Uma Arquitetura para a Implantação Automática de Serviços em Infraestruturas de Nuvem
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Uma Arquitetura para a Implantação Automática de Serviços em Infraestruturas de Nuvem

on

  • 283 views

 

Statistics

Views

Total Views
283
Views on SlideShare
283
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • NIST: Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia

Uma Arquitetura para a Implantação Automática de Serviços em Infraestruturas de Nuvem Uma Arquitetura para a Implantação Automática de Serviços em Infraestruturas de Nuvem Presentation Transcript

  • Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife - PE Aluno: Lenin E. Abadié Otero Orientador: Silvio Meira Co-Orientador: Nelson Rosa - Recife, 30 de Agosto de 2013 -
  •  Contexto/Motivação  Problema  Objetivos  Computação em Nuvem  Proposta  Arquitetura  Ferramenta de Implantação  Avaliação  Conclusões e Trabalhos Futuros 2
  •  Grandes organizações adotam computação em nuvem para oferecer seus serviços.  Implantação de aplicações em ambientes de nuvem é uma atividade custosa e não trivial.  Realiza complexas tarefas manualmente, tornando o processo demorado e propenso a erros.  Utilização de diversas ferramentas e vasto conhecimento da área.  Diversidade de APIs. 3
  • Como fazer com que o processo de implantação de serviços em infraestruturas de nuvem seja realizado de uma maneira simples, automatizada e transparente, sem precisar de muito conhecimento por parte do desenvolvedor? - 4
  •  Objetivo Principal  Propor e descrever uma arquitetura para a implantação automática de serviços em infraestruturas da computação em nuvem.  Objetivos Secundário  Estudo e análise dos trabalhos existentes.  Propor uma arquitetura para o processo de implantação de serviços.  Desenvolver uma ferramenta baseada na nossa arquitetura.  Fazer uma avaliação experimental. 5
  •  NIST – “um modelo para permitir acesso ubíquo e sob demanda a um conjunto compartilhado de recursos computacionais, tais como rede, servidores, armazenamento, aplicações e serviços. Estes recursos podem ser rapidamente provisionados e liberados com o mínimo esforço de gerenciamento ou interação com o provedor de serviços”. Modelos de Serviço adaptada de Zhang et al. (2010) 6
  •  NIST – “um modelo para permitir acesso ubíquo e sob demanda a um conjunto compartilhado de recursos computacionais, tais como rede, servidores, armazenamento, aplicações e serviços. Estes recursos podem ser rapidamente provisionados e liberados com o mínimo esforço de gerenciamento ou interação com o provedor de serviços”. Modelos de Serviço adaptada de Zhang et al. (2010) 7
  •  NIST – “um modelo para permitir acesso ubíquo e sob demanda a um conjunto compartilhado de recursos computacionais, tais como rede, servidores, armazenamento, aplicações e serviços. Estes recursos podem ser rapidamente provisionados e liberados com o mínimo esforço de gerenciamento ou interação com o provedor de serviços”. Modelos de Serviço adaptada de Zhang et al. (2010) 8
  •  Oferecida para uso aberto para o público em geral em uma forma pay-as-you-go.  As infraestruturas são operadas exclusivamente dentro de uma organização.  Esta formada pela composição de duas ou mais infraestruturas de nuvens distintas. 9
  •  Processo de fazer um sistema disponível para os utilizadores.  Transição de código fonte para um sistema de software executável.  Processo que interrelaciona uma coleção de atividades. Tarefas de Implantação (Kecskemeti et al., 2011) 10
  •  Algumas tarefas de implantação são idênticas:  identificação de um destino de implantação adequado,  instalação e inicialização das MVs no provedor,  instalação e configuração de software,  Implantação do serviço.  Desafio: facilitar as tarefas de implantação.  Um modelo comum para implantação: Modelo de Aplicação Virtual. 11
  • SADE – Uma Arquitetura para a Implantação Automática de Serviços em Infraestruturas de Nuvem 12
  •  RQ01: Criação Automática do Ambiente.  RQ02: Configuração Automática de Ambiente.  RQ03: Implantação Automática de Serviços.  RQ04: Atualização Dinâmica do Ambiente.  RQ05: Suporte a Diversos Provedores. SADE – Service Automatic Deployment Environment. 13
  • Desenvolvedor 14
  • Desenvolvedor 15
  • Desenvolvedor 16
  • Desenvolvedor 17
  • Desenvolvedor 18
  • Desenvolvedor 19
  •  Modelo de Visão “4 + 1” (Kruchten, 1995)  Organiza a descrição da arquitetura de software, onde as cinco visões utilizadas descrevem um conjunto específico de preocupações. 20
  •  Aqui são descritos os comportamentos do sistema desde a perspectiva do usuário final e de outros envolvidos. 21
  •  Tem por finalidade dar suporte aos requisitos funcionais que o sistema deve fornecer em termos de serviço ao cliente.  O sistema é decomposto entre um conjunto de abstrações (objetos ou classes) . 22
  •  É um conjunto de tarefas que formam uma unidade executável.  Esta visão também especifica qual thread de controle executa cada operação de cada classe identificada na visão lógica  Processos  Processo 1: Criação do Ambiente  Processo 2: Instalação & Configuração  Processo 3: Atualização do Ambiente  Processo 4: Implantação do Serviço 23
  •  Processo 1: Criação do Ambiente 24
  •  Processo 2: Instalação & Configuração 25
  •  Processo 3: Atualização do Ambiente 26
  •  Processo 4: Implantação do Serviço 27
  •  Esta visão concentra-se no gerenciamento de configuração e organização dos módulos de software atuais no ambiente de desenvolvimento. 28
  •  Esta visão concentra-se no gerenciamento de configuração e organização dos módulos de software atuais no ambiente de desenvolvimento. 29
  •  Esta visão concentra-se no gerenciamento de configuração e organização dos módulos de software atuais no ambiente de desenvolvimento. 30
  •  Esta visão concentra-se no gerenciamento de configuração e organização dos módulos de software atuais no ambiente de desenvolvimento. 31
  •  Mostrar os nós que formam a topologia de hardware de um sistema onde este é executado. 32
  • 33
  •  Metodologia  Metodologia baseada na abordagem sistemática para avaliação de desempenho (Jain, 1991). Consiste em definir objetivos, métricas, fatores e níveis.  Objetivo  Analisar a arquitetura SADE com o propósito de avaliar o desempenho e a confiabilidade através da ferramenta Web desenvolvida a partir da nossa arquitetura. 34
  •  Métricas  Fatores e Níveis 35
  •  Configuração  Configuração de máquina local:  Notebook HP, processador Intel Core 2 Duo de 2.00GHz, 4GB de RAM, 500GB de disco rígido, executando em sistema operacional Windows 8 Professional Edition de 64Bits.  Número de execuções: Quinze (15)  Serviço de infraestrutura: Amazon EC2  Tipos de máquina: Micro, Small, Medium, Large  Software a ser instalado: Java JRE e Tomcat 6  Serviço a ser implantado: Serviço Web de geolocalização.  Tamanho do arquivo: 3,61 MB. 36
  •  Resultados – Configuração do ambiente Média do tempo de instalação e configuração 37
  •  Resultados – Configuração do ambiente      Estimativa de intervalo para a média de população (15 amostras) com 95% de confiança é de: Micro, entre 78,86s e 106,05s, Small, entre 132,56s e 165,27s Medium, entre 129,33s e 138,80s Large, entre 123,22s e 143,80s. Margem de erro num intervalo de confiança de 95% 38
  •  Resultados – Configuração do ambiente  Máquinas micro permitem aumentar a capacidade de CPU em curtos períodos quando ciclos adicionais estão disponíveis. * ECU: Unidade de processamento EC2 (ECU) – Uma ECU fornece a capacidade de CPU equivalente a um processador Opteron 2007 ou Xeon 2007 de 1.0 a 1.2 GHz. (AmazonAWS, 2013) 39
  •  Resultados – Implantação do serviço Média do tempo de implantação de serviço 40
  •  Resultados Intervalo de Tempo de Implantação de Serviços (95%) 41
  •  Discussão  Estes resultados não tem a finalidade de comparar ambas ferramentas.  A nossa ferramenta mantem os intervalos de tempos proporcionais aos obtidos com a ferramenta da Amazon.  A nossa proposta garante a correta implantação de serviços em infraestruturas de nuvem.  A nossa arquitetura garante automação, transparência, confiabilidade e rapidez para realizar este processo. 42
  •  Proposta de uma arquitetura para automatizar as tarefas de implantação.  Permitir a atualização do ambiente e selecionar a pilha de software.  Ferramenta intuitiva e de fácil utilização.  Atualmente oferece suporte a infraestruturas Amazon EC2 e uma nuvem privada local com sistema de gerenciamento OpenNebula.  Resultados favoráveis em relação ao tempo de realização do processo de implantação. 43
  •  Contribuições  Proposta de uma arquitetura.  Desenvolvimento de uma ferramenta.  Atualização do ambiente e montagem da pilha de software.  Avaliação dos resultados. 44
  •  Fora do escopo  Utilização de máquinas com sistema operacional Windows.  Atualização de aplicações/serviços após estes serem implantados.  Limitações  Fazer uma avaliação comparativa com os trabalhos existentes.  Problemas na infraestrutura virtualizada local (nuvem privada). 45
  •  Trabalhos Futuros  Executar experimentos com outras infraestruturas.  Estender a nossa arquitetura.  Desenvolver um módulo de provisionamento automático de serviços.  Desenvolver um módulo de atualização dinâmica de aplicações/serviços após a sua implantação. 46
  •  Publicações  Lenin Abadié, Tércio de Morais, Nelson Rosa, Silvio Meira, “An Architecture for Automatic Deployment of Service on Cloud Environment”. IEEE CloudNet 2013, Novembro, 2013. 47
  • Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife - PE Lenin e. Abadié Otero Email: leao@cin.ufpe.br Recife, 30 de Agosto de 2013