Your SlideShare is downloading. ×
0
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Dinmica interna da terra - Vulcanismo

446

Published on

http://a1fe0htcg80zty7oxjvlx94t77.hop.clickbank.net/ - Apresentação sobre o vulcanismo, uma das mais importantes consequências da dinâmica Interna da Terra.

http://a1fe0htcg80zty7oxjvlx94t77.hop.clickbank.net/ - Apresentação sobre o vulcanismo, uma das mais importantes consequências da dinâmica Interna da Terra.

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
446
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Dinâmica interna da Terra O Vulcanismo João Oliveira, João Santos, Leonora Ferreira e Miguel Ângelo
  • 2. e: dic Ín Alfred Wege ne r ; Teoria Propo sta por Weg ener; Argumentos apresentado s por Wegen Exploração d er; os fundos oc eânicos; O Magnetism o das Rocha s; Teoria da Te ctónica de p lacas; Movimento das Placas L itosféricas; Limites das P lacas Litosfé ricas; Falhas e Dob ras; Consequênc ias da Dinâm ica Interna; Constituição de um vulcã o; Erupções Fis surais; Vulcões Extr aterrestres; Vulcanólogo s; Consequênc ias da ativid ade vulcânic Efeitos posit a; ivos do vulca nismo; Tipos de Eru pção; Demonstraç ão de uma e rupção Vulc ânica; Bibliografia.
  • 3. Alfred Wegener Alfred Wegener de nacionalidade alemã, nasceu em 1880 e em 1904 já tinha um doutoramento em astronomia pela universidade de Berlim. Contudo, era também um apaixonado por outras áreas, como a geofísica e a meteorologia.
  • 4. Teoria Proposta por Wegener A Teoria de Wegener Proposta à comunidade científica, foi que os continentes, antigamente estavam todos juntos (Pangeia), e eram rodeados por uma só oceano (Pantassala) Mais tarde a Pangeia dividiu-se em 2 grandes grupos : a Laurásia ( América do Norte , Europa e Ásia ) e a Gondwana (América do Sul , África , Austrália e Antártica). E depois, os continentes movimentaram-se até o formato atual. Para fundamentar a sua ideia apresentou vários argumentos.
  • 5. Teoria proposta por Wegener Movimentação dos Continentes
  • 6. Argumentos apresentados por Wegener Argumentos Morfológicos: Argumentos Morfológicos Wegener ao observar no mapa a configuração dos bordos da costa oriental da América do Sul e de África, concluiu que estes se ajustavam como peças de um puzzle.
  • 7. Argumentos apresentados por Wegener Argumentos Geológicos: Argumentos Geológicos Wegener encontrou correspondência, entre as rochas que se encontravam de um e do outro lado do Oceano Atlântico. Verificou que a natureza , a idade e semelhanças estruturais das rochas da América do Sul são idênticas as existentes na África do Sul.
  • 8. Argumentos apresentados por Wegener Argumentos Paleontológicos: Argumentos Paleontológicos Através do estudo dos fósseis, Wegener encontrou vários exemplares dos mesmos fósseis em continentes, que hoje se encontram muito afastados.
  • 9. Exploração dos Fundos Oceânicos O interesse pela Teoria da deriva dos continentes reacendeu-se, por volta, de 1950 quando se começou a analisar os resultados dos estudos não considerados nas discussões anteriores : Exploração dos fundos oceânicos.
  • 10. Exploração dos Fundos Oceânicos Durante a segunda Guerra Mundial a detenção de submarinos, permitiu recolher novos dados sobre o relevo dos oceanos. Descobriu-se que a superfície do fundo oceânico tem um relevo acidentado. Existem cordilheiras de montanhas submarinas ( dorsais médio oceânicas). Dorsais Médio Atlânticas
  • 11. Exploração dos Fundos Oceânicos Com a exploração dos fundos oceânicos identificaram-se: fossas oceânicas; planícies abissais; dorsais médio oceânicas.
  • 12. O Magnetismo das Rochas Para além, da exploração do fundo dos oceanos, desenvolveu-se, o estudo do Magnetismo das Rochas. Os cientistas descobriram que as rochas de ambos os lados do rifte, apresentavam a mesma direção.
  • 13. O Magnetismo das Rochas Através de inúmeras pesquisas, os cientistas chegaram à conclusão que, devido ao facto da crusta oceânica ser mais densa do que a crusta continental, quando os bordos de ambas se encontram, a crusta oceânica mergulha sob a crusta continental.
  • 14. Teoria da Tectónica de placas O estudo da exploração do fundo dos oceanos e do magnetismo da rochas abriu caminho para a formulação de uma nova teoria : A teoria da tectónica de placas. A teoria da tectónica de placas divide a litosfera em placas que se movimentam.
  • 15. Teoria da Tectónica de placas Os cientistas descobriram que as placas litosféricas são constituídas por rochas da crusta terrestre, e da parte superior do manto. Este conjunto rochoso forma a litosfera. A litosfera flutua sobre um manto quente e semifluido.
  • 16. Movimento das Placas Litosféricas Segundo a teoria da tectónica de placas, a litosfera encontra-se dividida em placas litosféricas. O movimento dessas placas é a causa fundamental da deriva dos continentes.
  • 17. Limites das Placas Litosféricas Existem três tipos de Limites entre placas litosféricas: Limites Convergentes; Limites Divergentes; Limites Transformantes.
  • 18. Limites das Placas Litosféricas Limites Divergentes. Nas dorsais gera-se, continuamente, nova litosfera. A deslocação destas placas provoca, também nas zonas de rifte, sismos e erupções vulcânicas.
  • 19. Limites das Placas Litosféricas Limites Convergentes. Nas zonas de subdução as placas litosféricas convergem e colidem. Nestas zonas, a litosfera destrói-se, continuamente.
  • 20. Limites das Placas Litosféricas Limites transformantes. As zonas onde duas placas litosféricas deslizam, horizontalmente, uma em relação à outra, apresentam limites transformantes, onde a litosfera nem é criada nem destruída.
  • 21. Falhas e dobras A mobilidade das placas litosféricas, provocam modificações lentas na superfície terrestre, estas levam à formação de grandes cadeias montanhosas, ou seja, as Cadeia Montanhosas formam-se a partir da colisão entre Placas Litosféricas.
  • 22. Falhas Falhas são deformações causadas por forças compressivas. Para se formarem falhas é preciso que as rochas tenham um comportamento frágil (fraturarem-se). Existem três tipos de Falhas: Falha Normal; Falha Inversa; Falha de Desligamento.
  • 23. Falhas Falha Normal: A falha normal resulta de forças distensivas. As rochas fraturam-se e originam dois compartimentos: que se deslocam ao longo da superfície da falha. O teto desce relativamente ao muro.
  • 24. Falhas Falha Inversa: A falha inversa resulta de forças compressivas. As rochas fraturam-se e originam dois compartimentos que se deslocam ao longo da superfície da falha. o teto sobe relativamente ao muro.
  • 25. Falhas Falha de Desligamento: A falha de desligamento resultam de forças horizontais e opostas. As rochas fraturam-se e originam dois compartimentos que se deslocam horizontalmente ao longo da superfície da falha.
  • 26. Dobras As dobras são estruturas visíveis a diferentes escalas, inclusivamente à vista desarmada. Resultam de deformações irrevisíveis e permanentes originadas por forças do tipo compressivo. Para que estas estruturas se formem, as rochas tem que apresentar um comportamento dúctil, isto é, sem fraturas.
  • 27. Dobras As forças compressivas, atuam, provocando a diminuição da distância entre os elementos da rocha originando-se uma dobra. Existem vários tipos de dobras.
  • 28. Consequências da Dinâmica Interna da Terra O movimento das Placas Litosféricas, e a exploração dos fundos oceânicos, abriram as portas para o estudo do vulcanismo e da sismologia.
  • 29. Atividade Vulcânica O vulcanismo consiste na emissão para o exterior de diversos produtos, no estado sólido, líquido e gasoso, através de aberturas da superfície da crosta nos continentes e nos fundos oceânicos. Os progressos nas investigações científicas têm demonstrado que o fenómeno do vulcanismo estão intimamente relacionados com a expansão dos fundos oceânicos e com o movimento das placas tectónicas.
  • 30. O Que é um Vulcão? Vulcões são aberturas que se produzem na crosta terrestre e pelos quais jorram para o exterior o magma, gases e partículas quentes ( como cinzas) existentes no interior da Terra.
  • 31. Constituição de um Vulcão Os vulcões apresentam 4 elementos básicos, a chaminé, canal por onde sobem o magma, os gases e as partículas quentes; o cone, formado pela acumulação das substâncias vulcânicas à superfície; a cratera, que é a abertura da chaminé na parte superior do cone por onde são expelidos os produtos da atividade vulcânica; e a câmara magmática, local onde se encontra o magma situado em zonas profundas da crosta terrestre.
  • 32. Erupções fissurais Nem todas as erupções vulcânicas estão associadas a um cone vulcânico, também existem erupções fissurais onde os materiais, são expelidos através de fraturas mais ou menos extensas e profundas.
  • 33. Vulcões Extraterrestres A Terra ao contrário do que se suponha até há algum tempo, não é o único planeta do Sistema Solar que possui vulcões. Assim, os vulcões não são raros no Sistema Solar e o estudo dos «vulcões extraterrestres» abre um campo de estudo novo para os vulcanólogos.
  • 34. Vulcanólogos Os vulcanólogos observam permanentemente os vulcões para os estudar e tentar prever o seu próximo despertar. Colocam numerosos aparelhos científicos nas suas proximidades para registar a atividade sísmica e para recolher os gases libertados e amostras de lava. As medições e as amostras recolhidas servem para melhor se compreender os fenómenos vulcânicos, para tentar prever a sua ocorrência e estudar o interior da Terra.
  • 35. Tipos de Erupção Existem quatro tipos de erupções vulcânicas: Erupção efusiva- caracteriza-se pela emissão tranquila e silenciosa de lava muito fluida, que solidifica lentamente. A lava, muitas vezes, transborda da cratera, provocando autênticos rios de lava. Na erupção efusiva a lava é muito fluida, e muito pobre em gases, a lava chega a formar longas escoadas. Mauna Loa Kilauea
  • 36. Tipos de Erupção Erupção explosiva- caracteriza-se pela emissão violenta de produtos vulcânicos. A lava é muito viscosa e solidifica rapidamente, originando agulhas vulcânicas, que ao subir atingem muitos metros de altura. Na erupção explosiva, a lava é viscosa, e rica em gases, as escoadas são muito curtas, e são libertadas cinzas, lapili e bombas do vulcão. Pinatubo Monte Pelée
  • 37. Tipos de Erupção Na erupção mista, a lava é fluida, e pobre em gases, as escoadas são curtas, e são expelidas lapilis, cinzas e bombas do Vulcão. Erupção mista- caracteriza-se por apresentar períodos de tranquila emissão de lava, alternando com períodos explosivos de pouca violência. As escoadas de lava são geralmente curtas, e apresentam um grau intermédio de viscosidade. Santa Helena Stromboli
  • 38. Tipos de Erupção Na erupção catastrófica, a lava é muito viscosa, e rica em gases, os materiais sólidos (pequenos) formam uma nuvem ardente. Erupção catastrófica- é uma erupção com lava muito viscosa. A lava não escorre e acumula-se na cratera formando uma agulha vulcânica. O gás que fica retido na chaminé sai e origina a nuvem ardente. Se existirem piroclastos transformam-se em cinzas. É o vulcanismo mais perigoso. Saint Louis Yellowstone
  • 39. Consequências e Benefícios da atividade Vulcânica Caldeiras: As caldeiras formam-se na sequência de erupções vulcânicas sucessivas, em que a câmara magmática se vai esvaziando. Quando fica vazia, o edifício vulcânico torna-se instável por falta de apoio e a parte do cone, geralmente a central, abate, dando origem a uma depressão limitada por rebordos irregulares. Normalmente, nestas formações ocorre a acumulação de água originando lagoas.
  • 40. Manifestações secundárias do Vulcanismo Existem três tipos de manifestações secundárias: Fumarolas; Geiser; Fontes termais. As fumarolas são emanações de pequenas nuvens de vapor a temperaturas elevadas, libertadas através de fendas do cone vulcânico.
  • 41. As geiser são jatos de água quente e vapor projetados a enorme altura e intermitentemente.
  • 42. As fontes termais são fontes de água, a elevada temperatura, contendo dissolvidas substâncias minerais, normalmente com valor medicinal.
  • 43. A ativid ad Apesar e vulcânica é, no do importa s perigos se rmalmente, co rem m nsidera nt ultiface do um f As regiõ es. tados, enómen es vulcâ os ben o natur nicas sã vulcânic efícios o const as, que da ativ al de efeitos ca ituídas, retêm á idade v t n g ua e v ulcânica astróficos. ários nu a maioria das podem vezes, p trientes também . or solos férteis ser devido à dispo sição de cinzas Bene fícios d a Ativ idade Vulcâ n ic a
  • 44. As nascentes termais do vulcão Copahue, ricas em minerais, são utilizadas para tratamentos de pele. As cinzas vulcânicas são utilizadas em tratamentos medicinais no Japão. Energia Geotérmica é formada a partir de fontes termais.
  • 45. Exercícios: 1- Indica dois exemplos utilizados por Wegener para apoiar a teoria da deriva dos continentes. R: Dois exemplos são os geológicos e os morfológicos. 2-O que são falhas e dobras? R: Falhas são deformações causadas por forças compressivas. Para se formarem falhas é preciso que as rochas tenham um comportamento frágil (fraturarem-se). As dobras são deformações irrevisíveis e permanentes originadas por forças do tipo compressivo. 3-O que é um vulcão? R: Vulcões são aberturas que se produzem na crosta terrestre e pelos quais jorram para o exterior o magma, gases e partículas quentes ( como cinzas) existentes no interior da Terra. 4-Indica as partes que constituem um vulcão.
  • 46. M a t e r ia l u t iliz a d o n a e x p e r iê n c ia ( s im u la ç ã o d e u m a e r u p ç ã o v u lc â n ic a ) • D ic ro m a to d e a m ó n io , • R e c ip ie n t e d e v id ro ( t ig e la ) , • F ó s f o ro s .
  • 47. B i b l i o grafi a M a n u a l d o p ro fe sso r E c o s fe ra – T e r ra n o E s p a ç o | T e rra e m T ra n s fo rm a ç ã o C iê n c ia s N a tu ra is – 7 º A n o M a ria T e re s a A g ria e V a n d a M a r ia S a lv a te rra C a d e rn o d e A tiv id a d e s E c o s fe ra – T e r ra n o E sp a ç o ! T e rra e m T ra n s fo rm a ç ã o C iê n c ia s N a tu ra is – 7 º A n o M a ria T e re s a A g ria e V a n d a M a r ia S a lv a te rra N o v o D e sc o b r ir a T e r ra 7 C iê n c ia s F ís ic a s e N a tu ra is C ris tin a A n tu n e s , M a n u e la B is p o e P a u la G u in d e ir a . N o v o D e s c o b r ir a T e r ra 7 C a d e rn o d e A tiv id a d e s C iê n c ia s F ís ic a s e N a tu ra is C ris tin a A n tu n e s , M a n u e la B is p o e P a u la G u in d e ir a .

×