• Like

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

A BRUXA MIMI!

  • 941 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
941
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
10
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A Bruxa Mimi Korki Paul e Valerie Thomas
  • 2.
    • A Bruxa Mimi vivia numa casa preta no meio da floresta.
    • A casa era preta por fora e preta por dentro.
    • As cadeiras eram pretas.
    • A cama era preta e tinha lençóis pretos e cobertores pretos.
    • Até a casa de banho era preta.
  • 3. A Mimi vivia na sua casa preta com o gato Rogério. O Rogério também era preto. E foi por causa disso que os problemas começaram…
  • 4. Quando o Rogério se sentava numa cadeira com os olhos abertos, a Mimi conseguia vê-lo. Pelo menos conseguia ver os olhos dele.
  • 5. Mas, quando o Rogério fechava os olhos e adormecia, a Mimi já não conseguia vê-lo. E por isso sentava-se em cima dele.
  • 6. Quando o Rogério se sentava na carpete com os olhos abertos, a Mimi conseguia vê-lo. Pelo menos conseguia ver os olhos dele.
  • 7. Mas, quando o Rogério fechava os olhos e adormecia, a Mimi já não conseguia vê-lo. E por isso tropeçava nele.
  • 8. Um dia depois de um grande trambolhão, a Mimi decidiu fazer qualquer coisa para resolver o problema. Pegou na varinha mágica, agitou-a uma vez no ar e… ABRACADABRA! O Rogério deixou de ser um gato preto. Agora era verde-alface!
  • 9. A partir de então, quando Rogério adormecia numa cadeira, A Mimi conseguia vê-lo. E, quando se deitava no chão a dormir, a Mimi conseguia vê-lo também. E conseguia vê-lo quando estava a dormir na cama dela. O que era muito útil, porque o Rogério não tinha autorização para dormir na cama dela…
  • 10. … por isso, a Mimi levou-o lá para fora. E pousou-o no meio da relva. Ora, quando o Rogério se sentava no meio da relva, a Mimi não conseguia vê--lo. Nem mesmo quando ele tinha os olhos abertos. E, por isso, ao sair de casa muito apressada, a Mimi tropeçou no Rogério, deu três cambalhotas no ar e caíu em cima de uma roseira.
  • 11. Desta vez, a Mimi ficou furiosa. Pegou na varinha mágica, agitou-a no ar cinco vezes e…
  • 12. … ABRACADABRA! Agora, o Rogério tinha a cabeça encarnada, o corpo amarelo, a cauda cor-de-rosa, os bigodes azuis e as patas roxas. Mas os olhos continuavam verdes. Pelo menos, agora a Mimi conseguia vê-lo em todos os sítios, quer ele se deitasse numa cadeira, na carpete ou no meio da relva! Conseguia vê-lo até mesmo quando trepava ao cimo da árvore mais alta.
  • 13. O Rogério tinha trepado à árvore mais alta para se esconder. Sabia perfeitamente que tinha um aspecto ridículo. Até os pássaros se riam dele. O Rogério sentia-se muito infeliz. E deixou-se ficar no cimo da árvore. Todo o dia e toda a noite.
  • 14. Na manhã seguinte, o Rogério continuava no cimo da árvore. A Mimi esta preocupada. Gostava muito do Rogério e não queria que ele se sentisse infeliz.
  • 15. Foi então que teve uma ideia. Agitou no ar a sua varinha mágica e… ABRACADABRA! O Rogério era novamente um gato preto. . E desceu da árvore, ronronando de satisfação.
  • 16. Então, a Mimi agitou a varinha mágica no ar uma vez, duas vezes, Três vezes… … muitas vezes!
  • 17. Agora, em vez de uma casa preta, a Mimi tinha uma casa amarela com telhado encarnado e porta encarnada. As cadeiras eram brancas, com almofadas brancas e encarnadas. A carpete era verde e cor-de-rosa.
  • 18. A cama era azul, com lençóis brancos e cor-de-rosa e cobertores cor-de-rosa. A casa de banho era de um branco cintilante. E agora, a Mimi consegue ver sempre o Rogério, seja onde for que ele se deite.