Seminário Estadual 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Seminário Estadual 2011

on

  • 480 views

 

Statistics

Views

Total Views
480
Views on SlideShare
480
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Seminário Estadual 2011 Seminário Estadual 2011 Document Transcript

    • SEMINÁRIO ESTADUAL DE AVALIAÇÃO EPLANEJAMENTO - RIO GRANDE DO SULSapucaia do Sul, 2 a 4 de dezembro de 2011. Escola Fátima.
    • SEXTA (2/12)ACOLHIDA E JANTATREM DA HISTÓRIAContar trajetória da Campanha contra Violência desde seu surgimento. 2008 – 15ª Assembleia Nacional das Pastorais da Juventude do Brasil 2009 – Lançamento Nacional da Campanha 2010 – Lançamento Estadual da Campanha Seminários de Planejamento 2011 – Formações de MultiplicadoresDESCANSOSÁBADO (3/12)CAFÉ DA MANHÃORAÇÃOMantraLeitura do Bom PastorOlhar fotos das atividades de 2011.Ciranda: “Temperança”APRESENTAÇÕESApresentação dos participantes:Pastoral da Juventude Rafael (Canoas)Tanise (Porto Alegre) Jéferson (Canoas)Victor (Pelotas) Frei Laércio (Canoas)Patrícia (Porto Alegre) Ir Fátima (Canoas)Pâmela (Caxias do Sul) Ir Erenita (Canoas)Anelise (Caxias do Sul)Sérgio (Stª Cruz do Sul) Pastoral da Juventude EstudantilElisiane (São Leopoldo) Ir Ana Carla (Sapucaia do Sul)Tiago (Esteio) Marcius (Sapucaia do Sul)Paula (Caxias do Sul) Marcelo (Sapucaia do Sul)Franciele (Pelotas) Hélen (Sapucaia do Sul)Douglas (Gravataí) Deborah (Sapucaia do Sul) 2
    • Willian (Canoas) Mateus (Porto Alegre)Brenda (Porto Alegre)Bruna (Sapucaia do Sul) Levante Popular da Juventude Rafael (Porto Alegre)Pastoral da Juventude Rural Gabriele (Porto Alegre)Cristiano (Arroio do Meio) ONG Trilha CidadãNúcleo Betânia Fabiane (São Leopoldo)Luana (Porto Alegre) Pe Edson Thomassin (São Leopoldo)CEBI-RS Setor Juventude do Vicariato deJosé Luis (São Leopoldo) Canoas – Pe Leonardo Reichert (Canoas)Juventude LibReJoana (Porto Alegre)Apresentação da assessora metodológica: Alessandra Miranda (ComissãoNacional de Assessores/as da Pastoral da Juventude).VER - ESTUDO [Alessandra]*Para início de conversa é importante pontuar algumas coisas: -Tipos de Violência -Violências que assolam a juventude? - O que queremos com a Campanha? -Trajetória da Campanha? “Temos uma intencionalidade política e vocês têm que dar conta dessa intencionalidade.” (Alessandra)*É importante ter presente que estamos numa conjuntura cultural e políticalatino-americana.*Expectativas para o Seminário:Zé Luis (CEBI-RS): “Poder se integrar ao grupo; se inserir nas ações do CEBI,convidar e chamar o CEBI para as ações da Campanha.”Tanise (PJ): “Momento de repensar outras coisas, reconstruir”.Rafael (PJ): “Objetivar posicionamento político.”Pâmela (PJ): “Conseguir saber o que fazer depois de um ano de formação.”*Videoclipe da banda Calle 13 “Latinoamericanos”. (disponível no Youtube:http://www.youtube.com/watch?v=Ji32tulh8Vw)*Retomada dos grupos presentes: 3
    • Juventude LibRe: movimento estudantil, traz novas caras para a Campanha.Levante Popular da Juventude: grupos de jovens da periferia também atuamcom movimento estudantil, estão em processo de nacionalização (terãoAcampamento Nacional de Articulação).VER - MAPA DA VIOLÊNCIA 2011 [Alessandra]*A Campanha está intimamente conectada com o nosso trabalho de base. Nãopodemos justificar nossa ação apenas com os dados. É importante ressaltar asvivências que temos nos grupos, os relatos de violência que nos desinquietam.*Mapa da Violência aponta para novos padrões da mortalidade juvenil. Sãodiferenciadas as mortes por causas naturais das causas externas. CAUSAS NATURAIS: doenças, por exemplo. CAUSAS EXTERNAS: assassinatos, mortes no trânsito, por exemplo.*Provocações: “Por que a juventude quer viver?” e “Por que a juventude nãotem vivido?”. Cochichos por proximidade.Por que a juventude quer viver? Por que a juventude não tem vivido?Atenção às necessidades específicas Falta de Políticas Públicas de(PEC da Juventude, Políticas Públicas Juventude. Violências cotidianas (ex:de Juventude). consumismo).Realizar os sonhos, se auto-realizar Falta de oportunidades; agressões(estudo, …) pelo ‘desenvolvimento’ como no caso das hidrelétricas.Sonhos, liberdade, projetar a Sentimento de privação; sociedadeesperança, “se descobrir”. que encara a juventude como ‘aquele que deve ser’ no futuro e não no presente.Projeto de vida. Desmobilização da juventude.Viver é amplo e está de acordo com a Outras vontades.realidade específica.Época de possibilidades. Privação de direitos.Época de experimentação e Adulto moldando a juventude.descoberta. Projeto que não possibilita autonomia para juventude.*Importante termos presente que a estamos em um tempo onde a juventudeestá em pauta: -Estereótipo para uma sociedade juventudocêntrica. -Diversas organizações discutem juventude por diversos motivos: controle, manutenção, autonomia. 4
    • -Se quer, mas anda não é a hora da juventude: se projeta a juventude para o futuro. “Temos perspectivas de mudanças voltadas mais para o local específico da juventude.” (Alessandra). “Ser jovem não é fácil, não é nada fácil.” (Alessandra).Pergunta-chave de projetos de vida pessoais e grupos de ação coletiva:QUE SOCIEDADE QUEREMOS CONSTRUIR?LANCHEVER – CAMPANHA CONTRA VIOLÊNCIA [Alessandra*Proposições e limitações da Equipe Nacional da Campanha: -presença das PJs e tantas outras organizações na Campanha. -quais podem ser as ações futura? Visibilidade? Formação? Quais outras?*Apresentação do vídeo de lançamento da Campanha (disponível no Youtube:http://www.youtube.com/watch?v=dzTXNtJPaTM)*Apresentação de taxas do Mapa da Violência 2011: QUAIS SÃO AS NOSSASIMPRESSÕES? -Violência não é mais coisa única dos centros, está disseminada no interior. -Milícias armadas não apenas nos centros, mas estão presentes também nos interiores.ALMOÇOJULGAR – QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES*Campanha está descentralizada por todo o Estado.*Há uma gama de possibilidades de ações.*Os roteiros para os grupos são uma iniciativa que deu certo.*Blog Estadual vem servindo como uma espécie de Diário de Bordo: o quefazemos, o que sabemos, o que nos é relatado é publicado.*A partir destes dados temos contabilizado 38 atividades em 2011 envolvendocerca de 1990 pessoas em todo o RS. 5
    • 6
    • ACESSOS AO BLOGJULGAR – AVALIAÇÃO DO PLANEJAMENTOFoi apresentado os tópicos do Quadro de Planejamento de 2011 (ANEXO 1)1. Eixo Temático do “Trabalho”: não foi trabalhado. Os grupos não tiveramacesso aos materiais. As Coordenações Diocesanas da PJ conhecem o eixo,mas os grupos não tiveram acesso. Equipe Estadual pouco trabalhou o eixotemático. 7
    • 2. Equipe Estadual: a grande quantidade de atividades na Região Leste nãoreflete a configuração da Equipe? A Equipe não permaneceu igual a doSeminário de 2010.3. Comemoração dos 30 anos das PJs do RS: de certa forma, a Campanhafoi trabalhada em todas as ações dos 30 anos e nos espaços de formação eatuação estadual das PJs.4. Formação de Multiplicadores: a atividades de Encontro Estadual nãoaconteceu. As Formações de Multiplicadores por regiões geográficasaconteceram. A atividade no Acampamento dos 30 anos foi readequada pelasolicitação da Coordenação.5. Semana do Estudante: Aconteceram em Canoas promovida pela PJE e nascidades de Uruguaiana e Barra do Quarai pela PJ local. Dentro de algumasescolas aconteceram algumas atividades de formação e visibilidade daCampanha, mesmo que não tenham sido quantificadas.6. Roteiros Mensais: aconteceram ao longo do ano e foram acessados. Nãosabemos se foram usados, mas foram produzidos, disponibilizados evisualizados.7. Atividades de Mobilização de Massa: parte mais concreta que as diocesesrealizaram. Aconteceram de uma certa forma ou outra. Foi possível aproveitarespaços e realizar trabalhos.PROVOCAÇÕES DA ASSESSORIA METODOLÓGICA: -Como envolver mais as outras regiões do Estado? -Existe um Plano de Sustentabilidade (ajuda financeira) para a Equipe Estadual? -Qual é de fato o papel da Equipe Estadual? -Ações futuras: precisam ser concretas, possíveis e simples. -Gesto concreto corresponde a uma ação concreta. -Como avançamos dentro das ações? -Quem são as pessoas responsáveis por executar os trabalhos?JULGAR – GRUPOS DE DISCUSSÃOOs presentes foram divididos em cinco grupos por tipo de fruta: Maçã, Abacaxi,Laranja, Banana e Morango. A missão era responder as seguintes perguntas: 1. As ações continuam? Sim ou Não? Por quê? O que fazer? 2. Temos alguma sugestão de novidade?Grupo Maçã*Eixo Temático do Trabalho deve ser abolido (não trabalhamos, não há porquêexistir). O melhor seria um eixo que paute “a defesa da vida da juventude”. –Ter claro a violência que não é apenas física. 8
    • *Sobre PJ: aumentar e fomentar o envolvimento dos Coordenadores Regionaisda PJ no trabalho da Campanha. – Ampliação da Equipe com mais jovens daPJ. – Garantir espaços de discussão da Campanha nas reuniões da CRPJ.*Proporção nos espaços Políticos: promover debates de posição política dasPJs do Rio Grande do Sul. – Fomentar espaços de Formação Política.*Formações com foco na Formação Política. – sentimos limitações naproposição de Políticas Públicas de Juventude.*Clarear e objetivar os apoios com atores do Estado.Grupo Abacaxi*Eixo Temático centrado na Educação. – Pode-se aproveitar os 30 anos daPJE.*Equipe: continuar existindo a Equipe Estadual da Campanha e naspossibilidades ter presente todas as regiões geográficas. – Não adiantadescentralizar burocraticamente. – Ter pessoas referências em cada localidadee ter uma Equipe Geral.*Formação de Multiplicadores: pensar ações que a Equipe possa ir as bases,centrar o dinheiro nas assessorias de formação. – Não investir apenas naFormação de Multiplicadores, mas pensar uma forma de investir dinheiro numaEquipe que possa fazer trabalhos em diversos locais.*Semana do Estudante: ampliar e potencializar a atividade, produzir umsubsídio.*Roteiros Mensais: continuar a publicação virtual. – Pensar numa parceria comCEBI-RS para uma publicação maior (espécie de Círculos Bíblicos com temada Campanha).*Mobilização e Massa: estar presentes nas atividades já existentes, aproveitarespaços. – Convite da Escola Bíblica do CEBI-RS.Grupo Laranja*Equipe: deve ser ampliada e tentar garantir pelo menos uma pessoa de cadainterdiocesano. – Representações como atalhos da Equipe com a Base. –Equipe como potencializadora, acompanhando as atividades. Funções: Multiplicadores é fundamental, mas não algo que a Equipe proponha,mas uma parceria com as demais coordenações locais das PJs. Usar umametodologia missionária (sair da sala, ação concreta). Equipe precisa fazer algumas parcerias: Equipe deve buscar novosespaços para ampliar a Campanha. Sustentabilidade: Equipe deve pensar como buscar recursos. Monitoramento das Atividades: ampliar. 9
    • *Atividades de Mobilização não são de responsabilidade da Equipe.*Eixo do Trabalho deve perpassar todas as atividades.Grupo Banana*Eixo temático deve ser mantido com o tema do trabalho – É amplo e abrangetodas as relações sociais da sociedade. – Relação do trabalho com todas asrelações sociais. – Ter um subtema da “Violência no Trânsito”. – O tema“trabalho” seria uma espécie de tema gerador de outras ações.*Equipe: deve continuar existindo, mas tendo um representante de cada regiãogeográfica. Encontros não sempre presenciais, mas serem referências locaispara fazer uma conexão entre as regiões e o estado.*Comemoração dos 30 anos: não tem mais o porquê existir.*30 anos da PJE: a comemoração deve entrar nas ações de massa. Não deveser uma linha de ação, mas pode estar contemplada.*Formação de Multiplicadores: devem ser mantidos estes espaços, masfugindo da proposta de articulação da Campanha, mas pautando açõesconcretas (começar a anunciar uma cultura de paz). Anunciar e não apenasdenunciar. Possibilitar uma vivência de uma cultura de paz.*Semana do Estudante: ter um material extra da Campanha que abrapossibilidades dela ser pautada nas atividades da Semana do Estudante. Ébom e necessário usar a Semana do Estudante, pois chega e dialoga com ajuventude. Alterar o nome para “Encontros de Promoção para uma Cultura dePaz”, pois, há a necessidade de propor anúncios.*Roteiros Mensais: devem continuar, mas os temas devem pautar a proposiçãode uma cultura de paz.*Mobilização e Massa: é necessário e deve continuar, mas que retome aquestão da cultura de paz. Os 30 anos da PJE estaria contemplado com estaperspectiva, onde não apenas se denuncia as situações de violências, masanúncios de vida.Grupo Morango*Eixo Temático: reafirmar, mas acha que é importante aprofundar os subtemasque não apenas a morte (há outras violência).*Equipe: ampliar e ter representatividade das outras regiões geográficas.*30 anos: Campanha em sintonia com os 30 anos da PJE.*Multiplicadores: dar atenção aos locais que ainda não há Comitês Locais.*Semana do Estudante: propor uma outra atividade: “Semana pela Vida daJuventude”. 10
    • *Roteiros Mensais: serem mais específicos ao eixo e aos subtemas. Divulgarmais levando às reuniões da CRPJ, por exemplo. Os roteiros são voltados paraos grupos das PJs, devem ser pensados materiais que dialoguem com asoutras organizações.*Mobilização e Massa: enfocar nos subtemas.OUTRAS ATIVIDADES:*Fórum Temático no Fórum Social Mundial em 2012: pensar em articular umespaço tendo como exemplo ao de 2010.*Dia Nacional de Oração pela Vida da Juventude em 15 de junho como umaalternativa a Semana de Defesa da Vida da Juventude.*Encontro de Escolas Católicas da Arquidiocese de Porto Alegre irá serpautada a Campanha em 2012: “Juventude e um sonho de paz”.*Jornada Mundial da Juventude em 2012 terá o festival “Bote Fé” no RS sepropõe que a Campanha seja trabalhada.PROVOCAÇÕES:*Missão dos Grupos não é unicamente a Campanha. Há outras atividades quehistoricamente cada grupo faz e não deve parar.*Semana do Estudante: complicada a relação de outro subsídio.*Eixo Temático: trabalho, educação, cultura de paz, vida da juventude,violência no trânsito (subtema).*Equipe? O que é exatamente? Papel?*Cultura de paz não exclui o conflito. Pode-se falar de violência e ao mesmotempo fazer uma proposição de ações concretas contra violência.*Produção de Roteiros: não é excludente de outros grupos não pastorais. Osroteiros também devem ser pensados pelos outros grupos.QUESTIONAMENTOS:*Objetivo da Campanha é rearticular a PJ ou potencializar o combate aviolência? Quais jovens queremos atingir com a Campanha: apenas oscatólicos?*Explicar a organização da PJ estadual no GT Defesa da Vida.*Eixo temático: por quê queremos mudar? A escolha foi feita por um estudolongo ao reconhecer que a violência que mais assola a juventude gaúcha é aquestão do mundo do trabalho.*O quê estávamos pensando quando foi escolhido o eixo das relações detrabalho?PONDERAÇÕES:*Eixo do trabalho foi escolhido no Seminário de 2009. Não vingou nem naEquipe, as localidades estão alterando os eixos locais.*A Equipe deve ser ampliada, mas temos que ter um cuidado com a escolhadas pessoas que se integrarão: a caminhada da Equipe irá recomeçar ou teránovo ritmo? 11
    • *PJ do RS em Ampliada Regional aprovou o GT Defesa da Vida: amplia a açãoda PJ na Campanha e na formação política. Há o jovem Mateus (Arquidiocesede Passo Fundo) como referência estadual.JULGAR - SISTEMATIZANDO AS DISCUSSÕESOBJETIVO DA CAMPANHA NO RS: promover a conscientização da juventudee da sociedade em geral sobre a realidade da violência e extermínio de jovensno Rio Grande do Sul, desencadeando ações para a mudança dessa realidade,buscando a construção de uma cultura de paz.OBJETIVOS ESPECÍFICOS:Que cultura de paz queremos?Politizar o extermínio da juventude gaúcha!Aliar a cultura de paz com proposta de metodologia da educação popular.AÇÕES: 1. Formação: MANTEMOS! 2. Atividades Permanentes das PJs: potencializar a Campanha na Semana da Cidadania, Semana do Estudante e DNJ. 3. Roteiros Mensais: MANTEMOS! 4. Mobilização de Massa: potencializar os espaços (Romarias, Gritos dos Excluídos, etc) já existentes para pautar a Campanha nestes espaços. 5. Espaços fora: formação política. Pensar outros espaços.CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA*Caminhada e momentos da Campanha.DOMINGO (4/12)CAFÉ DA MANHÃORAÇÃOAGIR – RETOMANDO A CAMPANHAFazendo memória de todas as discussões e pistas de ações do dia anterior, aassessora Alessandra propõe que seja retomado algumas questões básicas daCampanha antes de construir o Quadro de Ações para 2012. Foi dadodestaque aos seguintes temas: objetivo, objetivo específico, funções da equipe,sustentabilidade 12
    • CAMPANHA NACIONAL CONTRA A VIOLÊNCIA E O EXTERMÍNIO DE JOVENS NO RIO GRANDE DO SULOBJETIVO GERAL: promover a conscientização da juventude e da sociedadeem geral sobre a realidade da violência e extermínio de jovens no Rio Grandedo Sul, desencadeando ações para a mudança dessa realidade, buscando apromoção de uma cultura de paz.OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 1. Propor uma cultura de paz que paute a defesa da vida da juventude na sociedade, tendo como horizonte a utopia de um Outro Mundo Possível. 2. Politizar os sujeitos acerca da violência contra a juventude gaúcha, desnaturalizando-a de modo crítico e propositivo. 3. Envolver os grupos de base. 4. Realizar Dias D de Mobilização.ATENÇÃO: não foi finalizada a redação do terceiro e quarto objetivoespecífico. Assim, a redação final fica sob responsabilidade da EquipeEstadual.EQUIPE e PARCEIROS: mantém-se a Equipe atual e se propõe indicativospara a ampliação da Campanha.Equipe Estadual: Cristiano (PJR), Hellen Tramontin (PJE), Joana Ludwig(Juventude LibRe), Marcelo Soares (PJE), Mateus (Juventude LibRe), PâmelaGrassi (PJ), Patrícia Vieira (PJ), Rafael Barros (PJ), Simone Beatrici (PJR),Tiago Klein (Assessor).*Indicativos:-Pensar se existem outros grupos que podemos convidar para compor aEquipe. Fazer convites na tentativa de ampliar a Campanha. Encaminhamentoserá dado pela Equipe.-O Intersul verá se há necessidade de alguém entrar para Equipe tendo emvista a descentralização a Campanha.-Assessoria: mantêm-se a figura do assessor, no acompanhamento dosprocessos da Campanha. Mantêm-se as relações como em 2011.*Questionamentos:-É preciso conversar com as instituições/grupos sobre seus papeis naCampanha: Compõe a Equipe ou são Parceiros? -CEBI -REJU -Trilha Cidadã -Núcleo Betânia -Levante Popular da Juventude -Mundo Jovem-Papel da equipe: é preciso ter um nome que diga daquilo que é seu papel ecaráter. Somos uma equipe de articulação e assessoria. 13
    • -Como fazer um processo de transição da Equipe para Comitê? Assim, seampliaria a quantidade de organizações responsáveis pelas ações daCampanha. Sendo um Comitê Ampliado é importante construir o processo dese abrir em: sustentabilidade, papéis, assessoria?METODOLOGIA: Potencializar a cultura de paz, por meio de ações queabordem a educação popular como metodologia. Podemos clarear este pontono segundo objetivo específico apontando jeitos de fazer a cultura de paz.AGIR – QUADRO DE AÇÕES O QUÊ? COMO? QUEM? QUANDO? FORMAÇÃO: FORMAÇÃO DE Equipe Estadual; 2012 *Formação dos GRUPOS DE BASE: Coordenações Grupos de Base *Roteiros Mensais para Locais; *Formação de os grupos de base. AssessoresMultiplicadores *Ter uma motivação temáticos.*Formação Nova política mais *Formação provocativa. Política FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES: *Propor nas localidades onde a formação ainda não ocorreu. FORMAÇÃO Nova: *Continuidade da Formação de Multiplicadores. *Propor ações concretas. Capacitação técnica. *Extrapolar a denúncia da violência. *Estudo de Metodologia. *Trabalhar por oficinas (construção instrumentos musicais). *Valorizar a formação política nos espaços de atuação. 14
    • FORMAÇÃO POLÍTICA: *Equipe da Campanha motiva que a proposta possa ser organizada pelas organizações que integram a Equipe. EDUCAÇÃO POPULAR E FORMAÇÃO POLÍTICA AO LONGO DO ANO. Atividades *Provocar e Equipe motiva e 2012Permanentes das potencializar a provoca as PJs Campanha na Semana Coordenações da Cidadania, Semana Estaduais. do Estudante e DNJ. Não queremos perder de vista as indicações nacionais. *Roteiros mensais que proponham atividades que acrescentem as APs. Mobilização de *Atividade artística Equipe provoca e 2012 Massa e *Pintura de Muros as Coordenações Visibilidade *Atividades Locais também Permanentes das PJs. devem fazer os *Outras atividades de contatos e massa e políticas onde articulações se possa colaborar com locais. a pauta da Campanha.OUTRAS ATIVIDADES:*Fórum Temático no Fórum Social Mundial em 2012: AÇÃO DEVE SERORGANIZADA PELA EQUIPE NACIONAL, COM A EQUIPE ESTADUALAJUDANDO NA ARTICULAÇÃO*Encontro de Escolas Católicas da Arquidiocese de Porto Alegre: EQUIPE DACAMPANHA É CONVIDADA A ESTAR PRESENTE.*Jornada Mundial da Juventude em 2012: EQUIPE NÃO ESTARÁ NAORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE, MAS QUEREMOS MANTER VISIBILIDADEDA CAMPANHA (ir com camiseta da Campanha).*Acampamento da Romaria da Terra. – EQUIPE DA CAMPANHA ENTRARÁEM CONTATO PARA PROPOR UMA ATIVIDADE DE FORMAÇÃO. 15
    • ENVIO*Retomada do processo do Seminário.*Construção do cartão das mãos.*Ciranda pela Vida da Juventude. TÉRMINO DO SEMINÁRIOANEXO 1 – QUADRO DE AÇÕES 2011 16
    • ANEXO 2 – CARTA CONVITE 17
    • ANEXO 3 – FICHA DE INSCRIÇÃOANEXO 4 – TABELA DE MONITORAMENTO DASAÇÕES EM 2011QUANDO QUEM O QUÊ ONDE REGIÃO PARTICIPANTES PROMOVEU GEOGRÁFICA20/fev Equipe Divulgação na São Leste 50 Estadual Escola Estadual Leopoldo da PJR13/mar Equipe Divulgação na Nova Santa Leste 30 Estadual reunião Rita estadual da PJE04/abr Equipe Divulgação na Santa Cruz Centro 40 Estadual reunião do Sul estadual da PJ 18
    • 07/mai Equipe Trabalho no Esteio Leste 30 Estadual programa Mais Educação 21 e Equipe Formação de Caxias do Leste 6022/mai Estadual Multiplicadores Sul - Região Leste25/mai PJ - Arqui Mobilização Marau Norte 50 Passo Fundo contra Violência26/mai PJ - Dioc Visibilidade da Farroupilha Leste 50 Caxias do Campanha na Sul Romaria de Fátima18/jun AJS Dia Nacional de Bagé Sul 50 Oração Pela Vida da Juventude09/jul AJS Ciranda pela Bagé Sul 50 Vida 16 e PJ - InterSUL Seminário de Pelotas Sul 5017/jul Formação de Multiplicadores 28 a PJ - Dioc Stª Congresso Rio Pardo Centro 8030/jul Cruz do Sul Missionário Juvenil30/jul PJ - Dioc Ciranda pela Caxias do Leste 100 Caxias do Vida Sul Sul01/ago História - Seminário Rio Grande Sul 50 FURG sobre violência nas escolas11/ago Equipe Oficina durante Canoas Leste 80 Estadual Semana do Estudante11/ago PJ - Dioc Trabalho em Uruguaiana Centro 100 Uruguaiana escolas11/ago PJ - Dioc Trabalho em Barra do Centro 100 Uruguaiana escolas Quaraí13/ago PJ - Encontro de Canoas Leste 30 Vicariato de Sensibilização Canoas 19
    • 18/ago Paróquia Mesa redonda Encruzilhada Centro 50 Santa sobre violência do Sul Barbara e e família Prefeitura Municipal de Encruzilhada do Sul19/ago PJ - Dioc Marcha contra Uruguaiana Centro 50 Uruguaiana Violência20/ago PJ - Encontro de Canoas Leste 30 Vicariato de Sensibilização Canoas26/ago Com Audiência Caxias do Leste 50 Segurança Pública Sul Pública - Caxias do Sul 26 a PJ - Dioc Stº Encontro Cerro Largo Centro 7028/ago Ângelo Diocesano de Oficinas07/set PJ - Mobilização Porto Alegre Leste 50 Vicariato de contra Porto Alegre corrupção e Ciranda pela Vida08/set Núcleo Núcleo da Porto Alegre Leste 50 Betânia Questão - Ciclo de Debates10/set PJ - Conferência Porto Alegre Leste 30 Vicariato de Livre de Porto Alegre Juventude10/set PJ - Dioc Stª Vigília Jovem Santa Cruz Centro 80 Cruz do Sul do Sul10/set PJE Ciranda pela Canoas Leste 30 Vida18/set Juventude Formação Porto Alegre Leste 30 LibRe Política20/set PJ do RS Divulgação na Santa Maria Centro 50 ARPJ24/set PJ - Arqui Seminário de Passo Fundo Norte 50 Passo Fundo Multiplicadores 20
    • 25/set PJ - Mobilização Viamão Leste 30 Vicariato de contra Gravataí violência 25/set Equipe Programa Porto Alegre Leste Sem Estimativa Estadual Democracia na TV Assembleia 03/out PJ - Formação de Porto Alegre Leste 30 Vicariato de Multiplicadores Porto Alegre 30/out Equipe Ciranda pela Viamão Leste 30 Estadual Vida PJE Ciranda pela Canoas Leste 30 Vida 13/nov Equipe Formação Santa Maria Centro 200 Estadual sobre Missão no Acampamento dos 30 anos das PJs do RS 26/nov PJ - Formação da PJ Porto Alegre Leste 50 Vicariato de Restinga Porto Alegre TOTAL 1990ANEXO 5 – CARTA DA REJU-SUL Avaliação da Rede Ecumênica da Juventude (REJU) sobre a Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens Para a REJU (Rede Ecumênica da Juventude) foi um enormecontentamento considerar-se parceira nesta Campanha, que trata de um temaque dificilmente é reconhecido ou pautado nas discussões da juventude. A violência, em suas distintas formas e aspectos, manifestam-se nasmais variadas formas: escancarada na mídia, sutilmente reproduzida nasrelações cotidianas, ou mesmo oculta, pelo medo da denúncia. 21
    • Os jovens neste contexto apresentam-se de maneira particular, oracomo vítimas, e em outro extremo como autora desta própria violência. Fazer desta polêmica uma temática e uma proposta geradora deprotagonismo jovem é uma tarefa ousada e nobre da Pastoral da Juventude(PJ – ICAR), o que a torna especial e diferenciada das demais organizaçõesjuvenis. Os seminários, encontros, reflexões e demais momentos oportunizadossão enobrecidos e tornam-se peculiares por serem promovidos por jovens. A REJU, especialmente a região Sul, nos momentos oportunospossibilitou a visibilidade da campanha, seja pela divulgação no blog, e, comdestaque nos eventos como Mutirão Ecumênico, grande encontro dosprincipais agentes ecumênicos da região sul e sudeste do País, e, ainda, noSeminário sobre Intolerância Religiosa, em Belém do Pará, no qual aorganização e atuação da PJ – RS foi partilhada e lembrada pela juventudeamazônica, que também possui articulação sobre a mesma Campanha em seuestado. Diante das possibilidades que a REJU Sul oferece, mantém-se dispostaa dar continuidade na parceria, caso a campanha continue. Como possíveispropostas cogitam-se a contatos com Instituições do Poder Público e pautarestas discussões no ambiente universitário. Por fim, cabe ressaltar e reconhecer as conquistas traçadas pelaCampanha. A REJU Sul os parabeniza pelas inúmeras atuações e pela intensademanda cumprida, com muita motivação, esforço e alegria, própria dajuventude, e, da PJ que na sua trajetória possibilita ao jovem posicionar-secomo autora e ser pensante, cidadão presente, construtor da sua própriahistória. Nossos parabéns, agradecimentos e fraternos abraços! 22
    • ANEXO 6 – CARTA DE LUIS DUARTE (CoordenadorNacional da PJ pelo Regional Centro-Oeste) Rio Verde/GO, 03 de Dezembro de 2011 Queridos/as Jovens, Queridos/as Assessores/as e Amantes da Juventude, Queridos/as Teimosos/as, “Enviou-me para proclamar a libertação” Lc 4, 18 Saudações no Deus-Menino, Em Nazaré Jesus assume publicamente, na sinagoga, um compromisso delibertação com os pobres e com os oprimidos (Lc 4, 16-21). Esse compromisso éuma espécie de carta-projeto de toda ação que ele viveria na fidelidade ao projetodo Pai. Jesus assume de tal modo esse compromisso que o vive até as últimasconseqüências. Na fidelidade ao seguimento de Jesus, nós Pastorais da Juventude – IgrejaJovem, temos vivido no Brasil desde 2009 a Campanha Nacional Contra a Violênciae o Extermínio de Jovens. A Campanha é um sinal concreto de que, como Jesus e nafidelidade a seu projeto, assumimos com os/as jovens um compromisso radical delibertação. Assumir esse compromisso de libertação, assumir a defesa da vida dajuventude como razão maior do caminho é ser teimoso, é ser teimosa. Defender avida é incomodar os “Herodes” da sociedade e, as vezes, da igreja, que queremmatar a juventude. Assumir a vida como causa pode provocar que sejamosperseguidos/as, pode provocar que percamos a vida por causa da Vida. Mas, se queremos ser fieis no seguimento do Jovem de Nazaré e sequeremos manter fidelidade a seu compromisso de libertação, não podemos nosfurtar de diuturnamente assumir, na radicalidade do que isso significa, umcompromisso de libertação com os/as jovens, um compromisso com a defesa davida da juventude. Não seremos seguidores/as de Jesus se não fizermos e vivermosesse compromisso de libertação com os/as jovens, se não defendermos a vida dajuventude. Desejo que este seminário estadual da Campanha Contra a Violência e oExtermínio de Jovens do Rio Grande do Sul, que por si só é sinal de teimosia e quereuni teimosos/as no seguimento coerente à Jesus, ajude as PJs do Rio Grande doSul e cada um/a de vocês a re-afirmarem esse compromisso de libertação comos/as jovens, esse compromisso de seguir na teimosia da defesa da vida. Não tenham medo de re-afirmar e re-assumir esse compromisso. Nãotenham medo de pensar com ousadia, encanto e simplicidade açõesconcretizadoras desse compromisso nessas terras queridas do sul. Vivam, emvossas vidas e na vida das PJs, esse compromisso. 23
    • Que o Menino Deus esteja com cada um/a de vocês e que Ele nos ajude aassumirmos e vivermos radicalmente esse compromisso libertação com os/asJovens, esse compromisso com a vida! Sigamos juntos/as, pela vida da juventude! Abraços Fraternos, Luis Duarte CNBB – Regional Sul 3: Av. Cristóvão Colombo, 149 – bairro Floresta CEP: 90560-003 - Porto Alegre – RS E-mail: juventudecontraviolencia@gmail.com Blog: www.juventudecontraviolencia.blogspot.com 24