Um Conto Chines

1,881 views
1,756 views

Published on

PARÁBOLA SOBRE O AMOR SINCERO

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,881
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Um Conto Chines

  1. 1. Conta-se que, no ano 250 a.C, na China, um príncipe, às vésperas de sua coroação, deveria, segundo a lei, escolher uma esposa. Ele resolveu então fazer uma disputa, não só entre as nobres da corte, mas entre todas as moças do Reino dignas de sua proposta.
  2. 2. Anunciou que apresentaria um desafio às pretendentes. Uma velha serva do palácio ouviu contristada, pois sabia do profundo amor que sua filha nutria pelo príncipe.
  3. 3.       Ao chegar à casa, espantou-se ao saber que ela enfrentaria o desafio.      — Filha, lá estarão as mais belas e ricas moças da corte. Tire esta idéia insensata da cabeça.       Ela respondeu: — Sei que não serei a escolhida, mas é minha única chance de ficar, pelo menos alguns momentos, perto do príncipe. Isto já me torna feliz.
  4. 4. À noite, chegou ao palácio. Lá estavam as mais ricas e belas moças. O príncipe anunciou: — Cada uma receberá uma semente e aquela que, em seis meses, me trouxer a mais bela flor, será minha esposa e Imperatriz da China.
  5. 5.      A jovem, sem habilidade para jardinagem, passou a cuidar de sua semente. Sabia que se brotasse na mesma extensão de seu amor, não precisaria se preocupar com o resultado.
  6. 6. A jovem tudo tentava, e nada nascia. Sentia cada vez mais longe seu sonho. Após seis meses nada havia brotado. Comunicou à mãe que retornaria ao palácio na data combinada, pois nada almejava além de mais alguns momentos na companhia do príncipe.
  7. 7.   Chegou na hora marcada com seu vaso vazio. As outras pretendentes traziam belíssimas flores, das mais variadas formas e cores. Ela estava admirada. Nunca havia presenciado cena tão bela.
  8. 8. Finalmente, chega o momento esperado e o príncipe as observa com atenção. Após passar por todas, indica a bela jovem que não levara nenhuma flor como sua futura esposa.
  9. 9. As pessoas presentes na corte tiveram as mais inesperadas reações. Ninguém compreendeu porque o príncipe havia escolhido justamente aquela que nada havia cultivado.
  10. 10.   Calmamente o príncipe esclareceu: — Esta foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de se tornar uma Imperatriz. A flor da Honestidade, pois, todas as sementes que entreguei eram estéreis. CLAUDIA MADEIRA SITE: www.corepoesia.com TEXTO:www.paxprofundis.org IMAGENS:NATURE&HUMAN, WEBSHOTS SOM:”PAPOULA VERMELHA” DE GLIÉRE

×