• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Palestra Bullying Filinto
 

Palestra Bullying Filinto

on

  • 1,223 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,223
Views on SlideShare
1,155
Embed Views
68

Actions

Likes
2
Downloads
15
Comments
1

4 Embeds 68

http://escolafilintomuller.wikispaces.com 37
http://escolafilintoangelica.blogspot.com.br 19
http://escolafilintoangelica.blogspot.com 10
https://escolafilintomuller.wikispaces.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Bullying can have catastrophic consequences for all involved.If your child reports being bulied, write down her story.These can help you prove that a pattern of bullying is occurring, and it will let school officials know that you take the problem seriously.As a way of helping everyone especially the parents, who find it quite hard to manage time, I found this great Safety Service which featured a safety app which gets me connected to a Safety Network or escalate my call to the nearest 911 when needed, it has other cool features that are helpful for your kids with just a press of a Panic Button. #SafekidZone, Check it here: http://bit.ly/ZjYchC
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Palestra Bullying Filinto Palestra Bullying Filinto Presentation Transcript

    • ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER ANGÉLICA – MS. 15 DE Setembro de 2011
    • BULLYING: A BRINCADEIRA QUE NÃO TEM GRAÇA
      • Todos os dias, alunos no mundo todo sofrem com um tipo de violência que vem mascarada na forma de “brincadeira”. Estudos recentes revelam que esse comportamento, que até há bem pouco tempo era considerado inofensivo e que recebe o nome de bullying , pode acarretar sérias consequências ao desenvolvimento psíquico dos alunos, gerando desde queda na autoestima até, em casos mais extremos, o suicídio e outras tragédias .
    • QUAL É A GRAÇA DISTO?
    • A ORIGEM
      • Quem nunca foi zoado ou zoou alguém na escola? Risadinhas, empurrões, fofocas, apelidos como “orelhudo”, “rolha de poço”, “quatro-olhos”, todo mundo já testemunhou uma dessas “brincadeirinhas” ou foi vítima delas.
      • Mas esse comportamento, considerado normal por muitos pais, alunos e até professores, está longe de ser inocente. Ele é tão comum entre crianças e adolescentes que recebe até um nome especial: bullying . Trata-se de um termo inglês utilizado para designar a prática de atos agressivos entre estudantes. Traduzido ao pé da letra, seria algo como intimidação e, trocando em miúdos, quem sofre com o bullying é aquele aluno perseguido, humilhado, intimidado.
    • O que é bullying?
    • BULLYING
      • É toda agressão feita com a intenção de machucar outra pessoa - ou até uma turma inteira.
      • Mas, para ser considerado bullying de verdade, também é preciso que essa atitude agressiva se repita uma porção de vezes.
      • Sabe aquele garoto que fica “gozando” o colega todo santo dia, fazendo piadinhas infelizes a respeito da orelha de abano do garoto? Dos seus quilinhos a mais? Dos óculos que ele usa para enxergar melhor?... Pois é... essa atitude grosseira, repetitiva, disfarçada de brincadeira é o tal de bullying !
      • No entanto, esse comportamento vai além dos apelidos maldosos. Ele também é uma característica de quem gosta de ofender, humilhar, discriminar, intimidar, enfim, de quem se diverte fazendo tudo o que faça uma menina (ou um menino) sofrer.
    • Menino é diferente
    • MENINOS & MENINAS
      • A prática do bullying nem sempre é igual para meninos e meninas. Segundo Aramis Lopes, pediatra e coordenador do Programa de Redução do Comportamento Agressivo entre Estudantes, os garotos são mais explícitos. É comum ver meninos tirando sarro de alguém na frente de todo mundo. "Já a menina é educada para ser mais recatada, discreta. Sendo assim, a estratégia delas é outra“.
      • É isso mesmo! A menina é mais sutil e vai, como se diz, "comendo pelas bordas". Uma fofoquinha aqui... uma esnobada ali... e lá está ela colocando em prática sua maldade. "A princípio, elas são amigas. Mas, quando vai ver, uma garota já está sendo vítima de difamação e exclusão dentro de seu grupo“. Para esses casos, a melhor solução é trocar de turma! Afinal de contas, você é livre para ser amiga de quem bem entender e não tem nada a ver ficar atrás de meninas que só querem vê-la numa pior, não é mesmo?
    • A GOZAÇÃO
      • Quando o assunto é gozação na frente de todo mundo, como nos casos em que o cidadão grita um apelido infeliz pelos quatro cantos da escola, a saída é evitar reforçar essa atitude e tentar ignorar o máximo que puder.
      • E, também, sair de perto para a brincadeira não continuar e você não sofrer ainda mais.
    • RESPEITO À DIFERENÇA EVITA O BULLYING Bullying machuca dentro e fora...
    • Contar ou não, eis a questão
    • OS PAIS
      • E os pais, como ficam nessa história toda?
      • Se tiver coragem, conte a eles, pois podem ajudá-lo.
      • Procure alguém de sua confiança, um colega, um professor, um funcionário da escola, ou seus pais e conte o que se passa com você.
      • De preferência, os pais só devem interferir com o consentimento dos filhos. Se você estiver certo de que quer a ajuda de seus pais nessa luta, peça uma mãozinha. Do contrário, se tiver medo de que a situação piore, busque apenas o apoio deles, mas não desista de tentar se livrar desse sofrimento. Ficar quieto e aceitar todos os tipos de maldade é o comportamento mais incorreto. Muitas vezes, quando ficamos chateados, não há nada melhor do que o colo e os conselhos do pai e da mãe para nos dar um calorzinho no coração.
    • A DIREÇÃO DA ESCOLA
      • A direção da escola também pode – e deve - ser avisada, principalmente em casos mais graves, como os de ameaça.
      • Entretanto, se você não quer falar abertamente sobre o que está acontecendo, vale sugerir à diretoria que faça um programa de conscientização com os alunos. Você pode, por exemplo, dizer que tem visto alguns colegas sofrendo por causa do bullying e que seria muito bom se houvesse alguém para conversar com todos os alunos, alertando-os sobre esse mal.
    • A ESCOLA
      • A escola não deve ser apenas um local de ensino formal, mas também de formação cidadã, de direitos e deveres, de amizade, de cooperação e de solidariedade .
    • Por que essas criaturas existem?
    • “ TURMINHA DO MAL”
      • Ninguém nasce com um "gene do bullying". Isso não é um defeito de fabricação.
      • Normalmente, o chamado "agressor" começa com atitudes ruins desde criança. Um exemplo é o caso da criança que fala palavrão, todo mundo acha bonitinho e ninguém impõe limites. Quando ela se torna adolescente, leva suas "brincadeirinhas" de mau gosto na bagagem e atinge seus colegas da mesma idade.
      • O agressor impõe o seu comportamento dentro do grupo e, com isso, atrai seguidores - a “turminha do mal” -, que passam a fazer maldades também. Dessa forma, se estourar algum problema, o líder joga a responsabilidade dos seus atos para cima dos outros e, ao mesmo tempo, diminui seu peso na consciência,
    • “ TURMINHA DO MAL”
      • Muitos garotos e garotas, por iniciativa própria, não fariam tantas maldades, mas, para pertencer a um determinado grupo, acabam seguindo os passos de um líder. Portanto, se você encontrar uma “turminha do mal” por perto, deixe-a para lá.
      • O ditado "Não faça com os outros o que você não gostaria que lhe fizessem" é muito importante. Lembre-se sempre dele.
    • As consequências
    • ESQUECER...
      • Quem já sofreu com o bullying sabe que não é fácil esquecer a humilhação. Por isso, é comum a vítima levar esse trauma para a vida adulta.
      • Os efeitos mais comuns dessa agressão são: depressão, insegurança, problemas na escola e síndrome do pânico. Em casos mais extremos, a vítima pode tornar-se violenta com os colegas ou, até mesmo, querer se matar.
      • Por isso, se você já foi - ou está sendo - alvo de maldades, não tenha vergonha nem receio de procurar ajuda profissional. Um psicólogo poderá auxiliá-lo a superar esses traumas e a reagir com mais facilidade diante das agressões.
      • Uma outra forma de livrar-se desse peso é desabafar com um(a) amigo(a) bacana ou com alguém em quem você confia pra valer.
      • Implante política antibullying nas escolas, envolvendo professores, funcionários, alunos e pais.
      • A melhor forma de tratar o bullying é evitar que ele ocorra, então... INTERROMPA O BULLYING ANTES QUE ELE COMECE!!!
        • Portanto:
        • * Informe;
        • * Sensibilize;
        • * Conscientize
        • * Mobilize!
      O que fazer para combater o bullying nas escolas?
    • O que fazer para combater o bullying nas escolas?
      • * Qualquer forma de bullying é inaceitável.
      • * Adultos não são testemunhas de bullying . Alunos sim.
      • * Se seu filho(a) ou seu aluno(a) disser que está sofrendo na escola, não ignore.
      • * Defenda seu filho, sua filha, seu aluno, sua aluna... Lute por eles! Ajude-os... Aja!
      • * Não permita que os anos “dourados” da escola sejam roubados por um bully . Denuncie!!!
      • * Não permita que ninguém sofra em silêncio, pois aquele que sofre em silêncio, pode sofrer a vida toda.
      • * O bullying se alimenta do silêncio das vítimas
    • O que fazer para combater o bullying nas escolas?
      • * Denunciar não é delatar, portanto DENUNCIE!
      • * Bullying dói … muito e, talvez, para sempre!
      • * Stop the bullying! - Pare o bullying!
      • *A pior coisa em relação ao bullying é considerar culpada a vítima e não o agressor.
      • *Todas as escolas devem se esforçar para prevenir e controlar o bullying , porque nenhuma escola está imune. O primeiro passo deve ser avaliar o entendimento que pais, alunos e professores têm sobre bullying e a frequência com que este ocorre, na visão de alunos e professores.
    • Casos envolvendo vítimas de BULLYING
    • Vítima de bullying...
      • Em janeiro de 2003, Edimar Aparecido Freitas, 18 anos, invadiu a escola onde havia estudado, no município de Taiúva, São Paulo, e com um revólver na mão, ele feriu gravemente cinco alunos e, em seguida, matou-se.
      • Obeso na infância e adolescência, ele era motivo de piada entre os colegas.
    • Vítima de bullying...
      • Na Bahia, em fevereiro de 2004, um adolescente de 17 anos, armado com um revólver, matou um colega e a secretária da escola de informática onde estudou.
      • O adolescente foi preso.
      • O delegado que investigou o caso disse que o menino sofria algumas brincadeiras que ocasionavam certo rebaixamento de sua personalidade.
    • Vítima de bullying...
      • Eric Harris, 17 anos, e Dylan Klebold, 18, sem antecedentes criminais, no dia 30 de abril de 1999, armados, invadiram o colégio Columbine High School (Colorado, Estados Unidos), onde estudavam, e mataram 13 pessoas.
      • Depois do massacre, os jovens se suicidaram. A explicação para a tragédia é que ambos eram alvos de chacota de colegas e professores. Essa rejeição causou revolta nos meninos, que acabaram tomando atitudes extremas.
    • Vítima de bullying...
      • 2ª feira – Tiraram meu dinheiro.
      • 3ª feira – Me xingaram.
      • 4ª feira – Rasgaram meu uniforme.
      • 5ª feira – Meu corpo está coberto de sangue.
      • 6ª feira – Terminou.
      • Sábado – Liberdade!
      • * Sábado foi o dia em que Vijay Singh, de 13 anos, foi encontrado morto, enforcado em casa, em Manchester – Inglaterra, em 1997.
    • Vítima de bullying...
      • Em fevereiro de 2010, na cidade de Remanso, Bahia, o jovem D., de 17 anos, matou duas pessoas e feriu três.
      • O menino sempre sofria humilhações na escola.
      • O garoto revelou que matou F., de 13 anos, porque ele vivia humilhando-o.
      • No dia do crime, F. teria estragado sua mochila e jogado um balde de lama nele.
    • DESFECHO
      • Vale lembrar que os episódios que terminam em homicídio ou suicídio são raros e que não são poucas as vítimas do bullying que, por medo ou vergonha, sofrem em silêncio.
      • Além de haver alguns casos com desfechos trágicos, como os citados, esse tipo de prática também está preocupando por atingir faixas etárias cada vez mais baixas, como crianças dos primeiros anos da escolarização.
      • Dados recentes mostram sua disseminação por todas as classes sociais e apontam uma tendência para o aumento rápido desse comportamento com o avanço da idade dos alunos. “Diversos trabalhos internacionais têm demonstrado que a prática de bullying pode ocorrer a partir dos 3 anos de idade, quando a intencionalidade desses atos já pode ser observada”, afirma Aramis Lopes, coordenador da Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência (Abrapia).   
    • SOLUÇÃO(?)
      • Se a responsabilidade e a preocupação com a educação de valores e a formação moral do aluno for assumida e dividida entre escola e família, de forma conjunta e com total interação, certamente se alcançará algo extremamente importante, que é a formação de indivíduos mais preocupados e mais dispostos a contribuírem para a construção, o desenvolvimento e a melhoria da sociedade, com o firme propósito de se ter um mundo melhor e mais justo.
    • REFLEXÃO
      • Tem-se uma grande e constante preocupação sobre a qualidade do mundo que deixaremos para as futuras pessoas, no entanto, quantas vezes paramos para nos perguntar:
      • “ Qual é a qualidade das pessoas que estamos deixando para o futuro do mundo”?
    • Muito Obrigado!!!
      • PROFESSORES:
      • LEILA ROSANA BOLONHIN
      • MIRKO DONISETE RODRIGUES BARBOSA