A Arte Neoclássica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A Arte Neoclássica

on

  • 8,473 views

A Arte Neoclássica. História da Cultura e das Artes. 12.º ano

A Arte Neoclássica. História da Cultura e das Artes. 12.º ano

Statistics

Views

Total Views
8,473
Views on SlideShare
8,466
Embed Views
7

Actions

Likes
5
Downloads
234
Comments
1

1 Embed 7

http://moodle.aerm.pt 7

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • bom trabalho. alguém me consegue explicar o porque se de chamar cultura do salão a este modulo?
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A Arte Neoclássica A Arte Neoclássica Presentation Transcript

  • Módulo 7 12.º ano A Cultura do Salão A estética do Iluminismo: entre o humor e a razão Neoclassicismo Prof. Carlos Pinheiro
  • Nova atitude crítica resultante do desenvolvimento científico e filosófico do séc. XVII e do Iluminismo do séc. XVIII. A nova estética tinha por base o estudo e a escolha do mais útil e belo da Natureza e das obras da Antiguidade O regresso à ordem correspondia aos interesses de uma nova ideologia revolucionária que tinha por modelo a Antiguidade Clássica (grega e romana): .
  • Características: No campo técnico-formal, procurou o virtuosismo e a beleza idealizada dos Antigos, alcançados através de aprendizagens rigorosas, feitas nas academias; No campo conceptual e temático, recorreu a conteúdos elevados (eruditos, abstratos ou morais), baseados na História, na Literatura, na Religião e na Mitologia) A arte deve instruir e dar exemplo: o artista converte-se num educador público ao serviço do povo; Tornou-se a expressão do triunfo das conceções iluministas. Jacques-Louis David (1748–1825) Mars désarmé par Vénus. 1824
  • De acordo com os ideais iluministas, os arquitetos neoclássicos responderam às necessidades do seu tempo com originalidade e engenho, usando os modelos clássicos dos romanos e dos gregos. Inovaram nos aspetos técnicos realizando pesquisas e experimentações constantes onde conciliaram a estética estrutural e formal clássica com novos sistemas construtivos, novas maquinarias e novos materiais. A arquitetura devia ser verdadeira, isto é, exprimir claramente, do exterior, a sua organização interior. Existia uma maior preparação escolar dos arquitetos neoclássicos, formados no rigor científico das academias. Estas, no final do século XVIII, transformaram-se nas primeiras Escolas Politécnicas. Panteão, Paris
  • Características da arquitetura neoclássica Utilização de materiais modernos (ladrilho cerâmico, ferro fundido); Sistemas construtivos simples aliados a esquemas mais complexos, estruturados a partir do arco de volta perfeita, de inspiração romana, adaptado aos modernos processos técnicos. Nas plantas, utilizou formas regulares, geométricas e simétricas, com base no quadrado e no círculo; Os volumes eram bem definidos por panos murais lisos que clarificavam a simplicidade e a pureza da forma e da estrutura; Na cobertura generalizou-se, a par do teto plano em madeira ou estuque, o uso de abóbadas de berço ou de aresta, ou cúpulas, sobre as zonas centrais das construções. Panteão, Paris
  • Características da arquitetura neoclássica Os espaços interiores organizados segundo critérios geométricos e formais, com preocupações de funcionalidade; Era aplicada a gramática formal das ordens clássicas, com os seus pórticos colunados, os seus entablamentos direitos, de frisos lisos ou decorados, e os frontões triangulares com tímpanos esculpidos; Materiais nobres, tradicionais (pedra, mármore, granito, madeiras); Panteão, Paris
  • Objetivos específicos: • Evidenciar a racionalidade da estrutura e da forma das construções; • Conferir-lhes robustez, nobreza, sobriedade e monumentalidade; Tipologias da arquitetura: • De inspiração clássica, com base na basílica romana ou paleocristã, no Panteão e no templo grego; • Novas tipologias, inventadas para responder às crescentes necessidades da vida social, política e cultural, sobretudo nos espaços urbanos: hospitais, museus, bibliotecas, escolas, cafés, salas de teatro e de ópera, bolsas e bancos, repartições públicas e sedes de governo. Capitólio dos EUA
  • Panteão de Paris (1755-80) Frontão triangular com tímpano esculpido Cúpula Entablamento direito, de friso decorado Pórtico colunado Ordem clássica
  • Panteão de Paris (1755-80) Arco de volta perfeita Cúpula assente em tambor Entablamento clássico com decoração vegetalista Colunas coríntias Embutidos de mármore no pavimento
  • Panteão de Paris (1755-80)
  • Igreja da Madalena (em francês: Église de la Madeleine), Paris, 1764-1806
  • Arco do Triunfo, Paris, 1836
  • Kedleston House (Inglaterra)
  • Kedleston House (Marble Hall, 1765)
  • Kenwood House (Inglaterra)
  • Kenwood House (Biblioteca) – Robert Adam, 1768.
  • Casa de Somerset (Somerset House) Londres, Inglaterra. William Chambers, 1776-1796.
  • 1753. Robert Smirk
  • Porta de Brandemburgo (Berlim, Alemanha). 1789-1791. Carl Gotthard Langhans
  • Altes Museum (Berlim, Alemanha). Karl Friedrich Schinkel, 1830
  • Teatro Nacional (Berlim, Alemanha). Karl Friedrich Schinkel, 1818-21
  • Edifício do Estado-Maior-General (Sampetersburgo, Rússia). Karl Ivanovitch Rossi. 1816-27
  • Capitólio dos Estados Unidos. 1793-1800. Projeto original de William Thornton, posteriormente modificado por Stephen Hallet, Benjamin Latrobe e, em seguida, Charles Bulfinch.
  • Porta de Alcalá (Madrid, 1778). Francisco Sabatini
  • Museu do Prado (Madrid). 1786-1819, Juan de Villanueva,
  • Hospital Geral de Santo António (Porto) 1770-1824. John Carr
  • Palácio dos Carrancas (atual Museu Nacional de Soares dos Reis). Porto. Joaquim da Costa Lima Sampaio, 1795
  • Palácio de São Bento (atual Assembleia da República). Lisboa
  • Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa). 1836-1845, Fortunato Lodi
  • A pintura neoclássica reagiu, esteticamente, contra o Barroco e o Rococó, redescobrindo o Classicismo como fonte de inspiração . Temas Assuntos históricos; Alegóricos; Mitológicos; Heroicos; Retrato. Características Composição geométrica; Desenho rigoroso e linear; Tratamento muito elaborado da luz e do claro-escuro; Predominância da linha, do contorno e do volume sobre a cor; Cores sóbrias; Tom geral é frio sem grande variação cromática Jacques-Louis David O Juramento dos Horácios
  • A pintura neoclássica está imbuída de uma função simbólica fazendo apelo ao pensamento, à Razão e não à emoção. A estética é naturalista, imitando a vida e a Natureza mas existe a procura de valores expressivos universais, pela procura da representação ideal da realidade. Apresenta modelos absolutos e perfeitos. Criou-se um conjunto de regras teóricas básicas que originaram o academismo de temas, de técnicas e de formas. Jacques-Louis David. As Sabinas
  • Jacques-Louis David (1748-1825). O Juramento dos Horácios (1784). Óleo sobre tela. 330 cm x 425 cm.
  • Jacques-Louis David (1748-1825). A Morte de Sócrates. 1787. Óleo sobre tela. 130 x 196 cm
  • Jacques-Louis David (1748-1825). A Morte de Marat. 1793. Óleo sobre tela.165 × 128 cm
  • Jacques-Louis David (1748-1825). Napoleão no Passo de Saint-Bernard. 1801. Óleo sobre tela. 259×221 cm
  • Jacques-Louis David (1748-1825). Napoleão no Passo de Saint-Bernard. 1801. Óleo sobre tela. 259×221 cm
  • Jacques-Louis David (1748-1825). A Coroação de Napoleão. 1805-07. Óleo sobre tela. 621×979 cm
  • Jacques-Louis David (1748–1825). As Sabinas. 1799. Óleo sobre tela. 385 cm. x 522 cm.
  • Jacques-Louis David (1748–1825. Madame Recamier. 1800. Óleo sobre tela. 173 × 243 cm
  • Antoine-Jean Gros (1771-1835). Napoleão visitando as vítimas da peste de Jaffa. 1804. Óleo sobre tela. 715 × 523 cm
  • Antoine-Jean Gros (1771-1835). A batalha de Eylau de 1807.1808. Óleo sobre tela. 521 × 784 cm
  • Antoine-Jean Gros (1771-1835). A batalha de Aboukir, 25 julho de 1799. 1806. Óleo sobre tela. 578 cm x 968 cm.
  • Júpiter e Tétis. 1811 .Óleo sobre tela. 327 × 260 cm O sonho de Ossian. 1813. Óleo sobre tela. 348 × 275 cm Jean-Auguste Dominique Ingres (1780–1867)
  • Jean-Auguste Dominique Ingres O Banho Turco 1862. Óleo sobre tela. 108 × 110 cm
  • Jean-Auguste Dominique Ingres A Grande Odalisca 1814. Óleo sobre tela. 88.9 cm × 162.56 cm
  • Júpiter e Tétis. 1808. Óleo sobre tela. 144×189 cm A banhista de Valpinçon. 1808. Óleo sobre tela. 146×98 cm Jean-Auguste Dominique Ingres (1780–1867)
  • Vieira Portuense (1765-1805) D. Filipa de Vilhena armando seus filhos cavaleiros. 1801. Óleo sobre tela. 150 x 212 cm
  • Vieira Portuense (1765-1805) Júpiter e Leda. 1798. Óleo sobre tela. 120 x 127 cm
  • Domingos Sequeira (1768-1837) Retrato de Conde de Farrobo 1813. Óleo sobre tela. 102 × 62 cm
  • Domingos Sequeira (1768-1837) Mariana Benedita Sequeira 1822. Óleo sobre tela. 84 × 65 cm
  • Domingos Sequeira (1768-1837) Adoração dos Magos 1828. Óleo sobre tela 100 × 140 cm
  • Tal como a arquitetura e a pintura a escultura deste período foi realizada segundo o espírito revolucionário do Iluminismo. Temas Históricos; Literários; Mitológicos; Alegóricos. Características Copiou as formas de representação dos modelos clássicos com fidelidade, minúcia, perfeição e sentido estético. Homens e mulheres representados com roupagens e poses semelhantes às dos deuses gregos e romanos. Função de glorificação e publicidade de políticos e de pessoas públicas. Preferência pelo mármore branco, pelas suas propriedades naturais (pureza, limpidez e brilho) e porque se pensava que tinha sido o material eleito dos clássicos. Antonio Canova Psiquê revivida pelo beijo de Eros (pormenor) 1787-1793
  • Jean-Antoine Houdon (1741-1828) Voltaire. 1781 Com 1,84 m de altura, apresenta uma expressão que denuncia o espírito crítico do retratado no olhar vivo e no sorriso, fugindo, assim às regras clássicas; porém, o pregueado das roupagens à antiga fazem-no parecer um senador romano, o que integra o escultor no neoclassicismo.
  • Antonio Canova Perseu com a cabeça da Medusa 1800-01.
  • Antonio Canova Paulina Borghese 1804-08
  • Antonio Canova Psiquê revivida pelo beijo de Eros 1787-1793
  • Antonio Canova Psiquê revivida pelo beijo de Eros (pormenor) 1787-1793