• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Audiência na Internet: Entre Pessoas e Cookies
 

Audiência na Internet: Entre Pessoas e Cookies

on

  • 1,678 views

Monografia finalista do Prêmio de Mídia Estadão 2011, na categoria Profissional: Estudo sobre as diferenças de nomenclaturas e metodologias da métrica de alcance, no meio Internet, assim como as ...

Monografia finalista do Prêmio de Mídia Estadão 2011, na categoria Profissional: Estudo sobre as diferenças de nomenclaturas e metodologias da métrica de alcance, no meio Internet, assim como as consequências da má utilização dos dados de pesquisa fornecidos pelas diferentes ferramentas e institutos.

Statistics

Views

Total Views
1,678
Views on SlideShare
1,184
Embed Views
494

Actions

Likes
1
Downloads
35
Comments
0

3 Embeds 494

http://meiodamidia.wordpress.com 488
http://webcache.googleusercontent.com 4
http://www.linkedin.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Audiência na Internet: Entre Pessoas e Cookies Audiência na Internet: Entre Pessoas e Cookies Document Transcript

    • 14º PRÊMIO DE MÍDIA ESTADÃO Prêmio de Mídia Estadão – 14ª Edição Categoria da Monografia: Pesquisa Audiência na Internet: Entre Pessoas e CookiesParticipante: Leonardo Reis Longo São Paulo 2011
    • Sumário1. A Importância do Indicador de Alcance e Cobertura3. Usos Gerais para as Medições das Audiências dos Veículos4. A Teoria do Conceito de Alcance5. Como são Medidas as Audiências dos Veículos de Mídia9. O Que são Navegadores e Cookies?12. O Impacto da Exclusão de Cookies nas Medições de Audiência de Websites14. A confusão dos dados e as Medições do Tamanho das Audiências Potencial e Real15. Soluções Dispostas pelo Mercado17. Considerações Finais17. Bibliografia
    • Sinopse Estudo sobre as diferenças de nomenclaturas e metodologias da métrica de alcance,no meio Internet, assim como as consequências da má utilização dos dados de pesquisafornecidos pelas diferentes ferramentas e institutos. Porque Acredito que o Trabalho Deva Ser Vencedor? Acredito que o trabalho deva ser o vencedor, pois aborda um tema muito restri-to às agências digitais, quando deveria ser debatido em um âmbito maior, dentre osprofissionais de pesquisa de mídia, visto que já se passaram 16 anos do surgimentoda Internet comercial no Brasil e há temas básicos para esses profissionais que aindanão estão claros.
    • A Importância do Indicador de Alcance e Cobertura 1 O último levantamento feito pelo Ibope Nielsen mostra que 73,9 milhões de brasi-leiros tinham acesso à internet no quarto trimestre de 2010 e o Interactive AdvertisingBureau Brasil estima fechar o ano de 2011 com aproximadamente 81 milhões. 81.070 73.900 64.800 67.452 2008 2009 2010 2011 Com o crescimento da audiência da Internet, evoluíram-se as discussões so-bre as métricas de eficiência e eficácia do meio, fazendo com que indicadoresde performance (KPI’s) como a taxa de cliques, perdessem sua importância paraoutras métricas já estabelecidas em outros meios como, por exemplo, o KPI dealcance das campanhas. Um estudo realizado pela American Online Publishers Association (OPA) utili-zou-se da tecnologia eye tracking e testes biométricos para rastrear as respostas emo-cionais dos participantes enquanto navegavam na Internet, monitorando respiração efrequência cardíaca. Tal estudo mostrou que 96% dos participantes prestam atençãonos anúncios apresentados durante os primeiros 10 segundos de uploading da pá-gina e a maioria dos participantes olhou para o anúncio na página diversas vezes.A pesquisa ainda apresentou que 67% dos participantes viam o anúncio durante osprimeiros 10 segundos depois de a página ser carregada e o visualizavam novamente
    • 2durante os 10 segundos posteriores, fazendo com que os participantes, em média,focalizassem seus olhos no banner por 15 vezes. Outra pesquisa que reforça a importância da métrica do alcance, em detrimentoà taxa de cliques, é o estudo “How Online Advertising Works: Whither The Click?”,da comScore. A pesquisa mostra que dois terços dos usuários de Internet não clicamem nenhum anúncio display ao longo de um mês e que apenas 16% dos internautascorrespondem a 80% de todos os cliques realizados. Estudos como estes comprovam a importância de se utilizar o conceito de alcan-ce na Internet assim como seus indicadores de performance de audiência e, para tal,é fundamental o entendimento dos dados disponíveis no mercado.
    • Usos Gerais para as Medições das Audiências dos Veículos 3 Jack Z. Sissors e Lincoln Bumba, autores do livro “Planejamento de Mídia -Aferições, Estratégias e Avaliações”, disseram que os planejadores de mídia usam asmedições de audiência com os seguintes propósitos: 1. Para saber a que segmento pertencem os usuários de um produto ou marca. 2. Para saber a segmentação da audiência de vários tipos de veículos de mídia – quem acessa, lê, vê ou ouve os veículos. 3. Para saber como os usuários utilizam um produto ou marca (são eles heavy users, medium users ou light users?) 4. Para saber se os membros do público de um veículo de mídia em particular são heavy users, medium users ou light users do produto. 5. Para saber quantas pessoas foram expostas aos veículos . É para contribuir com o entendimento do quinto item levantado que esta monografiase propõe a apresentar os vários conceitos de medições de audiência.
    • A Teoria do Conceito de Alcance 4 O Interactive Advertising Bureau Brasil lançou, em julho de 2010, um guia deutilização e divulgação de métricas no qual aborda as boas práticas na divulgação dedados de pesquisa, onde diz que as únicas fontes de dados aceitáveis como indicaçãode alcance na Internet são as que medem usuários e não browsers. No mesmo manu-al, o IAB Brasil define como audiência única os dados provenientes de fontes do tipopainel, e browsers únicos, os dados proveniente de fontes baseadas em tags. O IAB Brasil determina que se deva considerar como fontes sempre aquelasvindas de um Instituto de Pesquisa, desconsiderando-se como fonte aquelas vindasde “third-part-servers” (adservers) , uma vez que estas empresas tem por finalidadeservir campanhas publicitárias e aferir o tráfego de sites através de tags. Dessa maneira, dentro do meio Internet, as diferentes métricas e métodos deaferição dos dados podem distorcer as análises de alcance no meio, o que faz comque seja necessário um maior entendimento de como são medidas as audiências dosveículos de mídia.
    • Como são Medidas as Audiências dos Veículos de Mídia 5 Conforme registrado no livro Planejamento de Mídia - Aferições, Estratégiase Avaliações, a maior parte das audiências de mídia é medida por pesquisa deamostragem, usando dados sobre um grupo controlado para se descobrirem coi-sas sobre um universo maior, sendo que a razão principal para a medição ser feitapor amostragem, ao invés de toda a audiência, é que a amostragem fica bem maiságil e menos cara. Um exemplo de pesquisa utilizada para analisar audiência na Internet é o NetView,que é uma pesquisa do tipo painel realizada pelo IBOPE Nielsen Online nos ambientesdomiciliar e corporativo (trabalho), no qual os dados são colhidos por meio de um sof-tware instalado no computador do colaborador e são entregues via Web. Tanto o Ibope Nielsen Online como a comScore são serviços que medem aaudiência dos sites registrando os endereços acessados pelos usuários que fazemparte de seu painel. Com diferenças de amostras (o Ibope possui 18.000 paine-listas e a comScore no mínimo 50.000, podendo chegar até a 80.000) o painelé formado por um grupo de usuários situados em casa ou no ambiente de traba-lho com uma distribuição demográfica representativa da população online totalnesses pontos de acesso. Com esses dados, os dois institutos realizam estudosde audiências, fornecendo dados com estimativas de visitantes únicos dos sites,páginas vistas, tempo gasto na navegação e outros indicadores para o mercado. Conforme explicado pelo IAB Brasil, as empresas e veículos online informamao Ibope e comScore quais são os sites que fazem parte de suas propriedades e osinstitutos organizam esses sites em categorias. Esses serviços também permitemter acesso a dados demográficos, histórico de acesso, sobreposição de audiência enão são afetados por sistemas que apagam cookies do navegador, janelas pop-upse acessos feitos por spiders, bots (causas artificiais de inflação de números), etc.
    • 6 A maior confusão gerada por veículos, agências e anunciantes é a utilizaçãodas ferramentas de web analytics para aferição das audiências do site no que sediz respeito à métrica de alcance, uma vez que as ferramentas de web analyticscoletam e processam os dados de visitação de um determinado site. Cada site usa uma ferramenta de web analytics para medir seus dados deacesso, como por exemplo o Google Analytics, Omniture, Webtrends, entre ou-tros. Em seu manual de metodologia e interpretação correta dos principais for-necedores de dados digitais, o IAB Brasil declara que no Brasil, as formas decoleta mais utilizadas são baseadas em logs de servidor e tags colocadas naspáginas, fazendo com que as ferramentas de web analytics meçam todos osacessos feitos ao site. Esse tipo de ferramenta fornece dados de visitas e visitas únicas por brow-ser, páginas vistas, tempo gasto no site, taxa de rejeição, entre outras métricas.Porém, as medições são feitas utilizando cookies, o que pode gerar uma série deinterpretações erradas sobre os dados caso os mesmos não sejam utilizados damaneira correta. A terceira ferramenta utilizada para extração de dados de audiência são os AdServers, os quais são utilizados por veículos e anunciantes para o gerenciamen-to de campanhas de mídia online. Alguns exemplos de ferramentas de AdServerdisponíveis no mercado brasileiro são a AdMotion, Atlas, DART, E-Planning,Maestro, MediaMind e OAS. O Ad Server controla a veiculação de campanhas depublicidade nos sites e permite a gestão de diversos critérios e segmentação deaudiência, sendo que os anunciantes podem acompanhar a performance de suascampanhas com indicadores como quantidade de browsers impactados, impres-sões e cliques. De uma maneira similar às ferramentas de web analytics, os AdServers são implementados via tag (código indicador) em cada página.
    • A Tabela 1 apresenta um resumo das métricas disponíveis por metodologia: 7 Metodologia Métricas que oferecePainel (Audiência) • Alcance • Visitantes Únicos • Page Views • Demografia • Composição (Visitantes Únicos, Page Views, %) • Total de Minutos consumidos • Média Diária de visitantes únicos • Média de Minutos por dia • Média de Páginas por dia • Média de minutos por página • Média de Minutos por visitante único • Média de Visitas por visitante único • Média de Páginas por visitante único • Total de Visitas • Média de Minutos por Visita • Afinidades/InteressesWeb Analytics • Page Views(Cookies, Tags, & Logs) • Visita/Seção • Browsers Únicos • Páginas por Visita • Bounce Rate • Tempo de Visita • Novas Visitas • Origem/ Cobertura • Páginas de Saída • Conversões • Navegadores • Sistemas Operacionais • Cores de Tela • Resolução de Tela • Suporte a Java • FlashAd Server Data • Usuários/Clicks únicos(Cookies/Tags) • CTR (Click Thru Rate) • Impressões / Views • Yield • Inventário Total e Disponível • Informações Segmentadas por: n Geolocalização (IPs) n Cookie (comportamento do usuário) n Palavras-chave (parâmetros ou termos de busca) n Dispositivos móveis, etc • Pós clique/conversões (diretas/indiretas)
    • 8 Metodologia Métricas que ofereceAd Server Data • Caminhos de conversão(Cookies/Tags) • Tempo de Interação com a peça • Análises de Frequência (interação, CTR) • Frequência – retorno de usuários únicos nos escopos: n Dentro da mesma hora n No mesmo dia n Por mês n Por semana n Por dia n Por hora Tabela 1 – Metodologias e métricas de audiência na Internet
    • O que são Navegadores e Cookies? 9 Um ponto importante para o entendimento deste trabalho é o entendimento técnicodo que são Navegadores e Cookies, visto que estes dois termos do universo digital fazemparte do dia a dia dos profissionais de pesquisa de mídia, por influenciarem diretamentena leitura dos dados de audiência de um veículo. Um navegador, também conhecido como web browser ou simplesmente bro-wser, é um programa de computador que habilita seus usuários a interagirem comas páginas da web. De acordo com dados globais da empresa Net Applications, demaio de 2011, os Navegadores mais representativos do mercado são o Internet Ex-plorer, com 54,27% de participação, seguido pelo Mozilla Firefox com 19,22% e oChrome, que detém 12,52% do mercado. Já os Cookies são um grupo de dados trocados entre o navegador e o servidorde páginas, colocados num arquivo de texto criado no computador da pessoa queestá utilizando. A utilização e implementação de cookies foi muito debatida na al-tura em que surgiu, devido às consequências de guardar informações confidenciaisnum computador. Um exemplo de cookie é aquele criado pelos sites para que não seja necessário di-gitar a senha novamente quando for ao site outra vez. Entre os parâmetros dos cookiesestão: o tempo de vida (a data para o cookie “expirar a validade”) e o domínio, ou grupode páginas a que o cookie se aplica. Um dos parâmetros é utilizado para identificar umbrowser, para que um visitante que esteja retornando ao site seja identificado. É importante ressaltar que cada browser armazena os seus cookies em compar-timentos diferentes. Dessa maneira, se uma mesma pessoa utiliza tanto o InternetExplorer como Firefox e acessa o mesmo site usando os dois diferentes navegadores,essa pessoa terá dois cookies diferentes.
    • 10 A remoção ou exclusão de Cookies do computador de uma pessoa pode ocorrer dasseguintes formas: n A pessoa manualmente deleta os cookies de seus arquivos. n A pessoa deleta os cookies usando funcionalidades do seu navegador/browser, como é possível no Internet Explorer através do atalho “Opções da Internet”. n A pessoa utiliza um programa de proteção e segurança que exclui os cookies. n As pessoas podem até mesmo habilitar as configurações do seu browser para rejeitar cookies. O Interactive Advertising Bureau publicou uma pesquisa global que mostra que 12% das pessoas rejeitam cookies. Um cookie primário está associado ao domínio do site em que a pessoa está nave-gando no momento e esse site está entregando conteúdo requisitado pelo usuário, sendoque esses cookies são usados, normalmente, para armazenar informações, como prefe-rências ao visitar o site. Os cookies de terceiros são cookies de outro domínio, diferente do que o usuárioestá navegando, e operam em segundo plano, associados a conteúdos entregues em umcontexto maior, mas não diretamente requisitados pelo usuário. Esses cookies podemestar associados a propaganda (banners), conteúdo embedado, ou aplicações rich mediagerenciadas por um domínio de terceiros. Os cookies de terceiros podem ser entreguesdurante a requisição de um anúncio publicitário (banner) que aparece na página em que apessoa está navegando, mas é servido por um domínio de terceiros. Dentre as aplicaçõesde um cookie de terceiros está a possibilidade de acompanhar o perfil de navegação daspessoas através de inúmeros domínios da Internet, o que acaba entrando no mérito daspolíticas de privacidade do usuário. Existem certos provedores de infra-estrutura que podem criar cookies visíveis emvários sites, como é o caso dos AdServers. Marshall Brain, fundador do HowStuffWorks,
    • 11explica que os AdServers podem colocar pequenos arquivos GIF (1x1 pixel) no sitee esses arquivos permitem que os cookies sejam carregados na máquina de quem estánavegando. Mashall explica que esse arquivo pode rastrear os movimentos através devários sites, sendo capaz de pesquisar o que a pessoa digita nas ferramentas de buscae pode juntar diversas informações, podendo formar um valioso número de perfisanônimos.
    • 12 O Impacto da Exclusão de Cookies nas Medições de Audiência de Websites Para entender como os cookies influenciam nas análises de audiência da Internet,a comScore lançou em maio de 2011 um estudo chamado “O Impacto da Exclusão deCookies sobre Métricas de Servidores de Sites e Servidores de Anúncios na América La-tina: Um Estudo Empírico comScore”. O estudo foi realizado na América Latina e possuianálises individuais para: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Venezuela. O estudo se refere às principais fontes de discrepância entre dados baseados emservidor e em painel, e revela que a exclusão de cookies pode levar a grandes exa-geros em medições de logs de servidores de audiências on-line. O resultado desseproblema de aferição é que sem os ajustes adequados, os relatórios sobre audiênciabaseados em servidor podem ser exagerados em até 2,4 vezes o número real de visi-tantes únicos dos sites brasileiros. De acordo com o relatório da comScore, aproximadamente 32 por cento das pessoasque usam a Internet no Brasil excluiu seus cookies de usuários em um mês, além do fatode que as taxas de exclusão de cookies de terceiros são ainda mais altas que as taxas deexclusão de cookies de usuários, com quase 43,3 por cento de usuários da brasileirosdeletando seus cookies de terceiros durante o mês. O estudo mostra que por conta da alta taxa de exclusão de cookies, um sistema demedição centrado em servidor que usa cookies para medir o tamanho da base de visitan-tes de um site, como é o caso das ferramentas de web analytics, irá exagerar o númeroreal de visitantes únicos por um fator de até 2,4x no Brasil. De maneira similar, o estudo aponta que um sistema de servidor de anúncios queusa cookies para rastrear o alcance e a frequência de uma campanha on-line, como é ocaso das ferramentas de AdServer, irá exagerar o alcance por um fator de até 5,5x e, emmesmo grau, minimizar a frequência.
    • A tabela 2 apresenta um resumo dos índices de cookies por computador na América 13Latina e no Brasil: Terceiros Usuários sem Log-in País/ Número de dio ual dio ual ual Mé okies ent kies ual Mé okies ent kies Regiões Exclusão de ent C Nº Co C rc o o ent C Nº Co C c rc Cookies no Mês Po de P de or P Po C c Por de P de or P Por Coo p de p d e Todos 100.0% 5.2 100.0% 100.0% 2.5 100.0% América Latina 1+ Exclusão 43.3% 8.4 71.1% 32.7% 4.6 60.4% 4+ Exclusão 14.9% 18.7 56.1% 6.4% 13.4 35.2% Todos 100.0% 5.5 100.0% 100.0% 2.4 100.0% Brasil 43.3% 8.8 32.2% 1+ Exclusão 71.1% 4.1 56.9% 4+ Exclusão 15.4% 19.6 57.6% 5.9% 11.3 29.3% Tabela 2 - Relatório da comScore com índices de cookies por computador na América Latina e no Brasil O estudo confirma que as implicações da exclusão dos cookies impactam tanto nasanálises de sites, como nas análises de campanhas, levando julgamentos imprecisos paraos que escolhem utilizar-se apenas dos dados de Usuários/Browsers Únicos fornecidospor servidores e cookies, sem consultar as ferramentas de painel. Quando o número de Usuários/Browsers Únicos é utilizado como fonte de referên-cia para Visitantes Únicos do site, a exclusão de cookies pode levar às seguintes incon-sistências nas análises de audiências de sites: l Inflação da contagem de Visitantes Únicos; l Deflação da contagem de visitantes que retornam ao site; l Deflação das taxas de conversão do site. Quando o número de Usuários/Browsers Únicos é utilizado como fonte de referênciapara a contabilização do número de alcance da campanha, a exclusão de cookies leva àsseguintes inconsistências nas análises de acompanhamento de campanha com AdServer: l Inflação dos dados de alcance; l Deflação da métrica de frequência da mensagem.
    • 14A Confusão dos Dados e as Medições do Tamanho das Audiências Potencial e Real Sissors e Bumba já diziam, em 1996, que aqueles que se utilizam da pesquisa deaudiência de mídia deveriam ter o cuidado de não confundir os dados que mostram otamanho real da audiência de um veículo com outros dados que parecem similares, masmostram somente o tamanho potencial da audiência. No livro, os autores dizem que antes das amostragens estatísticas serem amplamenteaceitas, os proprietários dos veículos de mídia utilizavam as contagens de seus própriosveículos como comprovação do tamanho da audiência e davam como exemplo os veícu-los de mídia impressa. No caso da mídia impressa, a circulação é uma das medições mais antigas e repre-senta somente o tamanho da audiência potencial do veículo medido, pois não mede quan-tas pessoas de fato lerão o texto publicitário de um periódico. No caso da Internet, nota-se não apenas um erro conceitual, quando os veículosapresentam seus dados de audiência vangloriando o volume de Page Views do site, mastambém quando os mesmos utilizam o relatório do web analytics para informar sua au-diência, apresentando um número distorcido de Visitantes no site, como foi apresentadono capítulo anterior.
    • Soluções Dispostas pelo Mercado 15 Como pode ser visto nos capítulos anteriores, em virtude da mensuração atra-vés de cookies e servidores ter diferenças de metodologia e objetivo, se comparadascom a mensuração feita por painel, a divergência entre as métricas dispostas causaconfusão tanto nos veículos como nos anunciantes e agências. Com o desenvolvimento de uma métrica chamada de “Mensuração Digital Unifi-cada” (Unified Digital Measurement), a comScore implementou uma solução melhora-da para medição de audiência digital que mistura as metodologias de servidor (cookies)com painel. Esta abordagem combina a mensuração pessoal, feita com o painel globalde 2 milhões de pessoas da comScore, junto dos dados de cookies/servidores, a fim deganhar visibilidade de toda a gama de atividades que ocorrem em um site de veículo. As empresas participantes inserem uma tag de análise no conteúdo de suas páginase anúncios, os quais reportam dados que são registrados pelos servidores da comScoretoda vez que o conteúdo for acessado. A comScore analisa esses dados reportados, cru-zando a análise com os dados coletados por sua metodologia de painel. Esta perspec-tiva única, resultante do cruzamento dos dados, permite à comScore validar se as tagsdos servidores estão contabilizando os dados de uma maneira consistente com o que omercado aceita dentro dos seus padrões de mensuração e metodologia. A “Mensuração Digital Unificada” está baseada em uma metodologia de painelcondizente com as normas e padrões impostos pelo Interactive Advertising Bure-au dos Estados Unidos, desenvolvidos em Dezembro de 2008. A adição dos dadosreportados pelos servidores ao painel da comScore requer uma extensa validação ereconciliação dos dados para que seja definido da maneira mais assertiva possívelo que é um Visitante Único. As tags inseridas nos sites são devidamente filtradase validadas para remover o tráfego “não humano”, tráfego internacional (fora domercado analisado) e vindo de URLs não legíveis; e então são processadas por meio
    • 16das ferramentas de edição da Media Metrix. Uma vez que esse processo de filtragemestá completo e um site está sendo mensurado através da metodologia de “Mensu-ração Digital Unificada”, ambas as métricas de page views e usuários únicos podemser calculadas. O cálculo da “Mensuração Digital Unificada” pode ser conceituado como: Esta equação leva em conta que existem várias máquinas por família, váriasmáquinas por pessoa em casa e locais de trabalho, várias pessoas por máquina, eque há browser e sistemas operacionais que resultam na exclusão de cookies, entreoutras considerações, que precisam ser contabilizados no cálculo de visitante único. Dessa maneira, há uma forma de mensuração para se ter o número de “UsuáriosÚnicos” que toma como base pessoas e que pode ser aceito por todos os envolvidoscom métricas do meio digital. Visando aprimorar o refinamento dos dados de campanha, nota-se uma movi-mentação da parte dos AdServers para, também, trazer dados que busquem minimi-zar a inflação dos dados de alcance. Um exemplo é a MediaMind que desenvolveu um tipo inovador de medição onli-ne, criando uma nova métrica chamada de “Adjusted Unique” que identifica os cookiesapagados pelos usuários e evita, com mecanismos de ajuste estatístico, a duplicação dedados. Essa métrica deixa mais acurada a medição de alcance e frequência das cam-panhas, visto que é certificada pelo Media Rating Council (MRC), de acordo com osrequisitos de Mensuração de Alcance do Interactive Advertising Bureau.
    • Considerações Finais 17 Conforme já definido pelo IAB Brasil anteriormente, as únicas fontes de dadosaceitáveis como indicação de alcance são as que medem usuários e não browsers. Comisso, deve-se considerar como fontes sempre aquelas vindas de um Instituto de Pes-quisa, desconsiderando-se como fonte aquelas vindas de AdServers e web analytics ,uma vez que estas empresas tem por finalidade servir campanhas publicitárias e aferiro tráfego de sites através de tags. Dessa maneira, deve-se propor uma revisão dos media kits e apresentações comer-ciais dos veículos, para que sejam priorizados os dados que tem como fonte os Institu-tos de Pesquisa, além de uma visão mais criteriosa sobre as aferições que utilizam tags. Quanto aos dados de campanha, fornecidos pelos AdServers, deve-se pressionaros fornecedores para que os mesmos reduzem o volume de cookies apagados pelosusuários de seus relatórios, minimizando a inflação dos dados. Porém, é importanteressaltar que ainda assim não é passível de utilização os dados fornecidos pelos Ad-Servers como indicador de alcance da campanha, pois ainda há uma sobreposição denavegadores utilizados pelas pessoas com acesso à Internet, principalmente com ocrescimento dos pontos de contato das pessoas com o meio, através de computadores,aparelhos celulares, tablets, entre outros.
    • Bibliografia 18• PC World/EUA. Dos browsers mais populares, só Internet Explorer perde participação emmaio, 01/06/2011. <http://idgnow.uol.com.br/internet/2011/06/01/dos-navegadores-mais-populares-so-internet-explorer-perde-participacao-em-maio/>• BRAIN, Marshall. Como funcionam os cookies da Internet, 09/05/2008.<http://informatica.hsw.uol.com.br/cookies-da-internet.htm>• Comitê de Métricas do Interactive Advertising Bureau Brasil gestão 2010.Guideline de Utilização e Divulgação de Métricas, 13/07/2010, <http://www.iabbrasil.org.br/arquivos/doc/Guideline-Metricas-Divulgacao-de-Dados-IAB-Brasil.pdf>• Comitê de Métricas do Interactive Advertising Bureau Brasil gestão 2010. Metodologia einterpretação correta dos principais fornecedores de dados digitais, 05/05/2010, <http://www.iabbrasil.org.br/arquivos/doc/IAB_Metricas_Metodologia_e_Interpretacao_mai11.pdf>• comScore, Inc.. The Impact of Cookie Deletion on Site-Server and Ad-Server Metrics in LatinAmerica, 09/05/2010, <http://www.comscore.com/por/Press_Events/Press_Releases/2011/5/Im-pact_of_Cookie_Deletion_on_Website_Audience_Measurement_in_Latin_America>• comScore, Inc.. How Online Advertising Works: Whither The Click?, 05/12/2008, <http://www.comscore.com/por/Press_Events/Presentations_Whitepapers/2008/How_Online_Advertising_Works_Whither_The_Click>LivroSISSORS, Jack Z; BUMBA, Lincoln J. Planejamento de Mídia - Aferições, Estratégias e Avalia-ções. São Paulo: Editora Nobel, 2001.