Torno
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Torno

on

  • 6,857 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,857
Views on SlideShare
6,857
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
302
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Torno Presentation Transcript

  • 1. TORNOSMECÂNICOS Guilherme Vencato Marcelo Machado Ricardo Koslowsky
  • 2. ÍNDICE Introdução ..............................................................................................5 Exemplos placas.....................................................................................6 Classificação dos tornos : Cnc......................................................................................................8-9 Revolver............................................................................................10-11 Vertical..............................................................................................12-13 Placa................................................................................................14-15 Copiador...........................................................................................16-17 Produção.........................................................................................18-19 Semi-automático..............................................................................20-21 Especial...........................................................................................22-23 Ferramentas....................................................................................23-30 Principais operações:
  • 3. ÍNDICE Torneamento retilíneo...........................................................................31 Torneamento cilíndrico.........................................................................32 Torneamento cônico........................................................................... .33 Torneamento radial..............................................................................34 Perfilamento.........................................................................................35 Torneamento curvilíneo.......................................................................36 Classificações da operações: Torneamento de desbaste...................................................................37 Torneamento de acabamento.............................................................38 Recartilhar...........................................................................................39 Velocidade de corte............................................................................41 Avanço e profundidade.......................................................................42
  • 4. ÍNDICE Resfriamento da ferramenta.........................................................................43 Cuidados.......................................................................................................44 Prática......................................................................................................45-47 Conclusão.....................................................................................................48 Bibliografia....................................................................................................49
  • 5. INTRODUÇÃO Se denomina torno mecânico, uma máquina-ferramenta que permite usinar peças de forma geométrica de revolução. Estas máquinas-ferramenta operam fazendo girar a peça a usinar (presa em um cabeçote ou fixada entre os contra- pontos de centragem) enquanto uma ou diversas ferramentas de corte são pressionadas em um movimento regulável de avanço de encontro à superfície da peça, removendo material de acordo com as condições técnicas adequadas. Utiliza uma placa de três castanhas se a peça for cilíndrica, ou quatro castanhas se o perfil for retangular.
  • 6. EXEMPLOS DE PLACAS:
  • 7. CLASSIFICAÇÃO DOS TORNOS Torno CNC: O processo de usinagem é feita por Comandos Numéricos Computadorizados (CNC) através de coordenadas X (Vertical) e Z (Longitudinal). A vantagem é o acabamento e o tempo de produção.
  • 8. TORNO CNC
  • 9.  Torno Revolver: Torno simples com o qual é possível executar processos de usinagem com rapidez, em peças pequenas. Ex: Buchas.
  • 10. TORNO REVOLVER
  • 11.  Torno Vertical: São apropriados para usinagem de peças que, além de grande diâmetro, também apresentam altura relativamente baixa. Ex:Indústrias de válvulas,bombas,pneumáticas, motores
  • 12. TORNO VERTICAL
  • 13.  Torno de Placa: Os tornos de placa são empregados para tornear peças curtas e de grandes diâmetro. Ex: Polias, volantes, rodas, etc.
  • 14. TORNO DE PLACA
  • 15.  Torno Copiador: Os tornos copiadores permitem obter peças com formas de sólidos de revolução de perfil qualquer. Para poder realizar estes trabalhos é necessário que a ferramenta esteja animada de 2 movimentos simultâneos: um de translação longitudinal e outro de translação transversal, em relação a peça que se trabalha.
  • 16. TORNO COPIADOR
  • 17.  Torno de Produção: Os tornos de produção( de corte múltiplo) são aqueles que, para atender a necessidade de produção, aumentando a quantidade de peças e diminuindo o custo da produção, são provida de 2 carros, um anterior com movimento longitudinal, e outro posterior com movimento transversal , que trabalham simultaneamente com avanço automático.Os dois carros são providos de porta-ferramenta.
  • 18. TORNO DE PRODUÇÃO
  • 19.  Torno Semi-Automático: Nestes tornos há necessidade de operário substituir uma peça já acabada por outra em estado bruto, no final da série de operações realizadas sucessivamente de forma automática. São apropriados para usinar peças de origem fundida, forjadas ou estampadas.
  • 20. TORNO SEMI-AUTOMÁTICO
  • 21.  Torno Especial:Os tornos detalonadores são empregados para arrancar material dos dentes das fresas e machos dos quais se exige perfil constante de corte. A operação de detalonar pode ser feita em tornos especialmente construídos para esse fim ou aplicando um carro transversal especial nostornos comuns. Ex:Tornos detalonadores
  • 22. TORNO ESPECIAL
  • 23. FERRAMENTAS As ferramentas para torneamento sofreram um processo evolutivo ao longo do tempo . A demanda da produção, cada vez mais acelerada forçou a procura por ferramentas mais duráveis e eficientes.
  • 24. FERRAMENTAS1- Ferramenta reta para desbaste. 5- Ferramenta curva para facear.2- Ferramenta curva para desbaste. 6- Ferramenta curva para facear lateralmente.3- Ferramenta curva de desbaste para cantos. 7- Ferramenta para sangramento4- Ferramenta reta para chanfro. FRE – Ferramenta para rosqueamento externo
  • 25. FERRAMENTAS Tipos de pastilhas
  • 26. FERRAMENTAS Pastilhas de carbonetos
  • 27. FERRAMENTAS Bedame
  • 28. FERRAMENTAS Fixação da pastilha
  • 29. FERRAMENTAS Fixação
  • 30. FERRAMENTAS Fixação
  • 31. PRINCIPAIS OPERAÇÕES1)Torneamento retilíneo: Processo de torneamento na qual a ferramentase desloca segundo uma trajetória retilínea. Tipos de Torneamento retilíneo:a)Torneamento Cilíndricob)Torneamento Cônicoc)Torneamento Radiald)Perfilamento
  • 32. a)Torneamento cilíndrico: Processo na qual a ferramenta se desloca segunda uma trajetória paralela ao eixo principal de rotação da máquina. Quando o torneamento visa obter um entalhe circular na face perpendicular ao eixo principal de rotação da máquina,ocorre o sangramento.
  • 33. b)Torneamento cônico: Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca segundo uma trajetória retilínea, inclinada em relação ao eixo principal de rotação da máquina. Pode ser externo ou interno.
  • 34. c)Torneamento radial: Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca segundo uma trajetória retilínea, perpendicular ao eixo principal de rotação da máquina.Quando o torneamento radial visa a obtenção de uma superfície plana, ele é denominado torneamento de faceamento.Quando o torneamento radial visa a obtenção de um entalhe circular, ele é denominado sangramento radial.
  • 35. d)Perfilamento: Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca segundo uma trajetória retilínea radial ou axial , visando a obtenção de uma forma definida,determinada pelo perfil da ferramenta.
  • 36. 2)Torneamento curvilíneo: Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca segundo uma trajetória curvilínea. É uma combinação instantânea dos movimentos axial e radial.
  • 37. CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES Torneamento de desbaste: É uma operação de usinagem que visa obter na peça a forma e as dimensões próximas das especificadas.
  • 38.  Torneamento de acabamento: É uma operação de usinagem destinada a obter na peça as dimensões finais, ou um acabamento superficial especificado, ou ambos. O torno permite várias outras operações como alguns exemplos abaixo: 1- Filetagem ou rosqueamento. 2-Furar com broca parada fixa no porta ferramenta ou com broca girando montada na placa ou mandril .
  • 39.  Recartilhar : Quando se deseja tornar uma superfície áspera, como o cabo de algumas ferramentas, ou de qualquer peça, usa-se uma ferramenta que possa imprimir na superfície da mesma o desenho desejado .
  • 40. OPERAÇÕES
  • 41. VELOCIDADE DE CORTE NO TORNEAMENTO Velocidade de corte é a velocidade com a qual se dá a retirada de cavaco. A velocidade de corte varia com a ferramenta, avanço, profundidade de corte, material da peça, tipo de máquina e natureza da operação (desbaste ou acabamento). A escolha da velocidade de corte apropriada resulta num custo mínimo de usinagem da peça. v  dn m / min 1000
  • 42. AVANÇO E PROFUNDIDADE DE CORTE Enquanto a peça ligada a arvore através da placa gira continuamente durante o torneamento e com isto produz o movimento principal de corte, a ferramenta ao mesmo tempo vai se adiantando, produzindo o movimento de avanço. A velocidade de avanço é medida pelo percurso em mm que a aresta de corte da ferramenta percorre em cada rotação da peça.
  • 43. RESFRIAMENTO DA PEÇA E FERRAMENTA Durante a execução das operações de corte, entre ferramenta e matéria da peça, o atrito produzido provoca o aquecimento de ambas sendo necessário resfriá-las. Para cada tipo de material existe um resfriamento adequado. Em peças de aço é utilizado óleo solúvel. O óleo solúvel (misturado com água) tem a função de refrigerar e lubrificar minimizando o atrito, bem como proteger as peças contra ferrugem.
  • 44. CUIDADOS ESPECIAIS Evite tocar com as mãos nos cavacos quentes de materiais; Muitas vezes os cavacos resultantes do torneamento enrolam-se na ferramenta, sendo necessário retirá-los com um gancho apropriado. Não tente retirá-los com as mãos, pois poderão provocar queimaduras ou cortes; Nas máquinas em que for necessário o uso de equipamentos de proteção individual (EPI), use-o mesmo que você ache desnecessário e inconveniente, pois dele depende a sua segurança.
  • 45. PRÁTICA Desenho da peça a ser feita Material laminado SAE 1045 65mm de diâmetro
  • 46. PRÁTICA Parâmetros e roteiro de operação Rotação: Segundo a tabela de insertos de metal duro a velocidade utilizada deve ser 120m/min. RPM= Vc*1000= 120*1000= 587rpm Π*D 3,14*65 O torno dispõe de duas velocidades de operação: 710 e 560 rpm, utilizamos 560 que é a mais próxima da que, teoricamente, devemos utilizar.
  • 47. PRÁTICA Parâmetros e roteiro de operação 1- Cilindramento: Utilizada ferramenta de desbaste de metal duro triangular de 16mm, avanço de f=0,25mm/volta. 2- Canal de saída da rosca: Utilizado bedame para efetuar esta operação, suporte de aço temperado e inserto de metal duro de 4mm. 3- Rosqueamento: Utilizada ferramenta de metal duro triangular de 27mm, primeiro acerta-se o ângulo da ferramenta com um goniômetro para que a rosca não fique deitada para nenhum lado. 4- Lixagem: Após o término de todos o processo, inverte-se a rotação do torno e se executa uma lixagem para retirar rebarbas e melhorar o acabameto.
  • 48. CONCLUSÃO Com este trabalho, obtivemos conhecimento para definir o funcionamento de um torno e seus modelos, e qual a melhor utilização dos mesmos dependendo do material a ser usinado, levando em conta alguns cuidados de segurança durante a operação. Usinagem bem feita é aquela que leva o mínimo tempo, com qualidade e sem desperdício de material.
  • 49. BIBLIOGRAFIA FREIRE, J. M. Tornos mecânicos - Fundamentos de tecnologia mecânica LTC Editora, Rio de Janeiro 1984. GERLING, H. À volta da máquina - ferramenta - Editorial reverté SA. Rio de Janeiro 1967.