• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
XXI Cic Unesp
 

XXI Cic Unesp

on

  • 2,222 views

Apresentação feita no XXI Cic da Unesp da pesquisa "Catalogação de imagens digitais: busca por um sistema eficiente"

Apresentação feita no XXI Cic da Unesp da pesquisa "Catalogação de imagens digitais: busca por um sistema eficiente"

Statistics

Views

Total Views
2,222
Views on SlideShare
2,222
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
14
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    XXI Cic Unesp XXI Cic Unesp Document Transcript

    • Introdução Imagens capturadas por dispositivos, chegaram a quase 100 bilhões no ano passado; Necessidade crescente de uso dessas imagens e das informações nela contidas; Problema de seu uso e reuso; Ausência de um sistema de descrição especializado, padronizado e universal; Formas de descrição de imagens permitiriam ao usuário identificar rapidamente o que deseja. 2
    • Fundamentação teórica “A catalogação através de uma estrutura sucinta e padronizada dos dados e informações sobre um item informacional ou documentário tem como objetivo tornar o documento ou texto, único” (MEY, 1995, grifo nosso). Em relação a um recurso imagético, verificamos que a sua unicidade na representação se dará pelos elementos que descrevem sua forma, não somente pelo seu conteúdo. 3 Objetivos • Identificar uma forma de representação de imagens digitais que descreva tanto as informações técnicas (forma) quanto às informações relacionadas ao conteúdo semântico da imagem. • Analisar as características de forma e de conteúdo, de texto e de imagem e; • Mapear nos esquemas, nas estruturas e nos modelos de catalogação um padrão para a descrição de imagens que facilite os processos de busca e recuperação de informações. 4
    • Metodologia A busca pelo sistema mais eficiente em recuperação das imagens digitais é constituída por duas fases: catalogação de imagens digitais; mapeamento dos códigos e formato. Para a catalogação de imagens digitais serão escolhidas imagens digitais pelo site Flickr, quantas forem necessárias. E o mapeamento dará maior visibilidade dos elementos de cada código e formato, assim identificando suas equivalências e posteriormente será realizada uma análise dos códigos através da divisão das áreas. 5 Resultados e discussões A principal tarefa do catalogador é de analisar sistematicamente e descrever os elementos de uma imagem para a utilização dos consumidores finais; os catalogadores devem tornar possível ao usuário ter o acesso final ao que procura; A construção de formas de representação de recursos nas bibliotecas encontramos os códigos de catalogação e os formatos de intercâmbio; neles os catalogadores encontram as orientações nas regras necessárias para descrever um determinado recurso informacional e para a construção de múltiplas formas de acesso ao documento. 6
    • Resultados e discussões Código de Catalogação Anglo-Americano – 2ª Revisão (AACR2) A descrição da imagem digital através do AACR2, perde todas suas características como imagem. “A catalogação compreende três partes: descrição bibliográfica, pontos de acesso e dados de localização” (MEY, 1995). Nas construções realizadas temos o mesmo recurso catalogado de formas distintas, o que certamente, dificultará a recuperação do recurso e prejudicará o próprio usuário na localização dos itens que poderiam atender suas necessidades informacionais; ou seja, se uma descrição bibliográfica não estiver padronizada, não haverá pontos de acesso eficientes para a localização do recurso. 7 Resultados e discussões Descrição Bibliográfica Internacional Normalizada (ISBD) É bem mais simplificada que o AACR2. Não há elementos descritivos comuns. Há notas, mas sempre fica a escolha do catalogador o que descrever. As imagens possuem uma gama de formas e quanto mais possuírem um nível de detalhamento, mais chances podem ter na recuperação. Esta recuperação deverá se realizada pelo auxílio de esquemas e formatos de catalogação. Um esquema de catalogação é um modelo com uma padronização pré-estabelecida para a descrição de alguma forma de material. 8
    • Resultados e discussões Descrição de Recursos e Acesso (RDA) Não há algum capítulo específico para materiais iconográficos. Esta ausência é justificada pela estrutura do RDA, a qual relaciona os elementos da descrição com as entidades do FRBR e as tarefas do usuário. No que diz respeito a materiais iconográficos, o RDA apresenta algumas poucas instruções e pouco específicas. Estão sendo especificadas nos fragmentos: 3.4.4 Extensão de imagens estáticas, 3.5.3 Dimensões de imagens estáticas, 6.10.1.3 Registro do tipo de conteúdo, 7.15.1.3 Registro do conteúdo ilustrativo e 7.17.2 Coloração de imagens estáticas. Importante considerar que este código internacional está em processo de construção que antes de ser concluído em 2009, passará por revisões. As bibliotecas poderão aplicá-lo somente após sua publicação oficial (CORRÊA; SANTOS, 2009). 9 Resultados e discussões Catalogação legível por computador (MARC 21) A catalogação das imagens com o AACR2 e ISBD, foram traduzidas para o MARC 21. O que se pode depreender é que a padronização nas formas de representação e o detalhamento das características de cada recurso é uma necessidade para os propósitos de busca e recuperação; o que permite a localização um item específico. Nesta descrição, é importante que o catalogador destaque a escolha de uma entre as várias manifestações, preencha a maioria dos campos possível; porém esta descrição carrega todas as dificuldades trazidas pelos códigos já descritos. 10
    • Conclusões O processo de catalogação, além da necessidade de revisão deve se preocupar com a descrição e com a recuperação da informação imagética. As técnicas de recuperação da informação, baseadas na forma visual da imagem, utilizam algoritmos que testam a imagem inteira ou parte dela, para identificar imagens semelhantes e normalmente, utilizam atributos referentes ao conteúdo visual da imagem e desconsideram os atributos textuais referentes à descrição ou à interpretação da imagem. Um sistema de recuperação baseado na imagem envolve a extração de todas as características da imagem. 11 Referências CÓDIGO de Catalogação Anglo-Americano. 2.ed., ver. 2002. São Paulo: FEBAB / Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. CORRÊA, R. M. R.; SANTOS, P. V. L. A. Catalogação trajetória para um novo código Catalogação: internacional. Niterói-RJ: Intertexto, 2009. 80p. FERRARI, V.; et.al. Depth-from-recognition inferring meta-data by cognitive feedback feedback. Leuven (Bélgica): Universidade de Leuven; Whashigton: Universidade de Oxford; Zurich (Suíça): Universidade de Zurich. 2006. INTERNATIONAL Standard Bibliographic Description Preliminary Consolidated Description: Edition. Rev. ed. London: IFLA, 2007. 320p. JOHANSSON, T.; [et.al.]. SEPIA Deliverable 5.1 descriptive models for photographic 5.1: materials. Estocolmo: SEPIA, 2001. JOINT Steering Committee for Development of RDA. A new organization for RDA RDA. [Dez. 2007]. Disponível em: <http://www.collectionscanada.gc.ca/jsc/rda- neworg>. Acesso em: 17/10/2009. MARC 21: formato condensado para dados bibliográficos. 2. ed. Marília: UNESP, 2002. MEY, Eliane S. A. Introdução à catalogação. Brasília: Briquet de Lemos, 1995. catalogação 12