Your SlideShare is downloading. ×
Esclerose Múltipla
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Esclerose Múltipla

559
views

Published on

Nesses slides vocês poderão tirar algumas dúvidas sobre a Esclerose Múltipla, espero que gostem.

Nesses slides vocês poderão tirar algumas dúvidas sobre a Esclerose Múltipla, espero que gostem.

Published in: Health & Medicine

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
559
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  Componentes:  Professor (a) / Matéria:  Série:
  • 2. Doença inflamatória crônica, e degenerativa do sistema nervoso central que interfere na capacidade de: • Controlar a visão; • A locomoção; • A bexiga; • O intestino; • O equilíbrio. Os casos de pessoas mais diagnosticados são em mulheres, podendo se iniciar aos 30 anos.
  • 3.  Progressiva-recorrente: do tipo progressiva com surtos. Desde o início da doença, mostra a progressão clara das incapacidades geradas a cada crise.
  • 4. • Diagnóstico feito excluindo outras doenças; • Se houver diminuição na função de duas partes do SNC - como reflexos anormais - em duas situações diferentes o médico pode suspeitar de esclerose múltipla.
  • 5. • São semelhantes aos de outras doenças do SNC; • Podem variar porque a localização e a gravidade de cada ataque podem ser diferentes; • Os ataques podem durar dias, semanas ou meses; • Febre, banhos quentes, exposição ao sol e estresse causam ou pioram o ataques.
  • 6. Sintomas musculares: • Perda de equilíbrio; • Espasmos musculares; • Dormência ou sensação anormal na zona; • Problemas para movimentar braços e pernas; • Dificuldade para andar; • Problemas de coordenação e para fazer pequenos movimentos; • Tremor em um ou mais membros; • Fraqueza em um ou mais membros.
  • 7. SINTOMAS DA BEXIGA E DO INTESTINO: • Constipação e incontinência fecal; • Dificuldade para começar a urinar; • Necessidade frequente de urinar; • Forte vontade de urinar; • Incontinência urinária.
  • 8. • Visão dupla; • Incômodo nos olhos; • Movimentos rápidos dos olhos incontroláveis; • Perda de visão (geralmente afeta um olho de cada vez).
  • 9. Dormência, formigamento ou dor: • Dor facial; • Espasmos musculares dolorosos; • Formigamento ou ardência de braços e pernas. Outros sintomas nervosos ou do cérebro: • Atenção e capacidade de julgamento diminuídas, perda de memória; • Dificuldade para raciocinar e resolver problemas. Depressão ou sentimentos de tristeza: • Tontura e problemas de equilíbrio; • Perda de audição.
  • 10. Sintomas sexuais: • Problemas de ereção; • Problemas com a lubrificação vaginal. Sintomas da fala e de deglutição: • Fala arrastada ou difícil de entender; • Dificuldade para mastigar e engolir; • A fadiga é um sintoma comum e incômodo à medida que a esclerose múltipla progride. Muitas vezes piora no fim da tarde.
  • 11. Os medicamentos usados para diminuir a progressão da esclerose múltipla devem ser tomados a longo prazo e incluem: • Interferons, acetato de glatirâmero, mitoxantrona e natalizumab; • Fingolimode; • Metotrexato, azatioprina, imunoglobulina intravenosa e ciclofosfamida também podem ser utilizados caso as drogas acima não sejam eficazes. Os esteroides podem ser usados para diminuir a gravidade dos ataques. Vale lembrar que atualmente não há cura conhecida para essa doença.
  • 12. Também podem ser úteis para pessoas com EM: • Fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e grupos de apoio; • Aparatos de assistência, como cadeiras de rodas, levantadores de cama; • Um programa planejado de exercícios no início do curso da doença; • Um estilo de vida saudável, com boa alimentação e repouso; • Evitar fadiga, estresse, temperaturas extremas e outras doenças; • Fazer mudanças em casa para evitar quedas. Complicações Possíveis • Depressão; • Dificuldade de deglutição; • Dificuldade de raciocinar; • Capacidade cada vez menor de cuidar de si mesmo; • Necessidade de um catéter permanente; • Osteoporose ou afinamento dos ossos; • Escaras (úlceras de pressão); • Efeitos colaterais dos medicamentos usados para tratar a doença; • Infecções do trato urinário.