• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O Genérico - Main Title Design and Diegetic Type
 

O Genérico - Main Title Design and Diegetic Type

on

  • 820 views

In this class I introduce my students to the diegetic approach to type treatment in Main Title sequences. The main creative approaches to this Main Title type treatment are addressed and students are ...

In this class I introduce my students to the diegetic approach to type treatment in Main Title sequences. The main creative approaches to this Main Title type treatment are addressed and students are also given some insight of the technical resources and techniques involved in After effects to produce the required effects and integrations of type into their animations or footage.

Statistics

Views

Total Views
820
Views on SlideShare
819
Embed Views
1

Actions

Likes
9
Downloads
0
Comments
1

1 Embed 1

https://twitter.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O Genérico - Main Title Design and Diegetic Type O Genérico - Main Title Design and Diegetic Type Presentation Transcript

    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoAula 111. O GENÉRICO E MAIN TITLE2. A TIPOGRAFIA DIEGÉTICA NO GENÉRICO3. RECURSOS DO AE PARA CRIAÇÃO DE TIPO DIEGÉTICA4. PRINCÍPIOS DE INTEGRAÇÃO GRÁFICA DA TIPOGRAFIA5. EXERCÍCIO FINAL6. METODOLOGIAS DO PROCESSO CRIATIVO7. DIREITOS DE AUTOR - LICENÇA CREATIVE COMMONSATELIER AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA I - MultimédiaCurso de Ciências da Comunicação - 2º Ano | 2º SemestreBibliografia aconselhada:Yael Braha, Bill Byrne, (2011). Creative motion graphic titling for fil, video and the web. Focal Press.Professor Leonardo PereiraAno Curricular - 2012 | 2013
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree01O Genérico ou Main Title
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleO que é?O Genérico ou Main Title é uma peça audiovisual, derivada dos Motion Graphics, que éutilizada, geralmente, no ínício de filmes, séries, programas televisivos e até filmes ani-mados.Para que serve?Serve: • num sentido redutor, para exibir aos espectadores os principais créditos de produção, actuação (actores) e realização do filme, programa ou série que antecede; • para identificar, com um título ou logo, o filme, o programa ou série que antecede; • para antecipar o tom do filme, do programa ou série que se vai começar a ver. Com o genérico o espectador percebe se o filme é cómico, thriller, de acção, de terror, etc; • para oferecer pistas iniciais sobre o tema, a história e, nalguns casos, a função individual de cada personagem na narrativa do filme.Bottom line:Serve para introduzir o espectador à diégese e ao imaginário da narrativa do filme,programa, série ou animação que antecede.
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleComposição gráfica de um genéricoO Genérico, em termos gráficos e visuais, é geralmente composto pelos seguinteselementos:1. Logo tipográfico ou nome do programa, filme ou série;2. Elementos tipográficos que descrevem os Créditos Principais: • Atores | Realizador | Produtor | Editor | Música | Main Title Design | Dir. de fotografia;3. Elementos imagéticos e cenográficos do genérico que podem ser: • Vídeo; • Animações de imagens/ilustrações estáticas animadas; • Animações compostas que misturam imagens/ilustrações estáticas com elementos de vídeo;221
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleNo entanto...Nem todos os genéricos combinam os referidos elementos da mesma forma.Nalguns casos não há qualquer tipo de relação entre a tipografia e os restantes elemen-tos visuais, sejam eles vídeo, animação, ou simplesmente outros elementos gráficos.A tipografia está num plano/mundo separado dos restantes elementos visuais apenas sesobrepondo, visualmente, aos primeiros.Vejamos alguns exemplos:Não quer dizer que estes sejam maus genéricos. Pelo contrário. São é genéricos ondenão são exploradas possíveis relações visuais entre o texto e os restantes elementos dogenérico. É uma abordagem não diegética ao tratamento do texto nos genéricos!A nós interessa-nos explorar as abordagens diegéticas!http://www.watchthetitles.com/articles/00257-Silent_Hill_Revelationhttp://www.watchthetitles.com/articles/00248-OFFF_Barcelona_2012http://www.watchthetitles.com/articles/00231-Evahttp://www.watchthetitles.com/articles/00195-Holidayhttp://www.youtube.com/watch?v=8YDngmnixSc
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree02A tipografia diegética no genérico
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleTipos de abordagens diegéticas ao tratamento do texto em genéricosHá abordagens, que ao contrário da anterior, tratam o texto como parte integrante domundo dos restantes elementos do genérico. Por isso é que são Diegéticas!Há genéricos com: • Texto animado ou estático, integrado no vídeo, quer seguindo o movimento de elementos presentes no vídeo, quer sendo ocultado e revelado pelos movimentos descritos por elementos do mesmo vídeo; • Texto filmado directamente com o vídeo; • Texto animado ou estático mas composto com layers 3D de imagens ou vídeos exibidos com a movimentação de uma câmera virtual que navega por entre o espaço tridimensional ocupado pelas layers; • Texto digitalmente integrado no espaço físico onde decorre a acção vídeo.
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “The Borrowers“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque há texto que: • segue o movimento de outros elementos não tipográficos (texto no balão); • é revelado pelo movimento de outros elementos não tipográficos (texto que é revelado pelo movimento da camisola no estendal); • está integrado no espaço físico filmado e adaptando-se aos ligeiros movimentos de câmera; • etc...https://vimeo.com/33303890
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “The Pink Panther“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque há texto que: • é tratado com um objecto pelos personagens do genérico; • está integrado em peças de objectos da animação; • está fisicamente integrado no espaço do mundo onde decorre a acção; • etc...http://www.watchthetitles.com/articles/00144-The_Pink_Panther_2
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “MotherLess Brooklyn“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque há texto que: • é revelado pelo movimento de elementos não tipográficos; • está integrado, enquanto layer 3D no meio de outras layers 3D, sendo revelado pelo movimento de uma câmera virtual pelo cenário 3D criado pelo conjunto; • está fisicamente integrado no espaço do mundo onde decorre a animação do cenário; • etc...http://www.watchthetitles.com/articles/00217-Motherless_Brooklyn
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Into the Wild“ (não oficial)Este genérico trata o texto de um forma diegética porque há texto que: • está integrado, enquanto layer 3D no meio de outras layers 3D, sendo revelado por seguir o movimento circular (3D) do cenário formado pelas layers; • está fisicamente integrado no espaço do mundo onde decorre a animação do cenário; • etc...http://www.watchthetitles.com/articles/00141-Into_The_Wild_unofficial
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Lemony Snickets“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque há texto que: • está integrado, enquanto layer 3D no meio de outras layers 3D, sendo revelado pelo movimento de uma câmera virtual e pelo cenário 3D criado pelo conjunto; • segue o movimento de outros elementos; • é revelado e escondido pelo movimento de outros elementos; • etc...http://www.watchthetitles.com/articles/0019-Lemony_Snicket_s_A_Series_of_Unfortunate_Events
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Gruesome School Trip“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque há texto que: • está integrado, enquanto layer 3D no meio de outras layers 3D, sendo revelado pelo movimento de uma câmera virtual e pelo cenário 3D criado pelo conjunto; • é revelado e escondido pelo movimento de outros elementos; • etc...http://www.watchthetitles.com/articles/0062-Gruesome_School_Trip
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Asterix et Obelix“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque há texto que: • está integrado, enquanto layer 3D no meio de outras layers 3D, sendo revelado pelo movimento das layers dos outros elementos; • é revelado e escondido pelo movimento de outros elementos presentes no vídeo; • etc...http://www.watchthetitles.com/articles/00255-Asterix_and_Obelix_God_Save_Britannia
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “The Dark Knight rises“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque o texto foi: • diretamente filmado com os restantes elementos cénicos e visuais do genérico.http://www.watchthetitles.com/articles/00228-The_Dark_Knight_Rises
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Le Petit Nicolas“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque o texto foi: • integrado digitalmente e tridimensionalmente nos elementos cénicos e visuais que compõem o genérico.http://www.watchthetitles.com/articles/00198-Le_Petit_Nicolas
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Kill your friends“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque o texto foi: • diretamente filmado com os restantes elementos cénicos e visuais do genérico.http://www.watchthetitles.com/articles/00190-Kill_Your_Friends
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Panic room“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque o texto foi: • integrado tridimensionalmente no espaço onde decorre a acção do vídeo, respeitando a perspectiva e os movimentos de câmera descritos no vídeo.http://www.youtube.com/watch?v=sqIclb4qsJI
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “How we built Britain“Este genérico trata o texto de um forma diegética porque o texto foi: • integrado tridimensionalmente no espaço onde decorre a acção do vídeo, respeitando a perspectiva e os movimentos de câmera descritos no vídeo.http://www.youtube.com/watch?v=cn2yr1WeOwQ
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeO Genéricoou Main titleGenérico “Six Feet Under“Este genérico trata algum texto de um forma diegética porque há texto que: • é revelado pelo movimento de elementos não tipográficos; • está integrado fisicamente em elementos e objetos do mundo do filme; • segue o movimento de outro elemento não tipográfico do genérico.http://www.youtube.com/watch?v=GD7nRBWeVgM
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree03Recursos do AE para criação de tipografia diegética
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeRecursosTécnicosE como é que, se transforma o texto dos genéricos, em texto diegético?Há, em primeiro lugar, que perceber que o carácter diegético do texto é, acima de tudo,uma questão criativa! Não há tutoriais para sermos criativos nem nenhuma ferramentano After Effects que criem, com o pressionar de um botão, soluções ciativas de textodiegético num genérico.Mas há no AE ferramentas que, combinadas, nos permitem implementar as nossasideias e soluções criativas como as que vimos antes:• Motion Tracking simples;• Camera Tracking ou Match-moving;• Parenting: relações parentais entre layers do AE;• Animação de Câmeras 3D conjugadas com Layers animadas 3D;• Animação de máscaras ou rotoscoping.Vamos ver o que é cada um destes recursos!
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeRecursosTécnicosMotion Tracking simplesO Motion Tracking simples é um conjunto de ferramentas que, tal como o nome indica,permite colocar um elemento a “seguir“ o movimento de um elemento num vídeo.Este tipo de tracking serve para: • colocar um elemento a seguir bidimensionalmente o movimento de outro elemento contido num vídeo, tanto nos seus eixos de posição como no eixo de rotação bidimensional; • integrar tridimensionalmente os quatro cantos de uma imagem, em função do movimento descrito pelos quatro cantos de outro elemento presente num vídeo. Esta variante dos Trackers simples é tipicamente designada de Four Point Tracking.Este tipo de soluções é ideal para colocar texto a seguir o movimento de elementos pre-sentes num vídeo, como acontece no genérico “Borrowers”.https://vimeo.com/33303890
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeRecursosTécnicosCamera Tracking ou Match movingEstes trackers servem para, num vídeo que tenha movimento de câmera, reconstruiresse mesmo movimento e transferí-lo para uma câmera digital, quer seja no After Effectsquer seja noutro Software que permita animar câmeras digitais (Nuke, Combustion, etc).Posteriormente permitem sincronizar, espacialmente, o movimento de um elemento quese quer integrar num vídeo com o movimento descrito pela câmera.No caso do AE a melhor solução é o Plug In Camera Tracker porque a partir do CS 5.5já vem nativamente incluido na aplicação.Este tipo de solução é ideal para integrar tridimensionalmente texto em vídeocom movimento de câmera como no caso do genérico da série “How we built Britain“.https://vimeo.com/37052656http://www.youtube.com/watch?v=cn2yr1WeOwQ
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeRecursosTécnicosParenting - Relações parentais entre layers do AEO parenting é uma ferramenta que permite colocar um elemento presente numa layer deAE a seguir o movimento descrito por outro elemento noutra layer do AE.A diferença para o Motion tracking é que não funciona com vídeo. Só funciona quandoqueremos que uma layer siga o movimento descrito, ou por outra layer animada por nósno AE, ou por uma layer de um objeto nulo, também animado por nós.No genérico da série “Donas de casa desesperadas“ este recurso é profusamenteutilizado, combinado com um objeto nulo, para animar as rotações e entradas do textono genérico.http://www.youtube.com/watch?v=1Ws1x2e2ZJk
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeRecursosTécnicosAnimação de Câmeras virtuais 3D conjugadas com layers 3DCom estas ferramentas cria-se um cenário 3D virtual e usam-se várias layers de vídeoou de imagens dispostas a distâncias diferentes de uma câmera virtual no espaço trid-mensional do AE. Depois é só animar a câmera a percorrer esse espaço e a exibir cadauma das layers 3D.Este tipo de combinação de animação de câmeras com animação de layers 3D é o queestá na base técnica de genéricos de séries como “Gruesome School Trip“, “LemonSnickets“, “Motherless brooklin”, “Donas de casa Desesperadas“ e o fabuloso genéricode “RockNRolla”.http://www.youtube.com/watch?v=EL4SALjhcWEhttp://www.youtube.com/watch?v=1Ws1x2e2ZJkhttp://www.watchthetitles.com/articles/0062-Gruesome_School_Triphttp://www.watchthetitles.com/articles/0019-Lemony_Snicket_s_A_Series_of_Unfortunate_Eventshttp://www.watchthetitles.com/articles/00217-Motherless_Brooklyn
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeRecursosTécnicosMáscaras Animadas ou RotoscopingUma máscara é, como o nome diz, uma máscara utilizada para esconder parte de umobjecto. Com a animação de máscaras conseguem-se obter imensos jogos de combina-ção e composição de elementos gráficos e texto com elementos presentes num vídeo.Este tipo de solução é ideal para integrar texto em vídeo sendo muito usado para isolarelementos de um vídeo que, depois de isolados numa layer e numa máscara, podemrevelar (por sobreposição) ou ocultar, com o seu movimento no plano, elementos detipografia.É o caso de genéricos como o das séries “Six Feet Under“ (apenas no elemento do cor-vo final), “The Borrowers“ ou de “Asterix e Obelix”.https://vimeo.com/33303890 http://www.watchthetitles.com/articles/00255-Asterix_and_Obelix_God_Save_Britannia
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeRecursosTécnicosUm dos melhores exemplos do poder do uso de máscaras animadasO mais fabuloso exemplo do poder narrativo de máscaras animadas em genéricos é o de Spyderman2, da autoria da Imaginery Forces, empresa de Kyle Cooper.http://www.youtube.com/watch?v=SJ5Irvc4Je8
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree04Princípios e cuidados de integração gráfica da tipografia
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreePrincípiosde integraçãográfica datipografia1. Não usar mais do que uma fonte!Quando fazemos um genérico e quando escolhemos as fontes a usar, devemos utilizá-las do início ao fim do genérico. Utilizar no início uma fonte, a meio outra e no fim outra,quebra a unidade visual desejável que geralmente origina a identidade visual de qual-quer peça de caracter gráfico.Pode-se é usar vários pesos de uma mesma fonte. Mas fontes diferentes não!http://www.youtube.com/watch?v=TcCUPgkyo2I http://www.youtube.com/watch?v=8mAJwENnNVM
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreePrincípiosde integraçãográfica datipografia1. E não há excepções a esta regra? Há!O genérico da série “Thank you for smoking” é nitidamente um exemplo que quebra estaregra. Mas isso é porque há uma apropriação do grafismo de várias marcas de tabaco,que, pelo uso diferenciado de várias fontes em diferentes maços de tabaco, legitíma aquebra desta regra.http://www.youtube.com/watch?v=DHKBIKv0HjA
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreePrincípiosde integraçãográfica datipografia2. Usar tipografia que tenha o mesmo tratamento que os elementos gráficos ouvídeos que estão a ser usados no genéricoQuando fazemos um genérico e escolhemos as fontes devemos procurar combinar tipo-grafia que tenha a mesma aparência gráfica dos elementos gráficos ou os elementos dovídeo. Repare-se como nos Genéricos de “Juno” e de “Magic trip” houve o cuidado deutilizar tipografias que eram tão desenhadas quanto os desenhos das animações ondesão integradas.http://www.watchthetitles.com/articles/00220-Magic_Trip http://www.watchthetitles.com/articles/0069-Juno
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreePrincípiosde integraçãográfica datipografia3. Garantir que a tipografia cai sempre em zonas limpas da imagemUm dos cuidados mais básicos a ter é colocar a tipografia sobreposta a zonas da ima-gem que estejam razoavelmente limpas e que não comprometam a legibilidade da pri-meira. Nos genéricos de “Six Feet Under” e “Holiday” nota-se muito esta preocupação.http://www.watchthetitles.com/articles/00195-Holiday http://www.youtube.com/watch?v=GD7nRBWeVgM
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreePrincípiosde integraçãográfica datipografia4. Animar a tipografia com a mesma linguagem de animação utilizada para os res-tantes elementos gráficosQuando há jogos de animação na tipografia, estes devem respeitar a linguagem de ani-mação utilizada para animar os restantes elementos gráficos ou o vídeo. Repare-senos genéricos de Donas de casa desesperadas, Seven e Laws of Atraction.http://www.youtube.com/watch?v=s3HV6jzMIYo http://www.watchthetitles.com/articles/0031-Laws_of_AttractionNas Donas de casa deses-perada a tipografia usadasurge com rotações que sãoas mesmas rotações usa-das para exibir o cenário dogenérico. Há uma concordân-cia no tipo de animação emovimento.No genérico do Sevena tipografia tem um flicker queé concordante com o estilo deedição e montagem do genéri-co (Jump Cut).No genérico de Laws of atrac-tion a tipografia é animadarespeitando, não o movimentode elementos dos vídeos masa verticalidade dos prédios.http://www.youtube.com/watch?v=1Ws1x2e2ZJk
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreePrincípiosde integraçãográfica datipografia5. Estabelecer hierarquias tipográficasÉ normal num genérico estar descrito o crédito (função na produção) e o autor (pessoaresponsável nesta função). Aqui deve-se criar uma hierarquia que pode utilizar os trêsseguintes tipos de esquemas, entre outros:Crédito:Tamanho pequenoAutor do crédito:Tamanho maiorMain Titles DesignerKYLE COOPERMain Titles DesignerKYLE COOPERCrédito:Tamanho pequeno epeso de fonte regularAutor do créditoTamanho maior.Peso de fonte bold.Main Titles DesignerKYLE COOPERCrédito:Tamanho pequeno.Peso de fonte regular.Cor branco ou preto.Autor do créditoTamanho maior.Peso de fonte bold.Cor diferente.
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreePrincípiosde integraçãográfica datipografia6. Não usar demasiada cor na tipografiaNo máximo dever-se-à utilizar duas cores na tipografia. E devem-se utilizar cores queestejam presentes nos restantes elementos gráficos ou videográficos que compõem ogenérico. Ou seja deve-se procurar no meio envolvente as cores do mundo em que atipografia vai ser inserida, como se pode ver no genérico do “Dexter“.Acham que a tipografia vermelha foi escolhida ao acaso?http://www.youtube.com/watch?v=ESicykvHUyk
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree05Proposta de trabalho - Concepção de genérico animadoExercício e objectivos:O aluno deverá conceber e produzir, utilizando e misturando os recursos técnicos e criativos abordados nasaulas, um genérico animado para uma série televisiva ou filme à escolha. No entanto, independentemente daescolha, esta deve recair sobre uma série ou filme já existentes. O aluno deverá ser capaz de planificar e con-ceber sequências audiovisuais do género utilizando ferramentas de concepção como, storyboards. Terá de serexecutado em After Effects.Deverá, ou poderá, ter em conta:• A exploração da integração diegética da tipografia no genérico (isto é o mais importante);• As questões e princípios básicos de animação e expressão já abordadas noutras aulas e propostas prévias;• Os recursos técnicos lecionados no After Effects, no decurso do semestre;• A relação entre o som e a imagem e a animação tipográfica...Deverá, utilizar:Texto, imagens, vectores, vídeo (se quiser), e aúdio.Duração:A duração do genérico deverá rondar entre os 30 a 50 segundos.(continuação da descrição da proposta na página seguinte)
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree03Proposta de trabalho - Concepção de genérico animadoElementos obrigatórios no genérico:1. Logótipo ou nome do prográma, série ou filme escolhida.2. Elementos tipográficos que identificam os créditos principais: Actores principais; Realizador; Produtor; Editor;Música; Design do Genérico.3.Elementos imagéticos e cenográficos como imagens, vídeo, ilustrações, música, elementos sonoros, etc.Todos os materiais utilizados, com excepção da música, têm de ser produzidos pelo aluno. Não se acei-tam trabalhos com material imagético de terceiros.Apresentação da ideia e storyboard:Os alunos deverão fazer uma apresentação da ideia e do storyboard no dia 27 de Maio.O Storyboard em causa não tem, necessáriamente, de recorrer a desenho. Podem utilizar o photoshop ou foto-grafias, por exemplo para ilustrar as ideia pretendidas.Quem não trouxer um storyboard pensado para a data prevista sofrerá penalizações!Entrega e apresentação final:Os alunos deverão entregar o trabalho final em formato .mov até dia 26 de JunhoTêm de entregar declarações de direitos de autor que irei fornecer.
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree06Metodologias do Processo Criativo
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeOrganizaçãodo processocriativoTal como em qualquer outra área da criatividade, também nos Motion Graphics existemmetodologias e ferramentas que nos ajudam a organizar e a colocar em prática oprocesso criativo. Essas metodologias provém do mundo do Cinema e da animação.Podem ser resumidas nas seguintes ferramentas:• Sample Boards• Storyboards• Animatics
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeSampleBoardsOs Sample Boards são pranchas onde apontamos e definimos os vários aspectospictóricos e conceptuais da nossa ideia e servem para mapear e referenciar a ideiae conceito com recurso a diversos materiais de amostra. Eles incluem: • Paleta e espectro de cores a usar; • Tipografias ou fontes a usar; • Imagens exemplificativas do tipo de imagens a usar; • Imagens exemplificativas do tipo de ilustrações a usar; • Notas explicativas da ideia; • Etc...
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeStoryboards Os Storyboards são pranchas onde se planificam, através de desenhos ou gráficos,os momentos-chave da acção, movimentação e animação dos elementos visuaisconstituintes do nosso filme e ao longo do mesmo. Eles incluem: • Informação de Timecode; • Informação do tipo de plano; • Informação do movimento de câmera; • Descrição da acção do plano; • Numeração sequêncial do plano.
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeAnimatics Os animatics são uma espécie de animação rudimentar do storyboard, na qual é jáincluída a banda sonora provisória, por forma a se visualizar e testar mais facilmente oresultado pretendido no final da realização do filme ou sequência.Vamos ver o exemplo de um animatic prévio do genérico da série “Dexter”:• Visualizar vídeo em:http://www.youtube.com/watch?v=x8mcFz3Daic
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartree07Direitos de Autor - Licenças Creative Commons
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeLicençasde recursosgratuítosNa net encontram algumas plataformas onde alguns autores disponibilizam audio emúsicas gratuitamente e sob a licença Creative Commons• http://creativecommons.org/
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeLicençasde recursosgratuítosNo entanto mesma esta licença de utilização livre tem variações e limitações. Nalguns casos os autores deixam que a música ou audio sejam usados mas tem de haver alguma referência ao autor no trabalho. Noutros casos, por exemplo, não podem cortar a música e usar um excerto. Têm de se informar para saber quais as condições exactas em que os autores disponibilizam os materiais.
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeLicençasde recursosgratuítosDe qualquer forma aqui ficam algumas plataformas onde há materiais de audiodisponibilizados ao abrigo desta licença:• http://www.grsites.com/archive/sounds/• http://incompetech.com/m/c/royalty-free/index.html?genre=Horror• http://freeplaymusic.com/search/category_search.php?t=v&i=1049• http://dig.ccmixter.org/free_music• http://www.jamendo.com/br/• http://freemusicarchive.org/curator/creative_commonsTêm de procurar onde é que na plataforma está a descrição da licença de cada um dosmateriais. Não deixem de o fazer!
    • Universidade do MinhoInstituto de Ciências SociaisDepartamento de Ciências da ComunicaçãoMódulo MultimédiaAtelier Audiovisual e Multimédia I - 2012 | 2013Professor Leonardo Pereirae-mail: leonardpeartree@gmail.com | Skype: leonardpeartreeDúvidas?Não?Então votos de um excelente trabalho!