Minerais e rochas

2,954 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,954
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
902
Actions
Shares
0
Downloads
101
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Minerais e rochas

  1. 1. Minerais e Rochas Professora: Carolina Corrêa
  2. 2. Objetivos Rochas ígneas; Intemperismos; Rochas sedimentares; Rochas metamórficas; Ciclo das rochas.
  3. 3. Minerais: Constituintes Básicos das Rochas
  4. 4. Definição  Substância encontrada na natureza;  O que torna cada mineral único é a sua composição química;  Os átomos que os compõem estão dispostos em um arranjo tridimensional ordenado e repetitivo;  Não são líquidos nem gases;  Materiais inorgânicos. calcita
  5. 5. Conclusão: É um sólido homogêneo, com composição química definida, mas que pode variar dentro de intervalos restritos, formado por processos naturais inorgânicos.
  6. 6. Uma rocha é uma mistura complexa de um ou diversos minerais. Alguns minerais, como o quartzo, a mica ou o talco apresentam uma vasta distribuição geográfica, enquanto outros ocorrem de forma muito restrita. Pondere-se a diferença de abundância entre o quartzo e o diamante, sendo certo que este último é um dos minerais mais raros.
  7. 7. Cada mineral é classificado e denominado não apenas com base na sua composição química, mas também na estrutura cristalina dos materiais que o compõem. Sendo assim, materiais com a mesma composição química podem constituir minerais totalmente distintos em resultado de meras diferenças estruturais na forma como os seus átomos ou moléculas se arranjam espacialmente (como por exemplo a grafite e o diamante).
  8. 8. Fonte: http://grafitecarbono.blogspot.com.br/2011/01/inicio.html
  9. 9. Embora se conheça milhares de minerais, apenas um número reduzido (pouco mais de 30), são os principais constituintes da maioria das rochas crustais.
  10. 10. Rochas De acordo com a sua origem, as rochas são agrupadas em três grandes classes:  Ígneas ou magmáticas;  Metamórficas;  Sedimentares.
  11. 11. Rochas Ígneas 11
  12. 12. Formadas pela cristalização do magma, classificando-se como vulcânica quando ocorre na superfície, e plutônica quando ocorre em subsuperfície.
  13. 13. Rochas Ígneas Intrusivas ou Plutônicas São formadas quando o magma se consolida no interior da crosta terrestre, a vários km de profundidade. Exemplos: granitos, dioritos, gabros e peridotitos.
  14. 14. Granitos
  15. 15. Granito
  16. 16. Diorito
  17. 17. Estátua de Kéfren esculpida em rocha diorito.
  18. 18. Rochas ígnea extrusiva ou Vulcânicas São hipabissais quando solidificadas em níveis mais rasos da crosta e com texturas médias a finas e, vulcânicas quando solidificadas na superfície e com texturas geralmente finas . Exemplos: riolitos, basaltos, etc.
  19. 19. Riolito Basalto
  20. 20. Parque Nacional de Abrolhos e Ilha de Trindade
  21. 21. Moais da Ilha de Páscoa 21
  22. 22. Mauna Loa (1984) Mauna Kea 22
  23. 23. Etna 23
  24. 24. Vulcão Santa Helena
  25. 25. As rochas vulcânicas representam mais de 70% das rochas da superfície da Terra.
  26. 26. Rochas Sedimentares 26
  27. 27. Intemperismo Quando as rochas ígneas são expostas na superfície, sofrem a ação de agentes como a água, as variações de temperatura, mecanismos de oxidação, entre outros.
  28. 28. Intemperismo Estes agentes causam a desintegração e a decomposição das rochas na superfície em um processo chamado de intemperismo ou meteorização. Erosão: Remoção dos materiais pelos agentes de transporte (água, vento, gelo ou gravidade).
  29. 29. Em função dos mecanismos predominantes de atuação, são classificados em: Intemperismo químico; Intemperismo biológico; Intemperismo físico.
  30. 30. Intemperismo Físico É a desagregação física das rochas; Prepara a rocha para a atuação do intemperismo químico; Não há alteração da composição química das rochas.
  31. 31. Intemperismo Físico Os principais fatores desintegração são: Alívio de pressão; Expansão térmica; Crescimento de cristais congelamento da água. desta pelo
  32. 32. Quando a água congela aumenta cerca de 9% do seu volume devido ao rearranjo das moléculas da água em uma estrutura cristalina aberta. Isto ocorre principalmente em áreas de altas latitudes.
  33. 33. 33
  34. 34. Bloco de gnaisse fraturado pela ação do gelo nas fissuras (Antartida) . Foto: M. Hambrey
  35. 35. O intemperismo físico prepara a rocha para a atuação do intemperismo químico faces (Área superficial total) faces cubos (Área superficial total)
  36. 36. Intemperismo Químico Consiste na decomposição das rochas devido ao rompimento do equilíbrio do conjunto de íons que constituem os minerais.
  37. 37. Seu principal agente: A água de infiltração por ser levemente ácida e quimicamente ativa;
  38. 38. Exemplo de reações do intemperismo químico Dissolução Consiste da solubilização completa de alguns minerais como, por exemplo, a calcita e a halita. Essa dissolução intensa é mais comum em terrenos calcários formando cavernas.
  39. 39. Gruta: Lago Azul/Bonto-MS Fonte: http://www.infobibos.com/Artigos/2010_1/Aguas1/index.htm
  40. 40. Poço encantado e gruta da pratinha –Chapada Diamantina BA Fonte: http://oprevisor.blogspot.com.br/2009/08/as-cidades-da-chapada-diamantina.html
  41. 41. Oxidação Consiste na mudança do estado de oxidação de um elemento, através de reação com o oxigênio. O ferro , por exemplo, encontra-se nos minerais primários como biotita, piroxênio, anfibólio e olivina. Quando liberado em solução oxida-se e precipita como um novo composto. Ex.: geothita.
  42. 42. Intemperismo Biológico Consiste na desagregação física e na decomposição química das rochas causada pelos organismos vivos.
  43. 43. Exemplo de Intemperismo biológico que contribui para o intemperismo mecânico através das raízes das plantas. Podemos ver a ação desagregadora das raízes. No Arpoador – RJ.
  44. 44. Outro exemplo de intemperismo biológico apresentando neste caso, orifícios de ouriços do mar. No Arpoador – RJ.
  45. 45. Sedimentos O material resultante da desagregação e decomposição das rochas é chamado de sedimentos. Os sedimentos são transportados pelos agentes erosivos – água, gelo, vento ou ondas – e posteriormente depositados.
  46. 46. O processo de transformação de sedimentos em rocha é chamado de litificação e resulta na formação de rochas sedimentares.
  47. 47. Litificação Quando os sedimentos são compactados, através da sobreposição de camadas de sedimentos, ou cimentados através da percolação de água contendo carbonato de cálcio ou sílica; Esses sedimentos então se convertem em rocha.
  48. 48. Exemplos de rochas Sedimentares
  49. 49. Detríticas
  50. 50. 55
  51. 51. Químicas Originadas pela decomposição de sedimentos por processos químicos. Evaporitos: formados pela evaporação da água marinha. Evaporitos no Vale da Morte, nos Estados Unidos (sal).
  52. 52. Carbonato: formado a partir de restos de esqueletos de animais marinhos e plantas. 57
  53. 53. Rochas Metamórficas 58
  54. 54. Se as rochas sedimentares forem submetidas a grandes temperaturas e pressões, responderão às mudanças das condições ambientais com a recristalização e o rearranjo de seus minerais, criando o terceiro tipo de rocha – as rochas metamórficas.
  55. 55. O metamorfismo é o processo através do qual as rochas ígneas, sedimentares ou mesmo metamórficas sofrem transformação na composição mineralógica, na estrutura e textura, no estado sólido, em resposta às altas temperaturas e pressões.
  56. 56. O calor, a pressão interna e a presença de fluidos são os três principais fatores que controlam o metamorfismo. O papel da temperatura: A temperatura aumenta com a profundidade. Ela varia de acordo com o ambiente tectônico, mas em média situa-se em torno de 30ºC por Km de profundidade.
  57. 57. O papel da pressão: A pressão é resultado de forças verticais, exercidas pelo peso de rochas sobrepostas e de forças horizontais, desenvolvidas quando as rochas são deformadas. O papel dos fluidos: Os fluidos hidrotermais produzidos durante o metamorfismo transportam substâncias químicas que são solúveis em água quente sob pressão. Esses fluidos percolam a rocha e reagem com a mesma, penetrando mudando sua composição mineralógica e substituindo um mineral pelo outro.
  58. 58. As rochas metamórficas geralmente são mais compactas e duras que a rocha original, como ocorre com o calcário e o arenito que, recristalizados, passam a mármore e quartzito.
  59. 59. 64
  60. 60. Mármores  Metamorfismo de calcários.
  61. 61. Qual a importância das rochas?
  62. 62. O CICLO DAS ROCHAS INTEMPERISMO TRANSPORTE DEPOSIÇÃO SOERGUIMENTO E EXPOSIÇÃO SEDIMENTOS ROCHAS ÍGNEAS (EXTRUSIVAS) LITIFICAÇÃO CRISTALIZAÇÃO ROCHAS SEDIMENTARES METAMORFISMO ROCHAS METAMÓRFICAS FUSÃO ROCHAS ÍGNEAS (INTRUSIVAS) CRISTALIZAÇÃO
  63. 63. Referências GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p.  LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo: Nacional, 1980. 
  64. 64.  PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185 p.  TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  65. 65. Sites http://travel.mongabay.com/china/600/chin a_102-6570.JPG http://www.cvarg.azores.gov.pt/NR/rdonlyr es/5CC09568-BD60-48AB-894076233ADDB023/786/PortoFormoso3small. jpg http://www.ecovia.com.br/images/fotos/upl oad/foto%20encosta%20redimencionada( 1).jpg
  66. 66. http://www.cvarg.azores.gov.pt/NR/rdonlyr es/97F312BF-53DE-4F3E-93B3C863E6F59CDB/469/SF98_92.jpg http://www.igc.usp.br/glacial/imagem/galeri a/0183.jpg http://www.lubos.vrbka.net/img/research/io ns.jpg

×