Imunidades das mucosas

19,376 views
18,789 views

Published on

Aula teorica Imunologia ICS 045 - UFBA - Imunidades das mucosas

Published in: Technology, Health & Medicine
1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
19,376
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
336
Actions
Shares
0
Downloads
318
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Imunidades das mucosas

  1. 1. Msc: Patrícia Cisneiros patríciacisneiros@yahoo.com.br
  2. 2. O sistema Imunológico das mucosas é constituído pelos tecidos Linfóides que estão associados às superfícies mucosas do trato Gastrintestinal, das vias respiratórias e do trato urogenital. Possui um sistema de residência celular orientado para a mucosa, que permite a migração seletiva dos linfócitos, inicialmente ativados nos folículos da mucosa, para os tecidos linfóides mucosos difusos subjacentes ao epitélio.
  3. 3. • Microbiota bacteriana residente. • Atividade motora da mucosa. • Ácido gástrico e sais biliares. • Secreções de mucosas que criam uma barreira (glicocálice). • Fatores humorais inatos: Lactoferrina, Lctoperoxidase e Lisosimas. Fatores protetores não-imunológicos
  4. 4. Tecidos Linfóides Associados à Mucosa (MALT) Agregados de tecido linfóide não encapsulado Encontrados particularmente na lâmina própria e na submucosa dos tratos gastrointestinal, genitourinário e respiratório. São locais de respostas imunes a antígenos que superam a barreira epitelial.
  5. 5. Tecidos linfóides associados a mucosas (MALT): -Tecido linfóide associado ao intestino (GALT) -Tecido linfóide associado aos tecidos nasais e faringeanos (NALT) -Tecido linfóide associado a pele (SALT) -Tecido linfóide associado aos ductos glandulares (DALT) -Tecido linfóide associado aos brônquios (BALT)
  6. 6. Imunidade das mucosasImunidade das mucosas Anatomia do sistemaAnatomia do sistema 1- Tecido linfóide organizado em folículos mucosos ( GALT e BALT) – células M – Células da área em cúpula (logo abaixo do epitélio n folículo linf.) – células T foliculares (TCD4+ em todo o folículo e TCD8+ interfoliar) – células B foliculares (abaixo da área em cúpula, sIgA, zonas externas sIgM e sIgD) 2- Tecido linfóide difuso - linfócitos intraepiteliais (maioria TCD8+ e TCR γδ) - células da lâmina própria: Células T (principalmente CD4+ TCRαβ Células B, (produz mais IgA2)
  7. 7. Célula dendrítica folicular Estruturas de folículo linfóide ( tonsilas e placas de Peyer) Linfócito B Macrófago Linfócito T
  8. 8. Estrutura de um tecido linfóide difuso
  9. 9. Imunidade das mucosas • Sistema imune mucoso: 1- fase fluída ( externa á camada epitelial- serosa e muco); 2-fase estática ( epitélio e tecido conectivo) 3- fase móvel ( sangue)
  10. 10. Alguns componentes das 3 fases: • Fase Fluída a) mucosa- mucinas e histatinas b) serosa- lactoferrina, lisozima e peroxidase salivar (factores não- específicos) e aínda anticorpos sIgA • Fase estática a) epitélio - subst. antimicrobicidas e lisozomais b) tec.conectivo- cel. de langerhans, linfócitos,mastócitos, cel. Dendríticas periféricas • Fase móvel Neutrófilos, monócitos, linfócitos T e B e células NK Nos humanos a maior parte da IgA circulante é produzida na MO, baço e nódulos linfáticos, na forma de monómeros, enquanto que a IgA secretada produzida essencialmente nas mucosas é dimérica ou polimérica.
  11. 11. Imunoglobulina AImunoglobulina A • Propriedades – Segunda mais abundante no soro. – Principal Ig das secreções (Mucosas ou Imunidade local). – Lágrimas, saliva, suco gástrico e secreções pulmonares. – A ligação da IgA ao SC torna a imunoglobulina resstente digestão proteolítica – Não fixa Complemento – Neutraliza vírus e bactérias
  12. 12. • Estrutura – Monomérica no soro – Secreções (sIgA) • Dímeros (11S) • J chain • Componente secretório J Chain Secretory Piece Imunoglobulina AImunoglobulina A
  13. 13. anticorpos anticorpos
  14. 14. Outras imunoglobulinasOutras imunoglobulinas (em menor quantidade)(em menor quantidade) Ocorre normalmente Pode substituir a IgA em indivíduos deficientes de IgA. Níveis muitos baixos nas áreas de mucosas, não pode ser transportada através do epitélio, mas tem importante papel na defesa do trato pulmonar distal. Sintetizada nos tecidos de mucosa particularmente nas infecções parasitárias e certos estados alérgicos.
  15. 15. Imunidade do leite maternoImunidade do leite materno – Lactoferrina – bacteriostática – Lactoperoxidase - Junto com o peróxido de hidrogênio forma sistema antibacteriano. – Leucócitos - 90% macrófagos e 10% linfócitos (alguns são os linfócitos T capazes de transferir reações de hipersensibilidade da mãe para a criança outros são os B que sintetizam as IgAs secretórias. – Os linfócitos também produzem interferon, que inibe a duplicação viral intracelular)..
  16. 16. Os componentes solúveis e particulados na secreção do leite materno fornecem uma proteção essencial ao recém-nascido contra doenças infecciosas. Um possível efeito salutar final do aleitamento está relacionado a capacidade da IgA de impedir a absorção de certas proteínas, quando o lactente ainda está suscetível a reações alergicas .
  17. 17.  Mecanismo especializado que torna o sistema imunológico das mucosas incapaz de responder a antígenos orais.  Mediado por células T regulatórias produtoras de TGF-β e IL-10  Antígenos polissacarídicos não induzem tolerância. Tolerância OralTolerância Oral
  18. 18. Tolerância OralTolerância Oral  As respostas imunes das mucosas ocorrem quando os antígenos proteícos solúveis são acompanhados de adjuvantes ou quando possuem a capacidade de superar os mecanismos tolerogênicos das mucosas.  Um resposta inicial Th1 é vigorosa o suficiente para suprimir a reposta Th3 ou tolerogênica.  A toxina da cólera atua como forte adjuvantes das mucosas e induzem respostas imunogênicas orais, mais do que respostas tolerogênicas.
  19. 19. Tolerância OralTolerância Oral Fatores que inflenciam na tolerância oral:  Dose do antígeno  Constituição genética do hospedeiro  Imunização prévia e o nível de ativação imunológica global.

×