Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Estudos genéticos em doenças Mendelianas e complexas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Estudos genéticos em doenças Mendelianas e complexas

  • 1,291 views
Published

Apresentação feita no grupo de genética do Instituto de Psiquiatria da USP (28/11/2013)

Apresentação feita no grupo de genética do Instituto de Psiquiatria da USP (28/11/2013)

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,291
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Genética de doenças complexas e estudos de associação do genoma inteiro Leandro Lima Doutorando em Bioinformática-USP Orientadora: Helena Brentani Co-orientador: Ronaldo Hashimoto (28/11/2013)
  • 2. Doenças Mendelianas (ou de herança Mendeliana) - Raras - Causadas por um só gene - Variações com alta penetrância
  • 3. Doenças multifatoriais - São doenças poligênicas e com influência do meio. São mais comuns que as doenças Mendelianas. - Como saber a composição genética de uma doença desse tipo? Herdabilidade: é a porcentagem da variação fenotípica causada pela variação genotípica Ex: altura (dado que a variação em uma população é de 50cm, quanto dessa variação é causado pelo ambiente e quanto é causado pela variação genética?)
  • 4. Figura: Bush and Moore (2012)
  • 5. Exemplo dos planetas Planeta dos clones Suponha a existência de um planeta em que todos os moradores tem o mesmo material genético. A variação fenotípica (ex: altura ou peso) é determinada só pela influência do ambiente Planeta com ambiente totalmente constante Agora suponha um planeta em que todos os seres tenham o material genético diferente, mas o ambiente seja igual em todos os lugares. A variação fenotípica é determinada somente pela componente genética (variação genotípica)
  • 6. Estudos com gêmeos (irmãos gerados na mesma gestação) Gêmeos monozigóticos (MZ) - são gerados a partir do mesmo zigoto (óvulo+espermatozóide) - tem o mesmo material genético ao nascerem Gêmeos dizigóticos (DZ) - podem ser gerados a partir de mais de um zigoto - têm cerca de 50% do material genético igual (mesma porcentagem que dois irmãos nascidos em gestações diferentes)
  • 7. Estudos com filhos adotivos Dada a existência de filhos adotivos com uma doença... - há na família original outros casos da doença (indicando influência genética)? - e na família adotiva (indicando influência do ambiente)? Ou ainda... - verificar se filhos de pais afetados que foram adotados por outra família desenvolveram a doença (indicando influência genotípica) ou não (indicando influência do ambiente).
  • 8. Concordância - Dado que um dos gêmeos tem um traço/doença, a concordância é a porcentagem das vezes em que o outro irmão também terá o traço/doença Ex: dados 100 pares de gêmeos MZ em que pelo menos um tinha esquizofrenia, em 60 pares o outro irmão também tinha. Logo, cmz = 60%.
  • 9. Cálculo da herdabilidade h² = (Cmz - Cdz)/(1 – Cdz), em que h² é a herdabilidade (que mede a fração da variação em razão dos genes); Cmz é a taxa de concordância entre co-gêmeos MZ e Cdz entre co-gêmeos DZ (Otto et al., 2004).
  • 10. Estudos de ligação - São estudos que têm o objetivo de encontrar partes do DNA que são herdadas juntas - São usados para relacionar regiões (loci) a um traço ou doença
  • 11. Estudos de ligação Figura: http://www.phgfoundation.org/tutorials/variantsDisease/2.html
  • 12. Ehlers-Danlos disease Teare and Barrett (2005)
  • 13. Figura: Bush and Moore (2012)
  • 14. Figura: Bush and Moore (2012)
  • 15. Problemas em estudos de ligação - Muitas doenças não são causadas por um gene (variação) específico - Dessa forma, identificar os marcadores fica bem mais difícil
  • 16. Estudos de associação - Relacionam variações a doenças Resultados positivos de associação podem ser relacionados a: 1. associação ao acaso (falso positivo) 2. desequilíbrio de ligação (associação indireta) 3. viés amostral (ou estratificação populacional) 4. associação real Fonte: http://www.phgfoundation.org/tutorials/variantsDisease/4.html
  • 17. Associação indireta Figura: Bush and Moore (2012)
  • 18. Projeto HapMap e 1000 genomas - Têm o objetivo de encontrar as principais variações comuns presentes em diferentes populações (ex: africana, européia e asiática) - Usando amostras de mais de 1000 pessoas, foram reportadas cerca de 300.000 a 600.000 SNPs.
  • 19. Processo do Projeto HapMap Figura adaptada do site do HapMap (http://hapmap.ncbi.nlm.nih.gov/whatishapmap.html)
  • 20. Desequilíbrio de ligação Figura: http://www.molvis.org/molvis/v14/a205/images/mv-v14-1727-f2.jpg
  • 21. Desequilíbrio de ligação Figura: Bush and Moore (2012)
  • 22. Estudos de associação em genoma inteiro (ou GWAS, genome-wide association studies) Figura: Wikipedia (GWAS)
  • 23. Problemas do GWAS - Nas plataformas padrão só há variantes comuns - Como capturar interações gênicas? - Arquitetura de doenças complexas é diferente Possíveis soluções: > Vias metabólicas > Levar em conta dados de região promotora, fatores de transcrição, ilhas de metilação, (e/m)QTL, microRNA, interação proteínaproteína
  • 24. Hipótese doença comum/variação comum (DCVC) - Doenças mais comuns seriam causadas por variações mais comuns na população Problema: GWASs têm conseguido explicar somente uma pequena parte da variação genética - Possíveis causas: 1. Muitas variantes comuns de pequeno efeito (solução: usar muito mais amostras) 2. Muitas variantes raras de grande efeito (solução: incluir variantes raras nas plataformas) 3. Alguma combinação de fatores genotípicos, do meio e interações epigenéticas (solução: estudar interações gênicas)
  • 25. Uso de interações proteína-proteína
  • 26. Referências Bush WS, Moore JH (2012) Chapter 11: Genome-Wide Association Studies. PLoS Comput Biol 8(12): e1002822. Otto PG, Otto PA, Frota-Pessoa O. Genética Humana e Clínica. Editora Roca, 2ª edição, 2004. Teare MD, Barrett JH (2005). Genetic linkage studies. Genetic Epidemiology 2. Lancet 2005; 366: 1036–44
  • 27. Perguntas?