Your SlideShare is downloading. ×
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

4ªpauta ação de formação dos 1º anos da séries iniciais ef 2012

2,016

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,016
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
31
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A inclusão da criança de seis anos no Ensino Fundamental de nove anos4ªAção de Formação dos 1º Anos das Séries Iniciais do EF Pauta do EncontroLeila Silva PCOPs Formadora: Presencial com Ação de Formação ds 1ºAnos das Séries Iniciais do EF
  • 2. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SP 4ª Ação de Formação dos 1º Anos das Séries Iniciais do EF “...Portanto, desde o princípio, a escola deve fazer as crianças participarem em situações de leitura e da escrita; é necessário pôr à sua disposição materiais escritos variados, é necessário ler para elas muitos e bons textos para que tenham oportunidade de conhecer diversos gêneros e possam fazer antecipações fundadas nesse conhecimento... É necessário lhes propor também situações de produção que lhes apresentarão o desafio de compor oralmente textos com destino escrito – para serem ditados ao professor, por exemplo -; no curso dessa atividade, serão apresentados problemas que as levarão a descobrir novas características da língua escrita e a se familiarizar com o ato de escrita, antes de saberem escrever no sentido convencional do termo.”. Délia Lerner Objetivos:  Ampliar os conhecimentos sobre a linguagem e os recursos discursivospresentes nos contos de fadas.  Garantir comportamentos de escritor ao apreciar Obra literária, como: • Planejar um texto e escrevê-lo. • Preocupar-se em reapresentar o conteúdo da história. • Preocupar-se em utilizar recursos discursivos para tornar a história mais interessante e alinguagem mais literária.  Propor análise das sequências didáticas de coleção de tampinhas, resolução de problemasde situações reais, que norteiam o trabalho com as Trajetórias Hipotéticas de Aprendizagem. Conteúdos  A linguagem dos contos de fadas.  Planejamento e produção escrita.  Recursos discursivos dos contos de fadas.  Sequências didáticas THA3. Síntese da Sequência Formativa: 1. Momento:Leitura em voz alta pela formadora do Livro “ Chapeuzinho Vermelho” Charle Perrault; 2. Momento: Informes –“Exposição dos Projetos” - SESC. 3. Momento: Produção Oral com destino escrito “ Conto Chapeuzinho Vermelho”. 4. Momento: Sequência Didática THA 3- Projeto EMAI 2
  • 3. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SP Sequência Formativa da Pauta: 1º Momento 1. Leitura pela Formadora do Livro “ Chapeuzinho Vermelho” Charles Perrault. PPT1 <http://lehylaprofessora.blogspot.com.br/> 2º Momento Informes: a) “ Exposição dos Projetos dos 1º Anos - SESC de São José dos Campos. Anexo 2 3º Momento Analisando duas situações de encaminhamentos para produção oral com destino escrito. Anexo 1 Em grupo: 1. Registre os apontamentos que podem ser considerados pelo seu grupo, socialize; 2. Assista a Vídeo da professora Mariluci <http://revistaescola.abril.com.br/lingua- portuguesa/alfabetizacao-inicial/vou-alfabetizar-todos-eles-fim-ano-423796.shtml>); 3. Considerações importantes. PPT2 4º Momento Projeto EMAI- THA 3 Em grupos: ANÁLISE DAS PROPOSTAS DE TRAJETÓRIAS HIPOTÉTICAS DE APRENDIZAGEM 3 DO 1º ANO DO EF ANOS INICIAIS. 1. Análise em grupos das sequências da THA 3 relativa ao 1º ano do Ensino Fundamental – Anos Iniciais. 2. Nesta análise,cada grupo deverá apresentar uma atividades das sequência didática, para atender sua real situação de sala de aula? 3. Socialize suas considerações. 5º MomentoMãos à obra: Aplicar as THA3 na sua classe, fazer o relatório semanal entregando para sua coordenadora.Aplique, também, a sequência de produção oral com destino escrito analisada e revisada pelo seu grupo.Bom trabalho! Anexo 1 Situação 1 3
  • 4. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SP Produção oral com destino escrito OBJETIVOS - O que os alunos podem aprender nesta atividade? Perceber a diferença entre a linguagem oral e a linguagem escrita. Comportamentos de escritor: planejar o que irá escrever, rever enquanto escreve, escolher uma entre várias possibilidades, rever após escrever etc. PLANEJAMENTO Quando realizar? Deve ser realizada em três ou quatro etapas, para que não canse demais os alunos. Como organizar o grupo? atividade coletiva. Duração: cerca de 40 minutos. ENCAMINHAMENTO A história já deve ser bem conhecida do grupo. Comunique a eles que o trabalho que se iniciará naquele momento vai prosseguir por alguns dias, pois um bom texto leva tempo para ser escrito. Avise que você será o escriba, mas que eles é que irão contar a história. Diga também que, depois que a história estiver pronta, você vai dar cópias para que todos as levem para casa e mostrem para seus familiares. Pergunte, então, como acham que a história deve começar. Discuta com o grupo as várias possibilidades e escreva a que fIca melhor (em letra bastão). Coloque questões que os façam refletir sobre a linguagem escrita.Você pode fazer perguntas como: a. Esta é a melhor forma de escrevermos isso? b. Será que o leitor vai entender o que queremos dizer? c. Falta alguma informação neste trecho? d. Como podemos fazer para esta parte ficar mais emocionante (bonita, com suspense etc.)? Na hora em que perceber que estão cansados, interrompa, copie o trecho que tiver sido escrito em papel kraft da lousa e avise que continuarão posteriormente. No dia em que continuar, coloque o papel com o trecho escrito na lousa, leia o que foi feito e dê prosseguimento à produção procedendo da mesma forma. Quando o texto estiver pronto, o ideal é que todos tenham cópias mimeografadas para levar para casa. Glaucia Demarchi 4
  • 5. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SPSituação 2 SEQÜÊNCIA DIDÁTICA - PRODUÇÃO ORAL COM DESTINO ESCRITOEsta seqüência didática tem por objetivo que os alunos se familiarizem com a produção decontos de fadas. O contato freqüente com este gênero – que foi lido diariamente por você – eas conversas sobre essas leituras servirão de matéria-prima para que eles, mesmo semescrever convencionalmente, possam ser autores de versões desses contos.Isso será possível quando forem propostas atividades nas quais os alunos elaborem textosoralmente,ditando-os para que você faça o registro escrito na lousa ou em um cartaz. Ao ditar,os alunos precisarão sentir-se autores da história, mesmo não estando alfabetizados, e,portanto, é preciso que você tenha clareza do seu papel de escriba.É importante destacar aqui que mesmo os alunos que já lêem e escrevem convencionalmentepodem aprender muito com essa atividade, pois tal estratégia possibilita importantesdiscussões sobre a linguagem que se usa para escrever, e, em função disso, podem ampliarsua atuação como escritores autônomos.Como escriba, você poderá utilizar, na frente dos alunos, estratégias de planejamento e revisãoda produção coletiva. Isso quer dizer colocar em ação os conteúdos relacionados ao queconsiste escrever para escritores mais experientes, realizando atividades de revisão de textosna presença e com a participação dos alunos que priorizem a análise e a reflexão sobre alíngua e não apenas a correção do texto. 5
  • 6. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SPEssas ações com o texto permitem que os alunos:1.Compreendam para que se planeja um escrito;2.Pensem em diferentes opções para o início de um texto;3.Busquem distintas possibilidades de expressar cada idéia debatendo sobre a qualidade queprecisam, para escolher aquela que melhor concretiza o que se quer dizer;4. Atenham-se às diferenças entre o oral e o escrito, entre o coloquial e o formal, entre o quecabe apnas na fala e o que só faz parte do universo da escrita;.5. Leiam e releiam (ou ouçam e ouçam novamente) o que já foi escrito para assegurar acoerência com o que está por escrever ou para revisá-lo da perspectiva dos leitores. Tudo issoé imprescindível para que construam conhecimentos importantes sobre os comportamentos deescritor.Os contos selecionados para esta seqüência deverão primar pela qualidade literária, pois,como sabemos, existem versões muito empobrecidas dos contos, tanto no que diz respeito àtrama narrativa quanto ao cuidado com a linguagem. Por isso, quando encontrar um conto commuitas ilustrações e textos de apenas uma linha para cada página, descarte-o. Para estasituação, certamente este é um conto pouco adequado.A produção ficará a cargo do grupo, mas isso não significa que você não vai poder interferir,muito pelo contrário. Seu papel será o de problematizar as elaborações feitas, confrontar assoluções dadas para um mesmo trecho e explicitar os comportamentos escritores: ler, reler erevisar, eliminar, trocar ou colocar novas palavras ou trechos, reler para ver como continua,para verificar se o texto está compreensível a um leitor ausente, se não tem repetições que otornam cansativo. Como vê, você terá muito trabalho a fazer.Mas lembre-se, você é o escriba. Não será preciso que os alunos copiem o texto produzidocoletivamente. O objetivo maior desta seqüência é a realização de uma atividade deelaboração de texto com o foco na qualidade da linguagem que se escreve.O QUE MAIS FAZER?A continuidade desta atividade é, a partir da escolha do conto de fadas que será produzidooralmente, listar com eles os cenários e personagens que fazem parte do conto escolhido epedir que, em pequenos grupos, façam, oralmente, descrições destes. Você deve anotar asdescrições para retomá-las quando for produzir o texto 6
  • 7. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SPCriar ilustrações para os personagens, neste contexto, faz todo o sentido. Colecione desenhosdos alunos, exponha e compare as diversas soluções encontradas por eles para bruxas, fadasetc. Embora esta seqüência didática esteja voltada para a linguagem que se escreve, épossível elaborar várias atividades de análise e reflexão sobre o sistema, voltadas,particularmente, para os alunos que ainda não escrevem convencionalmente.Você pode propor que:• Escrevam listas de seus personagens favoritos.• Com os títulos de várias histórias conhecidas escritos em tiras de cartolina, descubram, emduplas ou trios, qual título está escrito em cada tira.• Associem, em duas listas, o vilão e o protagonista de uma mesma história.• A partir de uma descrição (lida por você), pedir que procurem, numa lista com váriospersonagens, aquele que você acabou de descrever.Este procedimento de produzir textos oralmente pode ser amplamente utilizado, principalmenteneste momento em que ainda têm muita dificuldade em grafar um texto, mas são perfeitamentecapazes de compreender e produzir a linguagem escrita. Você pode propor a escrita de algunstrechos ou de outros tipos de textos, como os informativos, por exemplo.ORIENTAÇÕES PARA A SONDAGEM: REESCRITA1 – Escolha um texto de boa qualidade literária e que seja do gênero narrativo (conto, fábula,lenda);2 – Faça a leitura em voz alta do texto para os alunos (se necessário, leia uma segunda vezpara eles, mas somente se necessário);3 – Faça com eles o reconto: oralmente, peça que contem novamente a história lida;4 – Em seguida peça para que, individualmente, reescrevam a história sendo o mais fielpossível à história original do autor. Atenção: não é necessário que saibam a história de cor,mas sim que se utilizem das marcas do gênero narrativo, tempo verbal, vocabulário etc. e,principalmente, que mantenham o enredo da história. Portanto, não deixe que alterem o finalou mudem os personagens. É uma atividade de reescrita (escrever de novo o que alguém jáescreveu) e não de escrita de autoria, onde teriam que ser criativos e “inventar” coisas.5 – Com essa avaliação poderemos analisar como as crianças lidam com os recursoslingüísticos: gênero textual, coerência, coesão, segmentação de palavras, ortografia,paragrafação etc. Gislene Lima 7
  • 8. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SP Anexo 2Elaborando Banners para a ExposiçãoPrincipal função do pôster: SINTETIZAR INFORMAÇÕES E DADOS RELEVANTES DAPESQUISAA Apresentação de Pôsteres se constitui em exposição de trabalhos via cartazes, com fotos,figuras, esquemas, quadros e textos concisos, referentes a alguma experiência, atividade oupesquisa. Estes pôsteres ficam expostos ao público participante, sendo que o autor dos mesmoscoloca-se à disposição para fornecer eventuais esclarecimentos que forem solicitados pelosobservadores.Medida do Banner: 90X1,20m.Elementos de um pôster: INSTITUIÇÃO, AUTOR (s), REFERÊNCIAS ( se for o caso).Elementos básicos: Projeto desenvolvidos.IMAGENS ( fotografias)Texto: somente se for necessário para a compreensão do leitor)Fonte: de preferência aquelas maiores e mais visíveis (ex: Arial)Tamanho da fonte: Depende da quantidade de texto e o tamanho do pôster (NO MÍNIMOFONTE 20 para o texto).Sugestão: Título = Arial 60, Autores e instituição = Arial 36 (itálico),Texto = Arial 24, Bibliografia = Arial 16. Usar caixa alta, somente para os títulos.Programas indicados para montar um pôster: (PowerPoint, CorelDraw, PhotoShop)Recordando algumas orientações da 2ª Formação Recursos de mídia: Telão com as fotos digitais de sequências didáticas enviadas pelas escolas até 20 de agosto: Identificadas com nomes da escolas (lembre-se de ter em mãos autorização dos pais ou tirar fotos em posições que não aparecem o rosto da criança); Identificar qual é o projeto e o tipo de sequência de atividade do projeto a que se refere a foto. Selecionar no máximo de 10 fotos que será submetidas às montagens do Movie Maker. 8
  • 9. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃODIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Rua Porto Príncipe, 100 Vila Rubi CEP 12245572 São José dos Campos SP 9

×