Seminário Estadual de Avaliação da Campanha contra a                 Violência e Extermínio de Jovens                     ...
- E as nossas mãos como são???- Escrever nas mãos coloridas de papel o nome e um símbolo que nos represente, a partir detr...
Comunidades                               - Oficina sobre a Campanha no curso Oásis;                               - 1ª Ca...
- SdE                                               - Formação nas bases                                               - C...
*Engajamento da Igreja;*Não aconteceu o acompanhamento esperado;*Monitoramento das atividades;*Dificuldade para trabalhar ...
formas de parceria e quais critérios vamos utilizar para realizar essas parcerias. Com quemvamos nos unir?*Também precisam...
05 de dezembro de 2010 - Domingo                           Coordenação do dia: Jaiane e Cristiano8h CAFÉ DA MANHÃ9h ORAÇÃO...
- Se fazer presente nas Romarias, em atividades que reúnam número significativo de pessoas;Morango- Fortalecer as atividad...
Multiplicadores        Acompanhamento        Parcerias                 Equipe- Material referente   Quem acompanha?       ...
AvaliaçãoA presença de parceiros que estão a fim de trabalhar com a gente, pena que não vieremoutros, mas os que estão aqu...
LISTA DE CONTATOSFelipe VencatoPJ de Porto Alegre3348.1496/84828385felipevencato@yahoo.com.brPamela GrassiPJ de Caxias Do ...
Maicom GomesPJ de Caxias do Sul(54) 96436999maykogomespj@gmail.comxokquito@hotmail.comBrenda Segobia TrindadePJE do RS8547...
Junior AbalosPJ Guaiba/Porto Alegre91253371juniorabalos21@hotmail.comAnelise de Oliveira MüllerPJ Caxias do Sul(54) 920419...
Henrique Porto Lusa91389785(54) 84071324Pulgapt13@gmail.comAndré ForalossoPJE do RSaforalosso@hotmail.comPaula GrassiPJ do...
Seminário Estadual 2010
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Seminário Estadual 2010

237
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
237
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Seminário Estadual 2010

  1. 1. Seminário Estadual de Avaliação da Campanha contra a Violência e Extermínio de Jovens 04 e 05 de dezembro de 2010 Centro de Espiritualidade Padre Arthuro (CEPA) – São Leopoldo – RSPresentes: Tiago(Assessor), Pamela (PJ), Jaiane (PJ), Felipe Vencato (PJ), Marcelo (PJE),Matheus (Juventude Libre), Joana (Juventude Libre), Anderson (Levante), Juliano (PJR), Fabiano(PJR), Brenda (PJE), Bianca (PJE), Elisiane (PJ), Fabiane (Trilha), Bruno (PJE), Patrícia (PJ POA),Junior (PJ Guaíba), Pe. Marcionei (Murialdos-Caxias), Anelise (PJ Caxias), Paula (PJ Caxias),Maicon (PJ Caxias), André (PJE), Bruna (PJE), Rafael Barros (PJ). 04 de dezembro de 2010 – Sábado Coordenação: Marcelo e Pâmela10h - ORAÇÃO DE ABERTURA: Bruno e Rafael- Animação – Momento Novo- Acolhida...- Leitura do poema “As Mãos” Mãos que operam e que curam e mãos que As mãos “amarguram”.Há mãos que sustentam e mãos que Há mãos que se apertam por amizade eabalam. mãos que se empurram por ódio.Mãos que limitam e mãos que ampliam. Mãos furtivas que traficam destruição eMãos que denunciam e mãos que mãos amigas que desviam da ruína.escondem os denunciados. Mãos finas que provam dor e mãos rudesMãos que se abrem e mãos que se fecham. que espalham amor.Há mãos que afagam e mãos que agridem. Há mãos que se levantam pela verdade eMãos que ferem e mãos que cuidam das mãos que encarnam a falsidade.feridas. Mãos que oram e imploram e mãos queMãos que destroem e mãos que edificam. “devoram” .Mãos que batem e mãos que recebem as Onde está a diferença?pancadas por outros. Não está nas mãos, mas no coraçãoHá mãos que apontam e guiam e mãos que É na mente transformada que dirige a mãodesciam. santificada, delicada.Mãos que são temidas e mãos que são É a mente agradecida que transforma asdesejadas e queridas. mãos em instrumentos de graça.Mãos que dão arrogância e mãos que se Mãos que se levantam para abençoar,escondem aos dar. Mãos que baixam para levantar o caído,Mãos que escandalizam e mãos que Mãos que se estendem para amparar oapagam os escândalos. cansado.Mãos puras e mãos que carregam Que ajudam; que nunca faltam.censuras. Existem mãos … e mãos …Há mãos que escrevem para promover e As tuas, quais são ?mãos que escrevem para ferir. De quem são ?Mãos que pesam e mãos que aliviam. Para que são ? (Autor Desconhecido)
  2. 2. - E as nossas mãos como são???- Escrever nas mãos coloridas de papel o nome e um símbolo que nos represente, a partir detrios e após disso um do trio apresenta o outro. A cada trio que finaliza a apresentação umnome de jovem morto e/ou exterminado é colocado na roda.-O que isso nos provoca enquanto defensores do nosso direito de viver, do direito de viver dajuventude?- Musica: Axé9h30min - APRESENTAÇÃO DAS ATIVIDADES JÁ REALIZADAS- Vídeo elaborado por Rafa e JaianeRegional Sul 3 2009 Seminário de Elaboração - Definido eixo do trabalho 2010 Janeiro: Seminário de Elaboração Participação no FSM Fevereiro: Mutirão da Comunicação e Acampamento em Santa Maria (3 dias de estudo quanto à campanha) Abril: Lançamento Estadual da Campanha – ALRGS Maio: Encontro dos Estudantes de Filosofia Setembro: Grito do Excluídos (marcha estadual) e Tarde de oficinas culturais Novembro: Encontro da SaúdePJ Vicariato de POA - Sabadão – oficina sobre a campanha; -Reunião de base (coordenadores dos grupos) - Missão jovem em outubro ; - DNJ.PJ Vicariato de Guaíba - Pedalada da Paz - DNJPJ Vicariato de Canoas - Formação para as bases - Reunião de base - Pré-conferencia Municipal de Juventude – Etapa Livre - Pentecostes e Corpus Christi - DNJ e Campanha - Manifestação visual na Romaria das
  3. 3. Comunidades - Oficina sobre a Campanha no curso Oásis; - 1ª Caminhada pela vida da Juventude em Esteio;PJ Diocese de Gravataí - Domingão; - Lançamento Municipal e Formação do Comitê Municipal;PJ Diocese de Caxias - DNJ - Lançamento - Participação no Festival Nacional A Cor da Juventude; - Planejamento (Ações nas escolas, outras entidades); - Divulgação em rádios; - Parceria com a Rede Sul; - Caminhada da Paz; - Vigília contra a violência da mulher; - Pesquisa Juventude e Trabalho.PJ Diocese de Novo Hamburgo - Vigilia; - São Leopoldo Fest; - Festival da Cidadania; - Caminhada da Sexta Feira Santa; - Missa; - encontrão dos grupos de base; - Pesquisas do Observatório Juvenil em São Leopoldo; - Trilha Cidadã em parceria com o Canal Futura; - Semana da juventude municipal;PJR - Estudo na CRPJR; - Escola em Dom Pedro de Alcântara; - Debate nas escolas sobre a temática na região central do estado; - Atividade em passo fundo.Juventude Libre - Participação no DNJ de Canoas, POA e Gravataí - Fixação de cartazes na UFRGS; - Divulgação no Colégio Cândido José de GodoyLevante Popular da Juventude - Atividade no Cais do Porto; - Grito dos Excluídos - Formação em Caxias;PJE - 20º Encontrão Lassalista (Tema) - Estudo na Equipe Pronvicial de Jovens sobre a campanha e a temática da violência; - Assembléia estadual; - Estudos na CEPJE; - Pré-conferencia municipal de juventude de Canoas (etapa livre e etapa da região do bairor Niterói); - Caminhada cívica de Sapucaia
  4. 4. - SdE - Formação nas bases - Caminhada da gentileza no bairro Niterói (Canoas) - SdE Bagé - Divulgação para os estudante nas escolas em que se está presente.PJ Diocese de Santa Cruz - Nenhuma atividade específica, em função do planejamento já estar pronto. Ela foi eixo transversal nas atividades.PJ Diocese de Pelotas - Lançamento Municipal.PJ Diocese de VacariaPJ Diocese de Bagé - RomariaPJ Diocese de Santo Ângelo - OficinasPJ Diocese de Uruguaiana - RomariaA partir do que foi idealizado na reunião da Equipe de coordenação, realizada no IPJ, emabril, o que conseguimos fazer?- Grito dos Excluídos- Material da Campanha- Blog- Confecção de Camisetas;- Rede Sul de Rádio;- Mundo Jovem- Canal Futura;- Participação no Encontro de Filosofia- Projeto Financeiro com a Adveniat- Seminário de avaliação- Assembleia dos Bispos da CNBB- IPJ- Em preparação os 30 anos.12h30min - ALMOÇO13h30min - AVALIAÇÃO1- Como avaliamos esse conjunto de ações realizadas em 2010?*Diálogo e parceria com os movimentos sociais;*Centralização nas grandes cidades(violência urbana);*Planejamentos diocesanos;*Atividades semelhantes de formação e visibilidade;*Materiais estiveram presentes nas atividades;*Muitas reuniões;*Poucas ações concretas;*As atividades por terem acontecido já foram positivas;*faltou um eixo, link que colocasse as atividades em sintonia.2- Nosso envolvimento efetivo - onde apresentamos limites e dificuldades?*Afirmação do que é ruim (muita denúncia e pouco anúncio);*Dificuldade da PJR em se identificar com a violência;
  5. 5. *Engajamento da Igreja;*Não aconteceu o acompanhamento esperado;*Monitoramento das atividades;*Dificuldade para trabalhar nas escolas a temáticas;*Interferência na realidade;*Acompanhamento da equipe regional;*Limitações da equipe;*”Somos estadual?”;*Centralidade, dificuldade de comunicação e distribuição das informações;*Subsídios que não foram produzidos; - onde apresentamos avanços e conquistas? (atividades, equipe, eixo temático, acompanhamento)*Diálogo e diversidade;*Preocupação em divulgar a campanha;*Formação e visibilidade da campanha;*Equipe coesa;*Materiais nacionais(principalmente das Atividades Permanentes).3- A campanha “ganhou a rua” ela está pública? Como melhor publicizar? (parcerias, apoio,...)*Parcerias com movimentos sociais;*Aumentar equipe;*Formar multiplicadores;*Rever acompanhamento;*Buscar mais parcerias com movimentos sociais, organizações populares e mídias alternativas;*Clarear o objetivo das parcerias;*Engajamento da Igreja enquanto clero;*Procurar articulação com o poder público (sociedade e Estado).PARTILHAS-Juventude Libre: Interesse por criar uma campanha semelhante, descobrindo a existência deuma campanha resolveram entrar em apoiar. Desejo de tornar a campanha algo de massa,além dos movimentos e pastorais já envolvidos, trazendo todos para pensar juntos aspropostas.-Levante Popular da Juventude: percepção da dificuldade dos grupos de juventude de terespaços de articulação e construção coletiva. Importância da abrangência da campanha, queoutras organizações que não a Igreja conseguem instaurar. A campanha já não é mais só da PJ,os movimentos sociais já assumiram ela e transversalmente nas suas atividades buscam aconstrução de espaços que apóiam outras práticas diferentes das já existentes na sociedade.DEBATE:*As reuniões geram ações, mesmo que a longo prazo;*O não ter desenvolvido o eixo escolhido que parece ser o que dificulta a identificação de todasas juventudes com a Campanha. É preciso pensar a violência contextualmente, no RS nãotemos os grupos de extermínio, por isso optou-se pelo eixo do trabalho que integra a lógicacapitalista como forma de extermínio da juventude.*Foi difícil pensar como desenvolver a temática por falta de bagagem e de assessoria.Quais osdiferentes enfoques podem ser dados para a temática? Quem sistematiza as nossasdiscussões?*Importância da participação desses movimentos de juventude na construção da campanha.As PJ’s criaram a campanha, mas ela precisa atingir outros atores sociais. Agregando essesoutros atores, agregar também os diferentes olhares, das diferentes violências.Pensar outras
  6. 6. formas de parceria e quais critérios vamos utilizar para realizar essas parcerias. Com quemvamos nos unir?*Também precisamos da participação da própria Igreja, mas é preciso ter consciência de quenunca teremos 100% da Igreja nos apoiando, somos um cenário de Igreja diferenciado.Precisamos para de “chorar” por aqueles que não nos apóiam e começar a lutar junto daquelesque estão com conosco. Pelas opções que fazemos somos poucos mesmo.*Os grupos e espaços que criamos são alternativas a violência, já são ações concretas.*Abertura para novas lideranças. Fomentar novas lideranças. Possibilitar que outras pessoasestejam militando.*Relembrar que o objetivo da campanha é a formação e a conscientização, queremos dar uma“chacoalhada” na sociedade.*Temos uma dificuldade de agenda.*A base da PJR sabe que existe isso, mas não é latente como nas regiões metropolitanas. Aviolência nas regiões rurais não é sentida na pele, possivelmente por isso a campanha não“colou” nas bases.*Somos atingidos pela violência que acontece, independente de acontecer na porta de casa oudo outro lado do mundo.*Se a equipe é pequena e sobrecarregada não é à toa. Precisa que entrem novas pessoas e quea equipe perceba essas novas pessoas como possibilidades de construção, de apoio e de novasideias.*Precisamos discernir o que esperamos de alguém que acompanhe essa equipe.16h10min LANCHE16h50min PLANEJAMENTO1- Quais temáticas? - como realizar os debates nas localidades... - ênfase à denúncia ou ao anúncio, ou aos 2?* Permanecer na temática do trabalho – aprofundamento, produzir subsídios* Chegar às questões não visíveis: mídia, individualismo, etc..* Pensar algumas realidades: êxodo rural, dupla jornada, consumo, tráfico, exploração,condições de trabalho, dependência financeira,...* Indicações de sub-temas para cada realidade específica a partir do trabalho* Estabelecer relação com a educação* Ênfase no anúncio da vida da juventude19h JANTA20h30min CELEBRAÇÃO
  7. 7. 05 de dezembro de 2010 - Domingo Coordenação do dia: Jaiane e Cristiano8h CAFÉ DA MANHÃ9h ORAÇÃO DA MANHÃMantra: Deus vos salve.Recordar os momentos que estamos vivendo aqui...Recordar nossos Projetos de Vida...Leitura: Mt 9, 35-38- O que essa leitura nos provoca???Oração da Juventude Missionária9h30min RETOMADA DOS TRABALHOS - PLANEJAMENTO3- Processo? Não podemos pensar a campanha fora do planejamento de 2011, devemos caminharjuntos, não criar outras coisas, mas sim, fortalecendo aquilo que já vai acontecer...Proposta de trabalho em grupos (Banana, abacaxi, uva e morango) Atividades de conjunto (grandes ações), pensando nos grupos e nas parcerias que irão dialogar conosco em 2011Banana-Blog, caso contrário site nacional;- Formação de multiplicadores, não ficando apenas nas coordenações;- Subsídios produzidos por jovens que não sejam da coordenação, levando em conta umaessência comum para as pastorais e as entidades parceiras;- Coordenação presente;- Na semana do estudante cada grupo passar numa escola para fazer divulgação dacampanha, a partir dos materiais nacionais, com um material regional anexado;- Grito dos excluídos com o inter-leste;Uva- Se valer de ambientes onde há público jovem, como parques e outros lugares públicospara divulgar a campanha;- Blog;- Rádios de Porto Alegre;- Utilizar das redes sociais para a comunicação;- Um dia D, para promover mobilização no estado;- Curso de Formação de agentes da campanha;- Formação também através de Cine-debates;- Comitês locais da campanha, cuidar para não segregar, tendo em vista a participação deoutras organizações, ampliando a campanha;
  8. 8. - Se fazer presente nas Romarias, em atividades que reúnam número significativo de pessoas;Morango- Fortalecer as atividades que já existem (SdE SdC, DNJ, Grito)- Subsídios mensais com temas diversos;- Um dia que as bases se reúnam em suas localidades, estudo culminando em alguma produção(música, faixa), reunindo tudo nos momentos de grande encontro;Abacaxi- Formação de multiplicadores;- Garantir um subsídio comum, sendo que cada um aplica conforme sua identidade;- Espaços de economia alternativa, promovendo uma feira com os produtos do pessoal;Proposto pela assessoria a partir de levantamentos dos jovens (Atividade e Materiais):- 30 anos das PJs;-Formação de Multiplicadores por interdiocesano;- SdE como dia da mobilização estadual, visitando as escolas;- Atividades em massa entram como orientações (parques, DNJ);- Comunicação (Roteiros mensais nos blog);- Tendo em vista a participação dos movimentos sociais como nos organizamos? A questão dosinteregionais, é apenas regiões, dividir o estado para facilitar trabalho, assim duas pessoas dacoordenação, por exemplo,assumiriam um desses seminários.-Convidar localmente os diferentes grupos juvenis.- Não inventar moda, utilizar materiais que temos (PJR), que são produzidos disponibilizandona internet para acesso ao povo;- São quatro inter-diocesanos. (inter-norte, inter-centro, inter-sul e inter-leste).2- Articulação estadual ( equipe, acompanhamento, parcerias, multiplicadores,“monitoramento”) Processo Geral Locais MateriaisMultiplicadores - Espaços Públicos; Subsídio- Regiões (interdiocesano); - Grito dos Excluídos; - online- Comitês locais; -atividades de massa e - textos temáticos permanentes - roteirosSemana do Estudante - mobilizações- mobilizações (dia D); Blog- Produção; - tecnologias para informar - roteiros30 anos - divulgação de atividade- Feira de economiaalternativa; Camisetas- Encontro dosmultiplicadores;
  9. 9. Multiplicadores Acompanhamento Parcerias Equipe- Material referente Quem acompanha? - MTD (trabalho) - Garantir um de cadaao trabalho: MTD, PJs? - Pastoral Operária organização.Metalúrgicos; Movimentos... - Cáritas Referência - Pastoral Carcerária - Patrícia de POA e- Eixo transversal - Universidades Vencatto POA Que tipo de - E demais parcerias (CONVERSAREM!!);- Capacitação; acompanhamento dos locais; desejamos? - Mídias alternativas; - Pamela (PJ);- Caráter prático; - Obs. Juvenil do Vale O que se deseja? – UNISINOS; - Rafael (PJ)- Possibilidade de - para as reuniões de - Secretariasdeliberar as equipe, municipais da - Brenda (PJE);atividades; acompanhamento juventude; dos jovens - Marcelo(PJE);- Conversar com:Pastoral Operária, Indicações de nomes: A Equipe deverá - Simone (PJR);Cáritas, Tábata, PJs Tiago, Trilha Cidadã, encaminhar esseSC. Núcleo Betânia. processo de contato - Cristiano (PJR); com as parcerias.-Promover a criação O Tiago e coloca a - Anderson (Levante);dos Comites Locais; disposição nessa idéia de assessoria - Juventude Libre- Jovens em processo de estar presente emde formação; algumas reuniões e - E o Thiago como ser referencia para a assessorFazer seminários até equipe.junho, tendo em A equipe deverávista as demais escolher umaatividades que referência natemos. primeira reunião.Levar emconsideração asituação dacampanha em cadalocal.O próximo seminário de Avaliação é fundamental e deverá ser no primeiro final de semana dedezembro, não esquecendo da avaliação processual pela equipe, olhando e refletindo sobre acaminhada da campanha no estado.- A Campanha é viva até 2012.
  10. 10. AvaliaçãoA presença de parceiros que estão a fim de trabalhar com a gente, pena que não vieremoutros, mas os que estão aqui querem trabalhar.Conseguimos pensar atividades por ano que vem, que atividades vamos tocar, algumas coisasno seminário foram viagem. A formação não coube. Convidamos parceiros mas por muitosmomentos ficamos uma discussão eclesial interna.Não perdemos nossas identidades, a campanha consegue reunir diversos segmentos dasociedade, possui uma grande dimensão. Nosso projeto em comum é fortalecer a juventude,devemos comungar deles.Agradece o convite e se coloca a disposição.Foi muito produtivo, sai com motivação, tendo ciência dos reais objetivos da campanhaNovos tempos virão (sempre quando digo isso alguma coisa muda)Experiência muito produtiva, diálogo com organizações diferentes.Destacar os processos das ações locais que foram acontecendo, e analisar as propostasoriginais, o que foi acontecendo o que deixamos de fazer.Seminário é oportunidade de fazer com que outras organizações pautem essa luta.A campanha dá um novo gás às PJs, extrapolando os limites da Igreja.Faltou orientações do nacional.13h ALMOÇO14h REUNIÃO DA EQUIPE DE COORDENAÇÃO DA CAMPANHA15h ENVIORecordar os momentos do encontro...Leitura: Ex 3, 7-10Quais são nossos compromissos, que desafio levamos daqui???Imã da CampanhaMúsica: Sonhos e pandorgas
  11. 11. LISTA DE CONTATOSFelipe VencatoPJ de Porto Alegre3348.1496/84828385felipevencato@yahoo.com.brPamela GrassiPJ de Caxias Do Sul(54) 96096683pamelagrassi@gmail.comMacelo Soares de MouraPJE do RS(51) 84815684es.marcelos@gmail.comMateus Santos da SilvaJuventude Libre(51) 81814925do.matheus.ss@gmail.comjoana Ludwig AraújoJuventude Libre3374.3274/95064087Anderson Barreto MoreiraLevante Popular da Juventude99453424Ander_barreto@yahoo.com.brJuliano PisonePJR do RS96439061julianopjr@yahoo.com.brFabiano Monticelli PisoniPJR do RS98562354fabianopisoni@gmail.com
  12. 12. Maicom GomesPJ de Caxias do Sul(54) 96436999maykogomespj@gmail.comxokquito@hotmail.comBrenda Segobia TrindadePJE do RS85476267bree_segobia@hotmail.comBianca Wurlitzer CastilhoPJE do RS93346901Biancaw29c@msn.comFabiane Asquidamini81789603 – ensaiodevida@yahoo.com.br3568.7451 – trilhacidada@yahoo.com.br (Assessoria do Encontro)Bruno Correia de OliveiraPJE do RS92430431brunocorreia_oliveira@yahoo.com.brbrunoocareca@hotmail.comPatricia M. VieiraPJ de Porto Alegre99991868Pativieira.ajs@gmail.comElsiane ZorziPJ de Novo Hamburgo99093386elisiane_zorzi@ig.com.brlisizorzi@hotmail.comPe. Marcionei Miguel da SilvaCaxias do Sul/ Josefino do Murialdo(14) 81177373marcionei@josefinosdomurialdo.com.br
  13. 13. Junior AbalosPJ Guaiba/Porto Alegre91253371juniorabalos21@hotmail.comAnelise de Oliveira MüllerPJ Caxias do Sul(54) 92041970(54) 99331228aaneoliveira@gmail.comRafael D’Avila BarrosPJ do Vicariato de Canoas92350327rafaelbarros.pj@gmail.comTiago Pavinato KleinAssessoria do encontro96218596tipak@terra.com.brJaiane KrothPJs do RS969347563568.7451jaianekroth@yahoo.com.brjaiane_sk@hotmail.comBruna Carvalho dos SantosPJE do RS97424486bruna_santos09@yahoo.com.brbrunasancar@hotmail.comCristiano A. ScheiblerPJR do RS96267822
  14. 14. Henrique Porto Lusa91389785(54) 84071324Pulgapt13@gmail.comAndré ForalossoPJE do RSaforalosso@hotmail.comPaula GrassiPJ do RS(54) 96934756paulinhagrassi@gmail.com “VAMOS JUNTOS GRITAR, GIRAR O MUNDO, CHEGA DE VIOLÊNCIA E EXTERMÍNIO DE JOVENS”

×