Revista Viver Cassems ed. 11

896 views
778 views

Published on

Veículo corporativo criado para aproximar a instituição dos mais de 150 mil associados, construindo imagem e reputação positivas para o plano de saúde e seus gestores.

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
896
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista Viver Cassems ed. 11

  1. 1. Cassems na lutacontra o câncerHistórias de quem venceu o câncer com ajuda da Cassems 22EntrevistaPresidente da Cassems, Ricardo Ayache, conta sobre suagestão de 2 anos e meio à frente da instituição 46Orgulho CASSEMSConheça a história do bombeiro Rodrigo Bueno,vencedor do Festival da Canção dos ServidoresPúblicos de Mato Grosso do Sul 62Ano 3 • Edição 11Revistatrimestral.Exemplardebeneficiário.Vendaproibida.
  2. 2. 3Leitor“Meu filho foi operado no HospitalBeneficência Portuguesa para selivrar dos incômodos causados pelomal de Parkinson, que lhe afligepor mais de 20 anos. À época,essa operação foi autorizada pelaCassems. Devido a uma infecção nomarca passo, os médicos decidiramrealizar outra cirurgia, que tambémfoi autorizada pela Cassems.Deixamos aqui registrado o nossoagradecimento à Cassems, pelarapidez no atendimento em ambasas vezes nas quais solicitamos osseus préstimos”.José Duarte NetoPai do paciente Eduardode Oliveira DuarteA seção Leitor é um espaçopara o diálogo entre a equipeda revista Viver Cassems,beneficiários e leitores.Para esclarecer dúvidas,fazer elogios ou reclamações,mande e-mail paracomunicacao@cassems.com.brou fale com Ricardo Ayache emricardoayacheresponde@gmail.comEditorialConsequência do trabalho de excelência de todos, do diálogofranco e aberto que estabelecemos com os servidores públicose com as lideranças sindicais, do empreendedorismo desta diretoria,conseguimos construir o maior plano de saúde do Estado e o melhorplano de saúde para servidores públicos do Brasil.Temos, atualmente, 07 hospitais próprios, 18 Centros Odontológi-cos e projetos de prevenção que nos orgulham muito, como o Ônibusda Saúde, que já percorreu 22 cidades de nosso Estado, levando exa-mes de prevenção ao câncer a mais de 5 mil pessoas que não teriamacesso a esses procedimentos e estariam sob o risco de ter um câncer.Há 2 anos e 6 meses, assumi a responsabilidade de suceder o hojedeputado estadual Lauro Davi na presidência da Cassems. Nesse pe-ríodo, adquirimos os Hospitais de Naviraí e Três Lagoas, o prédio dohospital de Nova Andradina, ampliamos os hospitais de Dourados ePonta Porã, além de criar mais seis Centros Odontológicos e o Centro dePrevenção em saúde de Campo Grande. Tudo para melhorar a qualida-de de vida dos nossos beneficiários, mesmo diante de grandes desafiosimpostos aos planos de saúde em nosso país pela Agência Nacional deSaúde (ANS), pelo Poder Judiciário e pelos crescentes custos da assis-tência à saúde.A gestão da Cassems tem, atualmente, a aprovação de mais de80% dos 180 mil beneficiários que fazem parte da luta pela qualidadede vida e que acreditam na saúde plena. E, por ser uma entidade emque os próprios usuários têm decisão sobre as ações tomadas, é deextrema importância a manutenção da assistência à saúde no Estado.Essa manutenção é feita por meio da votação, pois é na eleição que obeneficiário mostra a confiança na Cassems e elege seus representanteslegais que ficarão à frente da instituição.É importante frisar que ser beneficiário não é apenas ter compro-missos financeiros e usufruir de serviços de saúde. Cada usuário tem,também, sua parcela de responsabilidade, sendo que, parte dela, émanter-se informado sobre a vida e as atividades da entidade que eleparticipa. Não se pode apenas cobrar um atendimento de qualidade deum plano de saúde como a Cassems sem ser ativista, prezar pela coleti-vidade e entender sobre as regras estatutárias. A Caixa dos Servidores éa maior prova de que a união faz a força. Dia 1º de março é a eleição etodos os servidores públicos titulares quites com suas obrigações finan-ceiras, e regularmente cadastrados na Caixa dos Servidores, estão aptosa votar, pois é desta maneira que construímos a excelência na saúde euma vida cada vez melhor.Construímos a Cassems com o apoio incondicional de todos osnossos colaboradores, profissionais de saúde e dos servidores públicos,e é com este mesmo apoio que queremos desenhar o nosso futuro.Aqui todos têm voz e voto!Desejo a todos uma ótima leitura desta revista, que é feita exclu-sivamente para os servidores do Estado de Mato Grosso do Sul, commatérias e dicas sobre o nosso plano de saúde. Um abraço.Ricardo AyachePresidente da CASSEMSViver Cassemsé viver melhor
  3. 3. ÍndiceEm MovimentoBrincadeiras que podem queimar calorias e, também, unir afamília. 08Sabores da MesaAprenda a fazer sucos exóticos, misturando frutas, legumese folhas. 12Simples AssimConheça quais ferramentas são indispensáveis para se terem casa. 14Vida SustentávelCompostagem. Saiba como produzir um adubo com assobras dos alimentos. 16Saúde em casaDicas de organização para deixar a casae a vida em dia. 18VIAGEMConheça a Chapada dos Guimarães,famosa por suas belíssimas cachoeirasque atraem milhares de pessoas. 20Sempre na Viver CassemsSaúde CassemsCozinha experimental mostra quealimentação saudável auxilia na qualidadede vida. 28InformativoPróxima eleição da Cassems acontece comchapa única. 30EntrevistaPresidente da Cassems, Ricardo Ayache,conta sobre sua gestão de 2 anos e meio àfrente da instituição. 46EventosRicardo Ayache ministra palestras aosservidores. 50GESTÃO PARTICIPATIVAPor meio de líderes, sindicatos contamsuas histórias junto à Caixa dosServidores. 58Orgulho CassemsConheça a história do bombeiro RodrigoBueno, vencedor do Festival da Cançãodos Servidores Públicos de Mato Grossodo Sul. 62CapaHistórias dequem venceu ocâncer com ajudada Cassems. 22Feng ShuiA técnica que ensinacomo criar ambientesharmoniosos. 10Nesta Edição
  4. 4. 8EmMovimentoDiversãona práticaIdeias de brincadeiras que podemqueimar calorias e também unir afamíliaTexto Cidiana PellegrinReunir a família para praticar atividade física nemsempre pode parecer animador, mas que tal mudar oconvite para “vamos brincar?”. Há diversas atividadesdivertidas, saudáveis e que ajudam a queimar calorias.Pular corda, por exemplo, possibilita a perda de até480 calorias em 30 minutos. Além disso, proporcionabenefícios como condicionamento cardiorrespiratórioe definição dos músculos de áreas do corpo como ascoxas, abdômen e panturrilhas.Pais e filhos ainda podem aproveitar para pularamarelinha. A brincadeira melhora a coordenaçãomotora, dá equilíbrio e desenvolvimento do raciocínio.Também queima 170 calorias em 30 minutos.Exercícios como esses melhoram a qualidade de vida,dão mais disposição e ainda se transformam em motivode união entre os familiares, que acabam interagindo epassando mais tempo juntos. Confira algumas sugestõespara animar as férias da criançada e manter os adultosem movimento.Vôlei de roda – Forme uma ciranda e pegue uma bolapara rebater entre os participantes. A ideia é não deixar abola cair.Cabo de guerra – Crie duas equipes, cada umasegura em uma extremidade da corda. Ganha o time quetiver mais força, fazendo com que o outro cruze a linhaimaginária traçada no chão.Morto-vivo – O narrador diz: "Morto!" e todos seagacham. "Vivo!" e todos ficam de pé. A brincadeira ficamais difícil quando o narrador dá as ordens rapidamente.Andar de Bicicleta – Pedalar é uma boa atividadepara queimar calorias e pode ser feita em grupo, desdeque seja em locais seguros. Parques e praças são algumasopções.Queimada – Demarque um campo e defina duasequipes. A intenção é correr e atingir a bola nos jogadoresadversários.Pega-pega – Um jogador tenta pegar os demais. Quemfor alcançado passa a correr atrás dos participantes.Duro ou mole – Um participante corre atrás dosoutros. Quando tocar um jogador, diz "Duro!" e ele deveficar parado. Para abandonar a pose de estátua, é precisoque outro participante volte a tocá-lo e grite "Mole!".Dança das Cadeiras – Forme um círculo de cadeirasem quantidade menor do que o número de pessoas. Osparticipantes devem andar em volta dos itens e, quandoa música parar, devem se sentar. Quem ficar sem cadeiraé eliminado.
  5. 5. 10Bem-estarTécnica milenar chinesa, o feng shui é aplicadopara criar ambientes que canalizem boas energias, utilizan-do cores e objetos repletos de significados. A prática destemétodo é mais do que realocar itens para aumentar o fluxopositivo, é uma filosofia orientada a gerar equilíbrio na re-lação das pessoas com os espaços (sua casa, seu escritório,seu carro). Quando isso é alcançado, as pessoas tendem ase tornar mais criativas e produtivas.Para começar a aplicar o feng shui, é preciso comporum kit com régua, bússola, espelho baguá e um bom livrocom tudo o que você precisa para dar o seu primeiro passopara a aplicação da técnica. Seja para reposicionar umamesa ou uma cama, ou decidir o local da sua nova casa, okit irá ajudar a criar harmonia com cada ambiente.A BússolaA bússola é composta de vários anéis concêntricos parafacilitar a leitura de várias direções simultaneamente, e étambém uma representação do cosmos. A partir dela, épossível realizar leituras de direções específicas e correla-cionar estas leituras com suas direções pessoais de sorteFeng ShuiA técnica que ensinacomo criar ambientesharmoniososTexto Valquíria Oriqui e Cidiana Pellegrine azar, para entender a melhor perspectiva a adotar naaplicação do feng shui. A bússola tem oito anéis, porém,algumas possuem até quarenta anéis concêntricos que for-mam, também, representações do cosmos.O BaguáO baguá é um símbolo chinês que reúne os oito trigra-mas fundamentais. Ele é utilizado para facilitar a compre-ensão filosófica do processo de mutação natural em todasas coisas (o Tao). O baguá mostra as oito possíveis intera-ções de yin e yang, em três linhas que representam o céu,a humanidade e a Terra.Em sua essência, o baguá é um símbolo simples. Naprática, ele está associado aos elementos, às direções, àscores e partes do corpo. Seus usos e aplicações são vastose, em uma casa, ele é muitas vezes utilizado com um espe-lho para defletir maus espíritos e energias.Confira as dicas da consultora defeng shui, Roberta Siqueira, que es-tuda sobre a técnica há mais de 10anos.• Use espelhos, principalmente, naporta de entrada da sua casa.• Sinos de qualquer forma ou material,fazem com que as energias circulem.• Coloque alguns objetos decorativosdas cores: verde, pois traz tanquilida-de; vermelho, cuja função cromática éativar as ideias e fazer com que as ener-gias circulem; e amarelo, que limpa asimpurezas materiais e mentais.• Jogue fora objetos quebrados ou quenão estejam em uso.• Plantas sempre trazem boas energias,inclusive, conseguem limpar 50% dosmiasmas negativos no ambiente.• Cristais são ótimos restauradores deenergia.• Não deixe que estranhos entrem noquarto, pois é o ponto mais íntimo dacasa.• Espalhe copos ou tigelas com água.• Você pode colocar flores como enfei-tes, elas absorvem as energias negativase reequilibram o ambiente.
  6. 6. 12SaboresdaMesaOs sucos naturais são extremamente recomendados para a ma-nutenção da nossa saúde, pois, ao ingerí-los, podemos obter diversasvitaminas e minerais importantes para o bom funcionamento do nossoorganismo.Com o auxílio das frutas, legumes e folhas, podemos fazer bebidasrecomendadas para repor as energias nos dias mais quentes, ou paraprevenir resfriados e outras doenças típicas de inverno. Conforme a re-ceita, é possível obter resultados como: regular o trânsito intestinal,normalização dos níveis de glicemia e colesterol no sangue, melhora dosistema imunológico, auxílio da digestão e do corpo hidratado e forçapara combater vírus e bactérias.Suco de tangerina, laranja e maracujáServe para aumentar a imunidade do organismo, é refrescante naturale, ainda, ajuda a combater alguns vírus comuns, como os causadoresda gripe.Ingredientes:• 2 tangerinas (poncã ou morgot)• 1 maracujá médio e maduro• 4 laranjas-limaComo preparar:Esprema as tangerinas e as laranjas e coe. Reserve. Corte o maracujápela metade e retire a polpa. Bata o suco das laranjas com o maracujápor uns trinta segundos (o suficiente para separar a polpa do maracujádas sementes). Coe com uma peneira fina.Suco de limão ou laranja com couveServe também para aumentar a imunidade e, acima de tudo, ajudaa revigorar o organismo, mantendo-o mais forte e resistente contradoenças causadas por vírus.Ingredientes:• 1 folha de couve média• 3 limões ou laranjas• Água• AçúcarComo preparar:Bata tudo no liquidificador, coe e sirva com gelo. O ideal é consumirtudo após o preparo, para que não perca as propriedades.sucosexóticosDa mistura de frutas,legumes e folhas surgem bebidasrefrescantes e nutritivasTexto Valquíria OriquiTabela nutritivaLARANJARica em vitamina C e contém saisminerais (cálcio, fósforo e ferro).Favorece a digestão, contribui naformação de ossos e dentes, e reforçaa defesa do organismo. O bagaço dalaranja ajuda no trabalho do intestino.LIMÃOExcelente fonte de vitamina C,possui boa quantidade de vitaminasdo Complexo B e sais minerais (cálcio,fósforo e ferro). Fortalece os ossose os dentes, tem poder de cicratizaçãoe evita hemorragias, além de reforçaras defesas do organismo.Seus sais minerais mantêm oequilíbrio interno do organismo eo vigor do sistema nervoso.MARACUJÁRica em vitaminas do Complexo B eC, a fruta contém boa quantidade desais minerais (ferro, cálcio e fósforo).Auxilia o bom funcionamento dosistema nervoso e dá resistência aosvasos sanguíneos. Ela também éindicada no tratamento de anemia.TANGERINA (MEXERICA)Fonte preciosa de vitamina C,possui vitaminas do complexo B e A,e sais minerais como cálcio, potássio,sódio, fósforo, ferro e magnésio.Sua ingestão fortifica o sangue,reforça as defesas do organismoe atua beneficamente nosmúsculos e sistema nervoso.Além disso, ajuda no funcionamentodo intestino, por conta do bagaço.COUVEPossui ferro, cálcio, fósforo e fibras,e também é boa fonte de vitamina A,do Complexo B e C. Ajuda a prevenire combater a anemia, e atua naformação de ossos e dentes.A folha também é recomendadanos casos de prisão de ventre.
  7. 7. 14SimplesAssimInstalar o varal, consertar a torneira que pinga, trocar a resistênciado chuveiro ou pendurar quadros são algumas circunstâncias que fazemparte da rotina de quem toma conta de um lar. Quando essas necessidadessurgem, o que fazer? Nem sempre é preciso chamar um marido de aluguel– profissional que faz pequenos reparos e instalações em residências, escritó-rios ou condomínios – você mesmo pode lidar com os imprevistos.Manter determinadas ferramentas em casa auxilia na hora de sanar pro-blemas domésticos simples como os citados acima. São itens que podem seradquiridos em qualquer loja de ferragens ou supermercados. Para montarum kit básico de ferramentas, confira as dicas do especialista em pequenosreparos Marcelo Silva:FerramentasbásicasSaiba como montar um kit com instrumentosúteis e indispensáveis para casaTexto Valquíria Oriqui e Cidiana PellegrinViva MelhorTão importantes quantoqualquer outro utensíliodoméstico, as ferramentassão essenciais para o diaa dia. Com um kit básicoem casa, é possível realizarpequenos reparos.Alicate de cortePossui uma lâmina específicaque facilita e dá acabamentoao corte de fios e arames.Alicate universalServe para segurar pequenas peçasmetálicas, torcer ou cortar arame.Caixa de ferramentasEm diferentes tamanhos e modelos,ela é necessária para mantertudo organizado.Chave de fendaServe para atarrachar ou desatarracharparafusos de cabeça. É possívelcomprar um jogo pronto com diferentestamanhos, ou a peça individual.Todas devem ter o cabo comprido paraser segurado com a mão inteira.Chave de grifoUsada para canos, parafusos eporcas, age apertando a peçaa ser desrosqueada.Chave PhilipsUsada para parafusos, com afenda em cruz, em vez de linha reta.Também é interessante ter trêstamanhos diferentes.EstileteVersátil, pode ser usado para cortar pa-pelão, plástico, couro, borracha, isopore outros materiais.ExtensãoUsada quando não há umatomada por perto.Fita isolanteÉ usada para envolverfios desencapados.Fita veda roscaEnvolve canos de água e/ouaquela torneira que pinga.LanternaÉ útil em qualquer queda de luz.Lembre-se de possuir pilhas extraspara garantir seu funcionamento.MarteloServe para introduzir e removerpregos em várias superfícies.NívelConfere a perpendicularidade nahora de pendurar quadros,espelhos ou prateleiras nas paredes.PregosEssenciais, em diversos tamanhos.TrenaÉ bastante útil na hora de medirambientes e mobília.
  8. 8. 16VidaSustentávelCompostagemSaiba como as sobras dos alimentos podem seraproveitadas na produção de aduboTexto Valquíria Oriqui e Cidiana PellegrinUma técnica milenar, praticada pelos chineses hámais de cinco mil anos. Nada muito diferente do queocorre na natureza, seja nas florestas ou no meio agríco-la. Se você observar, todos os resíduos de origem animale vegetal são reaproveitados pelo ecossistema como fon-te de nutrientes para as plantas.A compostagem caseira transforma o lixo orgânico– partes dos alimentos como folhas de muitas hortali-ças, talos, cascas e sementes – em adubo para plantas,tornando-se uma excelente alternativa para reduzir aquantidade de resíduos que é destinada, diariamente,aos lixões e aterros sanitários.O processo da compostagem é simples, basta seguiras etapas:1. Comece escolhendo um recipiente para armazenaros resíduos e faça diversos furos no fundo. Isso vai pos-sibilitar que o chorume (líquido resultante da decompo-sição dos alimentos) escorra.2. Separe todo o material orgânico, como cascas defrutas e de legumes, inclusive, as sobras de comida. Opapel molhado ou engordurado e o pó de café usadoNão use na compostagem:• Sobras de comidacondimentada, com temperoscomo sal, óleo, azeite etc.• Frutas cítricas em grandequantidade• Fezes de animaisdomésticos, como gato ecachorro• Madeiras envernizadas,vidro, metal, óleo, tinta,plásticos e papel plastificado• Cinzas de cigarro e carvão• Papel higiênico, fraldas eafins• Restos de carnes• Papéis com impressoscoloridos, por causa da tintaViva MelhorA compostagempode oferecer aosolo um materialrico em nutrientese, ainda, contribuircom o meio ambiente,reaproveitando o queera lixo.(com filtro e tudo) também devem ser selecionados. Sónão coloque resíduos sanitários.3. O segredo é sobrepor os tipos de resíduos orgâni-cos, ou seja, o processo é feito em camadas para facilitare acelerar a decomposição dos alimentos. Alterne o lixocom camadas de folhas secas de árvores e de plantas emgeral, ou serragem. Finalize sempre com a parte seca atéque o recipiente fique cheio.4. Coloque a composteira (recipiente onde está sen-do preparado o adubo) em local ventilado, sobre umabandeja de plástico, metal ou madeira, de pelo menos5 centímetros, cheia de cascalho ou areia bem grossapara canalizar o líquido que escorre dos resíduos. Deixedescansar por até três meses. A cada 15 dias, misture oconteúdo do recipiente.5. O adubo estará pronto quando tiver aparência deuma terra preta e com temperatura ambiente. Após essaetapa, você pode utilizá-lo como fertilizante nas flores,folhagens e hortaliças. Aplique de acordo com a necessi-dade de cada espécie de planta.
  9. 9. 18SaúdeemCasaEncontrar o despertador assim que acordar, achar no armário aquelaroupa reservada para ocasiões especiais, puxar o jogo de lençol completo oulocalizar a maquiagem são ações simples, mas que nem sempre são rápidasde serem executadas, se tudo não está em ordem.Nos lares atuais – cada vez menores – a falta de espaço parece ser umproblema, mas os especialistas garantem que tudo se resolve com organi-zação. Analise se não há acúmulo de itens desnecessários. Caso haja, doe,recicle, ou venda para ganhar lugar.A consultora em organização Jucelma Rocha destaca que um planeja-mento doméstico envolve a distribuição das atividades do lar e, consequen-temente, isso colabora para sobrar mais tempo para cuidar de si, curtir osfilhos, o marido, e fazer programas com os amigos. “Crie um cronogramapara os afazeres domésticos. Há tarefas para serem feitas todos os dias, ou-tras, apenas uma vez por semana. Lembre-se que é mais fácil manter a casaarrumada do que organizá-la totalmente,” alerta.Ter uma casa arrumada é agradável, e não uma fonte de problemas. Comalguns procedimentos, você otimiza tempo para atividades mais prazerosas.Conheça as dicas da consultora:ORGANIZAR PARAECONOMIZARConheça as dicas de uma consultora paramanter a casa em ordemTexto Valquíria OriquiViva MelhorUma casa organizadafacilita na hora deencontrar os objetose torna os ambientesmais aconchegantes.DespensaOrganize por produto e tamanho, faça fileiras demodo a visualizar todos os itens pela frente.Separe alimentos doces e salgados por ordem devalidade. Os que vencem antes ficam na frente.QuartosPlaneje espaços necessários para calças, bolsas, ma-las e acessórios. Utilize cabides do mesmo modelo,cor e tamanho. O ideal é pendurar uma roupa porcabide, assim você as encontra rapidamente nahora de vesti-las. Organize-as por cores e conformea estação, assim a escolha do look fica mais rápida.Peças pequenas, como calcinhas, biquínis, meias egravatas, devem ser alojadas em gavetas com divi-sórias. Use caixas plásticas empilháveis para guardarremédios ou outros itens dentro do armário. Caixascom separadores (vale até a de bombom) são ótimaspara guardar bijuterias; sapateiras de pendurar atrásda porta servem para armazenar tudo o que a imagi-nação permitir no quarto de crianças e adolescentes.CozinhaPalavra de ordem deste ambiente é praticidade.Talheres, facas e tábuas para cortar alimentosdevem ficar próximos à pia, os copos da geladeira,panelas e formas, ao lado do fogão.BanheirosPerfumes e produtos de higiene, após abertos, de-vem ficar dentro de um armário. Evite deixá-los emcima da pia, a umidade e o calor podem interferirna qualidade do produto. No caso da escova dedentes, isso vai evitar a contaminação por colifor-mes fecais que circulam no ar do cômodo.Área de ServiçoSe não possuir um armário próprio paravassouras, materiais de limpeza e baldes,crie um espaço especial, organizando-os emprateleiras, caixas e suportes próprios.Mantenha-os longe do alcance das crianças enão os misture com produtos alimentícios.
  10. 10. 20ViagemA cidade de Chapada dos Guimarães possui oitomil habitantes e foi erguida, em 1751, pelo jesuíta Es-tevão de Castro. A proximidade com a capital de MatoGrosso, Cuiabá, distante a 64 quilômetros, faz com queChapada também seja usufruída por uma população flu-tuante que, em busca de frescor e sossego, sobe a serrapara suas casas de fim de semana, provocando um agitocultural efervescente na cidade.Bem no centro geodésico da América do Sul, a Cha-pada dos Guimarães é palco de uma paisagem fantásticae muito misticismo, além de ser cortada pelo paralelo15° sul, uma linha imaginária que passa também porPorto Seguro, Brasília e Lago Titicaca. Segundo as anti-gas profecias, estes lugares seriam beneficiados energe-ticamente. Talvez por esse motivo, a Chapada dos Gui-marães seja um antigo reduto de místicos e esotéricos.Chapada dos Guimarães tem vários atrativos turísti-cos: 46 sítios arqueológicos; dois sítios paleontológicos;59 nascentes; 487 cachoeiras; 3.300 km² de Parque Na-cional; 2.518 km² de Área de Proteção Ambiental; duasreservas estaduais; dois parques municipais; duas estra-das-parque; 157 km de paredões; 42 imóveis tombadospelo Iphan; 38 espécies endêmicas.O artesanato local é uma das referências na cidade,com vários artesãos locais que chegaram ou nasceramna cidade e, que ali, foram vivendo do artesanato, que éexposto em praça pública de terça-feira a domingo paraos habitantes e turistas.Paredões eChapada dos GuimarãesA Borda do Planalto Central Brasileiro se apresentaabrupta, com um desnível com cerca de 350 a 400m emdeterminados momentos, na Chapada dos Guimarães,proporcionando ao visitante uma visão vertiginosa, es-teja ele em cima da Chapada ou nos pés dos paredões.Águas cristalinas brotam de verdadeiros dutos naturaissubterrâneos, serpenteiam por meio de matas de gale-rias e recebem o reforço das inesquecíveis veredas, im-portantíssimas para o equilíbrio das nascentes que abas-tecem o pantanal mato-grossense.CHAPADADOS GUIMARÃESFamosa por suas belíssimas cachoeiras e demaispontos turísticos, a cidade atrai milhares de pessoas todos os anosTexto Valquíria Oriqui Fotos Edilson Carmo
  11. 11. 21A Cachoeira do Véu de Noiva fica no Parque NacionalChapada dos Guimarães, há 12 quilômetros do centroda cidade, junto ao Centro de visitantes do Ibama. Olocal é cartão postal da cidade. Véu de Noiva é formadapelo rio Coxipó, com 86 metros de queda livre, é o prin-cipal ponto de visitação. Além da cachoeira, o vale e asescarpas do morro – formadas de arenito – aumentam abeleza do local. A cachoeira pode ser observada a partirde um mirante, próximo à administração do parque, oupor baixo, através de uma trilha íngreme, que só podeser feita com autorização do Ibama.A visitação só é permitida com guias de turismo ca-dastrados na Embratur e com autorização da Secretariade Turismo de Chapada, eles são contratados nas agên-cias de turismo e podem levar no máximo 12 pessoas, éobrigado comprar o voucher também nas agências queinclui seguro, perneira e impostos. Está localizada há 46quilômetros de Chapada, em direção a Campo Verde nafazenda Água Fria.CachoeiraVéu de NoivaCachoeirada MartinhaDizem os moradores que próximo às margens destacachoeira vivia uma linda jovem chamada Martinha, quese tornou o motivo de muitos tropeiros se banharem nolocal. Esta cachoeira é a de maior volume em água daChapada dos Guimarães e está situada à beira da ro-dovia, na BR 251, entre os municípios de Chapada dosGuimarães e Campo Verde. É uma área de relevante in-teresse turístico, rica em cachoeiras, corredeiras, fauna eflora abundante. São cinco quedas com o maior volumede água em Chapada, formando um belo espetáculo.
  12. 12. 22CapaCassems na lutacontra o câncerA indignação e a vontade de evitar o sofrimento causado poruma doença silenciosa e, ao mesmo tempo, avassaladora feznascer na Cassems a necessidade de propiciar a curaTexto Ariane Martins Fotos Raquel Ovelar“Somos um plano de saúde enão de doenças” é o que explica Ri-cardo Ayache, presidente da Casse-ms. Para ele, seria impossível pensarem saúde sem falar em prevençãoe investimento. Atualmente, a Cai-xa dos Servidores está entre os dezmaiores planos de saúde de auto-gestão no Brasil, e são essas açõesque a diferenciam dos demais.“Investimos em hospitais, emestrutura, mas não esquecemos omais relevante, que é a saúde do serhumano. Não há nada mais impor-tante do que ser saudável para apro-veitar o que a vida nos proporciona,e é isso o que desejamos a todos osnossos usuários”.Nessa linha de pensamento, aCassems investe em programas quesão dedicados a diversas atividadespreventivas e de reabilitação aosseus usuários, em especial, contrao câncer. Programas como o “DiaM” (que realiza exames preventivosfemininos junto às beneficiárias queestão com eles em atraso) e o “Ôni-bus da Saúde” (programa itinerantede combate ao câncer) levam aten-dimentos de qualidade à populaçãodo interior do Estado.“Quando se fala em exames derotina, parece algo sem muita im-portância, que podemos deixar paradepois, mas isso pode mudar a suavida”, conta a servidora Nídia Olivei-ra Santos, 51 anos. “Exame de ma-mografia e Papanicolau, feito umavez por ano, seria suficiente paramudar uma realidade brasileira epara mudar a nossa realidade”.Ela participou do “Dia M” emCampo Grande, mutirão promovi-do pela Cassems em 2011. “Recebiuma cartinha explicando o que era oprograma, já com os exames agen-dados, lembrou a beneficiária. Fiz oexame e, quando peguei o resulta-do, a Cassems já tinha até agenda-do o meu retorno, eu não tive tra-balho”.De acordo com Nídia, no examenão indicava nenhuma alteração,mas seu corpo apresentava traçosda doença. O seio esquerdo tinhauma mancha na borda da aréola esecreção mamilar. Durante a ava-liação clínica, foi constatado queeram traços da doença de Paget damama, um tipo de tumor que aco-mete a aréola e/ou mamilo.“Quando peguei o resultado dosoutros exames e entendi o que es-tava acontecendo, eu perdi o chão,fiquei desesperada e sem saber oque fazer. Meu pai teve câncer e eusei o quanto a doença é agressiva”,relembra. “Só conseguia pensar nomeu filho, ele tem 13 anos e precisade mim”, reforçou a beneficiária, es-clarecendo que é divorciada.No dia 13 de abril de 2012, Nídiapassou por processo cirúrgico de re-moção do nódulo e reconstrução damama, além de 30 sessões de radio-terapia. “Percebi que não adiantavaficar chorando, me apeguei a Deuse confiei no tratamento, e enfrenteia doença”, lembrou. “Preciso fazermonitoramento e uso de medicaçãopelos próximos cinco anos, mas eume sinto ótima, tenho dupla jornadade trabalho e estou feliz porque te-nho certeza de que vou acompanharo crescimento do meu filho”.A beneficiária revela, ainda, queessa fase que ela viveu serviu parareflexão, mudança de conceitos emuito aprendizado. “Depois de pas-sar por este tormento, aprendi quea gente tem que dar mais atenção àsaúde e à vida. Não podemos deixarpara depois as coisas que considera-mos importantes”.Para Nídia, a Caixa dos Servido-res teve grande contribuição nesseprocesso de mudanças. “A Cassemsfoi o diferencial, se não fosse pelainiciativa de me mandar uma cartaconvidando para fazer exames pre-ventivos, pelo olhar atencioso dosmédicos, talvez eu ainda não teriadescoberto a doença e minhas chan-ces de cura seriam bem menores. Ésurpreendente saber que o seu pla-no de saúde, feito por pessoas quevocê naturalmente não conhece, sepreocupa com você”.
  13. 13. 23
  14. 14. 24Capa“A Cassems foi odiferencial, se nãofosse pela iniciativade me mandar a cartaconvidando para fazerexames preventivos,pelo olhar atenciosodos médicos,talvez eu ainda nãotinha descoberto adoença e minhaschances de cura seriambem menores.É surpreendente saberque o seu plano desaúde, feito por pessoasque você naturalmentenão conhece, sepreocupa com você”.
  15. 15. 25“Mais do que ainovação no tratamentode oncologia dointerior do Estado,a unidade móvel tem oobjetivo de promoverum trabalho social,resolvendo os problemasda comunidade etrazendo o bem-estar apessoas de localidadesafastadas, que nãotiveram a chance derealizar exames outratamentos na Capital”.Júlia Coene tem 52 anos e JoséSoares, 39. Ela é dona de casa e, elemotorista, mas ambos vivem situa-ções opostas e, ao mesmo tempo,muito parecidas. Os dois foram sur-preendidos com a doença que maismata no mundo. No Brasil, o cânceré a terceira causa de morte, depoisdas doenças cardiovasculares e cau-sas externas, como violência. Con-forme dados do Instituto Nacionaldo Câncer (Inca), por ano, esse malleva mais de 100.000 brasileiros aoóbito.Tanto Júlia quanto José pode-riam compor esta triste estatística,porém, o curso dessa história mu-dou quando o “Ônibus da Saúde”esteve nos municípios de Bela Vistae Rio Verde, em 2011.Morador da cidade de Rio Verde,distante 194 quilômetros da Capi-tal, José conta que era quarta-feira,30 de novembro de 2011, quandosentiu uma forte dor no peito. Nodia seguinte, fez uma tomografia eo médico local aconselhou que eleprocurasse um especialista em Cam-po Grande. Os sintomas se intensifi-caram e, na sexta-feira, José já esta-va bastante debilitado e apresentavadificuldades para respirar. Ao procu-rar mais uma vez o posto de saúdelocal, soube que no sábado haveriamédicos especializados no municí-pio.“Era o Ônibus da Saúde”, expli-cou o motorista, que não sabia daexistência da unidade móvel. Elenão tinha agendamento e nem foiencaminhado pelo outro médico,mas estava determinado em buscaratendimento. “Cheguei lá com meuexame e fui atendido pelo Dr. Fabrí-cio e sua equipe, que foram muitoatenciosos e profissionais”, salienta.Embora o atendimento da unida-de móvel seja voltado para a saúdeda mulher, que tem como principalobjetivo melhorar as condições detratamento, ampliar atendimento eincentivar mulheres ao comporta-mento preventivo, o motorista rece-beu atendimento digno e humani-zado pela equipe da unidade móvel.De acordo com o idealizador ecoordenador do programa, FabrícioColacino Silva, o paciente possuíaum tumor de 40 cm, no mediasti-no – região que aloja o coração – eque pressionava o pulmão. O casoé considerado muito grave e se en-contrava em estágio avançado. “Aideia do ônibus surgiu justamentepor situações como essa, da indig-nação de ver o paciente sofrer, poisquando descobre a doença já estáarraigada no organismo, há o des-gaste físico e emocional tanto parao paciente quanto para a família”,explica o oncologista. “Sofrimento,esse, desnecessário, se a doença fordescoberta logo no início”.No Hospital do Câncer Alfre-do Abrão, parceiro da Cassems noprojeto do “Ônibus da Saúde”, sãorealizadas 12 mil consultas por mês,além de cinco mil procedimentos.Segundo Colacino, idealizador doprojeto, mais da metade dos pa-cientes do interior ficam sabendotardiamente que está com câncer.“Realizar essa prevenção no interiorpode diminuir, e muito, os númerosdas doenças e mudar a história donosso Estado”.Além de identificar possíveis in-dícios de câncer, o atendimento noônibus também se mostra importan-te por formalizar uma parceria entreo programa e o município, em queo paciente tem garantido o atendi-mento continuado, caso apresentealgum sintoma. “Não deixamos adesejar a nenhum grande centro nomundo, oferecendo um tratamentodigno, humanizado e com garantiade retorno”, disse o oncologista.Na segunda-feira, após o aten-dimento, José Soares já estava emtratamento, fazendo radioterapiaem Campo Grande. Quase um anodepois, o tamanho do tumor foireduzido de 40 cm para 4 mm. Opaciente ainda faz acompanhamen-to médico, mas não corre mais riscode morte, voltou a trabalhar e seguecom uma vida normal.Ele conta sua experiência comcerto alívio e gratidão. “Tinha umavida normal e, de repente, em umasemana, é como se visse minha vida,meus planos, escorrerem por entreos dedos. Eu não sabia o que fazerou a quem recorrer”, disse, emocio-nado. “Achei que não teria chance,que iria morrer. Eu nasci de novo,graças ao “Ônibus da Saúde” e todaa sua equipe”, conta o motorista.
  16. 16. 26Capa“Eu sou muito grato por tudo,graças a Deus e a esse programa éque estou vivo e com saúde”, disseo motorista, emocionado. “Eu nãotenho palavras para descrever minhagratidão nem como retribuir, porquetudo que eu recebi de tratamentomédico e atenção, isso não tem pre-ço”.Julia Coene também passou poruma situação parecida. Mesmo mo-rando em uma propriedade rural,precisando se deslocar 20 quilôme-tros para ir ao médico na cidade maispróxima, Bela Vista, ela sempre man-teve seus exames preventivos em dia.A viagem do “Ônibus da Saúde” aoseu município foi mais uma oportuni-dade de dona Júlia cuidar da saúde.Porém, dessa vez, o resultado não foicomo o de costume e mostrou queela já apresentava traços da doença.“Fiquei em estado de choque, as-sustada e nervosa, porque realmentenão esperava, sempre faço os examese nunca deu nada”, disse dona Júlia,salientando o quanto a equipe foiatenciosa com o seu caso.Nos exames da dona Júlia foiconstatado câncer de colo de úteroem fase inicial. Para ela, esse é ummomento de provação, de sofrimen-to, mas também de fé e companhei-rismo. “Não adianta se revoltar, temque enfrentar a situação, graças aDeus tive o apoio da minha famíliae profissionais que me orientaram,me deram força, e hoje estou bem”,salienta.“Para as mulheres que não tema doença, eu aconselho que con-tinuem atentas e que mantenhamseus exames em dia, porque mesmoassim elas correm riscos. Para as quejá têm a doença, desejo força, peçoque continuem lutando, que acredi-tem em Deus, porque viver vale mui-to a pena”, disse dona Júlia.Tumor de40cm nomediastino,região que alojao coração.
  17. 17. 27De fora, parece comum, poderiaaté passar batido se não fosse pelascores marcantes da Cassems, o azul eo vermelho, ou ainda pelas logomarcasde importantes parceiros que tambémabraçaram a causa. Mas, internamente,o “Ônibus da Saúde” conta com equi-pamentos de última geração, salas deexames ginecológicos, mamografias,consultório médico e centro cirúrgicopara procedimentos de pequena e mé-dia complexidade. Sobretudo, a unida-de móvel leva esperança e tranquilida-de à população do interior, facilitandoo acesso a exames e prevenindo doen-ças como o câncer.A parceria nasceu da necessidadedetectada pelo presidente da Cassems,Ricardo Ayache, e o médico oncologis-ta e coordenador do projeto, FabrícioColacino Silva, de que os pacientes pre-cisam ter um diagnóstico precoce dadoença, que dá ao portador mais de90% de chances de cura.Segundo Ayache, a Cassems temobservado que houve crescimento re-levante nos números de beneficiáriascom casos de câncer no útero e mama,e constatou que boa parte não tem fei-to exames preventivos. Para o presiden-te, o papel social da Caixa dos Servido-res é garantir um atendimento eficaz e,com o “Ônibus da Saúde”, a Cassemscumpre o objetivo de garantir umaEstruturaqualidade de vida melhor às mulheres.Ele acredita ainda que este projetoé de extrema importância para o aten-dimento dos servidores e valorizaçãoda vida. “Nós estamos proporcionandouma alternativa de melhorias na saú-de. Prevenir doenças como o câncer,possibilitar um tratamento e análise éo dever de uma assistência de saúde.Este é o nosso dever, lutar pela saúde”,conclui Ricardo.A unidade móvel que atende tan-to as beneficiárias da Cassems quantoos usuários do Sistema Único de Saúde(SUS) já percorreu 22 cidades de MatoGrosso do Sul e realizou cerca de 5 milatendimentos. Tudo isso só é possívelgraças à parceria entre a Caixa dos Ser-vidores e o Hospital do Câncer AlfredoAbrão.Além de uma estrutura moderna, oprograma conta com uma equipe espe-cializada, experiente e muito atenciosa.Cerca de 80 profissionais se envolvempara dar andamento ao programa, des-ses, doze profissionais, entre médicos,enfermeiros e técnicos de enfermagem,viajam na unidade móvel.As consultas são agendadas previa-mente pela equipe da Cassems e peloSUS municipal. A seleção dos pacientesé realizada conforme a necessidade, eo tempo de atraso dos exames é umdos elementos fundamentais na horada escolha.O câncer do colo de útero é o se-gundo mais comum entre as mulheresno Brasil. Dados do Instituto Nacionaldo Câncer (Inca) mostram que, apro-ximadamente, identificaram 18 milnovos casos da doença no Brasil, em2010. No mundo, ocorrem cerca demeio milhão de casos novos por ano,com mais de 230 mil mortes.De acordo com Ayache, qualquerpessoa pode, e deve, procurar a pre-venção, não importa a idade, a con-dição de saúde ou o sexo. O históricofamiliar e os hábitos sociais tambémajudam na prevenção. Já as pessoasque não fazem exercícios, fumam, co-mem de maneira inadequada ou vivemsob estresse são orientadas a alterar aprópria rotina para evitar enfermida-des, normalmente, associadas a esseshábitos.“As doenças que mais matam osbrasileiros, como o câncer, são justa-mente aquelas que, quando diagnosti-cadas precocemente, tem mais chancede cura, por isso, a importância da pre-venção, explica Ayache.Para ele, o Ônibus da Saúde propor-ciona felicidade para as pessoas. “Esteé um projeto que traz, acima de tudo,celebração da vida, e, sendo assim, eleleva felicidade a toda a população deMato Grosso do Sul”.
  18. 18. 28SaúdeCassemsSabor, praticidade, rendimento, economiae, principalmente, saúde são as palavras-chave para acriação de novas delícias que norteiam o trabalho daequipe da Cozinha Experimental, instalada no Centro dePrevenção da Cassems.Com o intuito de incentivar os beneficiários aadotarem uma nova proposta de culinária básica esaudável, os cursos da Cozinha Experimental visamestimular a prática de dietas preventivas. Eles chamama atenção, ainda, para a importância de uma boaalimentação, fazendo com que, além da preparação dereceitas, os servidores experimentem e tenham contatocom os diversos alimentos, e coloquem em prática osconceitos aprendidos durante os cursos.A coordenadora do Programa de Nutrição Preventiva(Pronutri), Lilian Keller Herrera, explica que a ideiaera criar um local onde fosse possível ensinar osbeneficiários a cozinhar corretamente, mas, atualmente,ela influencia na vida do beneficiário. "O objetivo inicialera somente promover aulas de educação alimentar,hoje incentivamos os beneficiários mais do que cozinhar,mas sim ter qualidade de vida por conta de uma boaalimentação".De acordo com a nutricionista, já foram ministrados20 cursos, capacitando cerca de 300 beneficiários. "Oscursos que mais chamaram atenção são os que dizemrespeito ao dia a dia na cozinha, o que vem ao encontroà nossa proposta, que é auxiliar nas mudanças da casa eque todos da família sejam beneficiados".Uma das beneficiárias que participou dos cursos foia cerimonialista Mariluci Muller da Cunha, 42 anos. Elaexplica que devido à rotina pôde participar de apenasdois cursos, "Lanches Escolares" e "Guarnições", porémestes, já trouxeram benefícios para sua família."Aprendi a incluir alimentos mais saudáveis nasrefeições, a família adorou", explicou a beneficiária."Minha filha de oito anos adorou o bolo de banana comaveia. É saboroso e nutritivo. Além disso, substituímosos lanches convencionais como bolachas recheadas esalgadinhos".Durante os cursos, são trabalhados conceitos deconsumo consciente e da culinária saudável, nutritiva ede baixo custo, como por exemplo: "Saladas e Molhos","Sobremesas Light", "Uso culinário da semente dalinhaça", "Papinhas e Sopas para Bebês", entre outros.Esse aprendizado envolve os princípios educativos comaproveitamento integral, para estimular a mudança decomportamento e os hábitos alimentares.A nutricionista afirma que todas as expectativasforam superadas. "Sabíamos do desafio que seriachamar as pessoas para esse tipo de atividade, nem umpouco comum em planos de saúde. Mas, realmente,nos sentimos felizes por termos alcançado todos osobjetivos. Isso só reforça a vontade de criarmos novosprojetos", enfatizou."Esses cursos são maravilhosos, eles nos mostramo quanto é fácil e importante ter uma alimentaçãosaudável". Eu fiquei muito satisfeita com o resultado e,por isso, ajudo a divulgar todos os cursos, convido meuscolegas de trabalho e os amigos porque realmente elessão fascinantes. Eu recomendo”.CozinhaExperimentalAlimentação saudável auxilia na qualidade de vidaTexto Ariane Martins Fotos Dayane Reis
  19. 19. 29O mito “lugar de homem é no escritório e o da mu-lher é na cozinha” foi quebrado durante a primeiraetapa dos cursos da Cozinha Experimental, realizadapela Cassems no segundo semestre de 2012. Os ho-mens não só estiveram presentes nos cursos, comomostraram que o homem moderno se preocupa coma saúde e o bem-estar, tanto dele quanto de sua fa-mília.Eles ainda não são a maioria, mas já fazem dife-rença. Adriano Chastel tem 39 anos, lotado no De-tran/MS, e fazia acompanhamento nutricional doCentro de Prevenção em Saúde da Cassems, quandodescobriu os cursos da Cozinha Experimental. Ele sem-pre cozinhou, mas foi com a Cassems que aprendeu acomo fazer isso de forma saudável. “Sempre gostei decozinhar, mas depois dos cursos passei a pensar maisna saúde, ser mais cuidadoso. Aprendi que ter umaalimentação balanceada não é caro e também não éruim. Agora, busco o equilíbrio na culinária e combinomelhor os ingredientes”, explicou o beneficiário.Lugar de homemtambém é na cozinhaO beneficiário da Cassems disse que já fez três cur-sos na Cozinha Experimental: Sopas, Lanches Escola-res e Detox, e que até mesmo a família se envolveunesse aprendizado. “Minha filha me acompanhou emum curso da primeira etapa e já cobrou o resultadoem casa”, conta Adriano.De acordo com ele, a Cozinha Experimental provouque é possível ter uma alimentação gostosa, saborosa,sem agredir a saúde. “Ter uma estrutura como essanos dá a oportunidade de ter mais saúde, não precisa-mos ficar doente para procurarmos ajuda. Desperta aconsciência de que é preciso fazer dieta e, além disso,ensina como fazer”.Para Adriano, homem na cozinha não é vergonha,é essencial. “Essa situação é confortável para minhaesposa, tanto no cotidiano quanto em ocasiões espe-ciais. Quando temos reuniões familiares, eu sempreestou na cozinha, entre as panelas, cheirando a tem-peros, e minha esposa recebe os convidados, bonita,cheirosa, eu vejo que ela fica feliz e isso me satisfaz”.
  20. 20. 30InformativoO atual presidente da Cassems, Ri-cardo Ayache, encabeça a chapa ins-crita “Nossa Vida Cada Vez Melhor”,tendo como candidatos a primeiro esegundo vice, respectivamente, o se-cretário de comunicação da Federa-ção dos Trabalhadores em Educaçãode Mato Grosso do Sul (Fetems), Ade-mir Cerri, e o presidente do Sindica-to dos Trabalhadores em SeguridadeSocial (SINTSS-MS), Alexandre JúniorCosta.Junto com os três diretores, serãoeleitos 15 integrantes do Conselho deAdministração e 12 integrantes doConselho Fiscal, com representaçãodos poderes Legislativo, Executivo eJudiciário.Ricardo Ayache era vice-presiden-te da Cassems e, desde janeiro de2011, é o principal gestor da Caixados Servidores. Segundo o candidato,os anos à frente da instituição trouxe-ram muitas conquistas para o plano.“A Cassems é fruto de um diálogoaberto e franco entre os servidorespúblicos. O senso de coletividade, hu-manização e profissionalismo fez comque, ao longo dos anos, tomássemosdecisões voltadas para a evolução doatendimento à nossa saúde”, explicaAyache.Ainda segundo o presidente, ainscrição de uma chapa consensorevela a aprovação dos trabalhos de-senvolvidos pela Cassems. “Longe derepresentar acomodação, isto mostrao maior compromisso e a necessidadede um grande empenho para fazer osservidores votarem no dia 1º de mar-co de 2013”, revela.Por ser uma entidade de autoges-tão – em que os próprios beneficiá-rios administram o plano, por meioda Assembleia Geral Ordinária (AGO)– o estatuto da Instituição determinaque a cada três anos a Cassems elejapelo voto direto seus representantesno Conselho de Administração paraa gestão dos serviços e no ConselhoFiscal para supervisão dos trabalhosdesempenhados.A CassemsVencido o desafio inicial que foio de implantar um plano de saúdede autogestão para suceder o Previ-sul, que foi extinto com a reforma daPrevidência Estadual, a Cassems, atu-almente, é referência nacional em as-sistência médico-hospitalar e odonto-lógica no serviço público, garantindoatendimento de 180 mil beneficiários.Entre profissionais de saúde e labora-tórios, são mais de 2 mil credencia-dos, além de hospitais próprios emDourados, Aquidauana, Ponta Porã,Paranaíba, Nova Andradina, Naviraí,Três Lagoas e, em breve, Coxim.Próxima eleição da CassemsA eleição será realizada no dia 1º de março, em todas as unidades da Cassems
  21. 21. 34InformativoValorizar o funcionário eadotar um modelo de gestão queinvista no público interno é funda-mental para que o cliente final saiaDe dentro para fora:Investir em público internoé garantir qualidadeno atendimentosatisfeito. É desta forma que a Cas-sems tem trabalhado seus mais de800 funcionários em todo o Estadode Mato Grosso do Sul. Com diver-sas ações voltadas ao colaborador, aCaixa dos Servidores é vista por eles,atualmente, como a uma das me-lhores empresas que já trabalharam.
  22. 22. 35Rosilene Leite Ferreira, de 33anos, concorda com essa afirma-ção. Em 2008, mudou-se de CampoGrande para Aquidauna e logo viua construção do Hospital Cassemsque se instalaria ali. Resolveu entre-gar um currículo seu na regional elogo depois, foi chamada para serrecepcionista do mais novo hospitalda cidade.“Pouco tempo depois, comecei aajudar o departamento financeiro ede Recursos Humanos com peque-nas coisas, como produzir e conferirfolhas de frequência”. Mas o queRosi não esperava era ser convida-da a participar do setor já em 2009.Atualmente, ela é formada em Ad-ministração, Geografia e RecursosHumanos, e o próximo passo é fazerum mestrado na área em que atua.“Depois de trabalhar em diversasáreas, foi na Cassems que descobriminha vocação: trabalhar com pes-soas. Me identifico com isso e querome aperfeiçoar cada vez mais”.Na Cassems, o setor de RecursosHumanos é o responsável para queos funcionários exerçam a missãoda empresa, que é oferecer a me-lhor assistência à saúde por meiode ações preventivas e terapêuticas,unindo tecnologia à humanizaçãodo atendimento, estabelecendo re-lações éticas e transparentes.Para isso ocorrer de forma plena,a gestão de pessoas precisa enfren-tar diversos desafios: reter os melho-res funcionários, conquistar novostalentos e oferecer uma estruturacapaz de atender as necessidadesdessas pessoas. E, para isso aconte-cer, é necessário que a empresa sepreocupe, verdadeiramente, comseu funcionário, forneça um bomambiente de trabalho, bons benefí-cios, higiene e segurança e, princi-palmente, programas de treinamen-tos e desenvolvimento pessoal.A coordenadora de RH da Cas-sems, Juliana Cunha Inácio, contaque essas ações já são realidade nainstituição. “Temos programas deincentivo à reeducação alimentar einvestimento em saúde, práticas deesporte, aulas de dança e grupos decaminhada, isso tudo para promo-ver o estímulo e o acompanhamentodo profissional dentro da organiza-ção, para que ele se desenvolva ebusque inovação”.A gestão da Cassems está sem-pre em busca de soluções para tor-nar a equipe mais produtiva, foca-da nas metas da área em que atuae comprometida com os objetivosestratégicos da organização. Deacordo com o presidente, RicardoAyache, uma boa gestão de pesso-as é de extrema importância para amelhor qualidade da administraçãode uma empresa. “Queremos queos funcionários da Cassems vejam ainstituição como uma oportunidadede crescimento profissional, e nãosomente como uma realidade ne-cessária. Isso vai acarretar no melhoratendimento do nosso beneficiário,que sai daqui satisfeito com o nossotrabalho”.No final do ano passado, foirealizada a Semana Interna de Pre-venção de Acidentes de Trabalho(Sipat), garantida por lei. SegundoJuliana, o evento é um incentivopara os funcionários. “Durante a se-mana acontecem palestras e eventosque estimulam o colaborador a teruma vida plena também fora da em-presa”, conta Juliana. Neste ano, aSipat trouxe como tema “EducaçãoFinanceira”, com a palestra do eco-nomista Everlan Elias Montibeler.Além da Sipat, os colaboradoresrealizam também uma convençãoanual, com palestras e treinamen-tos entre equipes de todo o Estado.Encontros como este tendem a au-mentar, ainda mais, o bom atendi-mento do plano de saúde, explica acoordenadora de RH. “Nesse encon-tro, tratamos temas como humani-zação em saúde. O interessante aquié que muitas pessoas já se falarampor telefone, intranet, e-mail, masnunca se viram de fato. Então, esseentrosamento é muito importan-te para que se conheçam melhor”,completa.Certamente com tantos investi-mentos na qualificação do funcio-nário, o retorno é evidente. Em umacarta de agradecimento recebidapelo beneficiário Sérgio Rodriguesda Silva, pelos serviços prestadospela Cassems, citando, em especial,o funcionário de atendimento Gi-vanildo Miranda, o beneficiário pa-rabeniza o “equilíbrio emocional”,“conhecimento técnico”, “bom sen-so” e “educação”. Segundo SérgioRodrigues, a postura desse profissio-nal serve de exemplo a ser seguidopor todos que lidam com a vida e oemocional humano.Ayache conta que é muito gra-tificante receber esse tipo de elo-gio, já que a gestão de um planode saúde é repleta de desafios. “ACassems trabalha sempre pelo bomatendimento, e receber esse agrade-cimento é muito gratificante, poiscomprova que estamos no caminhocerto”.
  23. 23. 36InformativoJá no município de Sete Que-das, a Cassems inaugurou maisuma unidade de atendimento. Anova sede administrativa nasceu daparceria entre a Cassems e a pre-feitura do município, que doou oterreno para a construção do novoprédio.Na cerimônia de inauguração, opresidente, Ricardo Ayache, salien-tou justamente a importância deO município de Itaporã rece-beu mais um Centro Odontológicoinaugurado pela Cassems em outu-bro. O Centro está situado na ruaPedro Celestino Correa – Centro.Com aparelhagem nova e total-mente moderna, o Centro Odonto-lógico está preparado para atenderadultos e crianças. Essa inauguraçãoamplia o atendimento aos 1.149 be-neficiários daquele município, quepassam a receber tratamento dequalidade sem precisar se deslocarpara os grandes centros.Segundo a diretora de assistênciaodontológica da Caixa dos Servido-res, Denise Sakae, essa nova unida-de Cassems faz com que as pessoaspossam se consultar sem que este-Cassems inauguranovos Centros Odontológicose unidades regionaisItaporã ganha novo Centro OdontológicoSete Quedas recebe nova unidadede atendimento da Cassemsjam com dor, fazendo prevençãodas doenças bucais. “Implantamosesse centro para trazer mais qualida-de de vida à população dessa região,já que a demanda de atendimentonesse município é alta”.
  24. 24. 37Em Fátima do Sul, a Cassemsinaugurou mais uma nova sedeadministrativa e um Centro Odon-tológico. Com aparelhagem novae totalmente moderna, o CentroOdontológico está preparado paraatender a população do próprio mu-nicípio e de outras cidades, comoJateí e Vicentina, que terão a opor-tunidade de realizar pequenos des-locamentos para receber um trata-mento odontológico de qualidade.Antes esses beneficiários tinham queviajar até Dourados para realizar umprocedimento. Este é o 15º CentroOdontológico da Cassems inaugura-do no Estado.Durante a inauguração, a dire-tora de assistência odontológica,Denise Sakae, lembrou que por umtempo, os beneficiários daquela ci-dade eram atendidos em uma saladentro do Batalhão da Polícia Mili-tar. “Eu não poderia iniciar a soleni-dade de hoje sem lembrar este fatoe agradecer essa parceria que, paranós, significou muito”, disse.De acordo com o presidente daCassems, Ricardo Ayache, a inau-guração de mais esse Centro Odon-parcerias como essa para melhoraro acesso a um atendimento à saúdede qualidade. A Caixa dos Servidorescontinua firme no seu propósito deinteriorizar o atendimento à saúde einvestir cada vez mais nos projetosde prevenção, porque acredita quedessa forma podemos melhorar aqualidade de vida dos seus benefi-ciários e, consequentemente, da po-pulação do Estado”.O vice-presidente da Caixa dosServidores, Ademir Cerri, que é deSete Quedas, lembrou que o sonhonascido há alguns anos se realizacom o empenho de todos. “TrazerCentro Odontológico deFátima do Sul também atenderábeneficiários de outras cidadestológico amplia o atendimento aosbeneficiários daquele município.“Fomos cautelosos em relação àestrutura, organização, qualidadedos equipamentos e materiais queserão utilizados, bem como na sele-uma unidade Cassems para o muni-cípio sempre foi um sonho meu e,hoje, estou realizando esse sonhocom o empenho da diretoria e dosconselheiros da Cassems, da popu-lação setequedense, dos servidorespúblicos, enfim, de todos os envol-vidos”.ção de profissionais orientados paraum bom atendimento e satisfaçãode nossos beneficiários”, explicouo presidente. “Que vocês possamusufruir dessa estrutura que prepa-ramos com muito carinho”.
  25. 25. 38InformativoPor acreditar e investir naspráticas inclusivas, na educação eno trabalho para pessoas com ne-cessidades especiais, a Cassemsrecebeu o “Selo de Certificação So-cial” em outubro. Este ano, a Caixados Servidores subiu de categoria efoi contemplada com o selo de cer-tificação “Ouro”. No total, 23 em-presas foram condecoradas, sendo10 na categoria Ouro Fidelidade, 9na Ouro e 5 na Prata.A premiação aconteceu no Es-paço de Formação Lúdio MartinsCoelho, durante o “VIII Encontrodos Empresários Inclusivos – Em-pregabilidade: Direito de Todos”promovido pela Secretaria Munici-pal de Educação (Semed).Na avaliação dos organizadores,o evento é de extrema relevância,pois, além de reconhecer os empre-sários que geram oportunidades nomercado de trabalho para profissio-nais com algum tipo de deficiência,A Cassems cresceu, desenvolveu--se e expandiu para mais de 180 milvidas atendidas. E o resultado dissonão poderia ser diferente. Em novem-bro, foi inaugurado um atendimentomoderno e eficaz que traz rapideze agilidade, ao integrar os diversosprocedimentos realizados pelo pla-no. O atendimento integrado chegapara modernizar a Cassems e trazerfacilidade a cada beneficiário.Idealizado em 2011, o projeto sópôde ser iniciado no final de 2012,após levantamentos de informações,reestruturação física e inúmeros trei-namentos com os funcionários, a fimde proporcionar agilidade e funcio-nalidade ao atendimento de setorescomo cadastro, órtese e prótese eautorização.Cassems é homenageada por inclusão defuncionários com necessidades especiaisProjeto inovar:uma nova forma de atender o beneficiáriotambém incentiva outras empresasa aderirem esta prática.De acordo com o secretáriomunicipal de educação, VolmarVicente Filippin, a iniciativa existedesde 2006. “Apesar de a legislaçãoexigir que empresas com mais de100 funcionários tenham, no mí-nimo, 2% de seu quadro compostopor trabalhadores com deficiência,ainda há um déficit muito grandeentre as empresas”, explicou o se-cretário, salientando que a educa-ção e o trabalho são compromissode todos.Segundo o presidente da Casse-ms, Ricardo Ayache, "é uma honrafazer parte desse processo. Acre-ditamos que o trabalho dignifica ohomem, proporcionando assim me-lhor qualidade de vida, tanto para otrabalhador quanto para a família”,destacou o presidente da Cassems.Ayache disse ainda que a em-presa investe em seu funcionárioe acredita que o investimento nopúblico interno é o grande diferen-cial da Caixa dos Servidores. “Temosclareza que um quadro funcionalqualificado é essencial para obter-mos sucesso, por isso, desenvolve-mos diversas ações internas, entretreinamentos e convenções, pois amotivação gera produção”.O presidente comentou que oplano de saúde Cassems ofereceatendimento para mais e 180 mil vi-das em Mato Grosso do Sul, e que,por este motivo, é de extrema re-levância pensar na sociedade comoum todo. “Esse projeto de inclusãode pessoas portadoras de deficiên-cia é parte desse compromisso so-cial que nós adotamos”, salienta.Ayache ressalta também que o re-conhecimento por meio do Selo éfruto de todo um trabalho que vemsendo desenvolvido e que isso é si-nônimo de motivação para que ostrabalhos continuem.Antes da implantação do novosistema, o beneficiário da Caixa dosServidores que precisava autorizaruma guia de exame na sede da Cas-sems tinha que retirar uma senhano setor responsável. Se o mesmofuncionário público precisasse retiraruma nova guia do seu cartão do be-neficiário, ele teria que se dirigir atéo cadastro para mais um atendimen-to. Agora, ele poderá realizar todosesses procedimentos com o mesmoatendente, otimizando o seu tempoe facilitando o atendimento.Para o presidente da Casse-ms, Ricardo Ayache, modernizar oatendimento é investir no futuro.“As mudanças são necessárias paracontinuar acompanhando o desen-volvimento e crescimento do planode saúde, que no início atendia 60mil vidas e hoje já chega a 180 mil,então, o objetivo do projeto é tornaro atendimento do nosso beneficiáriomais ágil, eficiente e humano, poissabemos que o aprimoramento ésempre importante para uma insti-tuição do porte da Cassems”, explicaAyache.A beneficiária Mara Lima visitoua Cassems em um dos primeiros diasde sua implantação e parabenizoupelo avanço. “Eu achei muito inte-ressante, porque nós vemos que aCassems está em frequente evoluçãoe esse é o caminho”, conta a benefi-ciária, que foi até a Caixa dos Servi-dores para autorizar uma cirurgia eesperou cerca de meia hora para seratendida.
  26. 26. 40InformativoO médico oncologista e coordena-dor do programa de prevenção aocâncer “Ônibus da Saúde”, uma par-ceria entre a Caixa de Assistência dosServidores do Estado de Mato Grossodo Sul (Cassems) e o Hospital do Cân-cer Alfredo Abrão, Fabrício Colacino,foi homenageado em novembro coma “Medalha do Mérito Médico - Dra.Jeanne Elizabeth Wanderley Tobaru”.Também receberam a medalhaoutros médicos sul-mato-grossensesque se destacaram pelos relevantesserviços prestados à sociedade. A ho-menagem aconteceu na AssembleiaLegislativa e contou com a presençado presidente da Caixa dos Servido-res, Ricardo Ayache. A condecoraçãoestá prevista no Ato de Resolução 26,de 16 de outubro de 2012, de propo-sição do deputado Lauro Davi (PSB),presidente da Comissão de Saúde.Emocionado, Fabrício disse que asensação de reconhecimento é indes-critível e que essa homenagem se es-tende a toda a equipe de trabalho. “Osucesso desse projeto se dá graças àdedicação, atenção e carinho dos fun-cionários da Cassems, dos diretores,da equipe do hospital e dos que nosacompanham no ônibus”, destacou.Para o deputado Lauro Davi, oato é uma oportunidade de retribuirFoto AL/MS‘Ônibus da Saúde’é homenageado na Assembleiaa dedicação e o trabalho prestadopor esses profissionais à sociedade.“Os médicos são peças fundamentaispara o serviço de saúde. Além de serum reconhecimento à categoria, essamedalha tem o objetivo de incluí-losneste contexto de discussão da saú-de”, afirmou o parlamentar.Na oportunidade, Ricardo Ayachedisse que a homenagem é impor-tante, pois destaca todos esses pro-fissionais essenciais para as famíliassul-mato-grossenses e indispensáveispara qualificar, cada vez mais, o sis-tema de saúde público e privado.“Essa ação é muito especial para osmédicos homenageados, pois receberuma comenda com o nome da Dra.Jeanne, que dedicou sua vida à arteda medicina, de forma humana e de-dicada, é, sem dúvida nenhuma, umahonra”.O nome escolhido para a me-dalha tem o condão de prestarum reconhecimento à cardio-logista Jeanne Elizabeth, queparticipou durante 35 anos daorganização, funcionamento eevolução do Hospital Proncor,em Campo Grande.Formada em medicina em1973, na então Universidade Es-Dra. Jeanne Elizabeth wanderley Tobarutadual Mato Grosso, hoje Univer-sidade Federal de Mato Grossodo Sul (UFMS), Jeanne participoutambém da criação do primeiroserviço de hemodinâmica da Ca-pital e presidiu a Sociedade Bra-sileira de Cardiologia. A médicafaleceu em 4 de abril de 2010,aos 59 anos, vítima de câncer.Bastante emocionado, JoséKimei Tobaru, esposo de Jeanne,falou que a homenagem vemcoroar todo o trabalho realizadopela cardiologista. “É uma emo-ção muito grande essa medalhalevar o nome da minha esposa,que dedicou sua vida à medicina,com amor, e paciência. Nossa fa-mília está muita agradecida poresta homenagem”, disse.
  27. 27. 42Prevenir os principais problemasque possam aparecer na gravidez eproporcionar atenção, esclarecimen-tos e instruções à gestante para o de-senvolvimento saudável do bebê, des-de o útero materno; investir na saúdebucal da criança, tratar e prevenir ocâncer de mama e as doenças cardio-vasculares e buscar uma alimentaçãonutricional adequada. Mais do quetratamento de doenças, desde 2006,a Cassems investe nesse tipo de pre-venção e promoção à saúde.Em 2012, mais de 5 mil pessoasforam atendidas pelos programas deprevenção da Cassems, entre o VivaSaúde, Dia M, Ônibus da Saúde, Pro-grama de Nutrição, Casal Grávido,Odontologia para bebês e vacinaçãocontra o HPV.O programa teve início em 2008,com o objetivo de que o primeiroatendimento ocorra antes da erupçãode qualquer dente, para que, com aprevenção, haja uma redução da inci-dência de cáries nas crianças.Segundo a responsável pelo pro-grama de prevenção da CassemsOdontologia para bebês, Heloísa He-lena Cunha, neste ano, ao menos 120crianças entraram para o programa,totalizando quase 700 crianças ins-critas.A odontóloga Heloísa explica ain-da que o serviço oferecido aos bene-ficiários abrange o acompanhamentodo bebê desde o seu nascimento.“Podem ser incluídas neste projetocrianças de zero a dois anos, que re-tornam a cada três meses, até com-pletarem cinco anos de idade”.Os inscritos no programa rece-bem palestras aos pais, com orienta-ções sobre dieta adequada, higieni-zação bucal do bebê, traumatismos,hábitos nocivos, entre outros; trata-mento odontológico efetivo com arealização de procedimentos restau-radores, aplicação de flúor e higieni-zação; atendimento de emergências:nos casos de dor, dúvidas ou nos ca-sos de traumatismos; atendimento apacientes portadores de necessidadesespeciais (PNEs), sem limite de idade.Para se inscrever no programa, épreciso entrar em contato pelo telefo-ne (67) 3314- 1075 (segunda, quartae sexta, no período matutino, e terçae quinta, no período vespertino).A Cassems desenvolve ações deconscientização entre os servidores,alertando sobre a mudança de hábi-tos, associada a exames de rotina queauxiliam na promoção da saúde, dobem-estar e da qualidade de vida. E,em parceria com o IAC (Instituto deAção e Cidadania), a Cassems lançouem 2007 o programa Viva Saúde, quetem o objetivo de melhorar a qualida-de de vida e o bem-estar dos bene-ficiários, que, levando uma vida sau-dável e equilibrada, estarão menospropensos a desenvolverem doençascrônicas e fatores de risco.O Viva Saúde frequenta as secre-tarias do Estado, fazendo o trabalhode prevenção. A educadora físicaTaís Gonçalves explica que, primei-ramente, é feita uma triagem paradiagnosticar a real situação da saú-de dos servidores. “Após a triagem,nós expedimos as guias de exames eInformativoInvestimento em saúde trazqualidade de vidaMais do que o tratamento de doenças, desde 2006, a Cassems investeem prevenção de doenças, fazendo com que o servidor público deMato Grosso do Sul tenha qualidade de vida garantida
  28. 28. 43encaminhamos os funcionários paratratamento”, explica Taís.Em 2012 o Viva Saúde já frequen-tou 48 órgãos e atendeu mais de 2mil pessoas. Foram 57 palestras emais de 472 inscritos para receberacompanhamento do programa. Aeducadora explica, que, em algunscasos, o acompanhamento é perma-nente, como os servidores que apre-sentarem quadros de hipertensão epré-hipertensão; diabetes e pré-dia-betes; obesos e aqueles que apresen-tarem índices alarmantes de coleste-rol e triglicérides. De acordo com Taís,para esse público, o programa ofere-ce acompanhamento gratuito duran-te um ano, com uma equipe formadapor educadores físicos, nutricionistas,psicólogos, entre outros profissionais.Para mais informações sobre oprograma, o telefone é 3352-8024.No dia 16 de setembro de 2011,iniciou-se o programa de prevençãoao Câncer da Mulher, com objetivode combater os dois tipos de cânceresque mais acometem as mulheres emtodo o mundo: o Câncer de Mama eo Câncer de Colo Uterino.O câncer de mama é o segundotipo mais frequente no mundo, sen-do o mais comum entre as mulhe-res, respondendo por 22% dos casosnovos a cada ano. No Brasil, as taxasde mortalidade por câncer de mamacontinuam elevadas, muito prova-velmente porque a doença ainda sóé diagnosticada em estágios avança-dos. Segundo o Instituto Nacional deCâncer, as mulheres com idade entre50 e 69 anos devem fazer uma ma-mografia a cada dois anos.Neste ano, o Dia M atendeu 243mulheres em Campo Grande e 103em Dourados, realizando exames demamografia e papanicolau em mu-lheres com os exames atrasados. Paraparticipar, não é necessário se inscre-ver, pois a Cassems lista todas as mu-lheres com atrasos em seus examespara fazer um mutirão e cuidar dasaúde de todas.Lançado em novembro de 2011,o Ônibus da Saúde já atendeu 5 milpessoas no interior do Estado, dentreelas, beneficiárias Cassems e usuáriasdo Sistema Único de Saúde (SUS),que não têm acesso a procedimentoscomo mamografia e papanicolau. Emum ano de existência, o ônibus já vi-sitou 22 cidades: Camapuã, Bandei-rantes, Bonito, Deodápolis, Fátimado Sul, Glória de Dourados, Miranda,Nova Alvorada do Sul, Ribas do RioPardo, Rio Brilhante, Rio Verde, SeteQuedas, Cassilândia, Pedro Gomes,Jardim, Aquidauana, Sidrolândia,Bela Vista, Coxim, Iguatemi, Brasilân-dia e Eldorado.O Curso Casal Grávido oferece pa-lestras mensais com profissionais dasáreas de obstetrícia, anestesiologia,pediatria, odontologia, psicologia,nutrição, fisioterapia e enfermagem,e ações práticas em cuidados pré-na-tais e neonatais, com o objetivo dediminuir a morbimortalidade maternae neonatal. Neste ano, cerca de 150pessoas participaram do curso, quecontou com as seguintes palestras:•Banho e amamentação, anestesia:tipos de anestesia no parto (Dr. Edu-ardo Kawano).•Ginecologia e obstetrícia (Dra. Ga-briella Vianna e Dra. Maria Auxiliado-ra Budib).•Fisioterapia obstétrica, preparaçãopara o parto (Marcela de OliveiraRosa).•Fisioterapia na preparação da mus-culatura perineal para parto (GiselleVenciguerra Fernandes).•Gravidez e seus consectários legais(Dra. Flavia Cristina Proença).•Odontologia e gestação (Heloisa He-lena Nunes da Cunha Maia de Souza).•Pediatria puericultura (Dr. Beraldo eDra. Ana Carolina Nasser).•Nutrição, alimetação saudável paragestantes e nutrizes (Lilian Keller eAna Carolina).•Psicologia da gestação (Ana MárciaBalbino e Ana Melissa).Visando estimular a cultura desaúde preventiva em MS, a Cassemslançou, em março de 2012, mais umprojeto inovador: A “Campanha deVacinação contra o HPV”. A vacinapode ser feita por qualquer mulher,a partir dos 10 anos de idade, tendocomo principal público-alvo as comidade entre 10 a 45 anos, já que aincidência desse tipo de câncer é maiscomum nessa faixa etária.Até o momento, foram vacinadas519 pessoas; sendo 309 mulheres deCampo Grande, 128 mulheres emDourados, 27 em Paranaíba, 31 emAquidauana e 30 em Naviraí. E ainda,foram vacinadas 3 beneficiárias par-ticulares.O Pronutri é o Programa de Nutri-ção Preventiva da Cassems que dis-ponibiliza profissionais para orientarcomo a alimentação diária pode auxi-liar o tratamento ou, em algumas do-enças, propiciar a cura. Até novem-bro de 2012, foram realizados 8719atendimentos nutricionais.O programa destina-se aos bene-ficiários Cassems que buscam orien-tação alimentar ou necessitam detratamento nutricional em terapêuti-ca clínica pré ou pós-cirúrgica e a pa-cientes que querem se submeter ou járealizaram cirurgia bariátrica.
  29. 29. 44InformativoCassems temaumento significativoem Programa deQualificaçãoda ANSDivulgado pela Agência Nacio-nal de Saúde Suplementar (ANS),o resultado do último Programa deQualificação das Operadoras, comano base de 2011, mostra que aCaixa de Assistência dos Servidoresdo Estado de Mato Grosso do Sul(Cassems) continua com um indi-cador positivo. O índice de desem-penho da Cassems em 2011 foi de0,6298, sendo que a nota máximaé 1,0. Nos outros anos, a Caixa dosServidores alcançou 0,514 (2010) e0.4818 (2009).A avaliação das operadoras érealizada por meio do Índice de De-sempenho da Saúde Suplementar(IDSS), calculado a partir de indica-dores definidos pela própria Agên-cia. Esses indicadores são reunidosem quatro dimensões: Atenção àSaúde, Econômico-financeira, Es-trutura e Operação, e Satisfação doBeneficiário.Cada uma dessas dimensõespossui um peso na formação dapontuação final da operadora,sendo 50% para Atenção à Saúde,30% para Econômico-financeira,10% para Estrutura e Operação e10% para Satisfação do Beneficiá-rio. Dessa forma, ao final da avalia-ção, a operadora recebe uma notaque pode se encaixar em uma dasseguintes faixas de avaliação: 0,00a 0,19; 0,20 a 0,39; 0,40 a 0,59;0,60 a 0,79; 0,80 a 1,00, sendoque a faixa de 0,80 a 1,00 indicamelhor desempenho. Somente sãoavaliadas as operadoras com regis-tro ativo na ANS.Na dimensão Estrutura e Ope-ração, que mede as condições daoferta de rede de consultórios, ossete hospitais da Cassems, ambula-tórios e laboratórios oferecidos peloplano de saúde, a Caixa dos Servi-dores recebeu avaliação de 0,6787.Uma nota boa, que confirma a pes-quisa realizada pela Cassems, emfevereiro deste ano, em que os hos-pitais receberam 84% de avaliaçãoentre os beneficiários.O presidente da Cassems, Ricar-do Ayache, explica que o bom re-sultado alçado pela Cassems é frutoda boa administração de todos osseus administradores. “A profissio-nalização da gestão, a transparên-cia e humanização do atendimento,são responsáveis por nossa evolu-ção”.Dentre a avaliação da ANS, amelhor nota obtida foi 0,942, qua-se 100% de Satisfação dos Usu-ários. Para essa avaliação, a ANSutiliza indicadores de permanênciacomo forma de medir a satisfaçãodos beneficiários nas operadoras.Também mede o índice de reclama-ções dos beneficiários e a gravidadedas infrações à legislação cometi-das por parte das operadoras.Ayache avalia esse avanço naqualidade dos serviços do planocomo um marco para a saúde denosso Estado. “Temos trabalhadosempre para manter a qualidade deatendimento da Caixa dos Servido-res, como o melhor, porque sabe-mos que isso reflete diretamente nasaúde de todo o Mato Grosso doSul”, conta o presidente. “A Casse-ms não é só mais um plano de saú-de, ela tem a importância social demudar a visão que a nossa popula-ção tem sobre qualidade de vida, ecom os nossos programas de pre-venção, vamos tornar esse grandeobjetivo, uma realidade”, finaliza.
  30. 30. Com o objetivo de tornar o aten-dimento aos seus beneficiários cadavez mais ágil e prático, a Cassemsadotou, desde dezembro de 2011,um novo modelo de cartão de aten-dimento. Agora, os usuários daCaixa dos Servidores não irão maisprecisar trocar o cartão, basta ir aqualquer unidade da Caixa dos Ser-vidores, ou na própria sede, portan-do documento com foto e compro-vante de residência para validá-lo.Ou seja, não existe mais a trocafísica. Isso porque, após a reformu-lação, os cartões que antes tinhamtrês níveis (dia/mês/ano), agora te-rão apenas o mês. Sendo assim, noCassems adota novo modelo de cartãomês do vencimento, o beneficiáriotem do dia 1º ao dia 30 para efetuara validação, que deve ser feita umavez ao ano, sempre no mês indicadono cartão.Os beneficiários que ainda pos-suem o modelo antigo não devemser preocupar em trocá-lo. A trocaserá feita no dia do vencimento docartão.ExtravioCaso ocorra extravio, comuniqueimediatamente a Central de Atendi-mento 24 horas. A Cassems é umplano de saúde de autogestão, noqual todos são beneficiados e, porisso, todos precisam zelar pelo usoresponsável do cartão. Lembre-seque o cartão é de uso pessoal e in-transferível.Em caso de dúvidas, o benefici-ário pode ligar na Central de Aten-dimento da Cassems, pelo telefone(67) 3314-1010.
  31. 31. 46Entrevista
  32. 32. 47Ricardo Ayache nasceu em Aquidauana, formouem medicina em 1993, pela Universidade Federal deMato Grosso do Sul (UFMS), e se especializou em car-diologia, pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC),MBA em Gestão de Cooperativas de Saúde na FundaçãoGetúlio Vargas (FGV). Servidor público do Hospital Re-gional de Campo Grande, assumiu a Direção de Assis-tência à Saúde da Cassems em março de 2001, sendoo responsável pela implementação do modelo assisten-cial da empresa. Em junho de 2010, Ricardo assumiu apresidência da Cassems e adquiriu o hospital de Navi-raí, ampliou o hospital em Dourados, construiu CentrosOdontológicos em Glória de Dourados, Fátima do Sul,Paranaíba, Sete Quedas, Maracajú, Itaporã, ampliou oHospital Cassems em Ponta Porã, assinou uma parceriainédita com a Unimed Três Lagoas para a aquisição de50% do Hospital no município e, preocupado com a saú-de dos servidores públicos de MS, inovou a gestão admi-nistrativa, adotando diversos programas de prevenção,inclusive, o Ônibus da Saúde, que visam melhorar, cadavez mais, a qualidade de vida dos beneficiários Cassems.Quais são os maiores desafios impostos na áreada saúde, e o que a Cassems tem feito para solucioná--los?Gerir um plano de saúde é um desafio apaixonante.O maior deles é atender com qualidade os 180 mil bene-ficiários da Cassems. A saúde apresenta inúmeros cená-rios que precisam ser cuidados diariamente. Satisfazer asnecessidades de cada beneficiário, manter uma relaçãoética e transparente com os fornecedores e profissionaisda saúde, e manter o equilíbrio financeiro da nossa Caixados Servidores são algumas das nossas metas em buscado equilíbrio tão desejado.Temos ainda que enfrentar a crescente judicializaçãoda saúde, as constantes imposições de normas e regula-mentação da Agência Nacional de Saúde (ANS), os altoscustos assistenciais, consequência do envelhecimentopopulacional, do uso de novas tecnologias e medica-mentos, além das constantes reivindicações da rede cre-denciada por melhores remunerações.Para superar esses desafios, precisamos manter o es-pírito de coletividade que nos transformou no melhorplano de saúde para servidores públicos do Brasil, estru-turar ainda mais a nossa Rede Própria de atendimento,profissionalizar ainda mais a nossa gestão e investir ma-ciçamente nos programas de prevenção.Como surgiu a ideia de implantar programas deprevenção em um plano de saúde?A expectativa de vida dos brasileiros aumentou emtorno de 40 anos no último século, ou seja, nós estamosvivendo cerca de 80 anos, o que é maravilhoso. Porém,ainda não temos a consciência de que somos os respon-sáveis pela qualidade de vida que teremos nessas déca-das de vida que ganhamos.RicardoAyacheO presidente conta sobre sua gestão de 2 anos e meio à frente da CassemsTexto Dayane Reis
  33. 33. 48Desta forma, nós decidimos investir nos programasde prevenção como forma de melhorar a nossa qualida-de de vida e, assim, despertar a importância de praticaratividades físicas, regularmente, de uma alimentação ba-lanceada, de controlar o estresse, de realizar consultasmédicas preventivas, enfim, de cuidar da saúde.Os programas de prevenção têm o objetivo de levarqualidade de vida aos beneficiários Cassems ao mesmotempo em que atuam na redução dos custos assisten-ciais em saúde, em longo prazo.Por exemplo, ao receber cuidados preventivos pormeio do programa Dia M, uma beneficiária pode evitaro câncer de mama ou, ao participar do Pronutri, o be-neficiário pode mudar seus hábitos alimentares e evitardoenças provenientes da obesidade.Qual a importância da Cassems ter sete hospitaispróprios espalhados pelo interior do Estado?A interiorização do atendimento, a implantação darede hospitalar no interior de nosso Estado é de sumaimportância. Somos um plano de saúde com 180 milvidas, mais da metade dessas espalhadas por cidadesdo interior, sem acesso a muitas especialidades médicas.Com a implantação de cada hospital, seja em Aquidaua-na, Dourados, Três Lagoas, Paranaíba, Ponta Porã, Na-viraí e Nova Andradina, o município se transforma emum polo de saúde, atraindo novos médicos, viabilizandonovas tecnologias, novos exames, melhoram a qualida-de assistencial que oferecemos aos beneficiários, nossoobjetivo maior.Modernizar o sistema de atendimento é trazermais facilidade ao usuário final, no caso da Cassems,os servidores públicos que se beneficiam do plano. Oque a Cassems tem feito nesse sentido?Nos últimos dois anos, evoluímos na informatizaçãode nossas unidades do interior do Estado, implantamosum novo sistema de gerenciamento financeiro e contábilda Cassems, criamos a Central de Atendimento 24h eadotamos um atendimento completamente integrado,que unificou os setores financeiro, cadastro e autoriza-ção de procedimentos, o que agilizou, humanizou e tor-nou mais eficiente a nossa forma de atender.Qual a vantagem da Cassems ser um plano desaúde de autogestão?O modelo de autogestão é o grande diferencial daCassems. É o responsável pelo sucesso que a Caixa dosServidores alcançou nos últimos anos, pois o fato dospróprios usuários gerenciarem o seu plano de saúde fazcom que as ações realizadas sejam sempre voltadas aomelhor para cada um.É por isso que realizamos as assembleias e prestaçõesde contas anualmente e fazemos reuniões periódicas emtodas as cidades, pois por meio dos debates surgem no-vas ideias e projetos para melhorar nossa vida.Desta forma, implantamos hospitais, programasde prevenção, Centros Odontológicos, não por desejoexclusivo do presidente, conselheiros e diretores, e simporque viajamos o Estado inteiro ouvindo, fazendo reu-niões e assembleias, trazendo novas ideias e sugestõesque se transformam em ações voltadas à nossa saúde.Neste modelo, todos têm voz, todos têm vez.Quais os projetos da Caixa dos Servidores para anova gestão?O maior desafio para a próxima gestão será a cons-trução do hospital de Campo Grande. Estamos traba-lhando muito para viabilizá-la financeiramente.Investiremos na ampliação e qualificação do atendi-mento odontológico, e, também, dos nossos programasde prevenção, para despertar em todos a importânciados cuidados com a nossa saúde.EntrevistaApós a estruturação da Rede Própria, recentementecomeçamos a investir em prevenção de doenças e na qualidadede vida de cada servidor público beneficiário da Cassems.
  34. 34. 50EventosNo IV Encontro dos Aposentados da Educação, realiza-do pela Federação dos Trabalhadores em Educação de MS(Fetems), o presidente da Cassems, Ricardo Ayache, minis-trou palestra sobre a “Qualidade de vida dos aposentados”.Participaram do evento cerca de 200 profissionais da Capi-tal e do interior.Ayache explicou as mudanças que o organismo sofrecom o passar dos anos, ocasionando, assim, algumas do-enças na terceira idade e sua prevenção. “É fundamental aprática de exercícios físicos, não fumar e manter o controledo peso e do colesterol (taxa de gordura no sangue), se-guindo uma alimentação balanceada e saudável”.Com o aumento da expectativa de vida, que nos diasde hoje já chega a 73 anos, o número de idosos cresceu.De acordo com o presidente da Caixa dos Servidores, o en-velhecimento é um dos maiores triunfos da humanidade e,também, um grande desafio, devido à desinformação sobrea saúde do idoso e suas particularidades. “Que nós possa-mos entender o envelhecimento, não como um ponto dechegada, mas como uma fase ativa e criativa”.Ayache salientou que é possível que o envelhecimentoseja uma experiência positiva, porém, é necessário cultivarhábitos saudáveis. “A prevenção é a nossa melhor armapara atingir o envelhecimento saudável”.Em comemoração a Semana do Servidor, organizadapelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Admi-nistração (SAD), o presidente da Cassems, Ricardo Ayache,ministrou em outubro a palestra com o tema “Gestão dePessoas: o principal desafio nas organizações”.Dentre as 74 unidades administrativas e de atendimentoaos usuários da Cassems, são mais de 800 funcionáriosque fazem parte do quadro da empresa. De acordo como presidente, uma boa gestão de pessoas é de extremaimportância para a melhor qualidade da administração deuma empresa.Na palestra, Ayache explicou que o investimento no pú-blico interno é o grande diferencial da Caixa dos Servido-res. “Temos clareza que um quadro funcional qualificado éessencial para obtermos sucesso, por isso, desenvolvemosdiversas ações internas, entre treinamentos e confraterniza-ções, pois a motivação gera produção”.Ricardo Ayache conta que a missão da Cassems éoferecer a melhor assistência à saúde, com transparênciae ética, mas, antes disso, é preciso que o colaboradoracredite no serviço prestado. “Não podemos só investirna saúde dos nossos beneficiários e esquecermos nossosfuncionários. É necessário que a empresa se preocupe como seu colaborador, ofereça uma remuneração justa, um bomambiente de trabalho e programas de desenvolvimento”,explica o presidente.Na ACP, o presidente ministroupalestra sobre a qualidadede vida dos aposentadosEm palestra na SAD,Ricardo Ayache diz quemotivação gera produção
  35. 35. 51Em evento alusivo ao Dia do Servidor Público, comemo-rado 28 de outubro, o presidente da Caixa dos Servidores,Ricardo Ayache, ministrou a palestra com o tema “Cassemse os novos desafios na gestão”. Ayache falou sobre o cres-cimento e o futuro da Caixa dos Servidores.Desde a sua criação, a Cassems cresce a cada ano, de-vido à sua forma moderna de gestão compartilhada. Comaprovação de 83% por parte dos seus funcionários, a Caixados Servidores é o maior plano de saúde de autogestão doBrasil e, segundo a edição especial da Revista Exame “Maio-res e Melhores”, a Cassems, pelo quarto ano consecutivo,compõe o ranking das 100 melhores empresas do Centro--Oeste. Neste ano, a Caixa dos Servidores apareceu como a7ª maior empresa do Estado e 92ª da Região.De acordo com Ayache, dentre os pontos agudos quevislumbram um futuro desafiador para a saúde suplementar,os principais são o crescimento dos custos assistenciais,a judicialização da saúde, o número reduzido deprofissionais de algumas especialidades e, principalmente,o envelhecimento da população. O presidente tambémapontou que o envelhecimento populacional é o que maispreocupa os planos de assistência à saúde suplementar.Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS),o Brasil será o quinto país do mundo em número de idososaté 2025. Outros dados, levantados pela Agência Nacionalde Saúde Suplementar (ANS), apontam que no Brasilexistem mais de 20 milhões de idosos, ou seja, média de11% da população.Representantes do Instituto de Assistência à Saúde dosServidores do Estado de Alagoas (Ipaseal) visitaram, em se-tembro, a sede da Cassems em Campo Grande para co-nhecer seu funcionamento e levar daqui experiências para agestão da saúde em seu Estado.O diretor-presidente do Ipaseal, Nelson Menezes, e odiretor do plano, Fernando Lobo, reuniram-se com o presi-dente da Cassems, Ricardo Ayache para entender o funcio-namento de um plano de saúde de autogestão, na qual ospróprios associados gerenciam sua instituição.“O objetivo é reformular o nosso plano, então escolhe-mos quatro Estados para servir como modelo, sendo eles,Rio Grande do Sul, Bahia, Minas Gerais e o melhor de todos,sem dúvida, Mato Grosso do Sul”, disse Menezes. O diretordo Ipaseal contou que a Cassems é um grande exemplopara eles, por tamanha evolução em apenas onze anos deexistência. “Estamos muito impressionados com a estrutu-ra e organização da Cassems e, principalmente, com o seuavanço em tão pouco tempo”.O Ipaseal é o plano de saúde dos servidores do Estadode Alagoas e já contou com mais de 30 mil beneficiários,entre titulares, dependentes e agregados. Atualmente, elesatendem somente 13 mil vidas.No hospital Regional, RicardoAyache fala sobre os desafiosda Caixa dos Servidorespara os próximos anosEm visita ao Estado,representantes da saúde deAlagoas ficam surpresos coma estrutura da Cassems
  36. 36. 52EventosDia 12 de dezembro foi especial para as beneficiárias daCassems, pois, com a aproximação das festas de fim de ano,as servidoras públicas puderam participar do curso sobre“Ceia de Natal Saudável”, promovido na Cozinha Experi-mental da Cassems.De acordo com a nutricionista e coordenadora do Pro-grama de Nutrição da Caixa dos Servidores, Lilian Herrera, ocurso abordou a elaboração de uma ceia de Natal saudável,mas sem fugir da sofisticação e o tradicionalismo que existenessa data. “Dentre as receitas que escolhemos, estão: sala-da de arroz selvagem, salpicão com frango defumado, faro-fa de biscoito cream cracker, lombo de porco ao molho deameixa e, para a sobremesa, gelatina na casca da laranja”.A beneficiária Maria Helena Torres já havia participadodo outro programa de prevenção da Cassems, o Viva Saú-de, mas era a sua primeira vez na cozinha experimental. “Ocurso agregou muito em minha ceia, com certeza vou fazeresses pratos em casa”, conta a servidora pública lotada noDetran, que confessa: “não sou uma boa cozinheira”.Durante a montagem dos pratos, as nutricionistasderam dicas de como economizar calorias na ceia e torná-laainda mais saudável. Melissa Capi, nutricionista da Cassems,explica que ao comprar o lombo no supermercado, o idealé pedir ao açougueiro que tire toda a gordura dele e já levepara casa uma carne bem mais magra.Já a nutricionista Fernanda Molina dá a dica de comodeixar o arroz selvagem mais gostoso. “O ideal é medir paracada copo de arroz, três copos d’água, pois esse tipo dearroz é um pouco mais difícil de cozinhar”, conta.Lilian Herrera preparou o salpicão com frango defumadoe explicou que é importante ficar atento aos rótulos dosalimentos. “Quando você passa a olhar cada embalagem dealimento percebe que nem sempre o que está escrito lighttem menos calorias do que um produto convencional”.Cozinha Experimental: Nutricionistas ensinam afazer ceia de Natal saudável e saborosaNo final do curso, as beneficiárias elogiaram o trabalhoda Cassems e saíram satisfeitas com o que aprenderam. Apolicial civil Célia Monreal já teve restaurante e confessa queantes só sabia cozinhar comidas com excesso de óleo, oque fazia muito mal para a saúde. “Hoje aprendi que possocomer uma comida saudável e saborosa ao mesmo tempo”.
  37. 37. 54EventosO presidente da Cassems, Ricardo Ayache, participou nodia 26 de novembro da abertura do 1° Seminário “Áfricaem Sala de Aula”, uma iniciativa do Departamento Anti--racismo da Federação dos Trabalhadores em Educação deMS (Fetems) e do Conselho Estadual dos Direitos do Negro(Cedime), em parceria com a Fetems. O objetivo do eventoé debater a efetiva aplicação da Lei Federal 10.639/2003.A legislação estabeleceu a obrigatoriedade do estudo dahistória da África, dos africanos e a luta dos negros, no cur-rículo escolar.Para Ayache, a exclusão negra está presente no racismocontemporâneo. “Esse racismo possui fortes componenteseconômicos, mas, sobretudo políticos, sociais e culturais.Um componente ideológico que tem sua raiz no nosso pas-sado colonial escravista. O presidente da Caixa dos Servido-res acredita que a educação pode reverter esses resquíciosque ainda acontecem em nosso país. “Ao inventar e paten-tear a caneta tinteiro, em 1890, o afro-americano WillianPurvis nunca imaginaria que, mais de um século depois,uma versão moderna do seu invento assinaria a posse doprimeiro presidente negro da história dos Estados Unidos.Até que Barack Obama chegasse ao posto de homem negromais poderoso do mundo, muitas foram as barreiras e difi-culdades enfrentadas para que o negro tivesse seu espaçona sociedade de forma igualitária”.Ayache lembrou ainda que a mesma caneta criada porPurvis e usada por Obama serviu de instrumento para queo ministro Joaquim Barbosa assinasse a sua posse comopresidente da Corte máxima do Estado brasileiro. “Barbosa,que tinha pai pedreiro e mãe dona de casa, lutou contratodo tipo de preconceito até se tornar membro do Supre-mo Tribunal Federal (STF) e, posteriormente, presidente”,destacou.Quem passou pela rua Barão do Rio Branco no dia 17de outubro teve a oportunidade de aferir a pressão arterial,glicemia capilar, além de receber informações sobre saúde,alimentação, nutrição, produção de alimentos e segurançaalimentar nutricional.O evento é realizado todos os anos e faz parte das fes-tividades alusivas ao “Dia Mundial da Alimentação”, come-morado ontem, e foi realizado pelo Conselho Estadual deSegurança Alimentar e Nutricional de Mato Grosso do Sul(Consea/MS). O tema deste ano, "Cooperativas Agrícolas –Chave para alimentar o mundo", foi escolhido para realçaro papel das cooperativas frente à segurança alimentar e àluta contra a fome.De acordo com a presidente do Consea/MS, OsvaldineteLopes de Oliveira Silva, o tema é escolhido pela Organizaçãodas Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).“De forma ampla, o objetivo é despertar o interesse daspessoas para o fortalecimento e expansão das cooperativasprodutoras de alimentos, valorizando assim a agriculturafamiliar que tem um papel importante na redução da po-breza na área rural”.A presidente salientou ainda que o evento tem o obje-tivo de conscientizar a população sobre a importância daalimentação saudável e equilibrada na promoção da saúde,além de divulgar o direito humano à alimentação saudável.Durante a comemoração, foram oferecidos à populaçãoserviços e informações sobre saúde, alimentação, nutrição,produção de alimentos e segurança alimentar nutricional.O evento superou as expectativas da organização. Se-gundo o conselheiro do Consea-MS, Antônio Borges dosSantos, passaram pelo circuito cerca de 2 mil pessoas. “Aspessoas que passaram por aqui estavam sedentas de infor-mação e preocupadas com a saúde, isso é muito interes-sante porque conseguimos atingir positivamente o nossopúblico-alvo”, comemorou.Cassems participa do 1° SeminárioÁfrica em Sala de AulaCaixa dos Servidores integraevento em comemoração aoDia Mundial da Alimentação

×