Your SlideShare is downloading. ×
02 introducao pre_impressao
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

02 introducao pre_impressao

6,102
views

Published on


1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
6,102
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
412
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Processos de PréProcessos de Pré--ImpressãoImpressão TECNOLOGIASTECNOLOGIAS Leandro Canabrava Damas Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 2. Equipamentos deEquipamentos de P.I.P.I. Em pré-impressão, destacam-se de equipamentos que digitalizam originais, produzem filmes para gravação de matrizes, gravam de matrizes diretamente e imprimem provas digitais. São eles: • Scanners: digitalizam originais, sejam eles cromo, fotografias, impressos ou originais à traço. Perderam espaço para a fotografia digital. • Imagesseters: sensibilizam um filme fotossensível, o fotolito. Este fotolito é revelado e utilizado na gravação de matrizes de impressão. • Platesseters: sensibilizam chapas (matrizes) offset. Eliminam a etapa do fotolito, reduzindo custos. Existem tecnologias similares para outros processos: flexografia, serigrafia e rotogravura. • Impressoras digitais: fazem a impressão de provas de texto, imposição ou cores, para revisão e aprovação. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 3. ScannersScanners Embora cada vez menos utilizados, duas classes de scanners profissionais podem ser destacadas: • Scanners planos: semelhantes aos scanners de mesa domésticos popularizados no final da década de 90. Possuem melhor captura de cores e resolução muito superior a eles (até 9600 PPI). Podem digitalizar originais transparentes, opacos e objetos tridimensionais. • Scanners cilíndricos: desenvolvidos especialmente para digitalização de cromos (um positivo, semelhante aos slides), são ainda mais poderosos que os scanners planos. Para se ter uma idéia, o preço destes equipamentos superava a marca de $ 100.000 (cem mil dólares). * PPI (pixel per inch): quantidade de pixels por polegada (linear) que um equipamento pode gerar, também relacionado à resolução imagens digitais, chamadas bitmaps (mapa de bits). Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 4. ScannersScanners SCANNERS PLANOS (OU DE MESA) Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 5. ScannersScanners SCANNERS CILÍNDRICOS Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 6. Scanners X BitmapsScanners X Bitmaps Quando utilizamos um scanner para digitalizar originais, estamos transformando uma imagem em tom contínuo (transição suave de tons) para uma imagem em bitmap (formada por pixels). Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica O mesmo ocorre na fotografia digital, onde os tons da imagem capturada são traduzidos em pixels. A resolução (em PPI) é denominada resolução de entrada.
  • 7. Imagesseter / CTFImagesseter / CTF Sua função é gravar em um filme fotossensível as imagens que serão então gravadas na matriz a partir dos arquivos digitais. Isto é feito através de lasers e para cada cor é gerado um filme diferente. A função deste filme, chamado fotolito, é permitir ou impedir a passagem da luz durante a gravação da matriz. Para cada ponto a ser impresso, a imagesseter pode gravar até 256 variações de tamanho. Isto permite que sejam geradas tonalidades de uma mesma cor ou melhor desenho de traços. Em diferentes processos de impressão, os fotolitos são distintos e, muitas vezes, a própria imagesseter também. * Os sistemas que utilizam imagesseter e fotolito são chamados Computer to Film (do computador para o filme) - CTF. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 8. Imagesseter / CTFImagesseter / CTF Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Figura: visão externa
  • 9. Imagesseter / CTFImagesseter / CTF Figura: visão interna Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 10. Imagesseter / CTFImagesseter / CTF Figura: visão esquemática Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 11. PlatesseterPlatesseter / CTP/ CTP Sua função é gravar as imagens, textos e ilustrações, ou seja, os layouts) diretamente na matriz a partir dos arquivos digitais, reduzindo custos, diminuindo variáveis (erros) e tempo de produção. Como nas imagesseters, para cada cor é gerado uma matriz. A platesseter pode gravar até 256 variações de tamanho de pontos a serem impressos. Isto permite que sejam geradas tonalidades suaves de uma mesma cor ou melhor desenho de traços. Esta tecnologia surgiu inicialmente no processo offset. Para outros processos de impressão existem tecnologias semelhantes, mas com maquinários diferentes. * Os sistemas que utilizam platesseters (para offset) são chamados Computer to Plate (do computador para a chapa) - CTP. Este termo acabou sendo utilizado também para os demais processos. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 12. PlatesseterPlatesseter / CTP/ CTP Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Inicialmente as platesseters gravavam matrizes de poliéster, muito parecidas com os fotolitos. Embora não tivessem a mesma qualidade e durabilidade das matrizes de alumínio convencionais, era um grande avanço pois eliminava-se uma etapa da pré-impressão. Posteriormente foram desenvolvidos equipamentos mais modernos, que utilizavam chapas de alumínio com qualidade até melhor que as convencionais.
  • 13. CTP x SerigrafiaCTP x Serigrafia Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica A adaptação do sistema CTP para matrizes serigráficas já é realidade, embora menos comum. A tecnologia, embora com princípio semelhante, é distinta da do processo offset. Costuma ser denominada CTS (computer to screen).
  • 14. CTP x FlexografiaCTP x Flexografia Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica A adaptação do sistema CTP para matrizes flexográficas já é realidade muito embora, como na serigrafia, seja mais rara. A tecnologia, embora com princípio semelhante, é também distinta tanto da gravação de chapas offset, como de telas serigráficas. Nas figuras abaixo podemos ver equipamentos para gravação de matrizes para banda estreita (à esq.) e banda larga (à dir.).
  • 15. CTP x RotogravuraCTP x Rotogravura Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica A adaptação do sistema CTP para matrizes de rotogravura existe, mas é ainda mais raro que os demais, devido ao seu alto custo. Esta tecnologia costuma ser denominada como CTC (computer to cylinder). Veja, a figura a seguir:
  • 16. ComputerComputer toto PressPress Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Este sistema é caracterizado pelo envio dos arquivos digitais diretamente para o equipamento de impressão. É dividido em duas classes tecnológicas: DIRECT IMAGING - IMPRESSÃO OFFSET: - Gravação a laser, 1270 dpi. Matriz física, não reutilizável; - Utiliza CTP interno: alto custo inicial de investimento, pouca flexibilidade; - Agilidade no processo: 20 minutos para início do trabalho.
  • 17. ComputerComputer toto PressPress Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica COMPUTER TO PRINT - IMPRESSÃO DIGITAL: - Eletrografia, magnetografia (matriz regravável) ou jato de tinta; - Equipamentos com custo bastante variável - R$ 200 a R$ 1 milhão; - Impressão “instantânea”, mas lenta: máx. 110ppm; - Vários suportes e formatos; - Insumos caros (tinta / tonner): menores tiragens, impressão sob demanda.
  • 18. ComputerComputer toto PrintPrint x Provas de Impressãox Provas de Impressão Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Após finalizados os arquivos digitais que serão impressos em larga escala, é extremamente recomendável fazer provas de impressão. As provas de impressão podem ter finalidades distintas: • Provas de revisão: podem ser P&B, realizadas em impressoras simples (jato de tinta ou laser), tendo como objetivo a revisão de textos e posicionamento dos elementos gráficos. • Provas de imposição: podem ser P&B, sendo geralmente impressas em dispositivos de maior formato de página. O objetivo é verificar a montagem e sequência das páginas para a impressão e acabamentos. É importantíssima para trabalhos editoriais. • Provas de cor / provas de contrato: realizada geralmente na gráfica em equipamentos previamente calibrados para conferência e aprovação das cores que deverão ser obtidas.
  • 19. Processos de PréProcessos de Pré--ImpressãoImpressão RETICULAGEMRETICULAGEM Leandro Canabrava Damas Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 20. Resolução: CTF & CTPResolução: CTF & CTP O menor elemento que compõe a gravação dos fotolitos nas imagesseters, das chapas nas platesseters (e tecnologias similares) e impressoras digitais é denominado DOT. Por esta razão, a resolução destes equipamentos é expressa em DPI (dots per inch / por polegada) e denominada resolução de saída. É como se fossem “redesenhados” os elementos gráficos em papel milimetrado. Quanto menor os “quadradinhos”, maior a quantidade deles em uma mesma área e, portanto, melhor a qualidade da reprodução de bitmaps, fontes ou ilustrações vetoriais. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 21. PixelsPixels x Dotsx Dots Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Na reprodução das imagens em bitmap (formadas por pixels), cada conjunto de dois pixels lineares produzirá um ponto de impressão. Desta forma, para gravar este ponto, a imagesseter vai fazê-lo de acordo com sua resolução. Veja a seguir um ponto de impressão sendo gravado a partir de pixels. No exemplo ao lado vemos uma malha de 8 x 8 = 64 quadradinhos utilizados para o desenho do ponto de impressão na imagesseter. Isto quer dizer que a média de cor dos 4 pixels (2x2) - 50% de cinza - irá utilizar 32 dots para a construção de um ponto de 50%. Entretanto, o ideal é poder reproduzir 256 variações (16x16) e não 64. Desta forma, para cada 2 pixels, são necessários 16 dots e vice-versa.
  • 22. ReticulagemReticulagem Finalmente, o processo de gravação de um fotolito ou matriz de impressão transforma, na prática, a imagem digital em retículas que serão impressas. O que produz a sensação de tons (claro e escuro) é a variação do tamanho dos pontos. Em cores, esta variação trabalha a saturação. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 23. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica SEPARAÇÃO DE CORES
  • 24. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica É a quantidade de pontos impressos em uma determinada área de impressão. Pode ser medido em linhas de pontos por centímetro (LPC) ou por polegada (LPI – lines per inch). Quanto menor o LPI, menor a definição da imagem na impressão. É conhecida como resolução de impressos. LINEATURA
  • 25. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica LPI alto LPI baixo LINEATURA X DEFINIÇÃO DA IMAGEM
  • 26. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica LINEATURA X SUPORTES DE IMPRESSÃO A tabela ao lado apresenta como referência as principais lineaturas utilizadas no processo offset. Seu uso pode ser determinado pelo grau de exigência da peça gráfica ou limitado pelas propriedades do suporte de impressão. Hoje em dia pode-se utilizar lineaturas até maiores (300lpi), dependendo da tecnologia dos maquinários e do controle da impressão.
  • 27. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica LINEATURA X PROCESSOS DE IMPRESSÃO De acordo com o processo de impressão, poderá haver também limitação técnica no uso da lineatura, seja pelas características da matriz, seja pelos suportes que serão utilizados. Veja, a seguir, as mais comuns: Serigrafia: varia geralmente de 40 a 80 lpi, mas chegam a 100 lpi. Flexografia: cerca 60 lpi, mas chegam a 130lpi. Offset: chega a 300 lpi, mas depende do objetivo e do suporte. Rotogravura: varia bastante, sendo 200 lpi atingidos. Digital: em geral utiliza outro tipo de impressão, cuja resolução é indicada em DPI. Algumas impressoras (PostScript) podem fazer retículas convencionais, chegando a 150 lpi (2400 dpi).
  • 28. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica ANGULAÇÃO DE RETÍCULAS Angulação padrão para offset. Em alguns processos como a serigrafia e a flexografia acrescenta-se 7.5o em cada cor para evitar a coincidência com os ângulos da tela (serigráfica) ou cilindro anilox (flexografia). A configuração incorreta dos ângulos de retícula pode ocasionar o moiré (moarê).
  • 29. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica ROSETA DE IMPRESSÃO Embora possa ser considerado um “defeito”, é imperceptível a olho nu se a lineatura não for baixa demais. É resultado da angulação correta das retículas, um “defeito programado”.
  • 30. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Resolução entrada: relacionada às imagens digitais bitmapeadas, determinada em pixels por polegada (PPI) ou pixels por centímetro (PPP). É considerada ideal quando corresponde ao dobro da lineatura ou 1/8 da resolução de saída. RESOLUÇÃO (BITMAPS X IMAGESSETERS X IMPRESSÃO) Resolução de impressos: relacionada aos pontos impressos, é determinada em linhas de pontos por polegada (LPI) ou linhas de ponto por centímetro (LPC). Depende do sistema e suporte de impressão. É denominada lineatura. Resolução saída: relacionada à imagesseters, platesseters (e similares) e impressoras digitais. É determinada em dots por polegada (DPI). Para uma boa reprodução deve ser 16 vezes maior que a lineatura.
  • 31. ReticulagemReticulagem Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica RETICULA AM (amplitude modulada) - As cores são separadas em ângulos distintos; - Tamanho dos pontos variável, espaçamento fixo; - Utilizam a lineatura como referência; - É conhecida como retícula convencional. RETICULAS FM (frequência modulada) - Não utiliza angulação; - Espaçamento dos pontos variável, tamanho fixo; - É conhecida como retículas estocástica.
  • 32. Processos de PréProcessos de Pré--ImpressãoImpressão IMPRESSORAS & LINGUAGENSIMPRESSORAS & LINGUAGENS Leandro Canabrava Damas Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 33. Impressoras & LinguagensImpressoras & Linguagens Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica As impressoras digitais, imagesseters e platesseters funcionam sempre a partir de um driver, e muitas vezes possuem softwares com muitos parâmetros configuráveis, chamados RIPs. Os drivers e RIPs são uma forma de dialogar software e hardware, utilizando determinadas linguagens de programação. Estas linguagens, que transformam layouts gráficos (ou mesmo imagens) em instruções para que as impressoras interpretem e consigam reproduzir os arquivos digitais. São elas: PostScript e PCL (printer comunication language). Cada linguagem tem as suas vantagens e desvantagens - a PCL é melhor no dia-a-dia, para documentos de escritório com texto, enquanto a PostScript descreve os elementos de um layout (textos, bitmaps e vetores) em forma de texto para que sejam interpretados e impressos.
  • 34. Impressoras & LinguagensImpressoras & Linguagens Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica LINGUAGEM PCL A Printer Comunication Language (ou PCL) foi desenvolvida HP (Hewlett Packard) e se tornou padrão na maioria das impressoras a jato de tinta ou laser (Epson, Canon, HP, etc.); É uma linguagem eficiente, mas limitada. Não suporta o principal formato de intercâmbio de arquivos, o EPS que utiliza o PostScript. Outro problema é que esta impressora imprime de tudo, sem restrições: fontes TrueType, efeitos com problema, etc. É como se déssemos um “PrintScreen” na tela. O que poderia ser vantagem, ilude aqueles que confiam nas cores da sua impressão ou mesmo nos arquivos que estas impressoras imprimem. Além do mais, elas não conseguem simular as retículas que serão impressas, não servindo como impressoras de prova.
  • 35. Impressoras & LinguagensImpressoras & Linguagens Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica LINGUAGEM POSTSCRIPT Foi desenvolvida pela Adobe e é padrão em todos os dispositivos high-end: imagesseters, platesseters e algumas impressoras digitais. Foram lançadas três versões ao longo do tempo: PostScript Level 1, 2 e 3, para interpretar novos recursos de programação (transparências, canais spot, etc.) Descreve os elementos de um layout (textos, bitmaps e vetores) em forma de texto para que sejam interpretados e impressos. Costumam apresentar problemas com alguns recursos gráficos: - Efeitos “bitmap” e transparências quando utilizados em softwares vetoriais ou de diagramação, especialmente o CorelDRAW; - Incompatibilidade com algumas fontes.
  • 36. Processos de PréProcessos de Pré--ImpressãoImpressão PROBLEMAS RECORRENTESPROBLEMAS RECORRENTES Leandro Canabrava Damas Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  • 37. ProblemasProblemas Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica MOIRÉ (OU MOARÊ) É resultado da angulação equivocada da retícula, quando os ângulos de cada cor tem diferença menor do que 30 graus. Visível a olho nu, é um defeito que deve ser evitado a qualquer custo. A digitalização de originais previamente impressos também ocasionam este defeito e devem ser evitados, muito embora existam alguns filtros no Photoshop e nos scanners que minimizam o problema.
  • 38. ProblemasProblemas Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica TONS DE CINZA O aumento da lineatura de retícula (lpi) em dispositivos de saída com baixa resolução (dpi) acarreta a diminuição dos tons de cinza. Este problema é bastante comum quando se utiliza impressoras laser para simulação de retículas. Veja ao lado este problema e o cálculo dos tons de cinza. Dica: a lineatura de impressão (lpi) nunca deve ser maior que 1/16 da resolução (dpi) do dispositivo de saída.
  • 39. ProblemasProblemas Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica RESOLUÇÃO DE BITMAPS Uma imagem digital com resolução insuficiente (baixo ppi) sempre resultará em problemas de serrilhamento, mesmo que os dispositivos de saída e impressão possuam altas resoluções (alto dpi / lpi). Veja abaixo o exemplo de duas imagens impressas em dispositivos de alto dpi. Elas possuíam, respectivamente 72ppi (esq.) e 300ppi (dir.).
  • 40. ProblemasProblemas Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica RESOLUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE SAÍDA Da forma análoga ao problema anterior, de nada adianta uma imagem em bitmap estar em alta resolução (ppi) se o dispositivo de saída não puder reproduzí-la nesta qualidade devido ao baixo dpi. Veja abaixo o exemplo de duas imagens de alta resolução enquanto bitmap (300ppi) e impressas em resoluções (dpi) diferentes. Respectivamente 300 dpi (à esquerda) e 2400ppi ( à direita).
  • 41. ProblemasProblemas Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica VETOR X BITMAP Boa parte dos problemas nesta relação reside na incompreensão e desrespeito de algumas regras básicas: - Bitmaps dependem de resolução e profundidade de cor. Não podem ser ampliadas sem restrição nem gravadas com muita compactação. - Vetores são livres em termos de ampliação e redução, mas deve-se evitar extrema complexidade ou a utilização de recursos tipicamente de bitmap sem cuidados especiais.