Finanças para gestores de rh

3,466 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,466
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
117
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Finanças para gestores de rh

  1. 1. FINANÇAS PARAGESTORES DE RH MS. KARLA CARIOCA
  2. 2. CONHECENDO O PROFESSORKarla Jeanny Falcão Carioca Mestre em Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com MBA em Gestão de Negócios de Energia Elétrica pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professora universitária de Graduação e Pós-Graduação. Palestrante e Instrutora de cursos com enfoque em Contabilidade Internacional, Governança Corporativa e Controles Internos. Sócia-Diretora da Dominus Auditoria, Consultoria e Treinamentos. Possui 14 anos de experiência na área de contabilidade, sendo 9 anos de experiência em normas internacionais de contabilidade e controles internos. Ms Karla Carioca
  3. 3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICOGestão Financeira Contextualização Financeiro e Recursos HumanosContabilidade Legislação contábil Demonstrações contábeisAnálise das demonstrações contábeis Análise vertical e horizontal Índices financeiros Ms Karla Carioca
  4. 4. GESTÃO FINANCEIRA Ms Karla Carioca
  5. 5. CONTEXTUALIZAÇÃOA área de finanças é ampla e dinâmica e afetadiretamente as pessoas e as organizaçõesA aplicação de princípios de caráter financeirocom o propósito de maximizar o patrimônioA Gestão Financeira gerencia os recursosfinanceiros da empresa, tratando dosprocessos envolvidos no fluxo financeiro entrea empresa, as pessoas e o governo,preocupando-se com a captação, utilização egerenciamento desses recursos Ms Karla Carioca
  6. 6. CONCEITOÉ o conjunto das transações, operações eagentes que fazem os recursos circularemna economiaExemplos: Obtenção de empréstimos bancários Realização de investimentos Ms Karla Carioca
  7. 7. OBJETIVOSManter a empresa em permanente situaçãode liquidez, como condição básica dedesenvolvimento de suas atividadesObter novos recursos para planos deexpansão, analisando a viabilidadeeconômico-financeira e com o menor custo Ms Karla Carioca
  8. 8. CONSEQUÊNCIASRedução de gastos nos processos Otimização do orçamento Saneamento financeiroRedução de custos nas demissõesRedução de pagamento de juros Aumento de rentabilidade Ms Karla Carioca
  9. 9. FINANCEIRO E RECURSOS HUMANOSNo início dos anos 90, as empresas familiaresiniciaram um processo de profissionalização nacúpula diretiva de suas empresasMais recentemente, com o desenvolvimentodo Mercado de Capitais, as empresas forambuscar recursos financeiros de longo prazo,através da abertura de seu capital ao mercadode ações Ms Karla Carioca
  10. 10. FINANCEIRO E RECURSOS HUMANOSAnteriormente, o papel do gestor era baseado na ação decontrolarExemplo: obtenção de dados de despesas e receitas; elaboraçãode relatórios; acompanhamento dos númerosEntretanto, este fato vem sendo alterado, o papel dos gestorestem sido com maior foco na estratégia do que no controleCom isso, o gestor se transforma em “agregador de valor”, pois,realiza assessoria às demais áreas da empresa, para quepossam tomar decisões com uma visão sistêmica do negócio enão apenas realiza levantamento e análise de números Ms Karla Carioca
  11. 11. FINANCEIRO E RECURSOS HUMANOSCom essa mudança, o objetivo do gestor é implementarestratégia para maximizar os ganhos da empresa, a qualdeve ser discutida em conjunto com as outras áreas,como Recursos Humanos, Comunicação, Comercial, TI,Técnica, Compras etcAssim, nesta mudança cultural de gestão, as áreas dasempresas passaram a ser células integradas em tornode um único objetivoNeste contexto, é necessária uma parceria entreFinanças e Recursos Humanos, com planos de açõescomplementares, otimizando meios para alcançarresultados comuns Ms Karla Carioca
  12. 12. FINANCEIRO E RECURSOS HUMANOSFINANCEIRO RECURSOS HUMANOS Financeiro & Recursos Humanos: uma aliança lucrativa Este é o caminho Ms Karla Carioca
  13. 13. CONTABILIDADE Ms Karla Carioca
  14. 14. ORIGEMOrigem em tempos remotosComeçou a ganhar força no século XIII na ItáliaSe consolida no século XV com a Obra de FreiLuca Pacioli: “Summa de Arithmetica, Geometria, Proportioni e Proporcionalita”Tratado de matemática, com uma seção sobreregistros contábeis segundo o método daspartidas dobradas Ms Karla Carioca
  15. 15. CONCEITOÉ a ciência social que tem por objetivo medir, parapoder informar, os aspectos quantitativos equalitativos do patrimônio de quaisquer entidadeÉ a ciência que estuda a formação e variação doPatrimônioÉ a ciência que estuda, registra e controla oPatrimônio das Entidades com fins lucrativos ou nãoInstrumento de informações para a tomada dedecisões dentro e fora da empresa Ms Karla Carioca
  16. 16. OBJETIVOFornecer informações úteis para a tomadade decisões dos usuáriosProver informações para o planejamento eo controle, demonstrando informaçõesreferentes à situação patrimonial,econômica e financeira de uma empresaDemonstrar a saúde financeira da empresa Ms Karla Carioca
  17. 17. USUÁRIOS DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS Fornecedores e Credores por Investidores Outros credores Empréstimos comerciais Governo e Empregados Clientes suas agências Público Ms Karla Carioca
  18. 18. INTEGRAÇÃO DA EMPRESA Conquistar Mercado Ganhar Dinheiro Ambiente Sociedade Cultura Fornecedores EMPRESA Clientes Concorrentes GovernoExercer seu papel social Integração entre as funções ÚNICO DIRECIONAMENTO Ms Karla Carioca
  19. 19. PATRIMÔNIOÉ o conjunto dos bens, direitos e obrigações de uma entidadeConjunto de bens pertencentes a uma pessoa ou a umaempresa BensValores a receber, Direitos a Receber DireitosContas a pagar, dívidas ObrigaçõesPatrimônio de uma Empresa ou de uma Pessoa Física Bens e Direitos Obrigações (a serem recebidos) (a serem pagas) Ms Karla Carioca
  20. 20. BENSCoisas úteis, capazes de satisfazer as necessidades das entidades(pessoas ou empresas)Podem ser: tangíveis ou intangíveis e imóveis ou móveisTangíveis: bens corpóreos, possuem forma física, são palpáveis. Ex:veículos, imóveis, estoques de mercadorias, dinheiro, móveis eutensílios, ferramentas etcIntangíveis: bens incorpóreos, não constituídos de matéria, nãopalpáveis.. Ex.: marcas, patentes de invenção etcImóveis: são aqueles vinculados ao solo, que não podem ser retiradossem destruição ou danos. Ex.: edifícios, construções, árvores etcMóveis: são aqueles que podem ser removidos (por si próprios ou poroutras pessoas). Ex.: animais, máquinas, equipamentos, mercadoriasetc Ms Karla Carioca
  21. 21. BENSSupondo que a Empresa A possui os bens abaixo, realizar aclassificação por tipo: Item Valor (MR$) Edifícios 180 Móveis e utensílios 90 Veículos 110 Máquinas 400 Terrenos 900 Marcas e Patentes 150 Total 1.830 Ms Karla Carioca
  22. 22. BENSClassificação: BENS Tangíveis Intangíveis Móveis Imóveis Edifícios 180 180 Móveis e utensílios 90 90 Veículos 110 110 Máquinas 400 400 Terrenos 900 900 Marcas e Patentes 150 150 Total 1.680 150 750 1.080 Ms Karla Carioca
  23. 23. DIREITOSConceito: direitos a receber, ou seja, o poder de exigir algumacoisaEx.: valores a receber, títulos a receber, contas a receber, saldono banco, adiantamento/empréstimo a colaboradores etc.Expressão: A RECEBERNas empresas, o direito mais comum é aquele decorrente dasvendas a prazo Item Valor (MR$) Bancos 680 Duplicatas a receber 1.320 Títulos a receber 500 Alugéis a receber 300 Total 2.800 Ms Karla Carioca
  24. 24. OBRIGAÇÕESConceito: são as dívidas com outras entidades, contabilmentesão obrigações exigíveis, ou seja, compromissos de pagamentoque serão exigidos, reclamados por terceirosEx.: empréstimos com bancos, compra de mercadorias a prazo(fornecedores ou duplicatas a pagar), salários a pagar, impostosa pagar, aluguéis a pagar, contas a pagar etcExpressão: A PAGAR Item Valor (MR$) Fornecedores 800 Empréstimos 400 Salários a pagar 350 Encargos sociais a pagar 450 Impostos a pagar 900 Financiamentos de longo prazo 1.100 Contas a pagar 500 Total 4.500 Ms Karla Carioca
  25. 25. REPRESENTAÇÃO CONTÁBIL DO PATRIMÔNIOPara representar graficamente o patrimônio da entidade,coloca-se os bens e direitos do lado esquerdo e as obrigaçõesdo lado direitoOs bens e direitos são apresentados por ordem de maiorliquidez e as obrigações por exigibilidade Representação gráfica do patrimônio BENS E DIREITOS OBRIGAÇÕES Bens Obrigações Veículos 110 Empréstimos a pagar 400 Máquinas 400 Financiamentos 1.100 Móveis e utensílios 90 Salários a pagar 350 Edifícios 180 Fornecedores 800 Terrenos 900 Impostos a pagar 900 Marcas e patentes 150 Encargos sociais a pagar 450 Contas a pagar 500 Direitos Depósitos em bancos 680 Duplicatas a receber 1.320 Títulos a receber 500 Aluguéis a receber 300 Ms Karla Carioca
  26. 26. EQUAÇÃO FUNDAMENTAL CONTÁBILContabilmente, os bens e direitos são chamados de ATIVO e as obrigações dePASSIVOO ATIVO representa a aplicação dos recursos e o PASSIVO representa a origemdos recursos Origens de PATRIMÔNIO DA COMPANHIA A Recursos APLICAÇÕES ORIGENS $$$$$$$ $$$$ De terceiros $$$ Aplicações $$$$$$$$$$$$$$$$ e $$$$$$$$$$$$ Próprio PATRIMÔNIO DA COMPANHIA A BENS E DIREITOS OBRIGAÇÕES Aplicações Origens Ms Karla Carioca
  27. 27. EQUAÇÃO FUNDAMENTAL CONTÁBILDessa forma, tem-se a equação fundamental: ATIVO = PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDODiante disso, existem as seguintes possibilidades: Ativo > Passivo -> PL > 0 Ativo < Passivo -> PL < 0 (Passivo a descoberto) Ativo = Passivo -> PL = 0 Ativo = PL -> Passivo = 0 Ms Karla Carioca
  28. 28. EQUAÇÃO FUNDAMENTAL CONTÁBILEntão, o que faltou no exemplo anterior?Qual o valor do PL? PATRIMÔNIO DA COMPANHIA A Em MR$ BENS E DIREITOS OBRIGAÇÕES Bens 1.830 Obrigações 4.500 Direitos 2.800 Bens e Direitos = 4.630 Obrigações = 4.500 PL = 130 Ms Karla Carioca
  29. 29. LEGISLAÇÃO CONTÁBILEm 2007, através da lei 11.638/07, acontabilidade passou por uma grandemudança, visando a utilização no Brasil dasNormas Internacionais de ContabilidadeDessa forma, as empresas tiveram que realizarmudanças visando a adequação às novasnormas contábeis brasileirasO CPC – Comitê de PronunciamentosContábeis é o órgão responsável pela emissãodas novas normas contábeis Ms Karla Carioca
  30. 30. GERAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Eventos econômicos e financeiros Contabilidade Demonstrações Contábeis Entrada Processamento SaídaUma empresa sem boa contabilidade é como um barco em alto-mar sem bússola Entidade Continuidade Regime de Competência Ms Karla Carioca
  31. 31. CONJUNTO COMPLETO DE DC’s Balanço patrimonial ao final do período Demonstração do resultado do período Demonstração do resultado abrangente do períodoDemonstração das mutações do patrimônio líquido do período Demonstração dos fluxos de caixa do período Demonstração do valor adicionado do período Notas explicativas Ms Karla Carioca
  32. 32. FINALIDADE DAS DC’sBP: Demonstrar a posição patrimonial e financeiraDRE: Apresentar o desempenho no períodoDRA: Informar a mutação que ocorre no patrimônio líquido durante umperíodo que resulta de transações e outros eventos que não derivados detransações com os sócios na sua qualidade de proprietáriosDMPL: Apresentar as alterações ocorridas no Patrimônio LíquidoDFC: Demonstrar a capacidade da entidade para gerar caixa e seusequivalentes e as necessidades da entidade para utilizar esses fluxos de caixaDVA: Evidenciar a riqueza criada pela entidade e sua distribuição, durantedeterminado períodoNE: Auxiliar os usuários a compreender as demonstrações contábeis e acompará-las com as de outras entidades Ms Karla Carioca
  33. 33. BALANÇO PATRIMONIAL - BP Balanço Patrimonial Ativo Passivo e PL Circulante Circulante Não Circulante Não Circulante Realizável a Longo Prazo Patrimônio Líquido Investimentos Imobilizado IntangívelO que cada grupo representa?Valores apresentados acumulados Ms Karla Carioca
  34. 34. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE Receita Bruta(-) Deduções da Receita = Receita Líquida(-) Custos das Vendas = Resultado Bruto(-) Despesas Operacionais = Resultado Operacional / Lucro Antes do IR e CS (LAIR)(-) Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social = Resultado Líquido O que cada grupo representa? Valores apresentados por período Ms Karla Carioca
  35. 35. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DREIndústria Custo: Gastos na Fábrica Despesa: Gastos no Escritório/AdministraçãoComércio Custo: Mercadoria para Revenda Despesa: Gastos no Escritório/AdministraçãoServiços Custo: Mão-de-obra Utilizada Despesa: Gastos no Escritório/Administração Ms Karla Carioca
  36. 36. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE CUSTO DESPESA Ms Karla Carioca
  37. 37. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE Receitas(-) Despesas Sentido Vertical ------------------- (dedutivo)(=) Lucro ou Prejuízo Lucro é a remuneração ao capital investido na empresa pelos proprietários Ms Karla Carioca
  38. 38. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DREA quem pertence o lucro? Lucro é a remuneração ao capital investido na empresa pelos proprietáriosDessa forma... O lucro pertence aos proprietários Ms Karla Carioca
  39. 39. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Ms Karla Carioca
  40. 40. INFORMAÇÃO CONTÁBILÉ a principal ferramenta para análise dasaúde financeira da empresa e tomada dedecisões, quando: Recebida tempestivamente Realizada através da fonte correta Fornece dados atualizados Ms Karla Carioca
  41. 41. AVALIAÇÃO DE RESULTADOS x DESEMPENHOAlém das metodologias tradicionais decontrole utilizadas pela Controladoria(orçamentário, custos), há a necessidade deum conjunto de procedimentos de avaliaçãocomo forma complementar de controle etomada de decisão: Avaliação de resultados: ligada à mensuração da margem de contribuição gerada pelos produtos Avaliação de desempenho: ligada à responsabilidade do gestor (seja por uma área ou pela empresa como todo) Ms Karla Carioca
  42. 42. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHOA metodologia clássica para avaliação dodesempenho global da empresa é a análisefinanceira ou análise de balançoTem como objetivo obter uma avaliação dasituação da empresa nos aspectos: Operacionais Econômicos Patrimoniais Financeiros Ms Karla Carioca
  43. 43. ANÁLISE FINANCEIRA OU DE BALANÇOPara o contador: A preocupação básica são os registros das operações Quais os custos irão compor o custo de aquisição, qual será a classificação no balanço, qual valor do registro Ms Karla Carioca
  44. 44. ANÁLISE FINANCEIRA OU DE BALANÇOPara o analista de balanço: A preocupação é com as demonstrações financeiras Precisam ser transformadas em informações que permitam concluir: Se a empresa merece ou não crédito Se vem sendo bem ou mal administrada Se tem ou não condições de pagar suas dívidas Se é ou não lucrativa Se vem evoluindo ou regredindo Se é eficiente ou ineficiente Se irá falir ou se continuará operando Ms Karla Carioca
  45. 45. ANÁLISE FINANCEIRA OU DE BALANÇOObjetivo: Detectar os pontos fortes e fracos do processo operacional e financeiro Propor alternativas de decisões a serem tomadas e seguidas pelos gestoresTradução das Demonstrações Contábeis emindicadores: Análise Vertical Análise Horizontal Indicadores econômicos-financeiros Ms Karla Carioca
  46. 46. ANÁLISE VERTICALComo fazer?BALANÇO PATRIMONIALATIVO 31/12/X0 31/12/X1 AV% Total AV% GrupoCIRCULANTECaixa 2.569,00 2.954,35 0,43% 0,53%Bancos 292.000,00 329.960,00 48,03% 59,30%Clientes 175.230,00 161.211,60 23,47% 28,97%Estoques 58.987,00 61.936,35 9,02% 11,13%Adiantamentos a empregados 396,00 328,68 0,05% 0,06%Total do ativo circulante 529.182,00 556.390,98 80,99% 100,00%NÃO CIRCULANTEIMOBILIZADOVeículos 35.870,00 43.402,70 6,32% 33,24%Depreciação acumulada - imóvel de uso (7.174,00) (14.348,00) -2,09% -10,99%Móveis e utensílios 14.946,88 16.740,50 2,44% 12,82%Depreciação acumulada - móveis e utensílios (1.494,69) (2.989,38) -0,44% -2,29%Máquinas e equipamentos 65.000,00 100.750,00 14,67% 77,17%Depreciação acumulada - máquinas e equipamentos (6.500,00) (13.000,00) -1,89% -9,96%Total do ativo imobilizado 100.648,19 130.555,83 19,01% 100,00%TOTAL DO ATIVO 629.830,19 686.946,81 100,00% 100,00% Ms Karla Carioca
  47. 47. ANÁLISE HORIZONTALComo fazer? BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 31/12/X0 31/12/X1 AH% CIRCULANTE Caixa 2.569,00 2.954,35 13,04% Bancos 292.000,00 329.960,00 11,50% Clientes 175.230,00 161.211,60 -8,70% Estoques 58.987,00 61.936,35 4,76% Adiantamentos a empregados 396,00 328,68 -20,48% Total do ativo circulante 529.182,00 556.390,98 4,89% NÃO CIRCULANTE IMOBILIZADO Veículos 35.870,00 43.402,70 17,36% Depreciação acumulada - imóvel de uso (7.174,00) (14.348,00) 50,00% Móveis e utensílios 14.946,88 16.740,50 10,71% Depreciação acumulada - móveis e utensílios (1.494,69) (2.989,38) 50,00% Máquinas e equipamentos 65.000,00 100.750,00 35,48% Depreciação acumulada - máquinas e equipamentos (6.500,00) (13.000,00) 50,00% Total do ativo imobilizado 100.648,19 130.555,83 22,91% TOTAL DO ATIVO 629.830,19 686.946,81 8,31% Ms Karla Carioca
  48. 48. ÍNDICES FINANCEIROSComo fazer? ÍNDICES ECONÔMICOS E FINANCEIROS X0 X1 Ativo Circulante 529.182 556.391 Não Circulante - - Imobilizado 100.648 130.556 Total do Ativo 629.830 686.947 Passivo Circulante 857.866 879.971 Não Circulante 1.009.534 984.412 Patrimônio Líquido 858.425 881.768 Total Passivo 2.725.826 2.746.152 Índices X0 X1 Participação de Capital de Terceiros - (PC+PNC/PL)*100 218% 211% Composição do Endividamento - (PC/PC+PNC)*100 46% 47% Liquidez Geral - (AC+ANC)/(PC+PNC) 28% 30% Liquidez Corrente - AC/PC 62% 63% Liquidez Imediata - Disponível/PC 34% 38% Endividamento Geral - (PC+PNC)/A*100 296% 271% Imobilização do Capital Próprio - IMOB/PL 12% 15% Ms Karla Carioca
  49. 49. INDICADORES PARA O RHFator de Motivação: Funcionam como ferramentas que conduzem ao comportamento desejado Fornecem às pessoas o direcionamento que precisam para atingir a estratégia da empresaAvaliação da Estratégia e do Aprendizado Avaliar o progresso da empresa em direção aos objetivos estratégicos Demonstram a relação entre os objetivos estratégicosMetas Estabelecer e comunicar o nível esperado de desempenho Possibilitar que as pessoas compreendam qual a contribuição à estratégia geral Concentrar as atenções da empresa em melhorias Ms Karla Carioca
  50. 50. INDICADORES PARA O RHTurnover É a média dos indicadores da entrada (admissão) e de saída (demissão) Alto Turnover: gera perda de produtividade, lucratividade e de saúde organizacional O custo de rotatividade é um desafio dos que atuam na gestão de Recursos Humanos Exemplos: Custo de demissão (rescisão), reposição, custo de exames médicos de admissão e demissão, tempo médio de reposição da vaga, treinamento introdutório, tempo de ambientação e processos trabalhistas Ms Karla Carioca
  51. 51. INDICADORES PARA O RHTurnover Global: Nº de Admitidos + Nº de demitidos (no mês) 2 Nº de empregados (no mês anterior) Ms Karla Carioca
  52. 52. INDICADORES PARA O RHAbsenteísmo Total Demonstra o nível de abstenção do empregado no trabalho Considerando-se com abstenção tanto faltas como os atrasos Afeta o andamento do trabalho e principalmente o processo produtivo Ms Karla Carioca
  53. 53. INDICADORES PARA O RHAbsenteísmo Total: Nº de dias não trabalhados Nº de empregados x Nº de dias úteis Ms Karla Carioca
  54. 54. INDICADORES PARA O RHAbsenteísmo com Justificativa: Nº de dias não trabalhados - Nº de dias abonados Nº de empregados x Nº de dias úteis Ms Karla Carioca
  55. 55. INDICADORES PARA O RHÍndice de Entrada A rotatividade faz parte da vida e do mundo dos negócios As pessoas são os ativos essenciais e os diferenciadores de qualquer negócios, portanto devem ser geridos Ms Karla Carioca
  56. 56. INDICADORES PARA O RHÍndice de Entrada: Nº de admissões no mês Nº de empregados (mês anterior) Ms Karla Carioca
  57. 57. INDICADORES PARA O RHÍndice de Saída O elevado índice de perda de pessoas revela problemas e desafios a serem superados Significa perda de mercado e de negócios Ms Karla Carioca
  58. 58. INDICADORES PARA O RHÍndice de Saída: Nº de demissões no mês Nº de empregados (mês anterior) Ms Karla Carioca
  59. 59. INDICADORES PARA O RHRecrutamento e Seleção Tempo médio de preenchimento de vagas Pode ser um indicador essencial no processo de seleção Ms Karla Carioca
  60. 60. INDICADORES PARA O RHQuociente de seleção: Nº de candidatos atendidos Nº de candidatos examinados Ms Karla Carioca
  61. 61. INDICADORES PARA O RHIndicador subjetivo: Quanto custa um atendimento ineficaz ou indiferente?Sem um eficaz sistema de medição, a áreade RH segue implementando suas políticase processos sem saber se está ou não nadireção correta Ms Karla Carioca
  62. 62. CONTABILIDADE SETORIALObjetivo: segmentar os resultados daempresa em suas partes geradoras deresultado, apurando o resultado para cadaum dos segmentos identificados e,concomitantemente, permitindo aavaliação de desempenho de cada gestorresponsável pelos segmentos identificados Ms Karla Carioca
  63. 63. CENTROS DE RESPONSABILIDADEConceito: unidades contábeis criadas paraacumulação dos dados das transações eelementos patrimoniais da empresaDe modo geral, seguem a estruturahierárquica da empresaOs principais conceitos são: Centros de custos Centros de lucros Centros de investimentos Ms Karla Carioca
  64. 64. CENTROS DE LUCROS E DE CUSTOSCentro de Receita do Serviço X Lucro X Centro de Despesas do Depto X1 Custo X1 Centro de Despesas do Depto X2 Custo X2 Centro de Despesas do Depto X3 Custo X3 Ms Karla Carioca
  65. 65. ORÇAMENTOÉ a etapa do processo do planejamento estratégicoem que se estima e determina a melhor relaçãoentre resultados e despesas para atender asnecessidades, características e objetivos daempresa no períodoDefinição de gastos e investimentos: Salários Treinamentos Benefícios Encargos sociais Ms Karla Carioca
  66. 66. OBJETIVOS DO ORÇAMENTOPlanejamento: Auxiliar a programar atividadesde um modo lógico que corresponda àestratégia de longo prazo da empresaCoordenação: Ajudar a coordenar asatividades das diversas áreas da organização egarantir consistência dessas açõesComunicação: Informar mais facilmente osobjetivos, oportunidades e planos da empresaaos diversos gestores de equipes Ms Karla Carioca
  67. 67. OBJETIVOS DO ORÇAMENTOMotivação: Fornecer estímulo aos diversosgestores para que atinjam as metasestabelecidasControle: Controlar as atividades da empresapor comparação com os planos originais,fazendo ajustes onde necessárioAvaliação: Fornecer bases para a avaliação decada gestor, tendo em vista suas metas diretase as de sua área Ms Karla Carioca
  68. 68. RESULTADO DA EMPRESA O resultado final da empresa é o resultado de cada atividade executada O melhor resultado de cada atividade conduzirá ao melhor resultado da empresa e à máxima eficácia empresarialResultado de Resultado de Resultado Resultado de cada cada global da cada setor transação atividade empresa Ms Karla Carioca
  69. 69. INTEGRAÇÃO DO RH Gratificações Segurança BenefíciosSalários RECURSOS HUMANOS Seleção Impostos Treinamento Contribuições Sociais Ms Karla Carioca
  70. 70. DÚVIDAS?PERGUNTAS? Ms Karla Carioca
  71. 71. PARA REFLETIR...“O futuro das organizações - e nações - dependerá cada vez mais de sua capacidade de aprender coletivamente” Peter Drucker Ms Karla Carioca
  72. 72. REFERÊNCIASDROMS, W. G. Finanças para Executivos não-Financeiros. São Paulo: Bookman 2002BORINELLI, M.L. et al. Curso de contabilidade paragestores, analistas e outros profissionais. São Paulo:Atlas, 2010CHING, H. Y. et al. Contabilidade & Finanças para nãoespecialistas. São Paulo: Pearson, 2009ASSIS, M. T. Indicadores de Gestão de RecursosHumanos. Rio de Janeiro: Arquimedes, 2004CHIAVENATO, I. Introdução a Teoria Geral daAdministração. São Paulo: Atlas, 2009 Ms Karla Carioca
  73. 73. REFERÊNCIASCARVALHO, L.N.G., LEMES, S. ContabilidadeInternacional para Graduação. São Paulo: Atlas, 2010IUDÍCIBUS, S. et al. Manual de Contabilidade Societária.São Paulo: Atlas, 2010RIBEIRO, O. M. Contabilidade Básica Fácil. São Paulo:Saraiva, 2010PADOVEZE, C. L. Controladoria Estratégica eOperacional: conceitos, estrutura e aplicação. SãoPaulo: Cengage, 2012IASB disponível em www.iasb.org Ms Karla Carioca
  74. 74. karlacarioca@dominusauditoria.com.br (85) 3224-6393

×