Administração Estratégica Modulo 2 - Mestrado UFF

3,586 views

Published on

Módulo 2 da disciplina de administração estratégica do Mestrado da Universidade Federal Fluminense

Published in: Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,586
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
303
Actions
Shares
0
Downloads
219
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Administração Estratégica Modulo 2 - Mestrado UFF

  1. 1. Administração Estratégica <br />José Rodrigues de Farias Filho<br />rodrigues@labceo.uff.br<br />www.labceo.uff.br<br />
  2. 2. Análise Ambiental da Indústria<br />2<br />
  3. 3. Agenda<br />3<br /><ul><li>Globalização
  4. 4. Conceituação;
  5. 5. Aspectos Históricos;
  6. 6. Análise Ambiental & Competitividade Industrial
  7. 7. Análise Ambiental da Competitividade;
  8. 8. Competitividade Nacional;
  9. 9. Competitividade Regional & Setorial;
  10. 10. Competitividade Industrial;
  11. 11. Competitividade Empresarial;
  12. 12. Competitividade Funcional.</li></li></ul><li>4<br />O que é Globalização<br />Consideramos a globalização um processo sócio-histórico caracterizado por três dimensões totalizantes e contraditórias – primeiro, a globalização como ideologia (a sua dimensão contingente e midiática); segundo, a globalização como mundialização do capital (o seu nexo essencial e que confere sentido sócio-histórico ao processo em geral) e, terceiro, a globalização como processo civilizatório humano-genérico (a dimensão pressuposta e que dá ao processo de globalização uma natureza profundamente contraditória). <br />Giovanni Alves<br />&quot;Dimensões da Globalização - O Capital e Suas Contradições&quot; (Editora Praxis, 2001) <br />
  13. 13. 5<br />O que é Globalização<br />“O conceito de mundialização ou globalização (...) foi utilizado para referir-se à crescente gravitação dos processos financeiros, econômicos, ambientais, políticos, sociais e culturais de alcance mundial sobre aqueles de caráter regional, nacional ou local. Nossa acepção, portanto, insiste no caráter multidimensional da globalização. Com feito, ainda que as dimensões econômicas sejam distintas, elas evoluem de maneira concomitante aos processos não-econômicos, que têm sua própria dinâmica (...). A dinâmica do processo de globalização é determinada, em grande parte, pelo caráter desigual dos atores que participam de sua formação. Em sua evolução, exercem uma influência preponderante aos governos dos países desenvolvidos, além das empresas transnacionais e, em menor grau, os governos dos países em desenvolvimento e as organizações da sociedade civil.<br />CEPAL (Globalização e Desenvolvimento, (2002: p17)<br />
  14. 14. Globalização segundo Thurow<br /><ul><li> O fim do comunismo como falência de uma proposta totalitária precedentemente existente;
  15. 15. as mudanças tecnológicas - a era da inteligência humana;
  16. 16. uma demografia inédita e revolucionária;
  17. 17. uma economia globalizada;
  18. 18. uma era multipolar que desconhece qualquer tipo de dominância econômica, política ou militar por qualquer nação.</li></ul>6<br />
  19. 19. Globalização como uma internacionalização do capital e produtiva<br /><ul><li>a crescente competição imposta pelos atores globais, aproximando espaços econômicos, difundindo seus padrões competitivos e ameaçando outros atores e atividades menos competitivos e cada vez mais numerosos;
  20. 20. a facilidade com que produtos, informações e conhecimento tendem a circular no universo econômico mundial – seja via eletrônica, seja via meios de transporte cada vez menos custosos – viabilizando a globalização dos mercados;
  21. 21. a crescente presença da produção flexível, graças às novas tecnologias, aumentando a produtividade e redefinindo o perfil da do trabalhado humano; </li></ul>7<br />
  22. 22. Globalização como uma internacionalização do capital e produtiva<br /><ul><li>a redefinição das relações entre produtos e clientes e entre produtores e fornecedores – chegando até os consórcios produtivos;
  23. 23. a homogeneização crescente de padrões de produção, gestão, competição e até de consumo;
  24. 24. a crescente desregulamentação e flexibilização das regras das economias nacionais por pressão à redução dos entraves à globalização.</li></ul>8<br />
  25. 25. Ciclo Histórico<br />Independência de <br />Portugal<br />Séc. XV – XVI<br />Emergência do Estado Moderno<br />Séc. XXI - Emergência das Comunidades Regionais Supranacionais<br />1648<br />2002<br />1990<br />1128<br />2001<br />Tratados de Vestefália<br />Poder Político Centralizado & Territorialidade<br />Tratado de Maastricht<br />Poder Político Descentralizado, Cooperação & “Desterritorialidade”<br />
  26. 26. Ciclo Histórico<br /><ul><li> Comunidade Européia,
  27. 27. NAFTA,
  28. 28. Mercosul,
  29. 29. OMC,
  30. 30. Fórum Social,
  31. 31. Fórum Mundial,
  32. 32. Projeto da ALCA,
  33. 33. Liberalismo
  34. 34. Econômico
  35. 35. Empresas Transnacionais
  36. 36. Internet,
  37. 37. Etc...</li></ul>1990<br />2001<br />2002<br /><ul><li>Volatilidade dos mercados de capitais;
  38. 38. Incerteza crescente;
  39. 39. Ambigüidades crescentes;
  40. 40. Erosão de fronteiras;
  41. 41. Interdependência crescente;
  42. 42. Assimetria no desenvolvimento;
  43. 43. Segurança no controle de fronteiras;
  44. 44. Segurança nacional.</li></ul>Processo Liberal<br />Consenso de Washington<br />Aceleração da Globalização<br />Relações Financeiras<br />Comercial<br />
  45. 45. 11<br />Fases da Globalização<br />A primeira fase da globalização, de 1870 até 1913, caracterizou-se por uma ampla mobilidade internacional de capitais e de mão-de-obra, e pela extensão, a partir de 1870, do padrão-ouro como sistema de pagamentos internacionais e regulamentação macroeconômica. (...) também caracterizou-se pelo surgimento de novas formas de regulamentação estatal, tanto nas áreas econômicas (moeda e sistema financeiro), como sociais (princípios de proteção do trabalho e seguro social) e, especialmente, pela subsistência de várias restrições ao livre comércio de bens.<br />A segunda fase da globalização, de 1945 até 1973, caracterizou-se pelo grande esforço para desenvolver instituições de cooperação internacional em matéria financeira e comercial, e pela existência de uma grande variedade de modelos de organização econômica no mundo inteiro, e por uma baixa mobilidade de capitais e de mão-de-obra.<br />A terceira fase da globalização, da metade da década de 70 até hoje, cujos atributos centrais são a gradual generalização do livre comércio, a crescente presença das empresas transnacionais no cenário mundial sob a modalidade de sistemas de produção integrados, o crescimento e a elevada mobilidade dos capitais, e uma notável tendência à homogeneização dos modelos de desenvolvimento, além da subsistência de restrições aos movimentos da mão-de-obra.<br />CEPAL (Globalização e Desenvolvimento, (2002: p18/19<br />
  46. 46. Globalização<br />Interdependências & Integração<br />12<br />
  47. 47. 13<br />O mundo econômico<br />Fonte: CIA<br />
  48. 48. 14<br />Características<br />Liberação do comércio mundial:<br /><ul><li>Acordos multilaterais de comércio (OMC);
  49. 49. Integração regional (CE, ALCAN, ALCA, Mercosul, ASEAN, União Africana);</li></ul>Redução dos custos de transporte:<br />Redução dos custos de comunicação e coordenação:<br /><ul><li>Novas tecnologias de informação;
  50. 50. Maturidade das tecnologias mais antigas.</li></li></ul><li>15<br />Empresa: o principal ator global<br />É a única organização que se transformou:<br /><ul><li>Converteu-se num ator verdadeiramente global (ao contrário dos governos, por exemplo);</li></ul>A nossa sociedade atribui prioridade à tecnologia e ao aumento do número de ferramentas:<br /><ul><li>São as empresas as produtoras dessas ferramentas;</li></ul>O fim da guerra fria converteu-as no elemento chave de produção de riqueza e criação de emprego em quase todo o mundo.<br />
  51. 51. 16<br />A atuação dos Governos<br />Estratégia reativa face às condições econômicas e à evolução tecnológica:<br /><ul><li>A incapacidade intrínseca dos governos para se internacionalizarem limita fortemente a sua capacidade de atuação;</li></ul>Contudo, a importância dos governos tem vindo a aumentar, não a diminuir:<br /><ul><li>São responsáveis pela criação de “fatores avançados” críticos para a competitividade das empresas:</li></ul>Educação, infra-estrutura, regulação e política de concorrência, política fiscal e gastos públicos.<br />
  52. 52. 17<br />Geografia do Comércio Mundial<br />
  53. 53. 18<br />Mercosul<br />
  54. 54. 19<br />Comunidade Européia<br />
  55. 55. 20<br />NAFTAou ALCAN<br />
  56. 56. 21<br />ALCA<br />
  57. 57. 22<br />ASEAN<br />
  58. 58. 23<br />União Africana<br />
  59. 59. 24<br />
  60. 60. Análise Ambiental da Indústria<br />Análise Ambiental & Competitividade Industrial<br />25<br />
  61. 61. 26<br />Competitividade Nacional<br />Competitividade Regional/Setorial<br />Competitividade Industrial<br />Competitividade Empresarial<br />Competitividade Funcional<br />Caleidoscópio da Competitividade<br />Análise Ambiental da Competitividade<br />Desenvolvimento Sustentável<br />
  62. 62. Análise Ambiental & Competitividade Industrial<br />Análise Ambientalda Competitividade<br />Modelo James E. Austin<br />27<br />
  63. 63. 28<br />Fatores<br />Econômicos<br />Ambiente Internacional<br />Fatores<br />Políticos<br />Transações <br />dos Mercados<br />Acordos<br />Bilaterais<br />Ambiente da Nação<br />Ambiente da Indústria<br />Empresa <br />Estratégia<br />e<br />Operações<br />Mecanismos <br />Multilaterais<br />Estrutura e Dinâmica<br />Fatores<br />Culturais<br />Fatores<br />Demográficos<br />Indústrias <br />Globais<br />Estratégias e Políticas<br />Governamentais<br />Modelo de Análise Ambiental<br />
  64. 64. 29<br />Níveis Ambientais: O Nível Internacional<br />Fatores<br />Econômicos<br />Fatores<br />Políticos<br />Ambiente Internacional<br />País<br />B<br />País<br />A<br />Interações Internacionais<br />Acordos<br />Bilaterais<br />Transações <br />dos Mercados<br />Fluxo de <br />Recursos<br />Mecanismos <br />Multilaterais<br />Indústrias <br />Globais<br />País <br />D<br />País<br />C<br />Fatores Culturais<br />Fatores<br />Demográficos<br />
  65. 65. 30<br />Banco Mundial<br />OMS<br />Corte de Justiça <br />Internacional<br />Níveis Ambientais: O Nível Internacional Mecanismos Multilaterais<br />
  66. 66. 31<br />Vínculos internacionais de Ambientes Nacionais por Indústrias Globais<br />Nexus Internacional<br />GLOBAL<br />INDÚSTRIA<br />País <br />A<br />Empresa<br />B<br />Empresa<br />A<br />País <br />B<br />Nexus Internacional<br />
  67. 67. 32<br />Indústrias GlobaisGrupo Gerdau<br /><ul><li>Aços para a Construção Civil;
  68. 68. Aços para a Indústria em Geral;
  69. 69. Agropecuária;
  70. 70. Pregos;
  71. 71. Aços Especiais;
  72. 72. Comercial Gerdau;
  73. 73. Banco Gerdau;
  74. 74. Gerdau Florestal.</li></li></ul><li>33<br />Urbanos<br />Rodoviários<br />Produtos<br />Micros<br />Indústrias GlobaisGrupo Marcopolo<br />
  75. 75. 34<br />Indústrias GlobaisEmbraer<br />A Embraer é a quarta maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo, posição alcançada graças à excelência de seus produtos e à tecnologia de ponta no segmento aeroespacial. Com mais de 30 anos de experiência em projeto, fabricação, comercialização e pós-venda, a empresa já entregou cerca de 5.500 aviões, que estão em operação nos diversos pontos do globo. A Embraer tem uma base global de clientes e importantes parceiros de renome mundial, o que resulta em uma significativa participação no mercado. Desde 1999 a Embraer é o maior exportador brasileiro e emprega atualmente mais de 11.000 funcionários, contribuindo para a geração de mais de 3.000 empregos indiretos.<br />
  76. 76. 35<br />Indústrias GlobaisEmbraer<br />
  77. 77. 36<br />ESTRATÉGIAS E METAS NACIONAIS<br />Fatores<br />Econômicos<br />Fatores<br />Políticos<br />Políticas Nacionais<br />Instrumentos de Política<br />Indústria<br />Empresa<br />Ambiente da Indústria<br />Ambiente da Nação<br />Ambiente Internacional<br />Fatores<br />Culturais<br />Fatores<br />Demográficos<br />Impacto de Estratégias do Governo<br />
  78. 78. 37<br />Banco Central<br />Níveis Ambientais: O Nível NacionalPolíticas Públicas<br />
  79. 79. 38<br />Brasil : Evolução do Índice de Desenvolvimento Humano, 1975-2000<br />0,8<br />0,757<br />0,75<br />0,737<br />0,713<br />0,7<br />0,692<br />0,679<br />0,65<br />0,644<br />0,6<br />1975<br />1980<br />1985<br />1990<br />1995<br />2000<br />IDH brasileiro de 1975 a 2002<br />Fonte: http://www.ipea.gov.br/ <br />
  80. 80. 39<br />IDH do Brasil<br />
  81. 81. 40<br />AS 3 DIMENSÔES DO IDH<br />O IDH sintetiza três índices, que medem o desenvolvimento: longevidade, educação e renda. Pelo triângulo laranja, que expressa a média mundial, nota-se que a dimensão educação (0,75) é a mais avançada, e longevidade (0,70), a menos<br />Índice de saúde (longevidade)<br />A DISTÂNCIA ATÉ O 1o. MUNDO<br />Representado pelo triângulo azul, o Brasil se aproxima mais dos países ricos (triângulo verde) na dimensão educação (diferença de 0,14) e fica mais distante na variável renda (diferença de 0,22)<br />O BRASIL E O MUNDO<br />O Brasil (azul) tem o mesmo índice de renda da média mundial e da América Latina. Supera a média dos 173 países pesquisados em educação, mas fica abaixo da média latino-americana em expectativa de vida<br />Índice de renda (PIB per capita)<br />Índice de educação (matrícula e alfabetização)<br />
  82. 82. 41<br />
  83. 83. 42<br />
  84. 84. 43<br />
  85. 85. 44<br />
  86. 86. 45<br />Fonte: CIA World Factbook - Janeiro 1, 2009<br />
  87. 87. 46<br />Metas de Desenvolvimento do Milênio<br />Erradicar a extrema pobreza e a fome;<br />Atingir o ensino básico universal;<br />Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres;<br />Reduzir a mortalidade infantil;<br />Melhorar a saúde materna;<br />Combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças;<br />Garantir a sustentabilidade ambiental;<br />Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento.<br />
  88. 88. 47<br />Participantes en PISA<br />
  89. 89. 48<br />Forma de medição PISA<br />
  90. 90. 49<br />Ranking da atitude para leitura<br />
  91. 91. 50<br />Desempenho e gasto por aluno<br />
  92. 92. 51<br />Desempenho dos Estudantes e PIB<br />
  93. 93. 52<br />ANA<br />Níveis Ambientais: O Nível NacionalAgências Regulatórias<br />
  94. 94. 53<br />Fatores<br />Econômicos<br />Fatores<br />Políticos<br />Fatores<br />Culturais<br />Fatores<br />Demográficos<br />Ambiente da Indústria<br />Ambiente da Nação<br />Ambiente Internacional<br />Níveis Ambientais: O Nível da Indústria<br />AMBIENTE DA INDÚSTRIA<br />Controle dos Recursos governamentais e Poder Regulatório<br />Grupos<br />de Negócios<br />Empresas locais <br />&<br />Cooperativas<br />Empresa<br />Estatais<br />Estrutura & Dinâmica Competitiva<br />Produtores<br />do Setor Informal<br />Corporações<br />Multinacionais<br />
  95. 95. 54<br />Análise ao Nível da Indústria<br />Fatores<br />Econômicos<br />Fatores<br />Políticos<br />Governo<br />Controle de Recursos & Regulação<br />Grupos<br />de Negócios<br />Empresa<br />Estatais<br />Barreiras à entrada<br />Entrantes Potenciais<br />Poder de negociação<br />Poder de negociação<br />Governo<br />Empresas locais <br />&<br />Cooperativas<br />Rivalidade Competitiva<br />Fornecedores<br />Compradores<br />Controle dos Recursos e Regulação<br />Ameaças<br />Produtos Substitutos<br />Produtores<br />do Setor<br />Informal<br />Corporações<br />Multinacionais<br />Fatores<br />Culturais<br />Fatores<br />Demográficos<br />
  96. 96. 55<br />Níveis Ambientais: O Nível da Empresa<br />Funções da Administração Central<br />Estratégia Financeira<br />Estratégia dos Recursos Humanos<br />Fatores<br />Econômicos<br />Ambiente Internacional<br />Fatores<br />Políticos<br />Estratégia da Tecnologia<br />Desenvolvimento de Tecnologia<br />Margem<br />Aquisição<br />Estratégia de Aquisição<br />Transações <br />dos Mercados<br />Logística <br />de <br />Saída<br />Marketing <br />e Vendas<br />Acordos<br />Bilaterais<br />Logística<br /> de <br />Entrada<br />Margem<br />Serviço<br />Operações<br />Ambiente da Nação<br />Estratégia de Marketing<br />Estratégia de Manufatura<br />Ambiente da Indústria<br />Infra-estrutura da Empresa<br />Empresa <br />Estratégia<br />e<br />Operações<br />Gerência de Recursos Humanos<br />Mecanismos <br />Multilaterais<br />Estrutura e Dinâmica<br />Fatores<br />Culturais<br />Indústrias <br />Globais<br />Fatores<br />Demográficos<br />Estratégias e Políticas<br />Governamentais<br />
  97. 97. 56<br />Caleidoscópio da Competitividade<br />Competitividade Nacional<br />Competitividade Regional/Setorial<br />Competitividade Industrial<br />Competitividade Empresarial<br />Competitividade Funcional<br />Análise Ambiental da Competitividade<br />Desenvolvimento Sustentável<br />
  98. 98. Análise Ambiental & Competitividade Industrial<br />Competitividade Nacional<br />Modelos do IMD & WEF<br />http://www.imd.ch & http://www.weforum.org/<br />57<br />
  99. 99. 58<br />O Anuário sobre Competitividade do IMD é uma pesquisa de âmbito mundial que analisa e classifica as nações na sua habilidade de prover um ambiente nacional que sustente a competitividade das empresas. Isto é realizado em 57 economias nacionais usando 329 critérios.<br />O Que este Modelo Analisa?<br />
  100. 100. 59<br />Fatores Fontes da Competitividade<br />
  101. 101. 60<br />Listas dos Países Avaliados<br />
  102. 102. Quadro da Competitividade Mundial<br />61<br />
  103. 103. Quadro da Competitividade Mundial<br />62<br />
  104. 104. Criação de Valor Agregado<br />Competitividade das Empresas<br />O Cubo da Competitividade<br />Agressividade<br />Recursos<br />Eficiência dos Negócios<br />Desempenho Econômico<br />Processos<br />Atratividade<br />Risco Individual<br />Globalidade<br />Eficiência Governamental<br />Infra-estrutura<br />Sustentabilidade<br />Competitividade das Nações<br />Coesão Social<br />Proximidade<br />63<br />
  105. 105. 64<br />Globalidade<br />Agressividade<br />Proximidade<br />Atratividade<br />Dimensões da Competitividade<br />Agressividadeestá ligada ao processo de exportação e força dentro comércio internacional. Gera entradas no país, mas necessariamente não empregos.<br />Atratividade está ligada a capacidade do país em receber investimentos diretos estrangeiros para dinamizar a sua economia. Atratividade cria empregos no país que recebe investimentos estrangeiros diretos.<br />Proximidadeestá relacionada com atividades de artesanato, serviços pessoais e sociais, atividades administrativas públicas. Geralmente existe protecionismo e de elevado custo.<br />Globalidadeestá relacionado com empresas que têm operação internacional. Geralmente as empresas são competitivas e os seus custos são eficientes.<br />
  106. 106. 65<br />Recursos<br />Processos<br />Dimensões da Competitividade<br />Risco Individual<br />Coesão Social<br />Recursos estão ligados à existências de terras férteis, mão-de-obra, recursos naturais - mas não necessariamente a competitividade.<br />Processos estão ligados a capacidade do país em possuir uma rica e competitiva força produtiva e transformadora. Independente da existência qualificada de recursos.<br />Risco Individual está caracterizado pela ênfase no risco, desregulamentação, privatização e responsabilidade individual por meio de um enfoque mais minimalista.<br />Coesão Social está relacionado com o consenso social e no estado do bem estar social, com uma presença mais ativa e forte do estado na economia.<br />
  107. 107. 66<br />Modelo do Fórum Econômico Mundial<br />Índice da <br />Competitividade <br />do Crescimento <br />Índice da <br />Competitividade <br />Micro-econômica <br /><ul><li>Tecnologia;
  108. 108. Instituições Públicas;
  109. 109. Ambiente Macro-econômico.
  110. 110. Produtividade (PIB per capita);
  111. 111. Sofisticação das empresas (estratégias) e suas práticas de operações;
  112. 112. Ambiente Micro-econômico dos negócios.</li></li></ul><li>67<br />Modelo do Fórum Econômico Mundial<br />
  113. 113. 68<br />Classificação segundo WEF<br />
  114. 114. 69<br />
  115. 115. Comparação entre BRICs e OCDE<br />70<br />
  116. 116. 71<br />Competitividade Nacional<br />Competitividade Regional/Setorial<br />Competitividade Industrial<br />Competitividade Empresarial<br />Competitividade Funcional<br />Caleidoscópio da Competitividade<br />Análise Ambiental da Competitividade<br />Desenvolvimento Sustentável<br />
  117. 117. Análise Ambiental & Competitividade Industrial<br />Competitividade Regional & Setorial<br />Modelos Michael E. Porter & Philip Kotler<br />72<br />
  118. 118. Contexto para<br />estratégia e <br />rivalidade<br />de empresas<br />Condições de<br />demanda<br />Condições <br />dos fatores<br />(insumos)<br />Setores <br />correlatos <br />e de apoio<br />Determinantes da Vantagem Competitiva Nacional<br />Acaso<br />Liderança<br />Governo<br />Agenda das Empresas<br />
  119. 119. 74<br />O “Diamante” da Vantagem Nacional<br />Condições dos Fatores: a posição do país quanto aos fatores de produção, como mão-de-obra qualificada e infra-estrutura, necessária para competir num determinado setor;<br />Condições de Demanda: a natureza da demanda no mercado interno para os produtos ou serviços do setor;<br />Setores Correlatos e de Apoio: a presença ou a ausência, no país, de setores fornecedores e outros correlatos, que sejam internacionalmente competitivos;<br />Estratégia, Estrutura e Rivalidade das Empresas: as condições predominantes no país, que determinam como as empresas são constituídas, organizadas e gerenciadas, assim como a natureza da rivalidade no mercado interno.<br />
  120. 120. Mudanças nas fontes de prosperidade<br />vantagem<br />comparativa<br />vantagem <br />competitiva<br />A riqueza é <br />criada pelas escolhas<br />de uma nação<br />A riqueza é <br />determinada <br />por dotes<br />
  121. 121. Para modernizar uma economia<br />contexto macroeconômico, político e jurídico<br />sofisticação das <br />operações e <br />estratégia da <br />empresa<br />qualidade<br />do ambiente<br />microeconômico<br />de negócios<br />Fundamentos microeconômicos<br />4 Diretrizes macroeconômicas sólidas e um contexto político / jurídico <br /> estável são necessários para assegurar uma economia próspera, <br /> mas não são suficientes<br />4 Em última análise, a competitividade depende de se melhorarem os <br /> fundamentos microeconômicos da competição<br />
  122. 122. Produtividade e o ambiente empresarial microeconômico<br />Contexto para estratégia e <br />Rivalidade de empresas<br />contexto local que <br />incentive investimentos<br />e melhorias contínuas<br />Condições<br />dos fatores<br />(insumos)<br />Condições de<br />demanda<br />competição vigorosa entre <br />rivais sediados no mesmo local<br />cliente(s) local(is) <br />sofisticado(s) e exigente(s) <br />qualidade e custo <br />dos fatores (insumos)<br />demanda local incomum em segmentos especializados que possam ser atendidos em âmbito global<br />qualidade dos fatores<br />Setores correlatos e de apoio<br />Especialização dos fatores<br />presença de clusters em<br /> vez de setores isolados<br />necessidades de clientes que antecipam aquelas de outros lugares<br />presença de fornecedores capazes, <br />sediados no mesmo local e de <br />empresas em campos correlatos<br />
  123. 123. Papéis apropriados do governo no<br /> desenvolvimento econômico<br />1. Estabelecer um ambiente macroeconômico e político estável<br /> e previsível<br />2. Melhorar a disponibilidade, qualidade e eficiência dos insumos <br /> de uso geral e das instituições<br />3. Estabelecer regras e incentivos gerais para reger a concorrência <br /> e que estimulem o aumento da produtividade<br />4. Facilitar a formação e modernização de clusters<br />5. Desenvolver e implementar um programa de modernização <br /> econômica que seja positivo, distintivo e de longo prazo e que <br /> mobiliza governo, empresas, instituições e cidadãos<br />
  124. 124. 79<br />Recursos de uma Nação<br />Liderança <br />Governamental<br />Cultura, atitudes <br />e valores do país<br />Recursos próprios<br /> da nação<br />Coesão social<br />Organização <br />industrial<br />
  125. 125. 80<br />Fatores de Força e Fraqueza Regional<br />
  126. 126. 81<br />Caleidoscópio da Competitividade<br />Competitividade Nacional<br />Competitividade Regional/Setorial<br />Competitividade Industrial<br />Competitividade Empresarial<br />Competitividade Funcional<br />Análise Ambiental da Competitividade<br />Desenvolvimento Sustentável<br />
  127. 127. Análise Ambiental & Competitividade Industrial<br />Competitividade Industrial<br />Modelo Ferraz, Kupfer & Hauguenauer<br />82<br />
  128. 128. Macroeconômico<br />Internacionais<br />Político-Institucionais<br />Sociais<br />Legais-regulatórios<br />Infra-estruturais<br />Fatores Determinantes da CompetitividadeFatores Sistêmicos<br />
  129. 129. <ul><li>Tamanho e Dinamismo;
  130. 130. Grau de sofisticação;
  131. 131. Acesso a mercados internacionais.</li></ul>Mercado<br /><ul><li>Amparo legal;
  132. 132. Política fiscal, financeira e comercial;
  133. 133. Papel do estado.
  134. 134. Desempenho e capacitação;
  135. 135. Estrutura patrimonial;
  136. 136. Articulações na cadeia</li></ul>Regime de Incentivos e Regulação da Concorrência<br />Configuração da Indústria<br />Fatores Determinantes da CompetitividadeTriângulo da Competitividade Estrutural<br />
  137. 137. Competência<br />Estratégia<br />Desempenho<br />Fatores Determinantes da Competitividade Fatores Empresariais<br />
  138. 138. Inovação<br /><ul><li>Produto;
  139. 139. Processo;
  140. 140. Transferência de tecnologia.</li></ul>Gestão<br /><ul><li>Marketing;
  141. 141. Serviços Pós-Venda;
  142. 142. Finanças;
  143. 143. Administração;
  144. 144. Planejamento.</li></ul>Recursos Humanos<br /><ul><li>Produtividade;
  145. 145. Qualificação;
  146. 146. Flexibilidade.</li></ul>Produção<br /><ul><li>Atualização de equipamentos;
  147. 147. Técnicas organizacionais;
  148. 148. Qualidade.</li></ul>Fatores Determinantes da CompetitividadeFatores Empresariais<br />
  149. 149. Macroeconômico<br />Internacionais<br />Mercado<br />Inovação<br />C<br />RecursosHumanos<br />Gestão<br />Produção<br />Inovação<br />Inovação<br />D<br />E<br />RecursosHumanos<br />RecursosHumanos<br />Gestão<br />Gestão<br />Produção<br />Produção<br />Configuração da Indústria<br />Regime de Incentivos e regulação<br />Sociais<br />Legais-regulatórios<br />Infra-estruturais<br />Fatores Determinantes da Competitividade<br />Político-Institucionais<br />
  150. 150. 88<br />Caleidoscópio da Competitividade<br />Competitividade Nacional<br />Competitividade Regional/Setorial<br />Competitividade Industrial<br />Competitividade Empresarial<br />Competitividade Funcional<br />Análise Ambiental da Competitividade<br />Desenvolvimento Sustentável<br />
  151. 151. Análise Ambiental & Competitividade Industrial<br />Competitividade Empresarial<br />Prêmio Nacional da Qualidade<br />89<br />
  152. 152. 90<br />Evolução do Modelo<br />Sistema<br />Estratégia e Planos de Ação<br />Metas<br />Gestão da Qualidade de processos<br />5<br />Focalização no cliente e sua satisfação<br />7<br /><ul><li>Satisfação do Cliente;
  153. 153. Satisfação do Cliente em relação aos concorrentes;
  154. 154. Manutenção dos Clientes;
  155. 155. Ganho na participação no mercado.</li></ul>5<br />Gestão de <br />Pessoas<br />Promotor<br />2<br />Planejamento<br />Estratégico<br />Desenvolvimento e gestão de recursos humanos<br />4<br />Liderança da alta direção<br />1<br />7<br />Resultados <br />da Organização<br />1<br />Resultados obtidos quanto à qualidade e às operações<br />6<br />Liderança<br />Medidas de progresso<br />3<br />Foco no Cliente e<br />no Mercado<br />6<br />Gestão de <br />Processos<br /><ul><li>Qualidade de produtos e serviços;
  156. 156. Melhoria da produtividade;
  157. 157. Redução/eliminação de perdas;
  158. 158. Qualidade dos Fornecedores.</li></ul>Planejamento estratégico da qualidade<br />3<br />Informação e Análise<br />2<br />4 Informação e análise<br />
  159. 159. 91<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Estrutura dos Critérios PNQ - 2006<br />
  160. 160. 92<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Liderança<br />O Critério Liderança examina o sistema <br />de liderança da organização e o<br /> comprometimento pessoal dos<br />membros da alta direção no estabelecimento, <br />na disseminação e na atualização de <br />valores e diretrizes organizacionais que<br /> promovam a cultura da excelência,<br /> levando em consideração as necessidades <br />de todas as partes interessadas. O<br />Critério também examina como a <br />alta direção analisa criticamente o <br />desempenho global da organização.<br />1 - Liderança<br />1.1 Sistema de liderança ............................................. 30<br />1.2 Cultura da excelência ........................................... 40<br />1.3 Análise crítica do desempenho global.................. 30<br />100 Pontos<br />
  161. 161. 93<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Clientes<br />O Critério Clientes examina como a <br />organização identifica, analisa, <br />compreende e se antecipa às necessidades <br />dos clientes e dos mercados, divulga seus<br />produtos, suas marcas e suas ações de <br />melhoria e estreita seu relacionamento<br />com os clientes. O Critério também <br />examina como a organização mede e <br />intensifica a satisfação e a fidelidade <br />dos clientes.<br />3 - Clientes<br />3.1 Imagem e conhecimento de mercado ............................... 30<br />3.2 Relacionamento com clientes ............................................ 30<br /> 60 Pontos<br />
  162. 162. 94<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Estratégias e Planos<br />O Critério Estratégias e Planos examina <br />o processo de formulação das estratégias <br />de forma a determinar o posicionamento <br />da organização no mercado, direcionar <br />as suas ações e maximizar o seu <br />desempenho, incluindo como as <br />estratégias, os planos de ação e as metas <br />são estabelecidos e desdobrados por toda <br />a organização e comunicados interna e <br />externamente.O Critério também <br />examina como a organização define <br />seu sistema de medição do desempenho.<br />2 - Estratégias e Planos<br />2.1 Formulação das estratégias .................................................... 30<br />2.2 Operacionalização das estratégias ......................................... 30<br />2.3 Planejamento da medição do desempenho global ................ 30<br />90 Pontos<br />
  163. 163. 95<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Sociedade<br />O critério Sociedade examina como a <br />organização contribui para o <br />desenvolvimento econômico, social e <br />ambiental, de forma sustentável, por meio<br />da minimização dos impactos negativos <br />potenciais dos seus produtos e operações <br />na sociedade e como a organização <br />interage com a sociedade de <br />forma ética e transparente.<br />4 - Sociedade<br />4.1 Responsabilidade sócio-ambiental.................................... 30<br />4.2 Ética e desenvolvimento social.......................................... 30<br /> 60 Pontos<br />
  164. 164. 96<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Informações e Conhecimento<br />O Critério Informações e Conhecimento<br />examina a gestão e a utilização das <br />informações da organização e de<br />informações comparativas pertinentes, <br />bem como a gestão do capital intelectual <br />da organização.<br />5 - Informações e Conhecimento<br />5.1 Gestão das informações da organização .............................. 20<br />5.2 Gestão das informações comparativas ................................. 20<br />5.3 Gestão do capital intelectual ................................................. 20<br /> 60 Pontos<br />
  165. 165. 97<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Pessoas<br />O Critério Pessoas examina como são <br />proporcionadas condições para o <br />desenvolvimento e utilização plena do<br />potencial das pessoas que compõem a <br />força de trabalho, em consonância com <br />as estratégias organizacionais. O<br />Critério também examina os esforços <br />para criar e manter um ambiente de <br />trabalho e um clima organizacional que<br />conduzam à excelência do desempenho, <br />à plena participação e ao crescimento<br /> pessoal e da organização.<br />6 - Pessoas<br />6.1 Sistemas de trabalho ........................................................... 30<br />6.2 Capacitação e desenvolvimento ........................................ 30<br />6.3 Qualidade de vida ................................................................ 30<br /> 90 Pontos<br />
  166. 166. 98<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Processos<br />O Critério Processos examina os principais <br />aspectos da gestão dos processos da <br />organização, incluindo o projeto do produto <br />com foco no cliente, a execução e entrega do <br />produto, os processos de apoio e aqueles <br />relacionados aos fornecedores, em todos os <br />setores e unidades. O Critério também <br />examina como a organização administra seus<br />recursos financeiros, de maneira a suportar <br />sua estratégia, seus planos de ação e a <br />operação eficaz de seus processos.<br />7 - Processos<br />7.1 Gestão de processos relativos ao produto ...................................... 30<br />7.2 Gestão de processos de apoio .......................................................... 20<br />7.3 Gestão de processos relativos aos fornecedores............................. 20<br />7.4 Gestão econômico-financeira........................................................... 20<br /> 90 Pontos<br />
  167. 167. 99<br />Informação & Conhecimento<br />Cliente<br />Pessoas<br />Liderança<br />Estratégias<br />e Planos<br />Resultados<br />Processos<br />Informação & Conhecimento<br />Sociedade<br />Critério de Excelência: Resultados <br />O Critério Resultados examina a evolução do<br /> desempenho da organização em relação aos <br />clientes e aos mercados, à situação financeira, <br />às pessoas, aos fornecedores, aos processos <br />relativos ao produto, à sociedade, aos processos <br />De apoio e aos processos organizacionais. São <br />também examinados os níveis de desempenho <br />em relação às informações comparativas <br />pertinentes.<br />8 - Resultados<br />8.1 Resultados relativos aos clientes e ao mercado ........................... 100<br />8.2 Resultados econômico-financeiros................................................. 100<br />8.3 Resultados relativos às pessoas ...................................................... 60<br />8.4 Resultados relativos aos fornecedores .......................................... 30<br />8.5 Resultados dos processos relativos ao produto ............................. 80<br />8.6 Resultados relativos à sociedade .................................................... 30<br />8.7 Resultados dos processos de apoio e organizacionais ................... 50<br /> 450 Pontos<br />
  168. 168. 100<br />Caleidoscópio da Competitividade<br />Competitividade Nacional<br />Competitividade Regional/Setorial<br />Competitividade Industrial<br />Competitividade Empresarial<br />Competitividade Funcional<br />Análise Ambiental da Competitividade<br />Desenvolvimento Sustentável<br />
  169. 169. Análise Ambiental & Competitividade Industrial<br />Competitividade Funcional<br />Prêmio Shingo<br />101<br />
  170. 170. 102<br />ENTRADAS<br />I. Cultura da Liderança e Infra-estrutura <br />.Liderança 75 pts<br />.Empowerment 75 pts<br />RESULTADOS <br />IV. Qualidade, Custo e Entrega<br />A. Qualidade e Melhoria da Qualidade 75 pts<br />B. Custo e Melhoria da Produtividade 75 pts<br />C. Entrega e Melhoria nos Serviços 75 pts<br />SISTEMAS EMPRESARIAIS<br /> II. Estratégia de Manufatura e Sistemas de Integração<br />.Visão de Manufatura e estratégia50 pts<br />.Inovação de Mercado e de <br />Produto 50 pts<br />.Parceria com Fornecedores e Clientes e Práticas Ambientais 75 pts<br />.Manufatura Classe Mundial nas Operações e Processos 250 pts<br />III. Funções de Suporte Empresarial e Integração de Processos 125 pts<br />FEEDBACK<br />V. Satisfação dos Clientes e Lucratividade75 pts<br /><ul><li>Satisfação do Consumidor
  171. 171. Lucratividade</li></ul>Modelo do Prêmio Shingo<br />
  172. 172. 103<br />Os Livros<br />

×