Parte i  técnico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Parte i técnico

on

  • 1,388 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,388
Views on SlideShare
1,262
Embed Views
126

Actions

Likes
1
Downloads
19
Comments
0

2 Embeds 126

http://petroleodigital.blogspot.com 75
http://petroleodigital.blogspot.com.br 51

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Parte i  técnico Parte i técnico Presentation Transcript

  • CONHECENDO O PETRÓLEO... Prof. Janine Ferreira
  •  
  • O petróleo era conhecido por diversos nomes, entre eles: betume, azeite, asfalto, lama, múmia, óleo de rocha.
  • FORMAÇÃO DO PETRÓLEO
    • Etimologia : Petra – “pedra”; Oleum – “óleo”.
    • Estado Físico : Líquido viscoso e coloração escura (maioria dos casos).
    • Ocorrência : Encontrado em poros de rochas, em terra firme ou sob o mar.
    • Constituição : É constituído fundamentalmente por Hidrocarbonetos.
  • COMPOSIÇÃO PETRÓLEO BRUTO
    • Carbono - 84%
    • Hidrogênio - 14%
    • Enxofre - de 1 a 3% (sulfeto de hidrogênio, sulfetos, dissulfetos, enxofre elementar)
    • Nitrogênio - menos de 1% (compostos básicos com grupos amina)
    • Oxigênio - menos de 1% (encontrado em compostos orgânicos como os, fenóis, cetonas e ácidos carboxílicos) e no dióxido de carbono.
    • Metais - menos de 1% (níquel, ferro, vanádio, cobre, arsênio)
    • Sais - menos de 1% (cloreto de sódio, cloreto de magnésio, cloreto de cálcio)
  • A idade de uma jazida pode variar de 10 a 400 milhões de anos. Dessa forma, o petróleo está localizado apenas nas bacias sedimentares. Junto desse recurso mineral, encontram-se associados a água e o gás natural (metano e etano).
  • Origem do petróleo: decomposição de matéria orgânica durante milhões de anos Resíduos de organismos mortos se acumularam nas orlas dos mares e foram soterrados. Com o passar do tempo sob altas pressões, temperaturas e ação de microorganismos causaram reações químicas complexas formando o petróleo.
  • Do Poço à Solo Cascalho Rocha impermeável Rocha + gás natural PETRÓLEO Refinaria EXTRAÇÃO EM TERRA
  • EXTRAÇÃO EM ÁGUAS PROFUNDAS Tecnologia no fundo do mar.
  •  
  •  
  •  
  • Aliado ao óleo cru ou bruto, existe o gás natural (formado principalmente por metano).
    • Gás Natural: alternativa viável e promissora para ocupar espaço na matriz energética mundial:
    • Matéria prima em geração de energia, produção de insumos substitutos da petroquímica;
    • Menor impacto ambiental em relação ao petróleo;
    • Problema: investimento inicial alto, associado à construção de extensas redes de gasoduto
    Dados atuais de produção: 17,7 bilhões de m 3 / ano (www.anp.gov.br) Consumo 2005 : 38,8 milhões de m 3 / dia Consumo 2011 : 99,2 milhões de m 3 / dia
  • PROSPECÇÃO DO
  • Neste método, observa-se o comportamento das ondas sísmicas, após penetrarem na crosta, serem refletidas em contatos de duas camadas de diferentes propriedades físicas, digo, elásticas, e retornarem à superfície, sendo, então detectadas por sensores (geofones ou hidrofones). É o principal método usado na prospecção do petróleo e gás por fornecerem detalhes da estrutura da crosta, bem como de propriedades físicas das camadas que compõem. MÉTODO SISMICO DE REFLEXÃO- PROSPECÇÃO
  • Sísmica de reflexão no mar; as ondas sonoras são produzidas por canhões de ar comprimido. MÉTODO SISMICO DE REFLEXÃO
  • REFINO DO PETRÓLEO Refinação do petróleo processo físico processo físico processo químico processo químico processo químico hidrotratamento reforma catalítica craqueamento destilação fracionada à vácuo destilação fracionada
  • PETRÓLEO
    • MISTURA DE HIDROCARBONETOS
    • DESTILAÇÃO FRACIONADA
    • FRAÇÕES
  •  
  •  
    • A teoria de estrutural de Kekulé pode ser resumida da seguinte maneira:
    • O carbono é tetravalente;
    • As quatro valências do carbono são equivalentes e coplanares;
    • Os átomos de carbono podem ligar-se entre si, originando cadeias.
    TEORIA ESTRUTURAL DE KEKULÉ
  •  
  • REPRESENTAÇÕES ESTRUTURAIS DAS CADEIAS CARBÔNICAS
    • Fórmula estrutural plana detalhada
    • Fórmula estrutural simplificada
    • Fórmula estrutural condensada CH 2 CHCH(CH 3 )COCH 2 CH 3
    • Fórmula estrutural de linha
  •  
  • CLASSIFICAÇÃO DAS CADEIAS CARBÔNICAS
      • Cíclicas aromáticas: são cadeias carbônicas cíclicas que possuem pelo menos um núcleo aromático ou anel benzênico.
  •  
  •  
  • Hidrocarbonetos (contêm apenas Carbonos e Hidrogênios) Hidrocarbonetos Alifáticos (cadeias abertas e cíclicas) Alcanos (parafinas) Alcenos (etilenos ou olefinas) Alcinos (acetileno) CH 3  CH 3 Etano CH 2 = CH 2 Eteno (etileno) HC  CH Etino (acetileno) Hidrocarbonetos Aromáticos (contêm o anel benzeno) Benzeno e seus derivados Hidrocarbonetos Aromáticos Polinucleares Benzeno Naftaleno
  •  
  • ALCANOS OU PARAFINAS 3 – etil – 2,4,6 – trimetil – heptano
  •  
  •  
  • ALCENOS OU OLEFINAS 4 – etil – 2,2,5 – trimetil – hex – 3 – eno
  • ALQUINOS OU ALCINOS 3 – etil – 4 – metil – hex – 1 – ino
  • ALCADIENOS OU DIENOS 2,3 – Dimetil – penta – 1,4 – dieno
  • AROMÁTICOS Tolueno  - Metilnaftaleno  - Metilnaftaleno
  •