• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Slides de Introducao
 

Slides de Introducao

on

  • 36,466 views

 

Statistics

Views

Total Views
36,466
Views on SlideShare
35,992
Embed Views
474

Actions

Likes
5
Downloads
867
Comments
5

15 Embeds 474

http://10tt2007.blogspot.com 193
http://www.slideshare.net 181
http://www.mestrevicente.blogspot.com 26
http://abacente.blogspot.pt 16
http://www.10tt2007.blogspot.com 13
http://mestrevicente.blogspot.com 12
http://reinventandocaminhos.blogspot.com 9
http://trintaium.blogspot.com 8
http://abacente.blogspot.com.br 4
http://reinventandocaminhos.blogspot.com.br 4
http://navegante.blog.com 3
http://webcache.googleusercontent.com 2
http://reinventandocaminhos.blogspot.pt 1
http://64.233.169.104 1
http://www.reinventandocaminhos.blogspot.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

15 of 5 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Adoro História da arte.Ótimo material.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • A História da Arte
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • muito bom...
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito bom o material ... ajudou em tanto pro trabalho da faculdade !
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • a apresentação está muito boa, tanto ao nível da apresentação como do conteudo, parbéns e obrigado por a partilhar !!!<br /><br/>
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Slides de Introducao Slides de Introducao Presentation Transcript

    • História da Cultura e das Artes - Slides de Introdução -
      • Cultura – Toda a criação do espírito humano, no sentido da sua transcendência. (o homem procura a perfeição).
      • Civilização – Toda a criação do espírito humano, no sentido da imanência. (transformar o meio para auxiliar o homem)
      • Mentalidade – Maneira de pensar, de agir, e de sentir, individual ou colectivamente, os valores de um grupo num determinado momento e local.
    • Arte Capacidade que o Homem possui de produzir objectos ou realizar acções com as quais – cumprindo ou não finalidades úteis – ele possa expressar ideias, sentimentos ou emoções estéticas. Esses objectos ou acções capazes de veicular ideias, sentimentos ou emoções estéticas são obras de arte .
    • EMISSOR MENSAGEM RECEPTOR(es) Sujeito da comunicação Objecto da comunicação Destinatário(s) da comunicação ARTISTA OBRA DE ARTE PÚBLICO-ALVO
      • Cria
      • Transporta
      • - Transforma
      • Suporte
      • - Veículo
      • Lê, interpreta
      • Aprecia
      • - Recria
    • A OBRA DE ARTE (objecto artístico) Salvador Dali, «A face da guerra».1940 . 64 x 79 cm ASPECTOS PARA ANALISAR Materiais e técnicas Formas Cores, Texturas Luminosidade Estrutura e composição Conteúdos e tema Significado: real ou simbólico CRITÉRIOS PARA AVALIAR Criatividade Originalidade Intencionalidade Autenticidade Comunicabilidade Rigor estético Mensagem (ns)
    • Método de Análise Histórico-Artística EMISSOR: Artista MENSAGEM: Obra RECEPTOR: Destinatário da obra Canal Suporte e Materiais Código: a linguagem da arte Sociedade Economia Contexto histórico: valores ideológicos dominantes Cenário Cultural Espectadores actuais
    • ARTE
      • Geralmente, considera-se a arte como uma operação do espírito, que tende para a criação de obras que exprimem a realidade objectiva, incluindo o próprio homem e a sua maneira de ver o mundo. De forma mais restrita, aplica-se a palavra «arte» às técnicas da pintura, escultura, arquitectura, etc., ou a qualquer outra técnica que inclua uma parte de criação.
      • As obras de arte expressam um pensamento, uma visão do mundo e provocam uma forma de inquietação no observador, uma sensação especial, uma vontade de contemplar, uma admiração emocionada ou uma comunicação com a sensibilidade do artista. A este conjunto de sensações chamamos de experiência estética.
      • Toda a obra de arte é filha do seu tempo.
    • Características do objecto de arte
      • Imaginação
      • A imaginação é importante por nos permitir toda a espécie de possibilidades em relação ao futuro e compreender o passado de modo a manter-lhe vivo o valor do presente.
      • Criatividade
      • - Que significa criar? A obra de arte deve ser um objecto tangível a que certas mãos humanas deram forma. No momento crítico, a imaginação relaciona o que parecia não ter qualquer relação e dá-lhe forma nova.
      • Originalidade
      • - O que distingue a arte do artesanato é a originalidade. Podemos até afirmar que a originalidade confere o grau da grandeza ou da importância artística da obra de arte.
    • História da Arte
      • O termo História da Arte costuma designar o conjunto das obras de uma época, país ou escola das artes visuais. A arte é a expressão máxima do momento, seja ele histórico ou pessoal. Os historiadores de arte procuram determinar os períodos que empregam um certo estilo estético por «movimentos». A arte registra as ideias e os ideais das culturas e etnias, sendo, assim, importante para a compreensão da história do Homem e do mundo.
    • Homo antecessor Homo rhodesiensis Homo rudolfensis Homo habilis Homo cepranensis Homo ergaster Homo erectus Homo floresiensis Homo georgicus Homo heidelbergensis Homo neanderthalensis Homo sapiens Mapa das primeiras migrações humanas , de acordo com análises efectuadas ao DNA mitocondrial. A perspectiva deste planisfério centra-se no pólo norte, para facilitar a compreensão das rotas das migrações. unidades: milénios até ao presente
      • Paleolítico – ou vulgarmente conhecido como Idade da Pedra Lascada.
          • Paleolítico Inferior (de 2 500 000 - 2 000 000 até 300 - 100 000 BP)
          • Paleolítico Médio (300 - 200 000 até 40 - 30 000 BP)
          • Paleolítico Superior (40 - 30 000 até 10 - 8 000 BP)
      • Mesolítico (de 20 a 10 mil anos)
      • Neolítico (de 10 a 6 mil anos) - vulgarmente conhecido como Idade da Pedra Polida
    • Utensílios de pedra lascada , seixos talhados da França. Data 700.000-110.000 anos BP. Bordeaux, Musée d'Aquitaine. UTENSÍLIOS LÍTICOS PALEOLÍTICO INFERIOR Bifaces , Paleolítico inferior. Alfragide.
    • «Folha de Loureiro» ponta de zagaia, solutrense superior, 18 mil BP, da galeria da cisterna, nascente do Almonda, Torres Novas PALEOLÍTICO SUPERIOR Folha de loureiro proveniência: Vale Almoinha. Torres Vedras. Lisboa cronologia: Paleolítico Superior – Solutrense tipologia: Folha de loureiro em sílex dimensão: comprimento 7 cm largura 3,1 cm espessura 0,8 cm
    • Machado proveniência: Gruta do Escoural. Montemor-o-Novo. Évora cronologia: Neolítico tipologia: Machado em fibrolite dimensão: comprimento 8,7 cm largura 4 cm espessura 1,8 cm Ponta de seta proveniência: Necrópole de Alcalar. Portimão. Faro cronologia: Neolítico final/Calcolítico tipologia: Ponta de seta em sílex dimensão: comprimento 4,77 cm largura 1,87 cm espessura 0,34 cm
    • Arte Paleolítica
      • Arte Móvel
      • Na &quot;arte móvel&quot; incluem-se, além dos objectos de adorno pessoal, as peças gravadas, pintadas ou esculpidas que, pelas suas pequenas dimensões, podem ser deslocadas ou transportadas. Os respectivos suportes podem corresponder a objectos utilitários, tais como pontas de projéctil feitas de osso ou corno, ou não utilitários, tais como lajes, seixos ou ossos. A determinação da época a que pertencem é facilitada pela sua inclusão em depósitos arqueológicos que podem ser submetidos a processos de datação relativa ou absoluta.
      • Temática
      • Representações humanas, animais e abstractas.
      • Técnica
      • Gravura, pintura e inscultura.
    • «VÉNUS» de WILLENDORF C. 25000 – 20000 BP. Calcário colorido com ocre vermelho.
    • Arte Paleolítica
      • Arte Parietal A &quot;arte parietal&quot; é a que tem como suporte as paredes de grutas ou abrigos sob rocha e inclui representações de diversos tipos - baixos relevos, gravuras, pinturas. A distribuição das figuras pelas paredes dos sítios decorados é também variada, ocorrendo tanto em locais mais ou menos expostos à luz natural como nas zonas mais interiores de galerias profundas cuja frequentação obrigava à utilização de luz artificial (lamparinas de pedra em que se queimava gordura animal, ou archotes de madeira).
      • Temática
      • Representações de animais, representações de «signos» (abstracções simbólicas) e pequenas (quase raras) representações humanas.
      • Técnica
      • Pintura (as tintas eram negros, vermelhos e alguns amarelos, aplicadas através do uso das mãos, do sopro ou pincéis animais) gravura incisa, inscultura.
    • PINTURAS RUPESTRES Contorno de mão na caverna de Peche Merle, França. 29000 BP
    • Gruta de Cosquer, França. 29000 BP.
    • Gruta de Cosquer, França, 27000 BP.
    • Gruta de Cosquer, França,18000 BP.
    • Gruta de Altamira, Espanha, 18500 – 14000 BP.
    • Gruta de Altamira, Espanha, 18500 – 14000 BP.
    • GALERIA dos TOUROS - Lascaux, França, 17000 BP.
    • GALERIA dos TOUROS - Lascaux, França, 17000 BP.
    • GALERIA dos TOUROS - Lascaux, França, 17000 BP.
    • A GALERIA PINTADA - Lascaux, França, 17000 BP.
    • A GALERIA PINTADA - Lascaux, França, 17000 BP.
    • Arte Paleolítica
      • Arte Rupestre
      • A &quot;arte rupestre&quot; é a que decora as superfícies rochosas situadas ao ar livre, qualquer que seja a respectiva inclinação. No vale do Côa, por exemplo, as rochas gravadas durante o Paleolítico aproveitam superfícies verticais, mas as gravuras da Pré-História recente conhecidas no vale do Tejo foram na sua maioria executadas sobre superfícies rochosas horizontais ou muito pouco inclinadas.
      • Temática
      • Representações de animais, representações de «signos» (abstracções simbólicas), e pequenas (quase raras) representações humanas.
      • Técnica
      • Incisão filiforme, picotagem, abrasão e raspagem.
      • Modo de autentificação da Arte Paleolítica
      • - Zoológico / Paleontológico
      • - Geológico / Estratigráfico
    • Rocha 14 sector inferior – Canada do Inferno, Foz Côa. Solutrense, 20000 BP.
    •  
    • Equídeo
    • Quadrúpede
    • Equídeo
    •  
    • Rocha 3 Penascosa Foz Côa. Solutrense. 20000 BP.
    •  
    • 3 cabras cabra
    • cabra
    • Auroque
    • Auroque
    • 3 Auroques
    •  
    • Rocha 4 Penascosa Foz Côa. Solutrense. 20000 BP.
    •  
    • Quadrúpede
    • Quadrúpede
    • Cabra
    • Cabra
    • Bode
    • Cavalo Cavalo Égua
    •  
    • Megalitismo
      • Monumento megalítico , ou megálito , do grego mega, megalos , grande, e lithos , pedra, designa uma construção monumental com base em grandes blocos de pedras rudes.
      • Em arqueologia, designa o conjunto de construções de grandes blocos de pedras, típicas das sociedades pré-históricas, edificadas essencialmente no período neolítico (por vezes também idade do Cobre e Bronze) com objectivos simbólicos, religiosos e principalmente funerários.
      • As primeiras construções megalíticas, da Europa Ocidental, localizam-se em Portugal, e datam de finais do VI milénio antes da nossa era. Espalharam-se desde a Península Ibérica até aos países nórdicos e norte de África. Na África Central, também se encontram testemunhos destas construções.
    •  
    • Tipos de construções da cultura megalítica
      • 2 - Grutas Artificiais
      • 3 – Tholos
      • Ou tholoi no plural, são monumentos megalíticos também chamados de monumentos de falsa cúpula . Os tholoi, apesar de terem também uma câmara, corredor e mamoa, diferem das antas ou dólmens pela forma como foram construídos. Em vez de terem uma lage de grandes dimensões a cobrir a cúpula, apresentam apenas pequenas lages de xisto, o que tornava a cúpula da câmara menos resistente. Para diminuir o perigo de abatimento, utilizava-se por vezes um pilar de madeira a suster a cúpula. Apresentam também o corredor formado por esteios ou por pequenas lages, formando uma espécie de muro. Em Portugal os tholoi conhecidos apresentam sempre um corredor, sendo geralmente comprido.
    •  
    • Tipos de construções da cultura megalítica
      • 4- Menir
      • Monumentos pré-históricos em pedras, cravadas verticalmente no solo, às vezes de tamanho bem elevado (megalito denominado menir). A palavra menir foi adoptada, através do francês, pelos arqueólogos do século XIX com base nas palavras do Bretão significando men = pedra e hir = longa.
      • Para erigir seus monumentos, os homens da época pré-histórica provavelmente começaram por levantar uma coluna, em honra de um deus ou de um acontecimento importante, embora a maioria dos historiadores relacionem o seu aparecimento com:
      • - Culto da fecundidade (menir isolado)
      • - Marcos territoriais (menir isolado)
      • - Orientadores de locais (menires isolados e em linha)
      • - Santuários religiosos (menires em círculo)
    •  
    • Tipos de construções da cultura megalítica
      • 5 – Cromoleques
      • Conjunto de diversos menires agrupados em um ou vários círculos, em elipses, em rectângulos, em semicírculo ou por vezes sem ordem aparente.
      • Trata-se de monumentos pré-históricos que parecem ter tido uma função religiosa.
      • A grande maioria dos Cromeleques existentes em Portugal, encontram-se em encostas expostas a nascente-sul.
    • Tipos de construções da cultura megalítica
      • 1 - Antas ou Dólmens
      • Os Dólmens são monumentos megalíticos tumulares colectivos (datados desde o fim do V milénio a.C. até ao fim do III milénio a.C., na Europa, e até ao I milénio, no Extremo Oriente). O nome deriva do Bretão dol = mesa e men = pedra. São constituídos por uma câmara formada por uma grande laje pousada sobre pedras verticais que a sustentam.
      • A câmara dolménica era um espaço sepulcral que, ao que tudo indica, se apresentava outrora sempre encoberto por um montículo artificial de terra, geralmente revestido por uma couraça de pequenas pedras imbricadas, formando aquilo que se designa por uma mamoa ou tumulus .
      • Os dólmens são formados por:
      • Câmara - Geralmente de forma trapezoidal ou circular.
      • Corredor (não é obrigatória a sua existência) - O corredor ou galeria de acesso à câmara pode ter variadíssimos tamanhos e é formado por diversos esteios verticais, normalmente cobertos por lajes designadas por tampas. Alguns corredores apresentam um pequeno átrio no lado oposto à câmara. Conhecem-se em Portugal antas com corredor de dezasseis metros de comprimento.
    • Menir de Almendres, Évora. 6000 – 3000 BP
    • Cromeleque dos Almendres, Évora. 6000 – 3000 BP
    • Cromeleque dos Almendres, Évora. 6000 – 3000 BP
    • Anta da Cerqueira, Cever do Vouga, Aveiro. IV – III milénio a.C.
    • Anta da Cerqueira, Cever do Vouga, Aveiro. IV – III milénio a.C.
    • Dólmen da Matança, Fornos de Algodres. Neolítico.
    • Placa de xisto proveniência: Anta Grande do Olival da Pega. Reguengos de Monsaraz cronologia: Neolítico final/Calcolítico tipologia: Placa de xisto com decoração incisa dimensão: comprimento 15,7 cm largura 9,9 cm
    • Placa-ídolo proveniência: Anta do Espadanal. Estremoz. Évora cronologia: Calcolítico tipologia: Placa em grés dimensão: altura 21,5 cm largura 11,5 cm espessura 2,2 cm
    • Escultura zoomórfica de coelho proveniência: Anta Grande do Olival da Pega. Reguengos de Monsaraz. Évora cronologia: Neolítico final/Calcolítico tipologia: Escultura em osso dimensão: altura 3,1 cm largura 1,5 cm espessura 0,5 cm
    • Ídolo Almeriense proveniência: Anta Grande do Olival da Pega. Reguengos de Monsaraz. Évora cronologia: Neolítico final/Calcolítico tipologia: Ídolo em xisto de cor esverdeada dimensão: altura 10,3 cm largura 3,4 cm espessura 0,3 cm
    • Ídolo oculado proveniência: Moncarapacho. Olhão cronologia: Calcolítico tipologia: Ídolo oculado em calcário dimensão: altura 5,2 cm diâmetro 3,3 cm
    • Placa de xisto antropomórfica proveniência: Anta 1 da Herdade do Passo. Reguengos de Monsaraz. Évora cronologia: Calcolítico Final tipologia: Placa de xisto com decoração incisa dimensão: altura 19,7 cm largura 9,7 cm
    • Vaso com decoração impressa proveniência: Abrigo 1 de Bocas. Rio Maior. Santarém cronologia: Neolítico Antigo Evoluído tipologia: Vaso em cerâmica dimensão: altura 16 cm diâmetro 14,4 cm
    • Vaso com decoração plástica proveniência: Anta Grande da Comenda da Igreja. Montemor-o-Novo. Évora cronologia: Neolítico Final/ Calcolítico tipologia: Vaso em cerâmica dimensão: altura 5,8 cm diâmetro 6,3 cm
    • Pote em cerâmica proveniência: Castro da Azougada. Moura cronologia: Finais da 1ª - inícios da 2ª Idade do Ferro tipologia: Pequeno pote pintado dimensão: altura 5,2 cm diâmetro 5,5 cm
    • Queimador proveniência: Garvão cronologia: 2ª Idade do Ferro. sécs. IV-III a.C. tipologia: Vaso de janelas ou queimador em cerâmica dimensão: altura 14 cm largura 16 cm
    • Estatueta votiva de touro proveniência: Monte de Pedralva. Vila do Bispo cronologia: Idade do Ferro. tipologia: Estatueta de touro em bronze dimensão: altura 7 cm largura 4 cm comprimento 12 cm
    • Arrecada proveniência: Tesouro de Baião. Porto cronologia: Idade do Ferro Antigo. Séc (s). VII-VI a.C. tipologia: Arrecada em ouro dimensão: diâmetro 5,8 cm largura 5,2 cm
    • Arrecada proveniência: Paços de Ferreira. Porto cronologia: Idade do Ferro Antigo. Séc (s). VI-V a.C. tipologia: Arrecada em ouro dimensão: altura 6,1 cm diâmetro 5,7 cm espessura 0,6 cm peso 16,15g
    • Arrecada proveniência: Odemira. Beja cronologia: Idade do Ferro. Séc (s). VII-VI a.C. tipologia: Arrecada em ouro dimensão: diâmetro 4,6 cm comprimento 6,0 peso 10,52g
    • Revolução dos produtos secundários da criação de gado / Inovações tecnológicas Intensificação produtiva Aumento da produção e da produtividade Aumento da sedentarização Redução dos territórios de captação de recursos Pressão sobre recursos estratégicos Excedentes Divisão social do trabalho: artífices metalurgistas Necessidade de armazenamento e de defesa. Redução da mobilidade. Fortificação dos povoados. Diferenciação dos habitats (intra e inter) Competição inter-povoados Stress e conflito