Vacinas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Vacinas

on

  • 53,616 views

 

Statistics

Views

Total Views
53,616
Views on SlideShare
53,389
Embed Views
227

Actions

Likes
3
Downloads
656
Comments
3

2 Embeds 227

http://www.slideshare.net 187
http://www.labimuno.org.br 40

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Vacinas Vacinas Presentation Transcript

  • VACINAS
  • 1- INTRODUÇÃO QUAIS AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DOS ANTÍGENOS CANDIDATOS A VACINA? QUAIS PROPRIEDADES INERENTES A UMA BOA VACINA? O QUE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO NA HORA DE VACINAR UM ANIMAL/PACIENTE?
  • VACINAS Todo e qualquer imunógeno empregado para ativar uma resposta imune específica a determinado agente infeccioso e/ou toxina produzida por estes, com o objetivo de mimetizar uma resposta imune primária, e conseqüente desenvolvimento de memória imunológica protetora e de longo termo.
  • VACINAS Imunização Ativa – Indução de Resposta Imunológica, com produção de células de memória e imunidade de longo termo Imunização Passiva – Inoculação de efetores de resposta imunológica, sem a indução da formação de memória, nem imunidade de longo termo
  • VACINAS Meio mais eficaz para prevenir doenças infecciosas.
  • VACINAS como escolher um antígeno para vacina? Antígeno Imunodominante – Molécula presente em uma solução de antígenos que apresenta uma maior capacidade de induzir produção de anticorpos e/ou levar a ativação de linfócitos
  • VACINAS como escolher um antígeno para vacina? Restrição do antígeno a MHC
  • VACINAS como escolher um antígeno para vacina?
    • Características ideais para um antígeno vacinal
    • Estabilidade em solução
    • Definição química
    • Pureza
    • Suscitar a produção de anticorpos e ativação de linfócitos
    • Suscitar o desenvolvimento de memória imunológica
    • Fácil obtenção, com o menor custo possível
    • Não conter contaminantes decorrentes do processo de produção e purificação
  • VACINAS como escolher um antígeno para vacina?
  • VACINAS As boas características de uma vacina
  • VACINAS Adjuvantes – Substâncias administradas juntamente com os antígenos vacinais, que têm como função aumentar o potencial imunogênico da vacina
  • VACINAS como escolher um antígeno para vacina?
    • Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
    • Idade
    • Gestação
    • Status Alimentar
    • Status imunológico
    • Terapias concomitantes
    • Doenças concomitantes
  • VACINAS como escolher um antígeno para vacina?
    • Características fundamentais do esquema vacinal
    • Dose
    • Adjuvante utilizado
    • Via de administração
    • -Freqüência
    • - Uso de sstimulantes inespecíficos
  • VACINAS Principais tipos de vacinas: Vacina de microorganismo inativado ou morto Vacina de microorganismo vivo atenuado Vacina de microorganismo vivo modificado Vacina de subunidades: Proteínas Nativas Vacinas de Subunidades: Proteínas Recombinantes Vacinas de subunidades: Peptídeos Sintéticos Vacinas de DNA Vacinas de Vetores Modificados
  • VACINAS MAIS AMPLAMENTE UTILIZADAS
  • VACINAS AINDA NÃO EXISTENTES
  • VACINAS AINDA NÃO EXISTENTES
  • VACINAS ESTÁGIO-ESPECÍFICAS
  • VACINAS DE MICROORGANISMOS INATIVADOS
    • Tipo de vacina que apresenta alto nível de segurança
    • Microorganismos podem ser inativados por radiação, por altas temperaturas, por gradientes de pH...
    • Apesar de ser uma vacina segura, e eficaz em grande parte das vezes, é uma vacina que induz uma resposta imune limitada, devido ao organismo que o compões não ter capacidade de multiplicação, ficando exposto dessa forma a uma parcela pequena de células do Sistema Imune.
    • Problemas de segurança se o mo não for devidamente inativado
    • Induzem boa resposta imune celular, baixa resposta imune celular
    • Baixo custo
  • VACINAS MICROORGANISMOS MORTOS OU INATIVADOS
  • VACINAS DE MICROORGANISMOS ATENUADOS
    • Processo de atenuação do microorganismo
  • VACINAS DE MICROORGANISMOS ATENUADOS
    • Vacina com maior eficácia, devido ao fato do microorganismo ainda possuir capacidade de multiplicação
    • (Vacina com x mo – Resposta imune a x n mos)
    • Induz boa resposta imune celular e humoral
    • Problemas de segurança em indivíduos imunodeprimidos, mal nutridos, idosos, com administração de corticóides...
    • Problemas de segurança se não acontecer a devida atenuação
    • Baixo custo
    • Rigor na manutenção da vacina
  • VACINAS MICROORGANISMOS ATENUADOS
  • VACINAS DE MICROORGANISMOS MODIFICADOS
    • Vacina produzidas com microorganismos modificados geneticamente, os quais sofrem deleção ou inativação dos genes que codificam para fatores de virulência
    • Boa resposta celular e humoral
    • Vantagens e problemas inerentes a organismos atenuados
    • Verificação períodica da completa inativação dos genes de fatores de virulência
    • Rigor na manutenção da vacina
    • Induz memória de longo prazo
  • VACINAS DE MICROORGANISMOS MODIFICADOS
  • VACINAS DE SUBUNIDADES
    • O desenvolvimento de uma vacina de subunidade começa com a identificação do antígeno imunodominante de um microorganismo – aquele que induz uma maior produção de anticorpos e/ou maior ativação de Linf. T
    • Direcionamento da resposta imunológica para o antígeno de interesse vacinal
    • Antígeno protetor X Antígeno de mimecrismo molecular
    • Dois tipos: nativa e recombinante
  • VACINAS SUBUNIDADES
  • VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA NATIVA
    • Purificada diretamente do mo
    • Meios de purificação: cromatografia, extração com solventes orgânicos
    • Alto custo devido a manutenção do mo em cultura em laboratório
    • Problemas com a purificação – efeitos colaterais tais como toxicidade, hipersensibilidades
    • Bom indutor de resposta humoral, médio indutor de resposta celular
  • VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA RECOMBINANTE
    • Identificação do gene que codifica para a proteína imunodominante
    • Amplificação do gene
    • Inserção do gene em uma bactéria ou fungo
    • Indução da produção da proteína pelo fungo ou bactéria
    • Purificação da proteína
    • Associação com adjuvante
  • VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA RECOMBINANTE
    • Baixo custo em produção em larga escala
    • Definição química
    • Problemas de purificação
    • Boa indução de resposta humoral, e celular
    • Rigor com a estabilidade da vacina
  • VACINAS DE SUBUNIDADES PEPTÍDEOS SINTÉTICOS
    • Identificação no antígeno imunodominante de epitopos B, epitopos para ancoragem em MHC Tipo I (CD4), Tipo II (CD8) – Direcionamento da resposta para celular ou humoral
    • Montagem de peptídeos em laboratório – Síntese a partir de solução de aminoácidos
    • Baixo custo quando produzido em larga escala
    • Purificação e definição química
    • Restrição à MHC – resultados variáveis em diferentes populações
    • Baixa estabilidade
  • VACINAS DE SUBUNIDADES PEPTÍDEOS SINTÉTICOS
  • VACINAS DE DNA
    • Identificação do gene que codifica para a proteína imunodominante
    • Amplificação do gene por PCR
    • Ligação desse gene a um plasmídeo
    • Inoculação desse gene por gene gun
    • Expressão da proteína nas células
    • Apresentação por MHC Tipo I para Linfócitos T CD4
  • VACINAS DE DNA
    • Conseguem induzir uma potente resposta imune celular
    • Ideal para agentes intracelulares
    • Estáveis em solução
    • Baixo custo de produção
    • Ainda experimentais
  • VACINAS DE DNA
  • VACINAS DE DNA
  • VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
    • Identificação do gene que codifica a proteína imunodominante
    • Amplificação do gene
    • Inserção em um plasmídeo
    • Recombinação em um vírus
    • Crescimento do vírus
    • Inoculação do vírus
  • VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
  • VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
  • VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
  •  
  • VACINAS PARA TOXINAS
  • VACINAS PARA IMUNOTERAPIA