MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS  E O BRASIL  Carlos A Nobre, INPE UM PESO INSUPORTÁVEL? II Simpósio de Credito de Carbono e  C...
Como o ambiente da Terra está mudando, e quais as consequências para a nossa civilização e mesmo para a sustentabilidade d...
Conteúdo … <ul><li>O Antropoceno e a Grande “Aceleração” </li></ul><ul><li>Os Riscos Sistêmicos ao Sistema Terrestre </li>...
Parte I  O Antropoceno e a Grande “Aceleração”  O Sistema Terrestre encontra-se num estado sem análogos: estamos realizand...
<ul><li>Antropoceno </li></ul><ul><li>“ A influência da humanidade no Planeta Terra nos últimos séculos tornou-se tão sign...
A cada hora, 9,000 pessoas se somam à população  mundial
A cada hora,   4 Milhões de toneladas de CO 2  são emitidos
A cada hora,   1,500 hectares de florestas são derrubadas
<ul><li>A cada hora, </li></ul><ul><li>Atividades humanas adicionam 1.7 milhões de Kg  nitrogênio reativo às florestas, ca...
A cada hora,   3 espécies são extintas  (1000 vezes mais rápido do que os processos naturais)
“ Nosso pé pisa fundo no acelerador e nos estamos indo na direção de um abismo.” Ban Ki-Moon,  2009
Aumento de CO 2 , N 2 O, CH 4 Aquecimento Global Degradação da terra Perda de Biodiversidade Eutrofização Poluição Extraçã...
Steffen et al. 2004 IGBP 2003 “ “ Fotografias” do Antropoceno e a “Grande Aceleração”
CO 2 CH 4 N 2 O IPCC 2007 WGI [CO 2 ] aumentou de 280 ppm em 1750 para 383 ppm em 2007 140 anos [CH 4 ] aumentou de 715 pp...
Charles David Keeling 20 Abril 1928  –  20 Junho 2005 Curva de Keeling de CO 2   Atmosférico  em Mauna Loa, Havaí Curso de...
O Aquecimento  é   inequ í voco!  1896: Arrhenius liga causa a efeito! Aumento das temperaturas atmosféricas Aumento do ní...
Parte II  Os Riscos Sistêmicos ao Sistema Terrestre  O Sistema Terrestre encontra-se à beira da irreversibilidade?
Se colocarmos muitos trilhões de dólares (ou euros, ou reais ou pesos), poderemos resolver o problema do aquecimento globa...
“ Pontos Críticos” do Sistema Terrestre Desparecimento do Gelo Ártico no Verão Derretimento  das Geleiras da  Groelândia C...
Savanização da Amazônia e  ‘Aridização’ do NE do Brasil Riscos aos Biomas Brasileiros Floresta Savana Caatinga Savanas  na...
Alguns eventos extremos inusuais durante 2004-2006: Cortesia:  G. Magrin, INTA, Argentina 2005: Temporada  recorde de fura...
Parte III Ainda é Tempo de Reduzir os Riscos Futuros A necessária e urgente “descarbonização” quase completa dos sistema d...
O que nos aguarda no futuro e o que j á  foi comprometido <ul><li>O Aquecimento vai aumentar se of GEEs aumentarem.  Se os...
Estão cumprindo Kyoto Não estão cumprindo Redução de emissões agregada de Kyoto é muito pequena! Redução prometida 2008-20...
Trajetória das Emissões Globais de Combustíveis Fósseis Raupach et al. 2007, PNAS; Canadell et al. 2007, PNAS Taxa constan...
Cortesia: Suzana Khan Ribeiro, MMA Equivale a 5 Gt  C/ano em média no Século XXI Emissão global atual = 9,5-11,5  Gt C/ano...
Richardson, K. et al., 2009. Climate Change. Global Risks, Challenges and Decisions  Synthesis Report. Copenhagen 2009, 10...
As dimensões éticas das Mudanças Climáticas Globais Há uma questão de ética e justiça: as pessoas que vão sofrer as conseq...
Fonte: http://opetroleiro.files.wordpress.com/2009/12/estadao_18-12_copenhagen.jpg COP15  Copenhague Brasil anuncia compro...
Cenário Internacional das Negociações de Clima Para limitar o aquecimento global a 2  o C, o mundo só poderá emitir mais  ...
Parte IV   Impactos das Mudanças Climáticas no Brasil  O Brasil é muito ou pouco vulnerável às mudanças climáticas?
Anomalas de chuvas (%) (Anual) [(2071-2100)- (1961-90)]  Anomalias de Temperatura (C) Anual [(2071-2100)- (1961-90)]  Seco...
Aumenta o Número de Noites Quentes  <ul><li>Presente (1961-1990) </li></ul>Futuro: Cenário A1B Diminui o Número de Noites ...
Increase in the frequency of extreme rainfall events for 2071-2100 relative to 1961-90 in western Amazonia and southern Br...
% change in rainfall (December to February season) in 2080s relative to 1961-90 mean Change in annual mean temperature: Br...
Irrigação Necessária Baixo Risco Climático Irrigação Recomendada Risco de Geadas Risco de Temp. Elevadas Alto Risco Climát...
Mudanças Climáticas  e a  |Mata Atlântica - 30% - 65% A B C Ocorrência  potential  no presente Ocorrência projetada em 205...
Clima e Endemias Esquistossomose Leptospirose Dengue Cortesia: Christovam Barcellos, FIOCRUZ, 2008 Isoterma de 22 o C Chuv...
Impacto possível na disponibilidade de água no Nordeste 1961-1990 2071-2100 fontes: Javier Tomasella (INPE), Enéas Salati ...
MUDANÇAS CLIMÁTICAS, MIGRAÇÕES E SÁUDE: CENÁRIOS PARA O NORDESTE BRASILEIRO, 2000-2050  (Barbieri et al. 2008)
Sudeste da América do Sul:  Aumento na intensidade e freqüência de dias com chuva intensa (1951-2000) Índice R10 - Número ...
Região costeira Blumenau Esses desastres afetaram em torno de 60 cidades e mais de 1,5 milhões de pessoas, com 133 mortes,...
Chuvas intensas e deslizamentos em encostas  em 01 de Janeiro de 2010 Episódio de Chuvas Intensas:  Angra dos Reis, RJ
Eventos de Chuvas Intensas na Cidade de São Paulo estão se tornarndo mais frequentes ... Número de Eventos por Décadas (19...
Inundações na cidade de São paulo em Fevereiro de 2010 Episódios de chuvas intensas:  São Paulo
Projeção dos Extremos de chuvas e impactos na Região Metropolitana de São Paulo R10 2020-2030  2050-60  2080-90 São Paulo:...
Principais Efeitos do Aquecimento Global no Mar que afetam Zonas Costeiras -   -  AECO COPPE/UFRJ <ul><li>Possível mudança...
Região Metropolitana do Rio de Janeiro  1 milhão de pessoas em risco de aumento do nível do mar e ressacas! Type Of Impact...
Deslizamentos em encostas Rio de Janeiro e Niteroi em Abril de 2010 Episódios de chuvas intensas: Rio de Janeiro
Parte V  O Brasil no Rumo ao Desenvolvimento Sustentável Uma oportunidade única para o Brasil liderar trajetória de susten...
Poderão os países  em desenvolvimento atingir  padrões aceitáveis  de desenvolvimento humano  sem sobrecarregar o meio amb...
O (Ainda) Desafio Populacional <ul><li>1 bilhão de pessoas em países ricos </li></ul><ul><li>2 bilhões de pessoas progredi...
A insustentável tendência atual dos  países desenvolvidos  e das economias emergentes! Ecological Footprint and Human Well...
Poderão os países  desenvolvidos reduzir sua  “ pegada” ecológica, mantendo  a qualidade de vida alcançada? Ecological Foo...
Poderá o Brasil, no Século XXI, tornar-se uma “potência ambiental tropical” ou o primeiro país tropical desenvolvido?
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Palestra carlos nobre 18 maio 2010

2,624 views
2,544 views

Published on

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
2,624
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Perhaps to start, it is worth reminding us all why we are here. The metaphor Ban Ki-Moon uses – of a car accelerating – is intriguing. What does it mean? And is it accurate?
  • Take a moment to pay a tribute to Charles David Keeling, who initiated the CO2 measures (suggestion by Jean Ometto)
  • IGBP Report 55, Science Plan and Implementation Strategy (2006), p. 13
  • B1 and A1B have similar population projections – ca 7 billion at 2100. A2 population more than double at 15 billion. GDP/capita is 47k$, 75k$, 16k$ for B1, A1B, A2.
  • Current emissions are tracking above the most intense fossil fuel scenario established by the IPCC SRES (2000), A1FI- A1 Fossil Fuel intensive; and moving away from stabilization scenarios of 450 ppm and 650 ppm. As emissões globais de CO2 de origem fóssil vinham subindo a uma taxa de 1,5% ao ano durante a década de 90. Porém, esta taxa de cresciemnto saltou para 3,5% nos últimos 8 anos (2000-2007). Em 2008, a taxa de crescimento foi menor, provavelmente em decorrência da crise financeira e do menor crescimento da econômia mundial.
  • Trabalhar aqui com a necessidade de estabilizar a concentracao na atm em 450ppm Energy-related emission trajectories from 2000 to 2100 to achieve stabilization of greenhouse gases in the atmosphere at three different targets (colored lines). The black line is a reference trajectory based on no climate policy. Estimated (median) probabilities of limiting global warming to maximally 2°C are indicated for the three stabilization targets 35,58,63 . Há um relativo consenso global em colocar uma meta de limitação ao aquecimento. Sugerido inicialmente no Terceiro Relatório de Avaliação do IPCC (2001), o limite de 2 graus Celsius vem adquirindo apoio generalizado, inclusive do Brasil. Ele não elimina totalmente os riscos (por exemplo, o nível do mar subirá entre dezenas de cm até mais de 1 m nos próximos 1000 anos mesmo com este limite), mas realisticamente não é mais factível reduzir o risco das mudanças climáticas a zero. Para ser conseqüente, há que se estabelecer limite de emissões condizente com esta meta.   Estudos científicos recentes indicam que para que seja mantido o limite de 2 graus Celsius, o total de gases de efeito estufa emitidos por atividade humana deve ser menor do que 1000 Gton C (1 trilhão de toneladas de carbono) e, com 50% de probabilidade, a temperatura não aumentaria mais de 2 graus Celsius. Desde a Revolução Industrial já lançamos cerca de 500 Gton C. Por esta contabilidade, nos restaria uma &amp;quot;cota&amp;quot; de 500 Gton C. Estamos lançando cerca de 10 Gton C por ano (como CO 2 ). Ao estabelecer uma meta global máxima para as emissões planetárias e ao considerar as emissões históricas, teríamos uma perspectiva de divisão equitativa para as emissões futuras. Recomendamos que a abordagem da metas global máxima deveria ser adotada pelo Brasil como estratégia de negociação. Defenderíamos que os países em desenvolvimento deveriam ter o direito utilizar a maior parte dos 500 Gton C que faltam para completar a meta máxima global de emissões. Decorre destes cálculos que a concentração de CO 2 -equivalente de equilíbrio de longo prazo condizente com aumento de temperatura menor do que 2 C é de aproximadamente 450 ppm. Recomendamos que o Brasil apóie a extensão natural do limite de 2 C: um valor máximo de concentração (450 pmm) ou equivalentemente de total permitido de emissões (500 Gton C) e buscar um regime de alocação deste “espaço de emissões” equitativo às responsabilidades históricas e às necessidades de desenvolvimento dos países.
  • Sustainability science challenges long-standing, institutionalized practices and frameworks that structure science in the north as in the south Expand here on your vision of sustainability science and the need to revamp research programs at international institutions such as those congregated by IGBP etc. And discuss Lahsen &amp; Nobre (2007) analysis of LBA: Sustainable science challenges how scientists Select, plan, execute and communicate their own research; Evaluate the work of others; Think about the relationship between science and societal problems. Source: Lahsen &amp; Nobre 2007 Having created a vision of what a sustainability transition entails, sustainability science is the science that supports it. It is anchored in concerns for the human condition, not in the current agenda of science. It is fundamental, integrative, regional and place-based. Finally, It is not simply science as most of us know it, it is not the valued environmental science or development science that most of us practice, but instead addresses their intersection—nature-society interactions
  • Palestra carlos nobre 18 maio 2010

    1. 1. MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E O BRASIL Carlos A Nobre, INPE UM PESO INSUPORTÁVEL? II Simpósio de Credito de Carbono e Ciclo de Debates “Estado e Sociedade” Vitória, 18 de Maio de 2010
    2. 2. Como o ambiente da Terra está mudando, e quais as consequências para a nossa civilização e mesmo para a sustentabilidade da vida no Planeta Terra? fonte: IGBP O que distingue as mudanças climáticas de outros grandes desafios que a humanidade enfrenta?
    3. 3. Conteúdo … <ul><li>O Antropoceno e a Grande “Aceleração” </li></ul><ul><li>Os Riscos Sistêmicos ao Sistema Terrestre </li></ul><ul><li>Ainda é Tempo de Reduzir os Riscos Futuros </li></ul><ul><li>Impactos das Mudanças Climáticas no Brasil </li></ul><ul><li>Conclusão: o Brasil no Rumo do Desenvolvimento </li></ul><ul><li>Sustentável </li></ul>
    4. 4. Parte I O Antropoceno e a Grande “Aceleração” O Sistema Terrestre encontra-se num estado sem análogos: estamos realizando um grande experimento geofísico sem precedentes
    5. 5. <ul><li>Antropoceno </li></ul><ul><li>“ A influência da humanidade no Planeta Terra nos últimos séculos tornou-se tão significativa a ponto de constituir-se numa nova época geológica” </li></ul><ul><li>Prof. Paul Crutzen </li></ul><ul><li>Prêmio Nobel de Química 1995 </li></ul>A “aceleração” do tempo no Antropoceno!
    6. 6. A cada hora, 9,000 pessoas se somam à população mundial
    7. 7. A cada hora, 4 Milhões de toneladas de CO 2 são emitidos
    8. 8. A cada hora, 1,500 hectares de florestas são derrubadas
    9. 9. <ul><li>A cada hora, </li></ul><ul><li>Atividades humanas adicionam 1.7 milhões de Kg nitrogênio reativo às florestas, campos agrícolas e corpos d’água </li></ul>
    10. 10. A cada hora, 3 espécies são extintas (1000 vezes mais rápido do que os processos naturais)
    11. 11. “ Nosso pé pisa fundo no acelerador e nos estamos indo na direção de um abismo.” Ban Ki-Moon, 2009
    12. 12. Aumento de CO 2 , N 2 O, CH 4 Aquecimento Global Degradação da terra Perda de Biodiversidade Eutrofização Poluição Extração de Água … .. 1900 1950 2000 Os últimos 50 anos testemunharam uma dramática degradação do capital natural da Terra Rockstrom
    13. 13. Steffen et al. 2004 IGBP 2003 “ “ Fotografias” do Antropoceno e a “Grande Aceleração”
    14. 14. CO 2 CH 4 N 2 O IPCC 2007 WGI [CO 2 ] aumentou de 280 ppm em 1750 para 383 ppm em 2007 140 anos [CH 4 ] aumentou de 715 ppb em 1750 para 1774 ppb em 2005 11 anos [N 2 0] aumentou de 270 ppb em 1750 para 319 ppb em 2005 80 anos Observações da composição da atmosfera mostram que Todas as concentrações atmosféricas dos Gses de Efeito Estufa vêm aumentando, tornando o aquecimento futuro inequívoco 37% 148% 18%
    15. 15. Charles David Keeling 20 Abril 1928 – 20 Junho 2005 Curva de Keeling de CO 2 Atmosférico em Mauna Loa, Havaí Curso de Introdução às Mudanças Climáticas, C Nobre e Mariane Coutinho, 2008
    16. 16. O Aquecimento é inequ í voco! 1896: Arrhenius liga causa a efeito! Aumento das temperaturas atmosféricas Aumento do nível do mar Reduções da neve no HN e os oceanos… e a alta atmosfera ….
    17. 17. Parte II Os Riscos Sistêmicos ao Sistema Terrestre O Sistema Terrestre encontra-se à beira da irreversibilidade?
    18. 18. Se colocarmos muitos trilhões de dólares (ou euros, ou reais ou pesos), poderemos resolver o problema do aquecimento global? <ul><li>Já atingimos algum ponto de irreversibilidade do Sistema Climático? </li></ul>
    19. 19. “ Pontos Críticos” do Sistema Terrestre Desparecimento do Gelo Ártico no Verão Derretimento das Geleiras da Groelândia Colapso da Floresta Amazônica Acidificação dos Oceanos Extinção de Espécies
    20. 20. Savanização da Amazônia e ‘Aridização’ do NE do Brasil Riscos aos Biomas Brasileiros Floresta Savana Caatinga Savanas na Amazônia Semi-Deserto no Nordeste Fontes: Oyama and Nobre, 2003 e Salazar, Nobre and Oyama, 2007
    21. 21. Alguns eventos extremos inusuais durante 2004-2006: Cortesia: G. Magrin, INTA, Argentina 2005: Temporada recorde de furacões Venezuela 1999-2005 Pampas Argentijnos 2000-2002 Inundações Seca na Amazoôia em 2005 Furacão Catarina Atlântico Sul Granizo La Paz Granizo Buenos Aires
    22. 22. Parte III Ainda é Tempo de Reduzir os Riscos Futuros A necessária e urgente “descarbonização” quase completa dos sistema de produção e consumo
    23. 23. O que nos aguarda no futuro e o que j á foi comprometido <ul><li>O Aquecimento vai aumentar se of GEEs aumentarem. Se os GEEs fossem mantidos constantes nos níveis atuais, um comprometimento de 0,6°C de aquecimento adicional aconteria até 2100. </li></ul>2,4 o C 3,4 o C 4 o C CO 2 Eq 850 600 400 1,2 o C IPCC 2007 WGI
    24. 24. Estão cumprindo Kyoto Não estão cumprindo Redução de emissões agregada de Kyoto é muito pequena! Redução prometida 2008-2012 Redução conseguida em 2005
    25. 25. Trajetória das Emissões Globais de Combustíveis Fósseis Raupach et al. 2007, PNAS; Canadell et al. 2007, PNAS Taxa constantes de crescimento por 50 anos até 2050 B1 1,1%, A1B 1,7%, A2 1,8% A1FI 2,4% Emissões em 2007 - 41% superiores às esmissões de 1990 Emissões estão além do cenário de mais altas emissões! PROBLEMA… DE DIFÍCIL SOLUÇÃO. . 2006 2005 2007 (Avgs.) 2008
    26. 26. Cortesia: Suzana Khan Ribeiro, MMA Equivale a 5 Gt C/ano em média no Século XXI Emissão global atual = 9,5-11,5 Gt C/ano 2 o C é o limite talvez ainda factível de ser atingido ; 500 Gt C 2000-2100 Alterações climáticas Emissão Concentração Forçamento Radiativo Temperatura 450 ppm 2 o C
    27. 27. Richardson, K. et al., 2009. Climate Change. Global Risks, Challenges and Decisions Synthesis Report. Copenhagen 2009, 10-12 March. www.climatecongress.ku.dk Limitar Aquecimento global a 2 C Trajetórias das emissões relacionasdas ao uso de energia para atingir a estabilzação das concentrações de GEE na atmosfera e o porcentual de probabilidade que esta determinada cncentração limite o aquecimento global a 2 C. Pico de emissões antes de 2020 e redução para quase zero até 2100
    28. 28. As dimensões éticas das Mudanças Climáticas Globais Há uma questão de ética e justiça: as pessoas que vão sofrer as conseqüências mais graves das Mudanças Climáticas Globais são aquelas que menos contribuiram ao problema Países desenvolvidos já emitiram 350 Gt C Reduções absolutas de emissões Países em desenvolvimento só emitiram 150 Gt C Reduzir ritmo de crescimento de emissões
    29. 29. Fonte: http://opetroleiro.files.wordpress.com/2009/12/estadao_18-12_copenhagen.jpg COP15 Copenhague Brasil anuncia compromisso de reduções de gases de efeito estufa entre 36% e 39% em relação a cenário tendencial para 2020 (equivalente a corte de 25%em relação a emissões em 2005) Brasil asssume protagonismo nas questões climáticas
    30. 30. Cenário Internacional das Negociações de Clima Para limitar o aquecimento global a 2 o C, o mundo só poderá emitir mais 500 bilhões de toneladas de C até o final do século. Países desenvolvidos terão que cortar emissões radicalentente Reduções absolutas de emissões Compromisso do Brasil ( Lei Nº 12.187 - 29/12/2009): Até 2020, país irá reduzir suas emissões entre 36% e 39% em relação ao cenário de crescimento tendencial (BAU) Países em desenvolvimento utilizasrão a maior parte desta cota Reduzir ritmo de crescimento de emissões
    31. 31. Parte IV Impactos das Mudanças Climáticas no Brasil O Brasil é muito ou pouco vulnerável às mudanças climáticas?
    32. 32. Anomalas de chuvas (%) (Anual) [(2071-2100)- (1961-90)] Anomalias de Temperatura (C) Anual [(2071-2100)- (1961-90)] Seco Quente Quente B2 B2 A2 A2 Cenários Climáticos Produzido pelo INPE
    33. 33. Aumenta o Número de Noites Quentes <ul><li>Presente (1961-1990) </li></ul>Futuro: Cenário A1B Diminui o Número de Noites Frias
    34. 34. Increase in the frequency of extreme rainfall events for 2071-2100 relative to 1961-90 in western Amazonia and southern Brazil-Northern Argentina Increase in the frequency of consecutive dry days in eastern Amazonia, Northeast Brazil west central Brazil A2- Dias com chuvas acima de 10 mm + + Cenário A2: Dias Secos Consecutivos + +
    35. 35. % change in rainfall (December to February season) in 2080s relative to 1961-90 mean Change in annual mean temperature: Brazil Change in annual mean temperature: Global Atmospheric CO2 concentrations Rainfall and temperature changes in the Amazon, São Francisco and Parana River basins for 2080 relative to 1961-90, as derived from the downscaling of the HadCM3 using the Eta CPTEC regional model (40 km). (Marengo et al 2010-In preparation) A2 A1B B2 +6.6 °C +5.4 °C 786 ppm +5.3 °C +4.4 °C 639 ppm +3.7 °C +3.1 °C 524 ppm 40% 47% 7% 31% 37% 5% 22% 27% 4%
    36. 36. Irrigação Necessária Baixo Risco Climático Irrigação Recomendada Risco de Geadas Risco de Temp. Elevadas Alto Risco Climático Fonte: E. Assad, Embrapa Café Arábica Zoneamento Atual Cenário para 2070
    37. 37. Mudanças Climáticas e a |Mata Atlântica - 30% - 65% A B C Ocorrência potential no presente Ocorrência projetada em 2050 Cenário de Baixas Emissões Ocorrência projetada em 2050 Cenário de Altas Emissões Fonte: Colombo 2007 , Using GARP . Área potencial migra para leste do Sudeste e Sul
    38. 38. Clima e Endemias Esquistossomose Leptospirose Dengue Cortesia: Christovam Barcellos, FIOCRUZ, 2008 Isoterma de 22 o C Chuvas no verão Baixas temperaturas Arroz Baixa amplitude de temperatura Chuvas constantes
    39. 39. Impacto possível na disponibilidade de água no Nordeste 1961-1990 2071-2100 fontes: Javier Tomasella (INPE), Enéas Salati (FBDS) Déficit Hídrico Maior! Déficit Hídrico Menos água Para agricultura!
    40. 40. MUDANÇAS CLIMÁTICAS, MIGRAÇÕES E SÁUDE: CENÁRIOS PARA O NORDESTE BRASILEIRO, 2000-2050 (Barbieri et al. 2008)
    41. 41. Sudeste da América do Sul: Aumento na intensidade e freqüência de dias com chuva intensa (1951-2000) Índice R10 - Número de dias com chuva acima de 10 mm/dia Vazio de dados na Amazônia, Nordeste e partes do Centro-Oeste. ? Fonte: J. Marengo et al., INPE, 200 7
    42. 42. Região costeira Blumenau Esses desastres afetaram em torno de 60 cidades e mais de 1,5 milhões de pessoas, com 133 mortes, 22 desaparecidos e mais de 78.000 habitantes forçados a sair de suas casas. Vale do Itajaí, SC, Novembro de 2008
    43. 43. Chuvas intensas e deslizamentos em encostas em 01 de Janeiro de 2010 Episódio de Chuvas Intensas: Angra dos Reis, RJ
    44. 44. Eventos de Chuvas Intensas na Cidade de São Paulo estão se tornarndo mais frequentes ... Número de Eventos por Décadas (1933-2009) Fonte: Estação Meteorológica do IAG-USP; análise: Julia Reid, INPE
    45. 45. Inundações na cidade de São paulo em Fevereiro de 2010 Episódios de chuvas intensas: São Paulo
    46. 46. Projeção dos Extremos de chuvas e impactos na Região Metropolitana de São Paulo R10 2020-2030 2050-60 2080-90 São Paulo: Expansão Urbana Mudanças em chuvas intensas relaticcas a 961-90
    47. 47. Principais Efeitos do Aquecimento Global no Mar que afetam Zonas Costeiras - - AECO COPPE/UFRJ <ul><li>Possível mudança nas direções de propagação das ondas devido a alterações na circulação atmosférica, semelhante ao que já acontece em eventos de El Niño: </li></ul>Adaptação e Vulnerabilidade da Zona Costeira às Mudanças Climáticas <ul><li>Tendência de realinhamento da linha de praia, criando sérios problemas em enseadas urbanizadas, e.g. Copacabana, Ipanema-Leblon, etc. (efeitos persistentes) </li></ul>Fonte: P. Rosman, COPPE-UFRJ Tendência de realinhamento do litoral devido a mudança na direção de propagação das ondas
    48. 48. Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1 milhão de pessoas em risco de aumento do nível do mar e ressacas! Type Of Impact Tourism Contamination Infrastructure Mangroves and Loss of Beaches Adaptation Strategies Coastal Defenses Sanitation Warning Systems Sand Replenishment Áreas de Ricos
    49. 49. Deslizamentos em encostas Rio de Janeiro e Niteroi em Abril de 2010 Episódios de chuvas intensas: Rio de Janeiro
    50. 50. Parte V O Brasil no Rumo ao Desenvolvimento Sustentável Uma oportunidade única para o Brasil liderar trajetória de sustentabilidade
    51. 51. Poderão os países em desenvolvimento atingir padrões aceitáveis de desenvolvimento humano sem sobrecarregar o meio ambiente? Ecological Footprint and Human Wellbeing WWF– Gland, Switzerland and Global Footprint Network (GFN), Oakland, California USA.ISBN 978-2-88085-290-0 IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) Quadrante da Sustestabilidade 1,8 ha “ Pegada” Ecológica (hectares per capita) Índia China EUA Brasil
    52. 52. O (Ainda) Desafio Populacional <ul><li>1 bilhão de pessoas em países ricos </li></ul><ul><li>2 bilhões de pessoas progredindo </li></ul><ul><li>3 bilhões de pobres que necessitam progredir </li></ul><ul><li>2,5 bilhões de pessoas ainda por vir </li></ul><ul><li>Demografia brasileira: estabilização antes de 2030 </li></ul>Em 2050, 86% da população mundial estarão nos países (hoje) em desenvolvimento, isto é, mais de 8,000,000,000 de consumidores tentando atingir os padrões de vida do Países Desenvolvidos.
    53. 53. A insustentável tendência atual dos países desenvolvidos e das economias emergentes! Ecological Footprint and Human Wellbeing WWF– Gland, Switzerland and Global Footprint Network (GFN), Oakland, California USA.ISBN 978-2-88085-290-0 IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) Quadrante da Sustestabilidade
    54. 54. Poderão os países desenvolvidos reduzir sua “ pegada” ecológica, mantendo a qualidade de vida alcançada? Ecological Footprint and Human Wellbeing WWF– Gland, Switzerland and Global Footprint Network (GFN), Oakland, California USA.ISBN 978-2-88085-290-0 IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) Quadrante da Sustestabilidade
    55. 55. Poderá o Brasil, no Século XXI, tornar-se uma “potência ambiental tropical” ou o primeiro país tropical desenvolvido?

    ×