A medida do tempo e a história da terra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

A medida do tempo e a história da terra

  • 702 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
702
On Slideshare
702
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
17
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Geologia – 10º Ano
  • 2. A geologia tem como objetivo fundamental estudar e interpretar a história da Terra, mas para além disto torna-se necessário fazer um enquadramento temporal dos acontecimentos geológicos
  • 3. A litostratigrafia é uma subdisciplina da estratigrafia que estuda a composição litológica (rochosa) dos estratos. Não se preocupa nem com o tempo de deposição, nem com a formação da rocha. é o ramo da geologia que estuda os estratos ou camadas de rochas, determinando os processos e eventos que as formaram.
  • 4. A unidade básica da litoestratigrafia é a formação geológica – Conjunto de rochas ou minerais Características litológicas (rochosa) dos estratos. Pode ser: - composição mineralógica, - granulometria - ou mesmo cor.
  • 5. No sentido de se determinar uma ordem cronológica para uma dada sequência de acontecimentos, estabeleceu-se um conjunto de métodos de forma a determinar a datação relativa dos estratos. + recente + antigo
  • 6. A acumulação de sedimentos ocorre na horizontal ou muito próximo desta. Os estratos que se encontram actualmente na diagonal sofreram modificações após a sua deposição Coluna Estratigráfica
  • 7. Numa sequência estratigráfica não deformada, um estrato mais recente sobrepõe-se a um estrato mais antigo, o que significa que os estratos serão tanto mais antigos quanto mais profundos se encontrarem e tanto mais recentes quanto mais superiormente se encontrarem na sequência estratigráfica.
  • 8. Embora o estrato se estenda lateralmente por longas distâncias, possui a mesma idade em toda a sua extensão lateral.
  • 9. Este princípio é fundamental para caracterizar o ambiente de formação das diferentes rochas e correlacionar litologias que se podem encontrar distantes, pois num mesmo estrato podem ocorrer variações litológicas.
  • 10. Aplica-se a estratos que são afectados por estruturas (falhas, diques, filões, …), em que estes elementos são mais recentes do que os estratos que intersectam.
  • 11. Aplica-se essencialmente a rochas compostas por fragmentos de outras rochas. Um estrato é mais recente do que as rochas ou sedimentos que incluiu ou assimilou.
  • 12. Quando as inclinações do conjunto superior e inferior são diferentes, fazendo um ângulo entre si, chamamos a este fenómeno: descontinuidade
  • 13. Explique os acontecimentos geológicos de forma sequencial.
  • 14. Classifica como verdadeiras ou falsas as afirmações: a) b) c) d) e) Ocorrem fenómenos de diagénese posteriormente à formação do gnaisse; As rochas vulcânicas são anteriores às rochas plutónicas; Nos tempos mais recentes ocorreram fenómenos de metamorfismo; O filão de basalto é a formação mais recente na sequência geológica; A falha ocorreu antes a formação dos depósitos de gesso.
  • 15. Considere os seguintes acontecimentos geológicos: A. Formação da “Série do Grand Canyon” B. Intrusão granítica C. Sedimentação, durante o Pérmico D. Deformação da “Série Grand Canyon” E. Erosão fluvial causada pelo rio Colorado F. Formação dos “xistos de Vishnu” G. Erosão Pré-Câmbrica dos “xistos de Vishnu” e da “Série do Grand Canyon” Coloque os acontecimentos segundo a ordem cronológica Justifique a resposta com base nos princípios da estratigrafia
  • 16. Os “relógios” paleontológicos são usados pela bioestratigrafia no estabelecimento da idade relativa das formações rochosas, com base no seu conteúdo paleontológico.
  • 17. Estratos com a mesma idade podem ser litologicamente diferentes e difíceis de correlacionar, mas se possuírem o mesmo conteúdo fóssil depositaram-se simultaneamente em diferentes locais.
  • 18. Este pressuposto está na base do Princípio da Identidade Paleontológica.
  • 19. Nem todos os fósseis podem ser usados na datação dos estratos. Os mais usados na bioestratigrafia são os fósseis de identidade estratigráfica (fósseis de idade). Apresentam uma distribuição limitada no tempo Ampla distribuição geográfica Abundantes nos estratos
  • 20. Devido à importância dos fósseis na datação das rochas, os cientistas criaram escalas de tempo geológico em que os limites entre os diferentes períodos estão associados a alterações muito importantes no registo fóssil.
  • 21. Permitem uma datação absoluta Datações radiométricas Magnetostratigrafia Decaimento radioactivo de alguns elementos químicos presentes no nosso planeta Minerais com propriedades magnéticas, são capazes de registar a orientação do campo magnético, no momento em que se formaram.
  • 22. O decaimento radioactivo ocorre em núcleos de átomos de elementos instáveis. Nestes núcleos, a força que une os protões e os neutrões não é suficientemente elevada para impedir que ocorram modificações no seu número, que são acompanhadas pela libertação de partículas atómicas ou ondas electromagnéticas – decaimento radioactivo.
  • 23. O tempo que demora a que metade dos núcleos dos elementos instáveis sofram decaimento designa-se por tempo de semivida ou semitransformação.
  • 24. Ao longo dos tempos ocorreram muitos e variados acontecimentos que marcaram a história da Terra. Entre estes podemos destacar: Períodos de intensa e contínua actividade vulcânica, registada pela existência de grandes escoadas de lava basáltica, como por exemplo, na província de Decão (Índia).
  • 25. Períodos de aquecimento e arrefecimento global, com importantes consequências ao nível do equilíbrio dos ecossistemas, provocando a extinção de muitas espécies.
  • 26. Períodos mais ou menos prolongados de subida ou descida do nível do mar (conhecidos como transgressões e regressões marinhas, respectivamente).
  • 27. Impacto da Terra com corpos vindos do espaço (asteróides, comentas, …), comprovados pela presença das crateras ainda existentes, tanto na superfície terrestre, como, sobretudo, pelas inúmeras existentes na superfície da Lua de outros planetas.
  • 28. As primeiras formas de vida surgiram há 3800 M. a. Eram formas de vida muito simples (Bactérias, seres unicelulares) Primeiro registo fóssil – os estromatólitos A este grupo pertencem as rochas mais antigas encontradas no nosso planeta
  • 29. Ocorreu o desenvolvimento de uma grande diversidade de flora, como fetos arbóreos e grandes coníferas. No seu começo houve uma grande explosão de biodiversidade aquática, com evolução de numerosos animais aquáticos invertebrados com esqueleto, como as trilobites e os corais.
  • 30. Surgiram os primeiros peixes, anfíbios e répteis O final do Paleozóico marca a maior extinção em massa já ocorrida no nosso planeta, já que aproximadamente 90% de todas as espécies marinhas não sobreviveu.
  • 31. Registou-se um grande domínio dos dinossauros. No final desta era aconteceu uma extinção em massa que causou o desaparecimento dos dinossauros e amonites Aparecem os primeiros mamíferos e aves
  • 32. Durante esta era ocorreu um grande desenvolvimento dos mamíferos. As aves e os mamíferos colonizaram todos os ambientes, tendo-se registado um aumento significativo da sua biodiversidade .
  • 33. Surgiram os primeiros hominídeos que viriam a evoluir até às formas actuais