Aula6 - Os padrões de metadados Família MARC21 e Dublin Core
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Aula6 - Os padrões de metadados Família MARC21 e Dublin Core

on

  • 577 views

UNIDADE 3 - Os metadados

UNIDADE 3 - Os metadados
Semana 6 - Os padrões de metadados: Família MARC21 e Dublin Core

2BIB996 - Metadados e interoperabilidade
Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Statistics

Views

Total Views
577
Views on SlideShare
573
Embed Views
4

Actions

Likes
2
Downloads
23
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideee.com 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Aula6 - Os padrões de metadados Família MARC21 e Dublin Core Aula6 - Os padrões de metadados Família MARC21 e Dublin Core Presentation Transcript

  • Aula 6 UNIDADE 3 - Os metadados Semana 6 - Os padrões de metadados: Família MARC21 e Dublin Core PROFª ANA CAROLINA SIMIONATO anacarolina.simionato@uel.br
  • http://creativecommons.org.br/ SIMIONATO, Ana Carolina. Os padrões de metadados: Família MARC21 e Dublin Core. Material da disciplina 2BIB996 Metadados e interoperabilidade (Graduação em Biblioteconomia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina/PR, 2014. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/karusimionato/>.
  • Atividade da Aula 4 Entrega no dia 20/03 INTRODUÇÃO
  • Organização e tratamento dos recursos informacionais  Peso da atividade: 10 pontos.  Critérios de avaliação:  Normalização seguindo a ABNT: 1,0 pontos  Redação científica: 0,6 pontos  Metodologia de toda a atividade: 1,2 pontos  Levantamento bibliográfico: 1,0 pontos  Desenvolvimento do trabalho: 3,6 pontos  Considerações: 1,5 pontos  Pontualidade na entrega: 0,5 pontos  Foi adequado às orientações iniciais: 0,6 pontos
  • Organização e tratamento dos recursos informacionais  Estrutura do trabalho:  Metodologia;  A organização e representação física do recurso: a catalogação  A organização e representação do conteúdo do recurso: catalogação de assunto (indexação e classificação)
  • http://europeana.eu/portal/record/08501/6AFA880A0FBE04BEA31895CCB0797753D0C103A9.html?start=78&query=who%3ARenoir&qf=TY PE:IMAGE&startPage=1&rows=96 Tanz im Moulin de la Galette Renoir, Auguste Recurso escolhido
  • por karusimionato METADADOS
  • Definições  [...] são atributos que representam uma entidade (objeto do mundo real) em um sistema de informação. [...] são elementos descritivos ou atributos referenciais codificados que representam características próprias ou atribuídas às entidades [...].(ALVES, 2010, p. 47). definição para a Ciência da Informação
  • por karusimionato “atributos que caracterizam um recurso informacional” METADADOS Portanto,
  • por karusimionato Padrões de METADADOS
  • Padrões de Metadados Os padrões de metadados são estruturas de descrição constituídas por um conjunto predeterminado de metadados (atributos codificados ou identificadores de uma entidade) metodologicamente construídos e padronizados. O objetivo do padrão de metadados é descrever uma entidade gerando uma representação unívoca e padronizada que possa ser utilizada para recuperação da mesma. (ALVES, 2010, p. 47).
  • Dublin Core TEÓRICO / PRÁTICO
  • Dublin Core - definição  O DC é um conjunto padrão de elementos de metadados para descrição de recursos eletrônicos.  Surgiu após alguns workshops destinados a discutir as questões relativas à descrição dos recursos da Web, em especial à necessidade de se criar uma nomenclatura padrão de metadados, visando a interoperabilidade dos dados e a recuperação da informação.  DCMI (Dublin Core Metadata Initiative) responsável pela manutenção e desenvolvimento que tem como principal objetivo criar mecanismos que facilitem a recuperação de recursos na Internet, utilizando de padrões de metadados. (DCMI, 2009)
  • Dublin Core  Origem do nome atribuído  Dublin advém de “Dublin, Ohio” que foi o local onde se iniciaram os workshops e “Core” advém do fato de os elementos que compõem este padrão serem o núcleo de elementos essenciais para a descrição de uma grande variedade de recursos eletrônicos. (DCMI, 2009)
  • Origens DCMI  1994 - II Conferência da World Wide Web realizada em Chicago.  Neste evento, Yuri Rubinsky da SoftQuad; Stuart Weibel, Eric Miller e Terry Noreault do OnLine Computer Library Centre (OCLC); e Joseph Hardin da National Center for Supercomputing Applications (NCSA), preocupados com as questões relativas às dificuldades de localizar informações na Web, idealizaram um workshop que se realizaria em Dublin, Ohio, em 1995.  Denominado “OCLC/NCSA Metadata Workshop” teve como principal objetivo definir um conjunto mínimo de elementos para descrição dos recursos da Web. (DCMI, 2009)
  • Dublin Core - composição  DC é composto por todos os termos mantidos pelo DCMI, o DCMI Metadata Terms (DCMI Terms):  DCMES (ou simple DC)  Propriedades, subpropriedades, classes  Esquemas de codificação  Vocabulary Encoding Scheme (VES) e  Syntax Encoding Scheme (SES)). (DCMI, 2009)
  • DCMES  Vocabulário de 15 propriedades básicas, também denominado Simple DC SOUZA; CATARINO; SANTOS, 1997
  • Elements e Qualifiers  Element  Uma unidade de dados ou metadados que pode conter subelementos que são chamados de Qualifiers (qualificadores) no Dublin Core.  Qualifier  No caso do Dublin Core o qualifier refina o significado de um elemento.  Podem ser de dois tipos:  Element Refinement: tornam o significado do elemento mais geral ou mais específico.  Encoding Schema: Um esquema que ajuda na interpretação do valor de um elemento. Por exemplo vocabulários controlados, sistema de classificação ou cabeçalhos de assunto.  Vocabulary Encoding Schemes  Syntax Encoding Schemes (DCMI, 2009)
  • Propriedade / subpropriedade  Propriedade é uma característica ou atributo usado para a descrição do recurso.  As subpropriedades permitem uma descrição mais específica.  Exemplo:  para a propriedade Date existem outras propriedades relacionadas como subpropriedade que permitem um refinamento maior especificando se é uma data de criação, validade, modificação, etc. (DCMI, 2009)
  • Property  Uma propriedade é um aspecto, característica, atributo ou relacionamento, específicos, utilizados para descrever um recurso.  No Dublin Core os elementos de metadados são propriedades.  Ver: http://dublincore.org/documents/2012/06/14/dcmi-terms/ (DCMI, 2009)
  • Classes  Classe é definida como um grupo que contém membros que têm atributos, comportamentos, relacionamentos ou semântica em comum; um tipo de categoria.  O DCMI Terms contém 22 termos que representam classes.  Ver: http://dublincore.org/documents/2012/06/14/dcmi-terms/ (DCMI, 2009)
  • Esquemas de Codificação  Os Esquemas de Codificação indicam esquemas já existentes que podem auxiliar na descrição de um dado elemento:  Vocabulários Controlados - Vocabulary Encoding Schemes (VES)  Regras de Formatação das notações - Syntax Encoding Schemes (SES). (DCMI, 2009)
  • VES  Como exemplo dos VES para a propriedade Subject há a indicação de esquemas que podem ser utilizados como vocabulários controlados,  como por exemplo:  o sistema de classificação Dewey Decimal Classification (DDC);  Lista de cabeçalhos de assunto da Biblioteca do Congresso Norte- Americano, Library of Congress Classification (LCC) (DCMI, 2009)
  • SES  Os SES são regras que indicam como formatar o valor a ser relacionado com uma propriedade ou subpropriedade.  Exemplo:  W3C Date and Time Formats Specification (W3CDTF) que indica como valores que representam datas ou período de tempo devem ser formatados (DCMI, 2009)
  • DCMI, objetivos  Simplicidade de criação e manutenção: o DC é mantido tão simples quanto possível para permitir que não especialistas possam descrever facilmente os recursos eletrônicos.  Semântica comum e universal (Commonly undesrtood semantics): a recuperação da informação na Internet é dificultada pelas diferenças de terminologia e de formas de descrição.  O DC pode auxiliar um pesquisador não especialista a achar seu modo de manter um conjunto comum de elementos, a semântica entendida universalmente.  Um exemplo pode ser o elemento Creator que tanto pode representar autor de um documento, como o artista criador de uma obra de arte. (DCMI, 2009)
  • DCMI, objetivos  Extensibilidade: para balancear a necessidade de simplicidade na descrição dos recursos com a necessidade de recuperação precisa da informação,  os desenvolvedores do DC têm considerado a importância de fornecer um mecanismo para estender o conjunto de elementos DC para necessidades adicionais que surjam.  Por meio de Perfis de aplicação. (DCMI, 2009)
  • Perfil de Aplicação  Exemplo: DCMI Libraries Application Profile (DCMI, 2009)
  • Exercício: templates  Versão simples e a versão qualificada do template “dublincoregenerator.com - a better Dublin Core generator” desenvolvido por Nick Steffel (2010).  Template: http://www.dublincoregenerator.com/index.html - Utilizar o Simple Generator “dublincoregenerator.com - a better Dublin Core generator” Desenvolvido por Nick Steffel (2010). (ARAKAKI; SANTOS, 2013)
  • (ARAKAKI; SANTOS, 2013)15 elementos – template simples
  • (ARAKAKI; SANTOS, 2013)
  • (ARAKAKI; SANTOS, 2013)
  • Família MARC21
  • Alguns direitos reservados por Glyn Lowe Photoworks, 2 Million Views, Thanks Por que continuar com as fichas?
  • Década de 1960 (Início)  1964  Financiamento de um estudo sobre os possíveis métodos para a conversão de fichas catalográficas da Library of Congress para uma forma legível por máquina com o objetivo de utilizar computadores na impressão de bibliografias. (AVRAM, 1968, p. 3)
  • 1966  Em fevereiro foi o início oficial do MARC (MAchine-Readable Cataloging) Pilot Project  Em novembro do mesmo ano teve início o serviço semanal de distribuição de registros.  Em junho 1968 havia distribuído aproximadamente 50 mil registros em fitas magnéticas. (AVRAM, 1968, p. 4-7)
  • Sistemas Derivados do MARC II  MONOCLE: França  MARC/BR: Bélgica  IBERMAC: Espanha  MARC/México: México  NISSAT: Índia  MARCIS: Israel  ANNA MARC: Itália  JAPAN MARC: Japão  SWEMARC: Suécia  NORMARC : Noruega  UKMARC: Reino Unido  USMARC: Estados Unidos  CANMARC: Canadá  CALCO: Brasil  INTERMAC: França, Bélgica, Holanda, Suíça e Grã-Bretanha  .... (EITO BRUN, 2008; MORENO, BRASCHER, 2007)
  • “Realizar o registro uma única vez”  Vários padrões...  Catalogação cooperativa...
  • MARC 21  Década de 1980: MARC II - USMARC  Em 1994, pela dificuldade no intercâmbio de informações, iniciou a harmonização, entre o formato USMARC (Estados Unidos) e o CANMARC (Canadá)  Inicia-se o MARC 21. (EITO BRUN, 2008; MORENO, BRASCHER, 2007)
  • Formato MARC Registro Legível por Máquina  Formato de intercâmbio de dados bibliográficos em forma legível por máquina desenvolvido pela LC.  Formato de intercâmbio: formato gerado por programa, a partir do formato de armazenamento interno, com o fim de possibilitar a incorporação e interpretação de dados bibliográficos por sistemas e computadores diferentes.  Registro legível por máquina: significa que um tipo particular de máquina, um computador, pode ler e interpretar os dados contidos em um registro catalográfico.  Tem a função de promover a comunicação da informação, evitando a duplicação de esforços em consequência do aumento de permuta de registros. É um formato padrão de armazenagem e troca de registros bibliográficos e informação.
  • Registro linear  Protocolo Z39:50 e ISO 2709  Exemplo: The Chronicles of Narnia  01643pam a2200349 a 4500001000800000005001700008008004100025906004500066925004400111955008000155010001700235020003900252020002700291035002100318040001800339042000900357050002400366082001400 3901000047004042450089004512500026005402600038005663000033006044900038006375200221006756500013008967000027009098000102009368560085010388560104011239910066012272049766200 90528071814.0930601r19941950nyuab j 000 1 eng a7bcbccorignewd1eocipf19gy-gencatlg0 aacquireb2 shelf copiesxpolicy default apc05 to la00 06-01-93; lb08 06-03-93; lb05 06-04- 93, cip ver. lb02 08-01-94 a 93008889 a0060234814 :c$15.00 ($20.00 Can.) a0060234822 (lib. bdg.) 9(DLC) 93008889 aDLCcDLCdDLC alcac00aPZ7.L58474bLi 199400a[Fic]2201 aLewis, C. S.q(Clive Staples),d1898-1963.14aThe lion, the witch, and the wardrobe /cC.S. Lewis ; illustrated by Pauline Baynes. a1st HarperCollins ed. aNew York :bHarperCollins,c1994. a189 p. :bill. map ;c24 cm.1 aThe Chronicles of Narnia ;vbk. 2 aFour English schoolchildren find their way through the back of a wardrobe into the magic land of Narnia and assist Aslan, the golden lion, to triumph over the White Witch, who has cursed the land with eternal winter. 1aFantasy.1 aBaynes, Pauline,eill.1 aLewis, C. S.q(Clive Staples),d1898-1963.tChronicles of Narnia (HarperCollins (Firm)) ;vbk. 2.423Publisher descriptionuhttp://www.loc.gov/catdir/description/hc041/93008889.html423Contributor biographical informationuhttp://www.loc.gov/catdir/enhancements/fy0910/93008889-b.html bc-GenCollhPZ7.L58474iLi 1994p00019095897tCopy 1v2wBOOKS  Catálogo LC: http://www.loc.gov/search/?q=Chronicles+of+Narnia atividade
  • Estrutura do MARC 21
  • Estrutura de representação em MARC 21 (ALVES; SANTOS, 2011)
  • Diretório: Campos de controle variável Diretório: Campos de dados variáveis (ALVES; SANTOS, 2011)
  • Diretório: Campos de controle variável Diretório: Campos de dados variáveis CAMPOS (ALVES; SANTOS, 2011)
  • Diretório: Campos de controle variável Diretório: Campos de dados variáveis ETIQUETAS (ALVES; SANTOS, 2011)
  • Diretório: Campos de controle variável Diretório: Campos de dados variáveis LÍDER (ALVES; SANTOS, 2011)
  • Diretório: Campos de controle variável Diretório: Campos de dados variáveis INDICADORES Campo 245 Indicador 1 = 1: entrada secundária de título Indicador 2 = 0: número de caracteres a desprezar na busca/alfabetação
  • Diretório: Campos de controle variável Diretório: Campos de dados variáveis SUBCAMPOS (ALVES; SANTOS, 2011)
  • Diretório: Campos de controle variável Diretório: Campos de dados variáveis CÓDIGO DE SUBCAMPO (ALVES; SANTOS, 2011)
  • Formatos MARC 21
  • Formatos MARC 21  Dados Bibliográficos  Dados de autoridade (pontos de acesso)  Dados de itens  Dados de classificação  Informação comunitária http://www.loc.gov/marc/
  • MARC 21 para Dados Bibliográficos  Desenvolvido para armazenar informações bibliográficas sobre:  Livros – materiais textuais que são monografias por natureza  Recursos Contínuos – Itens textuais com publicação corrente  Arquivos de Computador – Usados para informações codificadas que só podem ser processadas por máquinas  Mapas – Todos os tipos de materiais cartográficos, incluindo folhas de mapas e globos impressos
  • MARC 21 para Dados Bibliográficos  Desenvolvido para armazenar informações bibliográficas sobre:  Músicas – Impressas, eletrônicas, microforma, etc.  Registros Sonoros – Registros Sonoros não musicais e musicais.  Materiais Visuais – mídia projetada, gráficos bidimensionais, artefatos tridimensionais.  Materiais Mistos – Principalmente de arquivos e coleção de manuscritos de várias formas de material pode ser monografia ou publicações seriadas por natureza.
  • MARC 21 para Dados Bibliográficos  Se diferencia dos outros formatos pelo código no líder 06, cada tipo de registro no MARC21 bibliográfico tem uma identificação especifica.  Estes tipos de materiais geralmente incluem essas informações:  Títulos  Nomes  Assuntos  Notas  Dados de publicação  Informação sobre a descrição física do item
  • MARC 21 para Dados Bibliográficos Estrutura  O formato MARC 21 para dados bibliográficos tem a mesma estrutura de todos os outros formatos concisos, ou seja, consiste em três componentes: O líder, diretório e campos variáveis.  Porém as etiquetas que compõem os campos variáveis se diferem em cada formato.
  • Etiquetas  0XX- informação de controle, números, códigos.  1XX- Entradas Principais.  2XX- Títulos, edição, imprenta.  3XX- Descrição Física.  4XX- Série.  5XX- Notas.  6XX- Campos de assuntos.  7XX- Entradas secundárias.  8XX- Entradas secundárias de série. 9XX- Livres para usos locais: reservados para usos definidos em forma local, tabelas como os números de códigos de barras. As bibliotecas, os distribuidores ou os sistemas locais podem defini-los e usá-los para incluir diversos tipos de informações nos registros. Os grupos X9Xs (09X, 59X, etc) se reservam também para uso local, com exceção do 490.
  • MARC 21 para Dados de Autoridade  O MARC21 para dados de autoridade foi desenvolvido para disponibilizar formas autorizadas de nomes e assuntos para serem usadas nos registros bibliográficos e fornecer pontos de acesso nos catálogos, através da padronização dos nomes.  A padronização permite o controle de autoridade, isto é, o estabelecimento de uma única forma para um determinado nome, ou seja, este nome será utilizado sempre que necessário definir um ponto de acesso a ele, sua formulação é baseada na catalogação e nos tesauros, o MARC para autoridade apenas carrega estes títulos para uso do sistema de bibliotecas.
  • MARC 21 para Dados de Autoridade Se diferencia dos outros formatos pelo código “z”, no líder 06. Um registro de autoridade inclui três componentes básicos:  Títulos,  Referências Transversais e  Notas.
  • MARC 21 para Dados de Autoridade Se diferencia dos outros formatos pelo código “z”, no líder 06. Um registro de autoridade inclui três componentes básicos:  Títulos,  Referências Transversais e  Notas.  Padronização da forma autorizada para nome, assunto ou título, usada nos pontos de acesso dos registros bibliográficos.  Sua finalidade é descrever os registros para recuperação.
  • MARC 21 para Dados de Autoridade  Estrutura:  O formato MARC21 para dados de autoridades como já exposto anteriormente tem a mesma estrutura de todos os outros formatos concisos, ou seja, consiste em três componentes: O Líder, o Diretório e os Campos Variáveis.  Porém as etiquetas que compõem os campos variáveis se diferem em cada formato.
  • MARC 21 para Dados de Autoridade  Etiquetas:  0XX Informação de controle, números, códigos  1XX Títulos (autoridades e referências)  2XX Complexo veja referências  3XX Complexo veja referências  4XX Veja  5XX Veja também  6XX Notas  7XX Entradas secundárias  8XX Gráficos Alternativos  9XX Livres para usos locais
  • MARC 21 para Dados de Autoridade  Paralelos aos designadores de conteúdo há etiquetas, como: 1XX, 4XX e 7XX que podem ajudar a identificar o conteúdo nos campos de autoridade:  X00 Nomes Pessoais  X10 Nomes Corporativos  X11 Nomes de Eventos  X30 Títulos Uniformes  X48 Termos Cronológicos  X50 Termos Tópicos  X51 Nomes Geográficos  X55 Termos de gênero/ forma.
  • MARC 21 para Dados de Autoridade  O MARC21 fornece meios padronizados para representação e comunicação de informação autorizada em forma legível por máquina.  Sem o MARC as bibliotecas não seriam capazes de compartilhar seus dados de autoridades com rapidez uma vez que os sistemas não conseguiriam “conversar” um com o outro.  O MARC impede uma torre de babel virtual fornecendo especificações técnicas que permitem aos distribuidores de dados de autoridades a comunicação com outros.
  • MARC 21 para dados de Classificação  Desenvolvido para armazenar informações de números de classificação formulados com o esquema de códigos de classificação.  Se diferencia dos outros formatos pelo código w no líder 06.  Armazena dados sobre:  Número único  Extensão de número definido  Extensão de número de sumário
  • MARC 21 para dados de Classificação  Etiquetas:  15X – Números de Classificação  2XX- Referências  3XX- Referências Transversais  4XX- Números Inválidos  5XX- Números Válidos  6XX- Notas  7XX- Índice de Termos  8XX- Localização e Substituição dos gráficos
  • MARC 21 para informação comunitária  Foi desenvolvido para armazenar descrição de recursos não bibliográficos necessários à comunidade.  Se diferencia dos outros formatos pelo código q no líder 06.  Armazena dados sobre:  Indivíduo  Organização  Programa ou serviço  Evento  Outros
  • MARC 21 para informação comunitária  Etiquetas:  1XX – Campo de Nomes Primários  2XX – Campos de Títulos e Endereços  3XX – Descrição Física, Horas,etc  4XX – Indicação de Série  5XX – Notas  6XX – Assuntos  7XX – Entrada secundária  8XX – Gráficos de Localização e Substituição
  • MARC 21 para dados dos itens  Desenvolvido para armazenar informações de coleção.  Se diferencia dos outros formatos pelo código no líder 06.  Item de parte única: item completo em uma parte física única: mapa, livros de um volume, arquivo de computador. (líder/06, código x).  Item de Várias partes: item com número finito de partes físicas separadas: jogos de mapas, enciclopédia de dez volumes. (líder/06, código v).
  • MARC 21 para dados dos itens  Item seriado: item emitido em partes sucessivas em intervalos regulares ou irregulares e destinado para ser continuado indefinidamente: jornal, serviço de atualização seriada à folhas removíveis.  O Marc 21 para dados dos itens é ligado ao Marc 21 para dados Bibliográficos pelo campo 04 do Marc 21 Holding.
  • MARC 21 para dados dos itens  Etiquetas:  0XX: Número e Código  3XX, 5XX, 84X: Notas  852 e 856: Localização e acesso  853-855: Legendas  863-865: Numeração e cronologia  866-868: Dados dos itens  876-878: Informações do item Campos  88X: Outros Campos Variáveis
  • Referências ALVES, R. C. V. Metadados como elementos do processo de catalogação. 2010. 134f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010. Disponível em: <http://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/alves_rachel.pdf>. ALVES, R. C. V.; SANTOS, P. L. V. A. C. Metadados, 2011. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/rachelvesu/aula-metadados-2012?qid=22a03b72-45d1-430b-989a- 6b495bc2753d&v=qf1&b=&from_search=8>. ARAKAKI, F. A.; SANTOS, P. L. V. A. C. Catalogação de recursos bibliográficos digitais no padrão de metadados Dublin Core. 2013. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/fearakaki/catalogao-de- recursos-bibliogrficos-digitais-no-padro-de-metadados-dublin-core>. AVRAM, H. D. Machine-Readable Cataloging (MARC) Program. In: ENCYCLOPEDIA of Library and Information Science. New York: Marcel Dekker, 2003. p. 1712-1730. Disponível em: <http://polaris.gseis.ucla.edu/gleazer/260_readings/Avram.pdf>. AVRAM, H. D. The MARC Pilot Project: final report on a project sponsored by the council on library resources. Washington, D.C.: Library of Congress, 1968. Disponível em: <http://www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/detail?accno=ED029663>. BARBOSA, A.P. Novos rumos da catalogação. Rio de Janeiro: BNG/Brasilart, 1978. 245 p. DCMI. Making Information Work: the Dublin Core Way. Disponível em: <http://dublincore.org/resources/presentations/Dublin_Core_overview_2007.pdf>. EITO BRUN, R. Lenguajes de marcas para la gestión de recursos digitales: aproximación técnica, especificaciones y referencia. Gijón: Trea, 2008. FLAMINO, A . N. MARCXML: um padrão de descrição para recursos informacionais em Open Archives. 2006. 164 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista- UNESP, Marília. 2006. FURRIE, B. Understanding MARC Bibliographic: Machine readable cataloging. 6.ed. McHenry: Follet Software, 2000. Disponível em: <http://www.loc.gov/marc/umb>. MARCS Standards. Disponível em: <http://www.loc.gov/marc/>. SOUZA, T. B.; CATARINO, M. E.; SANTOS, P. C. Metadados: catalogando dados na Internet. Transinformação, Campinas, v. 9, n. 2, maio/ago. 1997. Disponível em: <http://www.puccamp.br/~biblio/tbsouza92.html>. MORENO, F. P.; BRASCHER, M. MARC, MARCXML e FRBR: relações encontradas na literatura. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 17, n. 3, p. 13-25, set./dez. 2007. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/834>.