Proposta pedagógica da educação infantil

103,220 views

Published on

Proposta pedagógica da educação infantil

  1. 1. Proposta Pedagógica Educação Infantil Proposta Pedagógica Educação Infantil 1
  2. 2. Proposta Pedagógica Educação Infantil © EMEB PROFª MARIA BARBOSA MARTINS, 2012. É Permitida a reprodução ou transmissão desta obra por qualquer meio, sem a prévia Autorização do autor, desde que preservada a fonte. Direitos reservados para a autora, protegidos pela Lei 9610/98. A originalidade dos artigos e as opiniões emitidas são de inteira responsabilidade de sua autora. Embm. MARTINS, EMEB Maria Barbosa. Proposta Pedagógica Educação Infantil Distrito de Bonsucesso. Várzea Grande-MT, 2012. 1.Proposta Pedagógica. 2. Educação Educação Infantil . José Wilson Tavares Diretor Eliane Winck Coordenadora Pedagógica Azuil Marcio Bastos Presidente do CCDE Sandra Regina Nunes Secretária Escolar Tatiane Pinheiro da Silva Professora comunitária Programa Mais Educação Adnilse de Souza Santos Siqueira Articuladora Pagina na Internet: www.emebmariabarbosamartins.blogspot.com 2
  3. 3. Proposta Pedagógica Educação Infantil Proposta Pedagógica Educação Infantil Distrito de Bonsucesso – Várzea Grande - MT 2012 3
  4. 4. Proposta Pedagógica Educação Infantil “Avançar juntos, Irmãos e leigos, de maneira resoluta e manifesta, aproximando-os mais das crianças e dos jovens mais pobres e excluídos, mediante novos caminhos de educação, de evangelização e de solidariedade”. 4
  5. 5. Proposta Pedagógica Educação InfantilApresentação Este documento tem como finalidade apresentar as proposta de trabalhoa ser desenvolvida na EMEB PROFª MARIA BARBOSA MARTINS, cujo trabalhoapóia-se na perspectiva de uma educação de qualidade, buscando, para atenderesse objetivo, ações voltadas para melhores condições de trabalho; uma práticapedagógica em consonância com o contexto atual de modo a formar cidadãoscríticos e conscientes do seu papel social; como também, a integração da escolacom a comunidade, tendo em vista que a participação desta última torna-seprimordial no desenvolvimento do cidadão que almejamos. Para compor a PropostaPedagógica foi feito um novo levantamento do Histórico da Escola e Comunidadeonde pudemos conhecer nossa clientela e os profissionais envolvidos por meio doDiagnóstico da Situação Presente. Traçamos objetivos e metas a serem alcançadosdurante o ano letivo baseado nos Princípios Norteadores que regem a EducaçãoPública. Contempla-se no conteúdo desta, a Organização Curricular, bem como,Projetos Especiais que poderão propiciar a contextualização e interdisciplinaridadedas habilidades e competências a serem trabalhadas. Definimos os valoresfundamentais em torno dos quais se constrói a escola os quais descrevem comoesta Unidade de Ensino pretende atingir sua missão. As estratégias foram traçadaspara englobar a maneira pela qual se pretende alcançar os objetivos. Em coerênciacom os pressupostos citados acima, propomos instrumentos que possibilitem umacompanhamento e controle que forneçam subsídios reais, concretos e adequadosà comunidade do trabalho aos níveis de manutenção e redimensionamento daeducação. A elaboração, aplicabilidade e o sucesso desta Proposta Pedagógicacontaram com o empenho coletivo dos membros desta Instituição. Mas é deconsciência dos que o produziram de que está aberto a todo e qualquer tipo desugestão e encaminhamentos, contemplando, assim, o que consideramos seressencial no processo educativo: o fazer e refazer das ações pedagógicas no “ritmo”do movimento da história. 5
  6. 6. Proposta Pedagógica Educação Infantil Nossas reflexões pedagógicas têm como referencial, os escritos dabrasileira e literária Ruth rocha, assim transcrevemos um trecho do seu livro: AQuando a Escola é de Vidro: Eu ia à escola todos os dias de manhã e quando chegava, logo, logo, eu tinha que me meter no vidro. É no vidro! Cada menino ou menina tinha um vidro e o vidro não dependia do tamanho de cada um, não! O vidro dependia da classe em que a gente estudava. Se você estava no primeiro ano, ganhava um vidro de um tamanho. Se você fosse do segundo ano, seu vidro era um pouquinho maior. E assim, os vidros iam crescendo à medida que você ia passando de ano. Se não passasse de ano era um horror. Você tinha que usar o mesmo vidro do ano passado. Coubesse ou não coubesse. Aliás, nunca ninguém se preocupou em saber se a gente cabia nos vidros. E para falar a verdade, ninguém cabia direito. Uns eram gordos, outros eram muito grandes, uns eram pequenos e ficavam afundados no vidro, nem assim era confortável. A gente não escutava direito o que os professores diziam, os professores não entendiam o que a gente falava, e a gente nem podia respirar direito... A gente só podia respirar direito na hora do recreio ou na aula de educação física. Mas aí a gente já estava desesperada de tanto ficar preso e começava a correr, a gritar, a bater uns nos outros1.A Metáfora do Vidro O hábito de ficar dentro dos vidros acaba se tornando cômodo paraalgumas crianças, elas se adaptam à forma do vidro e acabam se sentindo atédesconfortáveis fora dele. Quanto mais elas se moldam ao vidro menos trabalho dáaos adultos. Outras, porém, sofrem porque são diferentes e esta diferença não élevada em conta; elas não recebem nenhum tipo de ajuda e de estímulo. Mas seráque é isso que se quer do processo educacional? Todo mundo pensando igualefazendo tudo igual? O vidro filtra o que o professor fala e também o que fala o aluno. A comunicação e,portanto as relações entre eles não são espontâneas.Ouvir é diferente de escutar ativamente, é muito diferente! Em se tratando decrianças e adolescentes, há que se fazer um esforço extra para entenderexatamente o que eles querem dizer! Mesmo assim, com todo nosso esforço eatenção, quantas perguntas deixaram de ser formuladas e quantas outras deixaram1 ROCHA, Ruth nasceu em São Paulo em 1931. Tem formação em sociologia e atuou na área de educação. Éescritora brasileira, especializada em livros infantis. Faz parte da Academia Paulista de Letras. É mais conhecidano ramo literário por ter escrito "Marcelo Marmelo Martelo", livro que vendeu mais de 1 milhão de cópias.Escreveu na Revista Cláudia, voltada para o público feminino. Escreveu também na revista Educação. 6
  7. 7. Proposta Pedagógica Educação Infantilde ser respondidas! As crianças que ficaram tempo demais dentro de vidros adoramas aulas de educação física. O corpo do aprendiz faz parte dele, é através do corpo que ele fala, queexpressa seus sentimentos e que ele aprende. Assim, há muitas maneiras deaprender e todas elas devem ser colocadas à disposição do aprendiz. Um diateremos a revolução dos vidros, e a diferença, não mais a mesmice, será valorizada!A Psicopedagogia lida essencialmente com a aceitação dessas diferenças, tentandoentendê-las. É através da busca de novos caminhos que ela pretende dar um novosignificado à aprendizagem. 7
  8. 8. Proposta Pedagógica Educação InfantilIntrodução A apresentação deste documento tem por finalidade, viabilizar umaproposta de plano de trabalho a ser desenvolvida pela EMEB PROFª “MARIABARBOSA MARTINS“. Esta proposta deverá ser aperfeiçoada posteriormente pormeio da participação efetiva de todos os segmentos da escola. Entende-se tambémque se deve considerar toda realidade e problemáticas enfrentadas pelacomunidade. A Educação é Sistema isto é um conjunto e conseqüentemente é escola,cabendo a esta, desenvolver um trabalho onde considere toda a legislaçãopertinente, sem deixar de lado as opiniões e experiências de toda comunidadeescolar para a elaboração, execução e avaliação de um plano de trabalho, em buscade uma Escola Pública de excelência no exercício pleno da cidadania, é o resultadofinal é a promoção escolar, que resultou de vários fatores, normas, conceitos ezelos de cada um que fez a sua parte dentro do Sistema o todo maior. Compete também a todos os funcionários em educação, o resgate dopapel afetivo, social e cognitivo e também o resgate dos valores culturais, religiosos,cívicos e sociais. Todas as indicações apresentadas neste Plano de Trabalho serãodiscutidas, ampliadas e avaliadas por todos os segmentos da Escola, com o intuitode estabelecer um ambiente de democracia plena. “Informação, educação e culturasão alicerces de uma sociedade justa e desenvolvida, tanto no aspecto econômico,científico e tecnológico quanto social e humanístico... E o ponto de partida desteprocesso é o conhecimento... 8
  9. 9. Proposta Pedagógica Educação InfantilJustificativa Foram iniciadas as atividades atendendo alunos da Educação infantil e doEnsino Fundamental anos iniciais e Finais, numa visão em que a escola é um todoe este todo é a soma de um grupo que monitora, colabora, faz e soma parachegar ao resultado final, a oferta de uma educação de qualidade e que norteia ocidadão ao pleno exercício da cidadania. A Oferta e a disponibilização dos Serviços educacionais é a celebraçãodas funções sociais da escola, quando boa soma quando ruim e nãodesenvolve o seu papel, fica parada no tempo e não celebra resultado algum. A Unidade de Ensino tem na comunidade o cerne da diversidade decostume, lemas, tradições e conceitos de vida coletiva, ela esta inserida nestemeio e precisa superar os obstáculos, para atende alunos de todo o seu entorno,próximo e longínquo, e cada uma traz as suas experiências vivida no meioonde fixou residência junto aos seus familiares e coletivos. As disparidades geográficas da comunidade escolar a tendida,apresentam uma situação social e econômica definida, nelas residem pessoasmenos favorecidas social e economicamente. Nossa comunidade discentecomporta uma grande porcentual de crianças e adolescentes, que vivem situaçõesadiversas as normas e exigências legais do processo educacional, os quaisgeram conflitos, diantes das situações de desajustes familiares econseqüentemente, dificuldades de aprendizagem e problemas de disciplina,refletem no coletivo da sala de aulas e no interior da unidade como um todo. A situação presente mostra-se grave devido ao grande número deocorrências diárias de brigas na maioria das vezes geradas por situações ocorridasfora da escola, falta de hábitos e disciplinas que deveriam ser formadas em casa,no interior da família. Esta situação evidencia o pouco compromisso dos genitoresou responsáveis coma formação de seus tutelados. Os Fatores mais sentidos são os que têm afetado a unidade no seucoletivo, em curto e médio prazo, como:  Baixa pontualidade;  Ausência de assessórios e materiais escolares básicos; 9
  10. 10. Proposta Pedagógica Educação Infantil  Baixa freqüência as aulas e programas;  Ausência da família na escola;  Falta de co-responsabilidade na formação de seus filhos, diante da falta de realização das atividades extraclasse e no contra turno; Segundo Basil Bernstein2(1947), a aprendizagem e a ação social fazem-se vital a orientação cognitiva e prática do homem, regulado, por um controlesimbólico adquirido nas instituições pedagógicas oficiais e locais, tais como naescola e na família. Em síntese, a aprendizagem e o desempenho escolar paraBernstein, dependem primeiramente da inter-relação entre mãe e filho, eposteriormente, entre professor e aluno. Diante do exposto este plano de trabalhovisa possibilitar, a todos os alunos, incentivo á permanência na escola; oaprendizado para a vida, privilegiando os valores humanos, cristãos e tecnológicos,contribuindo na formação de pessoas conscientes e éticas, comprometidas com asolidariedade e responsáveis em suas ações, capazes e criativos para enfrentar omundo do trabalho; elevar o nível de aprendizagem e compreensão paradesenvolver habilidades e dominar competências.2 BEMSTEIN, Basil - nasceu em Londres, filho de uma família de imigrantes judeus. Em 1947 foiestudar Ciências Sociais na London School of Economics, curso trocado depois pelo de Sociologia.Sua teoria sobre os impedimentos sociais no aprendizado e sobre o papel que a comunicaçãolingüística desempenha em uma sociedade estruturada em classes, sua obra teve grande influênciana reforma educacional de países como Chile e México 10
  11. 11. Proposta Pedagógica Educação InfantilO Cuidar e o Educar na Educação Infantil “Educar significa, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação interpessoal de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural.3” No entanto, quando se propõe a trabalhar com crianças bempequenas, precisamos entender suas necessidades e interesses e isto significasaber quem são conhecer um pouco de suas histórias e da sua família. Nestesentido, me percebo em constante estado de observação e vigilância, mepoliciando para que minhas ações de rotina não se tornem mecanizadas. Há pouco tempo a escola era tida como espaço de educação e asrotinas eram planejadas a partir deste princípio. Hoje assumimos novasrealidades com uma concepção voltada para o cuidar e o educar. O cuidar estar ligado à garantia das necessidades físicas tais comoalimentação, sono e higiene. Essa simples rotina diária deve ser realizada deforma que ajude no desenvolvimento do aluno auxiliando na construção de suaautonomia. Ao trocar ou alimentar uma criança você está também educando eestimulando hábitos e atitudes. Além disso, não podemos deixar de falar da açãoconjunta dos outros educadores e membros da equipe escolar que trabalham deforma integrada para que isso aconteça como cozinheira, faxineira, auxiliares desala e coordenação. Para garantir um ótimo resultado com os alunos o professor daeducação infantil, especialmente de crianças de 4 a 5 anos, não pode esquecerque Educar e Cuidar são duas ações que devem ser caminhadas juntas, cominterferências, recuos e novas tentativas de acerto. Nessa fase o professor vaiencontrar em seus caminhos diversos desafios que vão além do ensinar e cuidar.Cabe a ele ter um olhar especial com cada aluno, pois só assim conseguiráatender às necessidades e alcançar seu objetivo. Trabalhar com crianças pequenas, não é tarefa fácil, deve-se ter comoprincípio, conhecer seus interesses e necessidades. Saber um pouco da historia decada uma, conhecer a família, as características de sua faixa etária e a fase dedesenvolvimento em que se encontra, sabendo verdadeiramente quem são. Assim3 Referencia Curriculares da Educação Infantil Volume 01 11
  12. 12. Proposta Pedagógica Educação Infantilpoderemos compreender quais são as reais possibilidades dessas crianças,lembrando que para elas a educação infantil é a porta inicial de entrada para umavida social mais ampla, longe do ambiente familiar. Antigamente, a escola de educação infantil tinha uma concepçãoassistencial, onde as crianças ali passavam o dia todo para que seus pais pudessemtrabalhar. Nesse período os papeis eram bem claros: um cuidava e o outro educava.As monitoras passavam o dia olhando as crianças brincarem e era o professor quemcuidava da parte pedagógica ou seja com o desenvolvimento intelectual planejado.Tal visão deve ser superada porque revela preconceito e sem fundamentaçãodiante da realidade em que se encontra, é preciso garantir espaço para que acriança possa ter seus direitos respeitados. Cuidar e educar são propor uma ação pedagógica consciente, fixandouma visão integrada do desenvolvimento da criança com base em concepções querespeitem a diversidade, o momento e a realidade peculiares á infância. Saber que a criança é um ser completo, tendo sua interação social econstrução como ser humano permanente estabelecido em tempo integral. Cuidar eeducar significa compreender que o espaço/tempo em que a criança vive exige seuesforço particular e a mediação dos adultos como forma que estimulem acuriosidade com consciência e responsabilidade. Cuidar e educar, de acordo com asnovas diretrizes, deve caminhar junto.Ação conjunta dos educadores e demaismembros da instituição é essencial para garantir que o cuidar e o educar aconteçamde forma integrada. Torna-se necessária um comprometimento de todos para o bem estar doeducando. As instituições de educação infantil nasceram na França, no século XVIII,em resposta à situação de pobreza, abandono e maus-tratos de crianças pequenas,cujos pais trabalhavam em fábricas, fundições e minas, criadas pela revoluçãoindustrial. Todavia, os objetivos e formas de tratar as crianças dos extratos sociaismais pobres da sociedade não eram consensuais. As instituições infantis durante muito tempo, incluindo as brasileiras,organizavam seu espaço e sua rotina diária em função de idéia de assistência, decuidados e higiene da criança. A década de 1980 passou por um momento deampliação do debate a respeito dessas funções. A partir desse período, as instituições passaram a ser respeitadas ereivindicadas como lugar de educação e cuidados coletivos das crianças de 0 a 6anos. Modificar essa concepção de educação assistencialista significa atentarpara várias questões que vão além dos aspectos legais. Envolve principalmente,assumir as especificidades da educação infantil e rever concepções sobre a infância. Para cuidar é preciso um comprometimento com o outro, com suasingularidade, ser solidário com suas necessidades, confiando em suas 12
  13. 13. Proposta Pedagógica Educação Infantilcapacidades. Isso inclui o que a criança sente, pensa o que ela sabe sobre si e omundo, visando a ampliação desse desenvolvimento e de suas habilidades, que,aos poucos, tornarão mais independentes e mais autônomas. Para educar, faz-se necessário que o educador crie situaçõessignificativas de aprendizagem, se quiser alcançar o desenvolvimento de habilidadescognitivas, psicomotoras e socioafetivas, e que fundamental que a formação dacriança seja vista como um ato inacabado, sempre sujeito a novas inserções, enovos recuos, a novas tentativas. Nesssa perspectiva, os debates estão indicando a necessidade de umaformação mais abrangente e unificadoras para educadores infantis e de umareestruturação dos quadros de carreira que levem em consideração osconhecimentos já acumulados no exercício profissional bem, como possibilite aatuação profissional. A formação de docentes para atuar na educação infantil básica far-se-áem nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em universidade einstitutos superiores de educação admitida, como formação mínima para omagistério na educação infantil e nas quatros primeiras séries do ensinofundamental, a oferecida em nível médio, na modalidade normal. (LDB (Lei deDiretrizes e Bases), dispõe no título VI, art.62). A formação do educador deve estar baseada na concepção de educaçãoinfantil. Deve buscar a superação da dicotomia educação/assistência, levando emconta o duplo objetivo da educação infantil de cuidar e educar. O agir pedagógico deve entender ás reais necessidades das crianças,deve ser criativo, flexível, atendendo à individualidade e ao coletivo. A parceria com a família e os demais profissionais que se relacionam deforma direta e indireta com a criança é que vai ser diferencial na formação desseeducando. A vida na instituição deve funcionar com base na tríade pais-educadores-criança. 13
  14. 14. Proposta Pedagógica Educação InfantilObjetivosGeral Instruir para que o aluno viva a maturidade de acordo com sua idade,expressada na coerência entre o que é, o que crê e o que faz, formando umaconsciência reta e plena liberdade de ser e existir em um universo do seu mundoimaginário, onde possa os princípios básicos da apropriação de novosconhecimentos a partir de suas habilidades intelectuais e experiências vividas nomeio social onde esta inserido: Família, Comunidade e escola.Objetivos Específicos1. Desenvolver iniciativa com autonomia, para que demonstre disposição para aprender, reconhecer suas capacidades nos distintos âmbitos de participação, podendo expressar seus sentimentos e aprendam a regular suas emoções. Isto os conduzirá a aprender a interpretar e a expressar2. Ser capaz de assumir funções distintas e trabalhar em colaboração com os demais e estar atento às necessidades dos demais e apoiar a quem os necessitar, resolver conflitos através do diálogo, reconhecer e respeitar as regras de convivência na escola e fora dela. O que os levará a manifestar, em sua relação com os demais, os valores fundamentais para a convivência: apreço da dignidade humana, igualdade dos direitos entre pessoas, reconhecimento e apreço da diversidade cultural e ética; justiça, respeito, ajuda mútua e generosidade.3. Conhecer, compreender os conceitos: escutando, memorizando, reconstruindo- os e recriando-os em seu imaginário, e comecem a desenvolver sua capacidade de reflexão e criatividade.4. Melhorar e enriquecer a expressão e compreensão de mensagens orais dos idiomas e ampliar o vocabulário para satisfazer necessidades pessoais e sociais.5. Compreender as principais funções da linguagem escrita e conhecer as características de diversos tipos de texto através de sua participação em atos de leitura e escrita em dois idiomas (nativo e segundo língua).6. Aprender noções matemáticas a partir de situações que demandem o uso de conhecimentos e suas capacidades para estabelecer relações de correspondência, quantidade e construção entre objetos; para contar e estimar, para reconhecer atributos, medir magnitudes, para somar e subtrair. 14
  15. 15. Proposta Pedagógica Educação Infantil 7. Desenvolver habilidades para observar fenômenos naturais, perguntar, predizer, comparar, experimentar, registrar, buscar informação e elaborar explicações sobre processos de transformação do mundo natural e social e adquiram atitudes favoráveis para o cuidado e preservação do meio ambiente.8. Melhorar suas habilidades de coordenação, controle, manipulação e movimento em atividades de jogo livre, organizado e de exercício físico que lhes permita adquirir consciência de suas conquistas e de sua capacidade para enfrentar e superar desafios, permitindo-lhes a construção equilibrada do esquema corporal, conhecendo suas capacidades físicas. Ponham em prática medidas de saúde individual e coletiva para preservar e promover uma vida saudável, assim como para prevenir riscos.A Criança A criança é nossa prioridade, a LDB (1996) e, sobretudo o ReferencialCurricular Nacional para a Educação Infantil RCNI, MEC, (1999), diz com prioridadeque “as crianças possuem uma natureza singular, que as caracterizam como seresque pensam o mundo de um jeito muito próprio. No processo de construção doconhecimento, estabelecem relações com as outras pessoas e com o meio em quevivem, fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação.” A Educação Infantil constitui, hoje, um segmento importante do sistemaeducacional do país, reconhecida como a primeira etapa da educação básica. Diantedessa realidade, é fundamental repensar o fazer na Educação Infantil, buscandonesse contexto uma aprendizagem mais significativa, construída a partir dosconhecimentos prévios da criança, respeitando as suas fases maturacionais, comoum ser que se relaciona consigo, com os outros e com a natureza. Sendo assim, émister que nesse momento seja o melhor possível, pois terá repercussões no futuro. A Educação Infantil da EMEB MARIA BARBOSA MARTINS tem como meta,contemplar a criança em sua totalidade, favorecendo a construção do seuconhecimento, respeitando às suas diferenças e às suas particularidades, cumprindoassim, duas funções indissociáveis a esta etapa: a do cuidar e do educar,propiciando assim o desenvolvimento da criança seus aspectos, físico, psicológico,cognitivo, cultural e social. 15
  16. 16. Proposta Pedagógica Educação Infantil A primeira experiência da criança na escola expandirá a curiosidade,estimulará o desejo pela aprendizagem e ela sentir-se-á segura ao se separar deseus pais, portanto é imprescindível que dediquemos total interesse para atender àssuas expectativas escolares. 16
  17. 17. Proposta Pedagógica Educação InfantilFilosofia da Escola “Propiciar ao Educando a formação necessária para seudesenvolvimento com espírito crítico e transformador, assegurando seus direitos e ocumprimento de suas obrigações como cidadão consciente”. Inserindo no contextoescolar as propostas do PDE – Plano de Desenvolvimento Escolar, como:Nossos Valores“Valorizar nosso alunado oferecendo qualidade nos serviços educacionais...”Nossa Visão de Futuro“Buscar ser uma escola que prime pela excelência de seus serviços, na cooperação entre ossegmentos da comunidade e poder público...”Nossa Missão“Preparar cidadãos que sejam comprometidos com as transformações sociais, críticos ecapazes trilhar novos valores ÉTICOS...”Nossos Objetivos Estratégicos 1. Aprimorar a Qualidade de Ensino – Aprendizagem; 2. Fortalecer o Trabalho da Gestão Escolar.Objetivo GeralPropiciar aos educandos o contato com outras realidades, visando a ampliação dosconhecimentos gerais e específicos de cada área, integrando o aluno àscomunidades afins para que se desenvolva sua visão crítica e ele adquiracapacidade de julgamento e emita opinião própria acerca do que ele vivenciou. 17
  18. 18. Proposta Pedagógica Educação InfantilObjetivos Específicos 1- Estimular e promover atividades culturais e sociais extraclasse envolvendo outras comunidades. 2- Estimular as práticas corporais e esportivas. 3- Qualificar os profissionais da educação. 4- Propiciar momentos de reflexão aprimorando senso crítico. 5- Melhoria do espaço físico da escola.Metas 1- Envolvimento das comunidades em atividades educacionais e sociais realizadas pela escola; 2- Envolver os alunos nas atividades esportivas sociais realizadas pela escola e também por outros Órgãos Públicos e Privados; 3- Proporcionar palestras, seminários, oficinas, treinamentos, pesquisas, jogos e intercâmbios culturais a comunidade escolar; 4- Promover cursos de capacitação para os profissionais da educação; 5- Consolidar a posição de referencia a comunidade escolar interna e externa. 18
  19. 19. Proposta Pedagógica Educação InfantilTrabalhando os Projetos Nossa proposta pedagógica compreende que a criança é sujeito de suaaprendizagem, que na sua relação com o outro, é capaz de mudar o mundo. Aconcepção em que nos apoiamos é o construtivismo, no qual a ação pedagógica édinamizada constantemente pelas relações que se estabelecem na sala de aula e noescolar, pelo fazer cotidiano do professor. Nessa perspectiva trabalhar com a Pedagogia de Projetos que está emconsonância com os nossos objetivos. Nosso trabalho parte de um olhardiferenciado sobre a criança e sobre a nossa maneira de ensinar buscando incluí-laao máximo no processo. Segundo Hernandez (1998), a organização do currículo deve ser feita porprojetos de trabalho, com atuação conjunta de alunos e professores. As diferentesfases e atividades que compõem um projeto ajudam os estudantes a desenvolver aconsciência sobre o próprio processo de aprendizagem (grifo nosso). Isto tem nospossibilitado consolidar nossa proposta quando afirma a necessidade de sustentarsempre uma nova prática inovadora de fazer educação ser um processo de estudo,sem perder a contextualização na qual se insere o aluno e sua vida em um novomundo. Assim, nossa metodologia de projetos é amplia as possibilidades detrabalhar com os conteúdos conceituais, procedimentais e Atitudinais, articulando asdiferentes áreas do conhecimento, além de proporcionar o desenvolvimento doprocesso ensino aprendizagens. 19
  20. 20. Proposta Pedagógica Educação InfantilEixos Norteadores A Educação Infantil é um espaço de inventividade, onde a criança pode criare recriar. A música, proposta no referencial é considerada uma linguagem e formade conhecimento, presente no cotidiano das crianças, buscam garantir um excelentemeio para o desenvolvimento da expressão, da auto-estima e autoconhecimento,além de poderoso instrumento de integração social. O Ensino religioso pretende desenvolver a construção da identidade, adimensão da transcendência, fundamentado nas relações de segurança, daproteção e do afeto. São Marcelino Champagnat, educador nato e excepcionaldeixou-nos como legado o segredo de sua eficácia: o exemplo e a simplicidade comque se relacionam as crianças e diz que: Para bem educar uma criança é precisoantes de tudo amá-la. O trabalho com a psicomotricidade é o caminho pelo qual àcriança estabelece uma relação sadia com o corpo e a mente, organizando econtrolando o movimento, ela é capaz de construir melhor suas habilidades motoras.Dentro das especificidades da Educação Infantil, nossa Proposta contempla osEixos norteadores da prática pedagógica:  Concepção: Sujeito de direitos e um cidadão sócio-histórico-cultural. Proposta Pedagógica: com intencionalidade, gestão compartilhada, envolvendo a família, escola e comunidade interna e de seu entorno.  Ludicidade: O Trabalho docente, as alternativas na pratica do fazer pedagógico e como fazer, que viabilize o processo de ensino aprendizagem.  Interações e Relações Sociais: O Processo de inserir a criança em um novo universo onde ele apropria de novos saberes e saberes que até então não é o seus: imaginado, fantasiado e cheio de cores de detalhes que só sua infância e idade podem descrever, é tornar possível viver em um novo ambiente de interações, busca, curiosidade, no processo de ensino e no contexto coletivo do aprender e viver.  Conhecimento do mundo natural e social: Ser Mediador do processo de contato, tomar gosto, investigar, perguntar, ter curiosidade a partir da múltiplas ações que o processo no seu tempo e pratica possa envolve-la com a natureza; interagir com plantas, animais, materiais; ouvir histórias e estórias; movimentar-se em diferentes espaços naturais e culturais.  Múltiplas Linguagens: prática pedagógica que envolva "atividades de aprendizagem significativas" que contemplem: música, desenho, pintura, teatro, movimento, escrita, oralidade, gestos, escultura, literatura, matemática, poesia, relações espaciais, tendo como foco principal a compreensão do mundo, expressar idéias, sentimentos, sensações, compartilhar suas 20
  21. 21. Proposta Pedagógica Educação Infantil produções como os demais, criar, produzir e transformar o mundo, aos outros e a si próprio.  Organização espaço/temporal: a construção dos espaços e a partir de um vivencia de um novo ambiente o da escola, a crianças possa ter a noção de seu espaço, e que forma ele pode interagir em todas as suas partes, como estímulo par a novas experiências no ser e existir como cidadão em plena formação a partir de práticas gostosa do jeito de ser criança. A Educação infantil deve proporcionar este ambiente de aprendizado pedagógico a partir da realidade da criança, seu grau de desenvolvimento e sua s potencialidades.  Avaliação: A medir desempenhos diários e estar sempre em contato com o novo a partir das alternativas que o aluno da Educação Infantil, busque par a solucionar a duvida que possa nascer do ato de recortar, desenhar, criar um ambiente de aprendizado. Nunca pensar no Carter promocional da avaliação. Sem duvida precisar ser diagnostica com vista à busca de alternativa par a facilitar a comunicação e o dialogo entre o educador e seus educando, sendo uma ferramenta de orientação da rotina da sala de aula. 21
  22. 22. Proposta Pedagógica Educação InfantilO Professor O professor não é mero espectador do caminho que a criança vaipercorrendo, é o mediador do processo, que oportuniza desafios e conquistas dascrianças, considerando cada estágio do desenvolvimento infantil. Para consistênciae êxito do trabalho, reconhecemos a importância da leitura, da pesquisa e dosestudos, tendo em vista às constantes transformações no campo educacional. Oprofessor, consciente de sua missão, desafia e problematiza situações deaprendizagem, estimulando, transformando e promovendo o conhecimento.“A melhor herança que o educador pode deixar a uma criança é permitir-lhe traçarseu próprio caminho e percorrê-la por completo com seus próprios pés.4”4 Isadora Duan 22
  23. 23. Proposta Pedagógica Educação InfantilEstrutura do Conteúdo na Educação InfantilO Jogo Infantil Os conteúdos arrolados por blocos no eixo do trabalho com o brincar,devem ser considerados como atividades contextualizadas e integradas ao restantedaquelas realizadas na sala-de-aula. Pois, eles explicitam a lógica interna dalinguagem do brincar, discriminada em atividades possíveis a serem desenvolvidascom as crianças. As brincadeiras dependem, por um lado, da riqueza de recursosindividuais de cada criança e, por outro, da criação de condições, por parte doseducadores, para que estas aconteçam de maneira favorável e com qualidade parao desenvolvimento das capacidades simbólicas, afetivas e cognitivas das crianças.Os conteúdos do brincar devem orientar as propostas de atividades para ascrianças, levando-se em conta: a) A idade e o meio no qual vivem; b) A diversificação de brinquedos e materiais no sentido de criar novas hipóteses para as crianças resolverem; c) Os interesses e capacidades demonstrados por elas em suas atividades espontâneas; d) Que a casinha é o conteúdo de brincar básico e vital a partir do qual as crianças experimentam suas primeiras capacidades simbólicas, descobrindo sentimentos e papéis a partir dos quais podem ampliar para outras situações sociais tais como mercearia, o mercado, o supermercado, a loja, o banco, o médico, o posto de saúde, o hospital, a igreja, o cabeleireiro, o barco, a nave espacial, a carpintaria, a vaquejada, a colheita.Formação Pessoal e Social A formação da identidade e autonomia diz respeito ao conhecimento,desenvolvimento e uso dos recursos pessoais para fazer frente às diferentessituações da vida. A identidade é um conceito do qual faz parte à idéia de distinção,de uma marca de diferença entre as pessoas, características físicas, modo de agir epensar, e história pessoal. 23
  24. 24. Proposta Pedagógica Educação Infantil A construção da identidade e da autonomia depende das interaçõessócio-culturais e da vivência de experiências consideradas essenciais associadas àconstrução de vínculos e expressão da sexualidade.Conteúdos 1. Identificação de algumas características de sua família e do grupo imediato ao qual pertence; 2. Reconhecimento de semelhanças e diferenças entre seu próprio corpo e o dos demais; 3. Respeito às diferenças que caracterizam cada um; 4. Cuidado e higiene pessoal das várias partes do corpo; 5. Conhecimentos de regras de convívio social; 6. Identificação de situações de risco no seu ambiente mais próximo; 7. Procedimentos básicos de prevenção de acidentes e auto-cuidado; 8. Respeito a cultura de seu grupo de origem e a de outros grupos; 9. Confiança para solucionar alguns problemas do cotidiano; 10. Expressão, manifestação e controle progressivo de suas necessidades, desejos e sentimentos em situações cotidianas; 11. Ações de cooperação, solidariedade e ajuda na relação com os outros; 12. Diferenças e semelhanças de necessidades de cuidados entre os seres humanos e nas diversas fases da vida; 13. Valorização quanto ao cuidado com os materiais de uso pessoal e coletivo e o meio ambiente.Movimento O movimento é uma dimensão muito importante do desenvolvimento dacultura humana. O movimento faz parte da vida das crianças desde que nascem evão adquirindo cada vez mais um controle sobre o seu corpo e se apropriando daspossibilidades de interação com o mundo. Ao brincar, jogar, imitar e criar ritmos emovimentos, as crianças também se apropriam do repertório da cultura corporal naqual estão inseridas. O trabalho com o movimento contempla a multiplicidade defunções e manifestações do ato motor, propiciando um amplo desenvolvimento de 24
  25. 25. Proposta Pedagógica Educação Infantilaspectos específicos da motricidade. Por isso, desenvolvemos um fundamentadoprograma de motricidade em todas as séries da educação infantil.Conteúdos Percepção do recorte corporal, favorecida por toques, massagens e pelouso do espelho no espaço de convivência e trabalho das crianças; 1. Reconhecimento progressivo de segmentos e elementos do próprio corpo e de suas funções; 2. Conhecimento e identificação das características e qualidades do próprio corpo e do corpo dos outros, e de suas semelhanças e diferenças; 3. Descoberta e progressiva afirmação da própria lateralidade, desenvolvida nas diversas situações cotidianas e lúdicas. 4. Exploração, afirmação e valorização das possibilidades expressivas dos gestos, mímicas faciais e do movimento global nas situações cotidianas e lúdicas; 5. Valorização e ampliação das possibilidades estéticas do movimento, através da dança; 6. Percepção de estruturas rítmicas, favorecendo a expressão dos ritmos espontâneos do próprio corpo ou a adequação a informações sonoras dadas (seqüências de sons musicais); 7. Progressiva coordenação e controle dos gestos, tanto nas atividadescotidianas quanto nas lúdicas; 8. Coordenação e controle da motricidade gráfica e das habilidades motoras finas; 9. Constituição de uma lateralidade homogênea e coerente, através da experiência da atividade motora global; 10. Controle e adequação da motricidade em relação ao meio ambiente, aos objetos e as pessoas. 25
  26. 26. Proposta Pedagógica Educação InfantilARTES As artes visuais expressam, comunicam e atribuem sentido às sensações,sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas,pontos, volume, espaço e luz na pintura, no desenho, na escultura, na gravura, naarquitetura, nos brinquedos, bordados, entalhes, etc.. O movimento e o equilíbrio, oritmo, a harmonia, o contraste, a continuidade, a proximidade e a semelhança sãoatributos da criação artística. A integração entre os aspectos sensíveis, afetivos,intuitivos, estéticos e cognitivos, assim como a promoção de interação ecomunicação social, conferem caráter significativo às Artes Visuais, que estãopresentes no cotidiano da vida infantil.Conteúdos Ao selecionar os conteúdos para a educação infantil, consideramos odesenvolvimento específico da faixa etária a ser trabalhada, adequando a cada umadelas os conteúdos relativos ao conhecimento da linguagem visual e aodesenvolvimento da criança. Esses conteúdos foram organizados em três blocos;ouso de diferentes habilidades motoras e cognitivas importantes para o conhecimentode mundo e da linguagem artística; a expressão da imaginação criadora e dasrelações de significação com o mundo ;a construção de conhecimentos doselementos da linguagem das artes visuais e ampliação do repertório das imagens.Elementos da Linguagem das Artes 1. Observação das próprias produções das crianças; 2. Exploração gráfica dos elementos constituintes da linguagem das áreas visuais: ponto, linha, forma, cor, volume e luz; 3. Percepção da relação figura / fundo; 4. Exploração dos elementos rítmicos das linguagens visual, propondo repetição da imagem; 5. Observação das obras de arte; 6. Representação de imagens de artistas regionais, nacionais; 7. Representação gráfica de imagens do corpo humano, parado, em movimento, dentro de cenários, etc.; 8. Observação de objetos em variadas posições; 26
  27. 27. Proposta Pedagógica Educação Infantil 9. Organização de imagens na superfície plana, explorando todo o espaço do suporte. Natureza e Sociedade Desde muito pequenas, pela interação no meio natural e social no qualvivem, as crianças aprendem sobre o mundo fazendo perguntas e procurandorespostas às suas indagações e questões. Muitos são os temas pelos quais ascrianças se interessam. Nos primeiros anos de vida, o contato com o mundo permiteà criança construir conhecimentos práticos sobre o seu entorno. As crianças devem,desde pequenas, serem instigadas a observar fenômenos, relatar acontecimentos,formular hipóteses, prever resultados para experimentar, conhecer diferentescontextos históricos e sociais, tentar localizá-los no espaço e no tempo.ConteúdosOs conteúdos serão selecionados em função dos seguintes critérios: 1. Relevância social e vínculo com as práticas sociais reais; 2. Grau de significância para a criança; 3. Possibilidades que oferecem de construção de uma visão de mundo integrada e relacional; 4. Possibilidade de ampliação do repertório de vivências e do conhecimento a respeito do meio físico e social.Organização dos Grupos e suas Relações Sociais Na escola a criança encontra possibilidade de ampliar as experiênciasque traz de casa e de outros lugares, de estabelecer novas formas de relação e decontato com uma grande diversidade de costumes, hábitos e expressões culturais,cruzar histórias individuais e coletivas, compor um repertório de conhecimentoscomuns àquele grupo, etc. Para que o ambiente social de instituição e a vivência 27
  28. 28. Proposta Pedagógica Educação Infantilcotidiana das crianças se constituam em espaços de construção de novosconhecimentos, é preciso possibilitar que as crianças vivenciem e percebam a realidade social em sua complexidade e multiplicidade de formas. É preciso partir dasquestões colocadas pelas crianças acerca do universo social, oferecendo-lhes novasperspectivas, para que elas possam avançar na compreensão do conjunto derelações que explicam o mundo social. Nessa perspectiva são conteúdos destebloco:Conteúdos 1. Conhecimento dos modos de vida, costumes e tradições de diversos grupos sociais do presente e do passado; 2. Participação em atividades que envolvam histórias, brincadeiras, jogos e canções que digam respeito as tradições culturais de sua comunidade e de outras; 3. Valorização do patrimônio cultural do seu meio e interesse por conhecer diferentes formas de expressão cultural; 4. Identificação de algumas contribuições de diferentes culturas na sua própria cultura, participação em atividades sociais que lhe sejam significativas; 5. Identificação de alguns dos diferentes papéis sociais existentes em seus grupos de convívio, dentro e fora da instituição; 6. Valorização dos relatos orais como fonte de informação e pesquisa, conhecimento de alguns sistemas de troca e do uso do dinheiro; 7. Respeito à valorização de atitudes de manutenção e preservação dos espaços coletivos. 28
  29. 29. Proposta Pedagógica Educação InfantilLinguagem e Escrita A educação infantil, ao promover experiências significativas deaprendizagem da língua materna, constitui-se um dos espaços de ampliação dascapacidades de comunicação e expressão e de acesso ao mundo letrado dascrianças. Essa ampliação está relacionada ao desenvolvimento gradativo dascapacidades associadas às quatro competências lingüísticas básicas: falar, escutar,ler e escrever. A alfabetização é um processo no qual as crianças precisam resolverproblemas de natureza lógica até chegarem a compreender de que forma a escritaalfabética representa a linguagem, e assim poderem escrever e ler por si mesmas.Iniciação às Práticas de Leitura A leitura do educador é uma prática constante e pressupõe o trabalhocom a diversidade de objetivos, modalidades e textos que caracterizam as práticasde leitura de fato. As situações propostas às crianças que dominam a leituraconvencional devem dar-lhes oportunidade para que, no contato com diversostextos, possam ler de duas formas: obtendo informação do texto a partir deindicadores presentes no contexto e, no caso de textos memorizados, peloestabelecimento de correspondência entre partes do falado e partes do escrito. 1. Escuta de textos lidos pelo educador: “ler” ouvindo; 2. Atribuição de sentido: coordenando texto e contexto, utilizando indicadores para fazer antecipações e inferências em relação ao texto, em função da imagem que o acompanha, do conhecimento do gênero, de algumas propriedades do texto como extensão, espaços entre palavras, algumas letras conhecidas, etc.; 3. Leitura pela criança de textos memorizados: parlendas, adivinhas, letras de música, etc., ajustando o texto falado ao texto escrito; 4. Reconhecimento do próprio nome do conjunto dos nomes das crianças da sala; 5. Manuseio e leitura de livros na sala e, quando possível, empréstimo de materiais para leitura em casa (com supervisão do educador); 6. Uso da biblioteca: busca de informações e consulta a fontes de diferentes tipos (jornais, revistas, enciclopédias, etc.), com ajuda; 7. Valorização da leitura como fonte de fruição estética e entretenimento; 29
  30. 30. Proposta Pedagógica Educação Infantil 8. Interesse por “ler” ou ouvir a leitura especialmente de textos literários e informativos e por compartilhar opiniões, idéias e preferências; 9. Cuidado no uso dos livros e demais materiais escritos.Iniciação às Práticas de Escrita e de Produção de Textos A criança pode aprender a escrever produzindo oralmente textos comdestino escrito, momento em que o educador é o escritor. A criança tambémaprende ao arriscar-se fazendo como sabe, escrevendo de próprio punho, podendoreceber ajuda de quem já sabe escrever. Em ambos os casos é necessários teracesso à diversidade de textos escritos, testemunharem a utilização que se faz daescrita em diferentes circunstâncias, considerando as condições nas quais éproduzida: para que, para quem, onde e como. Esta concepção supõe uma prática continuada de produção de textos quereproduza contextos cotidianos nos quais escrever tem sentido, buscando a maiorsimilaridade possível com as práticas de uso social: 1. Escrever para não esquecer alguma informação; 2. Escrever para enviar uma mensagem a um destinatário ausente; 3. Produção de textos escritos como processo coletivo, envolvendo: planejar, definir para quem, pensar sobre a finalidade, considerar tipo de texto, elaborar e re-elaborar se for o caso; 4. Prática de escrita de próprio punho, utilizando o conhecimento de que cada criança dispõe, no momento, sobre o sistema de escrita em português; 5. Respeito pela produção própria e alheia.Linguagem Oral É importante para as crianças ampliarem suas possibilidades de inserçãoe de participação nas diversas práticas sociais. O trabalho com a linguagem seconstitui um dos eixos básicos na educação infantil, dada a sua importância para aformação do sujeito, para a interação com as outras pessoas, orientação das açõesdas crianças, na construção de muitos conhecimentos e no desenvolvimento dopensamento. Além da linguagem falada, a comunicação acontece por meio de 30
  31. 31. Proposta Pedagógica Educação Infantilgestos, de sinais e da linguagem corporal, que dão significado e apóiam a linguagemoral.ConteúdosLinguagem: Língua Portuguesa 1. Participação em debates, fazendo e respondendo perguntas; 2. Elaboração e participação em entrevistas; 3. Exposição de temas através do uso de idéias próprias, justificativas e argumentação; 4. Planejamento coletivo e oral das atividades; 5. Exposição oral com ajuda de suporte visual e/ou escrito e do adulto; 6. Relato de experiências vividas; 7. Narração de fatos em seqüência temporal e causal; 8. Reconto de textos literários conhecidos, buscando aproximação com as características do texto-fonte e descrevendo personagens, cenários e objetos, com a ajuda do adulto, quando necessário; 9. Conhecimento e reprodução oral de jogos verbais tais como: trava-línguas, parlendas, adivinhas, quadrinhas, poemas, rimas e canções. 10. Reconhecimento das diferenças e semelhanças das funções da linguagem oral e da escrita.MatemáticaDiversas ações intervêm na construção dos conhecimentos matemáticos comorecitar a seu modo a seqüência numérica, fazer comparações entre quantidades eentre ações numéricas e localizar-se espacialmente. Essas ações ocorremfundamentalmente no convívio social e no contato das crianças com histórias,músicas, jogos e brincadeiras. À medida que crescem, as crianças conquistam maiorautonomia e consegue levar adiante, por tempo maior, ações que tenham umafinalidade, entre elas atividades e jogos. 31
  32. 32. Proposta Pedagógica Educação InfantilConteúdos Os critérios utilizados para: identificar as noções que as crianças possuem eselecionar os conteúdos a fim de viabilizar as ações na sala de aula deve levar emconta que: a. Aprender matemática na educação infantil é um processo contínuo de abstração em que a criança atribui significados estabelecem relações com base em observações, experiências e ações que vem praticando, desde cedo, sobre elementos do seu ambiente físico e sócio-cultural; b. A construção de competências matemáticas pela criança ocorre simultaneamente à leitura, escrita, linguagem oral, desenho, capacidades motoras.Para as crianças de três a seis anos, as atividades dessa natureza são executadasenvolvendo os seguintes conteúdos: Números e Sistema de Numeração, Medida eEspaço e Forma. - Utilização da contagem oral nas brincadeiras e situações que a criança reconheça a sua necessidade; - Designação de uma quantidade a partir da contagem oral; - Utilização de formas de registros de quantidades escolhidas pela criança; - Designação de quantidade a partir da contagem; - Domínio progressivo da sucessão ordenada de números, adquirindo cada vez maior precisão na contagem; - Comunicação de quantidade, utilizando registros orais e escritos; - Comparação de quantidades de objetos de diferentes coleções; - Posição de um objeto ou número numa série; - Noção de sucessor e antecessor em uma sucessão de objetos ou numa série numérica; - Comparação de tamanhos de objetos, colocando-os lado a lado; - Comparação da distância entre quantidades e tamanhos de objetos; 32
  33. 33. Proposta Pedagógica Educação Infantil - Medições através da utilização de instrumentos conhecidos pelas crianças como régua, fita métrica, etc.; - Experiências com a noção de medida de comprimento, através da utilização de unidades não convencionais tais como palmo, palitos, dedos, etc.; - Experiências com noção de peso, através da utilização de uma balança de dois pratos com unidades não convencionais (pedras, livros, etc.); - Experiências com noção de capacidade de volume através da utilização de unidades não convencionais como copos, colheres, garrafas, etc.; - Marcação do tempo por meio de calendários; - Exploração de noções de posição e do vocabulário pertinente; - Descrição da posição de um objeto tendo como referência o próprio corpo; - Exploração de relações espaciais no objeto (relação entre partes, construções, quebra-cabeças); - Identificação de propriedades geométricas de objetos e figuras: formas, tipos de contornos, tridimensionais de objetos com massa de modelar e argila; - Representações gráficas de objetos; - Relações de posição de objetos no espaço, percebendo semelhanças e diferenças entre eles; - Descrição da posição de um objeto em relação ao outro; - Descrição e representação de um ambiente através da identificação da posição dos objetos em relação aos outros; - Orientação espacial estabelecendo pontos de referência; - Pontos de referência no espaço, situando-se ou deslocando-se neles; - Descrição de pequenos percursos e trajetos observando pontos de referência; - Elaboração, interpretação e representação de mensagens com informações sobre posição e deslocamentos. 33
  34. 34. Proposta Pedagógica Educação InfantilAvaliação Buscando a excelência na qualidade da educação, objetivamos buscar acada etapa do trabalho um feedback dos métodos e ações, instituindo em conjuntocom todos os segmentos da Instituição Educacional mecanismos de avaliaçãopautados em instrumentos eficazes. O universo da avaliação escolar é simbólico einstituído pela cultura da mensuração, legitimado pela linguagem jurídica dosregimentos escolares, que legalmente instituídos, funcionam como uma vasta rede eenvolvem totalmente a escola. (Lüdke; André, M. 1986) Avaliar exige, antes que sedefina aonde se quer chegar, que se estabeleçam os critérios, para, em seguida,escolherem-se os procedimentos, inclusive aqueles referentes à coleta dedados,comparados e postos em cheque com o contexto e a forma em que foramproduzidos. “A avaliação deve ser encarada como reorientação para uma aprendizagem melhor e para a melhoria do sistema de ensino"(grifo nosso), resume Mere Abramowicz, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Daí a importância de pensar e planejar muito antes de propor um debate ou um trabalho em grupo. É por isso que, no limite, você pode adotar, por sua conta, modelos próprios de avaliar os estudantes, como explica Mere. “Felizmente, existem educadores que conseguem colocar em prática suas propostas, às vezes até transgredindo uma sistemática tradicional”. Em qualquer processo de avaliação da aprendizagem, há um foco no individual e no coletivo. Para Hadji (2001), a passagem de uma avaliação normativa para aformativa, implica necessariamente uma modificação das práticas do professor emcompreender que o aluno é, não só o ponto de partida, mas também o de chegada.Seu progresso só pode ser percebido quando comparado com ele mesmo: Comoestava? Como está? As ações desenvolvidas entre as duas questões compõem aavaliação formativa. Para Cipriano Carlos Luckesi, professor de pós-graduação em Educação daUniversidade Federal da Bahia, lembra que a boa avaliação envolve três passos:  Saber o nível atual de desempenho do aluno (etapa também conhecida como diagnóstico); 34
  35. 35. Proposta Pedagógica Educação Infantil  Comparar essa informação com aquilo que é necessário ensinar no processo educativo (qualificação);  Tomar as decisões que possibilitem atingir os resultados esperados (planejar atividades, seqüências didáticas ou projetos de ensino, com os respectivos instrumentos avaliativos para cada etapa)."Seja pontual ou contínua, a avaliação só faz sentido quando leva ao desenvolvimento doeducando"(grifo nosso), afirma Luckesi. Ou seja, só se deve avaliar aquilo que foiensinado. Não adianta exigir que um grupo não orientado sobre a apresentação deseminários se saia bem nesse modelo. E é inviável exigir que a garotada realize umapesquisa (na biblioteca ou na internet) se você não mostrar como fazer. Da mesma forma,ao escolher o circo como tema, é preciso encontrar formas eficazes de abordá-lo se nãohouver trupes na cidade e as crianças nunca tiverem visto um espetáculo circense. Segundo Libâneo, (1994, p.204) A avaliação institucional contribuisignificativamente para que a Escola repense suas práticas administrativas,técnicas, educativas e sociais, ao mesmo tempo em que reflete o seu papel nasociedade como produtora e socializadora de um saber capaz de compreender etransformar a realidade. Uma instituição que se proponha viver um processo deAvaliação Institucional precisará planejar as etapas deste processo a fim de alcançarsucesso, sendo estas: preparação; Elaboração do projeto; de organização doprocesso; de condução do processo; resultados e informes; validação; plano deações e tomada de decisões em uma lógica permanente. O pensador e educador Dr. Luiz Cagliari, em seu texto a avaliação ePromoção, quando de sua contribuição no Jornal do Alfabetizador, Ano VIII - nº 46PP 10-12. São Paulo - Agosto de 1997, assim se expressa em suas mais de 10laudas de escrita, quanto a posição no que se refere a avaliação e Promoçãoescolar A escola não é um lugar onde se aprende apenas a lição da matéria. É um lugar de formação, de educação para a vida, e isto implica mais que uma prova ou uma nota, implica a formação de um caráter, de uma cultura, de um modo de se comportar, enfim, de uma filosofia de vida. Afinal, quando um aluno é reprovado isso significa um fracasso, e quando o aluno aprende e progride, é uma vitória. Esses fracassos e vitórias pertencem, em primeiro lugar, ao professor e ao aluno e, em seguida a todos os que estão ligados à atividade escolar. A própria comunidade depende do bom desempenho dos alunos e dos professores para poder manter uma cultura e a mão-de-obra adequada para sua vida e desenvolvimento. 35
  36. 36. Proposta Pedagógica Educação Infantil A maneira tradicional de avaliar está ligada a promoção dos alunos. Toda nota que eles ganham é computada para julgamento de promoção no final do ano. Uma análise séria, profunda e honesta de como as notas funciona nas escolas revela que o professor não leva em conta o progresso do aluno, quando atribui determinada nota a ele, mas apenas o desempenho do aluno em tarefas cuja avaliação de certo/errado o professor pode traduzir em notas. A promoção é condição de o aluno poder ver coisas novas, participar de novas atividades educacionais e, conseqüentemente, somar experiências novas à sua vida. A repetição de ano, fazendo o aluno tentar de novo um mesmo caminho para ver se apresenta melhores resultados nas suas tarefas de avaliação, é uma forma de trilhar um novo caminho para se apreender na vida escolar, e na vida, de modo geral. Praticamente, cada pessoa encontra-se num caminho diferente de aprendizagem. Por isto, pré-fixar um único modo de aprender é um absurdo, como é igualmente um absurdo esperar que todas as pessoas sejam iguais. A educação chegou a esta aberração por culpa própria, por causa da ênfase equivocada que dá à nota e à promoção escolar. Esta atitude escolar é sua marca registrada, um dos estereótipos escolares mais típicos na nossa cultura: para tudo que se quer avaliar ( concursos, competição, etc.) faz-se uma prova, um teste, etc., à moda da escola, ou simplesmente se dá uma nota de zero a dez. Até para os constituintes que elaboraram a nova Constituição do país (1988) foram atribuídas notas, de acordo com o desempenho de cada um nas votações. Isto prova, mais uma vez, que a sociedade pensa e age, em grande parte, em função do que a escola ensina e de como faz isto. A avaliação como processo metodológico na prática pedagógica do professor, deve incidir sobre a aprendizagem que o aluno desenvolve sobre suas atitudes. Aqui, a avaliação é uma análise do progresso que cada aluno desenvolve. Tudo o que o aluno faz serve para o professor avaliar, adaptar seu ensino a situação real da sala de aula e mostrar ao aluno qual é o passo seguinte que ele deverá dar para progredir. Esta atitude deverá estar presente em todas as aulas de todas as séries. A educação constrói-se pela reflexão antes de tudo e pelos resultados em segundo lugar. Por isto, a avaliação deve estar voltada, em primeiro lugar, para a reflexão e, secundariamente, para o resultado. Escola é lugar de se aprender, e aprender inclui errar. Errar faz parte do processo pedagógico e por isto o aluno não pode ser punido por algo que faz parte de sua vida como aprendiz. Na vida, os resultados assumirão um papel prioritário, mas não necessariamente na escola. Infelizmente, temos uma escola exigente demais com relação aos resultados, o que acaba tirando a reflexão e a substituindo por truques de memorização e 36
  37. 37. Proposta Pedagógica Educação Infantil subterfúgios para enganar o professor, com o único objetivo de obter um bom resultado nas tarefas de avaliação, uma nota que faça o aluno passar de ano. Obviamente, a escola não é o único lugar do mundo onde alguém pode estudar e aprender. Mas, certamente, é um lugar muito especial. Se for para alguém aprender em casa, o que qualquer um poderia fazer, em princípio, não haveria mais necessidade de escola. Se o aluno quer a aprovação escolar, deve ser um aluno presente na escola. A escola não é um lugar onde se aprende apenas a lição da matéria. É um lugar de formação, de educação para a vida, e isto implica mais do que uma prova ou uma nota, implica a formação de um caráter, de uma cultura, de um modo de se comportar, enfim, de uma filosofia de vida. Assim, nossa proposta é que sigamos e utilizemos conceitosmodernos d e Avaliação do discente, focando seu desempenho, no cotidiano daescola, superando desafios como indisciplina, dificuldade educacionais, falta deestrutura que dificulta as atividades, superação de desafios pela ausência depais e/ou responsáveis, mas que forme e promova com equidade o aluno, semrotulação, tratamento pejorativo que macula o estudante e submeta a sarjetada sala de aulas. A interação, aluno, sala de aulas docente e Gestores,caminharam de lado a lado na soma de condições de promoção muito maisque promover e taxar como um marca de “gado” no aluno com um NÚMERO... A vivencia e a execução do processo de ensino e aprendizagemcaminharão na superação deste tradicionalismo, levando a avaliação a ser ummomento d e conquista d e valores e responsabilidade com a apropriação pessoalde conhecimentos e que irei para a próxima etapa ou ano educacional com aconsciência de que eu posso e eu vou conquistar novos saberes e horizontesdo conhecimento acadêmico. “A criança constrói a si própria, quer queiramos ou não, não há como obstar oseu desenvolvimento, pois o objetivo (inconsciente) dela é o seu própriodesenvolvimento”. 37
  38. 38. Proposta Pedagógica Educação InfantilInstrumentos de Avaliação na Educação InfantilSegundo Malágon e Montes, para a avaliação de competências na EducaçãoInfantil, deve-se utilizar diversos instrumentos: PROCEDIMENTOS INSTRUMENTOS Registros anedóticos Rubricas Pautas de observação Escalas de apreciação 2. De informe Entrevistas Questionários Escalas de apreciação Escalas de atitudes Apresentações orais Informes descritivos Diários de classe Registros de atividades 3. Realizações Tarefas Projetos ( individuais e grupais) Experimentos Jogos e simulações Debates 4. Outros tipos Registros já existentes Grupos de discussão Análise de conteúdo Mapas conceituais Portfólios e pastas 38
  39. 39. Proposta Pedagógica Educação InfantilEducação Infantil SÉRIE IDADES N° MÁXIMO PROFESSORES DE ALUNOS INFANTIL IV De quatro anos a INFANTIL V quatro anos e 11 24 alunos 1 professora regente meses. De cinco anos a 1 TDI cinco anos e 11 meses.Parâmetros da Organização dos GruposA Educação Infantil está organizada em séries anuais sendo que os alunos serão agrupados por idades, quatro e cinco anos numa mesma sala. 39
  40. 40. Proposta Pedagógica Educação InfantilReferencias BibliográficasABERASTURY, A. A criança e seus jogos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.ALMEIDA, Rosângela D. de e PASSINI, Elza Y. O espaço geográfico: ensino erepresentação. São Paulo: Contexto, 1989.ARAUJO, V. C. O jogo no contexto da educação psicomotora. São Paulo: Cortez,1992.BITTENCOURT, Circe M. Fernandes (org). O saber histórico na sala de aula. SãoPaulo: Contexto, 1997.BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei n.º 9394, 20 dedezembro de 1996.______,Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Lei 11.114/2005Parâmetros curriculares nacionais: história. Brasília: MEC/SEF, 1998.______. Ministério da Educação. Secretaria Nacional de Educação Básica. Ensinodas humanidades: a modernidade em questão. São Paulo: Cortez; Brasília: SENEB,1991.BRITTO, L. P. L. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical.Campinas, Mercado de Letras, 1997.CHAUÍ, Marilene. O que é Ideologia. 27. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e lingüística. São Paulo, Scipione, 1990.CÂMARA Jr., Joaquim Mattoso. Manual de expressão oral e escrita. Petrópolis,Vozes, 1983.CHARTIER, A.M. & HEBRARD, J. Ler e escrever: entrando no mundo da escrita.Porto Alegre, Artes Médicas, 1995.CHATEAU, J. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.CHIAPPINI, Ligia (coord. geral) & GERALDI, João Wanderlei (coord.) Aprender eensinar com textos dos alunos. São Paulo, Cortez, 1997.COLL, Cesar. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento Porto Alegre,Artes Médicas, 1994.DAMIANI, A. L. O lugar e a produção do cotidiano. In: Encontro internacional: lugar,formação sociespacial, mundo. Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduaçãoem Geografia, Universidade de São Paulo, 1994.DANIELS, H.. Vygotsky em foco: pressupostos e desdobramentos; Papirus Editora;SP; 1994. 40
  41. 41. Proposta Pedagógica Educação InfantilDAVIS, M. e WALLBRIDGE, D. Limite e espaço: uma introdução à obra de D.W.Winnicott. Rio de Janeiro: Imago, 1982.GARDNER, H. Estruturas da mente, a teoria das inteligências múltiplas. PortoAlegre: Artes Médicas, 1994.GROLNICK, S. Winnicott, o trabalho e o brinquedo: uma leitura introdutória. PortoAlegre: Artes Médicas, 1993.GUARINELLO, Noberto Luiz. Memória coletiva e história científica. Revista Brasileirade História, vol. 14, n° 28. São Paulo: ANPHU - Editora Marco Zero - MCT –CNPq -FINEP, 1994.DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita.Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). TraduçãoRoxane H. R. Rojo. São Paulo (mimo.), 1996.REDIN, Euclides. A Representação da Criança Pré-Escolar no Brasil. São Paulo:Tese, USP, 1.985.SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA. Revista do Professor deMatemática.VYGOTSKY, L.S.. Formação Social da Mente. São Paulo: Martins, 1991.HERNÁNDEZ, Fernando; MONTSERRAT, Ventura. Os projetos de trabalho: umaforma de organizar os conhecimentos escolares. In: _____. A organização docurrículo por Projetos de Trabalho. 5ª edição, Porto Alegre: Artmed, 1998. 41

×