Palestra: Surdez, Língua e Educação

  • 1,090 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,090
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
44
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Prefeitura Municipal de Uruaçu SEMED Setor de Apoio à Inclusão Equipe Multiprofissional: Dalila Mesquita – Fonoaudióloga Daniela Helena – Pedagoga Leonardo Teles Lima - TILSP
  • 2. Oração...
  • 3. DINÂMICA
  • 4. Chegou um aluno Surdo na minha escola. E agora?!
  • 5. Surdez (deficiência auditiva) O que é Surdez?Denomina-se deficiência auditiva adiminuição da capacidade de percepçãonormal dos sons, sendo considerado surdoo indivíduo cuja audição não é funcional navida comum.
  • 6. Surdo Mudo De acordo com o Decreto 5.626/05: Art. 2o Para os fins deste Decreto, considera-sepessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreendee interage com o mundo por meio de experiências visuais,manifestando sua cultura principalmente pelo uso da LínguaBrasileira de Sinais - Libras. Parágrafo único. Considera-se deficiência auditiva aperda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis(dB) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz.
  • 7. Aparelho Auditivo Funções: ◦ Manter o equilíbrio possibilitando estabilidade e locomoção; ◦ Audição possibilitando a comunicação oral.
  • 8. Grau de comprometimento Normal 0 – 15 dB Mínima 16 – 25 dB Leve 26 – 40 dB Moderada 41 – 55 dB Moderadamente 56 – 70 dB severa Severa 71 – 90 dB Profunda Maior que 91 dB
  • 9. Identificação da Surdez
  • 10.  Ausência ou interrupção do balbucio a partir do oitavo mês; Ausência de reações a ruídos; Cabeça virada para ouvir melhor; Olhar dirigido para os lábios de quem fala e não para os olhos; Frases não estruturadas.
  • 11.  LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais; Língua visual espacial; Lei 10.436/02 e Decreto 5.626/05;
  • 12. Lei 10.436 de 24 de abril de 2002 Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que oCongresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicaçãoe expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outrosrecursos de expressão a ela associados.
  • 13. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
  • 14. Vamos aprender alguns sinais?! Oi
  • 15. Vamos aprender alguns sinais?! Boa tarde!
  • 16. Vamos aprender alguns sinais?! Querer/Quero/Quer
  • 17. Vamos aprender alguns sinais?! Por favor
  • 18. Vamos aprender alguns sinais?! Desculpe
  • 19. Vamos aprender alguns sinais?! Onde
  • 20. Vamos aprender alguns sinais?! Qual
  • 21. Vamos aprender alguns sinais?! Quem
  • 22. Filosofias Educacionais Oralismo Integração do surdo na comunidade ouvinte; Surdez como deficiência que deve ser minimizada, normalizada; Língua de sinais é prejudicial;
  • 23. Filosofias Educacionais Comunicação Total• Também se preocupa com o aprendizado da língua oral mas que não deve se sobrepor aos aspectos cognitivos, emocionais e sociais;• Recursos espaço-visuais como facilitadores;• Não vê a surdez como patologia;• Interação e comunicação, e não apenas a língua;
  • 24. Filosofias Educacionais Comunicação Total• Apenas a língua oral não assegura o pleno desenvolvimento do surdo;• Critica o Oralismo e o Bilinguismo: • Tenta igualar a criança surda ao padrão ouvinte • Tenta igualar a família ouvinte ao padrão surdo
  • 25. Filosofias Educacionais Bilinguismo• O surdo deve ser bilingue: LM – Libras e L2 – Português escrito;• Comunidade Surda – Língua e Cultura próprias;• Não nega a importância da língua oral;• Não prioriza os aspectos biológicos da surdez e sim os aspectos linguísticos e culturais;
  • 26. Filosofias Educacionais Bilinguismo• Aquisição da língua de sinais preferencialmente com o convívio com surdos mais velhos fluentes;• É importante a família saber língua de sinais;
  • 27. Profissional IntérpreteLei 12.319/10 Art. 6o São atribuições do tradutor e intérprete, no exercício de suas competências: I - efetuar comunicação entre surdos e ouvintes, surdos e surdos, surdos e surdos- cegos, surdos-cegos e ouvintes, por meio da Libras para a língua oral e vice-versa;
  • 28. Profissional Intérprete II - interpretar, em Língua Brasileira de Sinais - Língua Portuguesa, as atividades didático- pedagógicas e culturais desenvolvidas nas instituições de ensino nos níveis fundamental, médio e superior, de forma a viabilizar o acesso aos conteúdos curriculares;
  • 29. Profissional Intérprete Intérpretesnão são os únicos responsáveispor ensinar aos alunos surdos; Código de Ética:
  • 30. Profissional Intérprete Flexibilização do Plano de Aula; Sugestão de atividades e ações didáticas; Disseminação da LIBRAS;
  • 31. AEEO que é?
  • 32.  É um complemento e um suplemento à formação do estudante; Não substitui a formação oferecida pela Rede Comum. É obrigatório?
  • 33.  Não.Apenas o Ensino Fundamental é obrigatório. Qual o objetivo?
  • 34. Decreto nº 7.611 de 17 de novembro de 2011 Art. 2o A educação especial deve garantir os serviços de apoio especializado voltado a eliminar as barreiras que possam obstruir o processo de escolarização de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação.
  • 35.  Propiciar acesso e permanência do aluno na escola; Buscar o sucesso escolar do aluno eliminando barreiras de aprendizagem; Onde acontece?
  • 36.  Preferencialmente na Rede Comum de Ensino. Quando acontece?
  • 37.  No contraturno. Não deve impedir a permanência do aluno na Rede Comum.A partir de que idade o aluno pode receber AEE?
  • 38.  Pode começar a frequentar durante o seu primeiro ano de vida.Quais os pré-requisitospara que o aluno possa frequentar o AEE?
  • 39.  Precisa estar matriculado na Rede Comum de Ensino; Passar por triagem pela Equipe Multiprofissional;
  • 40. Centro de AtendimentoEducacional Especializado - AEE Ensino de LIBRAS; Ensino de Língua Portuguesa como L2; Ciclo de Estudos para os profissionais.
  • 41. Então, o que fazer?
  • 42. "Quando eu aceito a língua de outra pessoa, eu aceito a pessoa. Quando eu rejeito a língua, eu rejeitei a pessoa porque a língua é parte de nós mesmos. Quando eu aceito a língua de sinais, eu aceito o surdo, e éimportante ter sempre em mente que o surdo tem o direito de ser surdo. Nós não devemos mudá-los, devemos ensiná-los, ajudá-los, mas temos que permitir-lhes ser surdo." Terje Basilier
  • 43. Obrigado pela participação!Contato:http://inclusaosemecuruacu.blogspot.com.br/inclusaopmu@gmail.comleolibras90@hotmail.comFacebook:Setor de Apoio à Inclusão
  • 44. Referências:BRASIL. Lei 10436, de 24 abril de 2002. Dispõe sobre a LIBRAS.Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10436.htm._____. Decreto nº 5626, 22 de dezembro de 2005. Regulamenta LeiDisponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2005/decreto/d5626.htm.GOIÁS. Governo do Estado de. Secretaria de Estado da EducaçãoCoordenadoria de Ensino Especial. Centro de Capacitação deProfissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez(CAS). Apostila de Libras I Goiânia 2009QUADROS, Ronice Muller e SCHMIEDT, Magali L. P. Ideias paraensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006.