Cartilha prevencao doencas_infecciosas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Cartilha prevencao doencas_infecciosas

on

  • 5,058 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,058
Views on SlideShare
5,044
Embed Views
14

Actions

Likes
1
Downloads
89
Comments
0

2 Embeds 14

http://enfermagemeumaarte.blogspot.com 13
http://www.enfermagemeumaarte.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Cartilha prevencao doencas_infecciosas Document Transcript

  • 1. Cartilha de Prevenção dedoenças infeCCiosas Cuidar da saúde é uma atitude para toda a vida.
  • 2. doenças no ambiente de trabalho A relação entre trabalho e doença colocar em risco a saúde dos seus co- afeta as pessoas de maneira profun- legas de trabalho. da, trazendo à tona questões como o Adotar algumas medidas simples medo de perder o emprego, a ascen- pode ajudar a evitar a disseminação são profissional, a pressão por produ- de doenças no ambiente de trabalho, tividade e a busca por metas pesso- e também colaborar para a recupera- ais. Tudo isso pode levar o empregado ção mais rápida do empregado que se a negligenciar sua saúde, colocando- encontra doente. se em risco de agravamento de seu Lembre-se de que a responsabilida- quadro e gerando um problema muito de pela Saúde e Segurança do Traba- maior para si e para sua empresa. O lho não é exclusiva do empregador, e o indivíduo que comparece ao seu local envolvimento de todos é essencial na de trabalho quando acometido por al- prevenção das doenças no ambiente guma enfermidade contagiosa pode de trabalho. Como os microorganismos se espalham? Doenças como a gripe e resfria- contágio não ocorre pelo ar ou pelo dos normalmente são transmitidos contato com o doente, e sim pelo con- de pessoa para pessoa, quando a que tato direto com o vírus depositado nas está infectada tosse ou espirra. Em mãos, nos objetos e nas regiões próxi- outros casos, como na conjuntivite, o mas aos olhos. Professor doutor edimilson Migowski – Md, Phd, Msc - CRM: 52-44167-9 - Professor Adjunto Doutor – Infectologia Pediátrica da UFRJ - Chefe do Serviço de Infectologia Pediátrica do Instituto de Puericultura Martagão Gesteira da UFRJ - Diretor-Presidente do Instituto Prevenir É Saúde - Membro da Socieda- de Européia de Infectologia Pediátrica - Membro do Comitê de Infectologia Pediátrica da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro - Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações – RJ Beatriz ribeiro dos reis - CRM: 52-84998-7 - Médica Graduada pela UFRJ - Residente em Dermatologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho - UFRJ - Colaboradora do Instituto Prevenir É Saúde Reservado todos os direitos de publicação em língua portuguesa à Med line editora ltda - Estrada do Gabinal, 1521 – Jacarepaguá - CEP 22.763-153 – Rio de Janeiro – RJ – Brasil - Fone: (21) 3116-8300 É proibida a duplicação ou reprodução desta obra, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou quaisquer meios, sem permissão expressa da editora.2
  • 3. Como ajudar a parar a propagação de microorganismos?1) Cubra a boca e o nariz quando es- Seque as mãos com uma toalha depirrar ou tossir papel ou secador de ar. Se possível, use a sua toalha de papel para desli- Ao tossir ou espirrar, use sempre gar a torneira.um lenço de papel descartável. Sevocê não tiver um, cubra com as mãos Quando você deve lavar as mãos?sua boca e nariz, lavando-as em se-guida. Quando possível, lave as mãos com água e sabão. É a ação do sabão com-2) lave as mãos com água e sabão binada com a ação mecânica de esfre- gar as mãos que ajuda a remover os Molhe suas mãos com água corren- germes.te limpa e aplique o sabão. Use águamorna se estiver disponível. Esfregue as mãos para formar umaespuma e ensaboar todas as superfí-cies. Atenção para os espaços entreos dedos e para o polegar. Continue esfregando as mãos por20 segundos. Enxaguar bem as mãos com águacorrente. Quando não há água e sabão dispo- níveis, álcool gel pode ser usado. higienização de mãos: E ainda: sequência de lavagem de mãos • Antes de preparar ou ingerir alimen- tos; • Depois de ir ao banheiro; Molhe as mãos • Depois de trocar fraldas ou limpar uma criança que tenha ido ao ba- nheiro; Passe o sabão • Antes e depois de ter contato com alguém que esteja doente; esfregue bem por 20 segundos • Depois de assoar o nariz, tossir ou espirrar; enxágue completamente • Após lidar com um animal ou com resíduos produzidos por um animal; seque com • Após o manuseio do lixo; papel toalha • Antes e após o tratamento de um Use o papel para corte ou ferida; fechar a torneira lembre-se: Se o sabão e a água não Jogue o papel no lixo estão disponíveis, use álcool gel para limpar as mãos. 3
  • 4. 3) evite tocar seus olhos, nariz ou 5) vacine-se boca A vacinação é uma iniciativa funda- Os microorganismos são muitas ve- mental, considerando que seu custo é zes transmitidos quando uma pessoa relativamente baixo e que as vacinas toca em algo que está contaminado e realmente são capazes de salvar vi- depois toca nos olhos, nariz ou boca. das. Certifique-se de que você e seus Esses microorganismos podem sobre- filhos estão com o calendário vacinal viver por um longo tempo em superfí- atualizado. cies como maçanetas e mesas. Lembre-se de guardar com cuidado Em caso de contração ou sintomas os comprovantes de vacinação. característicos de gripe, descanse Os adultos geralmente necessitam bastante e procure atendimento mé- de doses de reforço contra o tétano e dico quando necessário. Seu empre- a difteria a cada 10 anos. gador pode precisar de um atestado Doses adicionais podem ser oca- médico para uma ausência justificada. sionalmente necessárias para a pro- Lembre-se: manter a distância de ou- teção de doenças quando de viagens tras pessoas quando se está doente para outros países. pode evitar a disseminação da doença Vacine-se contra a gripe anualmen- para o restante da comunidade. te. A vacinação anual é a melhor ma- neira de prevenir a gripe. 4) Pratique hábitos saudáveis 6) Use adequadamente os antibió- ticos Os antibióticos não funcionam con- tra vírus, tais como ocorre nas gripes e resfriados. Preste sempre atenção na data de validade impressa no rótulo da medi- cação. Não utilize medicamentos fora do prazo de validade. Em caso de dúvida, entre em con- tato com o seu médico e siga sempre as instruções do rótulo da medicação. Fonte: - Centers for Disease Control and Pre- vention (CDC) / Coordinating Center for Infectious Diseases, National Center for Fontes: Infectious Diseases. - PRONACI - Programa Nacional de Qua- lificação de Chefias Intermédias / AEP - Associação Empresarial de Portugal / Setembro de 2002 - Centers for Disease Control and Preven- tion (CDC): “Stopping germs at work” / Department of Health and Human Servi- ces / Março de 2007.4
  • 5. doenças imunopreveníveis e vacinas Em muitas atividades existe riscoaumentado de aquisição e de trans-missão de doenças infecciosas no am-biente de trabalho. No caso dos profis-sionais administrativos que trabalhamem escritórios, consideramos queestão sob um risco maior de contrairalgumas doenças, devido à aglomera-ção de pessoas em ambiente confina-do. Entre elas, podemos citar: hePatites • Sarampo; • Caxumba; A vacina contra a hepatite A é pro- • Rubéola; duzida a partir do vírus inativado, sen- • Influenza; do os efeitos adversos geralmente • Varicela (catapora). discretos, podendo ocorrer dor, verme- lhidão e edema no local da aplicação.Quais vacinas eu devo tomar? A aplicação é intramuscular, feita em duas doses, com intervalo de seis me- Para responder a esta pergunta, ses entre cada uma.devemos levar em consideração os A vacinação contra a hepatite B ériscos ocupacionais específicos de indicada de rotina pelo Ministério dacada atividade, bem como os riscos Saúde para pessoas com até 19 anosindividuais (doenças crônicas, idade, e integrantes de grupos de risco. Pes-entre outras), vacinas obrigatórias soas acima dessa idade ou que nãopelo Ministério da Saúde (MS), dentre integram os grupos de risco definidosoutros. pelo Ministério da Saúde devem se va- cinar em clínica privada credenciadatrÍPliCe viral (saraMPo, rUBÉo- junto à Anvisa ou nos programas dela e CaXUMBa) vacinação da empresa, caso disponí- A prevenção do sarampo, da ca- veis.xumba e da rubéola pode ser feitacom a vacina Tríplice Viral, composta hPvde vírus vivos atenuados, devendo ser Os principais tipos de HPV envol-aplicada por via intramuscular ou sub- vidos em infecções já podem ser evi-cutânea. É importante destacar que as tados por meio de vacinas segurasvacinas de vírus vivos atenuados são e eficazes. Já existem duas vacinascontra-indicadas para mulheres grávi- licenciadas no Brasil, direcionadas dedas e pessoas com comprometimento forma exclusiva ao sexo feminino. Umaimunológico. vacina que protege contra dois tipos causadores de câncer (16 e 18) e con-inflUenZa tra dois não causadores de câncer (6 A vacina contra a gripe deve ser e 11). A outra vacina comprovadamen-aplicada via intramuscular, em uma te protege contra os tipos 16, 18, 31 edose para os adultos, anualmente. 45, todos vírus causadores de câncer. 5
  • 6. As duas vacinas não oferecem qual- lar, a partir dos 2 meses de idade em 4 quer possibilidade da pessoa vacina- doses: 2, 4 e 6 meses, com reforço entre da desenvolver a doença pela vacina. 12 e 15 meses de idade. Os efeitos ad- Ambas as vacinas foram testadas em versos são raros, leves e passageiros. milhares de mulheres de diferentes Quando o esquema vacinal é iniciado idades. mais tardiamente, o número de doses As mulheres que desejam se vaci- aplicadas diminui. A vacina conjugada nar devem procurar clínicas de vacinas está indicada, de rotina, para crianças legalizadas e preferencialmente acre- menores de 9 anos de idade. ditadas pela sociedade Brasileira de Imunizações. A vacina é administrada doença MeninGoCÓCiCa em regime de 3 doses por via intra- A Neisseria meningitidis (meningo- muscular. coco), é responsável por 30% a 40% das meningites no Brasil. Dos três difteria, tÉtano e CoQUelUChe tipos mais comuns no mundo (A, B e O Ministério da Saúde recomenda a C), os dois últimos estão presentes no vacinação contra a difteria e o tétano, Brasil. A doença meningocócica é mui- a cada 10 anos, com a vacina dupla to mais prevalente em crianças, mas (dT). Contudo, essa prática ainda está pode ocorrer em adultos, portanto a longe de ser rotina entre os adultos, o vacinação anti-meningocócica do tipo que reforça a necessidade de cons- C conjugada deve ser considerada, cientização. tendo em vista a potencial gravidade da doença. variCela feBre aMarela O motivo pelo qual se recomenda esta vacina é o mesmo da gripe, ou A febre amarela é uma doença in- seja, quanto maior a aglomeração de fecciosa causada por um vírus, sendo pessoas, maior o risco de contágio. adquirida quando uma pessoa não va- A vacina contra a catapora, a partir cinada entra em áreas de transmissão dos 13 anos de idade, deve ser aplica- silvestre (regiões de cerrado, florestas). da em duas doses com intervalo de 8 A vacina contra a febre amarela semanas. Se você nunca teve catapo- confere imunidade por pelo menos dez ra, ou não tem certeza, o melhor é va- anos. É aplicada por via subcutânea na cinar. Esta vacina é recomendada pela região deltóidea (braço), e são neces- Sociedade Brasileira de Imunizações, sários 10 dias para início da proteção. mas não está disponível para todas as pessoas na rede pública. Fontes: - Imunização e Prevenção nas Empresas infeCção PneUMoCÓCiCa - Um Guia de Orientação para a Saúde A bactéria Streptococcus pneu- dos Negócios e do Trabalhador / Isabella moniae, mais conhecida por pneu- Ballalai, Edimilson Migowski – Rio de Ja- mococo, é responsável por doenças neiro, 2006 – Associação Brasileira de bacterianas, como a otite média, a Imunizações (SBIm) pneumonia, a sinusite e a meningite. - Centro de Informação em Saúde para A vacina conjugada 7 valente é efi- Viajantes (CIVES): Febre Amarela. Dispo- caz contra 7 tipos de pneumococo, de- nível em: http://www.cives.ufrj.br/infor- vendo ser aplicada, por via intramuscu- macao/fam/6
  • 7. Gripe sazonalo que é? Prevenção É uma infecção respiratória cau- A gripe pode ser evitada através desada pelo vírus Influenza, sendo alta- vacinas ou redução de contato commente contagiosa. pessoas infectadas. A vacina deve ser aplicada anualmente.Como se pega? PerGUntas e resPostas Através do contato próximo entrepessoas, por objetos, ou através do 1) Qual é a diferença entre gripe e res-contato das mãos contaminadas com friado?os olhos, nariz e boca. A transmissão Gripe e resfriado são duas doençastambém ocorre por inalação de gotícu- causadas por vírus distintos, que pro-las de saliva contendo o vírus, expeli- duzem sinais e sintomas diferentes. Odas através da respiração, fala, tosse resfriado instala-se lentamente e mal-e espirros de uma pessoa doente. estar associado costuma ser leve. Já a gripe é uma doença de maior gravi-sintomas dade e intensidade, com risco de com- • Febre elevada (39°C a 41°C); plicações. • Calafrios; • Face avermelhada; 2) Gripe só se pega uma vez ao ano? • Dor de cabeça; Não, como existem vários tipos de • Mal-estar e dores musculares; vírus, existe a possibilidade de ocorrer • Coriza e congestão nasal; mais de uma vez no mesmo ano. • Dor de garganta. 3) a vacina pode fazer com que o indi-Complicações víduo fique doente depois de aplicada? • Pneumonia; A vacina da gripe não causa a do- • Otite média aguda; ença em hipótese nenhuma, porque • Sinusite. não contém o vírus vivo. Entretanto, é frequente que a iniciativa de tomartratamento a vacina se dê em plena estação da doença, até por uma tentativa de se Consiste em repouso, aumento da proteger ao ver pessoas próximasingestão de líquidos e em manter a adoentadas. Nessa situação, a vacinaalimentação. Medicações sintomáti- é recebida quando o vírus da doençacas para baixar a febre (antipiréticos) já vinha sendo incubado, coincidindoe analgésicos podem ser utilizados. então o evento da vacinação com oExiste um medicamento específico surgimento da doença.(oseltamivir) que, quando administra-do precocemente (nos dois primeiros Fonte:dias), ajuda a reduzir as manifesta- Texto de Juliana Góes Martins, Gabrielações clínicas, as complicações e o ris- Vanderlinde, Beatriz Ribeiro dos Reis eco de transmissão do vírus. Edimilson Migowski. 7
  • 8. influenza a (h1n1) o que é? O vírus H1N1 é um novo vírus in- fluenza capaz de causar doença em humanos e de se propagar de pessoa a pessoa, da mesma forma que os de- mais vírus influenza. Como se pega? Através do contato de pessoa a pessoa, principalmente através de go- tículas respiratórias (tosse ou espirro), ou através do contato com superfícies Grupos de risco para complicações contaminadas. • Portadores de doenças crônicas; • Imunodeprimidos; • Gestantes; • Idosos com mais de 60 anos; • Crianças com menos de 2 anos. tratamento O uso de Oseltamivir (Tamiflu®) precocemente, nos dois primeiros dias após os sintomas, é capaz de reduzir a gravidade da doença. Anti- térmicos também estão indicados; no entanto, contraindica-se o uso de áci- do acetilsalicílico (AAS) pelo risco de complicações. sintomas • Febre; • Dor de cabeça; • Tosse, dor de garganta, coriza; • Dor no corpo; • Vômitos ou diarreia. Complicações São semelhantes àquelas que ocor- rem com o vírus da gripe sazonal: • Agravamento das doenças crôni- cas prévias; • Sinusite; • Otite média; • Pneumonia.8
  • 9. Medidas preventivas PerGUntas e resPostas • Frequente higienização das 1) o vírus h1n1 é mais intenso do que mãos; • Utilizar lenço descartável para o normal? higiene nasal; Até o momento, o vírus A (H1N1) não • Cobrir nariz e boca quando es- se apresentou mais grave ou mortal. pirrar ou tossir; • Evitar tocar mucosas de olhos, 2) É preciso usar máscara para evitar nariz e boca; o contágio? • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar. A principal forma de transmissão não é pelo ar, mas sim pelo contato com superfícies contaminadas. Por isso o uso de máscaras pela popula- ção não é eficiente. 3) a pessoa que teve influenza cria imunidade ao vírus? Sim. Depois de contrair a doença, o organismo humano cria defesas contra o “inimigo”, evitando futuras infecções pelo mesmo vírus. 4) Quais são os sintomas dos casos graves da gripe a? Pessoas com febre acima de 38°C, tosse, dificuldade respiratória, acom- panhada ou não de dor de garganta ou manifestações gastrointestinais. 5) o vírus h1n1 pode ser transmitido às pessoas pelo consumo de carne de porco?Fontes:- Centers for Disease Control (CDC): Não há evidências de transmissãoH1N1 Flu Information. Disponível em: do vírus H1N1 pelo consumo de carnehttp://www.cdc.gov/h1n1flu/abouth1n1. de porco.htm- Ministério da Saúde (MS): Influenza A 6) todos os casos devem ser trata-(H1N1): Perguntas e Respostas. Dispo- dos com antiviral?nível em:http://portal.saude.gov.br/portal/ A maioria dos casos se apresentasaude/profissional/visualizar_texto. da forma leve e se cura com hidrata-cfm?idtxt=31267 ção, boa alimentação e repouso. 9
  • 10. Conjuntivite infecciosa o que é? uso pessoal de outras pessoas; • Siga as instruções do seu oftalmo- É a inflamação da membrana que en- logista sobre o cuidado apropriado volve parte do globo ocular devido a um com as lentes de contato. agente infeccioso, geralmente um vírus. Em geral, acomete os dois olhos, po- dendo durar de 7 a 15 dias. É comum en- PerGUntas e resPostas tre crianças, sendo muito contagiosa. Um indivíduo com conjuntivite viral 1) Quanto tempo duram os sintomas? pode transmitir o vírus durante sete a 14 dias após o início dos sintomas. Em média 7 dias; em alguns casos os sintomas são mais exacerbados; em ou- Como se pega? tros, a doença é branda, não afetando as Através da ingestão de água ou ali- tarefas habituais do indivíduo. mentos contaminados com bactérias fecais, por exemplo: 2) a conjuntivite deixa sequelas? Normalmente, não. Caso haja algum sintomas dos sintomas citados abaixo, a pessoa • Vermelhidão; deve procurar imediatamente um of- • Inchaço das pálpebras; talmologista para saber a gravidade do • Queimação; problema. • Sensação de “areia nos olhos”; • Lacrimejamento; sintomas • Secreção ocular (“remela”); • Alterações visuais; • Sensibilidade à luz; • Dor intensa nos olhos; • Diminuição da visão. • Febre; • Secreção contínua após o término Cuidados da medicação; • Não coçar os olhos; • Aumento da sensibilidade à luz. • Aplicar compressas frias de água anteriormente fervida, soro fisiológi- 3) Posso continuar com minhas ativida- co ou água boricada; des habituais? • Lavar as mãos com água e sabão Não há problema em continuar lendo, frequentemente; assistindo TV ou em usar o computador, • Trocar as toalhas e fronhas diaria- contanto que não haja desconforto. mente; • Não tomar banhos de banheira, pis- Fontes: cina ou de mar. - Centers for Disease Control (CDC): H1N1 Flu Information. Disponível em: Prevenção http://www.cdc.gov/ncidod/dvrd/revb/res- • Não toque os olhos com as mãos; piratory/eadfeat.htm • Lave bem as mãos e com frequência; - Mayo Clinic Health Information. Disponí- • Mude sua toalha diariamente, e não vel em: a compartilhe com os outros; http://www.mayoclinic.com/health/pink- • Não utilize cosméticos ou artigos de eye/DS0025810
  • 11. diarreia infecciosao que é? • Sirva os alimentos imediatamente ou leve-os à geladeira logo após te- É definida como uma diminuição na rem sido cozidos ou requentados;consistência das fezes e um aumento na • Evite alimentos crus (carne, fruta efrequência de evacuações (mais de 2 ve- legumes) ou mal cozidos;zes por dia), causada por vírus, bactérias • Dê preferência à água mineral, nãoou parasitas. beba refrigerante diretamente da lata;Como se pega? • Evite a água da torneira e cubos de Através da ingestão de água ou ali- gelo de procedência duvidosa.mentos contaminados com bactériasfecais, por exemplo. PerGUntas e resPostassintomas 1) Quanto tempo duram os sintomas? • Aumento do número de evacuações e diminuição da consistência das fe- Em média, de 4 a 5 dias, mas podem zes; persistir por até uma semana. • Fezes de odor fétido; • Distensão abdominal e gases; 2) devo continuar com minhas ativida- • Cólicas; des? • Náuseas e vômitos; Nos primeiro 3 dias, é melhor perma- • Febre. necer em casa, se hidratando. Ao retor- nar ao trabalho, redobrar os cuidadosComplicações com a higiene pessoal, para evitar a pro- Em casos severos, a diarreia pode ge- pagação.rar desidratação, distúrbios nutricionais eagravar doenças crônicas pré-existentes. 3) Quando procurar um médico? • Diarreia persistente por mais de trêstratamento dias; Normalmente não requer tratamento • Sintomas de desidratação: sede ex-específico, mas algumas medidas auxi- cessiva, boca seca, diminuição doliam na recuperação: volume de urina, fraqueza severa, • Ingerir bastante líquido; tonturas ou vertigens, ou urina de • Evitar o consumo de alimentos gor- cor escura; durosos, ricos em fibras, leite e os • Dor abdominal ou retal grave; seus derivados; • Sangue nas fezes ou fezes escuras; • Evitar bebidas que contenham cafe- • Febre acima de 39°C. ína, como chás, café e refrigerantes tipo “cola” e o álcool, que pode ace- Fontes: lerar a desidratação. - Centers for Disease Control (CDC): Pa- • rasitic Disease Information. Disponível em:Prevenção http://www.cdc.gov/ncidod/dpd/parasites/ diarrhea/factsht_chronic_diarrhea.htm • Lave bem as mãos, antes e depois - Mayo Clinic Health Information. Disponí- das refeições e ao usar o banheiro; vel em: • Consuma apenas produtos lácteos http://www.mayoclinic.com/health/diar- que tenham sido pasteurizados; rhea/DS00292 11
  • 12. hepatite a o que é? A hepatite A é uma doença causada por um vírus que afeta as células do fí- gado. Como se pega? Através do contato de material con- taminado com resíduos de fezes com a boca (transmissão fecal-oral). Esse tipo de transmissão pode ocorrer entre pes- soas, através de água ou de alimentos contaminados. Prevenção sintomas • Higiene; • Febre; • Qualidade da água; • Mal-estar; • Saneamento básico; • Falta de apetite; • Vacinação. • Náuseas e vômitos; • Dor no abdome; • Diarreia; PerGUntas e resPostas • Icterícia (olhos e pele amarelados); • Fezes claras e urina escura. 1) Qual a importância de se discutir hepatite a? Complicações Como a principal forma de transmis- Três complicações estão associadas são é fecal-oral, é essencial divulgar a à hepatite A: necessidade de bons hábitos de higiene, 1) Recorrência: dois ou mais surtos de além da necessidade de água de boa hepatite intercalados por intervalos sem qualidade e saneamento básico. Ou- sinais e sintomas. tro fator importante a ser divulgado é a 2) Colestase: o escurecimento da uri- existência da vacina, desconhecida por na, o descoramento das fezes e a icterí- muitos. cia são os principais sintomas. 3) Insuficiência hepática aguda grave 2) É crendice popular, ou realmente – hepatite fulminante: é uma forma rara deve-se comer suspiros, tomar chá de de apresentação. Pacientes que já apre- picão (e utilizá-lo inclusive para ba- sentam alguma doença no fígado estão nhos) e evitar alimentos alaranjados? mais propensos a desenvolver esta for- É crendice popular, não havendo be- ma da doença. nefícios comprovados com tais atitudes. A única restrição absoluta é a ingestão tratamento de álcool. Não existe um tratamento específico para hepatite A, entretanto, recomenda- se repouso relativo (limitação discreta Fonte: das atividades físicas), dieta equilibrada Texto de Mariana Cunha Soares da Rocha, e, quando necessário, o uso de medica- Cássia Vaz, Beatriz Ribeiro dos Reis e Edi- mentos para os sintomas. milson Migowski.12
  • 13. hepatite Bo que é? tratamento É uma doença causada por um vírus • Repouso relativo;conhecido como vírus da hepatite B. • Dieta equilibrada; • Medicamentos sintomáticos paraComo se pega? alívio das náuseas.O vírus pode ser transmitido: Prevenção • Da mãe para o filho durante a ges- tação; A vacinação ainda é o meio mais efi- • Através da relação sexual desprote- caz para a prevenção da doença. Nas gida com indivíduo contaminado; pessoas não vacinadas e expostas ao • Através de acidentes com objetos vírus, deve-se aplicar uma espécie de cortantes ou perfurantes contami- soro (imunoglobulina) em até no máximo nados; 24-48h. • Por transfusão com sangue conta- minado. PerGUntas e resPostas 1) existem fatores que aumentam o risco de cronificação da doença? O risco é maior em quem usa bebida alcoólica, nos bebês e em pessoas com baixa imunidade (pacientes com AIDS, em quimioterapia ou radioterapia, por exemplo).sintomas 2) a vacinação contra hepatite B re- duz a frequência de câncer no fígado? • Náuseas; • Febre; Estudos recentes têm demonstrado • Mal-estar generalizado; uma queda considerável da incidência de • Falta de apetite; câncer de fígado em países que adota- • Fadiga; ram o esquema vacinal contra o VHB. • Dor abdominal; • Coceira no corpo; 3) o que podemos fazer para diminuir • Vômitos; casos da doença no Brasil? • Urina escura, fezes claras; A melhor maneira de diminuir sua inci- • Coloração amarelada das mucosas dência é através da vacinação e da ativi- e da pele (icterícia ou “amarelão”). dade sexual com proteção (uso de cami- sinha). Materiais como escovas de denteComplicações e lâminas de barbear devem ser de uso Em raros casos, pode ocorrer o que pessoal e não coletivo.se chama de hepatite fulminante, onde aresposta do organismo é tão exageradaque há destruição maciça das células do Fonte:fígado, e que pode ser fatal. Nos casos Texto de Henrique Valente Menezes Costa,em que a doença se torna crônica, há ris- Cássia Vaz, Beatriz Ribeiro dos Reis e Edi-co de cirrose e câncer de fígado. milson Migowski. 13
  • 14. hepatite C o que é? ron, que diminui a chance da doença se tornar crônica, mas essa medida não é A hepatite C é uma doença que afeta 100% eficaz. as células do fígado, sendo causada pelo vírus da hepatite C (VHC). Prevenção Como se pega? Usar sempre material esterilizado quando necessitar colher sangue ou re- • Transfusão com sangue contamina- ceber alguma medicação injetável. do; Nunca compartilhar seringas ou obje- • Compartilhamento de seringas entre tos contaminados por sangue. usuários de drogas intravenosas; Lembrar que a colocação de piercings • Acidentes com agulhas e seringas e tatuagens representam fatores de ris- contaminadas; co para hepatite C. • Transmissão vertical (mãe para filho durante a gestação); PerGUntas e resPostas • Transmissão sexual. 1) há cura para hepatite C? sintomas Apenas 20% dos pacientes conse- A infecção em sua fase inicial geral- guem combater a infecção. Os outros se mente não provoca sintomas. Após um tornam portadores crônicos. Estes fa- período de 6 a 7 semanas, os pacientes zem tratamento visando conter o avan- podem se queixar de: ço da doença. • Cansaço; • Falta de apetite; 2) há vacina para hepatite C? • Febre; • Dor de cabeça; Não há no momento nenhuma vacina • Náuseas; aprovada para prevenção da hepatite C. • Dor abdominal; • Icterícia (amarelão); 3) todos que têm hepatite vão desen- • Dor nas juntas (artralgia). volver cirrose ou câncer? Não necessariamente. A infecção Complicações aumenta e muito a possibilidade do pa- A principal complicação é a infecção ciente desenvolver essas doenças, mas crônica. Após a fase inicial da infecção, é um processo lento e que depende da o paciente pode ficar muitos anos sem relação que ocorre entre as células do apresentar os sinais de infecção pelo paciente e a capacidade do vírus de in- VHC, que gradativamente vai lesando as duzir a doença. células do fígado, podendo evoluir para cirrose e câncer hepático. 4) Quem tem hepatite C está livre de ter a hepatite a e B? tratamento Não, são vírus diferentes e os pacien- • Repouso; tes que estiverem com o VHC devem ser • Aumento da ingestão de líquidos. vacinados contra as hepatites A e B. Na hepatite aguda pode ser utilizado, Fonte: de acordo com protocolo clínico especí- Texto de Cássia Vaz, Beatriz Ribeiro dos fico, um medicamento chamado interfe- Reis e Edimilson Migowski.14
  • 15. doenças sexualmente transmissíveiso que são? recidivantes (herpes); outras possuem tratamento muitas vezes curativo (HPV), As doenças sexualmente transmis- e outras se tornam doenças sistêmicassíveis (DST) são infecções transmitidas crônicas (HIV).por meio do contato sexual, seja hete-rossexual ou homossexual. Como se prevenir contra as doenças se- xualmente transmissíveis?Como se pega? 1. Testes de rastreio: feitos nas pesso- Muitas DST não causam sintomas. as que não têm sintomas da doença,Assim, é possível contrair DST mesmo mas que de alguma forma possam terde pessoas que parecem perfeitamen- sido expostas a uma DST;te saudáveis, sempre que tiver relaçõessexuais desprotegidas com um parceiro 2. Vacinação: existem vacinas dispo-infectado. níveis contra algumas DST, como o papilomavírus humano (HPV) e a he- patite B;sintomas 3. Tratamento preventivo e notificação • Feridas (úlceras): podem aparecer dos parceiros de pessoas portadoras nos órgãos genitais ou em qualquer de DST; parte do corpo. Algumas doem, ou- tras não; 4. Pratique sexo seguro: utilize preser- • Corrimentos: no homem aparece no vativos em todas as suas relações canal da uretra e na mulher na va- sexuais, durante toda a relação! gina, no canal da uretra ou no ânus. Podem ser esbranquiçados, esver- deados ou amarelados; inodoros ou com cheiro forte e ruim; • Verrugas: são como caroços; podem parecer uma couve-flor quando a doença está em estágio avançado; • Ardência ou coceira; • Dor e mal-estar: dor na região do umbigo, na parte baixa da barriga, ao urinar, ao evacuar ou nas rela- ções sexuais.Complicações Podem causar disfunção sexual, esteri-lidade, aborto e malformações fetais, alémde que podem predispor ao câncer e favo-recer a transmissão de outra doença (porexemplo, o HIV).tratamento O tratamento das DST causadas porbactérias é feito com antibióticos. Já as DST virais possuem compor-tamento distinto: algumas se tornam 15
  • 16. PerGUntas e resPostas de preservativos; compartilhamento de seringas e agulhas; transfusão de san- PerGUntas e resPostas gue contaminado pelo HIV; reutilização de objetos perfuro-cortantes com pre- 1) atualmente, ainda se fala em “grupo sença de sangue ou fluidos contamina- de risco” para a aids? dos pelo HIV. Essa distinção não existe mais. Atu- 3) Quais as providências a serem toma- almente, fala-se em comportamento de das quando se suspeita de uma dst? risco, pois o vírus passou a se espalhar de forma geral, não mais se concentran- É imprescindível que a pessoa procure do em grupos específicos. um médico para que sejam realizados o diagnóstico precoce e o tratamento ade- 2) o que se considera um comporta- quado da doença. mento de risco? Relação sexual (homo ou heterosse- xual) com pessoa infectada, sem o uso Fontes: - Ministério da Saúde (MS): DST, Aids e He- patites Virais. Disponível em: http://www.aids.gov.br/data/Pages/LU- MIS3B1DE647PTBRIE.htm - Sociedade Brasileira de Dermatologia. Disponível em: http://www.sbd.org.br/publico/temas/dst. aspx - Mayo Clinic Health Information. Disponí- vel em: http://www.mayoclinic.com/health/sexu- ally-transmitted-diseases-stds/DS0112316
  • 17. Prevenção das doenças da Pele A pele é o maior órgão do nosso cor- fotoenvelhecimento: se refere aopo, e desempenha as funções de reves- dano causado na pele devido à exposi-timento e proteção contra os agentes ção prolongada à radiação UV durante aexternos, e de interação do organismo vida de uma pessoa.com o meio ambiente.Principais doenças de pele Câncer de pele: o melanoma é o tipomais grave de câncer de pele, e se de-senvolve a partir das células que produ-zem a melanina - o pigmento que dá corà pele. A exposição aos raios ultravioleta(UV) do sol ou de lâmpadas de bronzea-mento artificial aumenta o risco de de-senvolver melanoma. A seguir, um guia resumido que irá aju-dar a identificar uma lesão suspeita:a: assimetria. Uma lesão assimétrica, Micoses: são causadas por fungos, com formas irregulares; que podem se manifestar como manchasB: Borda. Bordas irregulares, de relevo brancas ou vermelhas que causam co- elevado ou deprimidas; ceiras, em áreas de dobras como axilas,C: Cor. Lesões de várias cores, ou que virilhas, entre os dedos das mãos e pés. apresentem mudança no padrão ha- bitual de cor, ou que apresentem dis- herpes: é uma infecção causada tribuição anormal da cor; pelo vírus Herpes simplex. Os sintomasd: diâmetro. Atenção para lesões com da infecção são inicialmente coceira e mais de 6 mm ou que apresentem ardência, seguidas pela formação de crescimento rápido; bolhas agrupadas sobre uma área aver-e: evolução. Observe as mudanças ao melhada, as quais se rompem liberando longo do tempo, como uma mancha líquido rico em vírus e formando uma fe- que cresce de tamanho, muda de cor rida. Após a resolução do quadro, o vírus ou forma, ou novos sintomas, como permanece latente, até que venha a ser coceira ou sangramento. reativado, geralmente devido a fatores desencadeantes como exposição à luz solar intensa, estresse físico e mental, febre ou outras infecções que diminuam a resistência orgânica. 17
  • 18. larva migrans cutânea: também • Levar periodicamente seus animais conhecida como bicho geográfico, é de estimação ao veterinário; causada pela penetração de larvas de • Observar a qualidade e condições parasitas de animais presentes no solo de balneabilidade do mar e da areia na pele do ser humano, deixando um antes de passear pela praia. verdadeiro “rastro” na pele, como um mapa, causando coceira, queimação e 3) Consulte seu dermatologista vermelhidão no local. Ao primeiro sinal de alguma alteração na pele, procure o seu médico dermato- logista. Evite a automedicação e o uso Como se prevenir contra as doenças de receitas caseiras, que podem mas- da pele? carar o quadro, prejudicando o correto 1) Fotoproteção diagnóstico e o tratamento da doença. • Utilizar filtro solar diariamente, mes- mo em dias nublados ou de chuva; • Não se expor ao sol no período de PerGUntas e resPostas 10h às 16h; • Utilize óculos escuros com lentes 1) Pintas e sinais podem virar câncer? que contenham proteção contra ra- Sim, alguns tipos de sinais podem se diação UVA/UVB; transformar em melanoma. Atenção aos • Chapéus com abas largas também sinais de alarme (ABCDE) descritos ante- auxiliam na fotoproteção. riormente. 2) Banho quente faz mal à pele? A temperatura ideal para o banho é morna. Água muito quente pode estimu- lar a secreção de mais oleosidade nas áreas de pele oleosa, assim como o uso excessivo de sabonetes. 3) Qual filtro solar usar? O filtro solar com FPS 15 já bloqueia a maior parte dos raios UV. Entretan- to, quanto maior o fator de proteção, maior será o tempo de duração da ação do filtro solar. Mesmo filtros solares de FPS alto devem ser reaplicados a cada 2 horas. Fontes: 2) Higiene pessoal - Sociedade Brasileira de Dermatologia. • Após o banho, secar todas as áreas Disponível em: de dobras da pele; http://www.sbd.org.br/publico/temas/mi- • Evitar contato direto com o chão de cose.aspx banheiros e vestiários; - Mayo Clinic Health Information. Disponí- • Evitar o uso de roupas muito justas; vel em: • Não compartilhar objetos de uso http://www.mayoclinic.com/health/mela- pessoal; noma/DS0043918
  • 19. vamos acabar com a dengue A dengue é uma doença infecciosa bientes úmidos em água parada, limpaaguda de curta duração e gravidade va- ou suja. Assim, é fundamental a partici-riável que se desenvolve em áreas tropi- pação e a mobilização de toda a comu-cais e subtropicais, causada por um vírus nidade nas ações preventivas, como ase transmitida pela picada do mosquito descritas abaixo.fêmea Aedes aegypti infectado. • Elimine reservatórios de água pa- A fêmea deposita seus ovos em reci- rada: vasos de plantas, garrafas,pientes com água, onde as larvas, ao saí- pneus, calhas de telhados, canale-rem dos ovos, vivem por uma semana até tas, folhas de plantas, tocos e bam-se transformarem em mosquitos adultos, bus, entre outros;vivendo em média 45 dias. Ao picar uma • Tampe os grandes depósitos depessoa que apresenta o vírus da dengue água e remova sempre o lixo;no sangue, o mosquito se infecta e, após • Limpe os recipientes de água: nãoaproximadamente dez dias, está apto a basta apenas trocar a água do vasotransmitir a doença para as pessoas. de planta ou esterilizar a água. É preciso lavar as laterais e as bordas O Aedes aegypti mede menos de 1 do recipiente porque os ovos nãocentímetro, tem aparência inofensiva e morrem mesmo que o recipiente fi-cor café com manchas brancas no corpo que seco.e nas pernas. O mosquito pica durante Lembre-se ainda não existe vacina con-o dia, ao contrário do mosquito comum, tra a dengue. Por isso, a ajuda de todose a pessoa pode não perceber a picada. é fundamental.O intervalo entre a picada do mosquitoe a manifestação da doença chama-seperíodo de incubação, que pode variar de dengue Clássica3 a 15 dias (a média é de 5 a 6 dias). Nãohá transmissão pela ingestão de água e Febre alta com início súbito; forte doralimentos ou pelo contato com a pessoa de cabeça; dor atrás dos olhos; perdadoente ou seus objetos. Os sintomas se do paladar e do apetite; moleza e dormanifestam a partir do terceiro dia. Há no corpo; dores nos ossos e nas arti-duas formas de dengue, a dengue clás- culações; manchas e erupções na pele,sica, mais comum e que raramente mata, principalmente em tórax e membros su-e a dengue hemorrágica, cujo quadro se periores; náuseas, vômitos e tontura; eagrava rapidamente, podendo levar à extremo cansaço.morte em até 24 horas. De acordo comestatísticas do Ministério da Saúde, cer- dengue hemorrágicaca de 5% das pessoas com dengue he-morrágica morrem. Os mesmos sintomas da dengue clás- sica somados aos seguintes sinais de Confira na tabela os sintomas da alerta: dores abdominais fortes e contí-dengue. Caso apareçam algumas des- nuas; vômitos; pele pálida, fria e úmida;sas manifestações, procure o serviço de sangramento pelo nariz, boca e gengiva;saúde mais próximo. manchas avermelhadas na pele; sede excessiva e boca seca; pulso rápido eMedidas de Prevenção fraco; e dificuldade respiratória. O melhor método para combater adengue é evitando a procriação do mos- Fonte:quito Aedes aegypti, que é feita em am- Ministério da Saúde revista interação 46 19
  • 20. Julho/2010As informações contidas neste material são indicativas. Em caso de dúvida procure o seu médico. CRC – Central de Relacionamento com o Cliente: 0800 701 2700 SAC – Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800 727 9966 CAS – Central de Atendimento ao Surdo: 0800 701 2708 Ouvidoria: 0800 701 7000 www.bradescosaude.com.br