Your SlideShare is downloading. ×
0
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

ApresentaçãO Reduzida Furg Mortalidade Infantil 2010

1,990

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,990
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Mortalidade Infantil: Responsabilidades com Pensamento Sistêmico [email_address] Arquivos: www.fmp.com.br/2008/img/gestao_conteudos/ F
  • 2. <ul><li>O que é um sistema? </li></ul>
  • 3. Från problem till system Source: Regionplane-och trafikkontoret – Martin Ängeby presentation
  • 4. Dicion ário Eletrônico Luft Primeira definição de sistema <ul><li>1. Conjunto de elementos inter-relacionados em vista de uma finalidade ; </li></ul>
  • 5. Qual é finalidade de reduzir mortalidade infantil? Qual é a missão? Não é apenas diminuir a quantidade de mortes, mas também propiciar Qualidade de Vida
  • 6. PLANEJAMENTO E GESTÃO SISTÊMICOS Busca : Sustentabilidade/Efetividade Paz – interna e externa Atuar: nas Causas e nas Conseqüências
  • 7. <ul><li>Quais sã o as verdadeiras causas do crescente desrespeito </li></ul><ul><li>à natureza e a dignidade humana, </li></ul><ul><li>própria e dos demais ? </li></ul>
  • 8. Fonte: Zero Hora - 31 de maio de 2009 Foto da Capa: Daniel Marenco
  • 9. 500 mil brasileiros que participaram da pesquisa Brasil Ponto a Ponto, realizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) responderam a pergunta: “O que deve mudar no Brasil para sua vida melhorar de verdade ?” <ul><li>A maior parte deles apontou o tema valores </li></ul>
  • 10. <ul><li>O que são valores? </li></ul>São Formas de perceber o mundo, e de agir a partir disso
  • 11. <ul><li>Percepção - Através dos cinco sentidos : </li></ul><ul><li>* Visão * Audição * Olfato * Tato * Paladar </li></ul>Gosto - Não gosto = “Ser” fica condicionado ao Quero - Não quero exterior - sentidos Busca Poder para Aproximar - gosto/quero Afastar - Não gosto/ Não quero Tenho - Não tenho
  • 12. <ul><li>Visão Cartesiana - Dissocia/Separa: </li></ul><ul><li>* Espírito - Ciência </li></ul><ul><li> * Mente - Corpo </li></ul><ul><li> *Sujeito - Objeto </li></ul><ul><li>* Meu - Teu </li></ul>= Ciclo dos Extremos v itimizar - Punir Individualismo - Condicionamentos Paradigmas Ofuscam a percepção de conjunto
  • 13. <ul><li>Sob outro ângulo... </li></ul><ul><li>Parece que as causas são sistêmicas, </li></ul><ul><li> ou seja, </li></ul><ul><li>Decorrem de RELAÇÕES interdependentes e inter-relacionadas entre diversos componentes do HABITAT. </li></ul>
  • 14. <ul><li>Como remediá-las ? </li></ul><ul><li>PLANEJAMENTO E GEST ÃO SISTÊMICOS </li></ul><ul><li>Que possibilitam a visão e a integração de recursos multidisciplinares, intersetoriais e transdisciplinares, cujo desempenho podem afetar, positiva ou negativamente, a sociedade como um todo. </li></ul>
  • 15. Fonte:Pensamento Sistêmico – Caderno de Campo – pág.69 - Bookman
  • 16. Fonte: Revista Época - 04 de maio de 2009, pág. 110
  • 17. Fonte: http://professorlindomar.blogspot.com/2008/01/atitude-ecolgica.html
  • 18. Desenvolver o Pensamento Sistêmico Perceber o sistema como um todo as relações /// as interconexões Para alterar o foco cartesiano, Para romper condicionamentos O que deve ser feito? Des - condicionar Des - envolver
  • 19. FAMÍLIA  CRACK Planejamento e Gestão Sistêmicos (PGS) Integração dos 3 setores e da Comunidade em geral Mapear e Integrar Atender Necessidades Nos 3 eixos de sustentabilidade <ul><li>Necessidades: </li></ul><ul><li>Fisiológicas; </li></ul><ul><li>Psicológicas e </li></ul><ul><li>Autorrealização. </li></ul><ul><li>Nos 3 eixos de </li></ul><ul><li>sustentabilidade : </li></ul><ul><li>Econômico; Social e </li></ul><ul><li>Ambiental. </li></ul>Integração dos 3 setores: Público; Privado e Sociedade Civil Organizada e da Comunidade em geral DHS Valores EFETIVIDADE SUSTENTABILIDADE PAZ Externa e Interna Efeitos Públicos Redes de Cooperação
  • 20. Na Prática - Atividades Gerais a partir do foco prioritário Integrar Mapear De forma sistêmica
  • 21. Mapear : 1- Necessidades (fisiológicas, psicológicas e que permitam a autorrealização); 2-Possibilidades 3- Atividades + Dos três setores e dos indivíduos da comunidade = (Banco de Dados)
  • 22. Integrar A) Reuniões B) Modelos – Projetos e Indicadores C) Replicação (fóruns, seminários, jornadas, internet, workshop , etc.)
  • 23. Em Rio Grande - Rede Família Foco: crianças e adolescentes abrigados e suas famílias Mapear (exemplos) . Via processos judiciais - Rede de Abrigagem . . A rede local e ampliada - mapa do capital social
  • 24. Integrar (exemplos) . Acompanhamento, orientação, educação e apoio sócio-familiar no contexto local das famílias; . Formação dos agentes comunitários por parte do Rede Família e o CEP-RUA - estabelecidas parcerias com os Conselheiros Tutelares; . Rede de Abrigagem; . Site <ul><li> Resultados (exemplos) </li></ul><ul><li>. Eficácia = diminuição do tempo de permanência de crianças e adolescentes em acolhimento institucional (apesar da expansão portuária) </li></ul><ul><li>. Eficiência = otimização dos recursos (menos papel - mais relação) </li></ul><ul><li>. Efetividade = cultura de atuar em redes de cooperação </li></ul>
  • 25. Rede Família : Prevenção, tratamento e reinserção/repressão à Drogadição  crack Mapear . Informações colhidas em reuniões e dados fornecidos pelos parceiros; . Elaboração do cenário com foco nos Bairros Castelo Branco I e II; . Análise do Relatório do Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB);
  • 26. Rede Família : Prevenção, tratamento e reinserção/repressão ao Drogadição  crack Integrar (exemplos) . Internet - Grupo Virtual Fazendo Frente ao Crack; . PPV - Programa de Prevenção à Violência . Grupo de Trabalho Drogadição - Comitê de Gestão Social ( CGS ) . Sistema de referência e contrarreferência     Resultados (exemplos) . Seminário - Política Municipal sobre Drogas do Rio Grande . Aumento do atendimento a usuários de crack através do ambulatório de saúde mental, do CENPRE e das comunidades terapêuticas; . Aumento das prisões por tráfico; . Apresentação de projeto   
  • 27. Edital da Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social
  • 28. Edital da Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social
  • 29. Comitê de Gestão Social ( CGS ) Resultados : Aplicação da Política Municipal sobre Drogas <ul><li>Grupo de Trabalho 1 - Prevenção e Pesquisa </li></ul><ul><li>Grupo de Trabalho 2 - Redução de Danos e Reinserção Social </li></ul><ul><li>Grupo de Trabalho 3 - Redução da Oferta </li></ul>
  • 30. Comitê de Gestão Social ( CGS ) : Aplicação da Política Municipal sobre Drogas Principais ações executadas/resultados <ul><li>GT-1 Prevenção e Pesquisa </li></ul><ul><li>Mapeamento e integração de ações e serviços do município - adesão de 27 entidades e serviços até o momento; </li></ul><ul><li>Construção de um instrumento de mapeamento e disponibilização dos dados em grupo virtual; </li></ul><ul><li>Início da distribuição de 65.000 panfletos contra o consumo de álcool e outras drogas por crianças e adolescentes; </li></ul><ul><li>Criação e ativação de cursos de capacitação para multiplicadores; </li></ul><ul><li>Planejamento do ciclo de palestras em escolas e outros centros de concentração de jovens - a serem efetivadas a partir do início do ano letivo; </li></ul>
  • 31. Comitê de Gestão Social ( CGS ) : Aplicação da Política Municipal sobre Drogas Principais ações executadas/resultados <ul><li>GT-2 RD e Reinserção Social </li></ul><ul><li>Inauguração de um Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPS-I); </li></ul><ul><li>Inauguração de um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS-AD); </li></ul><ul><li>Regulação das vagas das comunidades terapêuticas pelo CAPS AD; </li></ul><ul><li>Conveniamento de cinco comunidades terapêuticas; </li></ul><ul><li>Conveniamento com o Estado de 20 vagas em leitos hospitalares; </li></ul><ul><li>Integração total dos órgãos intervenientes; </li></ul>
  • 32. Comitê de Gestão Social ( CGS ) : Aplicação da Política Municipal sobre Drogas Principais ações executadas/resultados <ul><li>GT-2 Redução da Oferta </li></ul><ul><li>Três operações integradas - com participação dos órgãos de Segurança Pública (Polícia Civil, Brigada Militar e Polícia Federal), Ministério Público, Conselheiros Tutelares, Secretaria Municipal da Fazenda, Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito; </li></ul><ul><li>Após as operações - avaliações conjuntas e ampla divulgação na imprensa; </li></ul><ul><li>Motivação extraordinária de entidades e cidadãos - aumento da cooperação; </li></ul><ul><li>Outras operações integradas programadas para 2010; </li></ul>
  • 33. Em Rio Grande - PGS com foco na Saúde - Otimização da Rede de Fornecimento de Medicamentos <ul><li>1-Mapear (exemplos) </li></ul><ul><li>Instituições Participantes: </li></ul><ul><ul><ul><li>Coordenador do Comitê de Gestão Social (CGS) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ministério Público Estadual (promotoria com atribuições na saúde e na infância e juventude) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Secretaria Municipal da Saúde (Secretária, Farmacêutica e corpo técnico) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Defensoria Pública do Estado (defensor com atribuição na infância e juventude, ajuizamento e matéria cível) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ministério Público Federal (procurador com atribuição na saúde) </li></ul></ul></ul>
  • 34. <ul><li>Instituições Participantes: </li></ul><ul><ul><ul><li>Magistratura estadual (juiz com jurisdição na área cível e infância) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Procuradoria do Estado </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Procuradoria do Município </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Advocacia geral da união </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Coordenadoria Regional de Saúde do Estado </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conselho Municipal da Saúde </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conselho Tutelar </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Equipe técnica dos abrigos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Coordenador do Programa Rede Família </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Associação de caridade Santa Casa do Rio Grande (diretoria e profissionais médicos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hospital Universitário Miguel Riet Correa Júnior (diretoria e profissionais médicos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ASSEDISA (Assoc.dos Secretários e Dirigentes da Saúde) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>CACON/UNACON </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ESF (Estratégia de Saúde da Família) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Agentes comunitários e Presidentes de Bairros </li></ul></ul></ul>
  • 35. Em Rio Grande - PGS com foco na Saúde - Otimização da Rede de Fornecimento de Medicamentos 2- Integrar (exemplos) 2.1 – CRITÉRIOS PARA O ATENDIMENTO INICIAL: 2.1.1 formulário unificado de justificativa médica para uso de medicamento não padronizado, tanto em âmbito administrativo como judicial; 2.1.2 negativa administrativa para o ingresso de demandas judiciais, exceto casos urgentes para os quais basta o protocolo administrativo;
  • 36. 2- Integrar (exemplos) 2.2 – CRITÉRIOS PARA A JUDICIALIZAÇÃO: 2.2.1 em se ajuizando a demanda em desfavor do município e estado, preferencialmente efetivar bloqueio judicial, em caso de descumprimento, em desfavor do ente responsável pelo fornecimento do fármaco, segundo listas padronizadas de medicamentos; 2.2.2 intimação da concessão da tutela antecipada via fax;
  • 37. Em Rio Grande - PGS com foco na Saúde - Otimização da Rede de Fornecimento de Medicamentos 3 – RESULTADOS JÁ OBTIDOS (EXEMPLOS) 3.1 – organização da rede de atenção à saúde, com foco nos medicamentos; 3.2 redução de cerca de 80% do ajuizamento de demandas judiciais; 3.3 redução do tempo de espera do paciente para o recebimento do remédio;
  • 38. 3 – RESULTADOS JÁ OBTIDOS (EXEMPLOS) 3.4 integração dos profissionais afetos à saúde, com a conseqüente redução da burocracia entre a comunicação entre os integrantes da rede; 3.5 redução do número de bloqueios judiciais; 3.6 impossibilidade do cidadão receber o remédio na farmácia pública e obter bloqueio simultâneo, locupletando-se indevidamente; 3.7 No Estado do RGS - formação de um grupo de trabalho para replicação da metodologia em outros municípios;
  • 39. PGS - No Estado do RGS - Programa de Qualificação em Gestão Pública Mapear . Informações recebidas pelos parceiros: . Famurs .FMP .CDP . Banrisul . Corag Integrar Seminários em todas as regiões funcionais Resultados . Participação de centenas de pessoas; . Solicitação de EAD - Educação à Distância . Pedidos de capacitações de 12 a 16 horas em PGS ; .
  • 40. FAMÍLIA  CRACK Planejamento e Gestão Sistêmicos (PGS) Integração dos 3 setores e da Comunidade em geral Mapear e Integrar Atender Necessidades Nos 3 eixos de sustentabilidade <ul><li>Necessidades: </li></ul><ul><li>Fisiológicas; </li></ul><ul><li>Psicológicas e </li></ul><ul><li>Autorrealização. </li></ul><ul><li>Nos 3 eixos de </li></ul><ul><li>sustentabilidade : </li></ul><ul><li>Econômico; Social e </li></ul><ul><li>Ambiental. </li></ul>Integração dos 3 setores: Público; Privado e Sociedade Civil Organizada e da Comunidade em geral DHS VALORES EFETIVIDADE SUSTENTABILIDADE PAZ Externa e Interna Efeitos Públicos Redes de Cooperação
  • 41. = Paz interna e externa = Efetividade dos Direitos Humanos e do Sistema como um todo (implementação da Agenda Habitat ) Então: 1+2+3+4 = DHS Valores
  • 42. Da Prática - Resultados Gerais Na Missão - Consciência da Unidade Na vida - Cooperação  Cultura  valores  Educação  Cooperação Qualificada  Missão Comum = Paz No ambiente - Ciclo do Equilíbrio - da Harmonia
  • 43. Qual é o sentido da vida ? Qual é a nossa missão comum ? Parece que o mais importante na vida é a Qualidade das Relações que estabelecemos com nossa consciência e com os seres vivos e objetos com os quais interagimos. Parece mais! Parece que para nós atingirmos a sustentabilidade, a efetividade e a Paz, interna e externa, é necessário que percebamos isso. Rodrigo (rsmoraes@mp.rs.gov.br) Arquivos: www.fmp.com.br/2008/img/gestao_conteudos/
  • 44.  
  • 45. Você vai encontrar a versão estendida nos próximos slides
  • 46. <ul><li>Aprofundando um pouco mais a reflexão … </li></ul><ul><li>OBS: Os próximos gráficos explicitarão de uma forma mais detalhada a metodologia de Planejamento e de Gestão Sistêmicos através da Metodologia Balanced Scorecard – BSC (usando, de forma circular, um mapa estratégico). </li></ul><ul><li>Ademais, demonstrarão a sintonia do que foi antes articulado com os seguintes gráficos: ciclo dos extremos, ciclo do equilíbirio/harmonia e implicações biopsicossociais. </li></ul><ul><li>Maiores explicações e outros arquivos no endereço eletrônico www.fmp.com.br/2008/img/gestao_conteudos/, </li></ul><ul><li>da Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP) </li></ul>
  • 47. RESUMO DOS GRÁFICOS QUE SERÃO APRESENTADOS O Objetivo do Gráfico Planejamento e Gestão Sistêmicos é fomentar a adoção de metodologia que possibilite serem alcançadas a efetividade, a sustentabilidade e a Paz, interna e externa. Levando em consideração que as causas do crescente desrespeito à natureza e à dignidade humana (própria e dos demais), são sistêmicas, ou seja, decorrem de relações interdependentes e interrelacionadas entre diversos componentes do Habitat , preconiza-se a adoção da metodologia de Planejamento e de Gestão Sistêmicos, que possibilita, a partir do(s) foco(s) prioritário(s) escolhido(s) (como, por exemplo, o planejamento familiar, o crack , a gripe H1N1, um alagamento, a construção de uma estrada, etc.) e relevando o contexto familiar, a visão e a integração de recursos multidisciplinares, intersetoriais e transdisciplinares. Assim, pode-se estabelecer o que fazer, como, quem, onde e quando/porque, bem como de que forma mapear e integralizar todos esses componentes. Para isso, é importante que seja percebida a missão comum, a ser concretizada com o atendimento integral das necessidades fisiológicas, psicológicas - segurança, pertencimento e autoestima - e de autorrealização (diferentemente de desejos), gerando impactos proporcionais nos três eixos da sustentabilidade ( econômico, social – saúde, educação, cidadania e segurança – e ambiental) e através da cooperação. Desse modo, são produzidos efeitos públicos, agregando valor sustentável às atividades desenvolvidas.
  • 48. RESUMO DOS GRÁFICOS QUE SERÃO APRESENTADOS Essa missão comum, vislumbrada como efeitos públicos, exige e favorece a formação de redes de cooperação para a atuação sistêmica, priorizando a família e permitindo a integração dos três setores (público, privado e sociedade civil organizada) e dos indivíduos da comunidade em geral. Esse contexto, favorece a democracia, participativa e representativa, propiciando o Desenvolvimento Harmônico e Sustentável (DHS) e a sobrevivência de todos os seres vivos. Contudo, para que isso possa ser consolidado, o planejamento e a gestão deverão produzir o pensamento sistêmico, contemplando o mapeamento das necessidades, possibilidades e atividades relacionadas ao(s) foco(s) prioritário(s), com o que se poderá atuar de forma sistêmica. Desse modo, possibilita-se a inclusão das pessoas principalmente naquelas ações nas quais se sentem entusiasmadas, fazem a diferença (‘slice of heart’) na sociedade, sendo, por isso, lembradas, reconhecidas e valorizadas. Assim, os membros da sociedade constatarão que são úteis no contexto maior, o que aumenta a motivação na busca de aperfeiçoamento, gerando sustentabilidade no ambiente interno e externo. Isso propicia a conscientização da corresponsabilidade e a compreensão do binômio dever-direito, despertando a noção de contexto e afastando práticas imediatistas baseadas exclusivamente na punição ou vitimização. Desenvolve, dessa maneira, o perceber e agir (valores) de forma sistêmica.
  • 49. RESUMO DOS GRÁFICOS QUE SERÃO APRESENTADOS Em termos mais amplos, esse contexto permite o acesso a recursos aptos a implementar ações (voluntariado, CAIXA, BNDES - Redes Sociais, etc.), bem como garante o cumprimento de diversos Tratados, Convenções, Pactos e Planos de Ações das várias Conferências das Nações Unidas (Agenda Habitat para Municípios, Convenção Sobre os Direitos da Criança, Plano de Ação da Conferência Mundial de População e Desenvolvimento, etc.). Ademais, como a metodologia de Planejamento e de Gestão Sistêmicos embasa-se em metodologias de gestão reconhecidas internacionalmente e utiliza ferramentas e sistemas de avaliação, pode-se elaborar indicadores de desenvolvimento sistêmico e, até mesmo, um Índice de Desenvolvimento Harmônico e Sustentável (IDHS), transparentes e, portanto, confiáveis. Desse modo, diminui o risco dos investimentos efetivados, o que atrai novos recursos nacionais e internacionais. Assim, desenvolve-se um ciclo de efeitos públicos, ambiente no qual são alcançadas a efetividade e a sustentabilidade. Na verdade, a Paz, interna e externa.
  • 50.  
  • 51.  
  • 52.  
  • 53.  
  • 54.  
  • 55.  
  • 56.  
  • 57. RESUMO DOS GRÁFICOS QUE SERÃO APRESENTADOS
  • 58. RESUMO DOS GRÁFICOS QUE SERÃO APRESENTADOS
  • 59. RESUMO DOS GRÁFICOS QUE SERÃO APRESENTADOS
  • 60. RESUMO GERAL DOS GRÁFICOS
  • 61.  
  • 62.  
  • 63.  
  • 64.  
  • 65.  
  • 66.  
  • 67.  
  • 68.  
  • 69.  
  • 70. Por que és o que és, sentes o que sentes, buscas o que buscas? Qual a contribuição da família no traçado deste ser? Rodrigo Schoeller de Moraes [email_address] Arquivos: www.fmp.com.br/2008/img/gestao_conteudos/
  • 71.  
  • 72.  
  • 73.  
  • 74.  
  • 75.  
  • 76.  
  • 77.  
  • 78.  
  • 79.  
  • 80. Qual é o sentido da vida ? Qual é a nossa missão comum ? Parece que o mais importante na vida é a Qualidade das Relações que estabelecemos com nossa consciência e com os seres vivos e objetos com os quais interagimos. Parece mais! Parece que para nós atingirmos a sustentabilidade, a efetividade e a Paz, interna e externa, é necessário que percebamos isso. Rodrigo (rsmoraes@mp.rs.gov.br) Arquivos: www.fmp.com.br/2008/img/gestao_conteudos/

×