Latinports Boletim Informativo Janeiro-Abril de 2011

277 views

Published on

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
277
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Latinports Boletim Informativo Janeiro-Abril de 2011

  1. 1. Janeiro-Abril 2011Ano 3, No. 1O Libro do Ministro de Portos do BrasilUmaAnálise Logística dos Portos BrasileirosMUITOANAVEGAR:LATINPORTS PRESENTE EM PORTFINANCE INTERNATIONAL BRAZIL EMJUNHOSUPERPORTO AÇU, BRASIL, NO TOP10 DE INFRA-ESTRUTURAGRUPO HUTCHISON INGRESSAÀ LATINPORTS ATRAVÉS DESUBSIDIÁRIAS MEXICANASVeja mais ... Veja mais ... Veja mais ...
  2. 2. CONTEÚDOJaneiroAbril2011O Libro do Ministrode Portos do BrasilMuito a Navegar:Uma análise logísticados Portos BrasileirosLatinports Presenteem Port FinanceInternacionalBrazil em JunhoSuperporto deAÇU,Brasil, No Top 10de Infra-estruturaGrupo HutchisonIngressa àLatinports atravésde subsidiáriasMexicanasNovos MembrosVinculadosNotícias PortuáriasLatino-americanasCapacitaçãoCorreioEditorialInícioGuindastes de Cais em LázaroCárdenas Terminal Portuáriode Contêineres, MéxicoDesignJulian Pinedawww.miroamarillo.comstudio@miroamarillo.com
  3. 3. OEditorialJaneiro - Abril 2011O ano de 2011 começou especialmente prolíficopara a Latinports. O Grupo Hutchison, o maior operadorportuário do mundo, ingressou formalmente à Associação através de suafilial latino-americana com sede no México, e se afiliaram novos membrosdos Estados Unidos e Europa. Além disso, representando o setor portuáriolatino-americano, fomos convidados a participar como conferencistas emvários importantes eventos regionais e mundiais: TOC Ásia em Tianjin,Euromoney Seminars em Miami, Andean Infraestructure Summit em Bogotáe Argus Americas Coal Summit em Nova Orleans (com uma média de umaconferência por mês), ainda que por problemas de agenda tivemos quedeixar de participar das duas primeiras. Em Maio e Junho vamos apoiar o12° Congresso Portos Brasil 2011 e Port Finance Infrastructure Brazil, esteúltimo evento onde também o diretor-executivo de Latinports apresentaráuma palestra sobre a Declaração de Brasília 2010: Avaliação e Perspectivas doSistema Portuário na Região. Mais tarde vamos começar à organização dosseminários especializados de nossa associação com o denominado Navegação eControle de Inundações no Rio Magdalena, que será realizado no mês de julho emBogotá com o apoio da Associação Colombiana de Logística, o primeiro devários que realizaremos anualmente, em diversos países, sobre os diferentesramos da atividade portuária.Em virtude do grande impulso da associação, no final do mês de fevereiro odiretor executivo se reuniu, no Rio de Janeiro, com o presidente do comitêexecutivo, Richard Klien, para planejar o agitado ano de 2011 e consolidar ossucessos obtidos para o nosso próximo grande evento anual, que se realizaráem Cartagena/Bogotá no mês de outubro. Nessa viagem o diretor executivoda associação teve a oportunidade de também se reunir com o ex-ministro deportos, Pedro Brito (postulado a diretor da Agência Nacional de TransporteAquático, Antaq), que manifestou sua satisfação pelo trabalho realizado pelaLatinports e reiterou todo o seu apoio.Este reconhecimento do setor portuário e de infra-estrutura à Latinportsnos enche de orgulho e nos obriga a ser cada vez mais proativos em favor dofortalecimento do setor, razão pela qual a partir desta edição apresentamosa nova imagem do boletim, mais moderno e funcional, para que nossosafiliados fiquem constantemente informados sobre o progresso portuário danossa região.Até a próxima!jpalacio@latinports.orgwww.latinports.orgJulian PalacioDiretor Executivo
  4. 4. O Libro do Ministro de Puertos do BrasilMUITOANAVEGAR:UmaAnálise Logísticados portos BrasileirosCom a dedicatória “Com carinho e grandeadmiração por seu trabalho”, o ex-ministro Pedro Britofez a entrega ao diretor executivo da Latinports do livro escrito e publicadoantes de finalizar sua transcendental gestão, que terminou com a dogoverno do presidente Lula em 31 de dezembro de 2010. Como muito bemescreveu no prefácio do livro o legendário ex-ministro de finanças AntonioDelfim Netto (responsável pelo chamado ‘milagre econômico brasileiro’ dedécadas atrás), “o título peca por modéstia, pois sua análise não se restringeaos sistemas portuários mas vai mais além, e na realidade trata com totalamplitude os problemas logísticos de toda a infra-estrutura física brasileira,compreendendo os portos marítimos e seus acessos, o insignificanteaproveitamento da navegação fluvial para o transporte de cargas, a ausênciade uma coordenação mínima no planejamento das malhas rodoviárias elinha férrea e a ampliação do sistema aeroportuário”. … Que em geral sãoos mesmos em toda a América Latina, acrescentamos nós, motivo pelo qualo livro adquire uma importância regional.Corrobora o expresso pelo ex-ministro Antonio Delfim Netto o fato deque o livro começa com o capítulo denominado “Logística: A Palavra-Chave” e onde, em uma declaração de avançada e inusitada franqueza, maisalém do político, o ministro Pedro Brito se atreveu a sugerir que a Secretariade Portos, iniciada e desenvolvida por ele, se transforme em Ministério deLogística dado que esta área está dividida entre diversos ministérios, “o quenão parece sensato”.Pedro BritoMinistro de Puertosdo Brasil 2007-2010Janeiro - Abril 2011
  5. 5. A seguir algumas frases do livro que levarão a pensaro setor portuário latino-americano:Logística: A Palavra-Chave:- Em quase toda a Europa existem centros delogística em que os meios ferroviário, rodoviário eprincipalmente hidroviário se conectam, e as cargassão redistribuídas de acordo com o destino, paraexportação ou para distribuição no mercado interno,harmoniosamente, como uma orquestra bemarticulada.- Por si só, um porto não tem sentido se nãofizer parte de uma rede, de uma cadeia, de umsistema.Buques Cada Vez Mayores:Santos, que é o maior porto da América Latina, seráo Super Post Panamax, do tipo Santa do armadoralemão Hamburg-Sud, com 8.600 TEUs, e para issoos portos brasileiros estão sendo preparados.Marco Regulador:- Quando se começa a investir de formaconsistente na infra-estrutura, na melhoria e naconstrução de estradas, ferrovias, portos e hidrovias,naturalmente são criadas as bases que permitem, emseguida, o desenvolvimento de sistemas integrados ea aplicação da inteligência logística e do conceito derede que os países líderes já estão adotando.- …o empresário só investe seu dinheirose estiver plenamente convencido de que alegislação e as regras são plenamente consistentes eduradouras…Um investimento em porto é sempreuma aposta a longo prazo, algo para um horizontede cinco décadas.Firmeza Institucional:- Devemos superar nossa tendência histórica devalorizar mais a forma que o conteúdo, de sobreporos meios aos fins, de privilegiar o processo e não oobjetivo.“…E não Morreu Ninguém”:- Minha consciência objetiva é que não se temcomo construir uma estrutura 100% eficiente senão se conta com uma equipe técnica formada porprofissionais habilitados desde o ponto de vista deformação executiva e de forma especializada nosetor.- Lembro-me bem de uma observação deDilma Rousseff, então ministra da Casa Civil(hoje presidente da República), que nos deu muitoapoio nesse projeto de formar unicamente equipestécnicas. Depois que o processo foi concluído e asmudanças estavam consolidadas, ela disse: ‘Vocêformou suas equipes apenas com critério técnico,sem ceder às pressões políticas, e não morreuninguém’.- O ‘Emma Maersk’ (o maior porta-contêinerdo mundo, que pode transportar entre 13.000 e 15.000TEUs), não freqüenta os portos sul-americanospor causa das limitações dos nossos portos, senão,principalmente, por uma questão de logísticaglobal,que flui, de forma predominante, no sentidoleste-oeste, no eixo Ásia-Europa-Estados Unidos.Os fluxos no sentido norte-sul são complementarese de restringida participação no comércio globaltransportado em contêineres.- Cada porto deve estar preparado para osnavios que o demandem e não para a eventualidadede uma vez por ano receber um navio de 15.000TEUs, como o ‘Emma Maersk’. O tamanho domaior navio que demandará o porto deJaneiro - Abril 2011
  6. 6. - Tenho absoluta certeza de que os bonsresultados obtidos nos três primeiros anos deatuação da Secretaria de Portos devem ser creditadosà possibilidade que tivemos de montar equipestécnicas, sem ingerências políticas.Uma Nova Matriz Logística:- Na Europa e em outras regiões do mundo, otransporte fluvial chega a ser mais importante que otransporte por estrada e devemos pensar em fazeressa transformação no Brasil, onde o transportepor estrada tem um peso maior, apesar de ser omais caro e o mais contaminante… Trata-se demudanças na matriz do transporte que vão aumentara eficiência, baratear a logística e contaminar menoso meio ambiente, tanto com o trem como com ashidrovias. É claro que muito investimento deverá serfeito para que isso se concretize, mas não há outrocaminho e os benefícios sociais e econômicos serãocompensadores.Eliminando Obstáculos:- Quando é que o operador vai se sentirestimulado a instalar equipamentos maiores e maismodernos? Quando o porto, sob o ponto de vistade infra-estrutura, justifique esse investimento(dragagem e acesso aos portos -ferrovias, estradas ehidrovias- entre outros).- A Secretaria de Portos promoveu o conceitode dragagem por resultados, o que significa dizer quea empresa que vence a licitação para a dragagem deaprofundamento terá a responsabilidade contratualde cuidar da manutenção por um período de até seisanos… Ou seja, são feitos o aprofundamento e amanutenção simultaneamente para garantir que essaprofundidade seja mantida nos próximos anos, pormeio de uma única licitação e um único contrato.- Outra importante alteração legal foi a quepermitiu a participação de empresas internacionaisnas licitações de dragagem, o que antes não erapossível. O mercado não se limita às obras nosportos marítimos públicos, pois será necessáriodragar hidrovias…- Um dos principais desafios impostos àSecretaria de Portos foi a definição de prioridades,considerando-se a inevitável limitação de recursose a necessidade de recuperar o tempo perdido.Iniciamos, então, pelo que era mais urgente, pelosobstáculos que entravavam o desenvolvimentodo setor portuário brasileiro, independentementedo planejamento a médio e longo prazo quecomeçávamos a desenvolver. Na lógica portuáriaexiste um conceito claro: quando se elimina umobstáculo, outro aparece, ou seja, existe uma fila deobstáculos.Janeiro - Abril 2011
  7. 7. Enfim, Planejamento Levado Adiante:- É possível que o maior legado deixado aopaís pela Secretaria de Portos em seus primeirostrês anos de atuação seja o planejamento estratégicoa longo prazo. A meta imposta a seus técnicosfoi desafiadora: pensar em como deveriam ser osportos brasileiros nos próximos 20 anos, com basenas demandas objetivas da economia do país e nosinteresses da sociedade... Como resposta a essademanda, a Secretaria de Portos decidiu elaboraro Plano Nacional de Logística Portuária para aspróximas duas décadas.- Destaca-se outro estudo para o projeto deacesso ao porto de Santos, que hoje se encontracongestionado pela circulação de quase 15.000caminhões por dia. É absolutamente impensáveltriplicar esse fluxo para 45.000 caminhões se foremLibertação de Fronteiras e Investigação deOportunidades nos Portos do BrasilCom o apoio da Latinports, Associação Brasileirados Terminais Portuários ABTP e United KingdomTrade & Investment, esta conferência vai apresentaruma compreensão aprofundada de soluçõesinovadoras de financiamento e conselhos práticosem torno dos desafios e oportunidades no dinâmicosetor portuário brasileiro. Os peritos da indústria vaicolocar um holofote sobre os portos do Brasil e seusplanos de expansão e desenvolvimento; ao mesmotempo, investigar oportunidades de crescimentoe investimento, prestando atenção aos desafios eriscos.Mais de 150 delegados das portas e nos sectoresconexos são esperadas para assistir. Além, eledará uma excelente oportunidade para conhecero potencial de capital e parceiros de negócios, taiscomo funcionários do governo, altos executivosdas autoridades portuárias, operadores portuáriose os terminais e as indústrias legais e bancárias,envolvidos tanto em investir em portos ou emterceirização de investimento.O diretor-executivo da Latinports, JuliánPalacio, apresentará uma conferência sobreAvaliação e Perspectivas do Sistema Portuáriona Región, em conformidade com asconclusões da Declaração de Brasília de 2010.mantidas as mesmas condições de acesso. Torna-seurgente, portanto, mudar toda a matriz de acessoao porto de Santos, reduzindo-se a presença decaminhões e aumentando a participação de outrossistemas de transporte, fundamentalmente hidrovias,dutovias e ferrovias, e principalmente com a criaçãode plataformas logísticas fora do porto. Assim,no caso de Santos, o grande obstáculo no futuroimediato será o acesso.- A ausência de planejamento no passado travouo desenvolvimento do setor portuário brasileiro.Hoje foi implantado no Brasil um sistema semprecedentes de planejamento a médio e longo prazo,que de forma coordenada, integrada e em harmoniacom uma série de outras providências, representaráum lucro em eficiência logística que o país necessitaconquistar para competir em condiciones deigualdade com os melhores portos do mundo.Latinports Presente em Port FinanceInternational Brazil em JunhoJaneiro - Abril 2011
  8. 8. Também serão oradores, entre outros:• Fernando Fialho, Director General, NationalAgency of Waterway Transportation – Antaq• Sérgio Paulo Perrucci de Aquino, City Secretary ofPort and Maritime Affairs, Santos• João Emilio Freire Filho, Adviser to the Board,Associação Brasileira dos Terminais Portuários• Walter Kemmsies, Chief Economist, Moffatt &Nichol• Michel Donner, Port & Maritime Consultant(formerly World Bank)• Robert Grantham, Commercial Director, Port ofItajaiSegundo a firma Competitiveness Group LongTerm Assets, contratada pela revista AméricaEconomia, o porto de Açu, com um investimentode US$5.500 milhões (superior à ampliação do Canalde Panamá), ocupa o sétimo lugar no ranking dasprincipais obras de infra-estrutura na região.Localizado no município de São João da Barra,na região norte do estado do Rio de Janeiro, oSuperporto de Açu, do grupo EBX, é um terminalportuário privado de uso público que se destacacomo o maior investimento em infra-estruturaportuária das Américas. Em fase de construção,o empreendimento contará com até 30 postosde movimento de produtos, como siderúrgicos,petróleo, carvão, mineral de ferro, granéis líquidose carga geral. Com uma profundidade inicial de 21metros, com possível expansão para 26 metros, osuperporto terá uma ponte de 2.9 quilômetros deextensão (já concluída), que permitirá a chegadados maiores navios do mundo, como o Capesiza,VLCCs e Chinamax.• Marc Evertse, Port of Rotterdam International(PORint), Sr Project Manager• Jean-Marc Daniel Aboussouan, InfrastructureChief, IDB – Inter American Development Bank• Gustavo Gusmao, Senior Manager CorporateFinance - Public Sector, Ernst & Young Terco• Marcos Pinto, Ocean Engineering Department,USP (University of Sao Paulo)Para obter mais informações e uma cópia da agenda,entre em contato compatrick@portfinanceinternational.comwww.portfinanceinternational.comO empreendimento, previsto para começar a operarem 2012, está em construção desde outubro de 2007e foi projetado com base no moderno e eficienteconceito de porto-indústria. Na área adjacente aosuperporto será construído um Complexo Industrialem uma área de 90 quilômetros quadrados,onde serão instalados diversos tipos de indústrias(siderúrgicas, cimenteiras, uma termo-elétrica, pólometal-mecânico). Próximo às baías de Campos,Santos e Espírito Santo, e com fácil acesso às regiõesmais desenvolvidas do país, o Superporto de Açuservirá de centro logístico para as regiões Centro-Oeste e Sudeste. O superporto terá um enormeComplexo Industrial contíguo, onde serão instaladosdiversos tipos de indústrias, como siderúrgicas,plantas de pellets de mineral de ferro e unidadede tratamento de petróleo, além de uma área paraarmazenamento e mobilização de produtos.Também serão oferecidos serviços complementaresprestados por empresas especializadas em expedição,integração intermodal, armazenagem e despacho dealfândega. Este moderno conceito, conhecido comoone-stop-shop, oferece às empresas instaladas noComplexo Industrial todos os serviços necessáriospara a produção e fluxo dos seus produtos. Alémdisso, as indústrias poderão contar com energiaa serem fornecidas pela termo-elétrica da MPX,empresa do grupo EBX, que atuará emSuperporto de AÇU, Brasil, NoTOP 10 de Infra-estruturaJaneiro - Abril 2011
  9. 9. sinergia com outra empresa do grupo que instalaráplantas térmicas, com a primeira fase a carvão a2.100 MW e a segunda fase a gás a 3.300 MW. Umcorredor logístico de 45 quilômetros, compostopor linhas de transmissão, dutos de água, gáse telecomunicações, ferrovia e estrada, unirá oSuperporto de Açu à cidade de Campos, localizadano norte do estado do Rio de Janeiro, a 286quilômetros da cidade do Rio de Janeiro.Hutchison Port Holding HPH, um dos maisimportantes operadores portuários do mundo,ingressa com força na Latinports através daInternacional de Contenedores de Veracruz-ICAVEe da Lázaro Cárdenas Terminal Portuario deContenedores-LCTPC, ambas do México, onde estáa sede da organização para a América Latina.O Grupo tem interesses em mais de 25 países aolongo da Ásia, Oriente Médio, Europa, América eAustrália. Atualmente opera 306 cais em mais de50 portos ao redor do mundo. Em 2009, o GrupoHutchison manejou mais de 65.3 milhões de TEUsno mundo.Internacional de Contenedores de VeracruzICAVEpara a bacia do Atlântico, costa leste das Américasdo Norte e do Sul, Europa e África.A ICAVE se tornou a principal operadoraportuária de contêineres no México ao incrementarsignificativamente seus movimentos de carga, hojeem dia operando 80% dos contêineres do porto deVeracruz, o que representa 20% dos contêineresmanejados em todos os portos do México.Lázaro Cárdenas Terminal Portuaria deContenedores - LCTPCLocalizada no estado de Michoacán, na costaleste da República Mexicana, a LCTPC iniciouoperações em 19 de novembro de 2003.Atualmente a LCTPC se encontra em fase deconstrução e desenvolvimento do maior terminalde contêineres do Sistema Portuário Mexicano,em um terreno virgem com frente de água sobre ocanal norte do porto de Lázaro Cárdenas, que teráuma superfície total de 122 hectares, com 1.480metros de frente de água e capacidade dinâmicade até 2.6 milhões de TEUs. Este novo terminalestá sendo desenvolvido em três grandes fases,das quais a primeira, única do seu tipo, iniciou asoperações em 28 de novembro de 2007.ICAVE, empresa manobrista constituída por meiodo programa de privatização e reestruturaçãoportuária iniciado no México em 1994 como oprimeiro terminal portuário operado pelo setorprivado do país. Localizada na zona 2 do porto deVeracruz, iniciou suas operações em 1995, cominfra-estrutura e equipamento adequado paramanejar todos os tipos de carga em contêiner,servindo como principal saída das mercadoriasGrupo Hutchison Ingressa à Latinportsatravés de subsidiárias MexicanasJaneiro - Abril 2011
  10. 10. Novos Membros VinculadosCapacitaçãoLIEBHERR NENZING CRANE CO.Liebherr Port Equipmente-TECHNOLOGIES SOLUTIONS CORP.e-Tech SimulationsFundada em 1949 em Nenzing, Áustria, a Liebherr-Werk Nenzing GmbH www.liebherr.com produze distribui um amplo programa de diferentes linhasde produtos, como gruas para barcos, gruas móveispara portos e gruas para plataformas de perfuração,bem como gruas marítimas, gruas para plataformasde sondagem, gruas móveis portuárias, e tambémgruas sobre correntes universais e gruas sobrecorrentes de elevação.Para maiores informações, favor contatar AntonWasler na filial de Miami, através do correioeletrônico anton.walser@liebherr.com ou pelostelefones 1-305-8890176 (fixo) e 1-305-7467155(celular) .Port Finance International Brazil15 e 16 de junho de 2011,Río de Janeirowww.portfinanceinternational.comcathy@portfinanceinternational.comNavegação e Controle deInundações no Rio Magdalena,8 de Julho de 2011,Bogotáwww.latinports.orgjpalacio@latinports.orgA e-Tech Simulation www.etechsimulation.comé uma divisão da e-Technologies Solutions Corp.,empresa estadunidense estabelecida em West PalmBeach, Flórida, com mais de 18 anos de experiênciano fornecimento de ferramentas para capacitaçãoprofissional, acadêmica e tecnológica para a industriadas bibliotecas digitais na América Latina e Caribe.Está enfocada exclusivamente à área de simulação,desenvolvendo e fabricando simuladores paradistintas industrias, entre elas a portuária, comométodo de treinamento para aprendizes e/ouaperfeiçoamento de pessoal experiente.Para maiores informações, favor contatar Jairo Leiva,a través do correio eletrônicojleiva@etechsimulation.com oou pelo telefone 1-561-6973222Janeiro - Abril 2011
  11. 11. Notícias Portuárias Latino-americanasBrasilA Logística Necessita “Investimento Pesado”em Hidrovias e FerroviasEm recente entrevista à Brasil Econômico, o ex-ministro de portos Pedro Brito, comentou sobreos obstáculos da logística portuária e defendeuuma mudança na matriz de transporte. Para isso,com a eliminação do obstáculo gerado pela baixaprofundidade dos portos, obtida pelo programa dedragagem, o desafio do governo é a ampliação dainter-modalidade no transporte, com a ampliaçãodos investimentos em hidrovias e ferrovias.Junto a essa mudança na matriz, Brito defende acriação de zonas de apoio logístico fora da áreaportuária, para que os contêineres entrem e saiamem barcaças. “Temos que ter boas rodovias e,principalmente, investir pesadamente em hidrovias eferrovias”, disse Brito.estiveram parados em 2009 e 2010 devido aosefeitos da crise mundial.Log-in tem um plano de investimentos de US$0.8bilhões para renovação da frota, que prevêembarcações maiores para substituir as atuais (duasdelas chegarão em setembro). Criada em 2007, desdeentão a empresa mostra um crescimento anual de28% em volume. “Consideramos que esse mercadotem um potencial de crescimento muito forte”, disseo presidente da Log-in, Vital Jorge.Em matéria complementar, o Valor destaca quecerca de 188 milhões de toneladas mobilizadas pelosportos brasileiros em 2010 foram de cabotagem,o que representou um aumento de 6% em relaçãoao ano de 2009. De acordo com dados da AgênciaNacional de Transporte Aquático, Antaq, apesarda frota de cabotagem estar crescendo, a famíliade navios brasileiros ainda é insuficiente paraatender a demanda. Por isso o número de pedidosde autorização para fretamento de embarcaçõesestrangeiras aumentou em 2010, atingindo um valorde US$126 milhões. Hoje está em trâmite na Antaqpedido de autorização para navegação de cabotagemde três empresas: Marítima Navegação, Brasfels e MartinLeme Serviços.Por outro lado, os operadores de bandeira brasileiraMercosul Lines e Log In, sócios em um serviçochamado “Cabotagem Manaus”, iniciaram escalassemanais em Itajaí, com operações no TerminalAPM. Este serviço fazia escala originalmente noporto de Imbituba no Sul do Brasil. As razões paraa mudança foram expressas pelo Sr. João BatistaMomesso, Gerente Comercial da Mercosul: “amudança para Itajaí se deve à sua posição geográficae à concentração de fornecedores de serviços naregião, o que permitirá à linha oferecer soluçõeslogísticas porta a porta para todo o Brasil”. A partirde agora a rotação deste serviço será a seguinte:Itajaí, Manaus, Paranaguá, Santos, Suape e Pecem.Eles esperam manejar uma média de 2.500contêineres mensais, que consistem principalmentede carga produzida no estado de Santa Catarina,Cresce Cabotagem e Atrai MultinacionaisSegundo um artigo do informativo Valor, ocrescimento da cabotagem fez com que elavoltasse a ser uma opção viável para as empresasde grandes volumes que apostam na racionalizaçãologística. Agora os desafios são aumentar a ofertade embarcações e melhorar a infra-estruturaportuária. “O potencial da cabotagem é enorme;depende da disponibilidade dos operadores eminvestir em mais linhas”, afirma Darlan Carvalho,diretor de logística do mercado interno da BrasilFoods, que atualmente transporta por navio apenas4% das 2.5 milhões de toneladas mobilizadas nomercado interno anualmente. Segundo Carvalho,“Se houvesse mais capacidade nas rotas marítimas,com certeza esse índice aumentaria”. O jornal contaque a frota de navios porta-contêineres dedicados àcabotagem com freqüência regular na costa brasileiraé de 20 embarcações e a maioria planeja ampliaçãoneste ano: a Maestra terá duas unidades a mais estesemestre; e a Aliança reativará dois navios queJaneiro - Abril 2011
  12. 12. Notícias Portuárias Latino-americanastais como, frango congelado, ladrilhos, papel ecelulose.Outro operador de cabotagem fez sua escalainaugural no complexo portuário de Itajaí. A MaestraNavegação e Logística, uma empresa totalmentecontrolada pela Triunfo Investments. O MaestraAtlántico (antigo Lloyd Atlántico) fez sua primeiraescala no Terminal Portonave em 7 de abril, e embreve a ele se juntará o Maestra Mediterrâneo (antigoNeptunia Mediterrâneo), e possivelmente mais outrosdois navios. A intenção da linha é prestar serviçosaos portos de Itajaí, Santos, Suape e Manaus.US$27 milhões, comparado com os US$3 milhõesdo ano passado. O investimento durante o períodofoi de US$28.5 milhões. A Folha, Valor e BrasilEconômico informam também que a empresa revisoua previsão de investimentos para 2011 no país aopassar de US$86.5 milhões para US$117 milhões,com especial atenção ao terminal de Imbituba.De acordo com uma nota da Tribuna, para a empresao aumento operacional é um reflexo do fortecrescimento do comércio exterior brasileiro, davalorização do real e de seus investimentos em infra-estrutura, tecnologia e mão-de-obra. Valor traz maisdetalhes do balanço trimestral de da Santos Brasil,destacando que as receitas líquidas do trimestrechegaram a US$221 milhões; o Ebidta alcançouUS$60 milhões (crescimento de 88%). De acordocom a publicação, o diretor executivo de relaçõescom investidores da companhia, Marcos Tourinho,afirmou que a empresa aumentou a previsão Ebidtapara 2011 em US$52 milhões, em um total deUS$306 milhões.A Tribuna, além disso, informou que o Terminal deContêineres Santos Brasil fechou o mês de marçocom dois recordes históricos de produtividade:60.71 movimentos por hora/navio em média, e23.94 movimentos por hora/grua, os quais, segundoa empresa, foram produto de investimentos emcapacitação de pessoal e tecnologia de ponta.Planos de Expansão da Libra no Porto deSantosO informativo Tribuna destacou o comentário dopresidente da Libra Terminais, Wagner Biasoli,sobre a intenção da empresa de aumentar suasoperações no complexo portuário santista: “A Libraquer se ampliar e qualquer outra área no Porto deSantos é importante neste processo.” Coerentecom o anterior, Biasoli comentou que a empresa vaidisputar a área de Prainha, à margem esquerda doporto de Santos, para movimento de contêineres,já tendo sido autorizada a estudar sua implantação,como também é o caso da NF Motta, LPC-Latina eLocafrio.Imprensa Destaca Crescimento do Terminal deContêineres Santos BrasilA divulgação dos resultados do grupo no primeirotrimestre teve uma positiva acolhida nas publicaçõesValor, Folha, A Tribuna y Brasil Econômico. Umareportagem do Valor destaca o aumento de 50%nos ingressos como conseqüência do crescimentono movimento de carga. Um artigo da Folha chamaa atenção sobre o volume mobilizado, boa parte noporto de Santos (227.000 contêineres no trimestre,o que representa um crescimento de 31% emcomparação com o mesmo período de 2010). OBrasil Econômico também destaca o investimento deUS$ 117 milhões previsto para este ano.Valor apresenta comentários de Richard Klien,presidente do conselho de administração, e dodiretor de relações com investidores, MarcosTourinho. “Foi um excelente resultado, não apenaseconômico-financeiro mas também operacional”,disse Klien; segundo ele, os resultados foramdeterminados em grande parte pelo maior volumede contêineres mobilizados, especialmente noterminal de Santos, mas também contribuíramos reajustes nos preços das tarifas dos serviçosprestados, como o armazenagem de contêineres deimportação. Tanto o Valor como o Brasil Econômicodão conta do lucro líquido trimestral, que foi deJaneiro - Abril 2011
  13. 13. Notícias Portuárias Latino-americanasdiferentes serviços prestados para a indústria depetróleo e gás, em dez anos essa porcentagempoderá chegar a 50%”, prevê Baião. prevé opresidente do Wilson Sons Cesar Baião.Controvérsia sobre Licença Prévia à Triunfopara Mega Terminal em SantosO Terminal Portuário Brites, do grupo Triunfo,recebeu a licença prévia para construção em umterreno de 190 hectares à margem esquerda docanal de Santos, ainda que é possível que tenhadificuldade em obter a autorização da AgênciaNacional de Transporte Aquático, Antaq, pois,segundo o informativo Valor, a lei de portos prevêque somente empresas com um mínimo de cargaprópria construam terminais privados, o que não écaso da Triunfo; adicionalmente, segundo a Tribuna,o Conselho de Administração Portuária CAP doporto de Santos vai recorrer ao Instituto Brasileirodo Meio Ambiente e Recursos Naturais, Ibama,para suspender a licença ambiental de instalaçãodo terminal, pois a área onde vai ser construído éestratégica para o porto e não pode ser separada dosprojetos de expansão em estudo (“uma área comoaquela não pode ser tratada de forma independente”disse o presidente do CAP, Sérgio Aquino, quetambém vai recorrer à Antaq para impedir que aautorização seja expedida de forma independente).No entanto, a empresa buscará sócios embarcadoresnas modalidades de cargas que serão movidas,com a finalidade de se encaixar na legislação;adicionalmente, a decisão de apostar em umaestrutura exclusiva para cabotagem, também é umaforma da Triunfo não competir com terminaisde contêineres de uso público que já disputam omercado de longo curso no porto de Santos, pois setrata de atender a um nicho menos valorizado emépocas de picos de movimento. Segundo os planosda Triunfo, o Brites deve ser um mega terminal comcapacidade para mobilizar 870.000 contêineres, doismilhões de toneladas de graneis sólidos eWilson Sons Investe na Expansão de Terminalem SalvadorDe acordo com o presidente, Cezar Baião, aempresa planeja investir mais de US$400 milhõesem 2011 e 2012 para sustentar a estratégia decrescimento apoiada em boa parte no segmentode petróleo e gás, sem incluir potenciais aquisições.“É investimento em crescimento orgânico” e aestratégia vai continuar enfocada no atendimento aocomércio exterior brasileiro, via terminais portuáriosno mercado doméstico mediante a oferta deserviços logísticos, e no segmento de petróleo e gás,que ganha cada vez mais espaço. “Durante o ano de2010 as receitas da empresa tiveram origem nosPor outro lado, de acordo com o informativo ATribuna, a Libra Logística assinou com as empresasKomatsu, Wobben e Brasken, contratos anuaiscujo valor total é de US$17.5 milhões, para omanejo de suas cadeias logísticas de exportaçãoem Santos, Cubatão e Campinas, respectivamente,as quais investirão cerca de US$37.5 milhões. Nocaso particular de Santos (Teval) serão ganhos100.000 metros quadrados de armazenagem. Desdeo mês de abril a Brasken está enviando resinastermoplásticas para Teval e Cubatão; a WobbenWindpower, que produz equipamentos para plantasde energia eólica, poderá armazenar uma médiade 40 pás eólicas; e de sua , a japonesa Komatsu,que produz tratores, retro-excavadoras e outrosmaquinários pesados, já registrou uma economia de18% em seus custos.Além disso, devemos mencionar o recorde deprodutividade do terminal que em 06 de fevereiro, deacordo com a Container Management - América Latinado abril, atingiu um pico de 105,6 movimentos porhora, bem acima dos 85,4 movimentos alcançadosem janeiro. Essa conquista se deveu, segundo aempresa, à aquisição de dois guindastes de cais novoque atuam lá desde dezembro do ano passado.Janeiro - Abril 2011
  14. 14. Notícias Portuárias Latino-americanas4.5 milhões de toneladas de etanol, para o que estáprevisto investimento de um bilhão de dólares. Aexpectativa é gerar 1.200 empregos diretos e iniciaroperações em 2013.Na exportação, há um ano um contêiner do Brasilpara a China estava custando US$1.300 e hoje nãoexiste dificuldade em obtê-lo por US$800.Carga boliviana registra forte crescimento noporto de AricaO transporte de carga boliviana no porto de Arica,localizado no extremo norte do Chile, incrementou-se substancialmente nos últimos anos. Em 2010,a carga boliviana aumentou 19% e chegou a cercade 1,5 milhões de toneladas, o que representaaproximadamente 73% das transferências do portodurante o ano, cifra esta que deverá incrementar-se ainda mais com a conclusão da renovação daferrovia Arica-La Paz.No total, o porto mobilizou 2,13 milhões detoneladas de carga no ano passado, um crescimentode 20% em relação a 2009. O manejo de 130.884TEUs durante todo o ano representou umincremento de 20% sobre o total de 2009.Com Máximo Rendimento em 2010, Itajaí seAproximou a um Milhão de TEUsCom um recorde de 954.036 TEUs manejados em2010, ultrapassou os projetados 800.000 TEUs parao final desse ano. Esse volume representa 61% deincremento em comparação com o rendimento doano de 2009. O número total de contêineres cheiosmanipulados aumentou de forma acentuada, em98%, enquanto o descarregamento de contêineresvazios aumentou quase 15%. O total de contêineresde exportação cresceu 50%, enquanto os vaziosmostraram um incremento de 117%.Mega-navios da Maersk Line Começam aChegar ao PaísA Maersk informou que sua nova frota de mega-navios começará a chegar ao Brasil em maio, através de seis embarcações com capacidade nominalde 8.000 TEUs e 1.707 entradas para contêineresrefrigerados, que serão empregados no tráfico coma Ásia. O primeiro a chegar será o Maersk Lima, aoporto de Sepetiba no Rio de Janeiro, e em seguida aSantos. A frota deverá estar completa em agosto e,além de Sepetiba e Santos, está garantida uma escalaem Paranaguá.Hoje, a Maersk realiza o tráfico para Ásia em umserviço semanal conjunto com a Hamburg Süd.No total são 12 portas-contêiner (a metade de cadaarmador), com oferta nominal de 5.500 TEUs, mascom a substituição dos 12 navios, o serviço terá umincremento de 37% na oferta de espaço, chegando a90 mil TEUs.Atualmente o mercado tem um excesso de ofertade capacidade e pressão sobre os fretes, pois antesda crise de 2008 vários armadores fizeram pedidosa estaleiros e a maior parte das embarcações estásendo entregue este ano.Desde o fim de 2010 os valores dos serviços coma Ásia e costa leste da América do Sul vêm caindo,depois da recuperação iniciada em 2009. No casode Brasil, há um ano um contêiner importadoda China custava US$4.500 e hoje pode sair porUS$1.900. Segundo dados da consultora Datamar,as importações marítimas brasileiras partindo dePequim cresceram 42% entre fevereiro de 2010 efevereiro de 2011, alcançando 51.337 TEUs.ChileJaneiro - Abril 2011
  15. 15. Notícias Portuárias Latino-americanasBogotá. O projeto busca conectar a rede ferroviáriaCarare com a Linha Férrea Central, formando assimuma rede que transportaria cerca de 30 milhões detoneladas de carvão por ano.A ferrovia começará no estado central deCundinamarca, passará pelos estados de Boyacá eSantander, e finalmente chegará ao sul do estadode Cesar, antes de se conectar com a costa na zonanorte. O projeto Carare demandará um investimentopróximo dos US$670mn. A Linha Férrea Central,após sua falida concessão em 2008, necessitará cercade US$1.160mn. Ambas a linhas terão um únicooperador e a iniciativa será uma das mais ambiciosasdo plano nacional de desenvolvimento da Colômbia,formando a maior rede ferroviária do país, destacoua vice-ministra em sua apresentação, acrescentandoque “esperamos ter o grande projeto já estruturadodentro de dois anos, para que avancemos com alicitação”.Entra em operação o Terminal de Contêineresde BuenaventuraNo mês de janeiro iniciou suas operações o novoterminal (TCBuen), com capacidade estimada de260.000 TEUs no primeiro ano, incrementandoa capacidade total do porto de Buenaventura em30%. Último projeto de terminal do operadormundial TCB da Barcelona, o TCBuen representouum investimento de US$250 milhões na primeirafase de quatro etapas estimadas, tornando-se osegundo maior porto da costa pacífica colombiana.A abertura formal do terminal será em 13 de maiocom a presença do presidente da república, JuanManuel Santos.Ministério de Transporte fará AssociaçãoPúblico-Privada para rede FerroviáriaO Ministério de Transporte da Colômbia estáelaborando um projeto de associação público-privada (APP) de US$1.830mn para uma redeferroviária, que permitirá o transporte de carvãoaos portos do Atlântico, disse a vice-ministra deTransportes, María Constanza García, no marcodo evento Business News Américas-AndeanInfrastructure Summit recentemente realizado emArica implementará sistema portuáriocomunitário em setembroO porto chileno de Arica planeja implementara primeira versão de um novo sistema portuáriocomunitário em setembro deste ano, conformeinformou a estatal Empresa Portuária Arica. AComunidade Portuária Arica (CPA), compostapor várias entidades públicas e privadas envolvidasno porto, está investindo cerca de US$148.000para desenvolver a primeira fase do protótipo dosistema, sendo o primeiro porto público do Chile aimplementar este tipo de sistema.A primeira fase permitirá o monitoramentodo trafego de carga, a fim de que a CPA possaidentificar os pontos de congestão no porto. Alémdisso, o software permitirá rastrear contêineres paraimportações bolivianas e oferecer tutorias a usuáriosdo porto e clientes da rede logística, detalhandoo processo de manejo de carga e as agênciasenvolvidas em cada fase. A meta da EPA é que osclientes possam rastrear sua própria carga desdequalquer ponto da rede logística, além de manejarcontas, solicitar cotizações, tratar com agênciasgovernamentais, como a alfândega, e realizarpagamentos on-line.ColômbiaJaneiro - Abril 2011
  16. 16. Notícias Portuárias Latino-americanasA Câmara Nacional de Bananeiros tambémapresentou uma demanda contra o Estado esolicitou ao governo anular a concessão, conformeinformou o diário local A Nação. A Câmara reclamaque o governo não contava com os estudos técnicos,financeiros e ambientais apropriados para a iniciativae que os custos no novo terminal elevarão em 130%as tarifas, comparadas às atuais no terminal de Moín-Limón.O titular do Ministério de Obras Públicas eTransportes, Francisco Jiménez, defendeu em seumomento a concessão e assinalou que haviam sidoconcluídos os estudos de factibilidade e que oprocesso licitatório foi executado de acordo com alegislação.Este projeto é a segunda iniciativa portuáriaprivada em grande escala que obtém avanços noúltimo mês, já que o governo há pouco autorizoua Americas Gateway Development Corporation(Amega) a iniciar a segunda etapa dos estudos paraum terminal de transferência de US$900 milhões,também na província de Limón.Governo autoriza a Amega a iniciar projetos doterminal de transferência em MoínO Governo da Costa Rica completou os últimospassos necessários para que a Americas GatewayDevelopment Corporation, Amega, inicie asegunda etapa dos estudos para um novo terminalde transferência próximo ao porto de Moín, naprovíncia de Limón. A Amega recebeu a aprovaçãofinal depois da designação de uma contra-partegovernamental para o projeto e depois de aceitarque um fideicomisso contrate uma consultoraindependente de engenharia que atue como auditor.O governo selecionará um auditor independentedentro das próximas três semanas, o qual serácontratado a través de um fideicomisso constituídopela Amega. O desembolso será incluídoA APM Terminals iniciará construção determinal de contêineres em 2013No dia primeiro de março a presidente da república,Laura Chinchilla, assinou com a APM o acordode concessão para construção e operação donovo porto, e nos próximos 18-24 meses a firmaholandesa deverá completar os projetos finaise obter as licenças ambientais para o projeto. Onovo porto será parte importante de um corredorlogístico na zona norte do Caribe e terá um papel-chave no desenvolvimento e competitividade dopaís, assinalou Chinchilla em uma conferência deimprensa.O Conselho Nacional de Concessões (CNC)adjudicou a licitação à APM, único proponentepara o projeto, depois de adiar a data inicial deadjudicação programada para fins de janeiro. Aoferta econômica inclui uma tarifa portuária inferiorao preço de referência aprovado pelo reguladornacional de serviços públicos, Aresep. Nos 120 diasseguintes à data da adjudicação, a APM deve concluirdeterminadas condições do contrato, constituir acompanhia local, capitalizá-la, mudar a garantia delicitação por uma garantia de construção, e umaampla gama de assuntos administrativos.O novo terminal de contêineres, na provínciaoriental de Limón, estará localizado a cerca de 10quilômetros dos atuais portos Moín e Limón, ecompreende uma área de construção de 1.500metros quadrados. Terá capacidade para recebernavios Panamax com até 65.000 toneladas de cargae para manejar 2,7 milhões de TEUs em quatroetapas, começando com 1.3 milhões de TEUs. Oterminal vai requerer um investimento de US$992milhões.No entanto, o projeto tem enfrentado certa oposiçãodesde que foi adjudicado à AMP, pois o sindicato detrabalhadores da autoridade portuária do Atlântico,Japdeva, criticou a adjudicação da concessão.Costa RicaJaneiro - Abril 2011
  17. 17. Notícias Portuárias Latino-americanasO porto da Unión custou US$183 milhões e suaconstrução foi concluída em junho do 2008, acargo do consórcio Toa-Jan De Nul. O portomultipropósito é especializado no manejo decontêineres com capacidade para 850.000 TEUs emsua primeira fase, e 1,7 milhões de TEUs após umasegunda e terceira fase de desenvolvimento. Umatentativa anterior de dar em concessão o Uniónfracassou em 2009, depois de que a Assembléiarejeitou um projeto de lei que estipulava um modelode concessão. Por esse motivo, a Cepa começoua operar parcialmente o porto em junho do anopassado.Projeto de Ponte Atlântica da Autoridade doCanal de Panamá custará US$350 milhõesA ACP licitou uma consultoria para terminar dedesenhar uma nova ponte reforçada de grandelongitude no lado atlântico do Canal de Panamá.A consultora entregará os desenhos finais, asespecificações de construção e o custo estimadode construção, que não deveria superar os US$350milhões. A adjudicação da licitação está previstapara fins de abril e espera-se licitar a construção daponte em fevereiro de 2012. O construtor terá 270dias úteis a partir da notificação da adjudicação paraexecutar os trabalhos.A estrutura deve ter uma altura de 75m sobre ocanal, considerando-se a possibilidade de um quartojogo de comportas, com uma vida útil de 100 anos.O projeto também compreende o desenho de viasde acesso para cada lado do canal, além de outraspontes que possam vir a ser requeridas como partedessas vias.Cepa finalizará concessão de porto da Uniónem julho do 2012A Comissão Executiva Portuária Autônoma deEl Salvador, operador portuário nacional, esperafinalizar a concessão do porto da Unión em julho do2012. Já foi apresentado à Assembléia Legislativa umprojeto de lei para concessão do porto, que deveráser analisado pela comissão especial da Fazendaem breve. Uma vez que o projeto seja aprovado, asautoridades começarão a elaborar os documentos dalicitação.O objetivo do governo é dar o porto em concessãoa um operador internacional, para que se torne umpólo internacional de carga. Operadores portuárioscomo a DP World, APM Terminals, Ports ofAmerica e SAAM expressaram interesse na iniciativa.nos custos de desenvolvimento do projeto daempresa, que investirá cerca de US$15 milhõespara completar os planos detalhados que cobremaspectos técnicos, legais, financeiros e ambientaisdo projeto, além de preparar os rascunhos das basesda licitação para o novo terminal. A Amega esperacompletar os estudos em maio do 2012 e, uma vezapresentados os desenhos, o governo tem três mesespara revisar os planos e lançar a licitação para aconcessão.O terminal de transferência, que vai requerer uminvestimento aproximado de US$900 milhões, terácapacidade para manejar 2 milhões de TEUs anuaiscom um cais de 1 quilômetro, um canal de acesso de19 metros de profundidade para o porto de Moíne um atracadouro para três navios porta-contêinercom capacidade de cerca de 15.000 TEUs.El SalvadorPanamáJaneiro - Abril 2011
  18. 18. Notícias Portuárias Latino-americanasEm março deste ano, a APM também assinouum acordo com o governo da Costa Rica paraa construção e operação de um terminal decontêineres na província oriental de Limón.Governo considera declarar de interesse públicoporto de US$3.500 milhõesO governo do Uruguai se inclina a declarar deinteresse público uma iniciativa privada para aconstrução de um porto de águas profundas noestado de Rocha no primeiro semestre do presenteano, o qual faria parte de um corredor bi-oceânicoque receberia carga do Uruguai, Brasil e Paraguai,e cujos estudos detalhados de factibilidade sãoesperados para apresentação ao governo no finalde março. A Compañía Oriental de Desarrollo eInversiones, empresa que representa o consórcioque opera o porto espanhol de La Coruña,composto pela ACS, OHL e outros, apresentou oprojeto privado de US$3.500 milhões ao presidenteJosé Mujica em 31 de dezembro.Contrato do Cais Norte seria fechado meadosdo anoA agência peruana ProInversión adjudicou, emprimeiro de abril, a concessão do terminal a umconsórcio liderado pelo operador portuário holandêsAPM Terminals, que espera fechar o contratode concessão no porto peruano de Callao emmaio ou junho deste ano. O grupo, que tambéminclui a firma holandesa Callao Port Holding e aperuana Central Portuária, foi adjudicado graças àtarifa oferecida para serviços portuários especiais,superando a oferta do outro único concorrente, umgrupo formado pela Hutchinson Port Holdings(HPH), Port Investment Limited e Sino Invest.O contrato de concessão estipula um investimentode US$749mn no terminal, que inclui amodernização e melhoria dos atracadouros 1, 2, 3, 4e 5 do porto de Callao, o de maior atividade no país.A APM Terminals opera instalações de contêineresem 34 países, e atualmente trabalha em 13 projetosde novos terminais ou projetos de expansão, emzonas de rápido crescimento no mundo.Com carinho e grande admiração por seutrabalhoPedro BritoEx Ministro dos PuertosBrasilRecebemos comentários bastante positivosnas enquetes, e você foi citado como um dosmais interessantes conferencistas.Carrie ShapiroConference ProducerArgus Americas Coal SummitNew Orleans, USAPeruCorreioUruguaiJaneiro - Abril 2011

×