Your SlideShare is downloading. ×
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Pesque pague
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pesque pague

3,603

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,603
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
66
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PESQUE-PAGUEFICHA TÉCNICASetor da Economia: terciárioRamo de Atividade: serviçoTipo de Negócio: pesque-pagueProdutos Ofertados/Produzidos: entretenimentoInvestimento inicial: 200mil reaisÁrea: 5000m²APRESENTAÇÃOOs pesque-pagues são um boa opção para os pescadores dos grandes centros urbanos,pois permitem que as pessoas possam praticar a pesca amadora sem ser necessáriorealizarem longas viagens.A pesca recreativa recentemente ganhou impulso e novos adeptos no Brasil. Em algumasregiões do país, notadamente as de maior desenvolvimento industrial e urbano, a pescarecreativa em sistemas aquáticos de domínio privado, os chamados pesque-pague,começam a assumir importância igual ou mesmo superior a da pesca recreativa emsistemas aquáticos de domínio público (rios, grandes reservatórios e lagos).MERCADOO crescimento maior da atividade ocorreu até o ano 2000. Agora a tendência é que oaumento seja num ritmo menos acelerado. Mesmo assim, há previsão que osinvestimentos no setor não devem diminuir.O pesque-pague, além de ter contribuído para alavancar o mercado da piscicultura, estácumprindo um outro papel importante: é um elemento de preservação dos estoquesnaturais.O público que freqüenta pesque-pague está se ampliando e apresenta perfil cada vezmais diversificado. Nota-se que novos pontos não são formados apenas por tanques compeixes. Há lanchonetes, canchas de esporte e piscinas. Antes o pesque-pague atraía sóos pescadores, agora atrai toda a família. Se tornou opção de lazer.A aqüicultura vem apresentando uma taxa de crescimento anual em torno de 15%, sendoque a região Sudeste concentra 80% da produção nacional de peixes de água doce, comdestaque para o Estado de São Paulo. Mais de 300 mil pessoas estão envolvidas naatividade e em atividades derivadas, incluindo estabelecimentos rurais de produção depeixes, camarões, empresas de ração, técnicos e produtores de máquinas eequipamentos.Muitos estabelecimentos de pesque-pague mantêm, além dos tanques para pesca, umaestrutura capaz de atender aos visitantes, com restaurantes e atrativos para o turismorural, o que gera uma considerável renda suplementar. As combinações destas atividadescom a aqüicultura podem implicar em importantes impactos positivos para odesenvolvimento sustentável das comunidades locais, assim como podem trazerprejuízos ambientais que necessitem de intervenção para adequação tecnológica e demanejo, conforme indicado pela avaliação de impacto ambiental.
  • 2. LOCALIZAÇÃOO local deve oferecer infra-estrutura adequada e condições que propiciem odesenvolvimento do pesque-pague. É fundamental avaliar a facilidade do acessoconsiderando que todo pesque-pague é instalado em áreas rurais ou periurbanas.Municípios que têm maior incentivo ao agroturismo e municípios mais populosos sedestacam como boas opções para o investimento.As atividades econômicas da maioria das cidades são regulamentadas pelo Plano DiretorUrbano (PDU). É essa Lei que determina o tipo de atividade que pode funcionar emdeterminado endereço. A consulta de local junto à Prefeitura é o primeiro passo paraavaliar a implantação do seu pesque-pague. Na Prefeitura de Vitória o PDU é fornecido apartir de consulta no site.ESTRUTURAA estrutura básica deve contar com uma área mínima de 5.000m². Neste espaço devemser construídos tanques (pelo menos dois). Além de proporcionar escolha, a existência depelo menos dois tanques permite ao pesqueiro continuar operando no caso de um dostanques apresentar problemas com a qualidade da água, doença dos animais ounecessitar drenagem para renovação do estoque de peixes.Tanques de 1.000 a 3.000m2 e com profundidade de 1,2m a 1,5m são de bom tamanhopara um pesque-pague, pois permitem acomodar boa quantidade de pescadores e umconsiderável estoque de peixes, além de ser facilmente despescados com o uso de redesde arrasto para remoção de estoques residuais de peixes.Caso a água não seja renovada naturalmente é necessária a implantação de um sistemade aeração. O mais indicado é sistema de ar difuso.Atualmente, alguns pesque-pagues já são mais que estruturas de pesca, uma vez queincorporaram uma série de serviços de lazer para toda família, como hospedagem,alimentação e piscinas.EQUIPAMENTOSOs equipamentos básicos são:- Tanques;- Anzóis;- Garatéias;- Chumbos;- Varas: caniços; varas de lançamento para carretilhas ou molinetes;- Iscas: artificiais; de superfície; iscas de meia água; iscas de fundo;- Linhas;- Sistema de aeração da água.INVESTIMENTOSA montagem de uma estrutura ideal de um pesque-pague não é um investimento barato,porém, o máximo aproveitamento das estruturas já existentes pode reduzir bastante ocusto de implantação de um projeto.Fazendas tradicionais, por exemplo, podem transformar a sede em uma pousada e aindapromover antigas benfeitorias em espaços para lazer (como por exemplo, currais,galinheiros), ajudando a compor o clima rural, que é apreciado especialmente pelascrianças. Em resumo o investimento irá variar de acordo com a estrutura doempreendimento e do quantitativo de que dispõe o investidor.
  • 3. Considerando um pesque-pague, montada numa área de 5000m², com dois tanquessendo um de 1000m² e outro de 2000m² será necessário um investimento de R$200milaproximadamente.Obs.: os valores apresentados são indicativos e servem de base para o empresáriodecidir se vale ou não a pena aprofundar a análise de investimento e não contempla ovalor de aquisição do terreno.Investindo em INFORMATIZAÇÃOUma empresa informatizada tem grandes chances de sair na frente do concorrente. Alémde facilitar os processos, garantem a segurança na tomada de decisões, melhora aprodutividade e diminui os gastos.Escolha um projeto abrangente que atenda toda a empresa, desde o gerenciamento deconteúdo para websites, até os controles administrativos (financeiro, estoque, caixa,cadastro de clientes, etc.). Existem no mercado atualmente, três grandes grupos desoftwares: SGE Sistema de Gestão Empresarial; SGC Sistema de Gerenciamento deClientes e Básicos. Eles podem ser encontrados nas empresas especializadas ou naInternet, através dos sistemas disponibilizados nas Provedoras de Serviços de Software(ASP - application service provider).PESSOALAs atividades de um pesque-pague podem ser iniciadas com quatro pessoas no processode manutenção e atendimento e uma na administração.PROCESSOS PRODUTIVOSFacilidade para Pescar. A abundância de peixes de boa qualidade nos pesque-pagues ea facilidade com que eles são fisgados atraem o interesse de famílias inteiras para apesca recreativa e constituem programa daqueles que, sem intimidade alguma com apesca, saem bastante satisfeitos com a fartura de peixes fisgados.O fundamental é fazer com que o cliente se sinta um grande pescador. E isso é possívelna medida em que a tecnologia para produção de peixes nobres e brigadores vem sendodominada, barateando o seu custo e diversificando a oferta de novas espécies quedemonstrem ser de preferência da clientela.Os Peixes. As principais espécies utilizadas são o pacu, tambaqui, tambacu, tilápia doNilo, carpa cabeça-grande, carpa húngara, piavuçu, bagre africano, truta arco-íris, blackbass, tucunaré, pintado, matrinxã, surubim e dourado.Comprando o Peixe. Observando, por exemplo, o fluxo diário, semanal e mensal dopesque-pague e dos índices de captura diário, mensal e por pescador fica possível para oproprietário do pesque-pague planejar melhor quando, quanto e como adquirir o peixe.Como adquirir é de especial importância, já que o sucesso de um sistema de pescarecreativa depende, em parte, da eficácia das operações das piscigranjas aos pesque-pagues, ou de um viveiro a outro dentro do próprio pesque-pague. Bastam algumasoperações de transporte mal sucedidas para tirar o pesque-pague da atividade.Alimentando os Peixes. Alimentar os peixes em tanques de pesca tem inúmerasvantagens: proporciona um incremento significativo no estoque de peixes, ajuda a mantê-
  • 4. los com bom vigor e aspecto saudável, reduz os problemas de agressão entre peixes dediferentes espécies e tamanhos, possibilita regular os índices de captura.Ração. Algumas receitas de rações para os peixes mais utilizados em pesque e pague:- Receita 1* Ingredientes:1 pacote de farinha de mandioca crua1 pacote (100 gr) de queijo ralado1 laranja (suco)1 batata doce, cozida e amassada em forma de purê1 colher (sopa) de açúcar* Modo do preparo:Coloque todos os ingredientes numa vasilha e misture bem, adicionando água até darliga. Caso a massa fique muito mole, acrescente um pouco de farinha de trigo. Façamassa suficiente apenas para uma pescaria. A massa deve ser acondicionada em sacoplástico hermeticamente fechado e mantido em geladeira. Na hora da pescaria, fazerbolotas de acordo com o tamanho do anzol.* Serve para: Carpa, Chimboré, Curimbatá, Piapara, Piau, Piava, Tilápia- Receita 2* Ingredientes:1/2 k de farinha de trigoÁgua* Modo de preparo:Coloque, aos poucos, a farinha de trigo numa vasilha e vá juntando água, para fazer liga.Amasse bem com as mãos até formar massa parecida com a de pão. Acondicionar numsaco plástico bem fechado. Fazer bolotas do tamanho do anzol.*Serve para: Chimboré, Curimbatá, Lambari, Piau, Piava, Timbiú- Receita 3* Ingredientes:1 pacote de farinha de mandioca crua1 laranja (suco)1 colher de farinha de trigo* Modo de preparo:Coloque todos os ingredientes numa vasilha e misture tudo muito bem, adicionando águaaté dar liga. Fazer bolotas com o tamanho aproximado de um coquinho. À parte, ferverágua numa panela. Jogue as bolotas (5 ou 6 de cada vez) na água fervente. Quandosubirem, retire e passe na farinha de mandioca.* Serve para: Pacu, Pacu-Mirim, Pacu-Prata.Controlando o Estoque. Um apurado controle de estoque permite ao proprietário decidirsobre:- Quando, quanto e quais espécies de peixe comprar para reestocagem;- A idoneidade dos fornecedores e/ou transportadores, ou seja, quais deles entregampeixes de boa qualidade e sobrevivência e não roubam no peso da carga de peixescomprada;- Quando despescar/drenar os tanques de pesca para remoção do estoque residual depeixes;- Quanto arraçoar (dar ração) diariamente;- A necessidade ou não de ter um sistema de aeração pronto para ser acionado.Pesque-pagues que praticam o arraçoamento (dar rações diariamente) dos tanquesdevem reajustar periodicamente o estoque em função da quantidade de alimento
  • 5. fornecida. Para tanto, dependendo da qualidade da ração, da espécie e tamanho dospeixes estocados, da qualidade da água entre muitos outros fatores, deve-se assumirque, para cada 2 a 3,5 kg de ração fornecida, o estoque de peixes aumenta em 1kg, ou seja, cerca de 286 a 500 kg de peixe por tonelada de ração aplicada.Além de permitir uma melhor tomada de decisão técnica, o conhecimento do estoque e dofluxo de entrada e saída de peixes auxilia no estabelecimento de estratégiaspromocionais, de marketing e possibilita contabilizar o sucesso financeiro da atividade.Observando o Movimento. Empiricamente, os proprietários sabem que durante os finaisde semana e feriados,o movimento nos pesqueiros aumenta consideravelmente. Noentanto, poucos podem precisar, realmente, qual foi o volume de peixes possível de sercapturados nesses dias.O controle absoluto do estoque de peixes presente nos tanques de pesca, é defundamental importância.Registros individuais do peso na estocagem e na saída de cada uma das espéciescomercializadas no pesque-pague devem ser mantidos, pois auxiliam na identificação dasespécies de captura mais fácil e que apresentam menor estoque residual de peixesespertos. Também os índices médios de captura por pescador devem ser determinados.Preços. Um fator de grande importância é o estabelecimento do preço do ingresso e doquilo do peixe. A maioria dos pesqueiros cobra as duas tarifas, mas há casos em que opescado é franqueado, o que atrai muitos clientes. Para que se chegue a esses preços ea outras conclusões importantes para implantação e sucesso do negócio é interessanteque o empreendedor faça uma análise de custos da manutenção do empreendimento.Cuidados. Alguns cuidados que o empreendedor deve tomar:- Observar os inúmeros parâmetros de qualidade da água é um cuidado exigido, além dese ficar principalmente atento aos níveis de oxigênio dissolvido, à transparência, àsvariações do pH da água e a concentração de metabólicos tóxicos como a amônia e onitrito.– Os peixes mortos devem ser pescados e removidos diariamente dos tanques epesados, tanto pelo benefício sanitário e estético ao pesqueiro como pela necessidade deum mais fino controle do estoque.Conhecendo os Artigos para Pesca.– Anzóis. O formato dos anzóis sofreu uma mudança de forma a aumentar o poder defisgada para cada tipo de peixe. Isso acabou proporcionando ao pescador, uma grandevariedade de formatos e tamanhos específicos que, se corretamente utilizados, poderãoaumentar a produtividade da pescaria.Para se escolher o anzol correto, deve-se primeiramente saber exatamente qual o peixeque se pretende pescar, bem como o tamanho padrão da sua boca, sendo que peixes deboca grande (ex.: Robalo) utilizarão um tipo de e tamanho de anzol, peixes de bocapequena (ex.: Piapara) utilizarão outro tipo e tamanho.– Garatéias. São agrupamentos de anzóis, normalmente em número de 3, utilizados paraguarnecer iscas artificiais, apesar de muitos pescadores inescrupulosos utilizarem asgaratéias para pescar com iscas vivas.A escolha de garatéias, além dos mesmos fatores da escolha de anzóis, depende dealguns outros necessários para o correto trabalho da isca artificial. O peso da garatéia,influenciará diferentemente na flutuabilidade da isca, bem como o tamanho fará com queo trabalho de cada isca seja melhor ou pior. Por isso, ao se comprar garatéias deve-seatentar aos seguintes fatores:- Tamanho da garatéia em relação à isca artificial;
  • 6. - Peso da garatéia em ralação à isca artificial;- Resistência da garatéia em relação ao peixe que se pretende pescar;- Qualidade das pontas dos anzóis que compõem a garatéia;- Resistência da garatéia em relação à corrosão.Todos esses fatores agrupados, farão com que o trabalho, a durabilidade e aprodutividade do seu equipamento sejam aproveitados da melhor forma possível.– Chumbos. Tradicionalmente conhecidos como chumbada para pesca, onde o nome quetem é pelo fato de serem construídos com chumbo, tendo em vista o seu peso específicoe preço, porém, nada impede que sejam construídos com outra matéria prima.O fato é que tais pesos tem como finalidade transportar as iscas aos lugares ondeprovavelmente se encontram os peixes. É importante se ter conhecimento sobre osdiversos tipos e pesos de chumbada pois estas não são âncoras, elas além do arremessodevem permitir que a isca se desloque lentamente, ajudando na procura do peixe, mastambém não deve permitir que a isca corra, fugindo do peixe.– Varas. Os tipos:- Caniços. Os caniços industrializados dividem-se em caniços para arremesso ou não.a) Caniços sem passadores que viram substituir as varas de bambu na pesca debarranco, também conhecidas como vara de lambari;b) Varas de lançamento para carretilhas ou molinetes, estas podem ser interline (aquelasque a linha passa por dentro de si, não requerendo passadores, podendo ser paramolinetes ou carretilhas), ou com passadores, estas diferem entre si na distribuição,quantidade e tamanho de seus passadores;- Iscas artificiais. Os tipos:- Iscas de superfície: São aquelas que obrigatoriamente funcionam a flor d’água, dividem-se em:* Popper: São modelos dotados de uma espécie de boca, cujo objetivo é de produzirruídos (quando trabalhados pelo pescador) de um peixe caçando ou algum tipo de vidaque eventualmente possa se manter a superfície (rã), estes modelos podem ser ou nãoarticulados.* Hélice (propbait): Estas iscas são dotadas de hélices, podendo ter um ou mais destesartefatos, que quando trabalhados procuram imitar sons de um inseto a se debates naágua ou pequenos peixes caçando ou se batendo na flor dágua.* Zara: São iscas que pela sua forma clássica de trabalho (em forma de Z), exige bastantetécnica do pescador, pois dependendo da velocidade do trabalho aplicado à isca, poderáproduzir sons e movimentos que imitam pequenos animais, como cobras, roedores e atémesmo um peixe agonizando.- Iscas de meia água: São iscas que tem por finalidade trabalhar ou funcionar a umaprofundidade compreendida entre alguns centímetros da flor dágua até a alguns metrosde profundidade, podendo ou não possuir barbela, dividem-se em:* Stick: Iscas que apresentam em sua parte traseira um peso que funciona como umlastro para mantê-la em posição vertical a linha dágua e tem por finalidade imitar namaioria das vezes um peixe ferido ou caçando.* Iscas Sem Barbela: São iscas que embora afundem, tem por finalidade funcionar emuma faixa intermediária dágua, que irá variar de acordo com a velocidade com que érecolhida.- Iscas de fundo: São iscas que por excelência trabalham no fundo, independente daprofundidade do local onde se pesca. De um modo geral estas iscas procuram seapresentar aos peixes como pequenos vermes, crustáceos ou peixes. Embora sejam defundo, nada impede que a criatividade de cada pescador as façam trabalhar na meiaágua. Dividem-se em:* Jig:Também conhecido como penachos, possuem a mesma estrutura dos grubs, tendo ahaste do anzol adornada com pêlos, penas ou cerdas.
  • 7. * Worm: Denominação aplicadas à minhoca plástica ou vermes.* Grub: São iscas dotadas de uma porção de chumbo fundido na haste de um anzol,sendo usado como atrativo pequenos objetos de borracha com aparência de peixes ouvermes que camuflam o anzol.- Linhas. Atualmente existem diversos tipos de linhas, indo do mono ao multifilamento,com características completamente diferentes quanto a sua aplicação. Estascaracterísticas estão relacionadas a maciez, resistência a abrasão, a uniformidade damedida do filamento, etc. O importante é que a linha a ser utilizada seja adequada ao tipode pesca a ser praticada.As linhas mais comuns e usuais são os monofilamentos.DIVULGAÇÃOUm bom pesque-pague comercializa mais de uma tonelada de peixes por semana e paraisso é fundamental um contínuo investimento em propaganda e na introdução de novasespécies, cativando deste modo o cliente existente e o cliente potencial.O ditado popular diz que “a propaganda é a alma do negócio”, mas a gente podecontinuar dizendo que os "músculos" também são importantes. Assim, entendemos quedotar os clientes internos (funcionários, os "músculos" do negócio) de informações sobreos produtos oferecidos é a chave para vendê-los ao cliente externo.Voltando à "alma do negócio", concluímos que para atingir o consumidor e garantir asvendas, você deve planejar o seu marketing. E como fazer isso? A primeira sugestão éfazer uma análise da sua realidade: identifique quais são os custos de seus serviços,adapte-os e busque a otimização de sua alocação. Mantenha seus consumidoresmotivados, partindo para uma revisão da sua estrutura de comercialização, avaliandoparalelamente, se essa estrutura atinge seu mercado-alvo com sucesso. Lembre-se que omarketing deve ser contínuo e sistêmico.Considere ainda, que num plano de marketing é importante o conhecimento de elementoscomo preço, produto (serviço), ponto (localização) e promoção. Avaliar as preferências enecessidades de seus clientes em relação às funções, finanças, facilidade, "feeling"(sensibilidade) e futuro.DIVERSIFICAÇÃO- Para propriedades rurais. Representam a possibilidade de aproveitamento de áreas erecursos hídricos pouco utilizados, proporcionando acréscimo de receita significativa aopatrimônio líquido de pequenas empresas que estão direcionadas para a produção depeixes com objetivo comercial. Nestas circunstâncias, surgem como mais uma alternativade comercialização (e de escoamento para o excesso de produção) para essas empresasde cultivo de peixes que também atendem a supermercados, hotéis, peixarias, indústriasprocessadoras, etc.- Para hotéis e clubes de campo. Construídos nestes locais, os tanques para pescafuncionam como mais um atrativo para a clientela, otimizando inclusive a utilização daestrutura pré-existente (piscina, play-ground e salão de jogos - anexos normalmenteexistentes em pesque-pague bem montados).- Para criadores. Enfim, a abertura de um pesque-pague usando os próprios tanques deengorda de peixes é uma excelente estratégia de despesca para muitos produtores,constituindo-se numa atividade econômica bastante atrativa, com significativa margem delucro.
  • 8. NOTÍCIASProteja Sua LinhaPor L.A.Siqueira - Consultor técnicoComo diz o velho ditado: "Água que tem piranha jacaré nada de costas". Na pescaesportiva o uso de empates e encastroadores são uma unânimidade quando se trata depeixes com dentes afiados. À bem da verdade, encastroar o anzol é muito mais queapenas evitar a ruptura por corte. Na pesca do pintado e do robalo(dentes minúsculos)agarantia dos empates é contra a abrasão causada pelo roçar constante da linha nessasserrilhas. O material do empate ou encastroador é bem discutível. Os mais utilizados sãoos aços rígidos(arame de aço inoxidável)com variação de espesura entre 0,20mm até0,70mm, e os de aço flexível(multifilamento de aço encapado com nylon)com variação deresistência em libragens de 15 à 100 lbs. Os dois tipos cumprem bem o papel de protejera linha, porém são mais ou menos eficientes de acordo com a situação. Os aços rígidossão indicados para pescarias com iscas naturais como tuviras, pirambóias, jejus e iscasbrancas. É o tipo mais utilizado para a pesca no pantanal. Os aços flexíveis são maisindicados para empates para iscas artificiais (colocado entre o snap e o líder) A únicadesvantagem deste tipo é que fica torcido com facilidade(fica semelhante à uma mola).Nos pesque-pagues é fundamental o uso desses dispositivos uma vez que são povoadoscom espécies dotadas de forte dentição. Entre eles destacam-se o pacu, o tambacu e otambaqui. Outras de menor porte como matrinchãs e piraputangas também são hábeiscortadoras de linhas. No que se refere ao tamanho, em pesque-pagues o comprimento doempate não precisa ultrapassar os 20cm. Para maior comodidade o pescador podecomprar os anzóis já encastroados diretamente nas lojas, ou encomendar no tamanhodesejado.Fonte: http://enciclopesca.vilabol.uol.com.brCURSOS E TREINAMENTOSABRACOA - Associação Brasileira de Criadores de Organismos AquáticosAv. Francisco Matarazzo, 455, Água Branca,São Paulo/SPCEP: 05031-900Tel.: (011) 3262-8274Fax: (011) 3801-2706E-mail: abracoa@uol.com.brhttp://abracoa.cjb.netVideocurso – Centro de Produções TécnicasRua Dr. João Alfredo 130 - Bairro Ramos - Viçosa-MGCEP: 36570-000Tel.: (31) 3899-7000 / Fax: (31) 3899-7091http://www.cpt.com.brEVENTOSO empreendedor deverá entrar em contato com as entidades, associações para obterinformações sobre os eventos, tipo, data, local de realização, entre outros.O SEBRAE/ES desenvolve um Programa de Aquicultura, no qual está inserida a atividadede Piscicultura. Mais informações pelo tel.: 0800399192.SEAFOOD EXPO - Feira internacional de pescados, frutos do mar e tecnologia paraindústria da aquicultura e pesca - Expo Center Norte - Pavilhão Amarelo - São Paulo/SP
  • 9. Organização: VNU Business Media do BrasilRua Wanderley, 832/ 848 - Perdizes 05011-00. São Paulo/SPTel.: (11) 3873-0081 / Fax: (11) 3873-1912E-mail: seafood@vnu.com.brhttp://www.seafood.com.brAQÜIMERCO - Simpósio Mercosul de AqüiculturaE-mail: winvitoria@winproducoes.com.brhttp://www.aquabio.com.brLEGISLAÇÃO ESPECÍFICAÉ interessante fazer uma consulta à “Cartilha do Fornecedor Capixaba”, que se encontradisponível na Biblioteca do SEBRAE/ES.Essa atividade exige o conhecimento de algumas leis:- Lei Federal nº. 8.078/1990 - Código de Defesa do Consumidor.- Lei Municipal nº. 6.080/2003 – Código de Posturas e Atividades Urbanas do Municípiode Vitória.- Lei 6.705/2006 – Aprovou o PDU do Município de Vitória.- Portaria IBAMA nº. 138/98. Estabelece normas para registro de aquicultor e pesque-pague no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis. A fiscalizaçãoé feita pelo IbamaREGISTRO ESPECIALPara registrar sua empresa você precisa de um contador. Profissional legalmentehabilitado para elaborar os atos constitutivos da empresa, auxiliá-lo na escolha da formajurídica mais adequada para o seu projeto e preencher os formulários exigidos pelosórgãos públicos de inscrição de pessoas jurídicas. Além disso, ele é conhecedor dalegislação tributária à qual está subordinada a nossa produção e comercialização. Mas,na hora de escolher tal prestador de serviço, deve-se dar preferência a profissionaisqualificados, que tenha boa reputação no mercado e melhor que seja indicado por alguémque já tenha estabelecido com ele uma relação de trabalho.Para legalizar a empresa é necessário procurar os órgãos responsáveis para as devidasinscrições:- Você deve procurar a prefeitura da cidade onde pretende montar a seu pesque-paguepara fazer a consulta de local;- Registro na Junta Comercial;- Registro na Secretaria da Receita Federal (CNPJ);- Registro na Secretaria Estadual de Fazenda – Sefaz-ES;- Registro na Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento;- Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (empresa ficará obrigada a recolher porocasião da constituição e até o dia 31 de janeiro de cada ano, a Contribuição SindicalPatronal);- Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social -INSS”.- Corpo de Bombeiros Militar.- Registro de Aquicultor - deverá ser feito o pedido na Federação da Agricultura Estadual,que enviará ao DPA – Departamento de Pesca e Aquicultura (Órgão do Ministério daAgricultura);- Licença Ambiental (SEAMA, CONAMA E IBAMA);- Liberação e registro na vigilância sanitária;
  • 10. ENTIDADESEmbrapa Meio AmbienteRodovia SP 340 - Km 127,5 Caixa Postal 69. Jaguariúna/SPCEP: 13820-000Fone: (19) 3867-8700 - Fax: (19) 3867-8740http://www.cnpma.embrapa.brMinistério da Agricultura - Coordenação Geral de Informação Documental Agrícola -BINAGRICaixa Postal: 02432CEP: 70849-970Brasília/DFE-mail: binagri@agricultura.gov.brTel.: 0800 611 995Fax: (61) 3321 8360http://www.agricultura.gov.brInstituto de PescaAv. Francisco Matarazzo, 455, Parque da Água Branca, metrô Barra FundaSão Paulo/SPCEP: 05001-900E-mail: diretoria@pesca.sp.gov.brTel.: (11) 3871-7502 e 3871-7542Fax: (11) 3871-7533CTA – Centro de Tecnologia em Aquicultura e Meio Ambiente Ltda.Av. Anísio Fernandes Coelho 1211, Jardim da Penha – Vitória/ESCEP: 29060-670Tels.: (27) 3345-4222 / 3325-2468 / 3225-2976 / 9941-7498http://www.cta-es.com.brAQUES – Associação dos Aquicultores do Espírito SantoEstrada Roças Velhas, Km 01, Vale do Moxuara. Cariacica/ESCEP: 29156-970Tel.: (027) 3254-1645 / 9941-1658E-mail: aques@terra.com.brDFA/ES - Delegacia Federal de Agricultura ES (SIF/Ministério da Agricultura)Av. Nossa Senhora dos Navegantes, 495, Térreo, Centro Empresarial Enseada Enseadado Suá – Vitória/ESCEP: 29050-420Tels.: (27) 3137-2283 – Dr. Olavo e 3137-2700http://www.agricultura.gov.brITAL – Instituto de Tecnologia de AlimentosAv. Brasil, n.º 2880 - Jardim Brasil – Campinas/SPCaixa Postal 139CEP: 13.073-001Tel.: (019) 3743-1700http://www.ital.sp.gov.brIAC - Instituto Agronômico de Campinas
  • 11. Av. Barão de Itapura, 148.1Campinas/SPCEP: 13020-902Tel.: (19) 3231-5422http://www.iac.sp.gov.brMinistério da Saúdehttp://www.saude.gov.brAgência Nacional de Vigilância SanitáriaSEPN 515, Bloco B - Edifício ÔmegaBrasília/DFCEP: 70770-502Tel.: (61) 3448-1000http://www.anvisa.gov.brIDAF - Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do ES.Rua Raimundo Nonato, 135 - Forte São JoãoVitória/ESCEP: 29010-540Tel. (27) 3132-1510http://www.idaf.es.gov.brINCAPER - Instituto Capixaba de Pesquisa Assistência Técnica e Extensão RuralRua Afonso Sarlo 160, Bento Ferreira. Vitória/ESCEP: 29052-010Tel.: (27) 3137-9888www.incaper.es.gov.brFORNECEDORES E FABRICANTESUNESP – Universidade Estadual PaulistaCentro de Aquicultura da UNESPVia de Acesso Prof. Paulo Donato Castelane, s/nCEP: 14884-900 Jaboticabal/SPTel.: (16) 3203-2110Fax: (16) 3203-2268E-mail: caunesp@caunesp.unesp.brhttp://www.caunesp.unesp.brFazem pesquisas, prestam assistência técnica e vendem alevinosSetor Pesqueiro – Site de informaçõeshttp://www.setorpesqueiro.com.brCODASP - Companhia de Desenvolvimento do Estado de São PauloAv. Miguel Stefano, 3900 – São Paulo/SPTel.: (011) 5077-6500Fax: (011) 5073-1048E-mail: codasp@sp.gov.brhttp://www.codasp.sp.gov.brConstroem tanques, lagoas e prestam assistência técnica
  • 12. EquipamentosSNatural Ltda.E-mail: snatural@sti.com.brTel.: (11) 5589-9680Cel.: (11) 9981-7626http://www.snatural.com.brRaçõesDumilho S.ARod. BR 262, KM 10,5, Calabouço. Viana/ESCEP: 2935-000Tel.: (027) 3344-1388Rações e Concentrados – Nutriave LTDAEnd.: Rod. BR 262 Km 19, Nova Viana. Viana/ESTelefax: (027) 3255-9999E-mail: rapacoco@hotmail.comPurina do Brasilhttp://www.agribrands.com.brPeixesBass Tecnologia em PisciculturaTelefone: (15) 3263-1195 / (15) 9709-1158E-mail: bass@basspiscicultura.com.brhttp://www.basspiscicultura.com.brBIBLIOGRAFIA- SEBRAE/NA. Criação de peixes, Edição: Sebrae, 1996, 62p.- KUBITZA, Fernando. Sistemas de Pesca Recreativa, SEBRAE/MT, 1997, 79 p.- IPT. Como Montar um "Pesque-Pague". Consulta nº0812/98.- Sites:http://www.snatural.com.brhttp://enciclopesca.vilabol.uol.com.brhttp://abracoa.cjb.nethttp://www.cnpma.embrapa.brhttp://www.cta-es.com.brÁREA RESPONSÁVEL E DATA DE ATUALIZAÇÃOUAC - Unidade de Atendimento e Comércio – SEBRAE/ESData da última atualização: fevereiro de 2007

×