Orgãos Linfóides Primários e Secundários

69,588 views
68,654 views

Published on

Aula teórica ICS 045 - UFBA- Orgãos Linfóides Primários e Secundários

Published in: Health & Medicine
2 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
69,588
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
190
Actions
Shares
0
Downloads
717
Comments
2
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Orgãos Linfóides Primários e Secundários

  1. 1. ORGÃOS LINFÓIDES
  2. 2. Os órgãos linfóides podem ser classificados em dois grupos: <ul><li>Primários </li></ul><ul><li>Secundários </li></ul>
  3. 3. ÓRGÃOS LINFÓIDES CENTRAIS OU PRIMÁRIOS <ul><li>Medula Óssea </li></ul><ul><li>Timo </li></ul><ul><li>Bursa de Fabricius (aves) </li></ul>Nesses órgãos os linfócitos se originam, são maturados e são suprimidos ou inativados se reconhecerem auto-antígenos.
  4. 4. Populações de Linfócitos <ul><li>Linfócitos T </li></ul><ul><li>-CD4 + ( Auxiliar, regulação da resposta imune) </li></ul><ul><li>-CD8 + (Citotóxica) </li></ul><ul><li>Linfócitos B ( Plasmócitos produção de Anticorpos) </li></ul><ul><li>Linfócitos NK ( Atividade citolítica inespecífica) </li></ul>
  5. 5. BURSA (aves) MEDULA ÓSSEA (mamíferos) TIMO SANGUE SANGUE E LINFA MEDULA ÓSSEA ORIGEM SÍTIO DE DESENVOLVIMENTO PRINCIPAL DESTINO Maturação de linfócitos T e B CÉLULA INDIFERENCIADA Linf. B Linf. T LINFONODO MEDULA ÓSSEA BAÇO MALT R E C I R R C U L A Ç Ã O Acompanhe o caminho seguido pelo linfócito, da medula óssea onde são primariamente gerados, até o órgão linfóide secundário
  6. 6. Linfócitos e os diferentes tipos de fagócitos mononucleares, aí incluindo as diversas populações de células apresentado- ras de antígeno, compõem o tecido linfóide, que pode ser frouxo, denso e nodular. Veja: frouxo denso nodular nódulo em formação frouxo denso centro germinativo manto
  7. 7. Órgãos Linfóides Primários
  8. 8. Medula Óssea
  9. 9. MEDULA ÓSSEA Trabécula óssea
  10. 10. HEMATOPOIESE ERITRÓCITO PLAQUETAS BASÓFILO EOSINÓFILO NEUTRÓFILO MONÓCITO LINFÓCITO T LINFÓCITO B PROGENITOR MIELÓIDE PROGENITOR LINFÓIDE PROGENITOR PLURIPOTENTE CÉLULA TRONCO
  11. 11. TIMO
  12. 12. <ul><li>O timo é um órgão bilobado, situado no mediastino anterior. Cada lobo é dividido em múltiplos lóbulos por septos fibrosos. Cada lóbulo consiste de um córtex e uma medula. </li></ul>Localização e estrutura do timo TIMO
  13. 13. Órgãos Linfóides Primários <ul><li>Dispersas por todo o timo, além dos linfócitos T, estão células reticulares epiteliais, células dendríticas interdigitantes (IDC) e macrófagos. Na medula, encontramos os corpúsculos de Hassall, que são compostos de espirais de células reticulares epiteliais. </li></ul>As vênulas de endotélio alto estão presentes no timo e em alguns órgãos linfóides secundários. Elas são a principal via de chegada de linfócitos endereçados para esses órgãos.
  14. 14. Trabécula Epitélio sub-capsular Junção córtico-medular Corpúsculo de Hassall Célula do epitélio cortical Timócito Célula epitelial medular Célula dendrítica Macrófago Organização Celular do Timo C Ó R T E X M E D U L A Janeway, C. A.; Travers, P., Immunobiology, Current Biology, 1994
  15. 15. Nos mamíferos o timo atrofia com a idade, quando também, o tecido linfóide é substituído por tecido adiposo. A atrofia tímica, no homem, inicia-se na puberdade e continua ao longo da vida do indivíduo através de um processo que se inicia no córtex. M=Medula, C=Córtex e A=Adipócitos Essa atrofia está associada a ação de corticoesteróides. Timo Jovem
  16. 16. Nos mamíferos o timo atrofia com a idade, quando também, o tecido linfóide é substituído por tecido adiposo. A atrofia tímica, no homem, inicia-se na puberdade e continua ao longo da vida do indivíduo através de um processo que se inicia no córtex. M=Medula, C=Córtex e A=Adipócitos Essa atrofia está associada a ação de corticoesteróides. Timo Adulto
  17. 17. Depois de maduros, os linfócitos T deixam o timo e migram para outros tecidos. Acompanhe de novo o trajeto, a partir da medula óssea: medula óssea (esterno) timo tonsila linfonodos baço placas de Peyer apêndice cecal medula timo timo órg. secundários
  18. 18. BURSA DE FABRICIUS
  19. 19. Órgãos Linfóides Primários BURSA DE FABRICIUS <ul><li>A Bursa de Fabricius possui estrutura histológica semelhante ao Timo. Também é dividida em lóbulos (nódulos, para alguns autores). </li></ul><ul><li>Ela está presente nas aves. </li></ul><ul><li>Está localizada na parede do intestino grosso, na cloaca. </li></ul><ul><li>É responsável pela maturação dos linfócitos B. </li></ul>Clique na imagem para vê-la ampliada.
  20. 20. VISÃO HISTOLÓGICA DA BURSA DE FABRICIUS A Bursa de Fabricius possui estrutura histológica semelhante ao Timo. Tam- bém é dividida em lóbulos (nódulos, para alguns autores). ZOOM Luz intestinal Epitélio intestinal Lóbulo Córtex Medula
  21. 21. ÓRGÃOS LINFOIDES SECUNDÁRIOS
  22. 22. Órgãos Linfóides Secundários Baço Tonsilas “ MALT”: apêndice, placas de Peyer, tonsilas... Uma cadeia de linfonodos
  23. 23. LINFONODO
  24. 24. Estrutura do linfonodo Trabécula Centro Germinativo no folículo Cápsula Vasos linfáticos aferentes Sinus medular Cordão medular
  25. 25. HISTOLOGIA : C: córtex; S: seio; F: folículo; Cx: córtex; T: trabécula; MC: cordão medular P: paracórtex; T: trabécula, H: hilo Wheater, R., Histologia Funcional, 1a. ed., Ed. Guanabara Koogan, 2001.
  26. 26. BAÇO
  27. 27. O baço está interposto na circulação sangüínea, interagindo e respondendo aos antígenos aí presentes. É um órgão hemocitopóiético na vida fetal, além de fazer hemocaterese.
  28. 28. bainha periarteriolar (zona T) polpa vermelha folículo com centro germinativo área B polpa branca: folículo Bainha periarteriolar polpa vermelha : seios (com hemácias) cordões de Bilroth
  29. 29. OUTROS ÓRGÃOS LINFOIDES PERIFÉRICOS
  30. 30. APÊNDICE CG CG TONSILA CENTRO GERMINATIVO MALT (TECIDO LINFOIDE ASSOCIADO ÀS MUCOSAS)
  31. 31. PLACAS DE PEYER
  32. 32. FIM

×