care” estudou a procura dos serviços de saúde por usuários americanos (White et al., 1961).
      • O artigo alertou para o pouco conhecimento do processo de tomada de decisão pelo paciente – que decide procura o serviço de saúde, trata seu problema por vias alternativas ou ignora-o.
      • Também chamou a atenção para a real distribuição ecológica do uso dos serviços e das necessidades de saúde, argumentando que ela não era levada em conta na organização dos serviços de saúde ou no treinamento de profissionais
    • 1961
    • 2001
    • Evolução Histórica da APS Canadá 1974 - Relatório Lalonde (1974): Conceito de Campo da Saúde (Health Field): ampliar a visão corrente de saúde, até então reduzida à existência de “bons serviços de atendimento médico”. Visão de saúde como conseqüência de características presentes em quatro categorias: estilo de vida, condições biológicas, ambiente e serviços de saúde. Reconhece fatores sociais, ambientais e estilos de vida como determinantes da saúde, lançando assim as bases do conceito de promoção de saúde como “uma estratégia eficaz para melhorar a saúde e a qualidade de vida”
    • ALMA ATA 1977 FONTE: OPAS http://www.paho.org/english/dd/pin/almaata25.htm
    • Evolução Histórica da APS Alma Ata (Cazaquistão)“Saúde para todos até o ano 2000”. “ Atenção Primária à Saúde é a assistência sanitária essencial baseada em métodos e tecnologias práticos, cientificamente fundados e socialmente aceitáveis, acessível a todos os indivíduos e famílias da comunidade, mediante sua plena participação e a um custo que a comunidade e o país possam suportar em todas e em cada uma das etapas de seu desenvolvimento, em um espírito de auto-responsabilidade e autodeterminação. ” … (OMS, 1978)
    • Evolução Histórica da APS Alma Ata (Cazaquistão)“Saúde para todos até o ano 2000”. “ A Atenção Primária é parte integrante tanto do sistema nacional de saúde, do qual constitui a função central e o núcleo principal, como do desenvolvimento social e econômico global da comunidade. Representa o primeiro nível de contato dos indivíduos, da família e da comunidade com o sistema nacional de saúde e leva, na medida do possível, a atenção da saúde aos lugares onde as pessoas vivem e trabalham. Constitui o primeiro elemento de um processo permanente de assistência sanitária ” (OMS, 1978)
      • Evolução Histórica da APS
      • Alma Ata: “personalização” da APS em cada país
      • Apesar do caráter flexível da proposta, destacam-se ao menos oito ações elementares, cujas execuções seriam desejáveis:
      • educação sobre os principais problemas de saúde e métodos para sua prevenção e controle;
      • promoção da distribuição de alimentos e nutrição apropriada;
      • abastecimento adequado de água potável e saneamento básico;
      • assistência materno-infantil e planejamento familiar;
      • imunização contra as principais doenças infecciosas;
      • prevenção e controle das doenças endêmicas locais;
      • tratamento adequado de doenças e traumatismos comuns;
      • distribuição de medicamentos essenciais.
      • Evolução Histórica da APS
      • Para isto, sugeriram-se quatro tipos de intervenções em saúde:
      • Promoção
      • Prevenção
      • Tratamento
      • Reabilitação
      • suportadas por um sistema de referência e contra-referência integrado eficiente, de forma a melhorar progressivamente a assistência sanitária completa, e dar prioridade aos mais necessitados
    • A APS no Mundo
    • Organização dos sistemas de saúde
      • Sistemas de saúde : 2 modelos de proteção:
      • Bismarckiano : seguros sociais de saúde (“Social Health Insurance” – SHI) de contratação compulsória financiados por contribuições vinculadas ao trabalho assalariado
      • Beveridgiano : serviços nacionais de saúde (“National Health Services” – NHS) ordenados por autoridades estatais e financiados com recursos fiscais.
      • - 15 países da UE (maio/2004):
      • - 8 NHS, APS financiada por impostos gerais
      • - 7 SHI Atenção ambulatorial financiada por contribuições de empregadores/trabalhadores proporcionais a salários.
      Giovanella 2006
    • Organização dos sistemas de saúde
      • Sistemas de saúde : 2 modelos de proteção:
      • Em sete (5 com NHS) dos 15 países da EU o generalista é “gatekeeper”, Unidade de Saúde é porta de entrada obrigatória do sistema de saúde, e filtro para serviços prestados por especialistas
      • Na maior parte dos países com esquemas de SHI (5 em 7 países) não há separação da atenção ambulatorial em níveis – entre a atenção prestada por clínicos gerais e aquela prestada por especialistas –, sendo livre aos segurados a escolha entre a procura direta ao clínico geral ou ao especialista.
      Giovanella 2006
    • Organização dos sistemas de saúde
      • Responsabilidade pelo primeiro contato:
      • - compartilhada com outros profissionais em alguns países .
      • Itália e Espanha: generalistas e pediatras responsáveis pelo primeiro nível de atenção,
      • Suécia: enfermeiras e ginecologistas, parte das crianças por pediatra.
      • Inglaterra e Holanda: dentistas, enfermeiras, visitadoras domiciliares, educadores de saúde, fisioterapeutas, parteiras, etc.
      Giovanella 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • A prática dos GPs na Europa:
      • - varia muito em relação ao número de consultas realizadas por um clínico ao dia (16 a 50)
      • - também em relação ao tempo/ intervalo destinado na agenda à marcação de cada consulta de rotina (10 a 20 minutos)
      • - e ao tempo médio de cada contato com cada paciente (5 a 15 minutos).
      Giovanella 2006
      • A prática dos generalistas na Europa:
      Cenário Atual da APS no Mundo European Observatory on Health Care Systems 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • A prática dos generalistas na Europa:
      Jepson 2001
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Países com “ gatekeeper ” também dispõem de sistema de inscrição de pacientes.
      • A inscrição nos serviços é realizada por iniciativa do cidadão/ segurado com alguma liberdade de escolha – e possibilidade posterior de troca –, entre profissionais de saúde ou serviços atuantes em determinado espaço geográfico.
      Giovanella 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Reino Unido
      • - NHS: década de 40/50.
      • Equipe: GPs, enfermeiras, gestores e pessoal administrativo.
      • Enfermeiras Comunitárias, visitadores de saúde, parteiras e outros trabalhadores da APS usualmente empregados pela organização local da APS mas ligados a uma unidade ou a uma área geográfica que contenha menor número de unidades.
      • Serviços Comunitários, como de Saúde Mental, ou de escolas de saúde, que trabalham em uma área geográfica maior e usualmente cooperam com a equipe.
      RCGP 2007
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Reino Unido
      • 99% da população registrada com GPs
      • Aproximadamente 90% do contato de pacientes com o NHS.
      • Usuários por GP: 1.850
      • Média de consulta/habitante/ano:
      • para GPs especificamente = ?
      • mas em média há 5.9 consultas/pessoa/ano (1996)
      • Média de tempo/consulta GPs = 9.4 minutos.
      European Observatory on Health Care Systems 2006
    • RCGP 2003
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Espanha
      • - SNS
      • Equipe: médicos de família ou de atenção primária, pediatras, enfermeiras, assistentes sociais e suporte administrativo.
      • População coberta por CAPs variável, até 9.581 pessoas/PHC, mas Madrid, por exemplo, tem a “equipe de APS” da manhã e da tarde.
      European Observatory on Health Care Systems 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Espanha
      • 99.1% (2003) cobertos pela Saúde Pública.
      • Usuários por Médico: 2.500 (equipe “fechada”)
      • Média de consulta/habitante/ano = 5,5
      • Média de tempo/consulta = 7,8 minutos.
      • # consultas por dia: PHC (média nacional): 25.4 consultas
      European Observatory on Health Care Systems 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Portugal
      • - SNS, subsistemas de seguro privado por profissão e individual/ voluntário.
      • Centros de Atenção Primária (Setor Público) controlados pela gestão (Centros Administrativos).
      • Em média 28 000 pessoas cobertas por CAPs (de >100 000 ~ < 5000 pessoas)
      • Em média 80 profissionais/CAP (01 MGF~200 profissionais)
      • Pessoas vivendo em pobreza absoluta: 22% (2002)
      • (> porcentagem dos EU15 )
      European Observatory on Health Care Systems 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Portugal
      • Pacientes se registram com MGF escolhido dentro da área geográfica.
      • MGF trabalham com listas de pacientes, em média 1500.
      • Há listas de MGF. Algumas > 2000, outras <1000.
      • Pessoas podem trocar de MGF via relatórios para os CAs.
      • Aproximadamente 750 000 cidadãos não tem um MGF. Muitos preferem visitar serviços de emergência.
      • Média de tempo/consulta = 8,2 minutos.
      European Observatory on Health Care Systems 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Portugal
      European Observatory on Health Care Systems 2006
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Canadá
      • - 3 formas: MF privada, Unidades de MF, CLSCs (centres locaux des services communautaires ).
      • Equipe dos CLSCs: Médico e enfermeira
      • Para a macroárea (território de vários médicos): psicólogo, assistente social, fisioterapeuta , nutricionista e TO.  
      • Necessidades de RH decididos regionalmente pelo perfil demográfico e epidemiológico, disponibilidade de profissionais e recursos.
      • Essa equipe em média serve de 4 a 7 territórios.
      Turcotte 2008 e CFPC
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Canadá
      • Nos CLSCs (Quebec): aproximadamente são
      • 2000 habitantes/1MF + 2 ou 3 enfermeiras (que cumprem o papel de enfermeira e técnica ao mesmo tempo)
      • Não há adscrição oficial, exceto para Serviços de Saúde Mental.
      • Territorialização pelo órgão gerenciador regional.
      Turcotte 2008 e CFPC
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Cuba
      • - SNS
      • Equipe: Médicos de Família e Enfermeiras.
      • 99.7% da população atendida por médicos familiares
      • Usuários por Médico: cerca de 1.000
      • Uma equipe/ unidade (profissionais moram no 2 o /3 o andares).
      • Consultas “noturnas”, mediante prévio acordo.
      • MF ou enfermeira acompanham paciente nas interconsultas sempre que necessário e apresentam o caso ao especialista.
      • População geograficamente determinada
      MinSap -anuario 2006 (BVS)
    • Cenário Atual da APS no Mundo
      • Chile
      • SNSS
      • Configuração de equipe: Médico Familiar, enfermeira, parteira, nutricionista e paramédicos treinados.
      • Centros de APS municipais cobrem 47% da população
      • Média de consulta/habitante/ano = 1,22
      • Usuários por Médico: ?
      • Saúde Pública funciona a base de “programas”
      Profile OMS
    • A APS que queremos
    • Definição de APS Duas interpretações (Tarimo & Webster (1997) : APS como um nível de atenção em saúde ou como uma abordagem dos problemas de saúde Nível de atenção: tal concepção limita o seu significado a uma noção técnico-administrativa, ou a uma idéia de como deve ser o contato de um indivíduo com o sistema de saúde e seu trânsito pelo mesmo Abordagem: incorporação dos princípios e valores da APS com o objetivo de mudança profunda no serviço de saúde e interação ampla com o sistema econômico e desenvolvimento social. D ividida em quatro princípios básicos: a) Acesso universal e cobertura de acordo com necessidades; b) Envolvimento individual e comunitário; c) Ações intersetoriais e d) Uso de tecnologia apropriada e custo-efetiva
    • Definição de APS Estratégia: compreende e afeta todo um sistema de saúde e toda a população à qual esse sistema deve servir, propondo resolver , ou minimizar, os problemas econômicos e gerenciais que permeiam os serviços de saúde, e lidando com formas apropriadas de gerenciamento dos recursos de saúde disponíveis para estimular ou causar impacto, eqüidade, eficiência e participação sociais, articulação intersetorial e cooperação com outras comunidades ou países que também compartilhem da mesma visão sobre APS.
      • Definição de APS
      • “ APS é primeiro contato, com cuidado contínuo, compreensivo e coordenado provido a populações não diferenciadas por sexo, doença ou sistema orgânico”
      • (Barbara Starfield)
      • Primeiro nível do sistema: complexo mas com baixa densidade tecnológica (≠ baixa complexidade)
      • “ Focar a saúde em uma constelação de outros determinantes de saúde, como o meio social e físico além da enfermidade individual” (BS)
      • Definição de APS
      • A APS lida com problemas mais comuns e menos definidos, onde os pacientes devem ter acesso direto a uma fonte de atenção continuada ao longo do tempo.
      • É menos intensiva em termos de capital e de trabalho e menos hierárquica, sendo portanto mais maleável e capaz de responder as necessidades sociais de saúde.
      • Problemas freqüentes (não simples)
    • Definição de APS A APS pode ser distinguida de outros tipos de atenção pelas características clínicas de seus pacientes e de seus problemas: Espera-se que os médicos de APS vejam uma maior variedade de diagnósticos comuns, mais consultas relacionadas a prevenção e examine mais pacientes “antigos com problemas novos”.
      • Princípios da APS
      • Características Fundamentais
      • Acessibilidade ;
        • Longitudinalidade ;
          • Integralidade;
          • Coordenação
      • Aspectos Derivativos
            • Centrado na Família
              • Competência Cultural
              • Orientado para a Comunidade
      • Princípios do SUS:
      • Os Princípios Doutrinários do SUS
      • Universalidade de acesso;
        • Eqüidade na assistência à saúde;
          • Integralidade da assistência.
      • Os Princípios Organizativos do SUS
            • Controle Social (participação da comunidade);
              • Descentralização político-administrativa;
              • Regionalização/Hierarquização
      • Princípios da APS:
      • 1) Atenção ao primeiro contato / Acessibilidade :
      • A idéia de uma “porta” traduz o fato da pessoa não conhecer suficientemente os detalhes técnicos da atenção a saúde para avaliar de maneira informada a fonte e a época apropriadas para atenção a seus problemas.
      • A falta da porta de entrada acessível leva a não obtenção ou adiamento da atenção adequada, ou a gastos adicionais.
      • Reconhecendo a multicausalidade e os determinantes sócio-culturais do processo saúde-doença, a APS adequa o cuidado às necessidades das pessoas e comunidades.
      • Princípios da APS:
      • 1) Atenção ao primeiro contato / Acessibilidade :
      • O acesso é o elemento estrutural mais necessário para o uso da atenção ao primeiro contato, já que o indivíduo irá utilizar ou não o serviço de saúde dependendo do seu grau de acessibilidade.
      • Se a acessibilidade é a adequação entre a oferta e demanda de serviços podemos definir alguns fatores de acesso: disponibilidade de serviços, acessibilidade geográfica, comodidade ou acesso sócio-organizacional, possibilidade de pagamento ou acessibilidade financeira e aceitabilidade.
      • Princípios da APS:
      • 2) Longitudinalidade:
      • “ capacidade de lidar com o crescimento e as mudanças de indivíduos ou grupos no decorrer de um período de anos”
      • Implica em um local , indivíduo ou equipe que sirva como fonte continuada de atenção independente do problema.
      • Atenção longitudinal significa que indivíduos identificam uma fonte de atenção como ‘sua’; que prestadores reconhecem a existência dessa fonte habitual de atenção, orientada para a pessoa; e que a relação existe por um tempo definido ou indefinido, até que seja explicitamente alterada.
      • Princípios da APS:
      • 3) Integralidade:
      • O conceito de integralidade exige que se reconheça a variedade completa de necessidades relacionadas à saúde do paciente e se disponibilize os recursos para abordá-la.
      • O recurso identificado como necessário nem sempre é disponível ou capaz de ser prestado por esse nível de atenção, porém é o reconhecimento das necessidades e a relação entre indivíduo/ coletividade/ equipe, para alcançá-lo, que melhor descreve o conceito de integralidade.
      • Princípios da APS:
      • 4) Coordenação da atenção:
      • “ estado de harmonia numa ação ou esforço em comum”.
      • A coordenação é a disponibilidade de informações sobre problemas e serviços anteriores e o reconhecimento daquela informação, na medida em que se relacionada às necessidades do presente atendimento.
      • Diz respeito também ao exercício da referência e da contra-referência entre os serviços de saúde, com foco na pessoa e “advogando” para a mesma dentro do sistema de saúde.
    • WONCA
      • Princípios da APS: (aspectos derivativos).
      • centrado na família : conhecimento dos membros da família e dos problemas de saúde dos membros da família;
      • competência cultural : providências para atender a necessidades especiais associadas às características culturais e prestação de serviços especiais para atender às necessidades culturais;
      • orientado para a comunidade : mecanismos para alcance do conhecimento das necessidades de saúde da comunidade, participação nas atividades comunitárias e envolvimento comunitário na unidade
    • Onde buscar maiores informações: Associação Mineira de MFC www.smmfc.org.br Sociedade Brasileira de MFC www.sbmfc.org.br Grupo de Estudos em Saúde da Família www.smmfc.org.br/gesf Ministério da Saúde www.saude.gov.br SES/MG www.saude.mg.gov.br ESTA AULA: sites.google.com/site/leosavassi
    • Referencias bibliográficas Aguiar; Raphael A construção internacional do conceito de atenção primária a saúde (APS) e sua influência na emergência e consolidação do sistema único de saúde no Brasil. UFMG: Dissertação, 2005. Alves, Cláudia R.L. & cols. Avaliação do conhecimento de alunos do Curso de Especialização em Saúde da Família da UFMG sobre a saúde da criança e do adolescente – 2002-2003. Rev. Méd. Minas Gerais 2005. 15(4): 214-19 AMMFC, Fonohosp. Curso Preparatório para Concurso Público de Betim . AMMFC, Fonohosp: Belo Horizonte, 2007. Barbosa, JMR. 1o Censo de Recursos Humanos da Atenção Primária do Estado de Minas Gerais. Observatório de RH em Saúde. Belo Horizonte: UFMG, 2006. 144p. Gusso; Gustavo F.D. Panorama da Atenção Primária à Saúde no Brasil e no mundo: informações e conceitos. USP: São Paulo, 2005. Palestra. Machado, Maria H. Perfil dos Médicos e Enfermeiros de Saúde da Família no Brasil: Rio de Janeiro: FIOCRUZ/DAB-MS, 2000.
    • Referencias bibliográficas Oliveira, Vinícius A. Medicina de Família e Comunidade: Discussões sobre uma Especialidade Médica. UFMG: Dissertação, 2007. Pereira; Rodrigo P.A. Acolhimento . AMMFC: Grupo de Estudos em Saúde da Família, 2006. Savassi, Leonardo C M. Formação do Profissional Médico para a ESF. COSEMS-MG: Belo Horizonte, 2006. Palestra. Savassi, Leonardo C M. Princípios da APS. RMMFC HPRB: Betim, 2008. Palestra. SBMFC. Formação e qualificação do Médico de Família e Comunidade através de Programas de Residência Médica no Brasil, hoje: Considerações, Princípios e Estratégias. SBMFC: Rio de Janeiro, 2005. SBMFC. Projeto de Expansão da Residência em Medicina de Família e Comunidade. SBMFC: Rio de Janeiro, 2005.