04   ppp - 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

04 ppp - 2013

on

  • 846 views

PPP 2013

PPP 2013

Statistics

Views

Total Views
846
Views on SlideShare
798
Embed Views
48

Actions

Likes
1
Downloads
24
Comments
0

1 Embed 48

http://gregoriomanoel.blogspot.com.br 48

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

04 ppp - 2013 Document Transcript

  • 1. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL GERENCIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM – RIBEIRÃO PEQUENO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO LAGUNA, MARÇO DE 2013.
  • 2. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO .................................................................................................... 04 CAPÍTULO I – APRESENTAÇÃO DO PPP ................................................... 07 1.1 Características ............................................................................................. 07 1.2 Histórico ..................................................................................................... 08 1.3 Patrono ........................................................................................................ 09 1.4 Clientela ...................................................................................................... 09 1.5 Estatísticas da Instituição ............................................................................ 11 1.5.1 Índice de Aprovação, Reprovação e Evasão .......................................11 1.5.2 Índice de Disciplinas com maior reprovação ......................................11 1.5.3 IDEB ....................................................................................................11 1.5.4 ENEM ..................................................................................................12 1.5.5 OBMEP ...............................................................................................12 CAPÍTULO II – PAPEL DA ESCOLA ............................................................. 13 2.1 Intencionalidade da prática pedagógica ...................................................... 13 2.2 Objetivos ..................................................................................................... 14 2.2.1 Objetivos Gerais ................................................................................. 14 2.2.2 Objetivos Específicos ......................................................................... 14 2.3 Planejamento de eventos cívicos e sociais .................................................. 15 2.4 Reunião Administrativa e Pedagógica ........................................................ 15 2.4.1 Cronograma de reuniões ..................................................................... 17 CAPÍTULO III – PROPOSTA CURRICULAR ............................................... 18 3.1 Objetivos ..................................................................................................... 18 3.2 Matriz Curricular ........................................................................................ 19 3.3 Conteúdos Curriculares .............................................................................. 19 3.3.1 Ensino Fundamental ........................................................................... 20 3.3.1.1 Artes ........................................................................................... 20 3.3.1.2 Ciências ...................................................................................... 21 3.3.1.3 Geografia .................................................................................... 23 3.3.1.4 História ....................................................................................... 23 3.3.1.5 Língua Portuguesa e Inglesa ....................................................... 24 3.3.1.6 Matemática ................................................................................. 28 3.3.1.7 Educação Física .......................................................................... 29 3.3.1.8 Ensino Religioso ......................................................................... 30 3.3.2 Ensino Médio ...................................................................................... 32 3.3.2.1 Língua Portuguesa e Literatura .................................................. 32 3.3.2.2 Inglês .......................................................................................... 32 3.3.2.3 Matemática ................................................................................. 33 3.3.2.4 História ....................................................................................... 33 3.3.2.5 Geografia .................................................................................... 33 3.3.2.6 Artes ........................................................................................... 34 3.3.2.7 Educação Física .......................................................................... 34 3.3.2.8 Filosofia ...................................................................................... 35
  • 3. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 3 3.3.2.9 Sociologia ................................................................................... 35 3.3.2.10 Física ........................................................................................ 35 3.3.2.11 Biologia .................................................................................... 36 3.3.2.12 Química .................................................................................... 36 3.4 Metodologia de Ensino ............................................................................... 37 3.5 Sistema de avaliação ensino-aprendizagem ................................................ 38 3.6 Conselho de Classe ..................................................................................... 40 3.7 Relação aluno/docente – disciplina/docente ............................................... 41 3.8 Projetos Pedagógicos .................................................................................. 41 3.8.1 Semeando a Paz na Escola .................................................................. 41 3.8.2 Monitoria ............................................................................................ 42 3.8.3 APOIA ................................................................................................ 42 3.8.4 Associação Grupo de Cultura “Casa da Dindinha .............................. 43 3.8.5 Projeto Prevenção ............................................................................... 43 3.8.6 Saúde e Qualidade de Vida ................................................................. 44 3.8.7 Leitura ................................................................................................. 44 3.8.8 AMBIAL ............................................................................................ 45 CAPÍTULO IV – DIMENSÃO ADMINISTRATIVA ...................................... 47 4.1 Aspectos gerais da organização escolar ...................................................... 47 4.1.1 Matrícula ............................................................................................. 47 4.1.2 Transferência ...................................................................................... 48 4.1.3 Evasão Escolar .................................................................................... 48 4.1.4 Regimento Disciplinar ........................................................................ 48 4.2 Calendário Escolar ...................................................................................... 49 4.3 Organização dos cursos, sua estrutura e funcionamento ............................ 49 4.3.1 Formação de turmas ............................................................................ 50 4.3.2 Horário Escolar ................................................................................... 50 4.4 Competências: Direitos e Deveres .............................................................. 50 4.4.1 Direção ................................................................................................ 50 4.4.2 Orientação Escolar .............................................................................. 52 4.4.3 Assistente de Educação ...................................................................... 54 4.4.4 Analista Técnico em Gestão Educacional .......................................... 55 4.4.5 Corpo Docente .................................................................................... 56 4.4.6 Serviços Gerais ................................................................................... 57 4.4.7 Corpo Discente ................................................................................... 57 4.5 Conselhos Escolares ................................................................................... 62 4.5.1 Grêmio Estudantil ............................................................................... 62 4.5.2 Conselho Deliberativo ........................................................................ 64 4.5.3 Associação de Pais e Professores ....................................................... 67 4.6 Registro, Escrituração e Arquivos Escolares .............................................. 68 4.6.1 Incineração .......................................................................................... 69 4.7 Formação acadêmica e profissional do corpo docente e diretivo ............... 69 4.8 Condições de Trabalho ............................................................................... 70 4.9 Forma de atendimento aos alunos ............................................................... 70 4.10 Proposta de Avaliação Institucional ......................................................... 71 CAPÍTULO V – DIMENSÃO FINANCEIRA .................................................. 74
  • 4. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 4 CAPÍTULO VI – DIMENSÃO FÍSICA ............................................................ 76 6.1 Biblioteca Escolar ....................................................................................... 77 CAPÍTULO VII – METAS, AÇÕES E RESPONSÁVEIS .............................. 78 7.1 Metas ........................................................................................................... 78 7.1.1 Setor Pedagógico ................................................................................ 78 7.1.2 Setor Administrativo ........................................................................... 78 7.2 Ações .......................................................................................................... 79 7.3 Responsáveis pelas Ações .......................................................................... 80 7.4 Período de Desenvolvimento ...................................................................... 80 7.5 Resultados Esperados ................................................................................. 80 7.6 Avaliação .................................................................................................... 81
  • 5. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 5 INTRODUÇÃO Compreendemos que o Projeto Político Pedagógico é a alma da escola, portanto simboliza a vida e o trabalho de todas as pessoas que faz a educação no dia a dia. Quando falamos em vida, está presente na dinâmica de construção, de processo, de inacabado e é assim que ele se apresenta, sendo construído a cada ação pedagógica que desenvolvemos. A partir da definição da filosofia e dos princípios pedagógicos, que propõem que a escola contribua significativamente para a formação de um cidadão competente, criativo, crítico e feliz, as principais ações pedagógicas e administrativas convergem para esse fim. Entendendo a realidade como processo em constante mudança, a comunidade escolar deve estar de acordo com a dinamicidade do contexto histórico para que essa não seja negada nos espaços educacionais, ferindo assim a proposta do Projeto Político Pedagógico. A sociedade contemporânea tem passado por expressivas transformações de caráter social, político e econômico. Essas transformações originam-se nos pressupostos neoliberais e na globalização da economia que tem norteado as políticas governamentais. Nesse contexto, surgem alguns questionamentos junto aos educadores e demais agentes escolares: Qual o papel social da escola? Qual a melhor forma de organização do trabalho pedagógico? Projeto político-pedagógico: para que serve e a quem serve? Um projeto político pedagógico ultrapassa a mera elaboração de planos, que só se prestam a cumprir exigências burocráticas: “O projeto político pedagógico busca um rumo, uma direção. É uma ação intencional, com um sentido explícito, com um compromisso definido coletivamente. Por isso, todo projeto pedagógico da escola é, também, um projeto político Pois está intimamente articulado ao compromisso sócio-político e com os interesses reais e coletivos da população majoritária. (...) Na dimensão pedagógica reside a possibilidade da efetivação da intencionalidade da escola, que é a formação do cidadão participativo, responsável, compromissado, crítico e criativo. Pedagógico, no sentido de se definir as ações educativas e as características necessárias às escolas, de cumprirem seus propósitos e sua intencionalidade.!’’ (Veiga, 1995 p.45) O projeto político pedagógico é o fruto da interação entre os objetivos e prioridades estabelecidas pela coletividade, que estabelece, através da reflexão, as ações necessárias à
  • 6. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 6 construção de uma nova realidade. É, antes de tudo, um trabalho que exige comprometimento de todos os envolvidos no processo educativo: professores, equipe técnica-pedagógica, alunos, seus pais e a comunidade como um todo. Essa prática de construção de um projeto deve estar amparada por concepções teóricas sólidas e supõe o aperfeiçoamento e a formação de seus agentes. Só assim serão rompidas as resistências em relação a novas práticas educativas. Os agentes educativos devem sentir-se atraídos por essa proposta, pois só assim terão uma postura comprometida e responsável. Trata-se, portanto da conquista coletiva de um espaço para a participação e reflexão coletiva sobre o seu papel junto à comunidade: “Assim, torna-se importante reforçar a compreensão cada vez mais ampliada de projeto educativo como instrumento de autonomia e domínio do trabalho docente pelos profissionais da educação, com vistas à alteração de uma prática conservadora vigente no sistema público de ensino. É essa concepção de projeto político pedagógico como espaço conquistado que deve constituir o elemento diferencial para o aparente consenso sobre as atuais formas de orientação da prática pedagógica.” (Pimenta, 1992 p.29) Essa é a necessidade de conquistar a autonomia, para estabelecer uma identidade própria da escola, na superação dos problemas da comunidade a que pertence e conhece bem, mais do que o próprio sistema de ensino. Essa autonomia, porém, não deve ser confundida com apologia a um trabalho isolado, marcado por uma liberdade ilimitada, que transforme a escola numa ilha de procedimentos sem fundamentação nas considerações legais de todo o sistema de ensino, perdendo, assim, a perspectiva da sociedade como um todo. A autonomia implica também responsabilidade no comprometimento com as instituições que representam a comunidade (conselho deliberativo, associações de pais e professores, grêmios estudantis, entre outras), para que haja participação e compromisso de todos. Concluindo as reflexões, acreditamos que é este o papel social da escola, atuando frente às profundas desigualdades sócio-econômico que excluem da escola uma parcela da população, marginalizada pelas concepções e práticas de caráter conservador, inspiradas no neoliberalismo. Devemos nos mobilizar pela garantia do acesso e da permanência do aluno na escola. Não basta esperar por soluções que venham verticalmente dos sistemas educacionais. Urge criar
  • 7. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 7 propostas que resultem de fato na construção de uma escola democrática e com qualidade social, fazendo com que os órgãos dirigentes do sistema educacional, possam reconhecê-la como prioritária e criem dispositivos legais que sejam coerentes e justos, disponibilizando os recursos necessários à realização dos projetos em cada escola. Do contrário, a escola não estará efetivamente cumprindo o seu papel, socializando o conhecimento e investindo na qualidade do ensino. A escola tem um papel bem mais amplo do que passar conteúdos. Porém, deve modificar a sua própria prática, muitas vezes fragmentada e individualista, reflexo da divisão social em que está inserida.
  • 8. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 8 CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO 1.1 CARACTERÍSTICAS A Escola Básica Gregório Manoel de Bem está localizada na sede do distrito de Ribeirão Pequeno, à distância de 22 km do centro de Laguna. A partir de 1976, passou a oferecer o Ensino Fundamental, autorizado pelo Parecer 330/75 do CEE e Decreto nº 543 de 28/04/76, mantida pelo Governo do Estado e em 2009, o Ensino Médio, pelo Parecer 433/08 e Decreto 2.136 de 20/02/09. Atualmente, no ano letivo de 2013, o estabelecimento funciona com dois turnos, sendo 07 turmas no período matutino (04 no Ensino Fundamental, 02 no Ensino Médio e 01 no Projeto AMBIAL) e 08 turmas no período vespertino (05 no Ensino Fundamental, 02 no Ensino Médio e 01 no Projeto AMBIAL), conforme tabela abaixo. TABELA DE TURMAS, PERÍODO DE FUNCIONAMENTO E NÚMERO DE ALUNOS Turma Turno Número de alunos 1º ano – EF de 9 anos Vespertino 6 2º ano – EF de 9 anos Vespertino 8 3º ano – EF de 9 anos Matutino 12 4º ano – EF de 9 anos Matutino 7 5º ano – EF de 9 anos Vespertino 15 6º ano – EF de 9 anos Vespertino 29 7º ano – EF de 9 anos Matutino 22 8ª série 01 – EF de 8 séries Matutino 20 8ª série 02 – EF de 8 séries Vespertino 23 1ª série 01 – Ensino Médio Matutino 22 1ª série 02 – Ensino Médio Vespertino 19 2ª série – Ensino Médio Vespertino 10 3ª série – Ensino Médio Matutino 18 Total de Alunos 211 Obs.: O relatório das turmas do ano letivo de 2013 estão em anexo.
  • 9. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 9 1.2 HISTÓRICO A escolaridade em Ribeirão Pequeno surgiu em 1916, pelo professor Manoel Miguel da Silva que ministrava as aulas em sua própria casa. Na medida em que as famílias chegavam na comunidade novas turmas de alunos eram formadas, ficando um professor para trabalhar com os meninos e outro para trabalhar com as meninas. O professor José Barreto lecionava para os meninos e a professora Dorvalina Machado Coelho lecionava para as meninas. A professora conhecida por Laidinha dava aula de ginástica em frente à igreja. Na hora do recreio todos os alunos vinham em fila e ali tinham aula de ginástica. Mais tarde os alunos foram selecionados em secção A e seção B. Os alunos que já dominavam a leitura na cartilha, liam de pé para os outros observarem bem. Depois passavam para o primeiro livro que era o primeiro ano primário. Os alunos que tinham dificuldades faziam parte da seção B e liam sentados. Houve muitas mudanças no nome da escola antes era escola mista, depois desdobrada, isolada e em 1957, transformou-se em Escola Reunida Gregório Manoel de Bem, sob a direção da senhora Daír Gaberlotti de Bem. Muitos professores passaram por nossa escola. Os mais antigos foram: Manoel Miguel da Silva, Dorvalina Machado coelho, Laidinha, Maria Figueiredo, Gelta, Prudência, José Barreto, Julieta de Oliveira Corrêa, Onélia Félix Alves, Dair Garbelloti de Bem, Diva Pessoa, Maria aparecida Wechi e outros. Antigamente os alunos recebiam muitas punições até quando não aprendiam. As punições mais drásticas foram: palmatória – era um tipo de régua grande, tendo uma parte mais larga e furada que, quando batia na palma da mão, doía muito e inchava, os alunos ficavam ajoelhados em cima de milho, pedregulho e ainda recebiam dez chapéus empilhados na cabeça e na boca um charuto feito de palha de milho. Em 29 de abril de 1967, em um sábado, pela primeira vez na sua história, Ribeirão Pequeno recebia um governador, Dr. Ivo Silveira, com sua comitiva para solenemente inaugurar o Grupo Escolar Gregório Manoel de Bem. Anos depois, no dia 28 de abril de 1976 passou a ser Escola Básica Gregório Manoel de Bem, pelo decreto de criação nº 543/76 e parecer do Conselho Estadual de Educação 330/75, sob a direção da senhora Ana Maria de Bem Silva (neta do patrono). No ano de 2009 foi autorizado o funcionamento do Curso de Ensino Médio na Unidade Escolar pelo parecer 433/08, decreto 2.136 de 20/02/2009. sob a direção da senhora Maria do Rosário Adriano Corrêa, filha da comunidade.
  • 10. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 10 Em 10 de setembro de 2010 o novo prédio escolar é inaugurado pelo governador Leonel Arcângelo Pavan, com a presença de outras autoridades do Estado e do município, sob a direção da senhora Maria do Rosário Adriano Corrêa, filha da comunidade. 1.3 PATRONO Gregório Manoel de Bem nasceu no Distrito de Ribeirão Pequeno. Seus pais eram: Manoel Hypólito de Bem e Anna de Souza de Bem. Casou-se com Anna Anthonia de Bem e teve nove filhos. Desde então, progrediu no comércio, pois tinha uma loja que vendia de tudo, desde alimentos até roupas, e atendia todas as comunidades da região. Gregório Manoel de Bem era uma pessoa muito importante e presente em todas as decisões da comunidade. Foi grande lutador, tudo fez para iniciar a construção da igreja do Distrito de Ribeirão Pequeno, sendo auxiliado pelas comunidades vizinhas pois era a primeira da região. Batalhou tanto em sua vida que deixou sua marca registrada na história do Ribeirão Pequeno e em outras comunidades vizinhas. Para homenageá-lo, a comunidade deu o nome a sua escola local de Escola de Educação Básica Gregório Manoel de Bem. 1.4 CLIENTELA Atende a clientela das localidades de Bananal, Morro Grande, Figueira, Parobé, Ribeirão Pequeno, Ribeirão Grande e Madre. Nessas localidades é ofertado pela Prefeitura Municipal somente as Series Iniciais do Ensino Fundamental. Como a EEB Gregório Manoel de Bem oferece as Series Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio, todos os anos há o afluxo dos alunos que cursaram as Series Iniciais nessas comunidades. Segue abaixo pesquisa feita em 2013 sobre a escolaridade e profissão dos pais, renda familiar e religião: ÍNDICE DA ESCOLARIDADE DOS PAIS Analfabeto Fund. Incom. Fundamental Médio Superior 1% 48% 25% 23% 3%
  • 11. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 11 ÍNDICE DE PROFISSÃO DOS PAIS(não está incluído “do lar”) Indústria 18% Pecador / peixaria 16% Construção Civil (pedreiro, carpinteiro, pintor) 11% Serviços Gerais 9% Aposentado 8% Agropecuária 7% Costura 6% Saúde 6% Comércio 4% Educação 3% Militar (policial, bombeiro) 3% Transporte (caminhoneiro, motorista, cobrador) 3% Segurança 2% Alimentação (cozinheira, merendeira) 1,5% Desempregado 1,5% Outros 1% RENDA MÉDIA FAMILIAR R$ 2180,00 ÍNDICE DE RELIGIÃO DAS FAMÍLIAS* Católicos Evangélicos Test. de Jeová Espíritas Sem religião 88% 7% 1,5% 0,5% 3%
  • 12. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 12 1.5 ESTATÍSTICAS DA INSTITUIÇÃO 1.5.1 Índice de aprovação, reprovação e evasão do Ensino Fundamental e Médio ÍNDICE DE APROVAÇÃO, REPROVAÇÃO E EVASÃO ESCOLAR Ano Aprovados - % Reprovados - % Evadidos - % 2009 217 – 91% 21 – 09% - 2010 214 – 99,5% 1 – 0,5% 2011 204 – 94% 6 – 2,8% 7 – 3,2% 2012 201 – 94% 8 – 3,7% 5 – 2,3% 1.5.2 Índice de disciplinas com maior reprovação no Ensino Fundamental e Médio ÍNDICE DE DISCIPLINAS COM MAIOR NÚMERO DE REPROVAÇÃO EM 2012 Nº de Ordem Disciplina Nº de Alunos Reprovados 1 Matemática 8 2 Geografia 7 3 Inglês 7 4 Ciências 7 5 Português 4 1.5.3 IDEB O IDEB é a combinação de dois indicadores educacionais – aprovação e desenpenho dos estudantes – obtidos, respectivamente, a partir do Censo Escolar e da Prova Brasil. No que se refere aos resultados do IDEB, em 2009, a primeira vez que foi aplicada a prova, o índice ficou em 3,4. A prova foi aplicada somente com os alunos da 8ª série. O índice ficou abaixo da média nacional (3,7), estadual (4,3) e municipal (3,7). Em 2011 a prova não foi aplicada pela Gerência Regional de Educação de Laguna em nossa Unidade Escolar, não sendo possível estabelecer o índice.
  • 13. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 13 1.5.4 ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) Em 2009, a escola ficou com a melhor nota total no ENEM – Exame Nacional de Ensino Médio – entre as escolas públicas do município. E com nota superior a uma das duas escolas privadas do município na redação. Em 2010, novamente melhor nota na prova objetiva entre as escolas públicas do município. No ano de 2011 a escola não foi classificada por não haver o número mínimo de participantes. O resultado do ENEM 2012 ainda não foi divulgado. 1.5.5 OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas) Na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas de 2010 a escola teve bom resultado. Dos seis alunos no município que receberam Certificado de Menção Honrosa nessa Olimpíada, três eram da EEB Gregório Manoel de Bem. Na edição de 2011, um aluno recebeu o Certificado de Menção Honrosa. Também em 2012 um aluno recebeu o certificado.
  • 14. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 14 CAPÍTULO II PAPEL DA ESCOLA A escola é responsável pela promoção do desenvolvimento do cidadão, no sentido pleno da palavra. Então, cabe a ela definir-se pelo tipo de cidadão que deseja formar, de acordo com a sua visão de sociedade. Cabe-lhe também a incumbência de definir as mudanças que julga necessário fazer nessa sociedade, através das mãos do cidadão que irá formar. Definindo a sua postura, a escola vai trabalhar no sentido de formar cidadãos conscientes, capazes de compreender e criticar a realidade, atuando na busca do desenvolvimento social; seus agentes devem empenhar-se na elaboração de uma proposta para a realização desse objetivo. Essa proposta ganha força na construção de um projeto político-pedagógico. A função da escola em proporcionar um conjunto de práticas pré-estabelecidas tem o propósito de contribuir para que os alunos se apropriem de conhecimentos sociais e culturais historicamente acumulados de maneira crítica e construtiva. Esta função socializadora nos remete a dois aspectos: o desenvolvimento individual, o contexto social e cultural. É no universo da escola que o aluno vivência situações diversificadas que favorecem o aprendizado para dialogar de maneira significativa com a comunidade, aprende a respeitar e a ser respeitado, a ouvir e a ser ouvido, a reivindicar direitos e cumprir obrigações, a participar ativamente da vida cientifica, cultural, social e política do país e do mundo. O papel formal da escola é o de ser o principal responsável pela organização, sistematização e desenvolvimento das capacidades científicas, éticas e tecnológicas. Inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tendo por finalidade o pleno desenvolvimento do educando e seu preparo para o exercício da cidadania, sua qualificação para o trabalho, bem como, meios para progredir nele e em estudos posteriores.
  • 15. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 15 2.1 INTENCIONALIDADE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA É no processo de apropriação do saber historicamente produzido e na construção de novos conhecimentos que o homem se faz sujeito da história. Educação é, pois, o processo de construção do entendimento da totalidade das relações que se processam na sociedade e na natureza, processos que propiciem condições de se ler criticamente o mundo, de conhecer a si próprio, a natureza, a sociedade a se transformar, transformando a natureza, o mundo e a relação entre os homens. Diante de tais perspectivas, a criança (sujeito) e o conhecimento (objeto) se relacionam através da interação do social. Cabe ao professor ser o mediador desta ação educativa. Baseamos-nos na Proposta Curricular de Santa Catarina que nos apresenta concepções de aprendizagem baseadas em Vygotsky, pela qual se faz relação com a cultura concreta; e por Wallon onde o indivíduo forma sua personalidade com a mediação do meio, nas relações sociais. 2.2 OBJETIVOS 2.2.1 Objetivos Gerais Garantir aos alunos o acesso e a permanência na escola, empenhando-se em criar condições materiais (objetivas e subjetivas) para a compreensão e o discernimento de suas interações com o mundo, interferindo e interagindo nas relações sociais de produção em benefício do coletivo, bem como cumprir de forma competente a função social que é a apropriação do conhecimento, habilidades significativas e valores determinantes do processo de transformação; 2.2.2 Objetivos Específicos  Assegurar o acesso e permanência do aluno;  Promover educação de qualidade, que possibilite ao aluno a apropriação do conhecimento científico, o desenvolvimento de habilidades e competências, determinantes no processo de transformação;  Desenvolver a capacidade crítica dos alunos e professores em relação a conteúdos curriculares, permitindo a aplicação de conhecimentos e habilidades em tarefas: teórico/prática.  Promover a ação – reflexão – ação do fazer pedagógico; com vistas à construção de uma competência necessária à implementação de novas práticas;  Desenvolver a consciência ecológica dos alunos como questão de vivência e sobrevivência;
  • 16. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 16  Desenvolver projetos que promovam a vida, transformando o espaço escolar;  Inserir nos conteúdos os temas transversais: saúde, cidadania, ética, educação sexual e diversidade cultural;  Acompanhar o desenvolvimento do currículo, aprimorando a prática pedagógica tornando-a cada vez mais comprometida na busca de melhores dias para a sociedade;  Buscar uma prática pedagógica que supere os problemas de indisciplina e que torne a escola cada vez mais democrática;  Organizar encontros com todos os segmentos escolares para definição cada vez mais clara dos objetivos da unidade escolar, construção e avaliação de metas que garantam o exercício da cidadania;  Organizar e incentivar a agilização do grêmio estudantil;  Incentivar o uso da biblioteca, inclusive a ampliação do acervo;  Promover e desenvolver projetos;  Combater qualquer tipo de discriminação, seja racial, política, social ou mesmo de opiniões;  Implementar o P.P.P. envolvendo alunos, pais, equipe gestora, especialistas em assuntos técnicos, professores e funcionários para avaliação periódica. 2.3 PLANEJAMENTO DE EVENTOS CÍVICOS E SOCIAIS No início do ano letivo, no período de planejamento, Equipe Gestora e Professores reúnem- se para planejar as atividades do ano letivo, bem como planejar o Calendário Cívico e Social, onde são distribuídos os eventos de acordo com as datas cívicas e projetos. Ao analisar a data e o tema a ser abordado, é escolhido o setor e/ou disciplina responsável pelas atividades. Todos sugerem atividades pertinentes ao evento. Depois de definidas as atividades, estas são distribuídas aos profissionais e turmas evolvidos. Como resultado dessa reunião, é preparado o documento “Calendário Cívico e Social”, constando as datas dos eventos, o setor e/ou disciplina responsável, os profissionais evolvidos e as atividades previstas. Obs.: Em anexo, Calendário Cívico e Social.
  • 17. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 17 2.4 REUNIÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA Uma escola democrática abre as portas para a discussão, é um espaço onde impera a democracia coletiva, onde todos conversem num só ritmo acelerado em busca de aprofundamentos mais divergentes em suas opiniões. Não há democracia sem raciocínio, sem opinião própria. Não se concebe um educador formador de opiniões, sem uma filosofia, tampouco uma ideia acercada de algo. É fundamental buscar, voar às alturas sem medo de virar-se ao avesso e buscar a todo momento o infinito constante do seu eu. Assim, em nossa unidade escolar, acontece as reuniões administrativas e pedagógicas com o intuito de problematizar, analisar e reelaborar as ações decorrentes do processo pedagógico. É o momento de interiorização e reflexão do lugar onde nos encontramos e que caminho queremos tomar. Nossas reuniões são planejadas no início do ano letivo. Faz-se um diagnóstico do que terá prioridade durante o ano escolar. No setor administrativo e pedagógico a reunião acontece semanalmente. É coordenada pela diretora e tem a presença da orientadora, supervisora, assistente técnico pedagógico, analista em gestão escolar e assistente de educação. Os assuntos tratados são referentes à aprendizagem dos alunos, professores e qualquer assunto que interfira no processo ensino-aprendizagem. Nas reuniões são planejadas as atividades semanais e discutidos os temas que serão abrangidos nas futuras reuniões com o grande grupo. A escola preza a participação e o envolvimento dos pais na vida escolar de seus filhos. É importante que todos percebam que uma escola democrática se faz com pessoas participativas com opiniões divergentes e convergentes, e não meras espectadoras. Prevenção às drogas, sexualidade, relações pais e filhos, paz na família, na escola e na sociedade, respeito às pessoas, são assuntos abordados com os pais na entrega dos boletins ou em outras reuniões. De acordo com a legislação vigente, a Associação de Pais e Professores e o Conselho Deliberativo são órgãos que representam a comunidade escolar e local. Os que fazem parte dessas associações colaboram, quando necessário, na realização de eventos que têm como objetivo angariar fundos que serão investidos na unidade escolar. Os alunos também têm voz e vez numa escola democrática. Há representantes escolhidos pelos alunos para representar a cada turma. Opiniões de como tornar a escola um lugar melhor, organização no recreio, recreação, dentre outros assuntos, são bem-vindos pela equipe escolar. A escola se faz com a participação de todos os segmentos, por essa razão deve estar aberta a transformações.
  • 18. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 18 2.4.1 Cronograma de reuniões  Setor pedagógico (direção e orientação) – reunião semanal;  Equipe gestora e professores – reunião mensal;  Líderes de turma – reunião mensal;  Pais de alunos – reunião bimestral;  Entidade Democráticas (Grêmio Estudantil, APP, Conselho Deliberativo) – reunião bimestral.
  • 19. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 19 CAPÍTULO III PROPOSTA CURRICULAR É necessário pensar em currículo como um artefato social e cultural que implica relações de poder, transmite visões sociais particulares e interessadas. Produz identidades individuais e sociais a partir da seleção de determinados conceitos a serem trabalhados em cada tempo histórico. Não é um instrumento neutro nem pode ser separado do contexto social, uma vez que ele é historicamente situado e culturalmente determinado. O currículo é construído a partir das diretrizes Curriculares Nacionais e das referências legais do Projeto Político Pedagógico, passa por um processo dinâmico, sujeito à relaboração no sentido de se terem definições atualizadas. Dessa forma, entendido como um ato que só se realiza na coletividade e que envolve todas as experiências legais do conhecimento desenvolvidas pela escola, com o objetivo de produzir identidades (tanto individuais, quanto sociais) constitui-se no principal objeto de atuação dos educadores da escola. Os cursos serão organizados em conformidade com a legislação específica, analisados pela Secretaria de Estado da Educação e encaminhados ao Conselho de Estadual de Educação para a devida aprovação. A organização curricular de cada nível de ensino obedecerá a legislação vigente. 3.1 OBJETIVOS Entende-se que o principal objetivo da Proposta Curricular da escola é nortear a prática pedagógica dos educadores na perspectiva da construção de uma escola de qualidade para todos, formando o cidadão, construir conhecimentos, atitudes e valores que tornem o educando solidário, crítico, ético, atuante e participativo na construção da sociedade. Para isso, é indispensável socializar o saber sistematizado, historicamente acumulado, como patrimônio universal da humanidade, fazendo com que esse saber seja criticamente apropriado pelos alunos, que já trazem consigo o saber popular, o saber da comunidade em que vivem e atuam. Além disso, aprofundar as questões teóricas relacionadas com as áreas de conhecimento e agregar novas contribuições no âmbito das áreas de conhecimento, fortalecendo dessa forma a aprendizagem. Analisar teoricamente o processo de organização, discussão, sistematização, socialização e implementação da Proposta Curricular no processo ensino e aprendizagem.
  • 20. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 20 3.2 MATRIZ CURRICULAR A organização curricular é composta por uma matriz definida por uma Base Nacional Comum de modo a legitimar a unidade e a qualidade da ação pedagógica na diversidade nacional, a partir das áreas de conhecimento. No que se refere ao Ensino Fundamental, estão as seguintes disciplinas: Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia, Artes, Ciências, Educação Física, Ensino Religioso e Língua Estrangeira - Inglês a partir das últimas séries do Ensino Fundamental. Na turma de Correção de Fluxo são Língua Portuguesa, Matemática, Artes e Educação Física Na Unidade Escolar foi implantado o projeto AMBIAL, sua matriz curricular complementar é composta de três Eixos Temáticos: Arte e Cultura Regional, Iniciação à Pesquisa Científica e Linguagem que articulam conhecimentos sobre cultura de alimentos a prática de artesanato. Na matriz do Ensino Médio, está explicita as seguintes disciplinas: Biologia, Matemática, Geografia, História, Educação Física, Língua Estrangeira - Inglês, Língua Portuguesa e Literatura, Sociologia, Filosofia, Física, Química, Artes. 3.3 CONTEÚDOS CURRICULARES As diretrizes curriculares de cada disciplina indicam os conteúdos estruturantes das mesmas que foram elaborados e unificados pelos professores das disciplinas para o planejamento anual (plano de curso), a partir de sua estruturação os conteúdos são trabalhados contextualizando a partir da realidade escolar. É necessário pensar em currículo como um artefato social e cultural que implica relações de poder, transmite visões sociais particulares e interessadas. Produz identidades individuais e sociais a partir da seleção de determinados conceitos a serem trabalhados em cada tempo histórico. Não é um instrumento neutro nem pode ser separado do contexto social, uma vez que ele é historicamente situado e culturalmente determinado. O currículo é construído a partir das diretrizes Curriculares Nacionais e das referências legais do Projeto Político Pedagógico, passa por um processo dinâmico, sujeito à relaboração no sentido de se terem definições atualizadas. Dessa forma, entendido como um ato que só se realiza na coletividade e que envolve todas as experiências legais do conhecimento desenvolvidas pela escola, com o objetivo de produzir identidades (tanto individuais, quanto sociais) constitui-se no principal objeto de atuação dos educadores da escola.
  • 21. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 21 Os cursos serão organizados em conformidade com a legislação específica, analisados pela Secretaria de Estado da Educação e encaminhados ao Conselho de Estadual de Educação para a devida aprovação. A organização curricular de cada nível de ensino obedecerá a legislação vigente. 3.3.1 Ensino fundamental 3.3.1.1 Artes Artes como disciplina na escola gera conhecimento, valoriza os aspectos psicológicos, sociais, políticos e históricos de toda a comunidade escolar. Cabe a escola ensinar a pensar e a fazer Arte, possibilitar o acesso as linguagens visual (pintura, escultura, cerâmica etc), cênica, musical e a dança, aos conceitos fundamentais da Arte, às experiências:  Estéticas - compreensão sensível: cognitiva do objeto ou manifestação artística que permitirá o julgamento;  Artísticas – percurso de criação e produção do objeto ou manifestação artística num contexto;  Culturais- relacionadas às vivências do dia a dia e à construção do espaço sócio-histórico, em constante transformação. Para a compreensão destes conceitos, considerar:  A produção artística consiste em uma experiência poética, na qual a técnica e a produção articulam significados e experiências de suportes e materiais variados, na construção de formas visuais e espaços bidimensionais e tridimensionais nas criações sonoras e gestuais, nas representações teatrais;  A criação como a ampliação do repertório existencial do indivíduo, através da exploração cotidiana das diversas linguagens, dos diversos materiais e instrumentos;  A leitura como ato que requer apreensão, apropriação e transformação de significados do objeto artístico a ser interpretado;  A fruição como apreciação tanto da produção do aluno quanto da humanidade como relação de posse do objeto artístico pelo observador;
  • 22. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 22  A contextualização construindo conhecimento, situando o aluno, o artista e o objeto artístico no tempo, no espaço e no modo de produção, pensando nas condições que possibilitaram a existência dos personagens e objetos; O conceito de Arte é passível de mudança, está vinculado às referências e convenções artísticas, estéticas e culturais inerentes a uma época, evolvendo transformações sociais. Lembramos que:  Os conteúdos devem ser trabalhados articuladamente de forma dinâmica, de acordo com as necessidades e possibilidades de aprendizagem dos alunos e suas vivências;  Deve ser observado os indicadores específicos das diferentes linguagens artísticas (arte visual, cênica, musical, dança), bem como a linguagem oral e escrita;  O professor trabalha de acordo com a sua habilitação específica podendo transitar nas outras linguagens artísticas, junto com as outras áreas do conhecimento, numa perspectiva interdisciplinar;  A escola não tem objetivo de formar artistas. 3.3.1.2 Ciências No ensino-aprendizagem de ciências, deve-se levar em consideração que “o conhecimento científico só poderá ser efetivamente apropriado pelo aluno se corresponder a uma elaboração de valores, de novas atitudes e não só aquisição de informações. É preciso pensar (...) as maneiras de se garantir esta construção de múltiplos componentes”. (Proposta Curricular, 1998, 118). O ensino de ciências deverá promover os caminhos para o conhecimento científico, como forma de interpretar o próprio homem, o mundo em que vive com os seres que nele habitam as condições econômicas e sociais em sua realidade material, preparando o indivíduo para a vida com seus desafios, ou seja, com vistas à formação para a cidadania. Sendo assim, o ensino de ciências constitui-se num processo de alfabetização científica e tecnológica através do método científico. Tema problematizado: elaboração de hipóteses, coleta de dados, experimentação, interpretação, conclusão. Dessa forma, permite ao educando estabelecer conexões com os fenômenos naturais, socioculturais e assim realizar uma leitura e uma interpretação mais elaborada do contexto onde vive. Para atingir esses objetivos sugerem-se os conteúdos que, ao serem
  • 23. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 23 trabalhados no processo ensino aprendizagem, possibilitam ao educando a reelaboração de sua base conceitual.  Como se formou o universo: Big-Bang.  Elementos que compõem o meio abiótico:  Água: componentes, tipos de água, tratamento da água consumida, água como fonte energética, inter-relação com os seres vivos, preservação, poluição.  Solo: influência dos diferentes tipos de solo nos ecossistemas; os solos no processo de produção (recursos naturais renováveis, reciclados); inter-relação com os seres vivos; preservação; poluição.  Ar: diferentes gases e suas funções no ambiente; influência do ar nas alterações climáticas e implicações sobre os seres vivos; fatores que determinam as condições climáticas (temperatura, umidade, pressão...).  Seres vivos: características dos seres vivos (célula, ciclo vital...); noções básicas de sistemáticas, inter-relação e importância das funções vitais para as formas de vida; reprodução. Em relação ao ser humano: o homem como ser social; sexualidade (questões sociais, culturais, afetivas); noções de genética (grupo sanguíneo e fator RH); coordenação das funções orgânicas pelos processos de sustentação (movimentação, reação nervosa, complexo hormonal); animais vertebrados e invertebrados (principais características dos grupos de animais); vegetais inferiores e superiores. Desenvolvimento sustentável: recursos renováveis e não renováveis; reciclagem de lixo; reaproveitamento de materiais; impactos ambientais e implicações sociais; preservação; degradação e recuperação ambiental. Ciclo de matéria e energia: compreensão da constituição da matéria; estados físicos; transformações da matéria e da energia; ciclos biogeoquímicos; cadeia e teia alimentar; relações harmônicas e desarmônicas. Fenômenos físicos e químicos: estrutura atômica molecular; processamento dos produtos tecnológicos e sua interferência na natureza e na sociedade; reações e funções químicas; mecânica; aceleração; velocidade; temperatura (efeito estufa, camada de ozônio, radiações); aplicação da Química e da Física no cotidiano.
  • 24. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 24 3.3.1.3 Geografia Os conceitos a seguir devem ser abordados levando em conta o caráter humano da produção do espaço, a produção do espaço como âmbito de conflitos, a relação entre espaço local e global. Fazem parte desses conceitos:  Os espaços catarinenses;  O espaço brasileiro e suas relações externas;  A representação do espaço;  Espaço;  Espaço/tempo;  Espaço produzido;  Espaço representado;  Localização;  Orientação;  Paisagem;  Região;  Meio ambiente;  População;  Relação local global;  Relações socioculturais. 3.3.1.4 História Os conteúdos a seguir devem ser abordados levando em conta o caráter humano da história; a multidimensionalidade do tempo (uma vez que essas temáticas se realizam e se pensam a partir de diferentes dimensões do tempo); a relação tempo/espaço (uma vez que se realizam em diferentes espaços e tempos); as relações das temáticas situadas e datadas com outros espaços e outros tempos. Fazem parte desses conceitos:
  • 25. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 25  Diversidade ético-cultural de Santa Catarina (que deve remeter a outros momentos da história do estado, do país e do mundo, uma vez que não é determinada a partir da mesma.  A ocupação territorial e a luta pela terra;  As diferentes tipologias culturais;  Momentos da história;  As relações sociais de produção;  Tempo;  Temporalidades;  Tempo/espaço;  Cultura;  Memória;  Identidade;  Ideologia;  Imaginário.  Relações sociais;  Relações sociais de produção. 3.3.1.5 Língua Portuguesa e Inglesa Toda língua é produção humana, constituída historicamente na e pelas relações sociais. É uma forma de ação sobre o outro e o mundo, marcada por um jogo de intenções e representações. Os conteúdos das Línguas Portuguesa e Estrangeira são as práticas reais com a língua- seu uso e reflexão sobre elas- sintetizadas nos eixos: fala/escuta/leitura/escrita, percorridos pela prática de análise linguística. Os eixos de trabalho indicam apenas que podemos focalizar na língua este ou aquele aspecto, este ou aquela dimensão. Devem, portanto, ser trabalhadas de maneira simultâneas ou alteradas, tal como ocorre na prática de língua. No caso de língua estrangeira, o professor deve priorizar o trabalho com a produção da leitura e escrita em língua estrangeira, não no sentido de restringir as possibilidades de aprendizagem, mas para viabilizar o aprendizado efetivo de, pelo menos, estas habilidades. Esta
  • 26. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 26 opção leva em consideração a função social da aprendizagem de uma língua estrangeira para os alunos brasileiros. Entendo a língua a partir dessa perspectiva pressupõe, também a apropriação dos conceitos de:  Dialogia: cada sujeito é complemento necessário do outro;  Polifonia: as vozes que se constituem a língua;  Polissemia: multiplicidade significativa da língua;  Interdiscursividade: relação entre os diferentes discursos;  Intertextualidade: um texto remete a outros textos (abertura e incompletude);  Discurso: efeito de sentido produzido entre os interlocutores;  Textualidade: o que faz de um texto e não apenas uma sequência de frases;  Texto: unidade de linguagem em uso;  Coerência: responsável pela unidade do texto;  Coesão: manifestação linguística da coerência. A condição para que o aluno se aproprie desses conceitos é o trabalho, em sala de aula, com as práticas reais do uso da língua (fala/escuta/leitura/escrita) e o trabalho com a reflexão sobre essas práticas (análise linguística). Esses eixos de trabalho indicam apenas que podemos focalizar este ou aquele aspecto, esta ou aquela dimensão. Devem, porém, ser trabalhados de maneira simultânea ou alterados, tal como corre na prática da língua. Nas práticas de fala/escuta, trabalhar com:  O uso do oral em instâncias públicas e privadas (fala formal e informal);  As diversas manifestações da fala e sua relação com as instâncias e normas de uso;  As variedades linguísticas (aspectos regionais, influência da imigração, gíria etc.);  A adequação à situação, ao gênero e ao interlocutor;  O uso de convenções específicas do discurso falado;  Os recursos expressivos da fala (ambiguidade, comparação, escolha das palavras, fluência, entonação etc.);
  • 27. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 27  A análise e prática da argumentação (funcionalidade e intencionalidade);  A fluência, coerência e coesão das ideias;  A escuta ativa de textos, reconhecendo intenções e objetivos na fala do outro. Nas práticas de leitura/escrita, trabalhar com:  A expressão oral da leitura (fluência, entonação e ritmo);  A observação das marcas expressivas do texto;  A análise e discussão das ideias do texto;  As diferentes formas de representar ideias, situações, fantasias, imaginações;  A construção de sentidos possíveis;  A leitura de variados gêneros textuais (fábulas, lendas, contos, poemas, canções, quadrinhos, cartas, bilhetes, embalagens, rótulos, panfletos, manuais de instrução, notícias, publicidade, crônicas, romances, peças teatrais, ofícios, regulamentos etc.), estabelecendo: as condições de produção de cada um dos textos lidos; a relação dos textos literários com outras formas discursivas; os tipos e estrutura textual encontrados nos gêneros;  A leitura com objetivos variados, considerando: as estratégias para adequação texto/contexto, a utilização de dados para confirmar hipóteses, a resolução de dúvidas, a socialização de experi- ências de leitura, as estratégias para adequação texto/contexto, a utilização de dados para con- firmar hipóteses, a resolução de dúvidas, a socialização de experiências de leitura, as estratégias de compreensão/interpretação.  O uso de diversos textos para: tê-los como referência na escrita de outros textos, construção da intertextualidade/interdiscursividade, compreensão de implícitos, formulação de comentários, consultas, explicação/comparação de argumentos e análise de regularidade.  As funções sociais da escrita (comunicação, registro, orientação, organização, lazer etc);  A representação;  Os símbolos da escrita (alfabeto, sinais de pontuação, acentuação etc).  A sistematização da escrita (identificação global do texto, de frases e de palavras no texto);  As semelhanças e diferenças de escrita entre palavras;
  • 28. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 28  O estudo dos diversos traçados de letras;  A diferença entre linguagem oral e escrita;  A produção de diferentes gêneros textuais (ficcionais, informativos, poesias, bilhetes, cartas, convites, atas, relatórios etc);  A gradativa apropriação da convencionalidade da escrita;  Os recursos expressivos de textos lidos e produzidos (comparações, polissemia, ambiguidade, análise das possibilidades semânticas do texto);  A análise de estratégias discursivas em textos de diversos autores e em textos produzidos pelos alunos;  As diferentes formas de dizer (recursos expressivos, adequação formal e discursiva, seleção lexical, seleção de gênero e tipo, paráfrase);  As estratégias linguísticas e cognitivas na escrita de textos;  A utilização de recursos de apoio (notas, resumos, comentários) na leitura e escritura de textos diversos;  A revisão/reelaboração de textos, adequando-os à situação, ao gênero, ao interlocutor e à convenção da escrita.  Nas práticas de análise linguística, trabalhar com:  Análise das relações intravocabulares pela comparação, observação e pesquisa, superando os exercícios ortográficos;  A análise das relações entre as partes do texto;  A utilização de recursos do sistema de pontuação e elaboração de hipóteses sobre as funções dos sinais de pontuação;  Construção de microgramáticas (busca de regularidade de funcionamento): ortografia, concordância etc.  A reestrutura de textos, adequando-os à norma padrão no que diz respeito à concordância, flexão, regência, ortografia e acentuação gráfica;  Registro de diferenças e semelhanças entre fala e escrita (influências recíprocas).
  • 29. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 29 3.3.1.6 Matemática É uma forma especial de linguagem. É uma representação da realidade produzida histórica e culturalmente. Obs.: Sempre que possível, os conteúdos abaixo devem ser trabalhados a partir de situações problemas. Números:  Naturais (sistematizado nas séries iniciais);  Racionais (sistematizados nas séries iniciais);  Irracionais;  Inteiros;  Reais. Álgebra:  Sequências;  Operações com expressões algébricas;  Expressões polinominais;  Relações e funções;  Equações e inequações;  Matrizes e sistemas lineares. Geometria:  Espacial (representações geométricas no plano);  Métrica (sistema de medidas);  Plana (trabalhado nas séries iniciais). Estatísticas:  Construção, leitura e interpretação de: tabelas e gráficos (colunas, setores, barra linha).
  • 30. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 30 3.3.1.7 Educação Física A Educação Física por ser parte do conhecimento historicamente produzido, deve reunir o que for de mais significativo ligado aos conceitos de movimento/corporeidade, ginástica, jogo, dança e esporte. Corporeidade é transcendermos a classificação e conceituação das ciências físicas e biológicas do corpo ou mera mensuração ou quantificação do movimento humano. É fazer-se presente via corpo, que sente, que pensa, que age. Corpo que, ao expressar-se na história, traz suas marcas, desvelando-as. O movimento, como produção humana, é agente de transformação, pois as diferentes concepções de corporeidade vão sendo incorporadas ao comportamento dos homens, constituindo, assim, a cultura corporal, decorrente de necessidades e interesses histórico-sociais. O movimento, objeto de estudo da Educação Física, possui um significado histórico-social e hoje é predominantemente apresentado através dos conceitos de ginástica, dança, jogo e esporte. Ele é inerente a todos os seres vivos. O movimento humano, porém, distingue-se dos demais pela linguagem, historicidade, intencionalidade e pelo seu significado. O esporte é uma construção social a que institucionalizou temas lúdicos da cultura corporal e se projeta numa dimensão complexa de fenômeno que envolve códigos, sentidos e significados da sociedade que constrói e o pratica. Fenômeno sócio-cultural, produção humana e agente sócio-educativo para a construção da subjetividade. A dança é uma produção social que representa os diversos aspectos da vida do homem. É uma linguagem que permite exteriorizar sentimentos, emoções da afetividade vivida nas esferas da religiosidade, do trabalho, dos costumes, dos hábitos, da saúde e da guerra. Representação estilizada e simbólica da história social dos homens. O jogo (brincar e jogar) é a representação de um fenômeno social, cuja intencionalidade e curiosidade resultam num processo criativo para modificar, imaginariamente, a realidade e o presente. O jogo tem um papel fundamental para a humanização do indivíduo pela aquisição de hábitos, valores e atividades. É na relação interpessoal que se aprende a colaborar, repartir, ceder, compartilhar experiências, expor e organizar ideias. Por essas características, contribui significativamente no processo ensino-aprendizagem. Ginástica: forma de exercitação corporal, cujo agir (movimentos básicos) resulta da própria história dos homens, impregnada de sentido e significado, possibilitando concretas vivências corporais para a constituição da subjetividade.
  • 31. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 31 3.3.1.8 Ensino Religioso A disciplina de Ensino Religioso está incluída no horário normal da grade curricular desta unidade escolar, sendo assim distribuída uma aula semanal, com a duração de 45 minutos. A partir da lei nº 9475/97 que dá nova redação ao art. 33 da lei nº 9394/96, o Ensino Religioso deixou de ser confessional e houve uma radical transformação na maneira de compreendê-lo. O Ensino Religioso, como área de conhecimento, explica o significado da existência humana em sua cultura e religiosidade. Como vou conhecer a caracterização do aluno se não conheço sua base religiosa? As várias denominações religiosas precisam ser conhecidas pelo professor para que ele tenha subsídios para apresentá-las aos seus alunos. Conceitos essenciais e conteúdos propostos de Ensino Religioso:  Ser humano:  Orientação para o relacionamento com outro, respeitando a alteridade;  Conjunto de princípios de cada tradição religiosa;  Fundamentação dos limites ético-morais, propostos pelas várias tradições religiosas.  Conhecimento revelado:  Formas de revelação do revelante ao espaço sagrado;  Origem da autoridade da palavra revelada, segundo as diversas tradições religiosas;  Possíveis respostas norteadoras do sentido da vida: a ressurreição, e reencarnação, a ancestralidade e a inexistência de vida após a morte.  Conhecimento elaborado:  Evolução dos conhecimentos e das estruturas religiosas no decorrer dos tempos (história e tradição religiosa);  Função política das ideologias religiosas (sociologia e tradição religiosa);  Determinações da tradição religiosa na construção mental do inconsciente pessoal e coletivo (psicologia e tradição religiosa);
  • 32. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 32  Descrição das representações do Transcendente nas tradições religiosas: exegese/comentários, teologias;  Conjunto de mitos, crenças e doutrinas em cada tradição religiosa;  Conhecimento das práticas de reflexão do homem diante do Transcendente (filosofias e tradições religiosas).  Diversidade das práticas:  Descrição de práticas e rituais religiosos significantes, elaborados pelos diferentes grupos religiosos;  Identificação dos símbolos mais importantes de cada tradição religiosa, comparando seus significados.  Caminhos de reintegração:  Autoridade do discurso religioso e das práticas religiosas, fundamentadas na experiência mística de quem a transmite como verdade do Transcendente para o povo;  Conhecimento dos mitos e histórias, dos textos e das tradições orais de corporalidade e ancestralidade;  A análise e a hermenêutica dos mitos e histórias, dos textos sagrados e das tradições orais de corporalidade e ancestralidade. 3.3.2 Ensino Médio 3.3.2.1 Língua Portuguesa e Literatura Conceitos científicos essenciais da Língua e Literatura:  Eixos organizadores: fala/escuta; leitura/escrita; análise linguística e análise literária;  Texto: unidade da linguagem em uso;  Dialogia: cada sujeito é complemento necessário do outro;  Discurso: efeito de sentido produzido entre os interlecutores;
  • 33. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 33  Textualidade – coerência/coesão: o que faz de um texto um texto e não uma sequência de frases;  Intertextualidade: um texto remete a outro texto – abertura e incompletude;  Interdiscursividade: relação entre os diferentes discursos;  Polissimia: multiplicidade significativa da língua;  Polifonia: as vozes de que se constitui a língua. 3.3.2.2 Inglês Conceitos científicos essenciais da língua:  Texto: unidade da linguagem em uso;  Dialogia: cada sujeito é complemento necessário do outro;  Discurso: efeito de sentido produzido entre os interlecutores;  Intertextualidade – coerência/coesão: o que faz de um texto e não uma sequência de frases;  Interdiscursividade: relação entre os diferentes discursos;  Polissemia: multiplicidade de significativa da língua;  Polifonia: as vozes que se constiui a língua. 3.3.2.3 Matemática Conceitos essenciais:  Geometria: produção histórico-cultural; exploração do espaço tridimensional; estudo das representações geométricas no plano;  Geometria analítica;  Trigonometria: produção histórico-cultural; relações métricas e trigonométricas; funções trigonométricas; 3.3.2.4 História Conceitos:  Tempo;
  • 34. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 34  Temporalidade;  Tempo/espaço;  Cultura;  Memória;  Identidade;  Ideologia;  Imaginário;  Relações sociais;  Relações sociais de produção. 3.3.2.5 Geografia Conceitos:  Espaço geográfico: espaço produzido, espaço representado, espaço/tempo;  Paisagem;  Território;  Lugar;  Sociedade;  Relações sociais;  Meio ambiente. 3.3.2.6 Artes Conceitos essências:  Produção artística;  Produção cultural;  Forma e cor;  Som;  Gesto.
  • 35. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 35 3.3.2.7 Educação Física Conceitos científicos essenciais:  Corporeidade;  Movimento;  Jogo;  Ginástica;  Dança;  Esporte. 3.3.2.8 Filosofia Conceitos essenciais:  Homem;  Conhecimento;  Mundo;  Ser;  Ética;  Estética. 3.3.2.9 Sociologia Conceitos:  Ideologia;  Cultura;  Relações sociais de poder;  Modos de produção.
  • 36. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 36 3.3.2.10 Física Conceitos:  Mecânica;  Energia;  Ondas;  Física Moderna. 3.3.2.11 Biologia Conceitos essenciais:  Big-bang: evolução.  Meio biótico e abiótico: água, ar, solo e seres vivos; teoria celular; funções vitais; biodiversidade; embriologia, genética, sexualidade.  Desenvolvimento sustentável: recursos renováveis e não renováveis; conservação ambiental; impactos e recuperação ambiental; legislação ambiental.  Ciclo da matéria e energia: cadeia e teia alimentar; relações ecológicas, processos de obtenção de energia, ciclos biogeoquímicos.  Fenômenos físicos e químicos: composição química. 3.3.2.12 Química Conceitos essenciais:  Evolução da química.  Sistemas, substâncias e misturas.  Elementos e compostos na Sociedade.  Classificação periódica contextualizada.  Elementos, representações e transformações.  Combustão sem fogo: oxidação e sociedade.  Soluções e relações: massa volume.  Dinâmica e energia.  Compostos e sistemas inorgânicos (aplicações).  Química do carbono: obtenções e aplicações.
  • 37. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 37 3.4 METODOLOGIA DE ENSINO A metodologia de ensino é embasada em uma visão do homem e do mundo dentro da perspectiva sócio-interacionista, considerada como sistema aberto, inacabado, e a construção do conhecimento como produto dessa relação. Fundamentada na concepção de Vygotsky, essa metodologia particulariza o processo de ensino e aprendizagem, coloca aquele que aprende e aquele que ensina numa relação interligada. Outro conceito chave na sua teoria é a mediação, como um pressuposto básico: o ser humano se constitui na sua relação com o outro. Nessa concepção, as interações têm um papel crucial e determinante: a partir do exercício do diálogo são levantadas as hipóteses para solução de um desafio. Na síntese das ideias levantadas um novo conhecimento é construído. Pauta-se numa metodologia que requer a participação dos envolvidos no processo educativo (alunos, pais e professores), em que se salienta a importância de conhecer a realidade e os saberes de cada sujeito da educação. Portanto, evoca-se a sua história, seus valores, para se aproximar dos conteúdos que normatizam a escolarização, na intenção da produção de um novo consenso sobre quais conhecimentos deveriam permanecer ou quais deveriam ser alterados na Matriz Curricular. A proposta metodológica valoriza a construção e reconstrução do conhecimento, de acordo com seus níveis e experiências, proporcionando atividades e trabalhos que levem à cooperação e solidariedade, exploração da criatividade, incentivando a expressão física, oral, artística, intelectual sócio-afetiva, ética e da religiosidade, contribuindo para o desenvolvimento de sujeitos críticos e com autonomia. A interação entre educando e objeto do conhecimento se dá a partir da dialogicidade na totalidade, promovendo a intervenção sócio-transformadora da realidade. As práticas pedagógicas abrangem propostas de trabalho interdisciplinar, construído no coletivo, bem como os planejamentos que são elaborados quinzenalmente pelos professores e entregue para avaliação a equipe pedagógica. Em relação a essas propostas faz-se trabalhos de pesquisa e investigação, experiências e projetos, atividades extra-classe enriquecedoras, priorizando o envolvimento na e com a comunidade.. Busca-se abranger trabalhos sistemáticos com os educandos, proporcionando a leitura e reflexão do “seu mundo”, construção de seu projeto de vida, tornando-os sujeitos de sua história, no respeito ao coletivo e comprometimento com a vida e a realidade social, bem como sua inserção.
  • 38. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 38 Há o compromisso com o conhecimento científico, filosófico e popular, através de vivências enriquecedoras e dinâmicas integradoras. Junto a isso, faz-se necessário todo um suporte técnico-pedagógico de recursos, que vão possibilitar o desenvolvimento e construção dos conhecimentos. Entre eles destacamos: a aquisição permanente de livros que embasam a construção de saberes. Um laboratório de informática em disponibilidade para os educandos e educadores. Materiais pedagógicos, como jogos, vídeos, jornais livros de literatura. Uso consecutivo da sala de vídeo com, desenvolvimento de projetos e busca de parcerias para desenvolvimento dos mesmos. O conhecimento, as relações e interações, têm seu ponto de referência na construção coletiva, na construção da cidadania, na ética, na construção, reconstrução e ressignificação dos conhecimentos e sujeitos da sua história, nos estudos permanentes, na reflexão permanente da prática pedagógica e do processo de ensino-aprendizagem, re-encaminhando e re-dimensionando o próprio processo pedagógico. 3.5 SISTEMA DE AVALIAÇÃO ENSINO-APRENDIZAGEM Entende-se que a avaliação é um processo que ocorre a todo o momento e que envolve vários elementos da prática pedagógica. Faz-se necessário refletir sobre todos os aspectos que envolvem o ato pedagógico, buscando critérios (conjunto referencial de habilidades) e instrumentos válidos de avaliação. Avaliar é acompanhar, negociar as potencialidades de cada ser, dando espaço a criatividade, a crítica, a autonomia do saber, saber fazer e ser. Infelizmente a avaliação ainda está calcada num conjunto de conteúdos artificiais, com padrão estabelecido e critérios quantitativos onde esta se torna um fim e não um meio. Na proposta do Projeto Político Pedagógico da escola, avaliar não é somente medir, comparar ou julgar, mas é uma ação qualitativa que serve como instrumento para se obter informações para se atingir os objetivos da educação, que é o desenvolvimento integral do aluno. Ao se dispor dessas informações, é possível adotar procedimentos para correções e melhorias no processo planejado e redirecionar o trabalho, bem como também desafiar os alunos ao conhecimento, levá-los a refletir, interagir e mobilizar os educandos e educadores para a construção e socialização do conhecimento.
  • 39. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 39 A instituição propõe que os instrumentos e técnicas gerais de avaliação sejam as avaliações de aproveitamento orais e escritos, questionários, tarefas específicas, trabalho de criação, observações espontâneas ou dirigidas e discussões e reflexões. A avaliação constitui-se num processo diagnóstico, contínuo e cumulativo a fim de possibilitar avanços no processo educativo. Nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental os resultados da avaliação do desempenho escolar são expressos através de parecer descritivo, evidenciando os avanços do educando. Quanto ao sistema avaliativo, segue-se as orientações da SED, que é o padrão para todas as unidades escolares do estado de Santa Catarina. Atualmente, a Resolução nº 158 estabelece as diretrizes para a avaliação do processo ensino-aprendizagem, nos estabelecimentos de ensino de Educação Básica e Profissional Técnica de Nível Médio, integrantes do Sistema Estadual de Educação. Além de nos orientarmos na legislação citada, ainda complementamos a questão da avaliação como a Formativa e a Somativa. A avaliação é formativa no significado de que aconselha como os alunos estão se transformando em direção aos objetivos almejados. Nessa modalidade, os professores acompanham o estudante metodicamente ao longo do processo educativo, podendo saber, em determinados períodos, o que o aluno já aprendeu em face dos escopos indicados, ou numa analise crítica à educação tradicional, em face dos conteúdos trabalhados. Na avaliação somativa, exteriorizada como avaliação final, porque acontece no fim de um processo de educação e aprendizagem, tem uma função classificatória, em razão de que vão convir a uma classificação do estudante conforme os níveis de aplicação no fim de uma disciplina, de um semestre, de um ano. A avaliação somativa promove a definição de escopos, frequentemente se baseia nos conteúdos e procedimentos de medida, como avaliações, teste objetivo, dissertações- argumentativas. Colabora para a avaliação somativa, tanto a avaliação diagnóstica quanto a avaliação formativa, que a avaliação da aprendizagem é um ciclo de intervenções pedagógicas de um mesmo processo.
  • 40. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 40 3.6 CONSELHO DE CLASSE O conselho de classe é o órgão que possibilita: I. A avaliação global do aluno e o levantamento das suas dificuldades; II. A avaliação dos envolvidos no trabalho educativo e no estabelecimento de ação para a superação das dificuldades; III. Avaliação do processo ensino-aprendizagem desenvolvido pela escola na implementação das propostas e verificação dos resultados; IV. A definição de critérios para a avaliação e sua revisão quando necessária; V. A avaliação da prática docente, enquanto motivação e produção de condições de apropriação do conhecimento no que se refere à metodologia, aos conteúdos programáticos e à totalidade das atividades pedagógicas realizadas. O conselho de classe é composto: I. Pelos professores da turma; II. Pela direção do estabelecimento ou seu representante; III. Por alunos; IV. Por pais. O conselho de classe será realizado, ordinariamente, por turma, nós períodos que antecedem ao registro definitivo do aproveitamento dos alunos no processo de apropriação de conhecimento e será proponente das ações que visem à melhoria da aprendizagem e o definidor da aprovação ou não aprovação. O conselho de classe poderá reunir-se extraordinariamente, convocado pela direção do estabelecimento ou por 1/3 (um terço) dos professores ou pais ou alunos integrantes do conselho. Para resolver problemas mais sérios sobre a avaliação dos alunos ou alguns casos que ficaram pendentes. Obs.: O modelo da Ata do Conselho de Classe encontra-se em anexo.
  • 41. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 41 3.7 RELAÇÃO ALUNO/DOCENTE – DISCIPLINA/DOCENTE As relações humanas, embora complexas, são peças fundamentais na realização comportamental e profissional do ser humano. Dessa forma, a análise dos relacionamentos entre professor/aluno envolve interesses e intenções, sendo esta interação a chave das consequências, pois a educação é uma das fontes mais importantes do desenvolvimento comportamental e agregação de valores nos membros da espécie humana. Nesse sentido, a interação estabelecida em nossa unidade escolar caracteriza-se pela seleção de conteúdos, organização, sistematização didática - para facilitar o aprendizado dos alunos - e exposição onde o professor demonstrará seus conteúdos. Para que isso possa ser melhor cultivado, o professor busca despertar a curiosidade dos alunos, acompanhando suas ações no desenvolver das atividades. Os professores não se preocupam somente com o conhecimento através da absorção de informações, mas também pelo processo de construção da cidadania do aluno. Devido à rotatividade de professores na unidade escolar, a equipe gestora orienta os professores de que seu papel é de facilitador de aprendizagem, aberto as novas experiências, procurando compreender, numa relação empática, também os sentimentos e os problemas de seus alunos e tentar levá-los à autorrealização. O papel do professor consiste em agir como intermediário entre os conteúdos da aprendizagem e a atividade construtiva para assimilação. 3.8 PROJETOS PEDAGÓGICOS 3.8.1 Semeando a Paz na Escola Esse será o projeto norteador de todas as ações pedagógicas realizadas nesse Estabelecimento de Ensino. Tem como missão a construção de um ambiente de harmonia, de solidariedade, de diálogo. Não se trata de um projeto pré-determinado pela direção/pedagógico, mas de um projeto que será construído com a participação de todos os envolvidos da escola ao longo do ano letivo, estando sujeito a alterações a qualquer momento. Foi proposto pela Gerência de Educação de Laguna, na reunião de diretores do dia 31 de janeiro de 2013, e amplamente discutido na Semana Pedagógica entre os professores desta Unidade Escolar. Como ele será discutido? Todos os seguimentos da escola (alunos, professores, serventes, merendeiras e alguns pais que desejarem participar da construção do projeto), dentro da
  • 42. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 42 metodologia VER-JULGAR-AGIR, estão elaborando o documento onde responder-se-á as seguintes perguntas: 1 – O que é violência? 2 – Segundo você(s), quais as violências mais frequentes na família, na escola, na comunidade, na sociedade? 3 – Segundo você(s), por que ocorrem essas violências citadas acima? 4 – Que ações você(s) sugere para que essas violências sejam amenizadas ou eliminadas? Após essa etapa, serão socializados os resultados para todos os seguimentos e a partir de então, poderemos optar pelas ações mais viáveis para que a nossa escola torne-se um ambiente de paz. 3.8.2 Monitoria - Estratégia para a recuperação dos alunos de baixo rendimento escolar Devido às dificuldades encontradas pelos alunos desta unidade escolar, mais especificamente nas disciplinas de Matemática, Português, Física e Química (para o Ensino Médio), tornou-se necessário formar grupos de estudos e assim diminuir o índice de defasagem e automaticamente a reprovação escolar. Esses grupos são auxiliados pelos professores, orientadora educacional e outros profissionais disponíveis, mas terão como coresponsáveis os “monitores” (alunos da turma com maior facilidade de aprendizagem), que se organizarão em horários extraclasse, devidamente preestabelecidos pela unidade escolar. 3.8.3 APOIA - Programa de Combate à Evasão Escolar A Constituição Federal (art. 208, I) determina a obrigatoriedade do Ensino Fundamental. Assim, para garantir a permanência na escola de crianças e adolescentes de 07 a 18 anos de idade para que concluam o Ensino Fundamental e promover o regresso à escola de crianças e adolescentes que abandonaram sem concluir o Ensino Fundamental é usado o procedimento aqui denominado de Aviso por Infrequência de Aluno – APÓIA. Em caso de reiteração de faltas, o professor preencherá e remeterá a Direção da Escola, essa ao Conselho Tutelar e esse finalmente ao Promotor da Infância.
  • 43. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 43 3.8.4 Projeto Cultural – Associação Grupo de Cultura “Casa da Dindinha” O Projeto visa a incentivar os alunos a conhecerem através da pesquisa oral e bibliográfica a realidade histórico-cultural e social-cultural das comunidades que formam o distrito Ribeirão Pequeno. O Grupo de Cultura “Casa da Dindinha” faz parte da Escola Gregório Manoel de Bem, conta com a participação de alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio. É coordenado pelos Professores voluntários: Laércio Vitorino de Jesus Oliveira, que leciona a disciplina de História e Albertina Bonomi de Jesus Oliveira, professora de Língua Portuguesa e Literatura. Os dois professores procuram inserir conteúdos pertinentes às suas disciplinas no contexto do Grupo. Os seguintes aspectos da cultura são trabalhados no grupo: Museu Itinerante, Grupo de Cantoria e Dança, Oficineiros e Projeto “Memória: um Patrimônio Irrenunciável – Comunidades do Distrito de Ribeirão Pequeno da Laguna”, trabalho desenvolvido desde o ano de 2000 através de entrevistas dos alunos junto aos idosos das comunidades que formam o Distrito de Ribeirão Pequeno e que foi publicado em 2010. 3.8.5 Projeto Prevenção: Sexualidade – DST – AIDS – Drogas O referido projeto tem como objetivo desenvolver ações preventivas num enfoque multidisciplinar abordando aspectos científicos em relação ao tema citado, com a finalidade de preservação da saúde integral do indivíduo. Nossas crianças e adolescentes estão crescendo num mundo cheio de tensões, pressões, incertezas e rápidas mudanças. As instituições, principalmente a família, estão sofrendo uma de suas piores crises. As pessoas constituídas de autoridade estão totalmente desacreditadas. Os valores como justiça, solidariedade, honestidade não são mais percebidos tão facilmente na sociedade de hoje. Entendemos que a prevenção deve atingir todas as dimensões do desenvolvimento humano integrado na programação de contexto escolar. Nesse sentido, torna-se fundamental que a escola deva nortear-se por uma linha preventiva e deve ter um caráter informativo e formativo. Frente a essa realidade, a escola poderá oferecer espaço no seu currículo, principalmente ao adolescente, para que esse vivencie experiências positivas de comunicação, ajuda mútua, solidariedade, bem como oportunidade de desenvolver habilidades de comunicação e relacionamento através de debates, reflexões sobre assuntos de seu interesse, raramente encontrados nos programas das disciplinas do currículo escolar.
  • 44. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 44 3.8.6 Projeto Saúde e Qualidade de Vida O papel da escola na promoção da saúde vem sendo cada vez mais reconhecido, devido à abrangência desse tema, que faz parte do cotidiano e vai muito além da saúde de cada indivíduo. Saúde envolve saneamento básico, água tratada, condições de trabalho e moradia, lazer, preservação do meio ambiente, desenvolvimento sustentável, prevenção da violência e do uso de drogas, acompanhamento à gestante e à criança em seus primeiros anos de vida etc. Muitos dos problemas de aprendizagem estão ligados às condições de saúde e de vida do estudante que exercem grande influência no desempenho escolar. Por isso é muito importante que a questão da saúde na escola possa ser tratada como um projeto desenvolvido em parceria com a comunidade –equipe escolar, pais, familiares, amigos, instituições públicas e privadas- para que cada um dê a sua contribuição. Essa integração traz soluções e resultados concretos. Tanto a escola como a comunidade se fortalecem. O aluno é o principal beneficiado de tudo isso Acreditamos que esses são alguns caminhos possíveis para que a escola e a comunidade contribuam na melhoria da saúde e aprendizagem das crianças e adolescentes, avançando também em outros aspectos do exercício da cidadania. A consequência direta dessa prevenção é a diminuição da necessidade de assistência odontológica, menor ocorrência de dor e perda dos dentes, infecções -como sinusite- e outros problemas. 3.8.7 Projeto Leitura Vivemos numa sociedade em que constantemente nos defrontamos com situações que nos obriga a reivindicar direitos e argumentar diante de diversas situações. É neste campo competitivo que se torna essencial nos alicerçarmos em acervos bibliográficos, utilizando-os como subsídios básicos para a nossa leitura de mundo e posterior conhecimento. Com essa concepção, torna-se emergencial tomarmos consciência da necessidade de incentivarmos nossos alunos a desenvolver o gosto pela leitura e automaticamente fazer desta uma prática educativa e social. O projeto parte do princípio em desenvolver nos alunos o hábito e o prazer pela leitura, fazendo-o reconhecer a necessidade desse hábito para tornar-se cidadão participativo, ampliando dessa forma capacidade de comunicação, expressão, interpretação e criação.
  • 45. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 45 3.8.8 Projeto AMBIAL Criada em 2003, o projeto Ambial mobiliza uma rede estadual de gestores educacionais, professores, técnicos, nutricionistas e merendeiras no desenvolvimento de atividades educativas relacionadas à alimentação e ao meio ambiente. O projeto busca amenizar o problema da fome, oferecendo a comunidade, alternativas de produção de alimentos criativas, solidárias, econômicos e eficientes, capazes de vencer a desnutrição, a subnutrição e o desperdício de alimentos. Ser uma escola Ambial significa propor e promover junto com os alunos, pais, professores e comunidade a abertura de novas perspectivas de vida baseadas nos princípios da sustentabilidade ambiental. Além de alertar a comunidade para que modifique sua forma de conviver com o meio ambiente, o Projeto proporciona a vivência desses conhecimentos, através de oficinas que ministram técnicas de reaproveitamento dos alimentos e dos recursos naturais, confecção de artesanato e reciclagem de lixo. Em geral desenvolvem-se atividades que despertam para a importância de uma qualidade de vida e ajudam a forjar a consciência coletiva da sociedade sustentável. A Escola que possui o Projeto AMBIAL planeja as atividades para o turno extra, de forma que a criança possa frequentar a escola em período integral, complementando seu desenvolvimento cultural e educacional com atividades ligadas ao domínio da linguagem, arte e cultura, esportes e iniciação de pesquisa cientifica. Pela sua peculiar plasticidade, o Projeto AMBIAL permite a inserção da cultura regional na escola valorizando os saberes locais, os interesses e o potencial da comunidade para que todos se sintam atores e autores do processo educacional. Essa característica permite à escola descobrir e revelar lideranças comunitárias, formadas por cidadãos que se tornam protagonistas na execução das ações requeridas pela comunidade. A condição fundamental na seleção das escolas ideais para a implementação do projeto é a de estar localizada em comunidade de baixo índice de desenvolvimento humano-IDH, justamente onde a educação é mais requisitada como pólo gerador de conhecimento e de promoção do desenvolvimento social. O Projeto é amplo em suas oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento socioambiental. Desde o início de sua implantação já rendeu resultados notáveis em termos da reversão de quadros de desnutrição e subnutrição, melhora do desempenho escolar e
  • 46. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 46 comportamento social dos alunos atendidos, além do despertar de uma consciência ambiental voltada para a vida na Terra. Foi observada também a revitalização do cultivo de hortas domésticas que complementam a alimentação familiar considerando as culturas regionais e respeitando a soberania alimentar. Paralelamente, os Conselhos Tutelares de várias regiões constataram uma redução significativa dos índices de violência no entorno e um afastamento do tráfico de drogas nas proximidades das escolas. Definitivamente, o Projeto AMBIAL contribui para uma efetiva mudança conceitual. A escola deixou de ser vista como uma "escola do Estado para a comunidade", passando a ser tratada como a "escola da e para a comunidade". A Unidade Escolar planeja as atividades para os contra-turnos de forma que a criança possa frequentar a escola em período integral, complementando seu desenvolvimento cultural e educacional com atividades ligadas ao domínio da linguagem, arte e cultura, esportes e iniciação de pesquisa científica. No período de permanência do estudante, a escola oferece refeições preparadas dentro dos princípios agroecológicos. São oferecidos aos alunos os eixos: Arte e Cultura Regional, Iniciação à Pesquisa Científica e Esportes.
  • 47. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 47 CAPÍTULO IV DIMENSÃO ADMINSTRATIVA 4.1 ASPECTOS GERAIS DA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR A escola se organiza de acordo com a realidade e cumprimento do seu calendário escolar. Atendemos 215 alunos, divididos em turno matutino e vespertino. As atividades escolares iniciam das 8h às 12h e das 13h15 às 17h15. Para as turmas das Série Iniciais do período vespertino, as aulas iniciam às 12h30 às 16h30. As turmas do AMBIAL recebem atendimento também no horário do almoço. 4.1.1 Matrícula É realizada seguindo os critérios estabelecidos pela SED. Um aspecto importante deste Estabelecimento de Ensino, é que, quando constatado que uma criança encontra-se fora da escola, a família da mesma é procurada, para se saber as causas, procurando assim, incentivar o ingresso desta criança na unidade escolar, tendo em vista a necessidade, cada vez maior, da exigência de pessoas detentoras de conhecimento para o seu ingresso ao mercado de trabalho. A partir do ato da matrícula, o aluno, o pai ou responsável deverão tomar conhecimento dos dispositivos do Regimento Escolar e do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar. Para a matrícula inicial, na Unidade Escolar, o candidato deverá apresentar Certidão de Nascimento e os demais documentos pessoais, inclusive a Carteira de Vacinação, além de atender o estabelecido na legislação em vigor. Para matrícula de alunos transferidos de outros estabelecimentos de ensino, a Unidade Escolar deverá exigir os documentos: Atestado de Frequência e Histórico Escolar, devidamente assinado pelos responsáveis. Fica estabelecido o prazo de 30 dias para a apresentação dos documentos exigidos no ato da matrícula. Constatada a irregularidade no documento do aluno, referente a série em que está cursando, a Unidade Escolar deverá encaminhar o aluno para a série de direito. Para os atuais alunos da Unidade Escolar, a renovação da matrícula será automática e dentro das normas vigentes adotadas pela Secretaria de Estado da Educação.
  • 48. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 48 4.1.2 Transferência A Unidade Escolar aceitará a transferência, observadas as exigências e formalidades legais. A transferência oriunda de país estrangeiro, dar-se-á em conformidade com a legislação vigente. A divergência de currículo em relação às disciplinas da Parte Diversificada, acrescentadas pela Unidade Escolar, não constituirá impedimento para a aceitação da matrícula por transferência. Adaptação O aluno que vier transferido de outro estabelecimento de Ensino com plano curricular diferente do previsto pela Unidade Escolar, será sujeito à adaptação nas disciplinas que não tenha cursado em série anterior. A adaptação é restrita aos conteúdos programáticos e não à frequência da carga horária prevista. Será desenvolvida sem prejuízo das atividades normais da série em que o aluno se matricula e tem por finalidade atingir os conteúdos necessários para o prosseguimento do novo currículo, concluída antes do resultado da avaliação do rendimento escolar. A adaptação far-se-á mediante a execução de trabalhos orientados pelo Professor, com acompanhamento dos Especialistas em Assuntos Educacionais e Direção da Unidade Escolar. 4.1.3 Evasão Escolar Através de reuniões na escola procuramos conscientizar os pais quanto à importância e o direito do aluno na mesma. Argumentamos as desvantagens de não estudar, que coloca o homem cada vez mais à margem da sociedade e também da discriminação que sofre em seu cotidiano. Quando se percebe que o aluno está ausente por muitos dias, procura-se entrar em contato com a família e inteirar-se do problema procurando possíveis soluções. Caso não haja mudança, o menor será encaminhado ao Conselho Tutelar. 4.1.4 Regimento Disciplinar O regimento disciplinar para os componentes da Organização Escolar será o decorrente das disposições legais aplicáveis a cada caso das normas estabelecidas neste Projeto Político Pedagógico, no Estatuto dos Funcionários Públicos Civis, Estatuto do Magistério Público do Estado e na Consolidação das Leis de Trabalho.
  • 49. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 49 4.2 CALENDÁRIO ESCOLAR O Calendário Escolar será elaborado de acordo com a legislação vigente pela Direção, Secretaria e pelo serviço Técnico-Pedagógico escolar, que fixará os dias letivos, dias de trabalho escolar efetivo, dias de estudo, reuniões pedagógicas, conselhos de classe, recesso escolar e eventos programados. O início e o término do ano letivo serão fixados pela Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Obs.: Em anexo, “Calendário Escolar – 2013”. 4.3 ORGANIZAÇÃO DOS CURSOS, SUA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO A Unidade Escolar atende alunos do Ensino Fundamental e Médio, sendo que as turmas se dividem em: Ensino Fundamental - Séries Iniciais (Ensino Fundamental de 9 anos): uma turma bisseriada de 1º ano e 2º ano (vespertino), uma de 3º ano (matutino), uma de 4º ano (matutino) e uma de 5º ano (vespertino); Ensino Fundamental – Séries Finais (Ensino Fundamental de 9 anos): uma turma de 6º ano (vespertino), uma turma de 7º ano (matutino) Ensino Fundamental – Séries Finais (Ensino Fundamental de 8 séries): duas de 8ª série (matutino e vespertino); Ensino Médio: duas de 1ª série (matutino e vespertino), uma de 2ª série (vespertino) e uma de 3ª série (matutino); Projeto AMBIAL: duas turmas (matutino e vespertino); Atendemos crianças das escolas municipais (Bananal, Morro Grande, Figueira, Parobé, Ribeirão Grande e Madre, além dos alunos que aqui estudam) para concluírem as séries seguintes do Ensino Fundamental formando turmas heterogêneas.
  • 50. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 50 4.3.1 Formação de turmas No final do ano letivo, a SED encaminha orientações para as matrículas para o ano letivo seguinte. Depois das matrículas, faz-se a projeção de número de alunos, número de turmas, organização do espaço. Seguindo as orientações da SED e legislação vigente, são compostas as turmas e implantadas no sistema. 4.3.2 Horário Escolar O horário é programado de acordo com a legislação vigente e compatível aos horários dos ônibus. Os dois turnos são assim distribuídos:  Matutino: 8h às 12h; recreio: 10h15 às 10h30  Vespertino:  Projeto AMBIAL: 12h130 às 16h30;  Series finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio: 13h15 às 17h15;  Recreio: 15h30 às 15h45 4.4 COMPETÊNCIAS: DIREITOS E DEVERES 4.4.1 Direção A Direção é o órgão que gerencia o funcionamento dos serviços escolares no sentido de garantir o alcance dos objetivos educacionais da Unidade Escolar, definidos no seu Projeto Político Pedagógico. A Direção é exercida pelo Diretor, que é nomeado pela SED, na forma da Lei vigente. Compete ao Diretor:  Convocar os representantes da Unidade Escolar, como: Associação de Pais e Professores (APP), Conselho Deliberativo, representante dos alunos por turma, professores, merendeira e servente, para participar do processo de elaboração e execução do Projeto Político Pedagógico;  Coordenar, acompanhar e avaliar a execução do Projeto Político Pedagógico da Escola;
  • 51. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 51  Encaminhar o projeto Político Pedagógico a Coordenadoria Regional e a Secretaria de Estado da Educação para aprovação e garantir o seu cumprimento;  Coordenar o plano de aplicação financeira e a respectiva prestação de contas;  Coordenar o processo de implementação das diretrizes pedagógicas emanadas da Secretaria de Estado da Educação;  Estudar e propor alternativas de solução, ouvida quando necessário as Entidades Escolares, para atender situações emergenciais de ordem pedagógica e administrativa;  Participar do Conselho de Classe;  Propor alterações na oferta de serviços de ensino prestados pela escola;  Propor ao Serviço Técnico Pedagógicos, as estratégias de ensino que serão incorporadas ao Planejamento Anual da Unidade Escolar;  Aplicar normas, procedimentos e medidas administrativas emanadas pela Secretaria de Estado da Educação;  Manter o fluxo de informações entre Unidade Escolar e os órgãos da administração estadual de ensino;  Coordenar a elaboração do Calendário Escolar e garantir o seu cumprimento;  Cumprir e fazer cumprir a legislação em vigor, comunicando aos órgãos da administração estadual de ensino as irregularidade no âmbito da escola e aplicar medidas saneadoras;  Coordenar as solenidades e festas de formaturas;  Administrar o patrimônio escolar em conformidade com a lei vigente;  Promover a articulação entre a Escola, Família e Comunidade;  Comunicar ao Conselho Tutelar os casos de: maus tratos, reiteração de faltas injustificadas e de evasão escolar dos alunos (Programa APÓIA);  Supervisionar a empresa terceirizada para a Alimentação escolar.
  • 52. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 52 4.4.2 Orientação Escolar Cabe ao Orientador Educacional participar na elaboração, execução e avaliação do Plano Político Pedagógico da Unidade Escolar. Cada especialista em Assuntos Educacionais deverá exercer as suas funções específicas e de forma integrada. São atribuições do Orientador Educacional:  Subsidiar a Direção na definição do Calendário Escolar, organização das classes, do horário semanal e distribuição de aulas;  Elaborar juntamente com a Direção o Calendário Escolar, zelando pela sua execução;  Subsidiar a Unidade Escolar para que ela cumpra sua função de socialização e construção do conhecimento;  Acompanhar o processo ensino-aprendizagem, atuando junto aos alunos, pais e professores, no sentido de propiciar a aquisição do conhecimento científico, erudito e universal, para que o aluno reelabore os conhecimentos adquiridos e elabore novos conhecimentos;  Promover e coordenar reuniões sistemáticas de estudo, de Conselho de Classe e de trabalho para o aperfeiçoamento constante de todo pessoal envolvido nos serviços de ensino;  Acompanhar com o Corpo Docente o processo didático-pedagógico, garantindo a execução do currículo e a recuperação de estudos, através de novas oportunidades a serem oferecidas aos alunos, previstos na Lei vigente;  Acompanhar a adaptação de estudos, em casos de recebimento de transferências, de acordo com a legislação vigente;  Coordenar o processo de análise e seleção dos livros didáticos, obedecendo as diretrizes e os critérios estabelecidos pela Secretaria de Estado da Educação;  Decidir sobre aceitações da transferência;  Garantir a articulação entre a Educação Infantil e o Ensino Fundamental;  Coordenar, organizar e atualizar a coleta dos dados estatísticos que possibilitem a constante avaliação do processo educacional;  Coletar, atualizar e socializar a legislação de ensino e de administração de pessoal;  Garantir a socialização e o cumprimento do Projeto Político Pedagógico;
  • 53. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 53  Contribuir para a criação, organização e funcionamento das diversas Entidades Escolares;  Promover ações que objetivem a diminuição dos índices de repetência e evasão escolar;  Contribuir com a implantação e implementação do programa de Qualidade na Unidade Escolar. São rotinas do Orientador Educacional:  Função social da escola: Contribuir para que a escola cumpra a sua verdadeira função social de socialização e construção do conhecimento.  Diagnóstico: Participar e coordenar juntamente com a equipe gestora o diagnóstico da realidade escolar e coordenar a elaboração do Planejamento Curricular, buscando articular o trabalho interdisciplinar em todas as áreas do conhecimento.  Avaliação: Acompanhar a execução do currículo promovendo a sua permanente avaliação e replanejamento e garantir ao aluno o direito a recuperação paralela, oportunidade a aprendizagem.  Conselho de Classe: Participar do Conselho de Classe em seu planejamento, execução e encaminhamentos.  Diários de classe: Acompanhar e orientar ao preenchimento dos diários quanto à avaliação (discutida pelos profissionais), conteúdos, planos de aula, aulas dadas, recuperação. Quanto a este item, a equipe pedagógica organizou alguns encaminhamentos necessários de orientações para o preenchimento, que estão em anexo.  Calendário Escolar: Contribuir na organização e elaboração do calendário escolar e contribuir na elaboração e organização do Calendário Cívico, priorizando as datas cívicas mais importantes de acordo com a comunidade escolar;  PNLD: Promover a análise crítica para a escolha do livro didático, a fim de que estes sejam escolhidos criteriosamente tendo como base a proposta pedagógica da Unidade Escolar.  Reunião Pedagógica: Oportunizar espaços para a reunião enfocando a ação – reflexão – ação e planejar a integração e o comprometimento com as ações desenvolvidas na escola.
  • 54. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 54 4.4.3 Assistente de Educação O cargo de Assistente de Educação é ocupado por efetivo, nomeado por concurso público. No momento, a escola não possui Assistente de Educação. Por isso, de acordo com a legislação vigente, as função são exercidas pelo Assistente Técnico Pedagógico. São atribuições do Assistente de Educação:  Coordenar e executar as tarefas da secretaria da secretaria escolar;  Organizar e manter em dia o protocolo, o arquivo escolar e o registro de assentamentos dos alunos, de forma a permitir, em qualquer época, a verificação da identidade e regularidade da vida escolar do aluno e autenticidade dos documentos escolares;  Redigir e expedir toda a correspondência oficial da Unidade Escolar;  Organizar e manter em dia a coletânea das leis, regulamentos, diretrizes, ordens de serviço, circulares, resoluções e demais documentos;  Auxiliar na elaboração de relatórios;  Rever todo o expediente a ser submetido a despacho do Diretor;  Apresentar ao Diretor, em tempo hábil, todos os documentos que devem ser assinados;  Coordenar e supervisionar as atividades referentes a matrícula, transferência, adaptação e conclusão de curso;  Assinar, juntamente com o Diretor, os documentos escolares que forem expedidos, inclusive os diplomas e certificados;  Preparar e secretariar reuniões, quando convocado pela Direção;  Zelar pelo uso adequado e conservação dos bens materiais distribuídos à secretaria;  Comunicar à Direção, toda irregularidade que venha a ocorrer na secretaria;  Organizar e preparar a documentação necessária para o encaminhamento de processos diversos;  Conhecer a estrutura, compreender e viabilizar o funcionamento das instâncias colegiadas na Unidade Escolar;  Registrar e manter atualizados os assentamentos funcionais dos servidores;  Executar outras atividades compatíveis com o cargo.
  • 55. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 55 4.4.4 Analista Técnico em Gestão Educacional São atribuições do Analista Técnico em Gestão Educacional:  Planejar, organizar, executar e controlar atividades específicas de sua área de habilitação;  Planejar, organizar, executar e controlar atividades específicas de sua área de habilitação, relacionadas ao atendimento dos programas de apoio ao corpo funcional da Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia;  Receber e montar os processos administrativos;  Coordenar e executar trabalhos relacionados com a organização e atualização de arquivos;  Redigir atos administrativos, compatíveis com sua área de atuação;  Auxiliar na aquisição e suprimento de material permanente e de consumo, divulgação de editais e outras atividades correlatas;  Controlar e executar o cadastramento de bens móveis e imóveis;  Auxiliar na definição dos objetivos e no planejamento do órgão;  Auxiliar e propor o aperfeiçoamento e adequação da legislação e normas específicas, bem como métodos e técnicas de trabalho;  Conduzir veículos para transporte de passageiros e/ou cargas, desde que possua Carteira Nacional de Habilitação na categoria “D”, observada a legislação de trânsito vigente, efetuando pequenos reparos de emergência no veículo sob sua responsabilidade e elaborando relatórios sobre a quilometragem realizada, consumo de combustível e outras ocorrências;  Executar trabalhos referentes à análise e controle de serviços contábeis, em consonância com sua habilitação;  Executar trabalhos relativos a balancetes, análise e controle estatístico;  Executar serviços de cadastro, manutenção e organização de arquivos, bancos de dados e outros;  Executar serviços de análise e encaminhamento de processos, pesquisas legislativas e jurisprudências;
  • 56. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 56  Executar atividades afetas à administração de recursos humanos;  Expedir registros e documentos em geral;  Secretariar autoridades;  Redigir expedientes relacionados as suas atribuições;  Participar de projetos de pesquisa, levantamento de dados e diagnósticos;  Fornecer dados estatísticos e elaborar relatórios;  Prestar informações e pareceres sobre assuntos de sua área de competência;  Prestar esclarecimentos sobre rotinas e procedimentos administrativos;  Realizar trabalho de natureza técnica e administrativa pertinente a sua formação;  Executar outras atribuições compatíveis com o cargo e com sua habilitação profissional. 4.4.5 Corpo Docente Compete ao Corpo Docente:  Ministrar aulas previamente planejadas;  Participar da elaboração, execução e avaliação do Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar;  Participar do processo de análise e seleção de livros e materiais em consonância com as diretrizes e critérios estabelecidos pela Secretaria de Estado da educação;  Elaborar o seu planejamento de acordo com o Projeto Político Pedagógica da Unidade Escolar;  Propiciar aquisição do conhecimento científico, erudito e universal para que os alunos reelaborem os conhecimentos adquiridos e elaborem novos conhecimentos;  Promover uma avaliação contínua, acompanhando e enriquecendo o desenvolvimento do trabalho do aluno, elevando-o a uma compreensão cada vez maior sobre o mundo e sobre si mesmo;  Atribuir notas nos prazos fixados;
  • 57. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 57  Participar de processos coletivos de avaliação do próprio trabalho e da Unidade Escolar, com vistas ao melhor rendimento do processo ensino-aprendizagem, replanejando sempre que necessário;  Realizar a recuperação paralela de estudos aos alunos que durante o processo aprendizagem, não dominaram o conteúdo curricular ministrado;  Participar do Conselho de Classe;  Participar da elaboração do Calendário Escolar;  Comunicar e participar, junto a direção escolar, do programa APÓIA;  Participar de reuniões de estudos, encontros, cursos, seminários e outros eventos, tendo em vista o seu constante aperfeiçoamento e melhoria da qualidade de ensino. 4.4.6 Serviços Gerais Os serviços gerais têm a seu encargo a manutenção, preservação, segurança e merenda da Unidade Escolar, sendo coordenado e supervisionado pela Direção. O corpo de pessoal para Serviços Gerais será formado por: Servente e outros previstos em ato específico da Secretaria de Estado de Educação e do Desporto. São atribuições dos serventes:  Efetuar a limpeza e manter em ordem as instalações escolares, providenciando a relação do material e produtos necessários;  Efetuar tarefas correlatas a sua função. 4.4.7 Corpo Discente Corpo Discente é constituído por todos os alunos regularmente matriculados em funcionamento nesta Unidade Escolar. Direitos dos alunos  Constituirão direitos dos alunos:  Tomar conhecimento, no ato da matrícula, das disposições do Projeto Político Pedagógico da unidade escolar;  Receber informações sobre os diversos serviços oferecidos pela unidade escolar;
  • 58. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 58  Participar de agremiações estudantis;  Fazer uso dos serviços e dependências escolares de acordo com as normas estabelecidas neste Projeto Político Pedagógico.  Tomar conhecimento do seu rendimento escolar e de sua frequência através do boletim escolar;  Solicitar revisão de avaliações a partir da divulgação das notas;  Requerer transferência de matrícula por si, quando maior de idade, ou através do pai ou responsável, quando menor;  Apresentar sugestões de atividades desenvolvidas pelo professor, com o objetivo de aprimorar o processo ensino aprendizagem;  Reivindicar o cumprimento da carga horária prevista na grade curricular;  Dialogar com a Direção os problemas, as dificuldades pessoais e os relacionamentos no processo ensino aprendizagem, propondo soluções; indicar representantes do Corpo Discente para compor o Conselho de Classe;  Quando houver algum acidente com o aluno na U.E., o mesmo deverá ser encaminhado ao posto de saúde PSF de Ribeirão Pequeno, acompanhado de um funcionário e os pais serão comunicados imediatamente, para posteriores providências;  Participar de manifestações artístico-culturais promovidas pela U.E. Deveres dos alunos  Cumprir as disposições deste Projeto Político Pedagógico no que lhe couber;  Atender as determinações dos diversos setores da Unidade Escolar;  Comparecer, pontualmente, às aulas e demais atividades escolares;  Participar das atividades programadas e desenvolvidas pela Unidade Escolar;  Cooperar na manutenção da higiene e na preservação das instalações escolares;  Manter e promover relações cooperativas com professores, colegas e comunidade;  Indenizar o prejuízo, quando produzir dano material à Unidade Escolar e a objetos de propriedade de colegas ou funcionários;
  • 59. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 59  Os pais devem assumir os danos materiais (como vidros, trincos e outros) causados pelos filhos na U.E.;  Justificar à Orientação Educacional, Direção ou Professores, mediante atestado médico ou declaração dos pais ou responsáveis, a ausência às provas e entregas de trabalhos na data prevista;  Usar uniforme escolar, quando a Unidade Escolar, assim o definir em Assembléia realizada com os pais e em conformidade com a Legislação vigente;  Respeitar os Professores, Direção, Especialistas, colegas e todos os funcionários da U.E.;  Cumprir as decisões tomadas pela U.E., quanto às agressões e palavrões dirigidos a colegas e funcionários conforme constam no regimento interno;  Não fazer uso de qualquer tipo de droga no recinto escolar, exceto, os medicamentos já prescritos pelos médicos e com antecipada comunicação dos responsáveis à orientação educacional; Pela inobservância dos deveres previstos neste Projeto Político Pedagógico e, conforme a gravidade ou reiteração das faltas e infrações, serão aplicadas aos alunos, as seguintes medidas disciplinares:  Advertência verbal, registrada pelo professor que estará ministrando sua aula, bem como o registro em diário de classe com assinatura do aluno, este terá autonomia para advertir e encaminhá-lo à orientação e consequentemente à direção para posteriores providências;  Advertência escrita ao aluno com assinatura dos pais ou responsáveis, caso haja incidência os pais serão chamadas pela direção, na falta desta, pela orientação;  Se porventura os pais não comparecerem a unidade escolar, outras medidas disciplinares serão tomadas de acordo com a legislação vigente –ECA.  Casos de agressões físicas entre alunos serão advertidos seguindo os itens acima estabelecidos;  Se houver agressão física aos funcionários ou danos materiais (não indenizados), cabe a direção registrar boletim de ocorrência no posto policial; este item se refere a casos mais graves;  Esgotadas as medidas anteriores, a direção fará os devidos encaminhamentos ao conselho tutelar da Criança e do Adolescente.
  • 60. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 60  As medidas disciplinares aplicadas ao corpo discente não serão registradas em seu histórico escolar, devendo constar apenas nos assentamentos escolares. Para que a escola seja capaz de promover todo desenvolvimento como aprendizagem de seus alunos, ela precisa organizar-se. Isso implica comprometimento dos membros da equipe escolar com a clientela que frequenta a escola. Cada escola pode pensar em implantar o que for melhor para assegurar o sucesso de todos. As decisões devem ser cuidadosamente analisadas sempre buscando possibilidades de melhorias para o processo ensino-aprendizagem. É preciso que se entenda que a ênfase do trabalho escolar deve ser o processo pedagógico, finalidade maior de todo esforço a ser despendido. É uma visão que representa um novo olhar para a escola e consequentemente uma nova postura diante do ensino, pois subordina o caráter administrativo ao pedagógico. A LDB/96 ao fixar diretrizes para a organização da educação nacional teve como principal característica a flexibilidade. Dessa maneira, indica regras comuns a serem observadas em todos os sistemas de ensino bem como as diversas possibilidades de organização escolar. Procura atender às diferenças regionais e locais. Assim, a lei não só sugere algumas possibilidades de organização da escola como também possibilita a adoção de outras alternativas, “sempre que o interesse do processo aprendizagem assim o recomendar”. Nesse sentido responde as antigas reivindicações de educadores que clamavam por maior autonomia, mais liberdade na escola de tomada de decisões. Entretanto, essa não pode ser simplesmente decretada por lei. É preciso que seja construída e implementada no trabalho coletivo e diário de cada escola. Nesse contexto, a comunidade escolar se reúne para determinar normas para o melhor andamento do processo ensino-aprendizagem, referentes a:  Chegada tardia: trabalho de conscientização por parte da equipe pedagógica e administrativa aos alunos e pais. A cada chegada tardia o aluno é encaminhado ao SOE e à direção a fim de justificar o motivo de ter chegado tarde, após isso o aluno recebe um pequeno comunicado que será entregue ao professor antes de aluno entrar na sala de aula. As duas primeiras ocorrências serão aceitas pela escola, sendo que na terceira será encaminhado um comunicado aos pais explicando o motivo e solicitando seu comparecimento na unidade escolar.  Autorização dos trabalhos extraclasse: previamente o professor deve comunicar a equipe pedagógica para providenciar o material que será utilizado no trabalho. O aluno receberá uma autorização por escrito que definirá data, hora, disciplina e professor. Essa deverá ser
  • 61. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 61 encaminhada para os pais para que possam assinar e ficarem cientes da atividade extraclasse que o filho realizará.  Saídas cedo: os alunos só se ausentarão da unidade escolar quando os pais enviarem uma autorização por escrito definindo horário, sempre encaminhando à direção ou orientação.  Autorização para as saídas de campo: a unidade escolar possui um documento próprio para solicitação das saídas de campo que serão encaminhados aos pais solicitando a assinatura e detalhando os motivos para tais estudos.  Conversa com aluno: sempre que houver necessidade de dialogar com o educando é essencial que se faça na presença de outro profissional, evitando assim interpretações errôneas.  Casos de indisciplina: o aluno que porventura venha a infringir as regras estabelecidas neste regimento será encaminhado pelo professor de sala de aula para a orientação e à direção, apresentando o motivo. . Após esse procedimento, dependendo do caso em estudo, é realizado uma discussão com os demais professores sobre a necessidade da presença dos pais na unidade escolar.  Zelo pelos materiais: No início do ano letivo é envido aos pais uma lista básica dos materiais escolares (dicionário de inglês, atlas geográfico e material de consumo). É proibida a saída do aluno de sala de aula para pedir emprestados materiais escolares a outros colegas. Caso haja necessidade, cabe ao professor organizar-se e levar os materiais necessários consigo para sala de aula.  Recuperação paralela: durante os estudos de recuperação, os alunos que atingiram o índice de aprovação serão encaminhados com atividade determinada pelo professor a outro espaço na unidade escolar.  Avaliações: serão oferecida no mínimo duas avaliações por bimestre, ou de acordo com o número de aulas do professor.  Uso de aparelhos eletrônicos: Conforme a Lei Nº 14.363, de 25 de janeiro de 2008, Art. 1, fica proibido o uso de telefone celular nas salas de aula das escolas públicas e privadas no Estado de Santa Catarina e a escola decidiu proibir outros aparelhos eletrônicos, como MP3 e MP4. A escola não se responsabiliza por perda ou danos ao equipamento, caso algum aluno algum aparelho eletrônico.
  • 62. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 62 4.5 CONSELHOS ESCOLARES 4.5.1 Grêmio Estudantil A Diretoria do Grêmio Estudantil terá como atribuições:  Elaborar o Plano anual de trabalho e colocá-lo em execução;  Levar ao conhecimento da assembleia geral as atividades desenvolvidas pela Diretoria e os dispositivos que regem o Grêmio;  Reunir-se ordinária ou extraordinariamente conforme foi definido no Estatuto. Todos os Diretores terão o direito de convidar colaboradores para formar sua equipe de trabalho. Compete ao Presidente:  Representar o Grêmio na Escola e fora dela;  Convocar e presidir as reuniões e assembleia ordinárias e extraordinárias do Grêmio;  Assinar juntamente com o tesoureiro, os documentos relativos ao movimento financeiro;  Assinar juntamente com o secretário geral, a correspondência oficial do Grêmio;  Cumprir e fazer cumprir as normas do presente Estatuto;  Desempenhar as demais funções inerentes ao seu cargo. Compete ao Vice Presidente:  Auxiliar o Presidente no exercício de suas funções;  Substituir o Presidente nos impedimentos eventuais;  Assumir o cargo no caso de vacância. Compete ao Secretário Geral:  Lavrar atas das reuniões de Diretoria e da Assembléia Geral;  Publicar os avisos e convocações em reuniões, divulgar editais e expedir convites;  Redigir e assinar com o presidente a correspondência oficial do grêmio;  Manter em dia os arquivos da entidade;
  • 63. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 63 Caberá ao primeiro secretário:  Auxiliar o secretário geral no cumprimento de suas funções;  Substituir o secretário geral nos impedimentos eventuais;  Assumir o cargo em vaso de vacância. Compete ao Tesoureiro Geral:  Ter sob seu controle e responsabilidade todos os bens do Grêmio;  Manter em dia a escrituração de todo o movimento financeiro do Grêmio;  Manter os sócios do Grêmio informados da movimentação financeira da entidade;  Assinar com o presidente os documentos e balancetes;  Assinar com o presidente a movimentação bancária;  Apresentar, junto com o presidente, a prestação de contas ao Conselho Fiscal e à Assembleia Geral;  Controlar a arrecadação das promoções de Grêmio estudantil;  Elaborara o balanço anual da entidade. Caberá ao Primeiro Tesoureiro:  Auxiliar o tesoureiro geral o cumprimento de suas funções;  Substituir o tesoureiro geral nos impedimentos eventuais;  Assumir o cargo em caso de vacância. Compete ao diretor Pedagógico:  Promover ações que possibilitem o bom aproveitamento escolar dos educadores;  Organizar grupos de monitoria e de estudos para auxiliar os alunos com dificuldades de aprendizagem. Compete ao diretor Social:  Coordenar o serviço de relações públicas do Grêmio;  Organizar festas e outros eventos promovidos pelo Grêmio;
  • 64. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 64  Zelar pelo bom relacionamento no Grêmio e entre seus sócios com a escola e com a comunidade. Compete ao diretor de Imprensa:  Responder pela comunicação com a comunidade escolar;  Manter os membros do Grêmio informados dos fatos de interesse dos estudantes;  Editar o jornal do Grêmio. Compete ao diretor cultural:  Promover a realização de conferências e exposições, recitais, shows e outras atividades de natureza cultural;  Promover a organização de grupos musicais, teatrais, danças etc;  Manter relações com entidades culturais. Compete ao Diretor de Esportes:  Coordenar e orientar as atividades esportivas do corpo discente;  Incentivar a prática de esportes. 4.5.2 Conselho Deliberativo Segundo dispositivo legal vigente - decreto 3429/98, que regulamenta o Conselho Deliberativo Escolar e portaria normativa 008/99, que trata dos procedimentos referentes ao Conselho-, introduzimos o Conselho Deliberativo Escolar em nossa unidade escolar, definindo e construindo condições de autonomia de uma gestão democrática nos segmentos administrativo, pedagógico e financeiro da escola. O conselho Deliberativo Escolar, regulamentado pelo decreto estadual nº 3429/98 ou de 08/12/98, deve ser um órgão de funcionamento permanente, cuja função é garantir a formação e a prática democrática na escola, educando os que dele dependem para a vida democrática. Seu funcionamento no âmbito da escola tem um efeito pedagógico concreto e não discursos sobre a prática e necessidade da democracia. Este conselho vem favorecer a participação da comunidade na escola e a presença da escola na comunidade. Abre espaço para as reivindicações dos alunos, professores, pais e comunidade, possibilitando que as famílias e os educadores atuem juntos pela melhoria do atendimento escolar.
  • 65. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 65 Deve ser o balizador da ação coletiva na escola. Não apenas uma instância de natureza administrativa, mas também uma instancia de natureza pedagógica e política. Suas funções de caráter cultivo, normativo, deliberativo e avaliativo estão expressas na portaria nº 008/99 que fixa normas complementares ao seu funcionamento. A ação do Conselho Deliberativo Escolar tem seus limites, não podendo romper com os objetivos gerais da educação nem com seus princípios legais, colocando em risco a legalidade dos próprios atos escolares. Assim, deve estar submetido à legislação, às normas emanadas do Estado, ao Projeto Político Pedagógico da escola e aos interesses e à vontade da comunidade escolar que representa. Salientamos a importância deste como forma de construção coletiva, operacionalizando a participação, atribuição, interação, responsabilidade, colaboração e solidariedade de todos os envolvidos no processo. Sendo o Conselho um órgão colegiado, participaram de nossa assembléia: direção, especialistas, professores, funcionários, pais e alunos, cada qual votou em seu segmento. O Conselho Deliberativo foi fundado na unidade escolar a partir do dia 19 de outubro de 1999. São atribuições do Conselho Deliberativo Escolar:  Participar da avaliação e reelaboração do Projeto Político Pedagógico da escola visando à sua aprovação.  Acompanhar e avaliar o desempenho da escola quanto às prioridades e metas estabelecidas no Projeto político- pedagógico, em consonância com as diretrizes da SED.  Definir conjuntamente com as demais entidades e direção da escola, critérios para o uso do prédio escolar para outras atividades que não as de ensino, seguindo a lei nº 11.156 de 16 de julho de 1999, publicado no diário oficial 16.210 de 19 de julho de 1999 e garantindo que a comunicação seja divulgada a todos em tempo hábil. Ressalta-se que os espaços públicos não poderão ser utilizados com fins lucrativos, como por exemplo, qualquer forma de locação tanto das áreas escolares como das salas de aula.  Analisar e emitir parecer, fundamentos na legislação e diretrizes da SED sobre projetos elaborados pelos diversos segmentos que compõem a comunidade escolar;  Propor alternativas de solução dos problemas de natureza administrativa e pedagógica, daqueles detectados pela própria entidade bem como dos que forem encaminhados por escrito pela comunidade escolar.
  • 66. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 66  Articular ações em parcerias com as entidades da sociedade que possam contribuir para a melhoria da qualidade do processo ensino-aprendizagem.  Elaborar ou reformular o regimento do Conselho Deliberativo Escolar sempre que se fizer necessário em consonância com a legislação vigente.  Promover círculos de estudos envolvendo os conselheiros visando a um melhor desempenho do trabalho.  Buscar mecanismos que garantam a capacitação continuada para todos os segmentos da comunidade escolar.  Participar da discussão e definição de critérios para a distribuição de material escolar ou de outros materiais destinados ao aluno.  Discutir e fiscalizar, juntamente com as demais entidades representativas da comunidade escolar, sobre o destino de verbas, considerando os recursos descentralizados ou oriundos de parcerias com outras instituições ou arrecadação de contribuições espontâneas, doações legadas e outras promoções.  Divulgação através de relatórios ou boletins de todas as atividades desenvolvidas pelo CDE a todos os segmentos da comunidade escolar.  Assessorar e colaborar efetivamente com o gestor escolar em todas as suas atribuições com destaque especial para: cumprimento das disposições legais; preservação do prédio e dos equipamentos escolares; comunicação ao órgão competente das situações de emergência em casos de irregularidades na escola. Como irregularidades serão consideradas dentre outras:  As que representam risco à integridade física, moral e profissional das pessoas;  As que, comprovadamente, se configuram como trabalho inadequado, acarretando prejuízo pedagógico;  Desvio de merenda escolar, material de qualquer espécie e recursos financeiros. Nesses casos, há necessidade de que todas as situações e posicionamentos sejam discutidos inicialmente com a direção da escola, entidades e sempre que possível, obedecendo à hierarquia de encaminhamentos: direção da unidade escolar, Coordenadoria Regional de Educação e secretaria de Estado da Educação.
  • 67. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 67 4.5.3 Associação de Pais e Professores A Associação de Pais e Professores (APP da EEB Gregório Manoel de Bem) foi fundada em 09 de abril de 1977 nesta unidade escolar, sem fins lucrativos, auxiliando e promovendo a formação do educando em todos os segmentos da escola. A eleição da diretoria e conselho fiscal acontece a cada dois anos. Funções e atribuições da APP Para que a APP possa participar da gestão democrática da escola pública catarinense e cumprir sua função social de contribuir na discussão, implementação de políticas públicas educacionais, destacamos algumas que consideramos significativas e relevantes. Salientamos ainda que deverão ser consideradas sempre as especificidades locais de cada entidade, uma vez que a história de cada associação foi construída de diferentes formas no decorrer destes trinta anos. São atribuições da APP:  Integrar escola e comunidade através da participação que aproxima seus segmentos do cotidiano escolar.  Atuar como órgão representativo e organizador;  Participar com a equipe gestora, corpo docente e demais entidades da comunidade escolar, na execução, avaliação e reelaboração do PPP, sugerindo e reivindicando inovações de cunho administrativo e pedagógico.  Contribuir para a melhoria do processo ensino/aprendizagem nos seus diversos aspectos, juntamente com a equipe gestora e as demais entidades representativas existentes na escola;  Instituir a gestão democrática na APP e contribuir com a equipe gestora da escola para que esta seja extensiva aos demais segmentos que compõem a comunidade escolar, promovendo a participação política na construção da autonomia;  Colaborar com a equipe gestora, com os professores e com as outras entidades organizadas pela escola, na busca de consenso provisório para solucionar conflitos gerados no cotidiano escolar e que são necessários para a construção da cidadania, tendo como objetivo melhorias à comunidade escolar e ao processo educativo.  Ultrapassar os muros da escola, constituindo-se em espaço público de participação da comunidade local;
  • 68. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 68  Instigar debates que propiciem o deslocamento das relações de poder enraizadas na prática cotidiana, visando a romper com os mecanismos e armadilha de dominação;  Prestar contas de dinheiro público e privado à comunidade escolar de acordo com as normas estabelecidas no estatuto;  Promover com a equipe gestora atividades para integrar os segmentos da comunidade escolar, estreitando vínculos de união como, reuniões festivas, práticas esportivas, ciclos de palestras, dentre outros;  Conhecer e definir o planejamento para a aplicabilidade e fiscalização das verbas destinadas à escola. 4.6 REGISTRO, ESCRITURAÇÃO E ARQUIVOS ESCOLARES A escrituração e arquivamento dos documentos escolares têm como finalidade assegurar, em qualquer tempo, a verificação da:  Identidade de cada aluno;  Regularidade de seus estudos;  Autenticidade de sua vida escolar;  Documentação específica da unidade escolar; Os atos escolares serão registrados em livros, fichas ou instrumentos informatizados, resguardadas as características imprescindíveis, cabendo sua autenticidade à aposição da assinatura do diretor e do secretário. Constituem o arquivo escolar:  Documentação relativa ao corpo discente que compreende:  Ficha de matrícula  Histórico escolar  Certificado de conclusão e diploma  Boletim escolar  Registro de frequência
  • 69. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 69  Documentação relativa à unidade escolar que compreende:  Controle do ponto  Registro de patrimônio  As atas de exames ou processos especiais  As atas e resultados de conselho de classe  Os assentamentos individuais de professores e funcionários  Os avisos e convocações Incorporar-se-ão a este Projeto Político pedagógico, automaticamente, as disposições de lei e instruções ou normas de ensino emanadas de órgãos ou poderes competentes, alterando as disposições que com elas conflitarem. Os casos omissos serão resolvidos pela Direção à luz da legislação aplicável. O presente Projeto Político Pedagógico entrará em vigor após a homologação do órgão competente. 4.6.1 Incineração A incineração consiste no ato de queima dos documentos que após cinco anos não necessitem mais permanecer em arquivo. Poderão ser incinerados os seguintes documentos: diários de classe, provas especiais ou relativas à adaptação ou recuperação, atestados médicos e ofícios. O ato de incineração será lavrado em ata assinada pelo diretor, assistente de educação e demais funcionários presentes. 4.7 FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO CORPO DOCENTE E DIRETIVO Atualmente, a unidade escolar conta com vinte e sete servidores, dos quais dezenove fazem parte do corpo docente, quatro do setor pedagógico-adminstrativo e três agentes de serviços gerais. A maioria dos professores possuem graduação. Obs.: Em anexo, “Quadro Demonstrativos de Funcionários – 2012”.
  • 70. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 70 4.8 CONDIÇÕES DE TRABALHO Nossa intenção é que os profissionais da educação da unidade escolar sejam valorizados e reconhecidos pelo trabalho que executam. Por isso, nossa intenção é deixar à disposição dos professores os recursos necessários para exercer sua atividade. Em 2013, foi dado início ao projeto de salas temáticas, onde os professores podem adequar e decorar a sala conforme a(s) disciplina(s). Os alunos, portanto, são os que trocam de sala, criando um ambiente propício ao aprendizado e menos monótono como o modelo convencional. É estendido aos professores todos os recursos disponíveis, como projetor multimídia, televisão, aparelho de DVD, computador. É também deixado nas salas materiais didáticos específicos, como mapas, livros, etc. Busca-se um ambiente de harmonia e companheirismo entre funcionários, professores, alunos e pais. 4.9 FORMA DE ATENDIMENTO AOS ALUNOS De acordo com as legislações vigentes, é dever do Estado oferecer educação gratuita às crianças e adolescentes. Também é dever da escola dar o atendimento aos alunos, oferecendo as condições necessárias para que os mesmos permaneçam nela. Para isso, necessita oferecer espaço físico adequado (limpo, iluminado, ventilado e seguro), merenda escolar, material didático, professores habilitados, aulas de inclusão digital, biblioteca equipada entre outros. Para sanar as dificuldades na aprendizagem, a mesma oferece aula de monitoria extra-classe, estimula os alunos para o estudo e orienta os pais para as responsabilidades dos mesmos. De acordo com as necessidades específicas de nossos alunos, são dispensados alguns atendimentos individuais para que os mesmos se sintam bem no ambiente escolar, suas dificuldades sejam sanadas, sejam elas de caráter pedagógico ou familiar, problemas de saúde e outros. Quando são constatados problemas de saúde, levamos ao postinho da comunidade (orientadora e diretora), que fica em frente à escola e, depois são encaminhados para casa. Se for constatado problema mais sério, os pais são chamados na escola, são orientados para que levem o filho a um especialista para fazerem o devido tratamento. Quanto ao tratamento odontológico, no início do ano letivo a escola assumiu um compromisso com o dentista do postinho para que algumas vagas fossem reservadas aos alunos da
  • 71. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 71 unidade escolar. E, assim foi realizada uma parceria com o dentista e sua auxiliar para que durante o ano letivo os alunos de 1ª a 5ª séries do ensino fundamental fossem atendidos no posto de saúde da comunidade, além dos casos emergenciais. Quanto à aprendizagem dos alunos com dificuldade, serão organizados grupos de estudo. Na falta de professores, a direção é quem atende os alunos, ministrando as aulas normalmente. Na biblioteca os alunos são atendidos pela professora de efetiva de Português que está readaptada. 4.10 PROPOSTA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Acredita-se que as contribuições da avaliação institucional para a gestão escolar propicia reflexões sobre a mudança da concepção da avaliação, exercício da gestão democrática, efetiva participação e a consolidação da identidade da escola, bem como contribui para a melhoria da escola provocando as instância de participação da comunidade e a percepção da necessidade do engajamento dos agentes escolares nos diversos setores da escola na tomada de decisão. Avaliar significa acompanhar mais de perto, aumentando as interações entre a equipe para aprimorar as ações da escola como um todo, e também verificar se as funções e prioridades determinadas coletivamente estão sendo realizadas e atendidas com os resultados esperados. Etapas do processo de Avaliação Institucional: I. Sensibilizar Realizar diversas reuniões e encontros, objetivando sensibilizar professores, alunos, funcionários e membros da comunidade para as vantagens da avaliação e fornecer textos para a discussão do assunto e aprofundar o conhecimento sobre avaliação institucional. II. Diagnosticar É o ponto de partida e necessita da existência de um conjunto comparável de informações que permitam o diagnóstico da situação em estudo. Os dados serão correlacionados de forma a gerar indicadores e inferências, para as avaliações interna e externa. III. Avaliação Interna Consiste em um momento de reflexão e debate interno da escola sobre suas diversas dimensões, em um processo de autoavaliação. A perspectiva é que, considerando um conjunto de indicadores e inferências, a escola possa analisar os vários dados, gerando relatórios que reflitam
  • 72. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 72 como a escola percebe a si mesma. Nessa etapa, a participação de professores, alunos e funcionários é fundamental. a) Avaliação das Séries Aqui é necessário considerar três conjuntos de elementos:  Condições - corpo docente; corpo discente; corpo técnico-administrativo; infra- estrutura; perspectivas utilizadas na definição e organização do currículo; perspectivas do mercado de trabalho e perfil profissional para este nível de escolaridade.  Processos - interdisciplinaridade, institucionalização, qualificação do corpo docente e sua adequação às diferentes atividades na série (domínio dos conteúdos, planejamento, comunicação, compromisso com o ensino); avaliação da aprendizagem (critérios claros e definidos, identificação precoce das dificuldades de aprendizagem, uso de avaliação para diagnóstico, relevância dos conteúdos avaliados, variedade de instrumentos, prevenção da ansiedade estudantil); integração entre os professores da série e da escola com a comunidade.  Resultados - capacitação dos alunos concluintes como cidadãos, em termos gerais, e como indivíduos produtivos (trabalhadores, empreendedores) em atividades que exigem o nível de escolaridade (ensino fundamental); análise comparativa com mesmas séries de outras escolas e entre as mesmas séries da escola. b) Avaliação da Disciplina  Objetivos da disciplina, plano de ensino, fontes de consultas/bibliografia por parte dos alunos e dos professores;  Procedimentos didáticos, métodos e equipamentos;  Instrumentos de avaliação, conteúdos das avaliações, atividades práticas;  Condições técnicas: pessoal qualificado e infraestrutura disponíveis para o desenvolvimento das disciplinas. c) Avaliação do desempenho docente  Desempenho didático-pedagógico;
  • 73. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 73  Interesse e participação nas demais questões da escola;  Aspectos éticos . d) Avaliação do aluno O desempenho do aluno expresso pelo seu rendimento escolar, inclusive nos anos anteriores, e por sua participação nas diversas atividades escolares (esportivas, culturais etc.). Deve-se considerar ainda os problemas sociais que interferem na aprendizagem escolar (ligados à violência, ao ambiente escolar e familiar, ao uso de drogas), além dos físicos e cognitivos. e) Avaliação de pessoal técnico-administrativo Avalia o desempenho administrativo expresso pela compreensão do valor das atividades de apoio para a concretização do ensino de boa qualidade, pelo cuidado relativo à documentação escolar, espaço físico e por sua motivação no trabalho. f) Avaliação da gestão escolar O desempenho da equipe de gestão escolar expresso pela competência do colegiado em deliberar em conjunto, estar atento aos aspectos administrativos e pedagógicos e mostrar capacidade em realizar a integração escola/comunidade. IV. Avaliação externa Requer dos avaliadores externos, da comunidade escolar, capacidade de discriminação, disponibilidade para o diálogo e sentido de participação. A avaliação externa tem o papel de complementar e validar a avaliação interna. Seu ponto de partida é o relatório da autoavaliação e ela contempla os mesmos aspectos da avaliação interna, sempre em uma perspectiva complementar. Observação: Será atualizado o formulário de Avaliação Institucional e aplicado em 2013.
  • 74. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 74 CAPÍTULO V DIMENSÃO FINANCEIRA A escola pública tem como função principal o atendimento ao cidadão no seu direito essencial de acesso à educação de qualidade. Mas não tem condição de funcionar isoladamente, ela necessita de meios para manter sua estrutura física e seus recursos materiais e humanos, como também necessita observar um conjunto de normas para poder reger todas as suas atividades e funções. Do ponto de vista institucional e legal, a escola pública integra o sistema de administração pública federal, estadual ou municipal, como determina a Lei de Diretrizes e Bases. Portanto, existem os mecanismos necessários ao seu funcionamento e entre eles se encontra a administração de recursos financeiros que é aplicado de duas formas: a centralizada e a descentralizada. A aplicação centralizada compreende a maior parte dos recursos financeiros, que é realizada por uma instância administrativa à qual a escola está submetida hierarquicamente, que em geral é a Secretaria de Educação. Esses recursos chegam na escola em forma de benefícios como: estrutura física, pagamento de servidores, carteiras, entre outros. Quando a aplicação é descentralizada, essa é realizada pela escola, em geral pela Associação de Pais e Professores (APP). Para que tais procedimentos saia dentro da normalidade e da legalidade é preciso planejar; ver as prioridades da escola, o que pode ser feito com o dinheiro que recebeu, onde pode gastar, depois parte-se para a execução das compras e para a prestação de contas para a comunidade escolar. Atualmente a escola pública vem sendo gerenciada com certa autonomia, principalmente quando nos referimos à parte financeira, pois com a descentralização das verbas, a escola passou a ter mais condições e liberdade de conduzir as atividades pedagógicas e administrativas. Com isso, a escola pública necessita de uma equipe gestora que seja democrática, consciente de suas responsabilidades e que esteja disposta a aceitar os desafios que vão surgindo. Sendo a Associação de Pais e Professores a responsável pela administração dos recursos financeiros, fiscalizados e aprovados pelo conselho fiscal e conselho deliberativo da unidade escolar, tem a obrigação de seguir os princípios básicos da administração pública: legalidade, moralidade, impessoabilidade e publicidade.
  • 75. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 75 As verbas disponibilizadas para a escola são: Pagamento dos servidores. O dinheiro vem diretamente da Secretaria de Estado da Educação para a Associação de Pais e Professores (APP), depois é repassado ao contador que recebe o dinheiro da APP e prepara toda a documentação necessária para que os funcionários recebam seus pagamentos. A parte do contador é paga pela APP com recursos próprios; a taxa que o banco recebe, também é paga pelos recursos da APP. Atualmente a escola não tem mais compromisso com a merenda escolar, pois em maio de 2010 o Estado contratou uma empresa terceirizada para assumir a merenda escolar nas escolas públicas. A partir daí todas as escolas públicas não receberam mais as verbas do PRODENE. O programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), é uma verba anual que vem do MEC para auxiliar as escolas. Este ano a escola recebeu o valor referente ao PDDE de 2012 no valor de R$ 4.753,20, sendo 70% para custeio e 30% para o capital. Por causa do IDEB de 2009, recebemos este ano R$ 30.000,00 do PDE. Estamos planejando o bom uso dos recursos, em conformidade com as prioridades elencadas no projeto. O dinheiro que é adquirido pela APP, é utilizado para a compra de material de expediente, limpeza (quando falta), pagar contador e outras despesas necessárias, sempre em concordância com os membros da diretoria da APP, do Conselho Fiscal e com os professores.
  • 76. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 76 CAPÍTULO V DIMENSÃO FÍSICA O espaço físico que pertence à unidade escolar é de 4.608 metros quadrados e pertence ao Governo do Estado. A construção do prédio novo atinge uma área de 1.015,62 metros quadrados. Atualmente o prédio novo é composto de sete salas de aula, uma sala de vídeo, uma biblioteca, uma secretaria, uma sala de professores, uma sala de direção, uma sala de orientação, dois banheiros para os professores (um masculino e outro feminino), cinco banheiros femininos, cinco masculinos, dois mictórios, um banheiro para deficientes, outro para alunos menores e um refeitório. Ainda há dois corredores, um na entrada do prédio e outro que vai em direção ao refeitório. Separado do prédio novo temos três salas que foram construídas antes da construção nova, uma é utilizada como Sala de Tecnologia, outra para o Projeto AMBIAL e a terceira sala serve como almoxarifado e museu do projeto “Casa da Dindinha”. Além dessas dependências cobertas, existe uma pequena área na entrada do prédio novo e um grande espaço na frente, onde será construída a quadra de esporte. Atualmente a Educação Física está sendo realizada na frente do prédio, porque o campo de futebol da localidade fica um pouco distante. A Sala de Tecnologias Educacionais possui 12 bancadas, no total de 24 computadores e 02 servidores. Como os equipamentos não passam por manutenção apropriada, estamos tento problemas para consertar os que estão com problemas. Há condições de acessibilidade para portadores de necessidades especiais, e o prédio novo terá total acessibilidade, inclusive com sanitário. Não há áreas de convivência na escola. Aguardamos projeto para construção de quadra, depois da finalização do prédio. Atualmente, utilizamos uma quadra e campo de futebol da comunidade. Há ainda na parte antiga da escola uma área aberta, coberta, onde é servido a alimentação aos alunos, inclusive as refeições do Projeto AMBIAL.
  • 77. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 77 BIBLIOTECA ESCOLAR Atualmente, temos uma biblioteca bem equipada, com mobília nova, um grande número de livros, mapas novos, um grande acervo de DVDs, CDs, computadores, uma impressora, dicionários de Português e Inglês, Enciclopédias, entre outros. Temos uma biblioteca boa, com um acervo muito bom e oferecemos um espaço legal para nossos alunos, pais e interessados na leitura, na digitação de textos, mas a internet é muito lenta. O atendimento é realizado através da professora Albertina, que está readaptada e na função de Auxiliar de Biblioteca. Observação: A Relação do Acervo Bibliográfica encontra-se em anexo.
  • 78. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 78 CAPÍTULO VII METAS, AÇÕES E RESPONSÁVEIS 7.1 METAS 7.1.1 Setor Pedagógico  Atualizar o diagnóstico dos alunos e perfil da turma;  Instituir plano de ações pedagógicas mensal;  Expandir o projeto de monitoria aos alunos das séries iniciais;  Colaborar para integração escola-família;  Coordenar, junto à direção, as atividades de elaboração, operacionalização e avaliação do PPP;  Articular, organizar e acompanhar as ações educacionais desenvolvidas pelos diferentes segmentos da escola;  Acompanhar e avaliar o processo de ensino, aprendizagem e avaliação da instituição;  Subsidiar os professores, especificamente, em suas ações de planejamento e orientação da atividade de aprendizagem, acompanhando-os;  Orientar e organizar as ações pedagógicas mais comuns dos docentes, no que diz respeito a Planejamentos, Planos Anuais de Ensino, Projetos Pedagógicos Diários de Classe, Avaliação e Conselho de Classe etc.  Atender aos alunos e pais de alunos. 7.1.2 Setor Administrativo  Garantia de acesso e permanência dos alunos;  Reformulação e organização do PPP junto aos pais, alunos, professores, funcionários e comunidade escolar;  Buscar alternativas para resolver as situações emergenciais surgidas no cotidiano da escola, tanto na ordem pedagógica quanto administrativa;  Zelar pelo patrimônio público;
  • 79. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 79  Espaço físico adequado, ou seja, término da obra executada na unidade escolar do novo prédio;  Incentivar as entidades democráticas no desenvolvimento dos seus trabalhos;  Apoiar a equipe pedagógica, bem como os professores nas atividades desenvolvidas, buscando alternativas para a resolução dos problemas;  Professor habilitado nas suas áreas específicas;  Planejamento integrado com todos os setores;  Oportunizar aula de tecnologia educacional aos alunos e professores;  Instituir a avaliação institucional;  Incluir curso de espanhol aos alunos das últimas séries do Ensino Fundamental e Médio;  Coordenar e executar o sistema SERIE e secretaria escolar;  Zelar pelo patrimônio público e administrá-lo de acordo com a lei vigente;  Cumprir com a legislação no que se refere à merenda escolar;  Executar atividades afetas à administração do R.H.;  Continuação dos trabalhos desenvolvidos pela Associação de Pais e Professores;  Eleição do Grêmio Estudantil;  Agilizar em tempo hábil toda documentação relacionada a alunos, professores e funcionários;  Realizar trabalho de natureza técnica e administrativa pertinentes. 7.2 AÇÕES Planejamento, leitura de textos para planejamento e reuniões pedagógicas, organização de fichários, organização de alunos para monitoria, palestras, acompanhamento dos planejamentos, organização e elaboração das atas dos conselhos de classe, acompanhamento do desenvolvimento dos alunos no processo ensino-aprendizagem e atendimento individual e em grupo aos professores, alunos e pais.
  • 80. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 80 As ações relacionadas ao setor administrativo têm como meta auxiliar, facilitar e contribuir para a organização e desenvolvimento dos trabalhos de todos os segmentos da escola. As ações da equipe gestora (direção) serão: providenciar o passe escolar, livros e materiais didáticos; solicitação dos órgãos competentes a continuação da obra do novo prédio escolar e solicitar junto aos professores a utilização de metodologias. 7.3 RESPONSÁVEIS PELAS AÇÕES Equipe Gestora, professores, alunos, pais e funcionários. 7.4 PERÍODO DE DESENVOLVIMENTO Durante o todo ano letivo. 7.5 RESULTADOS ESPERADOS Organização estrutural e pedagógica (alunos e professores); maior participação dos pais no acompanhamento do processo ensino-aprendizagem; assegurar e garantir a permanência dos alunos na escola; garantir a qualidade da educação na unidade escolar melhorando os resultados do desempenho dos alunos; garantir o sucesso escolar dos alunos, de modo especial, no processo de alfabetização e letramento; participação efetiva dos alunos nos projetos escolares; maior compromisso da família com a escola; acompanhamento do rendimento escolar dos alunos pelos responsáveis; integração do aluno, professor e família no uso de novas tecnologias de comunicação; ampliação da capacidade crítica diante dos acontecimentos em geral; estímulo à autoestima dos alunos, validando o esforço do educando para aprendizagem; desenvolvimento de atitudes e valores positivos que devem ser estimulados e compartilhados por todos, dando aos alunos uma formação ética, e interesse dos alunos nas aulas de monitoria, garantia do cumprimento do calendário escolar, bem como a elaboração e apresentação a toda comunidade escolar do PPP. No que se refere aos resultados esperados na dimensão administrativa, são: agilizar, aprimorar e garantir a execução dos trabalhos relacionados à organização técnico-administrativa.
  • 81. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA GREGÓRIO MANOEL DE BEM PPP da EEB Gregório Manoel de Bem - 2012 Página 81 7.6 AVALIAÇÃO FINAL Pensar à escola hoje não é mais pensar somente na transmissão de um conteúdo frio e sem vida, vinculado a uma listagem interminável de assuntos a serem trabalhados durante certo período do ano, realizar avaliações durante o bimestre e encher o quadro de atividades enfadonhas e desvinculadas da realidade sócio-educacional de alunos e, por que não dizer, de professores também. A escola e os sujeitos que a compõem neste início de século têm experimentado uma série de novas possibilidades de exercitar a ação educativa como possibilidade de construção democrática de novos saberes e fazeres que levem à transformação do processo educacional, culminando com a necessidade de se evidenciar um currículo, uma avaliação, um conteúdo, uma estratégia de ensino- aprendizagem que sejam coerentes com as culturas escolares, com a diversidade de sujeitos, com as múltiplas formas de se encarar o mundo e suas relações complexas, conflituosas e paradoxais. Uma educação que leve em conta as mudanças tecnológicas, as novas contribuições das múltiplas linguagens vivenciadas cotidianamente. Esse caminho, sem dúvida, pode contribuir para que a escola e a educação de modo geral, voltem a ser lugar de felicidade, de trocas, de construção da identidade, de subjetividades criadoras/criativas.