• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
V dfilo cap8p_instrumento_pensar_logica
 

V dfilo cap8p_instrumento_pensar_logica

on

  • 232 views

 

Statistics

Views

Total Views
232
Views on SlideShare
232
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    V dfilo cap8p_instrumento_pensar_logica V dfilo cap8p_instrumento_pensar_logica Presentation Transcript

    • Instrumento do pensar: a lógica FILOSOFAR COM TEXTOS: TEMAS E HISTÓRIA DA FILOSOFIA
    • A lógica  Em sentido amplo, entende-se por lógica a investigação da estrutura da argumentação válida.  O primeiro filósofo a organizar a lógica de forma sistemática foi Aristóteles. Com esse filósofo grego, inicia-se a chamada lógica clássica, que permaneceu incontestada até o século XIX, quando Frege deu início à lógica simbólica. Na imagem, A escola de Aristóteles, detalhe do afresco As quatro faculdades, de Gustav Adolph Spangenberg, século XIX. Por mais de dois mil anos, estudar lógica significou estudar essencialmente Aristóteles. ALBUM/AKG-IMAGES/LATINSTOCK
    • Lógica clássica: definições  O argumento, ou raciocínio propriamente dito, é o encadeamento de proposições que conduzem a uma conclusão (inferência).  As premissas são proposições que conduzem logicamente à conclusão.  O termo (conceito) é uma palavra ou expressão.  A proposição (juízo) é a frase em que o sujeito e o predicado se negam ou se afirmam um ao outro.
    •  As proposições podem ser classificadas, quanto à qualidade, em afirmativas ou negativas. Do ponto de vista da quantidade são gerais (total ou universal) ou particulares e singulares.  O predicado de uma proposição pode ter extensão total ou particular. Os termos do sujeito e do predicado se combinam de maneira a assumir a forma universal ou particular.  No exemplo “Todo mineiro é brasileiro” (Todo M é B), o termo “mineiro” é total porque se refere à totalidade dos mineiros e o predicado “brasileiro” é particular porque se refere à parte dos brasileiros que é mineira.  Os princípios da lógica são: identidade, não contradição e terceiro excluído. Lógica clássica: definições
    • Lógica clássica: definições  O quadrado de oposições permite classificar as proposições segundo a qualidade e a quantidade. Por essas combinações podemos saber se as proposições são verdadeiras ou falsas com base nas seguintes relações: contrárias, subcontrárias, contraditórias e subalternas. Por exemplo, quando estamos diante de duas proposições contraditórias, uma deverá ser, necessariamente, verdadeira, e a outra, falsa.  O silogismo é um tipo de argumentação proposto por Aristóteles que se tornou clássico. Compõe-se de um termo médio (que se repete nas premissas), um termo maior (o predicado da conclusão) e um termo menor (o sujeito da conclusão).  O silogismo possui oito regras bastante rígidas quanto a sua validade. São válidos os argumentos cuja conclusão decorre logicamente das premissas (não importando se elas são verdadeiras).
    • Lógica clássica: definições  Tipos de argumentos: Há três tipos tradicionais de argumentos: a dedução, a indução e a analogia.  A dedução parte de (pelo menos) uma proposição geral para chegar a uma conclusão que pode ser geral ou particular.  A indução parte de diversos dados singulares constatados para chegar a proposições gerais.  A analogia, ou raciocínio por semelhança, é uma indução parcial em que se passa de alguns fatos singulares para uma conclusão singular ou particular.  A falácia é um tipo de raciocínio incorreto, apesar de ter aparência de correção. As falácias podem ser formais (quando contrariam as regras da inferência válida) e não formais (quando decorrem de premissas que não estabelecem a conclusão; podem ser de vários tipos).
    • Lógica clássica: definições Argumento, pintura de Rudolf Bergander, 1961. Argumentar não é apenas persuadir psicologicamente o outro a respeito de nossas posições, mas respeitar o rigor e a correção do raciocínio. ALBUM/AKG-IMAGES/LATINSTOCK
    • Lógica simbólica  A lógica simbólica surge no século XIX e tem Gottlob Frege como principal representante. Gottlob Frege, matemático e filósofo alemão, é considerado o fundador da lógica matemática moderna. ALBUM/AKG-IMAGES/LATINSTOCK
    • Lógica simbólica  A lógica simbólica ou matemática desenvolve uma linguagem técnica artificial bem mais ampla e precisa que a utilizada pela lógica tradicional. Divide-se em cálculo proposicional e cálculo de predicados.  Na lógica proposicional, símbolos representam as proposições e as conexões que se estabelecem entre elas: negação, conjunção, implicação e equivalência. Tabelas de verdade são usadas para identificar os valores de verdade e falsidade das proposições e assim saber se o argumento é válido ou não.  A lógica de predicados envolve os quantificadores (universais e existenciais), que se expressam pelas palavras “qualquer”, “todo”, “cada”, “algum”, “nenhum” e “existe”. A vantagem é poder expressar uma rica variedade de estruturas lógicas inexistentes na lógica clássica.
    • FILOSOFAR COM TEXTOS: TEMAS E HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANOTAÇÕES EM AULA Coordenação editorial: Maria Raquel Apolinário, Eduardo Augusto Guimarães e Ana Cláudia Fernandes Elaboração: Maria Lúcia de Arruda Aranha e Renato dos Santos Belo Edição de texto: Samir Thomaz Preparação de texto: José Carlos de Castro Coordenação de produção: Maria José Tanbellini Iconografia: Camila D'Angelo, Marcia Mendonça, Angelita Cardoso e Denise Durand Kremer EDITORA MODERNA Diretoria de Tecnologia Educacional Editora executiva: Kelly Mayumi Ishida Coordenadora editorial: Ivonete Lucirio Editoras: Jaqueline Ogliari e Natália Peixoto Assistentes editoriais: Ciça Japiassu Reis e Renata Michelin Editor de arte: Fabio Ventura Editor assistente de arte: Eduardo Bertolini Assistentes de arte: Ana Maria Totaro, Camila Castro, Guilherme Kroll e Valdeí Prazeres Revisores: Diego Rezende e Ramiro Morais Torres © Reprodução proibida. Art. 184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Todos os direitos reservados. EDITORA MODERNA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo – SP – Brasil – CEP: 03303-904 Vendas e atendimento: Tel. (0__11) 2602-5510 Fax (0__11) 2790-1501 www.moderna.com.br 2012