Your SlideShare is downloading. ×
Anatofisiologia vegetal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Anatofisiologia vegetal

1,226
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,226
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
97
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ANATOFISIOLOGIA VEGETAL PROF. MAGRÃO
  • 2. MORFOLOGIA VEGETAL A morfologia vegetal (Organografia) estuda a forma externa dos órgãos vegetais superiores.
  • 3. MORFOLOGIA VEGETAL As angiospermas são plantas mais evoluídas e complexas da Terra. Têm raízes, caules e folhas, órgãos da vida vegetativa. Na época da reprodução produzem flores, frutos e sementes.
  • 4. RAIZ  - Função: capaz de promover: a fixação do vegetal ao substrato; absorção de água e sais minerais; condução do material absorvido e o acúmulo de diversos tipos de substâncias de reserva.
  • 5. Partes da Raiz
  • 6. Raiz : Origem  A raiz originada diretamente da radícula embrionária chama-se normal e a raiz que se origina a partir de células parenquimáticas do caule ou da folha é denominada adventícia.
  • 7. Tipos de Raiz  Raiz axial ou pivotante: apresenta um eixo principal que penetra no solo e emite raízes laterais secundárias. É típica de dicotiledôneas (feijão) e gimnospermas (pinheiros);  Raiz fasciculada: sem eixo principal; todas crescem igualmente. Algumas ficam na superfície, aproveitando a água das chuvas passageiras. É típicadas monocotiledôneas (milho, capim).
  • 8. Tipos de Raiz  Raiz tuberosa: espessa devido ao acúmulo de substâncias de reserva, é axial quando a reserva é acumulada somente no eixo principal (cenoura, nabo, rabanete) e fasciculada quando a reserva também fica acumulada nas raízes secundárias (mandioca, dália etc.).
  • 9. Tipos de RaizSuporte ou de Tabularcintamento Rizoma
  • 10. Tipos de Raiz Pneumatófora/Respiratória
  • 11. Raízes sugadoras ou haustórios  de plantas parasitas, penetram no caule de uma outra planta e podem estabelecer um contato com o xilema (lenho), de onde sugam a seiva bruta. Neste caso, a planta é chamada semiparasita. Ex.: erva-de- passarinho. Em outros casos, o haustório atinge o floema e passa a retirar a seiva elaborada. A planta, então, é chamada holoparasita. Ex.: cipó- chumbo.
  • 12. Anatomia da raiz
  • 13. Anatomia da raiz  a raiz pode ser dividida em três regiões: epiderme, casca ou córtex e cilindro central ou cilindro vascular.
  • 14. Epiderme com pêlos absorventes plantas terrestres retiram a água do solo através do seu sistema radicular(pêlos absorventes), por osmose e saisminerais por difusão e transporte ativo das células epidérmicas.
  • 15. Anatomia da raiz  Caliptra (cofia): órgão apical como um capuz ou “camisinha” que reveste ou protege o meristema apical radicular da invasão de microorganismos, choques mecânicos e orienta o tropismo da raiz em relação ao solo.
  • 16. Anatomia interna da raiz
  • 17. Anatomia interna da raiz
  • 18. Anatomia interna da raiz  Periciclo: porção do cilindro vascular compreendida entre os tecidos vasculares e a endoderme, formadora de raízes laterais .
  • 19. Anatomia interna da raiz  A zona cortical é principalmente constituída por células parenquimatosas, que são separadas por espaços de vários tamanhos, que se desenvolvem durante o crescimento inicial do órgão, adaptados células a respirarem.
  • 20. Anatomia interna da raiz monoO córtex auxilia na condução deágua e minerais dissolvidosatravés da raiz, desde aepiderme até ao xilema, earmazena várias moléculastranslocadas. A endodermeocorre de maneira diferente nas dicoMono e Dicotiledóneas, sendonas Monocotiledóneas em "U" enas Dicotiledóneas sob a formade pontuações, denominadaspontuações de Caspary.
  • 21. Caule  O caule suporta as folhas, flores, frutos e através dele circulam as seivas. Na sua organização apresenta nós, entrenós e gomos laterais, estes podem desenvolver-se originando ramos com folhas e flores.
  • 22. Caule
  • 23. Caule  Gemas : células embrionárias típicas do caule.
  • 24. Tipos de caules Tronco jovem(talo) bulbo
  • 25. Caule deMonocotiledôneas  Em secção transversal, as partes constituintes são epiderme, o córtex e o cilindro central ou vascular.  A epiderme, a estrutura mais externa do caule, é geralmente cutinizada, para prevenir a perda excessiva de água, possui ainda lenticelas e por vezes é provida de pêlos pluricelulares.
  • 26. Caule deMonocotiledôneas
  • 27. Caule de mono e dicotiledôneas
  • 28. Caule de dicotiledôneas (estrutura secundária)  Nos caules jovens se encontra o cilindro central, onde xilema e floema estão agrupados em cordões ou feixes concêntricos com disposição típica.
  • 29. Caule dedicotiledôneas
  • 30. FOLHAS Orgão fotossintetizante de estrutura achatada e fina, de modo que o tecido clorofiliano, responsável pela fotossíntese fique próximo à superfície.
  • 31. FOLHASSão constituídas basicamente de: Limbo - laminar e verde, comumente muito delgado; Pecíolo - espécie de pedicelo, inserido na base do limbo; Bainha - situada na parte inferior do pecíolo.
  • 32. FOLHAS: MORFOLOGIA
  • 33. FOLHAS ANATOMIA INTERNA
  • 34. FOLHASANATOMIAINTERNAESTÔMATOS
  • 35. FOLHASANATOMIA INTERNA E EXTERNA
  • 36. DIFERENÇAS : MONO E DICOTILEDÔNEAS
  • 37. DESENVOLVIMENTO VEGETAL GERMINAÇÃO EPÍGEA Típica de dicotiledôneas
  • 38. DESENVOLVIMENTO VEGETAL GERMINAÇÃO HIPÓGEA Típica de monocotiledôneas
  • 39. MERISTEMAS :TECIDOS EMBRIONÁRIOS Meristemas são tecidos embrionários que se diferenciam eoriginam os tecidos permanentes ouadultos das plantas.
  • 40. MERISTEMAS PRIMÁRIOS OU APICAIS Originados diretamente do embrião.Diferenciam- se originando tecidos adultos nos ápices germinativos(ponta da raiz, caule e folhas) persistindo por toda vida da planta, responsável pelo crescimento apical Ex. Meristemas Primários (altura ou tamanho). do caule ou gemas
  • 41. MERISTEMAS SECUNDÁRIOS LATERAISEntre o xilema e o floema do cilindro central se desenvolve o câmbio e como as raízes se espessam graças às divisões radiais de suas células, o córtex se torna cada vez menor, descamando-se para fora da raiz. Epiderme e córtex perdem-se completamente. A nova camada externa é composta por células suberificadas constituindo a periderme que se desenvolve a partir do felogênio.
  • 42. MERISTEMASSECUNDÁRIOS LATERAISEm caules que se espessam com a idade,há uma zona meristemática chamada câmbio, cujas células se dividem rapidamente e atrás da qual existe uma região de células que se alongam com rapidez.Isso ocasiona o crescimento em espessura da planta.

×