Slidepronto 130919140840-phpapp01

4,101 views
4,033 views

Published on

Published in: Education

Slidepronto 130919140840-phpapp01

  1. 1. O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA
  2. 2. MIMO DO DIA
  3. 3. LEITURA DELEITE
  4. 4. ACONTECEU COM... ...SHIRLENE
  5. 5. GÊNEROS TEXTUAIS • Dentro de uma perspectiva interacionista os gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente vinculados à vida cultural e social; • Os gêneros caracterizam-se muito mais por suas funções comunicativas, cognitivas e institucionais do que por suas peculiaridades lingüísticas e estruturais – presentes nos tipos textuais.
  6. 6. Gêneros textuais - conceito e funcionalidade
  7. 7. • Embora os gêneros textuais não se caracterizem nem se definam por aspectos formais, isso não quer dizer que se despreze as formas. Em muitos casos são as formas que determinam o gênero e, em tantos outros serão as funções. • Em outros casos ainda, será o próprio suporte ou o ambiente em que os textos aparecem que determinam o gênero.
  8. 8. Confirmando • Bakhtin define os gêneros do discurso como tipos relativamente estáveis de enunciados constituído historicamente e que mantêm uma relação direta com a dimensão social.
  9. 9. Tipo Textual A expressão tipo textual é usada para designar a forma como o texto se apresenta, e há pouquíssimos tipos: narração, argumentação, descrição, injunção e exposição.
  10. 10. TIPOS TEXTUAIS GÊNEROS TEXTUAIS 1. Constructos teóricos definidos por propriedades linguísticas intrínsecas; 1. Realizações concretas definidas por propriedades sócio comunicativas; 2. Constituem sequências linguísticas ou sequências de enunciados no interior dos gêneros e não são textos empíricos; 2. Constituem textos empiricamente realizados cumprindo funções em situações comunicativas;
  11. 11. 3. Sua nomeação abrange um conjunto limitado de categorias teóricas determinadas por aspectos lexicais, sintáticos, relações lógicas, tempo verbal; 3. Sua nomeação abrange um conjunto aberto e praticamente ilimitado de designações concretas determinadas pelo canal, estilo, conteúdo, composição e função;
  12. 12. 4. Designações teóricas dos tipos: narração, argumentação, descrição, injunção e exposição. 4. Exemplos de gêneros: telefonema, sermão, carta comercial, carta pessoal, romance, bilhete, aula expositiva, reunião de condomínio, horóscopo, receita culinária,
  13. 13. Tipos Textuais – Classificação segundo Werlich(1973)
  14. 14. Texto Narrativo A narração consiste em arranjar uma sequência de fatos na qual os personagens se movimentam num determinado espaço à medida que o tempo passa. Os elementos que compõem a narrativa são: - Foco narrativo (1ª e 3ª pessoa); - Personagens (protagonista, antagonista e coadjuvante); - Narrador (narrador-personagem, narrador-observador). - Tempo (cronológico e psicológico); - Espaço.
  15. 15. Texto Argumentativo Tem como objetivo convencer alguém das nossas ideias. Geralmente apresenta uma estrutura organizada em três partes: a introdução, na qual é apresentada a ideia principal ou tese; o desenvolvimento, que fundamenta ou desenvolve a ideia principal; e a conclusão. A conclusão pode apresentar uma possível solução/proposta ou uma síntese.
  16. 16. Texto Descritivo Um texto em que se faz um retrato por escrito de um lugar, uma pessoa, um animal ou um objeto. A classe de palavras mais utilizada nessa produção é o adjetivo, pela sua função caracterizadora. Numa abordagem mais abstrata, pode-se até descrever sensações ou sentimentos. Não há relação de anterioridade e posterioridade. É fazer uma descrição minuciosa do objeto ou da personagem a que o texto refere. Nessa espécie textual as coisas acontecem ao mesmo tempo.
  17. 17. Texto Injuntivo/Instrucional . Indica como realizar uma ação. Também é utilizado para predizer acontecimentos e comportamentos. Utiliza linguagem objetiva e simples. Os verbos são, na sua maioria, empregados no modo imperativo, porém nota-se também o uso do infinitivo e o uso do futuro do presente do modo indicativo. Ex: Previsões do tempo, receitas culinárias, manuais, leis, bula de remédio, convenções, regras e eventos.
  18. 18. Texto Expositivo A principal característica dos textos . expositivos é apresentar aos leitores informações sobre um determinado tema, fazendo com que ampliem seu conhecimento. Os textos expositivos são fonte de consulta pois pertencem à área da documentação e informação.
  19. 19. VÍDEO
  20. 20. ALGUMAS OBSERVAÇÕES SOBRE OS TIPOS TEXTUAIS A expressão “tipo de texto” é equivocadamente empregada e não designa um tipo, mas sim um gênero de texto. A carta pessoal não é um tipo de texto informal e sim um gênero textual, assim como:
  21. 21. BILHETE
  22. 22. RECEITA DE BOLO
  23. 23. BULA DE REMÉDIO
  24. 24. LISTA TELEFÔNICA
  25. 25. CARTA COMERCIAL
  26. 26. REVISTA
  27. 27. LIVRO
  28. 28. E-MAIL
  29. 29. LISTA
  30. 30. HORÓSCOPO
  31. 31. POEMA
  32. 32. JORNAL
  33. 33. PROPAGANDA
  34. 34. HISTÓRIA EM QUADRINHO
  35. 35. MANUAL DE INSTRUÇÃO
  36. 36. SUMÁRIO DE UM LIVRO
  37. 37. RECEITA MÉDICA
  38. 38. CONVITE
  39. 39. CARTÃO DE VACINA
  40. 40. CARDÁPIO
  41. 41. PIADA
  42. 42. Literatura Infantil • • • • • Conto Popular; Contos de Fadas; Fábulas; Lendas; Cordel.
  43. 43. DINÂMICA
  44. 44. UM GÊNERO “PUXA” OUTRO
  45. 45. A imagem apresentada, apresenta-se como gênero textual/cartaz e ao mesmo tempo calendário.
  46. 46. Em todos estes gêneros também se está realizando tipos textuais, podendo ocorrer que o mesmo gênero realize dois ou mais tipos.
  47. 47. DEPENDENDO DO SUPORTE, O GÊNERO É COMPREENDIDO DE MODO DIFERENTE.
  48. 48. Se o texto citado estiver escrito num papel colocado sobre a mesa da pessoa indicada (Paulo), pode ser um bilhete; se for passado pela secretária eletrônica é um recado; remetido pelos correios num formulário próprio, pode ser um telegrama; exposto num outdoor pode ser uma declaração de amor.
  49. 49. • O conteúdo não muda, mas o gênero é sempre identificado na relação com o suporte. Portanto, há que se considerar este aspecto como um caso de co-emergência, já que o gênero ocorre (surge e se concretiza) numa relação de fatores combinados no contexto emergente.
  50. 50. • Suporte textual tem a ver centralmente com a ideia de um portador do texto, mas não no sentido de um meio de transporte ou veículo, nem como um suporte estático, e sim como um lócus no qual o texto se fixa e que tem repercussão sobre o gênero que suporta.
  51. 51. VÍDEO
  52. 52. REFERÊNCIAS MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, Acir Mário et al. Gêneros textuais: reflexões e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006. ARANTES, Marilza Borges. Gêneros discursivos – prática pedagógica para conscientização do contexto sócio-cultural do educando. Uberlândia, UFU, 2006. (CD-R/ SILEL 2004)
  53. 53. Escolha um gênero textual e crie uma atividade para ser aplicada na sua rotina didática.
  54. 54. AVALIAÇÃO Hoje a nossa temática Foi sobre gêneros textuais Foram tantas informações E ainda saí querendo mais Escreva o que achou do encontro Minha cara moça ou meu rapaz! _________________________ _________________________

×