A Arte Rococó

16,891 views
16,526 views

Published on

A Arte Rococó. História da Cultura e das Artes. 12.º ano

Published in: Education
2 Comments
18 Likes
Statistics
Notes
  • xeptuando-se os palacios reais e algumas catedrais mais luxuosas, o rococó não foi tão exagerado quanto o barroco, era bem mais simples, porem sempre elegante. somente a alta nobreza (reis e principes) gozava de um exagero maior, pois as outras camadas da população eram mais suaves, e não se usava tanta decoração principalmente no que diz respeito ao mobiliario, não por falta de dinheiro, mas sim por gosto. frequentemente se compara a pintura desta época ao impressionismo, apesar dos dois compartilharem de liberdade pictórica, são extremamente diferentes, pintores do rococó bucam um lugar de ternura, sonho, alegria, bem estar, e claro muita beleza, é um lugar que não existe pertence ao mundo dos sonhos e desejos, ao contrario dos impressionistas que pintam o que veem, o que lhes marca, momentos propicios para pintar, pintam nada mais que a beleza da realidade, alem de que as composiçoes e as cores deste são bem mais simples. o mobiliario rococó não era rico: se usava madeiras mais comuns, e para dar valor a elas, se colocava uma ornamentação de curvas, sem exagero, pintava os móveis de varias cores, unicos ou bicolores, as vezes aplicava motivos florais nestes, e ao que se pensa, os moveis de estilo ''boulle'' não era muito apreciado, estes móveis boleados ou bombados fizeram fama mais tarde no século XIX. nada de frivolidade ou preconceito tinha as pessoas em especial na frança, os ideias da época são mais individualistas, intelectuais, delicados, e de uma maior alegria e bem estar, coisa que se perdeu e se fez justamente o contrario o século posterior. Nesta época era comum os homens usarem roupas florais e entendiam bastante de arte, um grande apontamento do gosto delicado, alegre e intelectual. O preconceito era bem menor, tanto que a frança aboliu a escravidão dos negros. e os ricos não sentiam apatia dos pobres, se uma pessoa(pobre ou rica) conversa bem, se veste mais ou menos, e tem uma conversa agradavel e espirituosa está apta a jantar até mesmo com o rei ! os pensamentos são mais racionais, inteligentes e felizes. Não se pensava em grandeza, a glória vem da beleza não só exterior mas essencialmente pelo interior.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Material didático muito bom, parabéns!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
16,891
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
85
Actions
Shares
0
Downloads
933
Comments
2
Likes
18
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Arte Rococó

  1. 1. Módulo 7 12.º ano A Cultura do Salão O Rococó Prof. Carlos Pinheiro
  2. 2. Nasceu em França, mais ou menos em 1715-20, atingiu o seu apogeu em 1730 e entrou em declínio depois do reinado de Luís XV (1774). A palavra vem de “rocaille” – rocha – que se tornou um motivo básico do estilo. Esteticamente tem um espírito tolerante, crítico, irreverente, intimista e individualista, que caracteriza o Homem deste tempo. Fugiu às imposições da Igreja e das Academias, defendia a criatividade pessoal, a excentricidade e a improvisação e os prazeres da vida. Foi criado para satisfazer o gosto de uma elite aristocrática e intelectual, amante da alegria e da fantasia, que gostava de discutir assuntos filosóficos e políticos em conversas informais, ouvindo música e assistindo a concertos e peças de teatro.
  3. 3. De França irradia para a Itália e Europa Central, principalmente Alemanha e Áustria. Estilo alegre e elegante; Continuidade e oposição ao barroco; Mais leve e elegante que o barroco; Atinge o seu auge na decoração de interior das residências e nas artes ornamentais: espelhos, tapeçarias e sobretudo de objetos de porcelana, já não importados da China, pois a forma de a fazer já tinha sido descoberta na Europa e eram já executadas nas manufaturas de Meissen e Nymphenburg (Alemanha), Capodimonte (Itália) e Sévres (França); Corresponde aos gostos frívolos, mas requintados da alta sociedade aristocrática e burguesa.
  4. 4. Novo tipo de ornamentação ondulada, própria para a decoração de interiores residenciais; Estilo mais leve e refinado, com cores mais suaves, linhas delicadas e informais, dentro do espírito de liberdade criativa da época; Alia a decoração às artes menores (mobiliário, cerâmica, ourivesaria) e à pintura, escultura e arquitetura; Diferenciação dos edifícios de acordo com a sua função e daí a importância que se dá aos espaços e à decoração, procurando harmonia; Estruturas arquitetónicas apresentam um traçado exterior simples em comparação com a preocupação e dedicação que existe em relação ao interior; Utilizam-se elementos decorativos barrocos (arabescos, linhas ondulantes, irregulares e assimétricas), mas com mais liberdade e sensualidade, com uma variação mais caprichosa de formas e motivos, com novos elementos (conchas, algas marinhas, rocalhos (rochas) e chinoiseries – chinesices, que chegam à Europa através do comércio colonial – sedas, porcelanas, lacas, etc.); Utilizam-se materiais fingidos: falso mármore e estuques pintados.
  5. 5. Tipos de estruturas arquitetónicas: • Igreja • Abadia • Château (palácio campestre ou periférico) • Palácio urbano • Hôtel particulier Características gerais dos exteriores: Menores proporções e normalmente edifícios com apenas dois andares baixos; Fachadas mais alinhadas e alisadas, são abolidos os elementos clássicos decorativos (colunas, frontões e esculturas), mantiveram-se as balaustradas, as cornijas e os entablamentos, os ângulos retos foram suavizados por curvas; Telhados de duas águas; Portas e as janelas maiores e com arcos de volta perfeita;
  6. 6. Características gerais dos exteriores: Decoração exterior concentra-se nas portas e nas janelas, nas consolas (peça arquitetónica saliente que serve para colocar estatuetas, vasos, etc., o mesmo que mísulas), nas arcadas, no aparelho de alvenaria (pedra ou tijolo ligados por argamassa formando uma construção), nas ferragens e batentes; Utilização do ferro forjado, em grades para jardins, lagos, portas e varandas; Os jardins continuam a ser parte da arquitetura civil, tal como no barroco e compõem-se de: grandes relvados com arvoredos esculturas rampas e lagos pavilhões de caça Que servem de locais de reunião íntima pequenos apartamentos com fogos de artifício, festas de pagodes chineses máscaras e celebrações públicas. quiosques turcos
  7. 7. Dois andares baixos Utilização do ferro forjado na decoração do portão. Fachada alinhada, sem elementos clássicos a decorar, mas mantém a balaustrada Petit Trianon - Versalhes
  8. 8. Palácio Sans Souci Portas com arcos de volta perfeita Balaustrada Decoração exterior
  9. 9. Hôtel Soubise Balaustrada Telhado de duas águas Relvado com pequenas árvores
  10. 10. Dois pisos Residência de Wurzburg Palácio de Sans Souci Jardins com lagos, esculturas e arvoredo.
  11. 11. Pavilhão de chá Chinês Palácio de Sans Souci Estrutura de apoio de plantas em ferro forjado Templo da Amizade
  12. 12. Palácio de Queluz
  13. 13. Características gerais dos interiores: O Salão principal é o centro das dependências à volta do qual há algumas salas secundárias e a escadaria para o andar superior, onde ficam as divisões privadas dos donos da casa; As divisões são baixas, pequenas, independentes, arredondadas e com pavimento parquet, iluminadas pelas portas-janelas, pelos vários espelhos e pelos candeeiros e lustres; Palácio de Sans Souci - interior
  14. 14. Características gerais dos interiores: A decoração das divisões é feita com diferentes tipos de móveis: cómodas, contadores, escrivaninhas, grandes relógios, poltronas, canapés, etc., em madeiras preciosas, envernizadas, com incrustações de madrepérola, lacas e bronzes. Em cima deles eram colocados bibelôs de prata e porcelana; As paredes também são cobertas de decoração com cores claras, misturando-se com o dourado e prateado das molduras das telas, tapeçarias, frescos e relevos. Os cantos e os limites das paredes desaparecem totalmente sob esta decoração imensa e pela utilização dos sofitos – superfícies curvas que ligam o teto às paredes. Palácio de Sans Souci - interior
  15. 15. Palácio de Sans Souci - interior
  16. 16. Palácio de Sans Souci - interior
  17. 17. Palácio de Sans Souci - interior
  18. 18. Palácio de Sans Souci - interior
  19. 19. Hôtel de Soubise - interior
  20. 20. Palácio de Queluz – interior (Sala do Trono)
  21. 21. Estilo Luís XV
  22. 22. Estilo Luís XV Cómoda
  23. 23. Objetos de decoração dos interiores: Estilo Luís XV Cadeira Secretária
  24. 24. Objetos de decoração dos interiores: Canapé Estilo Luís XV
  25. 25. Objetos de decoração dos interiores: Porcelana de Sévres, 1764 Porcelana Porcelana de Sévres, 1770
  26. 26. Objetos de decoração dos interiores: Porcelana Porcelana de Sévres. Par de vasos, 1760
  27. 27. Objetos de decoração dos interiores: Porcelana Kändler, figuras de porcelana biscuit da fábrica Messien, séc. XVII
  28. 28. Características principais: As igrejas mantêm uma estrutura e uma decoração exterior barroca, mas com decoração rococó nas portas, janelas e interiores. É-lhes dado um ambiente de festa e alegria e constroem-se bibliotecas, refeitórios e habitações para cónegos. Baviera igrejas com plantas longitudinais e complexas exteriores simples com uso abundante de janelas ornamentação com motivos naturalistas, recorrendo à concha como principal motivo decorativo a decoração insere-se na arquitetura, escultura e pintura, criando um cenário distrativo e fictício. Basílica de Vierzehnheiligen, 1743-1772
  29. 29. Basílica de Vierzehnheiligen, interior, 1743-1772
  30. 30. Basílica de Vierzehnheiligen, interior, 1743-1772
  31. 31. Basílica de Vierzehnheiligen, interior, 1743-1772
  32. 32. Basílica de Vierzehnheiligen, interior, 1743-1772
  33. 33. Basílica de Vierzehnheiligen, 1743-1772 (detalhe do teto)
  34. 34. Igreja de Wies (1745 e 1754) - Bavie
  35. 35. Igreja de Wies (1745 e 1754) - Baviera
  36. 36. A Igreja de Santa Maria Madalena (também conhecida como Igreja da Falperra). Século XVIII, projeto do arquiteto André Soares. Grande Retábulo de Nossa Senhora do Rosário, na Igreja de Santa Cruz do antigo convento Dominicano de Viana do Castelo. André Soares.
  37. 37. Igreja de S. Francisco, Salvador (Brasil)
  38. 38. Igreja de S. Francisco, Salvador (Brasil)
  39. 39. Características principais: 1. Novos cânones estéticos As linhas curvas e contracurvas do barroco continuam, tornam-se mais delicadas e fluidas, organizadas em S ou em C, ou contracurvas duplas; Em relação à figura humana utiliza-se o cânone anatómico maneirista (corpo alargado e silhueta caprichosa) mas dão leveza e graciosidade aos gestos, atitudes e posições, tornando-os sempre de certa forma galantes, “cortesãos” e muito elegantes; Os grupos escultóricos em que as composições têm movimento e ritmo, um sentido cénico faz o enquadramento da escultura como cenário a ela destinado. Ignaz Günther, Maria Immaculata (ca. 1750) (porcelana pintada)
  40. 40. Características principais: 2. Novos géneros escultóricos: Privilegia-se a escultura ornamental e em vez da escultura independente; Novos géneros: a) escultura decorativa como parte integrante da arquitetura, com motivos naturalistas; b) estatuária de pequeno porte, destinada aos interiores e com funções decorativas ou de entretenimento (bibelôs, bustos, estatuária religiosa, composições mitológicas e alegóricas); Ignaz Günther, Anjo da Guarda,1763 (madeira pintada)
  41. 41. Características principais: 3. Novos materiais: Recuperam-se materiais que até aí tinham sido ignorados – madeira, argila, gesso, porcelana (biscuit), este último foi o verdadeiro material do rococó, foi extremamente popular e o mais usado para a produção de pequenas esculturas, ornamentais e divertidas. A sua clientela era maioritariamente a Aristocracia. Johann Joachim Kändler, Melpomene, 1744 Franz Anton Bustelli, O sono perturbado, 1756
  42. 42. Características principais: 4. Novos temas: Abandonam-se os temas sérios e “nobres” e dá-se preferência aos temas “menores”, irónicos, alegres, jocosos, sensuais e galantes, na estatuária de pequenas dimensões, mas na estatuária independente mantiveram-se os temas honoríficos e comemorativos; Nos temas mitológicos preferem-se os deuses “menores”; Nos temas profanos dá-se mais valor aos aspetos mais íntimos do quotidiano, em gestos galantes, graciosos e requintados; O tema religioso (usado sobretudo na Alemanha) mantém-se mas é tornado menos sério, utilizandose roupagens mais luxuosas e poses galantes. Claude Michel, Poesia e Música (7174/1778) Ignaz Günther, Cronos, (1765 – 1770= (porcelana pintada)
  43. 43. Movimento e ritmo Gestos galantes e graciosos Poesia e Música Claude Michel (Clodion) – 1774/1778
  44. 44. Tema religioso Curvas e contracurvas Leveza e graciosidade dos gestos Roupagem luxuosa e posse galante. Ignaz Günther, Maria Imaculada
  45. 45. Porcelana Biscuit Estatuária de pequeno porte destinada a decorar os interiores, em temas sensuais, jocosos e galantes. Franz Anton Bustelli, Arlequim (1760) e Arlequina (1963) Bustelli, Scaramouche, 1754. Oficina de Munique Curva em S Bevilaque, Arlequim, 1738 Oficina de Meissen Movimento e roupagens elegantes Kandler, Amantes espanhóis, 1741 Oficina de Meissen
  46. 46. Edmé Bouchardon (29 de maio de 1698-27 de julho de 1762) Cupido talhando um arco da clava de Hércules. Mármore, 1750 Génio da abundância, 1737
  47. 47. Clodion (Claude Michel) (1738-1814) Ninfa e Sátiro, ca. 1780–90,
  48. 48. Clodion (Claude Michel) (1738-1814) Rapariga, terracota Vestal, mármore, 1770
  49. 49. Clodion (Claude Michel) (1738-1814) Rio Reno, 1765, terracota , 27,9×45,7×30,5 cm
  50. 50. Símbolo de uma sociedade galante e festiva e também muito contrastante, já que alguns artistas defendiam o classicismo e outros o barroco, em termos estéticos. Esta “luta” foi modelando e transformando a arte barroca, que era pesada e dramática, em algo mais idealizado, aristocrático e festivo onde abundaram as cenas pastoris e as “festas galantes”. TEMAS A tradição do retrato continuou, mas tornou-se mais histórico, sereno, burguês, sensível, psicológico, delicado de tons suaves e gradações cromáticas que fazem lembrar o “sfumato” renascentista. Todos os temas foram tratados de forma mais ligeira e superficial com referências mitológicas a deuses. Outros temas utilizados são também as naturezas-mortas e cenas de género.
  51. 51. COMPOSIÇÃO São próprias para decorar interiores e por isso são exuberantes e rítmicas. Fazem parte da composição elementos marinhos, como conchas e ondas, as cores são baseadas nos brancos, azuis, rosas, nacarados do mar e das conchas. CARACTERÍSTICAS
  52. 52. François Boucher (1703-1770) Diana saindo banho (1742) 57×73 cm. Obra de sentido clássico, combina as formas arredondadas dos corpos nus com paisagem rigorosamente elaborada. É um quadro de sentido erudito pela sua subtileza e sobriedade. As cores claras e luminosas são características deste pintor.
  53. 53. François Boucher, Rapariga em repouso, 1752. Óleo sobre tela. 59×73 cm.
  54. 54. Jean-Honoré Fragonard: Tinha uma pincelada rápida e espontânea e retratou o amor e alegria de viver. Representa frequentemente a figura feminina. Utiliza a emoção e a dinâmica para aplicar a cor. Fragonard, O Baloiço, 1767-1768, óleo sobre tela 81 × 64 cm Fragonard Jogo d Cabra-cega, 1751, óleo sobre tela 117 × 91 cm
  55. 55. Jean-Honoré Fragonard (1732–1806) Concurso Musical, 1754-1755 Óleo sobre tela, 62×74 cm
  56. 56. Jean-Honoré Fragonard (1732-1806) O Beijo Roubado. 1755 Óleo sobre tela, 45x55 cm
  57. 57. Mulher descascando batatas, 1740, óleo sobre tela, 46×37 cm Jean-Baptiste-Siméon Chardin (1699-1779) Foi mais racional e pintou cenas de género e naturezas-mortas reveladoras da vida quotidiana. Natureza-morta com frasco de vidro, 1728
  58. 58. Jean-Baptiste-Siméon Chardin, A Lavadeira, 1735, óleo sobre tela, 37×42 cm
  59. 59. Jean Antoine Watteau (1684-1721) Pintou cenas de género, mitologia e festas galantes, com uma certa teatralidade do rococó, mas ainda com influências barrocas. FRANÇA La Gamme d’Amour, 1717, óleo sobre tela, 51.3 cmx 59.4 cm
  60. 60. Antoine Watteau. Embarque para Citera. 1718, óleo sobre tela, 128×193 cm. Neste quando encontram-se os elementos mais característicos deste artista: delicadeza do desenho, finura e elegância da composição, sentido de harmonia de ritmo que dão a todo o conjunto uma nostalgia e uma grandiosidade muito próprias.
  61. 61. Canaletto Pintor requintado e subtil, minucioso, puro e sóbrio. Destaca-se o tratamento da luminosidade nas suas paisagens. Veneza – Canal grande, 1738
  62. 62. Canalleto, Praça de São Marcos com a Basílica, 1730. Óleo sobre tela, 76x114,5 cm
  63. 63. Canalleto, A basílica de São Marcos e o Palácio Ducal, 1735. Óleo sobre tela, 114x153 cm A cena é marcada pelo rigor da composição, pela minúcia da representação arquitetónica, acentuada pelo contraste entre os tons mais frios do céu, onde se destaca uma forte luminosidade, introduzindo efeitos de claro-escuro nas arcadas.
  64. 64. Francesco Guardi Pintou paisagens imaginárias onde mistura o real e o surreal. A arquitetura é fantasista e já pinta com uma cor e luminosidade quase impressionista. A lagoa em frente da Murano vista da Fondamenta Nuove 1765-1770, óleo sobre tela, 31,7x52,7 cm.
  65. 65. Francesco Guardi (1712-1793) Papa Pio VI abençoando os habitantes de Veneza no Campo San Zanipolo em 1782 Óelo sobre tela, 1782, 50,5 x 66,5 cm
  66. 66. William Hogarth (10 novembro de 1697-26 outubro de 1764) Demonstra a ligação ao rococó na harmonia das figuras e na utilização de curvas em S. O portão de Calais, 1748, 78,5x94,5 cm
  67. 67. Joshua Reynolds (16 de julho de 1723-23 de Fevereiro de 1792) Retratista de estilo delicado, combina mitologia com a elegância clássica e o retrato coletivo. Charles Lennox, 3.º Duque de Richmond (1758) Lord Heathfield of Gibraltar, 1787, óleo sobre tela, 142x113,5 cm
  68. 68. Thomas Gainsborough Retratista e paisagista, pinta com cores delicadas e sensibilidade. O passeio matinal. 1785, óleo sobre tela, 236x179 cm. O Rapaz Azul. 1770, óleo sobre tela, 178x122 cm Esta obra representa sir William Hallet e esposa. É do tipo poético em que as figuras são envolvidas pela natureza e denotam uma elegância tranquila, trajando ricos fatos onde sobressaem o brilho do cetim e a transparência das musselinas.
  69. 69. Pintada em trompe l’oeil, nas paredes e tetos das igrejas e palácios. CARACTERÍSTICAS: • Grandiosidade • Teatralidade • Ilusão • Movimento • Pretendia simular a realidade • Cria jogos cromáticos e luminosos, escuros primeiro e claros depois, que dão o efeito de surpresa • Composições amplas que dilatam o espaço, onde é difícil distinguir entre os elementos arquitetónicos falsos e verdadeiros que se projetam para o céu • Temas quase sempre religiosos • Figuras com movimentos sinuosos e vigorosos e vestes muito acentuadas, reforçando o movimento • Uso da perspetiva organiza e unifica a composição
  70. 70. Giovanni Battista Tiepolo (16961770), Triunfo da monarquia espanhola, 1762-1766, fresco, Palácio Real de Madrid.

×