Parte i técnico

1,771 views
1,387 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,771
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
128
Actions
Shares
0
Downloads
29
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Parte i técnico

  1. 1. CONHECENDO O PETRÓLEO... Prof. Janine Ferreira
  2. 3. O petróleo era conhecido por diversos nomes, entre eles: betume, azeite, asfalto, lama, múmia, óleo de rocha.
  3. 4. FORMAÇÃO DO PETRÓLEO <ul><li>Etimologia : Petra – “pedra”; Oleum – “óleo”. </li></ul><ul><li>Estado Físico : Líquido viscoso e coloração escura (maioria dos casos). </li></ul><ul><li>Ocorrência : Encontrado em poros de rochas, em terra firme ou sob o mar. </li></ul><ul><li>Constituição : É constituído fundamentalmente por Hidrocarbonetos. </li></ul>
  4. 5. COMPOSIÇÃO PETRÓLEO BRUTO <ul><li>Carbono - 84% </li></ul><ul><li>Hidrogênio - 14% </li></ul><ul><li>Enxofre - de 1 a 3% (sulfeto de hidrogênio, sulfetos, dissulfetos, enxofre elementar) </li></ul><ul><li>Nitrogênio - menos de 1% (compostos básicos com grupos amina) </li></ul><ul><li>Oxigênio - menos de 1% (encontrado em compostos orgânicos como os, fenóis, cetonas e ácidos carboxílicos) e no dióxido de carbono. </li></ul><ul><li>Metais - menos de 1% (níquel, ferro, vanádio, cobre, arsênio) </li></ul><ul><li>Sais - menos de 1% (cloreto de sódio, cloreto de magnésio, cloreto de cálcio) </li></ul>
  5. 6. A idade de uma jazida pode variar de 10 a 400 milhões de anos. Dessa forma, o petróleo está localizado apenas nas bacias sedimentares. Junto desse recurso mineral, encontram-se associados a água e o gás natural (metano e etano).
  6. 7. Origem do petróleo: decomposição de matéria orgânica durante milhões de anos Resíduos de organismos mortos se acumularam nas orlas dos mares e foram soterrados. Com o passar do tempo sob altas pressões, temperaturas e ação de microorganismos causaram reações químicas complexas formando o petróleo.
  7. 8. Do Poço à Solo Cascalho Rocha impermeável Rocha + gás natural PETRÓLEO Refinaria EXTRAÇÃO EM TERRA
  8. 9. EXTRAÇÃO EM ÁGUAS PROFUNDAS Tecnologia no fundo do mar.
  9. 13. Aliado ao óleo cru ou bruto, existe o gás natural (formado principalmente por metano).
  10. 14. <ul><li>Gás Natural: alternativa viável e promissora para ocupar espaço na matriz energética mundial: </li></ul><ul><li>Matéria prima em geração de energia, produção de insumos substitutos da petroquímica; </li></ul><ul><li>Menor impacto ambiental em relação ao petróleo; </li></ul><ul><li>Problema: investimento inicial alto, associado à construção de extensas redes de gasoduto </li></ul>Dados atuais de produção: 17,7 bilhões de m 3 / ano (www.anp.gov.br) Consumo 2005 : 38,8 milhões de m 3 / dia Consumo 2011 : 99,2 milhões de m 3 / dia
  11. 15. PROSPECÇÃO DO
  12. 16. Neste método, observa-se o comportamento das ondas sísmicas, após penetrarem na crosta, serem refletidas em contatos de duas camadas de diferentes propriedades físicas, digo, elásticas, e retornarem à superfície, sendo, então detectadas por sensores (geofones ou hidrofones). É o principal método usado na prospecção do petróleo e gás por fornecerem detalhes da estrutura da crosta, bem como de propriedades físicas das camadas que compõem. MÉTODO SISMICO DE REFLEXÃO- PROSPECÇÃO
  13. 17. Sísmica de reflexão no mar; as ondas sonoras são produzidas por canhões de ar comprimido. MÉTODO SISMICO DE REFLEXÃO
  14. 18. REFINO DO PETRÓLEO Refinação do petróleo processo físico processo físico processo químico processo químico processo químico hidrotratamento reforma catalítica craqueamento destilação fracionada à vácuo destilação fracionada
  15. 19. PETRÓLEO <ul><li>MISTURA DE HIDROCARBONETOS </li></ul><ul><li>DESTILAÇÃO FRACIONADA </li></ul><ul><li>FRAÇÕES </li></ul>
  16. 22. <ul><li>A teoria de estrutural de Kekulé pode ser resumida da seguinte maneira: </li></ul><ul><li>O carbono é tetravalente; </li></ul><ul><li>As quatro valências do carbono são equivalentes e coplanares; </li></ul><ul><li>Os átomos de carbono podem ligar-se entre si, originando cadeias. </li></ul>TEORIA ESTRUTURAL DE KEKULÉ
  17. 24. REPRESENTAÇÕES ESTRUTURAIS DAS CADEIAS CARBÔNICAS <ul><li>Fórmula estrutural plana detalhada </li></ul><ul><li>Fórmula estrutural simplificada </li></ul><ul><li>Fórmula estrutural condensada CH 2 CHCH(CH 3 )COCH 2 CH 3 </li></ul><ul><li>Fórmula estrutural de linha </li></ul>
  18. 26. CLASSIFICAÇÃO DAS CADEIAS CARBÔNICAS
  19. 27. <ul><ul><li>Cíclicas aromáticas: são cadeias carbônicas cíclicas que possuem pelo menos um núcleo aromático ou anel benzênico. </li></ul></ul>
  20. 30. Hidrocarbonetos (contêm apenas Carbonos e Hidrogênios) Hidrocarbonetos Alifáticos (cadeias abertas e cíclicas) Alcanos (parafinas) Alcenos (etilenos ou olefinas) Alcinos (acetileno) CH 3  CH 3 Etano CH 2 = CH 2 Eteno (etileno) HC  CH Etino (acetileno) Hidrocarbonetos Aromáticos (contêm o anel benzeno) Benzeno e seus derivados Hidrocarbonetos Aromáticos Polinucleares Benzeno Naftaleno
  21. 32. ALCANOS OU PARAFINAS 3 – etil – 2,4,6 – trimetil – heptano
  22. 35. ALCENOS OU OLEFINAS 4 – etil – 2,2,5 – trimetil – hex – 3 – eno
  23. 36. ALQUINOS OU ALCINOS 3 – etil – 4 – metil – hex – 1 – ino
  24. 37. ALCADIENOS OU DIENOS 2,3 – Dimetil – penta – 1,4 – dieno
  25. 38. AROMÁTICOS Tolueno  - Metilnaftaleno  - Metilnaftaleno

×