Caderneta saude menino_passaporte_cidadania

3,246
-1

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,246
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
127
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Caderneta saude menino_passaporte_cidadania

  1. 1. Caderneta de Caderneta de Saúde da Criança Saúde da Criança sumário Parabéns! Acaba de nascer um cidadão brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 Identificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 Mudanças de endereço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 Registro civil de nascimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 Direitos dos pais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Direitos da criança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Os primeiros dias de vida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 Amamentando o bebê . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 Como tornar a amamentação mais tranquila e prazerosa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Ordenha ou expressão manual do leite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Como prevenir problemas na amamentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Dificuldades na amamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Dez passos para uma alimentação saudável de crianças menores de 2 anos. . . . . . . . . . . . . . 14 Dez passos para uma alimentação saudável para crianças de 2 a 10 anos. . . . . . . . . . . . . . . . 15 Suplementação de ferro e vitamina A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Acompanhando a saúde da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Estimulando o desenvolvimento da criança com afeto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Percebendo alterações no desenvolvimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Vigiando o crescimento da criança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Vacinação – Direito da criança, Dever dos pais/cuidadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Calendário básico de vacinação da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Saúde bucal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Saúde ocular e auditiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Cuidados com a saúde da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Evitando a diarreia e a desidratação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Criança: uma pessoa em desenvolvimento e com direitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Cuidando da segurança da criança: prevenindo acidentes e violências.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Registro dos profissionais: informações, dados e procedimentos sobre a saúde da criança. . . . 37 Dados sobre gravidez, parto e puerpério . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Dados de recém nascido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Anotações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Vigilância do desenvolvimento da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Principais fatores de risco e alterações físicas associados a problemas de desenvolvimento . 43 Instrumento de Vigilância do Desenvolvimento de Crianças de 0 a 12 Meses. . . . . . . . . . . . . 44 Instrumento de vigilância do desenvolvimento de crianças de 12 meses a 3 anos. . . . . . . . . . 46 Avaliação do desenvolvimento: orientação para tomada de decisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Situações especiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Guia básico para acompanhamento de crianças com síndrome de Down. . . . . . . . . . . . . . . . 50 Vigilância do crescimento infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Folha de Registro das medidas antropométricas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Vigiando a pressão arterial (pa). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 Registros dos procedimentos da saúde bucal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Saúde ocular e auditiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Registros da suplementação de ferro e vitamina A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Registro das vacinas do calendário básico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Folha de registro da alimentação da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Registro de intercorrências: doenças, relatórios de internações, acidentes, alergias e outros. . . . 88 ©2005 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens dessa obra é da área técnica. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: http://www.saude.gov.br/bvs Série F. Comunicação e Educação em Saúde Tiragem: 7ª edição – 2011 – 3.228.306 exemplares Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno SAF/Sul –Trecho 02 Lotes 05/06 Bloco F Sala 1Torre II Edifício Premium - Térreo CEP: 70.078-600, Brasília – DF Tel.: (61) 3315-9070 / 3315-9072 / 3315-9032 Fax: (61) 3306-8023 E-mail: crianca@saude.gov.br Home page: www.saude.gov.br Atualização da 6ª edição e revisão técnica: Elsa Regina Justo Giugliani - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Fernanda Peixoto Cordova - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Gilvani Pereira Grangeiro - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Colaboração: Fátima Maria Penha Reis, Maria de Lourdes Magalhães e Maria Luiza Ferreira - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Helen Duar e Mariana Pinheiro - Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/DAB/MS Carla Daher - Coordenação da Área Técnica da Pessoa com Deficiência/DAPES/SAS/MS Carla Domingues, Janilce Lima, Regina Silva e Walquiria Teles - Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações – PNI Elaboração dos Gráficos Luiz Fellipe Ferreira EDITORA MS Documentação e Informação SIA, trecho 4, lotes 540 / 610 CEP: 71200-040, Brasília – DF Tels.: (61) 3233-2020 / 3233-1774 Fax: (61) 3233-9558 E-mail: editora.ms@saude.gov.br Home page: www.saude.gov.br/editora Equipe editorial: Normalização: Márcia Cristina Tomaz de Aquino Revisão: Mara Pamplona Capa, projeto gráfico, diagramação: Marcus Monici Ilustrações: Gleidson de Azevedo OS 2011/0071 Impresso no Brasil / Printed in Brazil
  2. 2. Caderneta de Caderneta de Saúde da Criança Saúde da Criança sumário Parabéns! Acaba de nascer um cidadão brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 Identificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 Mudanças de endereço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 Registro civil de nascimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 Direitos dos pais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Direitos da criança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Os primeiros dias de vida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 Amamentando o bebê . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 Como tornar a amamentação mais tranquila e prazerosa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Ordenha ou expressão manual do leite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Como prevenir problemas na amamentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Dificuldades na amamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Dez passos para uma alimentação saudável de crianças menores de 2 anos. . . . . . . . . . . . . . 14 Dez passos para uma alimentação saudável para crianças de 2 a 10 anos. . . . . . . . . . . . . . . . 15 Suplementação de ferro e vitamina A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Acompanhando a saúde da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Estimulando o desenvolvimento da criança com afeto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Percebendo alterações no desenvolvimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Vigiando o crescimento da criança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Vacinação – Direito da criança, Dever dos pais/cuidadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Calendário básico de vacinação da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Saúde bucal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Saúde ocular e auditiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Cuidados com a saúde da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Evitando a diarreia e a desidratação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Criança: uma pessoa em desenvolvimento e com direitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Cuidando da segurança da criança: prevenindo acidentes e violências.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Registro dos profissionais: informações, dados e procedimentos sobre a saúde da criança. . . . 37 Dados sobre gravidez, parto e puerpério . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Dados de recém nascido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Anotações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Vigilância do desenvolvimento da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Principais fatores de risco e alterações físicas associados a problemas de desenvolvimento . 43 Instrumento de Vigilância do Desenvolvimento de Crianças de 0 a 12 Meses. . . . . . . . . . . . . 44 Instrumento de vigilância do desenvolvimento de crianças de 12 meses a 3 anos. . . . . . . . . . 46 Avaliação do desenvolvimento: orientação para tomada de decisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Situações especiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Guia básico para acompanhamento de crianças com síndrome de Down. . . . . . . . . . . . . . . . 50 Vigilância do crescimento infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Folha de Registro das medidas antropométricas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Vigiando a pressão arterial (pa). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 Registros dos procedimentos da saúde bucal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Saúde ocular e auditiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Registros da suplementação de ferro e vitamina A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Registro das vacinas do calendário básico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Folha de registro da alimentação da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Registro de intercorrências: doenças, relatórios de internações, acidentes, alergias e outros. . . . 88 ©2005 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens dessa obra é da área técnica. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: http://www.saude.gov.br/bvs Série F. Comunicação e Educação em Saúde Tiragem: 7ª edição – 2011 – 3.228.306 exemplares Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno SAF/Sul –Trecho 02 Lotes 05/06 Bloco F Sala 1Torre II Edifício Premium - Térreo CEP: 70.078-600, Brasília – DF Tel.: (61) 3315-9070 / 3315-9072 / 3315-9032 Fax: (61) 3306-8023 E-mail: crianca@saude.gov.br Home page: www.saude.gov.br Atualização da 6ª edição e revisão técnica: Elsa Regina Justo Giugliani - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Fernanda Peixoto Cordova - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Gilvani Pereira Grangeiro - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Colaboração: Fátima Maria Penha Reis, Maria de Lourdes Magalhães e Maria Luiza Ferreira - Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/DAPES/SAS/MS Helen Duar e Mariana Pinheiro - Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/DAB/MS Carla Daher - Coordenação da Área Técnica da Pessoa com Deficiência/DAPES/SAS/MS Carla Domingues, Janilce Lima, Regina Silva e Walquiria Teles - Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações – PNI Elaboração dos Gráficos Luiz Fellipe Ferreira EDITORA MS Documentação e Informação SIA, trecho 4, lotes 540 / 610 CEP: 71200-040, Brasília – DF Tels.: (61) 3233-2020 / 3233-1774 Fax: (61) 3233-9558 E-mail: editora.ms@saude.gov.br Home page: www.saude.gov.br/editora Equipe editorial: Normalização: Márcia Cristina Tomaz de Aquino Revisão: Mara Pamplona Capa, projeto gráfico, diagramação: Marcus Monici Ilustrações: Gleidson de Azevedo OS 2011/0071 Impresso no Brasil / Printed in Brazil
  3. 3. Caderneta de Saúde da Criança PARABÉNS! ACABA DE NASCER UM CIDADÃO BRASILEIRO A Caderneta de Saúde da Criança é um documento importante para acom­ anhar a saúde, o crescimento e o desenvolvimento da criança, do p nascimento até os 9 anos. A partir dos 10 anos a caderneta a ser utilizada é a Caderneta de Saúde do Adolescente. É um documento único para cada criança. A primeira parte é dedicada a quem cuida da criança. Contém informa­ ções e orientações para ajudar a cuidar melhor da saúde da criança. Apre­ senta os direitos da criança e dos pais, orientações sobre o registro de nas­ cimento, amamentação e alimentação saudável, vacinação, crescimento e desenvolvimento, sinais de perigo de doenças graves, prevenção de acidentes e violências, entre outros. A segunda parte é destinada aos profissionais de saúde, com espaço para registro de informações importantes relacionadas à saúde da criança. Contém, também, os gráficos de crescimento, instrumento de vigilância do desenvolvimento e tabelas para registros das vacinas aplicadas. •• sempre a Caderneta de Saúde quando Leve for com a criança aos serviços de saúde e em todas as campanhas de vacinação. •• Converse com o profissional de saúde, tire suas dúvidas e peça orientações para que a criança cresça e se desenvolva bem. •• Solicite ao profissional de saúde que preencha a Caderneta de Saúde. Esse é um direito da família e da criança. 1
  4. 4. Caderneta de Saúde da Criança Identificação FOTO Nome da criança:_ ________________________________________ Data de nascimento:_____/ _____/ _______ Município de nascimento:___________________________________ Nome da mãe:____________________________________________ Nome do pai:_ ___________________________________________ _ Endereço:_ ______________________________________________ _ Ponto de referência:_ ______________________________________ ____________________________ Telefone: __________________ Bairro:_______________________ CEP:_ ____________________ _ Cidade: ______________________ Estado:____________________ Raça/cor/etnia: ( ) Branca ( ) Negra ( ) Parda ( ) Indígena ( ) Amarela Unidade Básica que frequenta: _______________________________ Nº° do Prontuário na UBS:__________________________________ Nº da Declaração de Nascido Vivo:_ __________________________ Nº° do Registro Civil de Nascimento:_ ________________________ Nº° do Cartão do SUS:_____________________________________ 2
  5. 5. Caderneta de Saúde da Criança Mudanças de endereço Endereço: Ponto de Referência: Bairro: Telefone: Cidade: CEP: Estado: Unidade Básica que frequenta: Endereço: Ponto de Referência: Bairro: Telefone: Cidade: CEP: Estado: Unidade Básica que frequenta: Endereço: Ponto de Referência: Bairro: Telefone: Cidade: CEP: Estado: Unidade Básica que frequenta: Endereço: Ponto de Referência: Bairro: Telefone: Cidade: CEP: Unidade Básica que frequenta: 3 Estado:
  6. 6. Caderneta de Saúde da Criança Registro civil de nascimento No Brasil, toda criança já nasce com direito a ter um Registro Civil de Nascimen­ to. Nos serviços públicos, como escolas, centros de saúde, hospitais, é frequente a solicitação desse documento. Para que os direitos da criança possam ser garantidos desde os primeiros dias de vida, todos os brasileiros devem ser registrados logo após o nascimento. O Registro Civil de Nascimento é gratuito para todos os brasileiros, e é garan­ tido pela Lei nº 9.534/97. Você sabe o que fazer para registrar o bebê? • Você pode registrar o bebê na maternidade onde ele nasceu. • Se não existir o serviço de Registro Civil na maternidade, é só comparecer ao Car­ ório de Registro Civil no local onde a criança nasceu ou onde a família t mora. Documentos necessários • Pais casados: »» A via amarela da Declaração de Nascido Vivo (DNV) fornecida pela maternidade/hospital. »» A certidão de casamento. É necessária a presença do pai ou da mãe. • Pais não casados: »» A via amarela da Declaração de Nascido Vivo (DNV) fornecida pela ma­ ternidade/hospital. »» Um documento de identidade do pai e da mãe que tenha foto e válido em todo território nacional (que pode ser Carteira de Identidade ou Carteira de Trabalho). É necessária a presença do pai e da mãe. Se o pai não puder ir junto, a mãe só poderá fazer o registro civil com o sobre­ nome do pai se tiver uma procuração pública dele para isso, ou portar a certidão de nascimento. Se a mãe não tiver essa procuração, ela pode fazer o registro em seu nome apenas e, a qualquer tempo, o pai pode comparecer ao cartório para registrar a paternidade. • Quando a criança não nasceu no hospital e não tem a Declaração de Nascido Vivo, os pais devem fazer o registro civil acompanhados por duas teste­ munhas maiores de idade que confirmem a gravidez e o parto. • Quando os pais são menores de 16 anos e não emancipados, deverão compa­ ecer ao cartório para r fazer o registro acompanhados dos avós da criança. • Os pais que não têm o registro civil, primeiro pre­ cisam se registrar para depois registrar o filho ou a filha. 4
  7. 7. Caderneta de Saúde da Criança Direitos dos pais A mãe tem direito a: • Ter acompanhante de sua escolha no pré-parto, parto e alojamento conjunto. • Ter a criança ao seu lado em alojamento conjunto. • Receber orientações sobre a amamentação e suas vantagens. • No momento da alta, receber orientações sobre quando e onde deverá fazer a consulta de pós-parto e de acompanhamento do bebê. • Licença-maternidade (mãe biológica/adotiva) de 120 dias ou mais, dependendo de onde a mãe trabalha. • Estabilidade no emprego até cinco meses após o parto. • Dois períodos de meia hora por dia, durante a jornada de trabalho, para amamentar seu bebê até os seis meses. • Acompanhar o seu filho(a) durante internação hospitalar. O pai biológico/adotivo tem direito a: • Licença-paternidade de cinco dias, a partir do nascimento do bebê. Direitos da criança • • • • • • • • • • • Ser registrada gratuitamente. Realizar o teste do pezinho, idealmente entre o 3º e 7º dia de vida. Ter acesso a serviços de saúde de qualidade. Ter acesso à escola pública e gratuita perto do lugar onde mora. Receber gratuitamente as vacinas indicadas no calendário básico de vacinação. Ter acesso à água potável e alimentação adequada. Ser acompanhada em seu crescimento e desenvolvimento. Ser acompanhada pelos pais durante a internação em hospitais. Viver num lugar limpo, ensolarado e arejado. Ter oportunidade de brincar e aprender. Viver em ambiente afetuoso e sem violência. 5
  8. 8. Caderneta de Saúde da Criança Os primeiros dias de vida Observando, cuidando e conhecendo o bebê • O bebê deve ser bem acolhido para se sentir protegido. • Não tenha medo de pegá-lo no colo, aproxime-o do seu corpo, apoiando seu pescoço e sua cabeça. Converse, cante, acaricie, embale, abrace, interaja com o bebê. • No início da vida, o bebê dorme bastante. Para garantir um bom sono é importante que ele durma em lugar tranquilo, arejado e limpo. O bebê nunca deve dormir de barriga para baixo (de bruços). Recomendase que ele durma de barriga para cima. Cuide para que a boca e o nariz não fiquem cobertos. Para aquecê-lo, é preferível agasalhá-lo com mais roupas do que cobri-lo com muitas cobertas. • Nos primeiros dias o bebê perde um pouco de peso, mas, por volta do décimo dia, já recupera seu peso de nascimento. • O bebê precisa de tranquilidade. Evite levá-lo a lugares onde haja muita gente e muito barulho como supermercados e shopping. • Não permita que fumem dentro de casa. A fumaça faz mal à saúde. A criança não deve receber colo por alguém que acabou de fumar. • Evite usar produtos de limpeza com cheiro muito forte. • Proteja a criança de animais; mesmo os que são de casa podem ter reações imprevisíveis. • O banho deve ser dado desde os primeiros dias numa banheira ou numa bacia com água morna e sabonete neutro. • Enxugue-o rápido para que ele não sinta frio, não esquecendo de se­ car bem as dobrinhas da pele e o umbigo. • O coto do umbigo cos­ tuma cair até o final da segunda semana de vida. 6
  9. 9. Caderneta de Saúde da Criança Cuidados com o umbigo • Para limpar a região do umbigo, só use álcool a 70%. • Não coloque faixas, moedas ou qualquer outro objeto ou substân­ cia sobre o umbigo. • A presença de secreção amarelada, com mau cheiro, purulenta no umbigo, ou de vermelhidão ao seu redor sugere infecção. Neste caso a criança deve ser vista imediatamente por profissional de saúde. Outros cuidados • Observe a pele do bebê. A presença da cor amarelada significa icterícia (amarelão). Quando ela aparece dentro das primeiras 24 horas de vida, quando o tom amarelado se torna intenso, quando se espalha por todo o corpo atingindo pernas e braços ou quando dura mais de duas semanas, é preciso que o bebê seja avaliado imediatamente pelo profissional de saúde. • Observe a cor das fezes do bebê. As fezes dos primeiros dias costumam ser escuras, ficando amareladas durante a primeira semana de vida. Podem também ser líquidas e, às vezes, esverdeadas. Se a criança está bem, isso não é diarreia. • Para evitar assaduras, troque as fraldas sempre que estiverem mo­ lhadas ou sujas, e limpe o bebê com pano ou algodão umedecido. Não use talco para evitar sufocação do bebê. • É importante que as roupas, os objetos e os brinquedos sejam lava­ dos com água e sabão neutro e bem enxaguados, evitando-se o uso de produtos perfumados. 7
  10. 10. Caderneta de Saúde da Criança Amamentando o bebê O leite materno é um alimento completo. Isso significa que, até os 6 meses, o bebê não precisa de nenhum outro alimento (chá, suco, água ou outro leite). A partir dos 6 meses, a amamentação deve ser complementada com outros alimentos. É bom que o bebê continue sendo amamentado até 2 anos ou mais. Quanto mais tempo o bebê mamar no peito, melhor para ele e para a mãe. Benefícios para o bebê • O leite materno tem tudo o que o bebê precisa até os 6 meses, inclusive água, e é de mais fácil digestão que qualquer outro leite, porque foi feito para ele. • Funciona como uma verdadeira vacina, protegendo a criança de muitas doenças. • Além disso, é limpo, está sempre pronto e quentinho. • A amamentação favorece um contato mais íntimo entre a mãe e o bebê. • Sugar o peito é um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança, ajuda a ter dentes bonitos, a desenvolver a fala e a ter uma boa respiração. Benefícios para a mãe • Reduz o peso mais rapidamente após o parto. • Ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemor­ ragia e de anemia após o parto. • Reduz o risco de diabetes. • Reduz o risco de câncer de mama, de ovário e de útero. • Pode ser um método natural para evi­ tar uma nova gravidez nos primeiros 6 meses, desde que a mãe esteja ama­ mentando exclusivamente (a criança não recebe nenhum outro alimento) e em livre demanda (dia e noite, sempre que o bebê quiser), e ainda não tenha menstruado. 8
  11. 11. Caderneta de Saúde da Criança Como tornar a amamentação mais tranquila e prazerosa Nos primeiros meses o bebê ainda não tem horário para mamar. Ele deve mamar sempre que quiser. Com o tempo ele faz o horário. Com alguns cuidados, a amamentação não machuca o peito e fica mais fácil para o bebê retirar o leite do peito: • A melhor posição para amamentar é aquela em que mãe e o bebê sintam-se confortáveis. A amamentação deve ser prazerosa para a mãe e para o bebê. • O bebê deve estar virado para a mãe, bem junto de seu corpo, bem apoiado e com os braços livres. • A cabeça do bebê deve ficar de frente para o peito e o nariz bem na frente do mamilo. Só coloque o bebê para sugar quando ele abrir bem a boca. • Quando o bebê pega bem o peito, o queixo encosta na mama, os lábios ficam virados para fora, o nariz fica livre e aparece mais aréola (parte escura em volta do mamilo) na parte de cima da boca do que na de baixo. • Cada bebê tem seu próprio ritmo de mamar, o que deve ser respei­ tado. Dei­ e-o mamar até que fique satisfeito. Espere que ele esvazie x bem a mama e então ofereça a outra, se ele quiser. • O leite do início da mamada tem mais água e mata a sede; e o do fim da mamada tem mais gordura e por isso mata a fome do bebê e faz com que ele ganhe mais peso. • No início da mamada o bebê suga com mais força porque está com mais fome e assim esvazia melhor a primeira mama oferecida. Por isso, é bom que a mãe comece cada mamada pelo peito em que o bebê mamou por último na mamada anterior. Assim o bebê tem a oportuni­ ade de esvaziar bem as duas mamas, o que é importante d para a mãe ter bastante leite. 9
  12. 12. Caderneta de Saúde da Criança • Quando for preciso tirar o bebê do peito, para que ele solte o mamilo sem machucá-lo, a mãe pode colocar o dedo mínimo no canto da boca do bebê, entre as gengivas. • Depois da mamada, é importante colocar o bebê na posição vertical para que ele possa arrotar. Atenção • Não há necessidade de usar mamadeiras e chupetas, pois podem atrapalhar a amamentação. Além disso, podem causar doenças, problemas na dentição e na fala. • É importante a mãe cuidar-se bem, evitar bebidas alcoólicas e cigarro. • Os remédios que a mãe toma podem passar para a criança; por isso ela só deve tomar medicamentos com orientação médica. • Se a mãe precisar usar método para evitar uma nova gravidez, ela deve procurar o serviço de saúde. • No momento da amamentação é importante que a mãe converse, faça carinho e dê atenção à criança. Se a mãe tiver excesso de leite, ela pode doá-lo a um Banco de Leite Humano e ajudar outros bebês que necessitam de leite humano. Informe-se nos serviços de saúde ou no site www. redeblh.fiocruz.br ou, se preferir, procure a unidade de saúde mais perto da sua casa. 10
  13. 13. Caderneta de Saúde da Criança Ordenha ou expressão manual do leite O processo manual é o método mais útil para a retirada do leite do peito. Está indicado para aliviar mamas muito cheias, manter a produção de leite quando o bebê não suga bem, aumentar o volume de leite, guardar leite para oferecer ao bebê mais tarde na ausência da mãe e, também, para doar a um banco de leite. Para realizar ordenha manual e guardar o leite, a mãe deve seguir os seguintes passos: Preparo do frasco para guardar o leite • Escolha um frasco de vidro incolor com tampa plástica, de maionese ou café em pó, por exemplo. • Retire o rótulo e o papel de dentro da tampa. • Lave bem com água sabão e depois ferva a tampa e o frasco por 15 minutos, contando o tempo a partir do início da fervura. • Escorra o frasco e a tampa sobre um pano limpo até secar. • Depois, feche bem o frasco sem tocar com a mão na parte interna da tampa. • O ideal é deixar vários frascos secos preparados, mas no momento da coleta você precisa identificar o frasco com seu nome, data e hora da coleta. Higiene pessoal antes de iniciar a coleta • Retire anéis, aliança, pulseiras e relógio. • Coloque uma touca ou um lenço no cabelo e amarre uma tolha/lenço/ pano/máscara na boca. • Lave as mãos e os braços até o cotovelo com bastante água limpa e sabão. • Lave as mamas apenas com água limpa. • Seque as mãos e as mamas com toalha/pano limpo ou papel toalha, evitando deixar resíduo de papel. Local adequado para retirar o leite • Escolha um lugar confortável, limpo e tranquilo. • Forre uma mesa com pano limpo para colocar o frasco e a tampa. • Evite conversar durante a retirada do leite, para evitar contaminar o leite com a saliva. Como fazer para retirar o leite (ordenha) • Massageie as mamas com a ponta dos dedos, fazendo movimentos circulares no sentido da parte escura (aréola) para o corpo. • Coloque o polegar acima da linha onde acaba a aréola e os dedos indicador e médio abaixo da aréola. • Firme os dedos e empurre para trás em direção ao corpo. • Aperte o polegar contra os outros dedos até sair o leite. Não deslize os dedos sobre a pele. • Pressione e solte, pressione e solte muitas vezes. A manobra não deve 11
  14. 14. Caderneta de Saúde da Criança • • • • • • • • doer se a técnica estiver correta. No começo o leite pode não fluir, mas depois de pressionar algumas vezes, o leite começa a sair com mais facilidade. Despreze os primeiros jatos ou gotas. Em seguida, abra o frasco e coloque a tampa sobre a mesa forrada com um pano limpo, com a abertura para cima. Colha o leite no frasco, colocando-o debaixo da aréola. Mude a posição dos dedos ao redor da aréola para esvaziar todas as áreas. Alterne a mama quando o fluxo de leite diminuir e repita a massagem e o ciclo várias vezes. Lembre-se que ordenhar leite do peito adequadamente leva mais ou menos 20 a 30 minutos, em cada mama, especialmente nos primeiros dias. A retirada do leite pode ser feita ao mesmo tempo nas duas mamas. Após terminar a coleta, feche bem o frasco. Como conservar o leite ordenhado • Após a coleta, guarde imediatamente o frasco na geladeira, no congelador ou freezer, em posição vertical. • Se o frasco não ficar cheio você pode completá-lo em outra coleta (no mesmo dia), deixando sempre um espaço de dois dedos entre a boca do frasco e o leite. No outro dia, comece com outro frasco. • Leite cru (não pasteurizado) pode ser conservado em geladeira por até 12 horas, e no freezer ou congelador por até 15 dias. Como oferecer o leite ordenhado à criança • O leite deve ser oferecido, de preferência, utilizando-se copo, xícara ou colher. • Para alimentar o bebê com leite ordenhado congelado, esse deve ser descongelado em banho-maria. • Amorne o leite em banho-maria (água quente em fogo desligado) agitando o frasco lentamente para misturar bem o leite até que não reste nenhuma pedra de gelo. • Para manter seus fatores de proteção, o leite materno não deve ser fervido e nem aquecido em microondas. • Amorne apenas a quantidade de leite que o bebê for utilizar. O leite morno que sobrar deve ser desprezado. O restante de leite descongelado e não aquecido poderá ser guardado na primeira prateleira da geladeira e utilizado no prazo de até 12 horas após o descongelamento. 12
  15. 15. Caderneta de Saúde da Criança Como prevenir problemas na amamentação Certos cuidados na amamentação podem prevenir problemas como ra­ chaduras no bico do peito, seios empedrados e outros. Por isso é importante: • O bebê pegar corretamente a mama. • Lavar os mamilos apenas com água, não usar sabonetes, cremes ou pomadas. Não é necessário lavar os mamilos sempre que o bebê for mamar. • Retirar um pouco do leite para amaciar a aréola (parte escura do peito) antes da mamada se a mama estiver muito cheia e endurecida. • Conversar com outras mulheres (amigas, vizinhas, parentes, etc.) que amamen­ taram bem e durante bastante tempo seus bebês. Dificuldades na amamentação Rachaduras no bico do peito • As rachaduras podem ser sinal de que é preciso melhorar o jeito do bebê pegar o peito. • Se o peito rachar, a mãe pode passar seu leite na rachadura. • Se não houver melhora, é bom procurar ajuda no serviço de saúde. Mamas empedradas • Quando isso acontece, é preciso esvaziar bem as mamas. • A mãe não deve deixar de amamentar; ao contrário, deve amamentar com frequência, sem horários fixos, inclusive à noite. • É importante retirar um pouco de leite antes da mamada para amolecer a mama e facilitar para o bebê pegar o peito. • Se houver piora, a mãe deve procurar ajuda no serviço de saúde. Pouco leite • Para manter uma boa quantidade de leite, é importante que a mãe amamente com frequência. A sucção é o maior estímulo à produção do leite: quanto mais o bebê suga, mais leite a mãe produz. • É importante, também, dar tempo ao bebê para que ele esvazie bem o peito em cada mamada. • Se o bebê dorme bem e está ganhando peso, o leite não está sendo pouco. • Se a mãe achar que está com pouco leite, deve procurar orientação no serviço de saúde. Leite fraco • Não existe leite fraco! Todo leite materno é forte e bom. A cor do leite pode variar, mas ele nunca é fraco. • Nem todo choro do bebê é de fome. A criança chora quando quer aconche­ go ou sente algum desconforto. Sabendo disso, não deixe que idéias falsas atrapalhem a amamentação. É importante acreditar que a mãe é capaz de alimentar o filho nos primeiros seis meses só com o seu leite. 13
  16. 16. Caderneta de Saúde da Criança DEZ passos para uma alimentação saudável de crianças menores de 2 anos* PASSO 1 – Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento. PASSO 2 – Ao completar 6 meses, introduzir de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os dois anos de idade ou mais. PASSO 3 – Ao completar 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes) três vezes ao dia, se a criança estiver em aleitamento materno. PASSO 4 – A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança. PASSO 5 – A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher; iniciar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar à alimentação da família. PASSO 6 – Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida. PASSO 7 – Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições. PASSO 8 – Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinho e outras guloseimas, nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação. PASSO 9 – Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o seu armazenamento e conservação adequados. PASSO 10 – Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação. Outras dicas: • Lavar as mãos antes de preparar as refeições e de alimentar a criança. • Oferecer água nos intervalos das refeições. Não oferecer sucos ou alimentos nesses intervalos. • Não oferecer restos da refeição anterior. * Para maiores informações, procure o Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos no site: www.saude.gov.br/alimentacao 14
  17. 17. Caderneta de Saúde da Criança Dez passos para uma alimentação saudável para crianças de 2 a 10 anos PASSO 1 – Oferecer alimentos variados, distribuindo-os em pelo menos três refeições e dois lanches por dia. Não pular as refeições. É importante que a criança coma devagar, porque, assim, mastiga bem os alimentos, aprecia melhor a refeição e satisfaz a fome. Prefirir alimentos saudáveis típicos da região e disponíveis na sua comunidade. PASSO 2 – Incluir diariamente alimentos como cereais (arroz, milho), tubérculos (batatas), raízes (mandioca, macaxeira, aipim), pães e massas, distribuindo esses alimentos nas refeições e lanches da criança ao longo do dia. Dar preferência aos alimentos integrais e na forma mais natural. PASSO 3 – Oferecer legumes e verduras nas duas principais refeições do dia; oferecer também, diariamente, 2 frutas nas sobremesas e lanches. Todos esses ali­ mentos são fontes de vitaminas e minerais, que ajudam na prevenção de doenças e melhoram a resistência do organismo. Variando os tipos de frutas, legumes e verduras oferecidos, garante-se um prato colorido e saboroso. PASSO 4 – Oferecer feijão com arroz todos os dias ou, no mínimo, cinco vezes por semana. Essa combinação é muito boa para a saúde. Logo após a refeição, ofe­ recer meio copo de suco de fruta natural ou meia fruta, que seja fonte de vitamina C, como laranja, limão, acerola, caju e outras, para melhorar o aproveitamento do ferro pelo corpo. Essa combinação ajuda a prevenir a anemia. PASSO 5 – Oferecer leite ou derivados (queijo e iogurtes) 3 vezes ao dia. Esses alimentos são boas fontes de proteínas e cálcio e ajudam na saúde dos ossos, dentes e músculos. Se a criança ainda estiver sendo amamentada, não é necessário oferecer outro leite. Carnes, aves, peixes ou ovos devem fazer parte da refeição principal da criança. Além das carnes, oferecer à criança vísceras e miúdos (fígado, moela), que também são fontes de ferro, pelo menos uma vez por semana. PASSO 6 – Evitar alimentos gordurosos e frituras; preferir alimentos assados, grelhados ou cozidos. Retirar a gordura visível das carnes e a pele das aves antes da preparação, para tornar esses alimentos mais saudáveis. Comer muita gordura faz mal à saúde e pode causar obesidade. PASSO 7 – Evitar oferecer refrigerantes e sucos industrializados ou alimentos com muito açúcar (balas, bombons, biscoitos doces e recheados), salgadinhos e outras guloseimas no dia-a-dia. Uma alimentação com muito açúcar e doces pode aumentar o risco de obesidade e cáries nas crianças. 15
  18. 18. Caderneta de Saúde da Criança PASSO 8 – Diminuir a quantidade de sal na comida; não deixar o saleiro na mesa. Evitar temperos prontos, alimentos enlatados, carnes salgadas e embutidos, como mortadela, presunto, hambúrguer, salsicha, linguiça e outros, pois esses alimentos têm muito sal. É importante que a criança se acostume com comidas menos sal­ gadas desde cedo. Sal demais pode aumentar a pressão arterial. Usar temperos, como cheiro verde, alho, cebola e ervas frescas e secas, ou suco de frutas, como limão, para temperar e valorizar o sabor natural dos alimentos. PASSO 9 – Estimular a criança a beber no mínimo 4 copos de água durante o dia, de preferência nos intervalos das refeições, para manter a hidratação e a saú­ de do corpo. Use sempre água tratada, fervida ou filtrada para beber e preparar refeições e bebidas. Suco natural de fruta também é uma bebida saudável, mas procure oferecer após as principais refeições. Não se esqueça também que suco não substitui a água. PASSO 10 – Além da alimentação, a atividade física regular é importante para manter o peso e uma vida saudável. Atividades como caminhar, andar de bicicleta, passear com o cachorro, jogar bola, pular corda, brincar de esconde-esconde e pega-pega e evitar que a criança passe mais que 2 horas por dia assistindo TV, jo­ gando videogame ou brincando no computador contribuem para que ela torne-se mais ativa. Criança ativa é criança saudável. 16
  19. 19. Caderneta de Saúde da Criança Suplementação de ferro e vitamina A Ferro A anemia provoca cansaço, fraqueza e falta de apetite, deixando as crianças sem ânimo para brincar. Para evitar a anemia, toda criança de 6 meses a 1 ano e 6 meses deve tomar o suplemento de ferro. O profissional de saúde vai lhe orientar como proceder. Vitamina A As crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses, residentes em área de risco para a deficiência de vitamina A* devem ser suplementadas. Essa vitamina melhora a saúde de diversas maneiras: protege a visão, diminui o risco de diarreia e infecções respiratórias e ajuda no desenvolvimento e crescimento da criança. Informe-se na unidade de saúde sobre os alimentos que ajudam a prevenir a DEFICIÊNCIA DE VITAMINA A E A ANEMIA. * São consideradas áreas endêmicas: Nordeste e Minas Gerais (região norte do Estado,Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucuri) AcompanhaNDO a saúde da criança • Para que a criança cresça e se desenvolva bem, é fundamental comparecer à unidade de saúde para fazer o acompanhamento do seu crescimento e desenvolvimento. • Nas consultas de rotina, peça orientações sobre os cuidados necessários para que a criança tenha boa saúde e esclareça as suas dúvidas. O Ministério da Saúde recomenda o seguinte esquema para as consultas de rotina: 1a semana 1º mês 2º mês 4ºmês 6º mês 9º mês 12º mês 18º mês 24º mês A partir dos 2 anos de idade, as consultas de rotina podem ser anuais, próximas ao mês de aniversário. Algumas crianças necessitam de maior atenção e devem ser vistas com maior frequência. Em todas as consultas de rotina, o profissional de saúde deve avaliar e orientar sobre: • alimentação da criança; • peso, comprimento ou altura e perímetro cefálico (este último até os 2 anos); • vacinas; 17
  20. 20. Caderneta de Saúde da Criança • • • • desenvolvimento; prevenção de acidentes ; identificação de problemas ou riscos para a saúde; outros cuidados para uma boa saúde. É importante que o profissional de saúde anote as in­ormações de f cada consulta nos espaços próprios desta caderneta. Você pode acompanhar o crescimento da criança pelos gráficos de peso, altura e índice de massa corporal (IMC) e o desenvolvi­ ento pela ficha própria para m esse fim. Estimulando o desenvolvimento da criança com afeto A primeira infância, de 0 a 6 anos, é um período muito importante para o desenvolvimento mental e emocional e de socialização da criança. É fundamental estimular bem a criança nessa fase, para que ela tenha uma vida saudável e possa desenvolver-se bem na infância, na adolescência e na vida adulta. Acompanhe o desenvolvimento da criança juntamente com o profissional de saúde. Se achar que algo não vai bem, não deixe de alertá-lo para que possa examinála melhor. Do nascimento até 2 meses de idade • Para que o bebê se desenvolva bem é necessário, antes de tudo, que seja amado e desejado pela sua família e que esta tente compreender seus sen­ timentos e satisfazer suas necessidades. A ligação entre a mãe e o bebê é muito importante neste início de vida, por isso deve ser fortalecida. • Converse com o bebê, buscando contato visual (olho no olho). Não tenha vergonha de falar com ele de forma carinhosa, aparentemente infantil. É desse modo que se iniciam as primeiras conver­ sas. Lembre-se que o bebê reconhece e acalma-se com a voz da mãe. Nessa fase, o bebê se assusta quando ouve sons ou ruídos inesperados e altos. • Preste atenção no choro do bebê. Ele chora de jeito diferente dependendo do que está sentindo: fome, frio/calor, dor, necessidade de aconchego. • Estimule o bebê mostrando-lhe objetos coloridos a uma distância de mais ou menos 30 cm. • Para fortalecer os músculos do pescoço do bebê, deite-o com a barriga para baixo e chame sua atenção com brinquedos ou chamando por ele, estimulando-o a levantar a cabeça. Isto o ajudará a sustentar a cabeça. 18
  21. 21. Caderneta de Saúde da Criança 2 a 4 meses • Brinque com o bebê conversando e olhando para ele. • Ofereça objetos para ele pegar, tocar com as mãos. • Coloque o bebê de bruços, apoiado nos seus braços, e brinque com ele, conversando ou mostrando-lhe brinquedos a sua frente. • Observe que o bebê brinca com a voz e tenta “conversar”, falando (aaa, qqq, rrr). 4 a 6 meses • Ao oferecer algo para o bebê (comida, brinquedo, etc.), espere um pouco para ver sua reação. Com isso ele aprenderá a expressar aceitação, prazer e desconforto. • Acostume o bebê a dormir mais à noite. • Ofereça brinquedos a pequenas distâncias, dando a ele a chance de alcançá-los. • Proporcione estímulos sonoros ao bebê, fora do seu alcance visual, para que ele tente localizar de onde vem o som virando a cabeça. • Estimule-o a rolar, mudando de posição (de barriga para baixo para barriga para cima). Use objetos e outros recursos (brinquedos, palmas, etc.). 6 a 9 meses • Dê atenção à criança demonstrando que está atento aos seus pedidos. Nesta idade ela busca chamar a atenção das pessoas, procurando agradá-las e obter sua aprovação. • Dê à criança brinquedos fáceis de segurar, para que ela treine passar de uma mão para a outra. • Converse bastante com a criança, cante, use palavras que ela possa repetir (dadá, papá, etc.). Ela também pode localizar de onde vem o som. • Coloque a criança no chão (esteira, colchone­ te) estimulando-a a sentar, se arrastar e engatinhar. 9 meses a 1 ano • Brinque com a criança com músicas, fazendo gestos (bater palmas, dar tchau, etc.), solicitando sua resposta. • Coloque ao alcançe da criança, sempre na presença de um adulto, objetos pequenos como tampinhas ou bolinha de papel peque­ na, para que ela possa apanhá-los, usando o movimento de pinça (dois dedinhos). Muito cuidado para que ela não coloque esses obje­ tos na boca, nariz ou ouvidos. • Converse com a criança e use livros com figuras. Ela pode estar falando algumas palavras como (mamã, papá, dá) e entende ordens simples como “dar tchau”. • Deixe a criança no chão para que ela possa levantar-se e andar apoiando-se. 19
  22. 22. Caderneta de Saúde da Criança 1 ano a 1 ano e 3 meses • Seja firme e claro com a criança, mostrando-lhe o que pode e o que não pode fazer. • Afaste-se da criança por períodos curtos, para que ela não tenha medo da sua ausência. • Estimule o uso das palavras em vez de gestos, usando rimas, músicas e sons comumente falados. • Ofereça à criança objetos de diversos tamanhos, para que ela aprenda a encaixar e retirar um objeto do outro. • Crie oportunidades para ela locomover-se com segurança, para aprender a andar sozinha. 1ano e 3 meses a 1 ano e 6 meses • Continue sendo claro e firme com a criança, para que ela aprenda a ter limites. • Conte pequenas estórias, ouça música com a criança e dance com ela. • Dê ordens simples, como “dá um beijo na mamãe”, bate pal­ minha. • Dê à criança papel e giz de cera (tipo estaca, grosso) para que ela inicie os seus rabiscos. Isto estimula a sua criatividade. • Crie oportunidades para a criança andar não só para frente, como também para trás (puxando carrinho, etc.). 1 ano e 6 meses a 2 anos • Estimule a criança a colocar e tirar suas roupas, inicialmente com ajuda. • Ofereça brinquedos de encaixe, que possam ser empilhados, e mostre como fazer. • Mostre figuras nos livros e revistas falando seus nomes. • Brinque de chutar bola (fazer gol). • Observe que a criança começa a juntar palavras e a falar frases simples como gato cadê ou leite não. • Entenda que nesta idade a criança demonstra ter vontade própria, testa limites e fala muito a palavras não. 2 anos a 2 anos e 6 meses • Continue estimulando a criança para que ela se torne independente em atividades de autocuidado diário, como por exemplo, na alimentação (iniciativa para se alimentar), no momento do banho e de vestir-se. • Comece a estimular a criança a controlar a eliminação de fezes e urina, em clima de brincadeira, sem exercer pressão ou repreender. Gradativamente, estimule o uso do sanitário. • Estimule a criança a brincar com outras crianças. 20
  23. 23. Caderneta de Saúde da Criança 2 anos e 6 meses a 3 anos • Converse bastante com a criança, peça para ela comentar sobre suas brincadeiras e nomes de amigos, estimulando a linguagem e a inteligência. • Dê oportunidade para ela ter contato com livros infantis, revistas, papel, lá­ pis, giz de cera. Leia, conte estorinhas, brinque de desenhar, recortar figuras, colagem. • Mostre para ela figuras de animais, peças do vestuário, objetos domésticos e estimule a criança a falar sobre eles: o que fazem, para que servem (ex. Quem mia?). • Faça brincadeiras utilizando bola e peça para a criança jogar a bola em sua direção, iniciando assim uma brincadeira envolvendo duas ou mais pessoas. Percebendo alterações no desenvolvimento • É importante observar como a criança reage ao contato com as pessoas e com o ambiente: se responde ao olhar, à conversa e ao toque dos pais/ cuidadores quando amamentada/alimentada, colocada no colo, acariciada. Na criança maior, é importante observar se ela habitualmente se isola, recusa-se a brincar com outras crianças, tem dificuldade na linguagem ou apresenta gestos/movimentos repetitivos. • É importante também observar se há atraso no desenvolvimento de ativida­ des motoras (como sustentar a cabeça, virar de bruços, engatinhar e andar), na linguagem e comunicação, em memorizar, em realizar uma tarefa até o fim, na aprendizagem e na solução de problemas práticos relacionados aos hábitos da vida diária. Se a criança não age como você espera e seu desenvolvimento causa dúvidas ou ansiedade na família, converse com o profissional de saúde sobre isso. Quanto mais cedo um problema for identificado e tratado, melhor o resultado. Qualquer atraso ou transtorno de desenvolvimento pode ser minimizado se a criança receber atenção/estimulação adequadas, com a participação da família e de profissionais. • O diagnóstico de uma deficiência na criança pode gerar momentos difíceis e sentimentos como medo, dúvidas, angústias e dificuldades de aceitação.Todos esses sentimentos são normais diante de um fato novo e não esperado. • No caso de crianças com deficiência, informações sobre os cuidados com a saúde e o conhecimento sobre os seus direitos são muito importantes para o fortalecimento da família e para o desenvolvimento de habilidades e capa­ cidades que facilitem a independência e a participação social dessas crianças. 21
  24. 24. Caderneta de Saúde da Criança Vigiando o crescimento da criança • A criança cresce, ganha peso e altura, ao mesmo tempo em que se desenvolve. A melhor maneira de ver se a criança está crescendo bem é acompanhando o seu peso e a sua altura. • Verifique, em cada consulta, se o profissional de saúde anotou o peso e a altura da criança na ficha de vigilância do crescimento e se registrou esses dados nos gráficos. • É muito importante que você saiba como a criança está crescendo. Se tiver dúvidas sobre o seu crescimento, solicite esclarecimentos ao profissional de saúde. • Uma boa alimentação e a prevenção de doenças por meio de vacinas são importantes para o bom crescimento da criança. O afeto dos pais e de outras pessoas que cuidam da criança e os cuidados com a higiene também são muito importantes. • O bebê que nasce com baixo peso (menos que 2.500g) é um bebê que necessita de maiores cuidados. Ele deve ter o crescimento acompanhado com mais frequência até atingir o peso e a altura adequados para a idade. A criança com saúde cresce bem. 22
  25. 25. Caderneta de Saúde da Criança Vacinação – Direito da criança, Dever dos pais/cuidadores A vacinação é essencial para manter a criança saudável. Para vacinar a criança, procure o centro de saúde ou a equipe de saúde que cuida da sua família. Consulte o calendário básico de vacinação da criança para saber quais as vacinas que ela precisa tomar para estar protegida de doenças graves. Procure seguir esse calendário porque, se as vacinas forem realizadas nos períodos indi­ ados, trazem mais benefícios à criança. c A vacinação básica é gratuita e esses serviços seguem rigorosamente as regras de conservação e aplicação das vacinas. Na maioria das vezes, mesmo que a criança esteja com febre, gripada ou com outros sintomas, a vacina pode ser aplicada. Quem pode avaliar é a equipe de saúde. 23
  26. 26. Caderneta de Saúde da Criança Calendário básico de vacinação da criança IDADE Ao nascer VACINA BCG DOSE Dose única DOENÇAS EVITADAS Formas graves da tuberculose Hepatite B 1 mês 1ª dose Hepatite B Hepatite B 2ª dose Hepatite B Tetravalente Poliomielite oral (VOP) 2 meses Difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções pela bactéria Haemophilus influenzae tipo b Poliomielite ou paralisia infantil Rotavírus Humano oral (VORH) 1ª dose Pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pela bactéria pneumococo Pneumocócica 3 meses Meningocócica C 1ª dose Poliomielite oral (VOP) Rotavírus humano oral (VORH) Poliomielite ou paralisia infantil 2ª dose Meningocócica C Diarreia por rotavírus Pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pela bactéria pneumococo Pneumocócica 5 meses Doença causada pela bactéria Neisseria meningitidis Difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções por Haemophilus influenzae tipo b Tetravalente (DTP + Hib) 4 meses Diarreia por rotavírus 2ª dose Doença invasiva causada por Neisseria meningitidis Hepatite B Poliomielite oral (VOP) 6 meses Hepatite B Poliomielite ou paralisia infantil Tetravalente (DTP + Hib) 3ª dose Difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções por Haemophilus influenzae tipo b Pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pela bactéria pneumococo Pneumocócica 24
  27. 27. Caderneta de Saúde da Criança IDADE 9 meses VACINA Febre amarela DOSE Dose inicial DOENÇAS EVITADAS Febre amarela Tríplice viral 15 meses Sarampo, caxumba e rubéola Pneumocócica Reforço Pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pela bactéria pneumococo Tríplice bacteriana (DTP) 12 meses 1ª dose 1º reforço Difteria, tétano, coqueluche Poliomielite oral (VOP) Poliomielite ou paralisia infantil Reforço Doença invasiva causada por Neisseria meningitidis Meningocócica C 10 anos Tríplice bacteriana (DTP) 2º reforço Tríplice viral (SCR) 4 anos 2 ª Dose Sarampo, caxumba e rubéola Febre amarela Uma dose a Febre amarela cada dez anos Difteria, tétano, coqueluche Nota: Mantida a nomenclatura do Programa Nacional de Imunização e inserida a nomenclatura segundo a Resolução de Diretoria Colegiada – RDC nº 61 de 25 de agosto de 2008 – Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA 25
  28. 28. Caderneta de Saúde da Criança Saúde bucal Importância dos dentes decíduos (dentes de leite) • Os dentes de leite são importantes para “guardar” o espaço e preparar o caminho dos dentes permanentes, servindo de guia para que esses dentes se posicionem de forma correta. • Para a criança alimentar-se bem e com prazer e ter uma mastigação eficiente dos alimentos sem desconforto, é necessário que seus dentes estejam em bom estado. • A perda dos dentes de leite antes do tempo pode prejudicar, na criança que está aprendendo a falar, a pronúncia de algumas palavras. Além disso, a criança poderá se sentir diferente do restante do grupo de sua faixa etária, podendo causar algum problema emocional/social. Desenvolvimento dos dentes 5a6 meses Época em que costuma aparecer o primeiro dente de leite. A criança pode apresentar alteração do sono, aumento da salivação, coceira nas gengivas e irritabilidade. 10 a 12 meses Época em que costuma aparecer o primeiro molar de leite (dente de trás). 3 a 6 anos Aos 3 anos a criança já tem todos os dentes de leite, num total de 20 dentes. 6 a 18 anos Em torno dos 6 anos, inicia-se a troca dos dentes de leite pelos dentes permanentes. O primeiro dente permanente a nascer é o 1o molar, que fica atrás do último dente de leite. Ele é um dente maior e deve permanecer na boca pelo resto da vida, assim como todos os dentes permanentes. A dentição permanente é completada em torno dos 18 anos, com um total de 32 dentes. Dicas para a limpeza da boca/dentes Deve-se limpar a boca do bebê antes mesmo do nascimento dos dentes. Recomenda-se a limpeza da gengiva, bochecha e língua com fralda ou gaze umedecida com água filtrada ou fervida, com a finalidade de criar hábitos de higienização. Quando começarem a nascer os dentes de leite da frente, a limpeza deve ser feita com gaze ou fralda umedecida em água limpa. Logo que começarem a nascer os dentes de trás, a limpeza dos dentes e da língua deve ser feita 26
  29. 29. Caderneta de Saúde da Criança com escova de dente pequena, macia, sem pasta de dente, apenas molhada em água filtrada ou fervida. A escova deve ser trocada quando estiver gasta. Recomenda-se também o uso do fio dental. Os adultos devem escovar os dentes das crianças até que elas aprendam a escoválos corretamente. Antes dos 4 anos de idade, não se deve usar pasta de dente com flúor, para que a criança não corra o risco de engolir. A par­ tir dessa idade, deve-se usar uma quantidade bem pequena (do tamanho do grão de ar­ roz) e ensinar a criança a cuspir. Orientações importantes 1. Mamar no peito, desde o nascimento, faz o bebê crescer forte e saudável e favorece o desenvolvimento da musculatura e ossos da face, evitando problemas no posicionamento dos dentes. 2. Evitar o uso de chupetas, bicos e mamadeiras, pois eles podem deixar os dentes “tortos” e prejudicar a mastigação, a deglutição (ato de engolir), a fala, a respiração e o crescimento da face. 3. Após as mamadas e depois de cada refeição e uso de xarope (que são adocicados), fazer a limpeza dos dentes, independente do horário. 4. Evitar colocar açúcar nos alimentos oferecidos ao bebê, pois ele aumenta o risco de cárie; muitos alimentos, como as frutas, já contêm açúcar. 5. O uso de flúor nos dentes ajuda a protegê-los da cárie. Ele está presente na maioria das pastas de dente e também na água tratada de muitos municípios. Cárie dentária A cárie é uma doença causada por bactérias que vivem na boca e utilizam o açúcar da alimentação para produzir ácidos que destroem os dentes. Crianças, principalmente durante o primeiro ano de vida, podem ter um tipo de cárie que evolui muito rápido e pode atingir vários dentes de uma só vez, destruindo-os rapidamente. Para evitar esse tipo de cárie, é importante não oferecer alimentos adoçados e fazer a higiene bucal após a alimentação. Não se deve oferecer para as crianças alimentos entre as refeições, principalmente doces, biscoitos, sucos adoçados e refrigerantes, pois esse hábito aumenta o risco de cárie. Discuta suas dúvidas sobre os cuidados com os dentes da criança e os seus com os profissionais de saúde. 27
  30. 30. Caderneta de Saúde da Criança Saúde ocular e auditiva A audição e a visão são muito importantes para o desenvolvimento da criança, auxiliando no aprendizado e na comunicação. Cuide da audição da criança, não deixando que ela seja exposta a ruídos fortes. Não coloque remédios caseiros ou qualquer outra coisa nos ouvidos ou olhos da criança, a não ser que tenha sido indicado pelo profissional de saúde. Os pais/cuidadores são os primeiros a desconfiar que a criança não está enxergando ou ouvindo bem. Caso desconfie que ela não enxerga ou ouve bem, ou se a professora lhe alertar para o problema, não espere, procure o serviço de saúde. Nos serviços de saúde podem ser feitos exames para testar a visão e a audição das crianças nos primeiros anos de vida. Esses exames devem ser repetidos quando a criança entra para a escola. Deve-se suspeitar de deficiência auditiva quando a criança: estando dormindo, não acorda e nem reage a barulhos do ambiente, como porta batendo, vozes, brinquedos, como chocalhos, instrumentos musicais; não atende quando se fala com ela, ou só o faz quando está olhando para a pessoa; fala pouco ou não fala. Deve-se suspeitar de deficiência visual quando a criança: tem grande dificuldade em fixar os olhos nos objetos ou pessoas; parece desinteresssada pelos brinquedos ou ambiente; traz muito perto dos olhos os objetos que deseja ver; tem dificuldade em iniciar sua mobilidade, como rolar, engatinhar ou andar; apresenta comportamentos tais como apertar ou esfregar os olhos, franzir a testa ou fixar o olhar em pontos luminosos. Se desconfiar que a criança não ouve ou não enxerga bem, converse com o pro­ fissional de saúde. 28
  31. 31. Caderneta de Saúde da Criança Cuidados com a saúde da criança Sinais de perigo Os sinais de perigo variam com a idade e indicam que a criança pode es­ ar com uma doença grave. t Crianças com menos de 2 meses Se a criança tiver menos de 2 meses de idade, você deve procurar IMEDIATAMENTE o serviço de saúde mais próximo de sua casa quando observar algum dos seguintes sinais de perigo: • Está muito “molinha” e “caidinha” – movimentando-se menos que o normal. • Está muito sonolenta, com dificuldade para acordar. • Convulsão (ataque) ou perda de consciência. • Dificuldade ou cansaço para respirar ou respiração rápida. • Não consegue mamar. • Vomita tudo o que ingere. • Umbigo com vermelhidão ao redor ou com secreção malcheirosa. • Temperatura do corpo baixa, menor ou igual a 35,5 ºC. • Febre – temperatura maior ou igual a 37,8 ºC. • Pus saindo da orelha. • Cor amarelada da pele (icterícia), atingindo os braços e as pernas do bebê. • Cor amarelada da pele em crianças com mais de 2 semanas. • Urina escura. • Fezes claras. Observe a cor das fezes da criança usando a escala de cores abaixo. Se a cor das fezes for suspeita, procure com urgência o serviço de saúde. Fezes normais Fezes suspeitas 29
  32. 32. Caderneta de Saúde da Criança Crianças com 2 meses ou mais Se a criança tiver idade igual ou maior que 2 meses, você deve procurar IMEDIATAMENTE o serviço de saúde mais próximo de sua casa quando observar algum dos seguintes sinais de perigo: • Dificuldade para respirar ou respiração rápida. • Não consegue mamar ou beber líquidos. • Vomita tudo o que ingere. • Está muito sonolenta, com dificuldade para acordar. • Convulsão (ataque) ou perda de consciência. Se você identificar uma situação de urgência, disque para o nº 192 – Serviço de Atendimento de Urgência (SAMU). A ligação é grátis. Evitando a diarreia e a desidrataçÃo A diarreia ainda é uma doença frequente, mas ela pode ser prevenida com alguns cuidados, tais como: • Amamentar exclusivamente (só peito) até os 6 meses, e até 2 anos ou mais, junto com outros alimentos. • Lavar bem as mãos antes de preparar os alimentos, depois de usar o banheiro, antes e depois de lidar com o bebê, principalmente depois de trocar as fraldas. • Preparar os alimentos até 2 horas antes de oferecê-los à criança ou colocá-los no refrigerador por no máximo 24 horas. • Evitar alimentar o bebê com mamadeira; se isto não for possível, a mamadeira e o bico devem ser lavados com bastante água e sabão, utilizando uma escova apropriada, e depois fervidos durante 15 minutos após levantar fervura, em um recipiente com água que cubra as mamadeiras e os bicos. • Não oferecer à criança restos de alimentos comidos em refeições anteriores. Alimentação da criança com diarreia Criança com diarreia precisa se alimentar para combater a doença e não ficar desnutrida. • Se a criança estiver sendo amamentada, aumentar o número de mamadas ou oferecer os alimentos com mais frequência. • Oferecer os alimentos que a criança está habituada a comer e que gosta mais. • Não oferecer guloseimas. 30
  33. 33. Caderneta de Saúde da Criança Identificando a desidratação • Olhos fundos, muita sede, pouca saliva, choro sem lágrima, pele seca e pouca urina são sinais de desidratação! Na presença desses sinais, leve a criança ao ser­ iço de saúde! v • Se apresentar vômitos e as fezes estiverem muito líquidas, oferecer soro oral após cada evacuação ou vômito. Sa reid is de rata ção Como preparar o soro de sais de reidratação oral • Em 1(um) litro de água fervida ou filtrada despejar todo o pó de um envelope de sais de reidratação. • Não colocar açúcar nem sal no soro. 1 • Não ferver o soro depois de pronto. Litro • Depois de pronto, o soro só pode ser usado por 24 horas. Após esse prazo, jogar fora o que sobrou e preparar mais um litro de soro. Quando não houver a solução de reidratação oral, pode se usar o soro caseiro. Como preparar o soro caseiro 1. Com a colher-medida 1 copo cheio (200mL) de água fervida ou filtrada 1 medida (a menor) rasa de sal 2 medidas (a maior) rasas de açúcar 1 pitada de 3 dedos de sal 1 punhado pequeno de açúcar 1I. Com a mão 1 copo cheio (200mL) de água fervida ou filtrada Mexer bem até dissolver a mistura O soro oral não cura a diarreia, mas evita a desidratação. A desidratação pode matar. Evitando e tratando a desidratação • Para prevenir a desidratação, é preciso aumentar a oferta de líquidos: oferecer o peito mais vezes se a criança ainda estiver mamando e oferecer água, chás, sucos, água de coco, dependendo do tipo de líquidos que a criança já vem recebendo. • Evitar oferecer refrigerantes ou bebidas com açúcar, pois eles podem piorar a diarreia. 31
  34. 34. Caderneta de Saúde da Criança CRIANÇA: UMA PESSOA EM DESENVOLVIMENTO E COM DIREITOS Cada criança é um ser único, que deve ser entendido, cuidado e respeitado. Da mesma forma que os adultos, as crianças têm o direito de ter garantida sua dignidade e integridade física, mental e moral. No início da vida, as crianças comunicam-se pelo choro. Ele é uma forma de demonstrar seus desconfortos: fome, frio, calor, dor/cólicas, cansaço e insegurança. É importante que os pais/cuidadores procurem entender o que está acontecendo para resolver cada situação, cuidando, conversando e protegendo com afeto. Aos poucos, os pais/cuidadores vão percebendo e reconhecendo as necessidades e o jeito de ser de sua criança. À medida que a criança cresce, é preciso que aprenda o que pode e o que não pode fazer e a identificar as situações de perigo. Por isso, os limites precisam ser ensinados com clareza e carinho. Morder, chutar e bater são comportamentos freqüentes nos primeiros anos de vida e, por isso, é necessário desde cedo conversar a respeito cada vez que a criança agir de forma agressiva. Birra e desobediência são atitudes de confronto e fazem parte do desenvolvimento da criança; no entanto, pais/cuidadores não devem ceder aos seus caprichos. A educação das crianças requer carinho, respeito e paciência. Para ensinálas, você NÃO DEVE fazer com que a criança experimente dor ou perigo, como dar palmada ou submetê-las a castigos humilhantes ou degra­ dantes. É muito importante respeitar a criança para que ela aprenda a respeitar os outros. Lembre-se que o exemplo é o melhor aprendizado. Não exija da criança mais do que ela é capaz de entender e realizar. 32
  35. 35. Caderneta de Saúde da Criança CUIDANDO DA SEGURANÇA DA CRIANÇA: PREVENINDO ACIDENTES E VIOLÊNCIAS Prevenindo acidentes À medida que a criança vai crescendo, faz parte do seu desenvolvimento a curiosidade; movimentar-se em busca de novas descobertas passa a ser constante no seu dia-a-dia, o que aumenta o risco de sofrer acidentes. Atitudes simples com supervisão contínua podem impedir acidentes, que podem matar ou deixar seqüelas, comprometendo as outras fases do ciclo de vida. 0 a 6 meses Quedas: proteja o berço e o cercado com grades altas, com no máximo 6 cm entre elas; não deixe a criança sozinha em cima de móveis; nem sob os cuidados de outra criança. Queimaduras: no banho, verifique a temperatura da água (ideal 37ºC); não tome líquidos quentes nem fume enquanto estiver com a criança no colo. Sufocação: nunca use talco; ajuste o lençol do colchão, cuidando para que o rosto do bebê não seja encoberto por lençóis, cobertores, almofadas e travesseiros; utilize brinquedos grandes e inquebráveis. Afogamento: nunca deixe a criança sozinha na banheira. Medicamentos: nunca dê à criança remédio que não tenha sido receitado pelo médico. Acidentes no trânsito: o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determina que a criança, nesta idade, deve ser transportada no bebê conforto ou conversível – cadeira em forma de concha, levemente inclinada, colocada no banco de trás, voltada para o vidro traseiro, conforme orientações do fabricante. 6 meses a 1 ano Todos os cuidados anteriores devem ser mantidos. Nessa faixa de idade, a criança começa a se locomover sozinha, está mais ativa e curiosa. Quedas: coloque redes de proteção ou grades nas janelas que possam ser abertas; ponha barreiras de proteção nas escadas; certifique-se que o tanque de lavar roupas está bem fixo, para evitar que ele caia e machuque a criança. Queimaduras: cerque o fogão com uma grade; use as bocas de trás; deixe os cabos das panelas voltadas para o centro do fogão; mantenha a criança longe do fogo, aquecedor e ferro elétrico. 33
  36. 36. Caderneta de Saúde da Criança Sufocação: afaste da criança sacos plásticos, cordões e fios. Afogamentos: não deixe a criança sozinha perto de baldes, tanques, poços e piscinas. Choque elétrico: coloque protetores nas tomadas; evite fios elétricos soltos e ao alcance da criança. Intoxicação: mantenha produtos de limpeza e ou medicamentos fora do alcance da criança, colocando-os em locais altos e trancados. Acidentes no trânsito: O CTB determina que a criança, nesta idade, deve ser transportada no bebê conforto ou conversível – cadeira em forma de concha, levemente inclinada, colocada no banco de trás, voltada para o vidro traseiro, conforme orientações do fabricante. 1 a 2 anos Todos os cuidados anteriores devem ser mantidos. A criança já anda sozinha e gosta de mexer em tudo. Quedas: coloque barreira de proteção nas escadas e janelas; proteja os cantos dos móveis. Segurança em casa: coloque obstáculo na porta da cozinha e mantenha fechada a porta do banheiro; não deixe à vista e ao alcance das crianças objetos pontiagudos, cortantes ou que possam ser engolidos, objetos que quebrem facilmente, detergentes, medicamentos e substâncias corrosivas, pois elas gostam de explorar o ambiente em que vivem. Atropelamento: saindo de casa, segure a criança pelo pulso, evitando assim que ela se solte e corra em direção à rodovia. Não permita que a criança brinque em locais com trânsito de veículos (garagem e próximo à rodovia); escolha lugares seguros (parques, praças e outros). Acidentes no trânsito: O CTB determina que nessa fase a criança deve ser transportada em cadeira especial no banco de trás, voltada para frente, corretamente instalada, conforme orientação do fabricante. 2 a 4 anos Todos os cuidados anteriores devem ser mantidos. A criança está mais independente, mas ainda não percebe as situações de perigo. Atropelamento: na rua, segure a criança pelo pulso, evitando assim que ela se solte e corra em direção à rodovia; não permita que a criança brinque ou corra em locais com fluxo de veículos (garagem e próximo à rodovia); escolha lugares seguros para as crianças brincarem e andarem de bicicleta (parques, ciclovias, praças e outros). Acidente no trânsito: no carro, a criança deve usar a cadeira especial no banco de trás, voltada para a frente, corretamente instalada, conforme orientações do fabricante. Outros cuidados: não deixe a criança aproximar-se de cães desco­ he­ n cidos ou que estejam se alimentando. 34
  37. 37. Caderneta de Saúde da Criança 4 a 6 anos Todos os cuidados anteriores devem ser mantidos. Embora mais confiante e capaz de fazer muitas coisas, a criança ainda precisa de supervisão. Converse com ela e explique sempre as situações de perigo. Queimaduras: crianças não devem brincar com fogo; evite que usem fósforo e álcool; mantenha-as longe de arma de fogo. Afogamento: a criança não deve nadar sozinha, ensine-a a nadar; não é seguro deixar crianças sozinhas em piscinas, lagos, rios ou mar, mesmo que elas saibam nadar. Atropelamento: na rua, segure a criança pelo pulso, evitando assim que ela se solte e corra em direção à rodovia. Escolha lugares seguros para a criança brincar e andar de bicicleta (parques, ciclovias, praças e outros). Acidentes no trânsito: o CTB determina que, no carro, a criança deve usar os assentos de elevação (boosters), com cinto de segurança de três pontos, e ser conduzido sempre no banco traseiro. Outros cuidados: supervisione constantemente crianças em lugares públicos, como parques, supermercados e lojas; evite o acesso a produtos inflamáveis (álcool e fósforos), facas, armas de fogo, remédios e venenos, que devem estar totalmente fora do alcance das crianças. 6 a 10 anos Todos os cuidados anteriores devem ser mantidos. Quase independente, aumenta a necessidade de medidas de proteção e de supervisão nas atividades fora de casa. Explique sempre os riscos que pode correr no dia-a-dia. Quedas: nunca deixe a criança brincar em lajes que não tenham grade de proteção; ao andar de bicicleta, a criança deve usar capacete de proteção e não circular em ruas que transitam veículos. Queimaduras: não deixe a criança brincar com fogueiras e fogos de artifícios. Choque elétrico: não deixe a criança soltar pipa (papagaio, arraia) em locais onde há fios elétricos, devido ao risco de choque de alta tensão. Atropelamento: nesta idade ainda é preocupante os acidentes; por isso, oriente a criança sobre as normas de trânsito. Acidentes com armas de fogo: armas de fogo não são brinquedos; evite-as dentro de casa. Acidente no transito: o CTB determina que, a criança, no carro, após os 7 anos e meio pode usar apenas o cinto de segurança de três pontos, no 35
  38. 38. Caderneta de Saúde da Criança banco de trás. Só é permitido, por lei, sentar no banco da frente a partir dos 10 anos e com cinto de segurança. Atenção: em casos de acidentes com materiais de limpeza, medicamentos e outros produtos tóxicos, procure urgente um serviço de saúde, chame o SAMU-192 ou ligue para o Centro de Informação Toxicológica: telefone 0800.780.200, ou no site: htpp//www.via.-re.com.br/cit Prevenindo a violência Toda criança tem o direito de crescer e se desenvolver de forma saudável. A criança amada e desejada cresce mais tranquila e tende a se relacionar de forma mais harmoniosa com seus pais/cuidadores e com outras crianças. A exposição de crianças a situações de violência pode comprometer seu desenvolvimento físico, emocional e mental. Quando maus-tratos ocorrem na infância, os prejuízos são maiores que em qualquer outra faixa etária. Como o aprendizado se dá pela imitação do comportamento dos adultos, crianças que assistem e/ou são vítimas de contínuas cenas de violência em casa podem achar que essa é uma forma natural de lidar com os conflitos e, assim, passar a adotar esse modelo de comportamento. Os seguintes sinais: manchas roxas, queimadura de cigarros, mãos queimadas em luvas, secreção/sangue na genitália e ânus, medo do contato físico, choro sem causa aparente, tristeza, isolamento, agressividade, criança faltar à escola e negligência na saúde e higiene podem significar que a criança está sendo vítima de violência. Ficar atento para esses sinais ou sintomas é um papel contínuo dos pais/cuidadores e profissionais. Na educação das crianças, impor limites não significa bater ou castigar. O diálogo deve ser estimulado desde cedo pelos pais/cuidadores; esse é o caminho. Se você suspeitar que alguma criança está sofrendo violência, procure a Unidade de Saúde, o Conselho Tutelar ou a Vara da Infância e da Juventude, ou ligue gratuitamente para o nº 100. Denunciar é papel de todos nós. 36
  39. 39. Caderneta de Saúde da Criança REGISTRO DOS PROFISSIONAIS: INFORMAÇÕES, DADOS E PROCEDIMENTOS SOBRE A SAÚDE DA CRIANÇA O registro, pelos profissionais de saúde, das informações sobre os diversos aspectos da saúde da criança é fundamental para tornar esta Caderneta um importante instrumento de vigilância e promoção da saúde e de articulação entre a unidade básica de saúde e os serviços de especialidades, de emergências e hospitalares. CONTRIBUA PARA A QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA PREENCHENDO ADEQUADAMENTE OS ESPAÇOS RESERVADOS PARA ANOTAÇÕES 37
  40. 40. Caderneta de Saúde da Criança Dados sobre gravidez, parto e puerpério Pré-natal Pré-natal iniciou no: ( ) 1º trimestre ( ) 2º trimestre Número de consultas pré-natais: ____ Gravidez: ( ) simples ( ) múltipla ( ) 3º trimestre Sorologias realizadas no pré-natal para os agravos (código do CID 10): Z21: ( ) Não realizada ( ) Normal ( ) Alterada Trim. 1º ( ) 2º ( ) 3º ( ) A53: ( ) Não realizada Trim. 1º ( ) ( ) Normal 2º ( ) ( ) Alterada 3º ( ) B18: ( ) Não realizada Trim. 1º ( ) ( ) Normal 2º ( ) ( ) Alterada 3º ( ) B58: ( ) Não realizada Trim. 1º ( ) ( ) Normal 2º ( ) ( ) Alterada 3º ( ) Imunização: Dupla Adulto ( ) Esquema completo ( ) Não realizou Suplementações de ferro: ( ) Sim ( ) Não realizou ( ) Esquema incompleto ( ) Sem informação ( ) Sem informação Parto e pós-parto Parto realizado: ( ) Hospital/clínica ( ) Domicílio ( ) Casa de parto ( ) Outro Tipo de parto: ( ) Normal ( ) Fórceps ( ) Cesáreo Indicação ___________________________________________________________ Sorologias maternas realizadas ainda na maternidade para os agravos (código do CID 10): Z21: ( ) Não realizada ( ) Normal ( ) Alterada A53: ( ) Não realizada ( ) Normal ( ) Alterada Megadose de vitamina A no período pós-parto imediato* Sim ( ) Não ( ) Sem informação ( ) Intercorrências clínicas da gravidez, parto e puerpério: *Para quem reside em áreas endêmicas: Nordeste e Minas Gerais (região norte do Estado,Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucuri). 38
  41. 41. Caderneta de Saúde da Criança Dados do recém nascido Nascimento: Nascido às ___________h, do dia _______/ _______/ ________ Maternidade/ Cidade, UF: _________________________________________ Peso ao nascer: ____________ g Comprimento ao nascer: __________cm Perímetro cefálico: ________ cm Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino Apgar: 1º min: __________ 5º min: ___________ Idade gestacional (IG): __________ semanas ________ dias Método de avaliação da IG: ( ) DUM ( ) Ultrassom ( ) Exame do RN Tipagem sanguínea do RN:____________ Mãe: __________ Profissional que assistiu ao recém-nascido (RN) ( ) Pediatra ( ) Enfermeiro ( ) Parteira ( ) Outro__________________ Aleitamento materno na primeira hora de vida: ( ) Sim ( ) Não Exames/Triagem neonatal: Manobra de Ortolani: ( ) Negativo ( ) Positivo Conduta: ____________________________________________________________ Teste do reflexo vermelho: ( ) Normal ( ) Alterado Conduta: ____________________________________________________________ Data: ____/ ____/ ______ Teste do Pezinho1 ( ) Não ( ) Sim Resultados: Fenilcetonúria: ( ) Normal ( ) Alterado Hipotireodismo: ( ) Normal ( ) Alterado Anemia falciforme: ( ) Normal ( ) Alterado Outros: _____________________________________________________________ ( ) Sim Data: ____/ ____/ ______ Triagem auditiva2 ( ) Não Testes realizados: ( ) PEATE3 ( ) EOA4 Resultado: OD…….. OE…………… (normal/alterado) Conduta: ____________________________________________________________ ( )Não ( )Sim Data: ___/___/___ Reteste:5 ( )PEATE ( ) EOA Resultado: OD ________ OE________ (normal/alterado) Conduta: _________________________________________ idealmente realizado entre o 3º e 7º dia de vida Preferencialmente, nos primeiros dias de vida (24 a 48h) e, no máximo, no primeiro mês de vida. PEATE - Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico 4 EOA - Emissões Otoacústicas Evocadas 5 Indicado quando resposta alterada em uma ou ambas orelhas no teste, devendo ser realizado o reteste, em até 30 dias após o teste. 1 2 3 Outros exames: _____________________________________________________ Dados na alta: Data: ___/___/___ Peso __________ Alimentação: ( ) leite materno ( ) leite materno e outro leite ( ) outro leite______________ 39
  42. 42. Caderneta de Saúde da Criança ANOTAÇÕES Este espaço é reservado para anotações dos problemas que o bebê tiver apre­ entado ainda na maternidade (diagnósticos, resultados de exames, s tratamen­ os realizados, condições de alta e recomendações ao profissional t de saúde para acompanhamento da criança). 40
  43. 43. Caderneta de Saúde da Criança Vigilância do desenvolvimento da criança O crescimento e desenvolvimento da criança são importantes indicadores de saúde e sofrem influência de fatores biológicos e ambientais. É importante estimular desde cedo o desenvolvimento da criança para que ela adquira autoconfiança, auto-estima e desenvolva capacidade de relacionar-se bem com outras crianças, com a família e com a comunidade. Desse modo, terá maior possibilidade de tornar-se um adulto bem adaptado socialmente. Vigiar o desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida é de fundamental importância, pois é nesta etapa da vida extra-uterina que o tecido nervoso mais cresce e amadurece, estando, portanto, mais sujeito aos agravos. Devido a sua grande plasticidade, é também nesta época que a criança melhor responde aos estímulos que recebe do meio ambiente e às intervenções, quando necessárias. Portanto, é importante que neste período o profissional de saúde, juntamente com a família e a comunidade, faça a vigilância do desenvolvimento infantil. A VIGILÂNCIA DO DESENVOLVIMENTO é um processo contínuo de acompanhamento das atividades relacionadas à promoção do potencial de desenvolvimento da criança e à detecção de problemas. Profissionais de saúde, pais, professores e outros devem estar envolvidos nesse acom­ panhamento. Na primeira consulta, é importante perguntar para a mãe/cuidador sobre fatos associados ao desenvolvimento da criança, observar alguns detalhes no exame físico e finalizar com a observação da criança na realização de comportamentos esperados para a sua faixa etária. Aproveite para observar a interação da mãe/cuidador com a criança (vínculo), por ser esta relação um importante fator de proteção para o desenvolvimento humano. Observe a forma como a mãe/cuidador segura a criança, se existe contato visual e verbal de forma afetuosa entre eles. Veja, ainda, os movimentos espontâneos da criança, se ela apresenta interesse por objetos próximos e pelo ambiente. Verifique os cuidados da mãe/cuidador com a criança pelo seu estado de higiene e a atenção ao que ela está fazendo, para onde olha ou o que deseja naquele momento. São observações que podem auxiliar na avaliação. É importante que o profissional esteja atento às condições de saúde da mãe/cuidador. É comum as mães apresentarem depressão pós-parto. Nesses 41
  44. 44. Caderneta de Saúde da Criança casos, é importante o profissional conversar com elas, ouvi-las e, se for o caso, encaminhá-las para um serviço especializado. A vigilância do desenvolvimento da criança pode ser feita pelo profissional da atenção básica, com a utilização de alguns brinquedos e objetos que desencadeiam respostas reflexas. Certifique-se que o ambiente para a avaliação seja o mais tranqüilo possível e que a criança esteja em boas condições emocionais e de saúde para iniciar o exame. Se por algum motivo não for possível avaliar o desenvolvimento da criança naquela consulta ou se ficar em dúvida quanto a algum item da avaliação, marque um retorno o mais breve possível para proceder a avaliação com mais segurança. Após investigar os fatores de risco e de escutar a opinião dos pais/ cuidadores sobre o desenvolvimento da criança, examine-a. Repare na forma da cabeça, meça o perímetro cefálico e registre o seu valor no Gráfico de Perímetro Cefálico. Verifique também se existem alterações fenotípicas. Instruções para uso do Instrumento de Vigilância do Desenvolvimento de Crianças Localize na linha superior do Instrumento a idade da criança em meses. Identifique na coluna correspondente as habilidades que devem ser testadas para a idade, que estão destacadas em amarelo. Verifique também se as habilidades esperadas para idades anteriores já foram atingidas. 42
  45. 45. Caderneta de Saúde da Criança PRINCIPAIS FATORES DE RISCO E ALTERAÇÕES FÍSICAS ASSOCIADOS A PROBLEMAS Do DESENVOLVIMENTO FATORES DE RISCO •• Ausência ou pré-natal incompleto. •• Problemas na gestação, parto ou nascimento. •• Prematuridade (< de 37 semanas). •• Peso abaixo de 2.500g. •• Icterícia grave. •• Hospitalização no período neonatal. •• Doenças graves como meningite, traumatismo craniano e convulsões. •• Parentesco entre os pais. •• Casos de deficiência ou doença mental na família. •• Fatores de risco ambientais, como violência doméstica, depressão materna, drogas ou alcoolismo entre os moradores da casa, suspeita de abuso sexual, etc. ALTERAÇÕES FÍSICAS • Perímetro cefálico < -2 escores z ou > +2 escores z. • Presença de alterações fenotípicas. •• Fenda palpebral oblíqua. •• Olhos afastados. •• Implantação baixa de orelhas. •• Lábio leporino. •• Fenda palatina. •• Pescoço curto e/ou largo. •• Prega palmar única. •• dedo da mão curto e recurvado. 5º Atenção! Sempre pergunte aos pais/cuidadores o que eles acham do desenvolvimento da criança.Valorize essa informação. 43
  46. 46. Caderneta de Saúde da Criança Instrumento de Vigilância do Desenvolvimento Registre na escala: P = marco presente A=marco ausente NV=marco não verificado Marcos do desenvolvimento Como pesquisar Postura: barriga para cima, pernas e braços fletidos, Deite a criança em superfície plana, de costas; observe se seus braços e pernas ficam flexionados e sua cabeça lateralizada. cabeça lateralizada Observa um rosto Posicione seu rosto a aproximadamente 30cm acima do rosto da criança e observe se ela olha para você, de forma evidente. Reage ao som Bata palma ou balance um chocalho a cerca de 30 cm de cada orelha da criança e observe se ela reage com movimentos nos olhos ou mudança da expressão facial. Eleva a cabeça Posicione a criança de bruço e observe se ela levanta a cabeça, levantando (afastando) o queixo da superfície, sem virar-se para um dos lados. Sorriso social quando estimulada Sorria e converse com a criança; não lhe faça cócegas ou toque sua face. Observe se ela responde com um sorriso. Abre as mãos Observe se em alguns momentos a criança abre as mãos espontaneamente. Emite sons Observe se a criança emite algum som que não seja choro. Caso não seja observado, pergunte ao acompanhante se ela faz em casa. Movimenta ativamente os Observe se a criança movimenta ativamente os membros superiores e inferiores. membros Resposta ativa ao contato Fique à frente do bebê e converse com ele. Observe se ele responde com sorriso e emissão de social sons como se estivesse “conversando” com você. Pode pedir que a mãe/cuidador o faça. Segura objetos Emite sons De bruço levanta a cabeça, apoiando-se nos antebraços Ofereça um objeto tocando no dorso da mão ou dedos da criança. Esta deverá abrir as mãos e segurar o objeto pelo menos por alguns segundos. Fique à frente da criança e converse com ela. Observe se ela emite sons (gugu, eeee, etc.). Coloque a criança de bruço, numa superfície firme. Chame sua atenção à frente com objetos ou seu rosto e observe se ela levanta a cabeça apoiando-se nos antebraços. Busca ativa de objetos Coloque um objeto ao alcance da criança (sobre a mesa ou na palma de sua mão) chamando sua atenção para o mesmo. Observe se ela tenta alcançá-lo. Leva objetos à boca Coloque um objeto na mão da criança e observe se ela leva-o à boca. Localiza o som Faça um barulho suave (sino, chocalho, etc.) próximo à orelha da criança e observe se ela vira a cabeça em direção ao objeto que produziu o som. Repita no lado oposto. Muda de posição ativamente (rola) Coloque a criança em superfície plana de barriga para cima. Incentive-a a virar para a posição de bruço. Coloque-se à frente da criança e brinque de aparecer e desaparecer, atrás de um pano ou de Brinca de esconde–achou outra pessoa. Observe se a criança faz movimentos para procurá-lo quando desaparece, como tentar puxar o pano ou olhar atrás da outra pessoa. Transfere objetos de uma Ofereça um objeto para a criança segurar. Observe se ela transfere-o de uma mão para outra. mão para outra Se não fizer, ofereça outro objeto e observe se ela transfere o primeiro para outra mão. Duplica sílabas Observe se a criança fala “papa”, “dada”,”mama”. Se não o fizer pergunte à mãe/cuidador se ela o faz em casa. Senta-se sem apoio Coloque a criança numa superfície firme, ofereça-lhe um objeto para ela segurar e observe se ela fica sentada sem o apoio das mãos para equilibrar-se. Imita gestos Faça algum gesto conhecido pela criança como bater palmas ou dar tchau e observe se ela o imita. Caso ela não o faça, peça à mãe/cuidador para estimulá-la. Faz pinça Coloque próximo à criança uma jujuba ou uma bolinha de papel. Chame atenção da criança para que ela a pegue. Observe se ao pegá-la ela usa o movimento de pinça, com qualquer parte do polegar associado ao indicador. Produz “jargão” Observe se a criança produz uma conversação incompreensível consigo mesma, com você ou com a mãe/cuidador (jargão). Caso não seja possível observar, pergunte se ela o faz em casa. Anda com apoio Observe se a criança consegue dar alguns passos com apoio. * Créditos: Adaptação da tabela contida no Manual de Crescimento do Ministério da Saúde/2002 por Amira Figueiras, Ricardo Nota: as áreas amarelas indicam as faixas de idade em que é esperado que a criança desenvolva as habilidades testadas. 44
  47. 47. Caderneta de Saúde da Criança de Crianças de 0 a 12 Meses Idade (meses) 1 2 3 4 5 6 7 Halpern e Rosânia Araújo. 45 8 9 10 11 12
  48. 48. Caderneta de Saúde da Criança Instrumento de Vigilância do Desenvolvimento Registre na escala: P = marco presente A=marco ausente NV=marco não verificado Marcos do desenvolvimento Como pesquisar Mostra o que quer A criança indica o que quer sem que seja pelo choro, podendo ser com palavras ou sons, apontando ou estendendo a mão para alcançar. Considere a informação do acompanhante. Coloca blocos na caneca Coloque 3 blocos e a caneca sobre a mesa, em frente à criança. Estimule-a a colocar os blocos dentro da caneca, mediante demonstração e fala. Observe se a criança consegue colocar pelo menos um bloco dentro da caneca e soltá-lo. Fala uma palavra Observe se durante o atendimento a criança diz pelo menos uma palavra que não seja nome de membros da família ou de animais de estimação. Considere a informação do acompanhante. Anda sem apoio Observe se a criança já anda bem, com bom equilíbrio, sem se apoiar. Usa colher ou garfo A criança usa colher ou garfo, derramando pouco fora da boca. Considere a informação do acompanhante. Constrói torre de 2 cubos Observe se a criança consegue colocar um cubo sobre o outro sem que ele caia ao retirar sua mão. Fala 3 palavras Observe se durante o atendimento a criança diz pelo menos três palavra que não seja nome de membros da família ou de animais de estimação. Considere a informação do acompanhante. Anda para trás Peça à criança para abrir uma porta ou gaveta e observe se dá dois passos para trás sem cair. Tira roupa Constrói torre de 3 cubos Aponta 2 figuras Chuta bola Observe se a criança é capaz de remover alguma peça do vestuário, tais como: sapatos que exijam esforço para sua remoção, casacos, calças ou camisetas. Considere informação do acompanhante. Observe se a criança consegue empilhar 3 cubos sem que eles caiam ao retirar sua mão. Observe se a criança é capaz de apontar 2 de um grupo de 5 figuras. Observe se a criança chuta a bola sem apoiar-se em objetos. Veste-se com supervisão Pergunte aos cuidadores se a criança é capaz de vestir alguma peça do vestuário tais como: cueca, meias, sapatos, casaco, etc. Constrói torres de 6 cubos Observe se a criança consegue empilhar 6 cubos sem que eles caiam ao retirar sua mão. Fala frases com 2 palavras Observe se a criança combina pelo menos 2 palavras formando uma frase com significado, que indique uma ação. Considere a informação do acompanhante. Pula com ambos os pés Observe se a criança pula com os dois pés, atingindo o chão ao mesmo tempo, mas não necessariamente no mesmo lugar. Brinca com outras crianças Pergunte ao acompanhante se a criança participa de brincadeiras com outras crianças de sua idade. Imita linha vertical Observe, após demonstração, se a criança faz uma linha ou mais (no papel), de pelo menos 5 cm de comprimento. Reconhece 2 ações Observe se a criança aponta a figura de acordo com a ação, por exemplo: “quem mia?” “quem late?”, “ quem fala?”, “quem galopa?”. Arremessa bola Observe se a criança arremessa a bola acima do braço. *Créditos: Adaptação da tabela contida no Manual de Crescimento do Ministério da Saúde/ 2002 por Amira Figueiras, Nota: as áreas amarelas indicam as faixas de idade em que é esperado que a criança desenvolva as habilidades testadas. 46
  49. 49. Caderneta de Saúde da Criança de Crianças de 12 meses a 3 anos Ricardo Halpner e Rosânia Araújo. 47 36 35 34 33 32 31 30 29 28 27 26 25 24 23 22 21 20 19 18 17 16 15 14 13 12 idade (meses)
  50. 50. Caderneta de Saúde da Criança Avaliação do desenvolvimento: orientação para tomada de decisão Observe os marcos de desenvolvimento de acordo com a faixa etária da criança. Impressão diagnóstica Conduta PROVÁVEL ATRASO NO DESENVOLVIMENTO •• Referir para avaliação neuropsicomotora •• Ausência de um ou mais marcos para a sua faixa etária ALERTA PARA O DESENVOLVIMENTO •• Orientar a mãe/ cuidador sobre a estimulação da criança •• Marcar retorno em 30 dias •• Todos os marcos para a sua faixa etária estão presentes, mas existem um ou mais fatores de risco DESENVOLVIMENTO ADEQUADO COM FATORES DE RISCO •• Informar a mãe/ cuidador sobre os sinais de alerta* Dados da avaliação •• Perímetro cefálico < -2 escores z ou > +2 escores z ou presença de 3 ou mais alterações fenotípicas ou ausência de dois ou mais marcos para a faixa etária anterior •• Elogiar a mãe/ cuidador •• Todos os marcos para a sua faixa etária estão presentes DESENVOLVIMENTO ADEQUADO •• Orientar a mãe/ cuidador para que continue estimulando a criança •• Retornar para acompanhamento conforme a rotina do serviço de saúde •• Informar a mãe/ cuidador sobre os sinais de alerta* * Na presença de sinais de alerta, a criança deve ser reavaliada em até 30 dias. 48
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×