Brasil República

  • 3,147 views
Uploaded on

Apresentação em ppoint sobre Brasil República, incluindo República Velha, Era Vargas, Populismo Democrático, Ditadura Civil-militar e Nova República. …

Apresentação em ppoint sobre Brasil República, incluindo República Velha, Era Vargas, Populismo Democrático, Ditadura Civil-militar e Nova República.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
3,147
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
201
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. República Velha (1889 – 1930)
  • 2. Governo Provisório
    • O Brasil mudava a forma de governo sem revolucionar a sociedade.
    • Nas primeiras deliberações o gov. prov. revelou seu caráter conservador – sua pcp missão era manter a Ordem pública e o Direito de propriedade.
    • Para acalmar outros países, o gov. comprometeu-se em assumir as dívidas da monarquia.
  • 3.
    • Primeiras medidas:
    • Federalismo: províncias = Estados-membros c/ maior autonomia.
    • Separação entre Igreja e Estado – fim do padroado.
    • Passamos a ter o casamento e registro de nascimento civil.
    • Grande naturalização.
    • Bandeira.
    • Assembléia Constituinte - elaborar a 1ª constituição da República.
  • 4. Encilhamento – 01/1890
    • Medida de XG impacto tomada e executada por Rui Barbosa – obj.: incentivar a industrialização brasileira.
    • Vamos ter XXGG emissão de $ - aumentar a moeda circulante, facilitar o crédito.
    • Resultado: XXXGGG inflação, empresas fantasmas, especulação n bolsa do RJ, desorganização econômica.
    • Cafeicultores = pressão, pois querem uma política que valorize o Café.
  • 5. 1ª Const. Republicana (1891)
    • Forma de Governo: República
    • Forma de Estado: Federalismo
    • Sistema de Governo: Presidencialismo
    • Divisão dos poderes: os 3 normais
    • Voto: brasileiros maiores de 21 exceto analfabetos, mendigos, soldados e mulheres.
    • Voto aberto – pressão na votação.
  • 6. Gov. Const. De Deodoro (1891)
    • Congresso nacional elegeu o 1° presidente, Deodoro que tinha apoio dos militares.
    • O vice eleito era Floriano, vice da outra chapa, com apoio dos cafeicultores.
    • Ou seja, Deodoro não tem apoio político suficiente para governar, nem o vice é seu aliado.
  • 7.
    • Oposição no Congresso (cafeicultores);
    • Congresso tenta aprovar a Lei das Responsabilidades – culpar o presidente pela crise econômica;
    • Deodoro fecha o congresso;
    • Brasil a beira de uma guerra civil – encilhamento;
    • Deodoro abandona o poder.
    • Essa república já começou mal!!!
  • 8. Gov. de F. Peixoto (1891 – 1894)
    • Vai enfrentar e vencer as revoltas;
    • Consolidar a República no Brasil;
    • Apoio do Congresso;
    • Oposição  inconstitucionalidade do governo, pois Peixoto era vice.
    • Política de Conciliação, voltada para a elite, classe média e popular: agroexportação, crédito, baixa os aluguéis, pescado e sistema de casa própria.
  • 9. Revoltas que F. Peixoto enfrenta
    • Revolta da Armada (1893):
    • RJ – tentativa da marinha tomar o poder com o Alm. Custódio de Melo.
    • Bombardeiam o RJ e se juntam com os revoltosos do Sul.
    • Revolução Federalista (1893 – 1895)
    • Disputa entre duas facções políticas no RS;
    • Pica-paus X Maragatos;
    • Centralização X Federalismo;
    • Júlio de Castilhos X Gaspar Silveira Martins.
  • 10. República Oligárquica (1894 – 1930)
    • Política do Café com Leite – troca de favores;
    • Política dos Governadores – troca de favores;
    • Coronelismo – troca de favores;
    • Voto de Cabresto – eleições fraudulentas;
    • Comissão Verificadora – aprovar os nomes dos eleitos;
    • Política de Valorização do Café – 1906 – Acordo de Taubaté.
  • 11. Coronelismo
    • Economia fundamentalmente agrícola – 70% da população esta no campo (1920).
    • Sociedade agrícola – Coronéis – XG poder.
    • Empregam muitos por salários miseráveis que p/ sobreviver dependiam dos favores dos coronéis -- $ emprestado, auxílio na educação e saúde, etc.
  • 12. Voto de cabresto
    • Em troca dos favores:
    • O coronel exigia que as pessoas votassem nos seus candidatos.
    • Quem desobedecesse perdia seus favores e estava sujeito a ação dos jagunços e capangas.
    • Voto aberto – sob pressão – voto de cabresto.
    • Temos ainda as fraudes – documentos falsificados, urnas violadas e votos adulterados.
  • 13. Política dos Governadores
    • Criada por Campos Sales (1898 – 1902), o idealizador das alianças entre o Gov. Federal e Estadual.
    • Presidente: respeita e apóia as decisões do Gov. Estadual.
    • Governador: ajuda a eleger p/ o Congresso, deputados simpáticos ao presidente.
    • Ou seja, uma troca de favores.
  • 14.
    • A Política dos governadores reproduzia a nível federal a rede de compromissos que ligavam coronéis e governo dentro do estado.
    • Havia no Congresso a Comissão Verificadora – deveria julgar os resultados eleitorais.
    • Aprovava candidatos da situação e não reconheci os nomes eleitos da oposição.
    • A eliminação dos nomes – Degola.
  • 15. Política do Café com Leite
    • Através das alianças e favores as Oligarquias agrárias controlaram o poder durante a Rep. Velha – organizadas em dois partidos – PRP e PRM.
    • Faziam coligações com oligarquias de outros estados.
    • Quase todos os presidentes foram eleitos com o apoio dos paulistas e mineiros.
    • SP = café MG = 2° em café e destaque p/ o leite
    • Aliança entre PRP e PRM = Café c/ Leite
  • 16. Economia da República Velha
    • Café: líder das exportações
    • Representava mais de 50% das exportações, Brasil atendeu 2/3 do consumo mundial.
    • Condições favoráveis p/ o plantio.
    • Utilização dos imigrantes – contribuíram para aumentar a capacidade de produção.
    • Houve lucro - + investimentos nas fazendas, logo a produção ultrapassa o consumo.
    • Início do XX – crises de superprodução.
    • Queda nos preços;
    • Acúmulo de estoques invendáveis – 1905 – 11 milhões de sacas de 60kg – 70% do consumo mundial em um ano.
  • 17. Convênio de Taubaté (1906)
    • Reunião de cafeicultores – soluções para a superprodução.
    • Governo comprasse o que ultrapassasse a procura do mercado p/ depois ser vendido quando os preços se normalizassem.
    • P/ comprar o governo fazia empréstimos.
    • Estoques crescem.
    • Preços mantidos artificialmente.
    • Cafeicultores continuam tendo lucros e aumentando a produção do café.
  • 18.
    • Açúcar: mercado interno – concorrência internacional.
    • Algodão: concorrência com os EUA – auge 1861 – 1870. Após temos decadência. Passa para o mercado interno.
    • Borracha: 1840 – intensa procura dos países industrializados. Brasil passa a suprir praticamente toda a demanda mundial. Mas a produção é insuficiente. Ing e Hol investem na Malásia, Ceilão e Indonésia. 1920 – decadência.
    • Cacau: semelhante a borracha – Ing investe na Costa do Ouro – XG exportador.
  • 19. Indústria
    • Crescimento das Indústrias ganhou novo impulso – SP. Onde estavam os + importantes cafeicultores.
    • Crises de superprodução – muitos fazendeiros invistam parte os lucros na indústria.
    • Muitos imigrantes desiludidos com o campo – vão para a cidade – mão de obra ns fábricas.
    • Passo a passo a indústria conquista sua parcela no mercado interno.
    • Aos poucos a indústria modifica a estrutura socioeconômica do Brasil – setores urbanos, classe média e proletariado passam a exigir maior participação política.
  • 20. Lutas Operárias
    • Péssimas condições de trabalho:
    • Seg a Sab – 15 horas/dia;
    • Salários baixos;
    • Sem férias, horas extras e demais direitos trabalhistas;
    • Instalações fabris precárias – freqüentes acidentes.
    • Protestos e reivindicações – primeiros sindicatos – ANARQUISMO.
  • 21. 1922 – Fundação do PCB
    • Inspirado na vitória comunista na Rússia – no Brasil foi bem recebido pelos líderes operários.
    • Logo após sua fundação foi posto na clandestinidade: Por quê?
    • Comandado pelo estrangeiro;
    • Contrário a ordem pública do país.
  • 22. Greve geral de 1917
    • 07/1917 – Org. em SP – 1ª greve geral da história do Brasil.
    • Estopim: morte de operário em confronto com a polícia.
    • Paralisação atinge toda a cidade de SP e outras regiões do país – conflitos entre trabalhadores e polícia.
    • Movimento assusta patrões – negociar. Prometem melhores salários e condições de trabalho (também não punir grevistas).
    • Concessões provisórias: Washington Luis = “questão social é caso de polícia”. Revolta de trabalhadores devia ser contida na cacetada.
  • 23. Revoltas da República Velha
    • Revoltas Messiânicas:
    • Revolta de Canudos (1893 – 1897):
    • Mov. Messiânico;
    • Miséria da região;
    • Beato: Antonio Conselheiro que funda no Arraial de Canudos a cidade de Santa de Belo Monte. Monarquia Celestial, busca a igualdade entre as classes;
    • Questiona a República.
  • 24.
    • Guerra do Contestado (1912 – 1916)
    • Disputa de terras entre SC e PR;
    • Movimento Messiânico;
    • No séc. XIX devido a exploração dos caboclos – surge um beato – João Maria;
    • No início do XX a exploração é também por empresas estrangeiras – clima de miséria;
    • Surge um novo beato – José Maria que busca por uma sociedade igualitária, Monarquia Celestial – semelhante a Canudos, não obedecia as ordens da Rep. Velha.
    • Foram violentamente perseguidos pelos coronéis, donos das empresas estrangeiras e pelo exército.
  • 25.
    • Revolta da Vacina (1904)
    • Reação popular nas ruas do Rio de Janeiro, uma cidade com graves problemas urbanos e sociais;
    • Havia o desejo de transformar o Rio no cartão postal da República. Com isso tivemos o inicio de obras de modernização.
    • Para as epidemias, Osvaldo Cruz – Lei da vacina Obrigatória.
    • População reage: agressão física e moral da vacina.
    • Pobreza da população é outro motivo.
  • 26.
    • Revolta da Chibata (1910)
    • Causas: maus tratos na Marinha, péssima alimentação, baixos soldos, falta de promoções (academia militar só recebia brancos ricos);
    • Líder: João Cândido
    • Governo promete mas depois reprime.
    • Novo levante: O Alm. Negro é preso mas acaba com a chibata na marinha. É absolvido em 1912.
  • 27.
    • Cangaço – violência no sertão.
    • Situação: miséria, injustiça dos coronéis, fome e seca.
    • A situação contribui para a formação de bandos armados – cangaceiros.
    • Forma pura e simples de banditismo e criminalidade?
    • Forma de banditismo social – revolta contra a opressão e miséria dos nordestinos?
    • + importantes: Antônio Silvino (1900) e Virgulino Ferreira (1920).
    • Após o massacre do bando de Lampião em 1939 pela polícia, o cangaço praticamente desapareceu do nordeste.
  • 28. Tenentismo
    • Movimento das camadas médias militares:
    • Participação política;
    • Voto secreto;
    • Voto para todos;
    • Melhorias na educação;
    • Busca da melhoria social;
    • Criação de uma Justiça Eleitoral;
    • Combate ao Latifúndio;
    • Política econômica nacionalista e industrializante.
    • Condenavam:
    • Voto de Cabresto;
    • Corrupção eleitoral;
    • Coronelismo;
    • Política dos Governadores;
    • Política do Café com Leite.
  • 29.
    • 1922 – Levante do Forte de Copacabana:
    • Querem impedir a posse de Artur Bernardes;
    • Imediata reação do governo;
    • Rebeldes saem a rua lutar contra uma brutal superioridade das forças governamentais;
    • Ficou conhecida como Os 18 do Forte.
    • Revolta de 1924:
    • Revolucionários ocupam locais estratégicos em São Paulo;
    • Gov. paulista foge para reorganizar a reação.
    • Não havendo condições de resistir, o General Isidoro Dias Lopes forma a Coluna Paulista que tinha como objetivo continuar a luta contra o governo levando a revolução para outros Estados.
  • 30. Coluna Prestes (1925 – 1927)
    • Líder: Luis Carlos Prestes;
    • Busca a ampliação da luta tenentista;
    • Nasce no RS, une-se a Coluna Paulista no PR, vai até o Nordeste e se dissolve na Bolívia;
    • Movimento tenta ganhar simpatizantes para o tenentismo com a finalidade de formar um movimento forte para derrubar a Oligarquia;
    • Falta unidade, movimento passa a ser somente contra Artur Bernardes.
  • 31. Semana de Arte Moderna - 1922
    • Rebelião cultural;
    • Busca do abrasileiramento do Brasil – um padrão cultural nacional;
    • Questiona a republica Oligárquica;
    • Romper com o padrão estético cultural externo;
    • Forte reação dos setores conservadores, mas com o tempo as obras e idéias novas conseguiram se impor na cultura brasileira;
    • “ Tupi or not Tupi, that is the question” – Manifesto Antropofágico.
  • 32. Enquanto isso no mundo: Crise de 29
    • Caracterizou-se como uma crise de superprodução;
    • Falta de opções para aplicação de capitais;
    • Queda dos lucros;
    • Retração geral da produção industrial;
    • Paralisação do comércio;
    • Culminou com o Crack da Bolsa de Nova Iorque 10/1929 – Quinta feira negra.
    • Crise repercutiu praticamente no mundo todo, exceto na Rússia que vinha desenvolvendo sua economia sem muita dependência das finanças externas.
  • 33. Agonia da República Velha
    • Crise de 29 – Desestruturação da Oligarquia cafeeira;
    • Rompimento da Política do Café com Leite. Indicação do paulista Júlio Prestes;
    • Formação da Aliança Liberal – Oligarquia dissidente cuja plataforma de compromisso têm: nacionalização, projetos trabalhistas, melhoria de vida social dos trabalhadores em geral;
    • Eleições de 1930 – vence Júlio Prestes – fraudes;
    • Morte de João Pessoa – vice da Aliança liberal, o estopim do movimento.
  • 34. Era Vargas (1930 – 1945)
    • Populismo;
    • Nacionalismo;
    • Líder carismático;
    • Paternalista;
    • Unipartidarismo;
    • K não dependente;
    • Anti-comunismo;
    • Ambíguo: elite ou povo
    • “ Um populista ama o povo mas acima de tudo ama o poder.”
  • 35. Governo Provisório (1930 – 1934)
    • Vargas mostra suas garras;
    • Fecha o Congresso (cafeicultores);
    • Interventores nos Estados (aliados);
    • Vargas com amplos poderes;
    • Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio;
    • Ministério da Educação e Saúde Pública;
    • Conselho Nacional do Café (substitui o Convênio de Taubaté);
  • 36. Revolução Constitucionalista de 32
    • Tenentes depois de dois anos rompem com Vargas, percebem suas manobras políticas para ficar no poder;
    • 1932 – Revolução Constitucionalista de São Paulo: Movimento reacionário da oligarquia paulista. Houve derrota militar mas suas reivindicações foram atendidas.
    • Constituição de 1934: liberal e centralizadora. Voto secreto, Direitos trabalhistas e Nacionalismo econômico;
    • Voto feminino, leis trabalhistas, representação classista no Poder Legislativo,...
  • 37. Governo Constitucional (1934 –1937)
    • Ação Integralista Brasileira:
    • Combate ao comunismo;
    • Nacionalismo exacerbado;
    • Estado todo-poderoso;
    • Disciplina e Hierarquia na sociedade;
    • Censura às atividades artísticas;
    • Entrega do poder a um único chefe integralista;
    • Plínio Salgado.
    • Aliança Nacional Libertadora:
    • Várias tendências, a principal era a comunista;
    • Nacionalização das empresas estrangeiras;
    • Não pagamento da dívida externa brasileira;
    • Reforma agrária distribuindo terra e combatendo o latifúndio;
    • Luis Carlos Prestes.
    Polarização ideológica:
  • 38.
    • 1935 Vargas coloca a ANL na ilegalidade – “movimento controlado por perigosos comunistas”;
    • Alguns tenentes simpáticos a causa socialista fazem revoltas em alguns quartéis no RS, PE e RN;
    • Todos prontamente dominados pelas forças governamentais;
    • Serviu de pretexto para o governo se tornar ainda mais autoritário. Em nome do “perigo comunista” fora presos diversos sindicalistas, militares e intelectuais acusados de atividades subversivas.
    Intentona Comunista - 1935 Pesquisas recentes revelam os estreitos laços entre os comunistas brasileiros e a Internacional Comunista. Mostram a ação, no Rio de Janeiro, da primeira filial dos serviços secretos de Moscou, da qual faria parte Olga Benário. A partir de informações retorcidas, transmitidas por Prestes a Internacional autorizou o levante que fracassou.
  • 39. Estado Novo (1937 – 1945)
    • Ditadura civil de Vargas;
    • Constituição de 1937 – “polaca” de tendência fascista cujo mentor foi Francisco Campos, “Chico ciência”;
    • Fecha o congresso;
    • Coloca interventores nos Estados (pessoas de sua confiança);
    • Institucionalização da ditadura de Vargas - constituição
    • Para garantir o Estada forte:
    • DASP: Departamento Administrativo do Serviço Público – Fiscais dos gov. estaduais;
    • DIP: Departamento de Imprensa e Propaganda – Censura e Voz do Brasil;
    • UNE: Vigiar os estudantes;
    • Polícia Secreta: Filinto Muller - Vigia, prende, pune e mata.
  • 40. Estado Novo na Segunda Guerra Mundial
    • Vargas no princípio mantém a Neutralidade;
    • No seu governo havia simpatizantes do Eixo (Francisco Campos) e dos Aliados (Oswaldo Aranha).
    • A partir de 1941 Vargas passa a apoiar os Aliados e em troca recebe financiamento para a Usina de Volta Redonda;
    • Brasil passa a fornecer borracha e ferro e permite a instalação de bases no Nordeste;
    • Alemanha reage – torpedeamento de navios;
    • 31/08/1942 Vargas declara guerra ao Eixo;
    • 1944 a FEB vai a luta na Itália – Monte Castelo, Castelnuovo, Collechio e Fornovo.
  • 41. Política Econômica do Estado Novo
    • Vargas procura estabilizar cafeicultura;
    • Diversificar a produção agrícola;
    • Estimular o desenvolvimento industrial – substituir as importações.
    Trabalhismo
    • Atrelamento sindical – pelegos;
    • 1943 as leis trabalhistas criadas são reunidas na CLT
  • 42. Esgotamento do Estado Novo
    • Manifesto dos Mineiros:
    • Movimento da classe média intelectualizada (advogados, professores, jornalistas...) que pregam a democratização do Brasil sem Vargas;
    • Reação: QUERENISMO. Campanha pró-Vargas;
    • Mas renuncia em 10/1945, depois de promover a reorganização democrática, com a regulamentação eleitoral e abertura partidária.
    • Obs.: Vargas não abandona a política, é eleito senador pelo RS.
  • 43. Governo Dutra (1946 – 1951)
    • Constituição de 1946 – Liberal e democrática;
    • Plano Salte (Saúde, Alimentação, Transporte e Energia) – setores prioritários;
    • Política econômica liberal, abandona o nacionalismo econômico de Vargas, abre o país para os interesses estrangeiros;
    • Alinhamento com os EUA, rompe com a URSS (1946) e coloca na ilegalidade o PCB (1947) – Clima de Guerra Fria.
  • 44. Nos braços do povo (1951 – 1954)
    • Pai dos pobres – volta do Populismo, Nacionalismo e o Trabalhismo;
    • Campanha o “Petróleo é Nosso” – criação da Petrobrás;
    • Incentivo ao ensino e pesquisa – CAPES;
    • Remete ao congresso uma lei que impedia a remessa de lucros excessivos para o exterior
    • Ministro João Goulart aumenta o salário em 100%;
    • Clima de agitação a vista!!!
  • 45.
    • Oposição ao governo de Vargas: UDN, militares, multinacionais, empresários, classe média, Carlos Lacerda...e EUA;
    • Havia o medo da formação de uma “República Sindicalista” com Vargas;
    • Atentado da rua Toneleiros 5/08/1954;
    • Manifestações pedem o afastamento de Vargas que se recusa a abandonar o poder;
    • Isolado suicidou-se com um tiro no coração.
  • 46. 17 meses se passam...
    • João Café Filho – vice eleito de Vargas, sai por razões de saúde;
    • Carlos Coimbra da Luz – presidente da câmara dos deputados, toma um golpe e é retirado do governo;
    • Nereu Ramos – presidente do senado, depois dele só o JK!!
  • 47. Juscelino Kubitschek (1956–1961)
    • Governo jovem, com muitos sonhos, quer governar o Brasil rumo a modernidade;
    • 50 anos em 5 de governo;
    • Substitui o Nacionalismo de Vargas pelo desenvolvimentismo;
    • Sua política econômica estava estabelecida no Plano de Metas: Energia, Transporte, Alimentação, Indústria de Base e Educação.
  • 48.
    • Planos audaciosos que necessitam de muito dinheiro;
    • Construção de Brasília;
    • Cria a SUDENE – queria a modernização do Nordeste (com o Sarney é p/ a seca dos coronéis);
    • Abertura do K às empresas estrangeiras – automobilísticas pois representam modernidade;
    • Aumento considerável de empréstimos;
  • 49.
    • O modelo Desenvolvimentistas de JK pagou um alto preço: abertura ao K estrangeiro, submissão à hegemonia dos EUA;
    • O resultado disso foi um descontrole inflacionário que pesou sobre a população;
    • JK rompe com o FMI e tente retornar a um nacionalismo, ms é tarde demais...
    • A UDN se fortalece, apóia um candidato que “felomenal”!!!!
  • 50. Jânio Quadros (1961)
    • Governa apenas 8 meses;
    • Austeridade econômica;
    • Política externa independente;
    • Combater os fantasmas do serviço público;
    • Bilhetava para tudo – tinha força de decretos;
    • Autoritário, isola-se dos políticos a da política;
    • Reata relações com a URSS;
  • 51.  
  • 52. Onze dias que abalaram o Brasil
    • Ministros militares vislumbram um momento propício para tomar o poder e passam a exigir o afastamento de Jango;
    • Forças legalistas erguem-se no país;
    • No RS Brizola + III Exército + BM lançam a Legalidade;
    • Problema resolvido na diplomacia de T. Neves.
  • 53. João Goulart (1961 – 1964)
    • 1961 – 1963  Parlamentarismo, Jango com poderes limitados;
    • Busca apoio nos partidos, visita os EUA;
    • 01/1963  Plebiscito = Presidencialismo;
    • 1963 – Plano Trienal – nacionalista, quer diminuir as desigualdades sociais;
    • 13/03/1964 – Comício na estrada de ferro Central do Brasil Jango lança as Reformas de Base:
  • 54.
    • Reforma Agrária = democratizar o acesso à terra;
    • Reforma Tributária = menor desigualdade na divisão social dos encargos fiscais;
    • Reforma Urbana = combate a pobreza nas cidades;
    • Reforma Bancária = acesso ao crédito;
    • Reforma Educacional = valorização o ensino público em todos os níveis.
    • REAÇÃO: Marcha da Família com Deus pela Liberdade – 400 mil pessoas (donas de casa, freiras, padres) foi a carta branca para que as forças conservadoras civis e militares consolidassem sua organização.
  • 55.  
  • 56.  
  • 57.
    • 30/03/1964  Discurso no Automóvel Clube Jango reafirma as Reformas de Base e também ataca as forças golpistas, o que precipita os acontecimentos.
    • 31/03/1964  Golpe Civil-militar onde tropas de Minas marcham para o Rio de Janeiro depondo Jango.
    • 1/04/1964  Jango vai para POA onde Brizola tenta em vão esboçar uma resistência, 3 dias depois Jango estava exilado no Uruguai.
  • 58. Ditadura Militar (1964 – 1985)
    • Linha dura = Costa e Silva e Médici;
    • Linha Moderada = Castelo Branco, Geisel e Figueiredo;
    • Ambas combatem o comunismo
  • 59. Características da Ditadura:
    • Autoritarismo;
    • Centralismo – democracia de fachada;
    • Atos institucionais;
    • Lei de Imprensa – Censura;
    • Lei de Segurança Nacional – Tribunal militar, todos são julgados pelos militares com severas punições;
    • Quando a Ordem é Segurança e o Progresso é Desenvolvimento.
    • Logo após o golpe quem governa o Brasil é um Tribunal Revolucionário formado pela Marinha, Exército e Aeronáutica.
    • AI-1 – preserva a constituição de 1946 com modificações: ELEIÇÕES INDIRETAS E PODER DE CASSAÇÃO PARA PRESIDENTE.
  • 60. Castelo Branco (1964 – 1967)
    • Centralismo, fortalece o executivo;
    • Rompe com a URSS e Cuba;
    • Brasil ingressa num modelo econômico de desenvolvimento interno a partir do K externo – modernização conservadora;
    • AI- 2 (1965) – extingue os partidos políticos. Ato comp. n. 4 cria o bipartidarismo.
    • AI- 3 (1966) – indiretas para governos estaduais e capitais.
    • AI- 4 (1966) – estabelece os nomes para nova constituição.
  • 61. Costa e Silva (1967 – 1969)
    • Linha dura;
    • Enfrenta a Frente Ampla – JK, Jango, C. Lacerda,... Buscam a redemocratização do país;
    • Ações da UNE: morte de Edson Luis;
    • Greves de operários em SP e MG;
    • REAÇÃO: criado o CCC, fechado o Congresso e editado o AI- 5.
  • 62. Médici (1969 – 1974)
    • Campeão ditatorial;
    • Adota política de acordo com o K externo – tecnocracia;
    • Propaganda ufanista;
    • Enfrenta grupos guerrilheiros: MR-8 e Araguaia;
    • DOI-CODI funcionou como nunca!
  • 63.
    • Grandes projetos: Transamazônica, Ponte Rio-Niterói, inicia o projeto nuclear.
    • 1968 – 1974 = Milagre econômico brasileiro. Crescimento falso que não resiste as crises mundiais com 1973 – Crise do Petróleo, o Milagre acabou!
    • Início de uma longa e amarga crise e a Ditadura não garantia o desenvolvimento nem a estabilidade.
  • 64. Geisel (1974 – 1979)
    • Abertura lenta, gradual e segura;
    • Incentivo ao Pró-álcool;
    • Diminuição da censura, mas o regime continua fechado e a repressão ainda existe;
    • 10/1975 – V. Herzog morto no DOI-CODI/SP
    • 01/1976 – Manuel Fiel Filho morto no DOI-CODI/SP
  • 65.
    • Geisel enfrenta a linha dura que não aceita a abertura;
    • Lei Falcão (1976): limitava o uso do rádio e TV por candidatos;
    • Pacote de Abril (1977): Reformas no judiciário e reformas políticas – Senadores Biônicos;
    • Preços do petróleo aumentam e o BR gasta mais da metade da receita das exportações comprando petróleo – DÉFICITS – compensados com empréstimos.
    • Para compensar os problemas econômicos Geisel remota a Abertura Política: 10/1978 é extinto o AI-5
  • 66. Figueiredo (1979 – 1985)
    • Vou fazer desse país uma democracia!
    • Anistia;
    • Fim do Bipartidarismo e eleições diretas para os governos estaduais;
    • Dívida externa: ciranda sem fim;
  • 67.
    • Inflação: fim de 1984 – 200% ao ano. XG prejudicado – classe assalariada com  poder aquisitivo;
    • Desemprego: falta de investimentos na expansão das empresas – desemprego.
    • Insatisfações com o governo = eleições de 1982 com XG n. de oposicionistas para os estados.
    • 1984 – 1985 = Campanha Diretas-Já.
    • Emenda Dante Oliveira é derrubada.
    • Tancredo Neves vence de forma indireta.
  • 68. O presidente que não foi
    • 12 horas antes de assumir T. Neves adoece;
    • José Sarney assume de forma temporária, após a morte do presidente, de forma plena
  • 69. José Sarney (1985 – 1990)
    • Transição decepciona as oposições políticas – Sarney fez carreira política apoiando a Ditadura (liderando o PDS derrubou a Emenda Dante de Oliveira);
    • Brasileiros sofrem: fome, moradia, saúde.
    • Nenhum problema social seria resolvido sem combate a inflação = Planos
  • 70. Cruzado
    • Nova moeda – Cruzado;
    • Congelamento dos preços
    • Reajuste automático do salário – Gatilho salarial;
    • Produtos somem dos mercado e reapareciam mediante Ágio;
    • 15/11/1986 – Eleições – maioria que venceu pertencia ao governo o que permite a criação de uma novo plano, o CRUZADO II: reajuste dos preços das mercadorias.
    • Inflação volta a subir – novos planos mas todos fracassam.
    • Governo não consegue resolver 3 XG problemas: Inflação, Dívida Externa e Interna do governo.
  • 71. Constituição de 1988
    • 1/02/1987 – instalada uma Assembléia Nacional Constituinte
    • Após 20 meses de trabalho é promulgada a nova Carta Magna que marca a redemocratização do Brasil.
  • 72. Collor (1990 – 1992)
    • 15/11/1989 depois de 30 anos os brasileiros vão as urnas
    • 17/12/1989 2. Turno
    • O jovem, atlético, caçador de marajás e preocupado com os descamisados vence.
    • Programa de governo: privatizar estatais, abrir o país à concorrência internacional.
    • XG problema: Hiperinflação – último ano de Sarney chegou a 1751,34%
  • 73. Impeachment
    • Instituída uma CPI – desmonta o “esquema PC” – rede de corrupção, sonegação, contas-fantasmas;
    • Caras-pintadas tomam as ruas;
    • Collor espera os últimos instantes para renunciar.
    • Assume seu vice Itamar Franco.
  • 74. Itamar Franco (1992 - 1994)
    • Coalizão política;
    • Plebiscito;
    • Plano Real;
    • Campanha contra a fome – Betinho
  • 75. FHC (1994 – 2002)
    • Sustentou seu governo no plano Real;
    • Privatizações;
    • Conflitos com o MST;
  • 76. Lula (2002 – 2010)
    • Fome Zero;
    • Participação em missões de paz;
    • Reformas.
    • A GENTE ACREDITOU...
  • 77. É...a gente acreditou...
  • 78. SIM!!! NÓS ACREDITAMOS!!! Mas...somos brasileiros e não desistimos nunca!!