Pdf a criança de seis anos no ef

6,269 views
5,973 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,269
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
133
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pdf a criança de seis anos no ef

  1. 1. 2012A criança de Seis Anos no EF Por Leila Silva Diretoria de Ensino São José dos Campos Responsável: Leila Silva PCNP do Núcleo Pedagógico das Séries Iniciais.
  2. 2. AÇÃO DE FORMAÇÃO DOS 1º ANOS DAS SÉRIES INICIAIS DO Ensino Fundamental “Se desejarmos formar seres criativos, críticos e aptos para tomar decisões um dos requisitos é o enriquecimento do cotidiano infantil com a inserção de contos, lendas, brinquedos e brincadeiras. ” Tizuko Morchida Kishimoto - Professora Titular da Faculdade de Educação da USPJustificativa  Aprofundamento das práticas de leitura e escrita, uma vez que se faz necessário pontuarmos algumas questões, referentes às condições didáticas necessárias ao desenvolvimento de procedimentos no contexto da sala de aula do 1º Ano de escolaridade das crianças. A Escola deve garantir a vivência de situações reais em que as crianças sejam levadas a falar em situações públicas como feiras de ciências, debates, seminários, exposições.Contextualização Seguem as ações de Formação dos Professores de 1º Anos e Coordenadores Pedagógicos:  Quatro encontros de Formação de Professores e Coordenadores realizadas nas seguintes datas: - 5 e 6 de Março, 24 e 25 de Abril, 5 e 6 de Junho, 14 e 15 de agosto.  Exposição dos Projetos desenvolvidos pelas escolas dentro do Programa Ler e Escrever em Setembro: Dia 20 – Abertura das 19h30 às 21h30 no Auditório do SESC 21 - Exposição de projetos na quadra poliesportiva do SESC, com oficinas e Workshop Manhã: das 9h às 10h e das 10h às 11h Tarde: 14h às 15h e das 15h às 16h 22 – Dia da família no SESC para visitação da exposição. Haverá banners e recreação. Sugestão de sábado letivo. Encaminhar bilhete para fazer a confirmação de presença. A escola poderá organizar a contratação de ônibus. Manhã: das 10h30 ás 12h Projetos propostos para 2012. 1. Guia de Planejamento do Ler e Escrever, 2. Projetos do Curso Santillana do 1º Ano, 3. Projetos desenvolvidos pelas escolas que atendem as Regulamentações legais. 4. Sequências de atividades da THA do Projeto EMAI.
  3. 3. Culminarão com uma ―Exposição dos 1º anos das Séries Iniciais‖. Referem-se às Sequências Didáticas e Produtos Finais dos projetos realizados em 2012. Ações Realizadas em 2012Objetivos:1ª Ação: 5 e 6 de março/2012 Desenvolver a capacidade de apreciação e réplica; Analisar sondagens diagnósticas e instrumentos a serem utilizados para o planejamento depossíveis ações; Reconhecer a importância do trabalho pedagógico com Nomes Próprios, AtividadesDiversificadas, Sistema de Numeração, Trabalho com jogos e Projetos nas classes de 1º Anos dasSéries Iniciais.2ª Ação: 24 e 25 de abril/2012 Refletir sobre encaminhamentos das capacidades leitoras; Inferir informações na percepção de recursos gráficos visuais: gênero quadrinhos; Informar orientações institucionais para o desenvolvimento desta Ação de Formação; Reconhecer a gestão do tempo didático em Atividades Diversificadas - Cantos; Analisar Situações Didáticas que as Rotinas contemplam e os possíveis encaminhamentos deatividades de Língua Portuguesa e Matemática.3ª Ação: 5 e 6 de junho/2012  Devolutiva dos Projetos e Sequências Didáticas (boas Situações de Aprendizagem) e Atividade de Auditório.  Análise de Mapa de Sondagens – Comparativo da 1ª e 2ª sondagens diagnósticas e portfólio dos alunos.  PROJETO EMAI- THA 2  Sequência Didática de Coleção de Tampinhas - Resoluções-problemas de Situações Reais.+ Módulo XIV do Curso Santillana4ª Ação: 14,15 e 16 de agosto/2012  Reflexão sobre metas alcançadas no semestre.  Produção Textual: Produção Oral com destino Escrito.Módulo XI do Curso Santillana.  Projeto EMAI THA3  Formatação da Exposição.Exposição dos Projetos no SESCInformes:20 Abertura: 19h30 às 21h no Auditório para pessoas convidadas
  4. 4. 21 de Setembro de 2012 - ―Exposição dos Projetos dos 1º Anos Manhã: das 9h às 10h e das 10h às 11h Tarde: 14h às 15h e das 15h às 16h22 de Setembro: Dia da Família no Sesc Manhã: das 10h30 ás 12hLocal: SESC de São José dos CamposComposição: 20/09/2012 - 19h30 – AberturaPúblico alvo: Gestores, Professores, Alunos, Formadores, Equipes de São Paulo – CGEB,Dirigente Regional, Supervisores e Núcleo Pedagógico.Apresentação:Um casal de crianças será apresentador do evento, ficando um casal de apoio.  Dança contemporânea  Depoimento de uma Professora Coordenadora sobre o projeto. PPT da Escola  Teatro contemporâneo.  Depoimento de uma Professora sobre o projeto. PPT da Escola  Roda de brincadeiras cantada.  Depoimento de um aluno (a) sobre o projeto. PPT com fotos dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos. 1- Recursos de mídia: Telão com as fotos digitais de Sequências Didáticas das escolas dereferência identificadas com nomes das escolas (lembrar de ter em mãos a autorização dos pais outirar fotos em posições que não apareçam o rosto da criança) e o tipo de sequência de atividade doprojeto a que se refere. Selecionar no máximo de 10 fotos que serão submetidas às montagens para o ppt.
  5. 5. 2- Um banner(90X1,20) por escola com alusão aos projetos com identificação da escola,nome dos projetos, jogo de frases ou slogans e fotos. Dia 20 de Setembro Número de quatros apresentações: a Inicial será História cantada com a Professora da Salade Leitura e as demais, uma Roda de cantigas populares, um recital de poesias e fica uma a critériode uma representação teatral. NB: Percorreremos as escolas para acompanhar as apresentações. Dias 21 de Setembro Workshop: a)de Gibi – PCS doas escolas. b) Jogos: Grupo de referência de Arte, professora 1º Ano, PC. c) Receitas de pintura de rosto: Grupo de referência de Arte, professora, PC. d) Brincadeiras Tradicionais: Grupo de Referência de Arte, professora, PC. NB: Vamos entregar aos participantes uma lembrança alusiva a exposição. Camiseta para a equipe de trabalho. Botons “Adoro Ler” § Logotipo. Dia 22 de Setembro Dia de Recreação ―Pais e Filhos‖ Visita à exposição Banners e Grupo recreativo SESC. Referencial Teórico: Lerner, Délia “Ler e Escrever na escola- O real, O possível e o necessário”Ed. Artmed. Parra, Cecília e Saiz, Irma “Didática da Matemática- Reflexões Psicopedagógicas” Ed. Artmed Curso Santillana “ A Inclusão da criança de Seis Anos no Ensino Fundamental”. Módulos. PROJETO EMAI Professora Doutora Célia Maria Carolino Pires
  6. 6. Anexo 1CRIANÇAS DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: O QUEENSINAR SOBRE A LEITURA E A ESCRITA Delaine Cafieiro • O que ensinar às crianças de seis anos? • Que conhecimentos essas crianças precisam construir? • Que capacidades precisam desenvolver?Que atividades realizar na escola para que as crianças alcancem as capacidadesdesejadas?Uma proposta pedagógica calcada nesses cinco eixos fundamentais aserem considerados:1) compreensão e valorização da cultura escrita;2) apropriação do sistema de escrita;3) leitura;4) produção de textos;5) desenvolvimento da oralidade.
  7. 7. 1.Compreensão e valorização da cultura escritaCada criança tem saberes específicos proporcionados por sua cultura, pelo grupo emque convive.Para desenvolver essas capacidades, algumas atividades interessantes podem serpropostas:  Visitas a diferentes espaços de circulação do texto escrito  Audição de textos de gêneros variados como histórias, notícias, revistas. jornais, papel de carta, etc.  Aprender a usar o caderno, o lápis, a borracha, a régua, o computador.  Atividades de manuseio e exploração de suportes e materiais de escrita que possibilitem à criança aprender a lidar com o livro didático, com o livro de histórias, com as revistas, com jornais e suplementos infantis.2.Apropriação do sistema de escritaÉ necessário que o alfabetizando compreendaas diferenças entre a escrita alfabética e outrasformas gráficas: • Domine convenções gráficas, compreendendo, por exemplo, que a escrita se organiza da esquerda para a direita e a função dos espaços em branco e dos sinais de pontuação; • Reconheça unidades fonológicas como rimas, sílabas, terminações de palavras; • Identifique as letras do alfabeto, compreenda sua categorização gráfica e funcional ; • Utilize diferentes tipos de letras tanto na leitura quanto na escrita; • Compreenda a natureza alfabética do sistema de escrita; • Domine as relações fonema/grafema (regularidades e irregularidades ortográficas).
  8. 8. 3.LeituraPara aprenderem a ler com fluência e compreensão, os alunos de seis anos necessitamvivenciar atividades que os levem a: • Levantar hipóteses sobre o conteúdo dos textos observando, por exemplo, imagens e outras pistas gráficas; • A confirmar suas hipóteses no texto; • A recontar textos; • A observar a finalidade dos textos, a partir da análise do suporte em que foram veiculados, do gênero e da sua autoria.4.Produção de textosA atividade de produzir um texto também é concebida como uma atividadesocial. Isso significa que o como e o que escrever estão intimamenterelacionados com o para que e o por que escrever.No início do processo, as crianças podem participar da produção coletivade textos, em que o professor faz o papel de escriba e registra o textoque elas vão produzindo.É importante que, desde o início, o professor oriente o planejamento dotexto em função de sua temática, de seu interlocutor, do suporte ondevai circular (escrever, por exemplo, um bilhete para os pais pedindomateriais para fazer uma receita de bolo na sala).Aprender a selecionar o vocabulário, as estruturas sintáticas em funçãoda situação de comunicação (escrever bilhete para os pais pressupõe umaseleção diferente de escrever um bilhete para os colegas)Aprender a selecionar o vocabulário, as estruturas sintáticas em funçãoda situação de comunicação (escrever bilhete para os pais pressupõe umaseleção diferente de escrever um bilhete para os colegas)Produção textual:Práticas de escrita em sala de aulaA Escola precisa permitir (e garantir)...―Em nossa prática diária, é importante pensar em situações que contemplem a leitura
  9. 9. e a escrita como algo necessário. Pode-se planejar, portanto:  Atividades permanentes de leitura com planejamento prévio do professor garantindo a diversidade e qualidade dos textos;  A presença de variados textos como instrucionais, informativos, contos,etc;  A exploração e uso, por exemplo, de agendas telefônicas, diários, agendas anuais;  A organização de um cantinho dos livros na classe;  A leitura de textos como cartas, bilhetes, poesias, histórias;  A vivência de situações reais em que as crianças sejam levadas a falar em situações públicas como em feiras de ciências, debates, seminários, exposições.” Denise Tonello5. Desenvolvimento da oralidadeAo participar das interações propostas em sala de aula, as crianças vãoaprendendo a ouvir e a falar em situações diferenciadas: • Aprendendo, por exemplo, a ouvir o professor e a compreender o que ele fala; • A ouvir os colegas e esperar sua vez de falar, • A ter atenção enquanto o outro fala; • A respeitar a diversidade nos modos de falar.Simultaneamente, vão aprendendo também adar recados, a contar casos sem perder o fioda meada, a expor oralmente idéias emseminários, exposições etc.
  10. 10. MatemáticaPROJETO EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DOENSINO FUNDAMENTAL EMAICOORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICALeila Aparecida Viola MallioDEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR E GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICAJoão Freitas da SilvaEQUIPE CURRICULAR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL – CEFAISonia de Gouveia Jorge (Direção), Claudinéia Aparecida Cunha de Campos, Dilza Martins, Edgard de SouzaJunior, Edimilson de Moraes Ribeiro, Márcia Soares de Araújo Feitosa, Maria José da Silva Gonçalves Irmã,Marisa de Jesus Ferraz de Almeida, Renata Rossi Fiorim Siqueira, Silvana Ferreira de Lima, Soraia CalderoniStatonato, Vasti Maria Evangelista e Flavia Emanuela de Lucca Sobrano (Apoio Pedagógico).GRUPO DE REFERÊNCIA DE MATEMÁTICA – GR São José dos Campos: Célia Regina Sartori e Lilian Ferolla deAbreuASSESSORA DO PROJETOProfessora Doutora Célia Maria Carolino Pires Pauta das Formações em anexosPauta 1 AÇÃO DE FORMAÇÃO DO 1ª ANO DAS SÉRIES INICIAISPauta de 5 e 6 de março de 2012Objetivo:  Desenvolver a Capacidade de Apreciação e Réplica.  Analisar sondagens diagnósticas e instrumentos a serem utilizados para o planejamento de possíveis ações.  Reconhecer a importância do trabalho pedagógico com Nomes Próprios, Atividades Diversificadas, Sistema de Numeração, Trabalho com Jogos e Projetos nas classes de 1º Ano das séries iniciais.Conteúdo: Trabalho Pedagógico em classes de 1º Ano das séries iniciais.Contextualização:
  11. 11. 1ª Atividade: Leitura pela Formadora – Livro “Pena e Papel” de Christina Hernandes. Umapalavra sobre a escritora.Informes:  Os projetos propostos pelo Guia de Planejamento do Ler e Escrever, os do Curso do 1º Ano, e os desenvolvidos pela escola poderão ser enviados para o e-mail: tutoriaprofessor@gmail.com, até 10 de abril de 2012.  Lista de presença do coordenador e professor: Nome, RG e e-mails legíveis, para digitação do efetivo exercício.2ª Atividade: A- Analisando o Mapa de Hipótese de escrita. B- Refletindo sobre algumas sondagens (PPT 1)  Vídeo “Diagnóstico de leitura”.Hora do Café3ª Atividade: Sistema de Numeração: Compartilhando experiências (pdf) Aprofundamento: Texto- Sistema de numeração e Relação de jogos quepoderão ser utilizados nas classes de 1º anos.4ª Atividade: O Trabalho pedagógico com Nomes próprios; atividades diversificadas eProjetos(M2U3T4-Trabalhando com o Nome Próprio -Letra e Vida).“Estudos realizados pela pesquisadora Emília Ferreiro, desde 1980, no entanto, mostram quetodas as criança desenvolvem as mesmas hipóteses de escrita e que tais hipóteses só podem sermodificadas, a partir, do ato de escrever, da escrita espontânea. Ou seja, é a partir de umanecessidade real e significativa de escrever, que a criança poderá pensar em como escrever.Também vale ressaltar que esse variar de hipóteses independe da faixa etária. O contato comdiferentes textos escritos...” Professora Denise Maria Milan Tonello5ª Atividade: Encaminhamentos para os Projetos das classes de 1º Anos.“Todos nós sabemos que é no planejamento que se inicia as reflexões com seus colegas sobre“qual” projeto Será desenvolvido com as criança, reflitam sobre o que é necessário que ascrianças aprendam.Oriento-os a, se possível, coletar imagens de algumas etapas ou produçõesdas situações inusitadas dos projetos para realização do portfólio”.
  12. 12. Projetos: 1. Brincadeiras tradicionais (guia de Planejamento do Ler Escrever) 2. Índios do Brasil: Conhecendo algumas etnias (Guia de Planejamento do Ler e Escrever) 3. Viagem à África (parceria com PCNP de História) 4. E os Bichos? Também têm profissões? Que lixo é esse? (Parceria com a PCNP Régia) 5. Pequenos leitores, grandes autores (Sugestão de Projeto de Leitura e produção escrita CGEB). http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/alfabetizacao-inicial/mais-letras-423903.shtml 6. Projetos das escolas.Bom trabalho!_____________________________________________________________Pauta 22ª Ação de Formação dos 1º Anos das Séries Iniciais do EF Pensar grande "É preciso ter uma visão de conjunto para poder planejar a rotina diária", resume a professora Lúcia, de Porto Alegre. "Mecanismos de registro ajudam muito nesse sentido. Alguns preferem escrever, outros preferem fazer esquemas. Só não pode mesmo é fazer tudo de cabeça."Contextualização inicial Aprofundamento das práticas de leitura e escrita, uma vez que se faz necessário pontuarmosalgumas questões, referentes às condições didáticas necessárias ao desenvolvimento deprocedimentos no contexto da sala de aula do primeiro ano de escolaridade das crianças.Objetivos do Encontro  Refletir sobre encaminhamentos das competências leitora.  Informar aos participantes as orientações Institucionais para o desenvolvimento desta Ação de Formação.  Analisar Situações Didáticas que as rotinas contemplam e os possíveis encaminhamentos de atividades;Conteúdos Didáticos e Formativos
  13. 13.  Leitura pela formadora;  Informes;  Roda de conversa;  Avaliação das atividades que as Rotinas contemplam;  Sequência Didática.Síntese da Sequência Formativa: 1. Momento:Leitura em voz alta pela formadora do Livro ―O Menino Maluquinho‖Ziraldo 2. Momento: Informes – 20 e 21 setembro “Exposição dos Projetos”. Local no SESC. 3. Momento: Roda de conversa (Atividades Diversificadas: cantos) ; 4. Momento: Avaliação das atividades que as Rotinas contemplam – devolutiva. 5. Momento: Sequência Didática. Sequência Formativa da Pauta 1º Momento 1. Leitura em voz alta para desenvolver capacidade de apreciação e réplica - Trecho do livro ―O Menino Maluquinho‖ Ziraldo. Quem já me conhece um pouco sabe que eu sou um grande amigo do livro. Eu ADORO ler e ouvir histórias. E, por gostar tanto desse meu amigo, é que eu fico ainda mais feliz no mês de abril. Sabe por quê? Nesse mês, o livro infantil é homenageado em duas datas: nos dias 02 e 18.No dia 02 de abril, é comemorado o Dia Internacional do Livro Infantil e Juvenil. E não é à toa não:esse é o dia do aniversário do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen (1805-1875), queescreveu O Soldadinho de Chumbo, O Patinho Feio e muitas outras histórias que são consideradasgrandes clássicos da literatura infantil e que, com certeza, você já leu ou ouviu sua mãe contar nahora de você dormir.Em 18 de abril, é comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil, também comouma homenagem a um grande escritor de livros para crianças, só que brasileiro:Monteiro Lobato.Depois das histórias de Monteiro Lobato, os livros infantis e as crianças nuncamais foram os mesmos, e a criançada ficou mais alegre e criativa. Ele foi o criador da turma doSítio do Pica-Pau Amarelo e um escritor que se preocupou de verdade com as histórias infantis,sendo o primeiro a perceber que nós, as crianças, somos muito espertas e gostamos de históriasdivertidas e inteligentes. http://www.omeninomaluquinho.com.br/Online/maluquinho_online25.asp Link marcador de página: http://www.omeninomaluquinho.com.br/PaginaExtra/Extra_791_compl.htm
  14. 14. Agora chega de enrolar que a nossa história já vai começar! O Menino e a PipaA pipa queo menino maluquinho soltavaera a mais maluca de todasrabeava lá no céurodopiava adoidadocaía de ponta-cabeçadava tranco e cabeçadae sua linha cortavamais que o afiado cerol.E a pipaquem faziaera mesmo o menininhopois ele havia aprendidoa amarrar linha e taquaraa colar papel de sedae fazer com polvilhoo grude para colara pipa triangularcomo o papailhe ensinarado jeito que haviaaprendidocom o paie o pai do paido papai. 2. Vídeo sobre o autor: (3 min) Itaú Social.
  15. 15. Ziraldo Alves Pinto nasceu no dia 24 de outubro de 1932, em Caratinga, Minas Gerais. Começou sua carreira nos anos 50 em jornais e revistas de expressão, como Jornal do Brasil, O Cruzeiro, Folha de Minas, etc. Além de pintor, é cartazista, jornalista, teatrólogo, chargista, caricaturista e escritor. Um Convite! 2º MomentoInformes: 20 e 21 de Setembro “ Exposição dos Projetos dos 1º AnosLocal SESC de São José dos CamposComposição: 13h30-Abertura - Hino Nacional Apresentação: Autoridades presentes.  Depoimento de uma PC sobre o projeto.  Depoimento de uma professora sobre o projeto.  Depoimento de um aluno(a)sobre o projeto. 1-Recursos de mídia: Telão com as fotos digitais de sequências didáticas enviadas pelas escolas até 26 de Junho: identificadas com nomes da escolas (lembre-se de ter em mãos autorização dos pais ou tirar fotos em posições que não aparecem o rosto da criança) e o tipo de sequência de atividade do projeto a que se refere. Selecionar no máximo de 10 fotos que será submetidas às montagens. 2- Um baner por escola com alusão aos projetos, podem juntar mais de uma escola se desejar, mas todos projetos deverão ser contemplados num mesmo baner, ou seja identificada a escola,nome dos projetos, jogo de frases ou slogans e fotos. 3- Seletiva: -Um casal de crianças que irá apresentar os números dos colegas. - Número de quatros apresentações: a Inicial será História cantada com a Professora da Sala de Leitura e as demais, uma Roda de cantigas populares, um recital de poesias e fica uma a critério de um representação teatral. Inscrição para participar será em Maio e seletiva prévia em final de Junho para apresentação da final ( enviaremos data por e-mail). Workshop: a)de Gibi b)de jogos c)receitas/pintura de rosto(a definir). d) Brincadeiras que serão gentilmente oferecidas pelo SESC. NB: Todas as escolas contribuirão com uma pequena mensagem/brinde alusiva ao projeto para ser entregue aos visitantes da exposição( deverá conter identificação: nome da escola, o projeto, frase ou slogan, fica à critério incluir o nome da classe. Será
  16. 16. entregue a equipe responsável, de 27 à 30 de agosto em local a definir, na quantia de 50 ou 100 brindes (vai depender de quantas classes a escola tem). 3º MomentoRoda de Conversa: Atividades Diversificadas: cantosObservando a cena, vamos refletir: A- Quais critérios são pertinentes considerar em nossas salas de aula, justifiquem B- Pode-se concluir que: para que os cantos diversificados aconteçam é preciso priorizar algumas considerações.Quais? 4º Momento Avaliação das atividades que as Rotinas contemplam
  17. 17. Analisando Cantos Diversificados no Ambiente da Sala de AulaInformações na Parede Prática bem organizadaA produção da Turma deve ficar exposta, O Tempo Didático pode ser dividido, emassim como o alfabeto em letra de forma, atividades permanentes, como aso calendário. brincadeiras, projetos, sequênciasSe a sala for usada pelos mais velhos, didáticas. Estas últimas devem ter umretire e recoleque os cartazes ou faça um peso adequdo à capacidade da criança.trabalho de conscientização(monitoria).Leitura Diária Canto da brincadeiraOs alunos devem explorar livros literários, Disponibilizar materiais comomanusear as obras no cantinho de leitura, fantasias,bonecos, panelinhas, carrinhos edeixe os exemplares numa altura em que jogos. Reservar um horário para a turmatodos possam pegá-los. Além disso, leia escolher com o que brincar contribui parahistórias para eles diáriamente. que o lúdico esteja presente, sem fala na autonomia da criança.Avaliação Constante Ateliê de ArtesO acompanhamento tem que ser diário O espaço para a expressão plástica devepara que você proponha novas atividades estar garantido. Organiza num local dese alguém não estiver aprendendo. Opte fácil acesso à garotada, diversos materiaispor instrumentos como os portfólios, que necessários à atividade, como lápis de cor,indentificam os avanços no decorrer do massinhas, papéis,cartolinas, tintas eano. pincéis.Observação e Pesquisa Passeios Guiados pela Unidade Explore todo o prédio para que os alunosIncentivar as crianças a buscar respostas compreendam o funcionamento da escola,para as curiosidades delas, assim, você Leve-as a lugares novos, sala de leitura,pode orientá-las a pesquisar, ler e laboratório de informática e apresente-asregistrar para sistematizar as descobertas. aos funcionários.Imobiliário com adequações Hora do RecreioPara que as crianças tenham condições de O ideal é que as crianças tenhamtrabalhar com conforto, em duplas é brincadeiras riscadas no pátio(tem escolaessencial que tenham mesas e cadeiras que tem músicas) à disposição, tempoadequadas, assim como, quadro negro, hábil para lanchar e brincar. As criançasque deve ser mais baixo. precisam de supervisão constantes. A- Em grupos: Observem algumas Rotinas que foram enviadas pelo e-mail: tutoriaprofessor@gmail.com Discutir a distribuição das atividades, a clareza dos fatos e o detalhamento descritos que aparecem neste contexto.
  18. 18. Socialize.Quais são as condições didáticas levantadas pelo grupo?NB. SR. Coordenador você pode analisar as Rotinas de sua escola com seus professores. B- Devolutiva sobre as Rotinas: “Ter um jeito próprio de se organizar‖Planejar com antecedênciaSeparar o material didático previsto para ser usado na semana seguinte e reservar um dia para revero roteiro de atividades é sempre bom para garantir que nenhum detalhe seja esquecido. (nas ATPC)Organizar o espaçoAs atividades previstas para o dia serão desenvolvidas individualmente ou em grupos? Prever amelhor maneira de ambientar a sala de aula é o primeiro passo.Compartilhar o planejamento"Contar aos alunos o que será feito ao longo do dia é importante por dois motivos. Em primeirolugar, porque eles ficam mais confortáveis, sem aquela euforia de o que será que vem agora?.Depois, porque faz com que saiam da postura passiva de quem está sempre aguardando umcomando. (rotina no canto da lousa)Definir as tarefasCada conteúdo exige um tipo de atividade .Enquanto os alunos produzem textos ou resolvemproblemas, uma boa dica é circular pela sala, acompanhando a evolução de cada um. Se você decidepassar um filme, por exemplo, é essencial preparar um pequeno roteiro para a turma, com pontos aser observados.Prever atividades extrasNem tudo sai conforme o previsto, certo? Portanto, ter na manga algumas tarefas capazes deenvolver a turma é sempre bom. No dia-a-dia, isso vale também para aqueles alunos que sempreterminam tudo antes dos outros - mas não podem ser deixados de lado.Antecipar a aula seguinteEncerrar o dia informando o que será realizado no dia seguinte é uma ótima estratégia porque gerauma expectativa positiva e permite que os alunos se preparem melhor ao compreender que hácontinuidade .Trocar idéias na escolaATPCs- Reuniões com os colegas, a coordenação pedagógica e a direção são fundamentais pararevisar o planejamento de sua rotinas e encaminhar as questões mais relevantes. Garantir um tempopara trocas.
  19. 19. 5º MomentoTrabalho Pessoal: Leitura pelo Aluno “Um exemplo para encaminhar as atividades de leiturapela criança” LEITURA PELO ALUNO “A atividade do tamanho deles é uma boa atividade, ou seja, aquela em que os alunos usam os conhecimentos que já têm (e assim eles se sentem competentes e confiantes) e que demanda a construção de novos conhecimentos para ser resolvida (e por isso é desafiadora e interessante para os alunos).” Prof. Luciana Camargo. Registro de atividade de leitura – Classe de 5 anos, 2001. Um exemplo para encaminhar as atividades de leitura pela criança Atividade: Leitura (em grupo) de um texto conhecido para relacioná-lo à personagem. Objetivos: • Os alunos pensarem sobre o texto que já conhecem. • Encontrarem indícios para conseguir fazer a leitura. • Discutirem sobre as diferentes pistas encontradas e sua validade. • Associarem corretamente as falas às personagens. Organização: Em roda, os textos e as imagens são colocados no chão, na frente dos alunos, e podem ser manipulados por eles. Encaminhamento: Durante a escrita da agenda do dia, coloque que será feito uma atividade de leitura após a nossa roda de conversa. Ler sem saber, essa leitura será possível para as crianças porque terão de ler um texto já conhecido: falas de personagens de um conto. Espalhe três figuras de personagens e suas respectivas falas pelo tapete ou chão. Essa escolha não poderá ser aleatória; a fala dos personagens principais, poderá ter maior número de palavras, porque são do domínio de todos e a dos personagens secundários poderá ser mais curta, tendo apenas uma palavra. Exemplo:
  20. 20. Porco: ENTÃO, EU VOU SOPRAR E BUFAR E VOU DERRUBAR SUACASA.Lobinhos: NÃO, NÃO E NÃO! NÃO O DEIXAREMOS ENTRAR NEM PORTODO O CHÁ DA CHINA.Castor: CLARO.Todos ficarão olhando atentos para os papéis dispostos no chão, até que possamrecitar a fala dos personagens, e, no final, poderão colocar suas hipótesesconfirmando e até argumentando, onde está escrito o que, qual o motivo de suaescolha.Registre suas falas, perguntando onde está escrito (o aluno apontará).Ao final da atividade pontuei quantas coisas eles já sabem sobre leitura e suasconquistas.Adaptações:Avaliação:Considerações importantes:Conhecer o texto, no caso falas de personagens de uma história bastante conhecidapelos alunos, é condição para ler sem saber ler. Assim, em vez da decifração, osalunos poderão aprender e usar estratégias de leitura, como faz um leitorproficiente.Observe na sua sala o que pode ser desafiador e o que você pode ensinar com aatividade. Mais adiante, pode ser que a similaridade, em vez de as diferenças entreos escritos, seja um critério mais ajustado.Não validar imediatamente os acertos dos alunos e esperar ou pedir quejustifiquem suas opiniões, mesmo quando elas não correspondem ao certo,possibilita a construção de estratégias de leitura pelas criança.Veja como os dois alunos se apoiaram em aspectos diferentes para ler; comoambos são válidos e como revelam diferentes saberes sobre a leitura.É importante que o professor aponte elementos que as crianças não observaramainda e que as ajudem a avançar na hipótese que estão construindo. No caso,apontar para as relações sonoras e gráficas.Relacionar regularidades do oral às do escrito pode passar a ser uma forma de lermais do que já lêem e de trazer confiança para que continuem se aventurando aler.
  21. 21. Esse tipo de intervenção possibilita aprofundar o trabalho de leitura. Depois detrabalhar em torno de questões relacionadas a ―o que está escrito‖, perguntar―onde está escrito‖ provoca atenção ou reflexão sobre as idéias das crianças emrelação à fragmentação das palavras no escrito e na leitura.A atividade ―do tamanho deles‖ é uma boa atividade, ou seja, aquela em que osalunos usam os conhecimentos que já têm (e assim eles se sentem competentes econfiantes) e que demanda a construção de novos conhecimentos para serresolvida (e por isso é desafiadora e interessante para os alunos). TRABALHO PESSOAL MATEMÁTICA Estratégia de ensinoCondições didáticas do jogoAprender a– decidir quem começa– esperar pela vez de jogar– acompanhar a jogada do adversário– resolver (alguns) conflitosIntervençõesDefinir grupos de jogo (a partir de observações sobre atitude e conhecimentos específicos dos alunos).• Importância de preservar o momento de jogo dos alunos.• Diferenciar intervenções adequadas para o momento de jogo daquelas que devem ser feitas em outromomento.Sobre o que intervir?Importância de circular entre os grupos durante o momento de jogo para identificar necessidades.• Foco do professor varia de acordo com:– O objetivo naquele momento (conhecer o jogo?; desenvolver boas estratégias?;construir determinado conhecimento matemático?).– O momento de aprendizagem dos subgrupos ou alunos.Desdobramento• Situações elaboradas pelo professor a partir do jogo e propostas como problema a ser resolvido pelosalunos. Possibilitam:– Maior controle por parte do professor.– Discussão de uma mesma situação com toda a classe.– Foco em determinado conteúdo com maior precisão. Trilha ou Jogo de PercursoConteúdos postos em jogo: contagem, sequência numérica escrita, adição (de pontos nos dados).• Variações possíveis: trilha numerada em diversos intervalos, uso de um ou mais dados, uso de dadoscom números, construção de um tabuleiro.
  22. 22. Desdobramento .Usar imagens de tabuleiro para propor questões do tipo: – Observe a posição do peão de Marina. Se ela tirar seis no dado, em que casa irá parar? – Observe a posição do peão de Felipe na trilha. Quanto ela precisa tirar nos dados para chegar à ultima casa na próxima jogada? • Ou, sem apoio de imagem: – Paulo estava na casa dezoito. Tirou cinco nos dados. Em que casa ele foi parar? – Júlia estava na casa sete. Jogou o dado e foi parar na casa 12. Quanto ela tirou no dado? Mãos à Obra. Indicação de Referencial teórico:Vídeo aula “Portfolio” Curso santillana http://itv.netpoint.com.br/fundacaosantillana/principal.asp?id=32 ___________________________________________________________________________Pauta 33ª Ação de Formação dos 1º Anos das Séries Iniciais do EF “Alguns escritores e educadores diziam que ler era só prazer. Acho que não se fala mais isso. Todos sabemos que ler exige alguma concentração e às vezes esforço. O que sempre acreditamos é o quanto a leitura vale a pena. Lemos e ampliamos nosso mundo, compreendemos o que se passa ao nosso redor ou o que se passou algum dia em algum lugar remoto. Lemos e crescemos. Lemos e deciframos um pouco o ser humano e a sua capacidade de amar. Quer saber de uma coisa? Acho o livro em si amorável”. Angela Lago- site CRESCERObjetivos:• Analisar os Mapas de Sondagens das classes dos 1ª Anos: Comparativo da 1ª e 2ª sondagemdiagnóstica e reflexões de algumas escritas de alunos com hipóteses de escrita não alfabética (portfólio dos alunos).• Garantir possíveis ações que proporcionem aos alunos avançarem: Atividade de Auditório.Devolutiva das sequências didáticas dos projetos, atividades sequenciadas.• Conhecer quais são as características principais do projeto EMAI.• Propor análise das sequências didáticas de coleção de tampinhas, resolução de problemas desituações reais, que norteiam o trabalho com as Trajetórias Hipotéticas de Aprendizagem.
  23. 23. Conteúdos:  Mapas de Sondagens.  Portfólio .  Situações de Aprendizagens que levam os alunos avançarem: atividades permanentes, atividades sequenciadas e encaminhamentos dos projetos.  Sequências didáticas THA2. Informes:  Plantão do Curso EAD – 30/05/12 (Fora do Horário de Trabalho do professor)  Prévias de Apresentação dos Produtos Finais dos projetos.Síntese da Sequência Formativa: 6. Momento:Leitura em voz alta pela formadora do Livro ― A Festa no céu‖ Angela Lago – Intertexto: Contos de Luís Câmara Cascudo ― A festa no céu‖ Nova versão; 7. Momento: Informes –“Exposição dos Projetos”. Local - SESC. _ Plantão do Curso EAD. Santillana (fora do Horário de Trabalho) 8. Momento: Análise de Comparativo e Reflexão sobre algumas escritas; 9. Momento: Devolutiva das sequências didáticas do trabalho pessoal. 10. Momento: Sequência Didática THA 2- Projeto EMAIAnexo 1 Sequência Formativa da Pauta 1º Momento 3. Leitura pela Formadora do Livro ―A festa no céu‖ autora Angela Lago. Sinopse Haveria uma festa no céu, e os bichos sem asas estavam jururus de fazer dó. Mas a tartaruga não se deu por vencida e decidiu que ia ao baile. Será que ela vai conseguir? Um texto lúdico em que o real, o mágico e o fantástico são apresentados em linguagem simples e com belíssimas ilustrações da autora. 4. Vídeo sobre o autora: (3 min) Itaú Social. Angela Maria Cardoso Lago (Belo Horizonte, 1945) é uma escritora e ilustradora brasileira. A maior parte de sua obra é dedicada às crianças. Em alguns de seus livros não usa palavras,
  24. 24. apenas imagens. Entre suas obras destaca-se Cena de Rua, premiado na França. Escritora e ilustradora, mineira, nascida em Belo Horizonte, em 1945, Angela Anastácia Cardoso Lago, em 1975, abre seu próprio atelier de programação visual para publicidade, onde criou marcas, logotipos, propaganda institucional entre outros. Das diversas obras que a autora possui, podemos destacar a obra Sangue de Barata resultante da relação entre texto poético e desenho. http://www.angela-lago.com.br/ 5. Versão do Livro ― Conto tradicional do Brasil‖ Luís Câmara Cascudo. Conheça mais sobre o autor: Luís da Câmara Cascudo (Natal, 30 de dezembro de 1898 — 30 de julho de 1986) foi um historiador, antropólogo, advogado e jornalista brasileiro. Passou toda a sua vida em Natal e dedicou-se ao estudo da cultura brasileira. Foi professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o Instituto de Antropologia desta universidade tem seu nome. Pesquisador das manifestações culturais brasileiras, deixou uma extensa obra, inclusive o Dicionário do Folclore Brasileiro (1952). Entre seus muitos títulos destacam-se: Alma patrícia (1921), obra de estreia e Contos tradicionais do Brasil (1946). Estudioso do período das invasões holandesas, publicou Geografia do Brasil holandês (1956). Suas memórias, O tempo e eu (1971), foram editadas postumamente. Quase chegou a ser demitido por estudar figuras folclóricas como o lobisomem 2º MomentoInformes: a) “Exposição dos Projetos dos 1º Anos -Local SESC de São José dos Campos; b) Plantão Curso EAD; 3º MomentoRoda de Conversa: Devolutiva das Atividades propostas no encontro anterior:PPT 1) ―Um exemplo para encaminhar as atividades de leitura pela criança‖; 2) Uma proposta de trabalho com jogos de percursos; 3) HQ- atividade de leitura pelo aluno. 4º Momento Vídeo (edição específica da aluna Ana ): Atividade de auditório.Vamos observar a aluna Ana e sua evolução, refletir sobre como ocorreu esse processo: Em duplas: C- Analise os encaminhamentos da professora.Quais são os facilitadores e dificultadores?
  25. 25. D- Como procedeu a aluna na sua escrita da palavra “depilação” e “hidratação”. Quais são os seus saberes? E- O que levou Ana a escrever “alisamento” representa um avanço nas suas hipóteses? O que devemos considerar com essa atividade? Socialize. Quais são as condições didáticas levantadas pelo grupo? 5º MomentoProjeto EMAI- THA 2Em grupos: ANÁLISE DAS PROPOSTAS DE TRAJETÓRIAS HIPOTÉTICAS DE APRENDIZAGEM 2 DO1º ANO DO EF ANOS INICIAIS. a) Estudo coletivo da proposta de THA 2 relativa ao 1º ano do Ensino Fundamental – Anos IniciaisReflexão: 1. As sequências apresentadas contribuem para o trabalho com as expectativas de aprendizagem analisadas? 2. As sequências foram organizadas de forma clara para compreensão do professor? 3. Quais saberes são necessários para apoiar o professor no desenvolvimento das propostas? Trabalho Pessoal: A. Inserir na Rotina Atividade de Auditório – diariamente. B. Continuar a Aplicação - THA2 nas salas de 1º Anos. C. Desenvolver as sequências didáticas dos projetos, registrando para a exposição. D. Situações problemas do cotidiano. E. Encaminhamento para trabalhar com revista Ciências Hoje das crianças.Textos e Materiais de Leitura Complementares para Estudos de HTPCsEu recomendo a leitura: Revista “Leitura S” – março de 2007. Ano II-nº 2 (Anexo)O que Matemática tem a ver com leitura? Páginas 33, 34 e 35.
  26. 26. Pauta 4 4ª Ação de Formação dos 1º Anos das Séries Iniciais do EF “...Portanto, desde o princípio, a escola deve fazer as crianças participarem em situações de leitura e da escrita; é necessário pôr à sua disposição materiais escritos variados, é necessário ler para elas muitos e bons textos para que tenham oportunidade de conhecer diversos gêneros e possam fazer antecipações fundadas nesse conhecimento... É necessário lhes propor também situações de produção que lhes apresentarão o desafio de compor oralmente textos com destino escrito – para serem ditados ao professor, por exemplo -; no curso dessa atividade, serão apresentados problemas que as levarão a descobrir novas características da língua escrita e a se familiarizar com o ato de escrita, antes de saberem escrever no sentido convencional do termo.”. Délia Lerner Objetivos:  Ampliar os conhecimentos sobre a linguagem e os recursos discursivospresentes nos contos de fadas.  Garantir comportamentos de escritor ao apreciar Obra literária, como: • Planejar um texto e escrevê-lo. • Preocupar-se em reapresentar o conteúdo da história. • Preocupar-se em utilizar recursos discursivos para tornar a história mais interessante e alinguagem mais literária.  Propor análise das sequências didáticas de coleção de tampinhas, resolução de problemas desituações reais, que norteiam o trabalho com as Trajetórias Hipotéticas de Aprendizagem. Conteúdos  A linguagem dos contos de fadas.  Planejamento e produção escrita.  Recursos discursivos dos contos de fadas.  Sequências didáticas THA3. Síntese da Sequência Formativa: 1ºMomento:Leitura em voz alta pela formadora do Livro ― Chapeuzinho Vermelho‖ Charle Perrault; 2ºMomento: Informes –“Exposição dos Projetos” - SESC. 3ºMomento: Produção Oral com destino escrito ― Conto Chapeuzinho Vermelho‖. 4ºMomento: Sequência Didática THA 3- Projeto EMAI
  27. 27. Sequência Formativa da Pauta: 1º Momento 1.Leitura pela Formadora do Livro ―Chapeuzinho Vermelho‖ Charles Perrault. PPT1 <http://lehylaprofessora.blogspot.com.br/> 2º Momento Informes: c) “ Exposição dos Projetos dos 1º Anos - SESC de São José dos Campos. 3º Momento Analisando duas situações de encaminhamentos para produção oral com destino escrito. Anexo 1 Em grupo: 1. Registre os apontamentos que podem ser considerados pelo seu grupo, socialize; 2. Assista a Vídeo da professora Mariluci <http://revistaescola.abril.com.br/lingua- portuguesa/alfabetizacao-inicial/vou-alfabetizar-todos-eles-fim-ano-423796.shtml>); 3. Considerações importantes. PPT2 4º Momento Projeto EMAI- THA 3 Em grupos: ANÁLISE DAS PROPOSTAS DE TRAJETÓRIAS HIPOTÉTICAS DE APRENDIZAGEM 3 DO 1º ANO DO EF ANOS INICIAIS. b) Estudo em grupos da proposta de THA 3 relativa ao 1º ano do Ensino Fundamental – Anos Iniciais. Cada grupo vai analisar uma sequência da THA3 4. Comparando a sequência 1, atividade 3,4,5,e 6 da THA2 e as sequências daTHA 3, o que podemos concluir sobre a proposta de trabalhar com coleções? 5. As sequências foram organizadas de forma contribuir para os saberes matemáticos dos alunos com relação as expectativas de Aprendizagem?Quais foram os eixos contemplados? 6. Nesta análise, o que o grupo considera fazer algumas alterações para atender sua real situação de sala de aula? 7. Socialize suas considerações.5º Momento> Mãos à obra: Vamos aplicar as THA3 na classe,fazer o relatório semanal entregando para su coordenador.Aplique, também, a sequência de produção oral com destin escrito analisada e revisada pelo seu grupo. Bom trabalho!
  28. 28. Anexo 1 Situação 1 Produção oral com destino escrito OBJETIVOS - O que os alunos podem aprender nesta atividade? Perceber a diferença entre a linguagem oral e a linguagem escrita. Comportamentos de escritor: planejar o que irá escrever, rever enquanto escreve, escolher uma entre várias possibilidades, rever após escrever etc. PLANEJAMENTO Quando realizar? Deve ser realizada em três ou quatro etapas, para que não canse demais os alunos. Como organizar o grupo? atividade coletiva. Duração: cerca de 40 minutos. ENCAMINHAMENTO A história já deve ser bem conhecida do grupo. Comunique a eles que o trabalho que se iniciará naquele momento vai prosseguir por alguns dias, pois um bom texto leva tempo para ser escrito. Avise que você será o escriba, mas que eles é que irão contar a história. Diga também que, depois que a história estiver pronta, você vai dar cópias para que todos as levem para casa e mostrem para seus familiares. Pergunte, então, como acham que a história deve começar. Discuta com o grupo as várias possibilidades e escreva a que fIca melhor (em letra bastão). Coloque questões que os façam refletir sobre a linguagem escrita.Você pode fazer perguntas como: Esta é a melhor forma de escrevermos isso? Será que o leitor vai entender o que queremos dizer? Falta alguma informação neste trecho? Como podemos fazer para esta parte ficar mais emocionante (bonita, com suspense etc.)? Na hora em que perceber que estão cansados, interrompa, copie o trecho que tiver sido escrito em papel kraft da lousa e avise que continuarão posteriormente. No dia em que continuar, coloque o papel com o trecho escrito na lousa, leia o que foi feito e dê prosseguimento à produção procedendo da mesma forma. Quando o texto estiver pronto, o ideal é que todos tenham cópias mimeografadas para levar para casa. Glaucia Demarchi
  29. 29. Situação 2 SEQÜÊNCIA DIDÁTICA - PRODUÇÃO ORAL COM DESTINO ESCRITOEsta seqüência didática tem por objetivo que os alunos se familiarizem com a produção de contosde fadas. O contato freqüente com este gênero – que foi lido diariamente por você – e asconversas sobre essas leituras servirão de matéria-prima para que eles, mesmo sem escreverconvencionalmente, possam ser autores de versões desses contos.Isso será possível quando forem propostas atividades nas quais os alunos elaborem textosoralmente,ditando-os para que você faça o registro escrito na lousa ou em um cartaz. Ao ditar, osalunos precisarão sentir-se autores da história, mesmo não estando alfabetizados, e, portanto, épreciso que você tenha clareza do seu papel de escriba.É importante destacar aqui que mesmo os alunos que já lêem e escrevem convencionalmentepodem aprender muito com essa atividade, pois tal estratégia possibilita importantes discussõessobre a linguagem que se usa para escrever, e, em função disso, podem ampliar sua atuaçãocomo escritores autônomos.Como escriba, você poderá utilizar, na frente dos alunos, estratégias de planejamento e revisãoda produção coletiva. Isso quer dizer colocar em ação os conteúdos relacionados ao que consisteescrever para escritores mais experientes, realizando atividades de revisão de textos na presençae com a participação dos alunos que priorizem a análise e a reflexão sobre a língua e não apenasa correção do texto.Essas ações com o texto permitem que os alunos:
  30. 30. 1.Compreendam para que se planeja um escrito; 2.Pensem em diferentes opções para o início de um texto; 3.Busquem distintas possibilidades de expressar cada idéia debatendo sobre a qualidade queprecisam, para escolher aquela que melhor concretiza o que se quer dizer;4. Atenham-se às diferenças entre o oral e o escrito, entre o coloquial e o formal, entre o que cabeapenas na fala e o que só faz parte do universo da escrita;.5. Leiam e releiam (ou ouçam e ouçam novamente) o que já foi escrito para assegurar a coerênciacom o que está por escrever ou para revisá-lo da perspectiva dos leitores. Tudo isso éimprescindível para que construam conhecimentos importantes sobre os comportamentos deescritor.Os contos selecionados para esta seqüência deverão primar pela qualidade literária, pois, comosabemos, existem versões muito empobrecidas dos contos, tanto no que diz respeito à tramanarrativa quanto ao cuidado com a linguagem. Por isso, quando encontrar um conto com muitasilustrações e textos de apenas uma linha para cada página, descarte-o. Para esta situação,certamente este é um conto pouco adequado.A produção ficará a cargo do grupo, mas isso não significa que você não vai poder interferir, muitopelo contrário. Seu papel será o de problematizar as elaborações feitas, confrontar as soluçõesdadas para um mesmo trecho e explicitar os comportamentos escritores: ler, reler e revisar,eliminar, trocar ou colocar novas palavras ou trechos, reler para ver como continua, para verificarse o texto está compreensível a um leitor ausente, se não tem repetições que o tornam cansativo.Como vê, você terá muito trabalho a fazer.Mas lembre-se, você é o escriba. Não será preciso que os alunos copiem o texto produzidocoletivamente. O objetivo maior desta seqüência é a realização de uma atividade de elaboraçãode texto com o foco na qualidade da linguagem que se escreve.O QUE MAIS FAZER?A continuidade desta atividade é, a partir da escolha do conto de fadas que será produzidooralmente, listar com eles os cenários e personagens que fazem parte do conto escolhido e pedirque, em pequenos grupos, façam, oralmente, descrições destes. Você deve anotar as descriçõespara retomá-las quando for produzir o texto.Criar ilustrações para os personagens, neste contexto, faz todo o sentido. Colecione desenhosdos alunos, exponha e compare as diversas soluções encontradas por eles para bruxas, fadasetc. Embora esta seqüência didática esteja voltada para a linguagem que se escreve, é possívelelaborar várias atividades de análise e reflexão sobre o sistema, voltadas, particularmente, paraos alunos que ainda não escrevem convencionalmente.Você pode propor que:• Escrevam listas de seus personagens favoritos.• Com os títulos de várias histórias conhecidas escritos em tiras de cartolina, descubram, emduplas ou trios, qual título está escrito em cada tira.• Associem, em duas listas, o vilão e o protagonista de uma mesma história.• A partir de uma descrição (lida por você), pedir que procurem, numa lista com váriospersonagens, aquele que você acabou de descrever.
  31. 31. Este procedimento de produzir textos oralmente pode ser amplamente utilizado, principalmenteneste momento em que ainda têm muita dificuldade em grafar um texto, mas são perfeitamentecapazes de compreender e produzir a linguagem escrita. Você pode propor a escrita de algunstrechos ou de outros tipos de textos, como os informativos, por exemplo.ORIENTAÇÕES PARA A SONDAGEM: REESCRITA1 – Escolha um texto de boa qualidade literária e que seja do gênero narrativo (conto, fábula,lenda);2 – Faça a leitura em voz alta do texto para os alunos (se necessário, leia uma segunda vez paraeles, mas somente se necessário);3 – Faça com eles o reconto: oralmente, peça que contem novamente a história lida;4 – Em seguida peça para que, individualmente, reescrevam a história sendo o mais fiel possível àhistória original do autor. Atenção: não é necessário que saibam a história de cor, mas sim que seutilizem das marcas do gênero narrativo, tempo verbal, vocabulário etc. e, principalmente, quemantenham o enredo da história. Portanto, não deixe que alterem o final ou mudem ospersonagens. É uma atividade de reescrita (escrever de novo o que alguém já escreveu) e não deescrita de autoria, onde teriam que ser criativos e “inventar” coisas.5 – Com essa avaliação poderemos analisar como as crianças lidam com os recursos lingüísticos:gênero textual, coerência, coesão, segmentação de palavras, ortografia, paragrafação etc. Gislene LimaTextos complementares para acompanhamento da Formação Programa Ler e Escrever Rotina do professorIObjetivos:  Análise das rotinas das salas de aula refletindo sobre as atividades de escrita e leitura de nomes, a distribuição do tempo didático e em como garantir as condições didáticas que promovam aprendizagem.
  32. 32. Conteúdos: Modalidades organizativas a serem garantidas nas situações de Rotina do 1ºAnos das série iniciais. Atividades permanentes de alfabetização e Intervenção do professorIndicação Referencial teórico:http://www.ines.gov.br/ines_livros/19/19_003.HTMhttp://educaja.com.br/tag/contando-historias I- Momento – A rotina e as modalidades organizativas da gestão do tempo didático1. .Em pequenos grupos façam a análise de uma rotina:a) Analisem e apontem o que observam. – Como pode entrar a atividade com nomes nesta rotina?Em qual modalidade organizativa? Por quê?  Quais são as modalidades organizativas?  Qual (quais) são os objetivos de cada uma? Anotar.Socializar, fazendo retomada baseada nas Modalidades Organizativas do Texto: Planejamentopara Organizar o Trabalho Pedagógico no Ensino Fundamental- Rosaura Soligo.(encontropassado).2. Leitura Compartilhada do texto “Sobre as atividades permanentes de alfabetização” a)Retomem os pequenos grupos e discutam: (anexo 1)  Que aspectos devem ser considerados pelo professor ao organizar atividades permanentes?b) Socializar.Para o Professor Coordenador3. Observar uma situação didática de trabalho com nomes em sala de aula e fazer os seguintesregistros: Quadro de rotina, planejamento da atividade pelo professor e registro reflexivo do PC da observação realizada.
  33. 33. Anexo 1 Sobre as atividades permanentes de alfabetização1Atividades permanentes são situações didáticas cujo objetivo é constituir atitudes, desenvolverhábitos e procedimentos, favorecer a familiaridade e/ou a reflexão sobre um tipo de conteúdo etc. Pressupõe um trabalho regular – de periodicidade semanal, quinzenal, diária... – que acontece de forma sistemática e previsível durante o tempo necessário para que o objetivopretendido seja alcançado. Como a característica principal dessas atividades é a regularidade, elas são privilegiadas para o contato intenso com um determinado conteúdo, daí a sua importância no período da alfabetização. Nossas Rotinas são semanais. Atividades permanentes de alfabetização2As atividades permanentes de alfabetização são situações de ensino e aprendizagem a serempropostas diariamente às crianças, até que elas se alfabetizem. São atividades orientadas peloprincípio metodológico da resolução de problemas, pelo propósito de favorecer a compreensãodas regras de geração da escrita alfabética e pelo entendimento de que a alfabetização éresultado de um exercício permanente de análise e reflexão sobre a língua.O princípio metodológico da resolução de problemas pressupõe que essas atividades sejamsempre situações desafiadoras, ou seja, ao mesmo tempo difíceis e possíveis de fazer. Paratanto, em se tratando da alfabetização, é condição o professor conhecer as hipóteses de escritadas crianças, para adequar a tarefa ao que elas podem realizar e para agrupá-las de modo quepossam trabalhar produtivamente, aprendendo umas com as outras, ajudando-se umas as outras,questionando-se...Uma atividade desse tipo é uma situação de aprendizagem de fato quando3:° as crianças precisam pôr em jogo tudo o que sabem e pensam sobre o conteúdo em torno do qual o professor organizou a tarefa;° as crianças têm problemas a resolver e decisões a tomar em função do que se propõem a produzir;° o conteúdo trabalhado mantém suas características de objeto sociocultural real sem transformar-se em objeto escolar vazio de significado social;° a organização da tarefa pelo professor garante a máxima circulação de informação possível.Sempre que possível, as atividades permanentes de alfabetização devem ser articuladas a outraspropostas de trabalho e/ou situações cotidianas vivenciadas pelas crianças. Como por exemplo:
  34. 34. Objetivo Conteúdos Propostas de atividade (Capacidades (O que é preciso ensinar de uso da explicitamente ou criar (Situações de ensino e aprendizagem linguagem) condições para que os para trabalhar com os conteúdos) alunos aprendam)Produzir uma ° Escrita de texto conhecido ° Situações de leitura e escrita que envolvam palavras estáveisescrita alfabética (palavras estáveis) levando – como nomes próprios, por exemplo.ou que dela se em conta sua hipótese deaproxime. escrita. ◦ Uso progressivo, para ler e escrever: - de diferentes ◦ Situações de leitura para refletir sobre o funcionamento do estratégias de leitura sistema alfabético, como por exemplo: - Ordenação de textos que sabe de cor - Cruzadinhas acompanhadas de uma lista de palavras para - do conhecimento consulta sobre como funciona o - Adivinhas acompanhadas de lista de palavras com as sistema alfabético de respostas escrita - Ditado cantado (encontrar palavras definidas pelo professor em textos poéticos e narrativos) - Listas compostas por palavras de um mesmo campo - do conhecimento semântico (frutas, brincadeiras, títulos de histórias etc.) sobre a separação onde as crianças precisem encontrar a palavra solicitada entre as palavras. pelo professor - Pareamento entre trechos de histórias e seu título ° Reescrita de texto conhecido, levando em Situações de escrita para refletir sobre o funcionamento do conta o gênero e seu sistema alfabético, como por exemplo: contexto de produção, ditando-o ao professor ou escrevendo de acordo com - Escrita de textos que sabe de cor a hipótese de escrita. - Reescrita de textos ou partes deles (individual ou em dupla) - Escrita de uma adivinha a partir das respostas - Escrita de listas de palavras de um mesmo campo semântico (nomes das crianças, brincadeiras, brinquedos, animais, frutas, material escolar, partes do corpo, compras a serem feitas etc), de preferência a partir de outras propostas realizadas ou de acontecimentos do cotidiano - Escrita em dupla de bilhetes, recados, avisos - Preenchimento de cruzadinha sem a relação de palavras (quando as crianças já apresentam escritas silábico- alfabéticas) - Escrita de títulos de histórias a partir de trechos lidos pelo professor.
  35. 35. “Quando as crianças ainda não estabelecem relação entre fala e escrita é fundamental criarsituações de aprendizagem para que: Assistam muitos atos de leitura em que é mostrado onde está escrito o que se lê; ‘leiam’ textos cujo conteúdo sabem de cor, recebendo previamente a informação de qual texto é, para que possam tentar ajustar o que sabem que está escrito com a própria escrita; Escrevam pequenos textos (que lhes façam sentido) e ‘leiam’ suas escritas para o professor, justificando suas escolhas; Trabalhem com colegas que já compreenderam que há relação entre fala e escrita, mas que ainda não estejam alfabetizados; Agrupamentos produtivos que se aproximem da zona proximal (com níveis próximos)Vygotsky Realizem atividades com o próprio nome e com os nomes de pessoas que gostem.Quando já estabeleceram relação entre fala e escrita, mas ainda não compreenderam anatureza da correspondência letra-som, é fundamental planejar situações de aprendizagem emque, além de procedimentos semelhantes aos descritos acima, as crianças: ‘leiam’ textos fazendo uso de outras estratégias de leitura além da decodificação (ou seja, estratégias de antecipação, inferência, seleção, verificação); Comparação, quando observa que a escrita do próprio nome ou dos colegas da classe está relacionado à parte das palavras de uma lista do mesmo grupo semântico. Sejam desafiadas a pensar no valor sonoro convencional das letras; Interajam com colegas que dão soluções diferentes para os desafios colocados pelas atividades – por exemplo, quem que já tem algum conhecimento do valor sonoro convencional das letras trabalhando com quem que ainda não tem.E, quando compreenderam muito recentemente a escrita alfabética, é fundamental planejarsituações de aprendizagem para que as crianças:  Leiam muitos textos de conteúdo parcialmente conhecido, de forma a se sentirem seguras para ler cada vez mais;  Realizem atividades que coloquem em questão a divisão do texto em palavras e a ortografia;  Trabalhem com colegas que já considerem a divisão do texto em palavras e a ortografia.”Assim, o trabalho com atividades permanentes de alfabetização deve começar pelafamiliarização das crianças em relação aos procedimentos necessários para ‘ler sem saber ler’ e‘escrever sem saber escrever’. É fazendo esse tipo de atividade que elas vão compreendendocomo é possível proceder... De início, com ajuda do professor, depois, com os colegas e depoissozinha. É isso o que tem sido chamado de delegação progressiva de responsabilidade: à medidaque as crianças vão se familiarizando com uma tarefa que não lhes é ainda conhecida, oprofessor vai passando da posição central para a de monitor – quando eles assumem agradualmente responsabilidade de execução da tarefa. Detalhando alguns tipos de atividades
  36. 36. O QUE O PROFESSOR O QUE AS O QUE AS CRIANÇAS ATIVIDADE PRECISA FAZER CRIANÇAS PRECISAM FAZER PRECISAM SABER Uso de texto fonte para ◦ Agrupar as crianças ajustando o escrever de próprio nível de desafio às suas possibilidades, para que tenham punho. -Ler em voz alta o que está escrito Trabalho com o problemas a resolver (ver o nos cartões de nomes. Nome Próprio quadro abaixo Considerando o conhecimento das crianças). - Associar as letras ao ◦ Tarjetas com nome dos alunos próprio nome e aos dos -Nos momentos coletivos ou em ◦ Propor tarefas às crianças. colegas. grupo encontrar, na lista, o ◦ Disponibilizar a interação entre elas. - Escrever o nome nome de determinado colega. próprio e o de seus colegas onde isto se faz necessário. -Interação com o colega, onde uma -Localizar o nome de um criança confirme a suposição de colega (ou o seu próprio) outra, por exemplo, a partir da na lista de alunos da indicação de um colega. classe. Ver textos Trabalhando com o nome Letra e Vida M2U3T4 E Guia de Planejamento do 1ª Ano –V.1 p. 35 a 41.Leitura de listas ◦ Agrupar as crianças ajustando o ◦ O conteúdo das ◦ Ouvir o que pede o professor. nível de desafio às suas listas. possibilidades, para que tenham ◦ Ler na lista o que foi solicitado problemas a resolver (ver o pelo professor. quadro abaixo Considerando o ◦ Discutir com o colega para conhecimento das crianças). encontrar a ◦ Apresentar a lista dizendo do palavra/título/frase solicitada. que ela é. ◦ Compartilhar com os colegas ◦ Propor a tarefa às crianças. as respostas encontradas. ◦ Solicitar que elas socializem as respostas dizendo como foram encontradas.Ordenação de ◦ Agrupar as crianças ajustando o ◦ Saber o texto de ◦ Ouvir o que pede o professor. nível de desafio às suas memória.textos (músicas, possibilidades, para que tenham ◦ Discutir com o colega paraparlendas, problemas a resolver (ver o encontrar o verso ou palavra. quadro abaixo). ◦ Ordenar o texto.poesias e outros  Importante: Paratextos poéticos) ◦ Informar qual é o texto que será ◦ Compartilhar com a classe a realizar essas atividades ordenado, solicitando que a ordenação. classe fale-o em uníssono. os alunos devem saber o texto de memória, mas VARIAÇÃO PARA ALUNOS COM ◦ Ler a tarefa para as crianças. não precisam conhecer ESCRITA ALFABÉTICA E SILÁBICO- ◦ Solicitar que ao final da a escrita do texto. Se o ALFABÉTICA atividade elas socializem as texto fizer parte de ◦ Entregar para as crianças só as respostas dizendo como foram algum material escrito letras móveis necessárias para encontradas. (livro, cartaz, caderno escrever a música, poesia ou de leitura...) utilizado parlenda informando que eles pela classe, ele não estão recebendo todas as deverá ser consultado letras necessárias para escrever o texto (se for curto) quando da realização da ou determinado trecho (se o atividade. texto for longo) e que não deve sobrar (e nem faltará) nenhuma letra OU ◦ Solicitar que escrevam o texto.
  37. 37. Leitura de ◦ Agrupar as crianças ajustando o ◦ A resposta da ◦ Ouvir a leitura feita pelo nível de desafio às suas adivinha. professor.respostas a possibilidades, para que tenham problemas a resolver (ver o ◦ Ler o que foi solicitado peloadivinhas quadro abaixo). professor. ◦ Ler a adivinha para as crianças. ◦ Discutir com o colega para encontrar a resposta da ◦ Propor a tarefa. adivinha. ◦ Solicitar que as crianças ◦ Compartilhar com os colegas socializem as respostas dizendo as respostas encontradas. como foram encontradas. VARIAÇÕES PARA ALUNOS COM ESCRITA ALFABÉTICA OU SILÁBICO-ALFABÉTICA ◦ Propor que as crianças leiam a adivinha e encontrem a resposta OU ◦ Pedir que leiam a adivinha e escrevam a resposta.Leitura de ◦ Agrupar as crianças ajustando o ◦ Que devem ◦ Contar o número de nível de desafio às suas encontrar a palavra quadradinhos correspondentepalavras de uma possibilidades, para que tenham correta na lista à figura escolhida para iniciarlista para problemas a resolver (ver o dentre várias de (assim saberá quantas letras quadro abaixo). mesma quantidade tem a palavra a serpreencher uma de letras (algumas procurada).cruzadinha ◦ Propor a tarefa. que, inclusive, começam e ◦ Ler as palavras para encontrar ◦ Solicitar que as crianças o nome equivalente à figura. socializem as respostas dizendo terminam igual). como foram encontradas. ◦ Discutir com o colega para encontrar o nome procurado. ◦ Copiar a palavra que se julga a correta. ◦ Compartilhar com os colegas as respostas encontradas. VARIAÇÕES PARA ALUNOS COM ESCRITA ALFABÉTICA OU SILÁBICO-ALFABÉTICA ◦ Distribuir uma folha com a mesma cruzadinha, mas sem a lista de palavras. ◦ Propor que as crianças preencham a cruzadinha como se faz palavras cruzadas habitualmente. A SEGUIR, VEREMOS UMA ORGANIZAÇÃO DE ROTINA DO PROFESSOR
  38. 38. Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira*Atividade Diversificada(cantos) Língua Portuguesa Língua Portuguesa Atividade Diversificada(cantos) Atividade Permanente Atividade Permanente Atividade Permanente Atividade Permanente Cantos: letras dos Nomes próprios, leitura de gibi, jogos,etc. Atividade Permanente ARTE Leitura feita pelo professor de texto Leitura feita pelo professor de narrativo. Livro: Obra literária ou texto narrativo. Livro: ObraCantos: letras dos Nomes próprios, leitura de acervo da caixa do Ler e Escrever. literária ou acervo da caixa do Lergibi, jogos,etc e Escrever.Atividade sequenciadas de alfabetização- Atividade sequenciadas de Atividade sequenciadas de Atividade sequenciadas deLeitura pelo aluno alfabetização Matemática alfabetização Língua alfabetização Matemática Língua Portuguesa Portuguesa Atividade PermanentePara alunos com escrita não-alfabéticas Para alunos com escrita não- Para alunos com escrita não- alfabéticas Para alunos com escrita não- alfabéticas-Trabalhando o nome Próprio. alfabéticas Leitura feita pelo professor de texto- Listas: leitura ou identificação de palavras informativo ou instrucional - atividade com nomes próprios ((de nomes, de listas, frutas, personagens, de - Conhecendo os números ( função letras móveis) Escrita de números situaçõestítulos de histórias, etc) social)/interação com colegas. problemas do cotidiano/ jogos de Ou... estratégias, contagem de coleções Para alunos com escrita alfabética “Notícias de jornais ou textos da - idade, nº de alunos da classe, etc Revista Ciências Hoje das - ordenação de trechos de textos: Agrupamentos. Crianças” -Calendário. poema ou parlenda.Ordenar as palavras das listas, Ler para ocolega. Para alunos com escrita Para alunos com escrita alfabética Leitura de curiosidades (listas) – com alfabéticatarefa propostas pelo professor. Para alunos com escrita alfabética Variações: variáveis que propõe - Contagem dos números ( nº de desafios utilizando dois ou mais alunos, idade,etc) e registros dos números, trilhas ao mesmos em tabelas. Atividade com nomes próprios contrário(ordem decrescente), com maior aprofundamento. registros de coleções,etc. -Responsáveis por manter o calendário atualizado. -Escrita dos nomes dos colegas. Reescrita de trechos da parlenda
  39. 39. ou poemas. RECREIO Língua Portuguesa Atividade sequenciadas de Projeto Didático alfabetização Língua Portuguesa Atividade Permanente ED. FISICA Sequência didática de ED.FISICA Escrita coletiva de um bilhete Para alunos com escrita não- para outra pessoa dizendo sobreLeitura feita pelo professor de texto narrativo. alfabéticas o Projeto que está sendoLivro: Obra literária ou acervo da caixa do estudado.Ler e Escrever - palavras cruzadas (com banco de palavras: nomes, listas, etc). Projeto contos- escrita de trechoLeitura de Hoje:................... de história conhecida (professor escriba - ditado cantado (música) -ditado interativo OBS: vai depender do projeto que está sendo privilegiado) Para alunos com escritaAtividade sequenciadas de alfabetização alfabéticaMatemática - palavras cruzadas (sem oferecer as palavras
  40. 40. Projetos Didáticos Projeto Didático Atividade permanente-Apresentação. Sequência didática: Leitura de Atividade Diversificada(cantos) imagem de brincadeiras antigas.-Leituras pertinentes ao projeto. Atividade Permanente Roda de leitura (compartilhar as Levantamento as brincadeiras leituras da semana)- escrita de textos conhecidos pesquisadas. Cantos: letras dos Nomes próprios,(Professor escriba) cartaz da classe. leitura de gibi, jogos,etc Escolha da brincadeira que vamosO Tema é...................... fazer o texto coletivo ARTEA tarefa proposta é............ (Professor escriba) cartaz da classePara quem?E onde vai circular? Atividade Permanente Cont... Atividade Permanente Atividades Ocasionais Cont... Roda de conversa Sequências didática do projeto. Roda de Conversa Campanhas ou informações ( de Roda de leitura saúde, etc.) que são pertinentes ao(notícias, programas de TV, currículo. Registrar no cartaz das leituras.domésticas,etc) “O cuidar de si do outro”
  41. 41. Bibliografia:Guia de Planejamento e Orientações e Didáticas- Professor Alfabetizador, SEE p.35 a $1RCNEI- Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil, p.8 à 23Programa Ler e Escrever- Guia de Planejamento e Orientações Didáticas do 1ª Ano as SériesIniciais do EF.Curso santillana: “A Inclusão da Criança de Seis Anos no Ensino Fundamental”http://curso.fundacaosantillana.com.br/course/view.php?id=22CGEB- PROJETO EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO EF-EMAI Referencial Teóricos:

×