Sistema VentilatóRio
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Sistema VentilatóRio

on

  • 31,302 views

Sistema VentilatóRio

Sistema VentilatóRio

Statistics

Views

Total Views
31,302
Views on SlideShare
30,531
Embed Views
771

Actions

Likes
3
Downloads
497
Comments
0

8 Embeds 771

http://medicalblog.zip.net 300
http://www.enfermagem-online.com 276
http://www.slideshare.net 145
http://www.enfermagemvirtual.net 41
http://medicinauefs.blogspot.com 3
http://webcache.googleusercontent.com 3
http://www.medicinauefs.blogspot.com 2
http://www.health.medicbd.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Sistema VentilatóRio Presentation Transcript

  • 1. SISTEMA RESPIRATÓRIO
  • 2. Constituição Pulmões e vias aéreas. Ventilação Movimento de ar para dentro e para fora dos pulmões. Respiração externa Troca do 02 no ar inspirado pelo CO2 no sangue. Se da no sistema respiratório. Respiração interna Troca do CO2 por 02 nas células. Se da nos tecidos. Transporte de gases Transporte de 02 para as células e CO2 das células. Se da no sistema circulatório.
  • 3. SISTEMA RESPIRATÓRIO
    • Porção condutora
    • Fora dos pulmões
    • Cavidade nasal e oral, faringe, laringe, traquéia, brônquios primários
    • Dentro dos pulmões
    • Brônquios secundários (lobares), terciários (segmentares), bronquíolos e bronquíolos terminais.
    • Porção respiratória
    • Bronquíolos respiratórios, ducto alveolares, sacos alveolares e alvéolos
  • 4. Porção condutora Transporta, filtra, umedece e aquece o ar inspirado Porção respiratória Troca de gases alvéolos
  • 5. CAVIDADE NASAL
    • Dividida em metades D e E pelo septo nasal cartilaginoso e ósseo.
    • Cada metade é limitada por uma parede óssea e cartilaginosa.
    • Conchas ou cornetos nasais : projeções ósseas nas paredes laterais. Superior, médio e inferior.
    • Comunicação
    • Anteriormente com o exterior pelas narinas
    • Posteriormente com a nasofaringe pela coana .
  • 6. Epitélio respiratório – pseudo-estratificado, cilíndrico, ciliado – exceto no vestíbulo nasal e na região olfatória. Células caliciformes – muco. LP – vasos abundantes, glândulas sero-mucosas, nódulos linfóides, plasmócitos (IgA, IgE e IgG) CAVIDADE NASAL
  • 7. CAVIDADE NASAL
    • Vestíbulo nasal
    • Porção anterior mais dilatada.
    • Pele fina revestida por vibrissas (pêlos curtos e rígidos) – filtro para partículas >
  • 8. Região olfatória da cavidade nasal 1. Teto da cavidade nasal 2. Porção superior do septo nasal 3. Concha nasal superior
  • 9. MUCOSA OLFATÓRIA
    • Epitélio olfatório
    • Percepção de odor.
    • Participação no paladar.
    • 1. Células olfatórias
    • 2. Células de sustentação
    • 3. Células basais
  • 10. Células olfatórias
    • Neurônios bipolares amielínicos
    • Botão ou vesícula olfatória
    • Dilatação do dendrito na região apical
    • Cílios olfatórios
    • 6 a 8 cílios longos e imóveis na superfície livre do epitélio
  • 11. Células olfatórias
    • Região basal
    • Axônio penetra na lamina basal, se reúne outros axônios para formar feixes nervosos  passam pela placa cribiforme do etmóide no teto da cavidade nasal e fazem sinapses com neurônios do nervo olfatório (I par craniano).
  • 12. Células de sustentação
    • Colunares altas com microvilus na borda apical.
    • Grânulos de secreção com pigmento amarelo.
    • Suporte físico, nutrição e isolamento elétrico das células olfatórias.
  • 13. Células basais
    • Superfície apical não alcança a superfície epitelial.
    • Capacidade proliferativa - repõem as células de sustentação e as olfatórias.
  • 14. MUCOSA OLFATÓRIA
    • Lâmina própria
    • Axônios de células olfatórias
    • Glândula olfatória serosa de Bowman
    • - Característica da mucosa olfatória
    • - IgA, lactoferrina, lisozima e proteína de ligação a odorantes
  • 15. SEIOS PARANASAIS
    • Espaços nos ossos etmóide, esfenóide, frontal e maxilar – comunicam com a cavidade nasal.
    • Revestidos por mucosa respiratória que repousa sobre uma lâmina própria com glândulas sero-mucosas e nódulos linfóides fusionada com o periósteo.
    • Cílios movimentam a camada de muco em direção á cavidade nasal.
  • 16.  
  • 17. FARINGE
    • Da coana ate a abertura da laringe
    • Nasofaringe (porção superior)
    • Epitélio respiratório
    • Orofaringe (porção intermediaria) e laringofaringe (porção inferior)
    • Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado
    Nasofaringe Orofaringe Laringofaringe
  • 18.  
  • 19. LARINGE
    • Tubo rígido entre a faringe e a traquéia, 4x4cm.
    • Parede - cartilagens hialinas e elásticas.
    • Epitélio respiratório
    • Epiglote e pregas vocais
    • Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado
    • Função
    • Fonação (caixa de voz).
    • Impedir a entrada de alimentos e líquidos no sistema respiratório durante a deglutição.
  • 20. LARINGE
    • Tireóide e cricóide
    • Impar, cartilagem hialina
    • Aritenóides
    • Pares, porção superior cartilagem elástica e a inferior cartilagem hialina
  • 21.  
  • 22. Epiglote Impar, cartilagem elástica. Corniculadas e Cuneiformes Pares e cartilagem elástica. LARINGE
  • 23. LARINGE
    • Cartilagens tireóide e cricóide
    • Suporte cilíndrico da laringe
    • Epiglote
    • Cobertura sobre a abertura da laringe (adito laringueal)
  • 24. LARINGE
    • Luz da laringe possui pregas mucosas (pregas ou cordas vocais)
    • Pregas vestibulares (falsas cordas vocais)
    • Imóveis e superiores.
    • LP de tecido conjuntivo frouxo.
    • Pregas vocais (cordas vocais verdadeiras)
    • Móveis e inferiores.
    • Margem livre - TC denso e elástico - ligamento vocal - liga os músculos vocais que alteram a tensão das cordas vocais e regulam a largura do espaço entre as pregas vocais (rima da glote)
  • 25.  
  • 26. TRAQUÉIA
    • Tubo - 12x2cm.
    • Começa na cartilagem cricóide e termina em sua bifurcação para formar os brônquios primários.
    • Camadas
    • Mucosa
    • Submucosa
    • Adventícia
  • 27. TRAQUÉIA
    • Mucosa
    • Epitélio respiratório.
    • Lamina própria
    • TC subepitelial fibroelástico.
    • Nódulos linfóides e glândulas mucosas e seromucosas.
    • Lâmina elástica
    • Feixe de fibras elásticas separando a mucosa da submucosa.
  • 28. EPITÉLIO RESPIRATÓRIO da TRAQUÉIA Microvilos e grânulos apicais de conteúdo seroso. 3% do total Serosas Microvilos altos. Função sensorial? Células caliciformes sem grânulos 3% do total. Em escova Corpúsculos neuroepiteliais pulmonares – monitora os níveis de O2 e CO2 nas VA. 3% do total. DNES Região apical não alcança o lúmen. Célula fonte. 30% do total. Basais Altas, com núcleo na região basal e cílios e microvilos na região apical. Movimenta o muco. 30% do total. Ciliadas Produz mucina. 30% do total. Caliciformes Característica Porcentagem Célula
  • 29. TRAQUÉIA
    • Submucosa
    • TC denso fibroelástico com numerosas glândulas mucosas e seromucosas, elementos linfóides e vascular.
  • 30. TRAQUÉIA
    • Adventícia
    • TC frouxo.
    • Contem os anéis em C
    • Ancora a traquéia ao tecidos vizinhos – esôfago e pescoço.
  • 31. TRAQUÉIA
    • Anéis em C
    • 10 a 12 anéis de cartilagem hialina
    • Formato de ferradura com abertura direcionada posteriormente
    • Músculo traqueal (músculo liso)
    • Une as extremidades posteriores dos anéis
    • Contração reduz a luz da traquéia - ar passa mais rápido, necessário na tosse, para expulsão de material estranho.
    • Pericôndrio dos anéis vizinhos são unidos por TC fibrocartilaginoso – permite o alongamento da traquéia na inspiração
  • 32.  
  • 33. ÁRVORE BRÔNQUICA
    • Extrapulmonar
    • Brônquios primários direito e esquerdo.
    • Intrapulmonar
    • Brônquio secundário (lobular)
    • Brônquio terciário (segmentar)
    • Bronquíolo.
    • Bronquíolo terminal.
    • Bronquíolo respiratório.
    • Ducto, saco e alvéolo.
    • Do brônquio primário ao bronquíolo respiratório – divide 15 a 20 vezes.
  • 34. ÁRVORE BRÔNQUICA
    • Mudanças nas VA até os bronquíolos respiratórios
    • Diminuição da quantidade de cartilagem, glândulas, células caliciformes e altura das células epiteliais.
    • Aumento de músculo liso e tecido fibroelástico (em relação a espessura da parede).
  • 35.  
  • 36.  
  • 37. Tecido Linfóide Associado ao Brônquio (BALT)
  • 38. Brônquios primários
    • Estrutura idêntica à da traquéia.
  • 39. Brônquios primários
    • Cada brônquio primário, acompanhado por artérias e veias pulmonares, e vasos linfáticos penetram no pulmão, ramificam transformando-se em brônquios secundários.
  • 40. Brônquios secundários
    • Originado da ramificação do brônquio primário.
    • 1 para cada lobo pulmonar – brônquios lobares .
    • Pulmão direito – 3 brônquios secundários.
    • Pulmão esquerdo – 2 brônquios secundários.
  • 41. Brônquios terciários – segmentares
    • Originado da ramificação do brônquio secundário.
    • Supre de ar um segmento broncopulmonar.
    • Cada pulmão contem 10 segmentos separados por TC.
    • Arborizam em ramos de diâmetros menores originando os bronquíolos.
  • 42. Brônquios secundários e terciários
    • Diferenças do brônquios primários
    • Anéis em C substituídos por placas de cartilagem hialina que circundam o lúmen dos brônquios.
    • Músculo liso, em duas camadas espiraladas e em direções opostas, localizado na interface da lâmina própria e da submucosa.
  • 43. Bronquíolos Bronquíolos terminais. Bronquíolos respiratórios. Bronquíolo
  • 44. Bronquíolo Paredes interrompidas por estruturas em forma de bolsa com paredes finas - alvéolos . Termina em um ducto alveolar. Inicio da porção respiratória do sistema respiratório Bronquíolo respiratório Suprem os ácinos pulmonares - subdivisões do lóbulo pulmonar. < 1 mm Término da porção condutora da árvore brônquica. Bronquíolo terminal Supre de ar um lóbulo pulmonar. até 1 mm Bronquíolo primário Característica Diâmetro
  • 45. Bronquíolo primário / bronquíolo
    • Epitélio
    • Respiratório.
    • Células de Clara
    • Lâmina própria
    • Ausência de glândulas
    • Músculo liso orientado de forma helicoidal.
    • A parede sem cartilagem
    • Fibras elásticas circundando o músculo liso.
  • 46. Bronquíolo primário / bronquíolo
    • Células de Clara
    • Grânulos de secreção contendo glicoproteínas que degradam toxinas do ar inalado - enzimas citocromo P-450 no REL.
    • Produz surfactante-simile - reduz a tensão superficial dos bronquíolos e facilita a manutenção de sua desobstrução.
    • Células tronco – dividem e regeneram o epitélio bronquiolar.
  • 47. Bronquíolos terminais
    • Ausência de cartilagem
    • Epitélio
    • Células de Clara e respiratório.
    • Lâmina própria
    • TC fibroelástico, circundado por uma ou duas camadas de músculo liso.
  • 48. Porção respiratória do sistema respiratório
    • Bronquíolos respiratórios.
    • Ductos alveolares.
    • Sacos alveolares.
    • Alvéolos.
    • Locais onde ocorrem a troca de gases.
  • 49.  
  • 50.  
  • 51. Ductos alveolares, átrio e sacos alveolares
    • Estruturas supridas por rede capilar abundante
    • Ductos alveolares
    • Ausência de parede própria - arranjo linear de alvéolos
    • Originados das ramificações do bronquíolo respiratório.
    • Terminam como bolsa de fundo cego constituídas de dois ou mais pequenos grupos de alvéolos - saco alveolar - se abrem em um espaço comum - átrio .
  • 52. Célula de clara
  • 53. Alvéolos
    • Pequenas projeções saculares dos bronquíolos respiratórios, ductos e sacos alveolares.
    • Dá aos pulmões consistência esponjosa.
    • Superfície de trocas gasosas exceda a 140 m 2 .
    • Unidade funcional e estrutural primaria do sistema respiratório - permitem as trocas gasosas entre o ar e o sangue capilar.
  • 54. Alvéolos
    • Relação entre alvéolos
    • Poro alveolar de Kohn
    • Permite a comunicação alveolar
    • Septos interalveolares
    • TC entre os alvéolos
    • Abundante rede capilar continuo originados das artérias pulmonares e drenados as veias pulmonares.
    • Pneumócitos tipo I e tipo II
    • Compõe os alvéolos
    • Repousados sobre lâmina basal
  • 55. Alvéolos
    • Pneumócitos tipo I (células alveolares tipo I ou pavimentosas)
    • Epitélio simples pavimentoso.
    • 95% da superfície alveolar.
    • Citoplasma delgado.
  • 56.  
  • 57. Pneumócitos tipo I (células alveolares tipo I ou pavimentosas) Junções de oclusão entre si, evitando o escape do fluido extracelular (fluido tissular) para dentro do lúmen alveolar.
  • 58. Alvéolos
    • Pneumócitos tipo II (grandes células alveolares, células septais ou células alveolares tipo II)
    • Células cúbicas dispersas.
    • 5% da superfície alveolar.
    • Forma junções de oclusão com pneumócitos tipo I.
    • Corpos lamelares
    • Estrutura revestida por membrana contêm surfactante pulmonar
  • 59. Alvéolos
    • Pneumócitos tipo II (grandes células alveolares, células septais ou células alveolares tipo II)
    • Produzem e fagocitam o surfactante pulmonar
    • Sofrem mitoses e regeneram eles próprios e os pneumócitos tipo I
    • Corpos lamelares
    • Estrutura revestida por membrana contêm surfactante pulmonar
  • 60. Composto lipopretéico Fosfolipídios - dipalmitoil fosfatidilcolina e fosfatidil glicerol Apoproteínas surfactantes (SP-A) A, B, C e D Liberado por exocitose na luz do alvéolo Diminui a tensão superficial, evitando o colapso do alvéolo (atelectasia) Surfactante pulmonar
  • 61. Corpo lamelar Pneumócito tipo II
  • 62. Septo interalveolar
    • Região entre dois alvéolos adjacentes .
    • TC interalveolar
    • Contem
    • Elementos do TC (fibroblastos, fibras colágenas e elásticas)
    • Capilar contínuo com sua lâmina basal
    • Macrófagos.
    • Mastócitos.
    • Elementos linfóides.
  • 63. Septo interalveolar
  • 64. Macrófagos alveolares
    • Monócitos chegam ao interstício pulmonar e tornam-se macrófagos alveolares ou células de poeira.
    • Migram entre os pneumócitos tipo I e entram na luz do alvéolo.
    • Estas células fagocitam material particulado, como poeira e bactérias, mantendo estéril o ambiente pulmonar.
    • Fagocitam surfactante junto com os PNM tipo II
  • 65. Célula tipo I
  • 66. Barreira hematoaérea
    • Região mais delgadas do septo interalveolar onde ocorre as trocas gasosas.
    • Constituída
    • Surfactante pulmonar
    • PNM tipo I.
    • Lâmina basal dos PNM tipo I.
    • Lâmina basal da célula endotelial
    • Célula endotelial do capilar
  • 67.  
  • 68. PLEURAS
    • Caixa torácica
    • Cavidade torácica direita e esquerda.
    • Mediastino.
  • 69. PLEURAS
    • Serosa
    • Epitélio simples pavimentoso (mesotélio)
    • Pleura visceral
    • Reveste o pulmão
    • Pleura parietal
    • Reveste a cavidade torácica
    • Une-se no hilo de cada pulmão
    • Cavidade pleural
    • Cavidade entre as pleuras contendo liquido seroso